29 de novembro de 2015

Capítulo 38

Damon havia parado e estava ajoelhado atrás de um enorme galho de árvore quebrado. Stefan agarrou as duas meninas e, juntos, pularam e pousaram bem atrás de seu irmão.
Elena encontrou-se encarando o grande tronco da árvore. Mesmo sendo grande, ele era mais largo do que ela esperava. Era verdade: eles quatro não poderiam ficar de mãos dadas em volta dele. Mas no fundo de sua mente havia imagens de luas, árvores e galhos que eram tão altos quanto arranha-céus, onde uma Esfera Estelar poderia estar escondida em qualquer “andar” ou “sala”.
Aquela era uma grande árvore com tronco de carvalho, com uma espécie de círculo mágico com, talvez, vinte metros de diâmetro, no qual não havia folhas vivas em volta. Possuía uma cor mais clara que o barro pelo qual percorria, e brilhava em alguns lugares. No geral, Elena ficou aliviada.
Mais que isso, ela pôde até mesmo ver a Esfera Estelar. Ela temia — junto com outras coisas — que pudesse estar muito alta, num lugar onde não se pudesse escalar, em um emaranhado de raízes e ramos que, hoje, certamente depois de centenas ou milhares de anos, seria impossível de se cortar. Mas lá estava ela, a maior Esfera Estelar já feita, devendo ser do tamanho de uma bola de praia, aninhada no primeiro suporte da árvore.
Sua mente continuou em ação. Eles conseguiram; acharam a Esfera Estelar. Mas quanto tempo levaria para levá-la de volta até onde Sage estava? Automaticamente, ela olhou para sua bússola e viu, para sua surpresa, que agora a agulha apontava para sudoeste — em outras palavras, de volta para a Casa de Portais. Isso foi uma jogada de mestre, vindo de Sage. E, talvez, eles não teriam que fazer todo o caminho de volta; podiam simplesmente usar a Chave Mestra e voltar para Fell’s Church, e então... Bem, a Sra. Flowers saberia o que fazer com ela.
Se eles a pegassem, talvez pudessem simplesmente chantageá-la, quem quer que Ela fosse, fazendo com que ela fosse embora para sempre em troca da Esfera Estelar. Embora... Será que poderiam viver com o pensamento de que ela poderia fazer isso de novo... E de novo... E de novo com outras cidades?
Enquanto ela fazia seus planos, Elena viu a expressão de seus companheiros: o rosto infantil, em formato de coração e cheio de dúvidas de Bonnie; os olhos avaliativos e interessados de Stefan; o sorriso perigoso de Damon.
Eles estavam vendo, por fim, a recompensa de um trabalho árduo.
Mas ela não podia ficar olhando por muito tempo. Coisas tinham de ser feitas. Mesmo enquanto eles olhavam, a Esfera Estelar brilhava, mostrando tantas cores incandescentes e brilhantes que Elena quase ficou cega. Ela protegeu seus olhos justo quando ouviu Bonnie inalar profundamente.
— O que foi? — Stefan perguntou, com uma mão na frente de seus olhos, que, é claro, eram bem mais sensíveis à luz que olhos humanos.
— Alguém a esteve usando agora mesmo! — Bonnie respondeu. — Quando ela brilhou desse jeito, ela enviou Poder! À uma distância bem, bem longa!
— As coisas estão esquentando na pobre e velha Fell’s Church — Disse Damon, que estava olhando para os ramos acima dele.
— Não diga isso! — Bonnie exclamou. — É nossa casa. E agora, finalmente podemos defendê-la!
Elena pôde praticamente ver o que Bonnie estava pensando: abraços em família; vizinhos sorrindo para seus vizinhos novamente; a cidade inteira trabalhando para arrumar aquela confusão.
É assim que grandes tragédias, às vezes, acontecem. Há pessoas com um único objetivo, ainda que não estejam em sincronia. Pretensões. Presunções. E, talvez, mais importante de tudo, a incapacidade de sentarem para conversar.
Stefan tentou se aproximar, embora Elena pudesse ver que ele ainda estava cego devido ao brilho da Esfera Estelar. Ele disse silenciosamente:
— Vamos conversar a respeito e tentarmos entrar em um acordo em como vamos pegá-la...
Mas Bonnie estava rindo dele, não de um modo gentil. Ela disse:
— Eu posso subir lá tão rápido quanto um esquilo. Tudo o que preciso é de alguém forte para pegá-la quando eu jogá-la. Eu sei que não poderei descer com ela em mãos. Não sou tão burra. Qual é, pessoal, vamos nessa!
E foi assim que aconteceu. Diferentes personalidades, diferentes modos de pensar. E uma risada de uma menina brilhante, que não teve uma premonição quando fora necessário.
Elena, que estava invejando a estaca de combate de Meredith, nem sequer viu quando começou. Ela estava olhando para Stefan, que estava piscando rapidamente para ter sua visão de volta.
E Bonnie estava descendo rapidamente como ela havia dito, de cima daquele galho de árvore morta que os abrigava. Ela até deu um risinho para eles antes de saltar para dentro do círculo estéril e brilhante em torno da árvore.
Então, microssegundos se estenderam infinitamente. Elena sentiu seus olhos se abrirem lentamente, mesmo que ela soubesse que eles haviam se aberto bem rápido. Viu Stefan tentar alcançar vagarosamente os pés de Bonnie, mesmo sabendo que o que ela viu foi uma garra-relâmpago tentando pegar os tornozelos da menina. Ela até mesmo ouviu a telepatia instantânea de Damon: “Não, sua tolinha!”, como se ele estivesse falando as palavras em seu costumeiro tom preguiçoso de superioridade.
E então, ainda em câmera lenta, os joelhos de Bonnie se flexionaram e ela pulou por cima do círculo.
Mas ela nunca tocou o chão. De alguma forma, uma tira preta e incrivelmente rápida, até mesmo para o filme de terror em câmera lenta que Elena estava presenciando, apareceu onde Bonnie devia pousar. E então Bonnie estava sendo arremessada rápido demais para que os olhos de Elena pudessem acompanhar, para fora do círculo estéril e, em seguida, houve um ruído surdo... Muito rápido para que Elena pudesse dizer que fosse a aterrissagem de Bonnie.
Bem claramente, ela ouviu Stefan gritar “Damon!” em uma voz horrível. E, em seguida, Elena viu objetos finos — parecidos com lanças — sendo arremessados lá embaixo. Outra coisa que seus olhos não puderam acompanhar. Quando sua visão de ajustou, ela viu que eram longos ramos negros espalhados igualmente ao redor da árvore, como se fossem trinta pernas de aranha, trinta lanças longas que deveriam aprisionar alguém dentro delas, igual às grades de uma cela, ou prendê-los na areia estranha no chão.
“Prender” era uma boa palavra. Elena gostava do som dela. Enquanto ela estava olhando para as farpas afiadas nos ramos, destinadas a manterem qualquer coisa que elas pegassem no chão, ela pensou em como Damon ficaria aborrecido se uma delas perfurasse sua jaqueta de couro. Ele soltaria palavrões, e Bonnie tentaria fingir que ele não fez isso... E...
Ela estava bem perto agora, percebendo que aquilo não era tão fácil. O ramo, que devia ser do tamanho de uma lança, havia atingido o ombro de Damon, e devia ter doído para caramba, além de ter espirrado gotas de sangue no canto de sua boca. Mas o mais irritante era o fato de que ele havia fechado seus olhos. Foi assim que Elena pensou. Ele os havia fechado deliberadamente... Talvez porque estava com raiva; talvez por causa da dor em seu ombro. Mas isso fez com que ela se lembrasse da parede de ferro que encontrou, na última vez em que tentara tocar sua mente... E, caramba, será que ele não podia admitir que estava assustado?
— Abra seus olhos, Damon — Ela disse, corando, porque era isso que ele queria que ela dissesse.
Ele era o maior manipulador do mundo.
— Abra seus olhos, eu disse! — Agora ela estava realmente irritada. — Não banque o engraçadinho, porque você não engana ninguém, e nós já cansamos disso!
Ela estava prestes a ir lá dar-lhe uma sacudida quando algo preencheu o ar, fazendo com que ela olhasse para Stefan.
Stefan estava com dor, mas com certeza com menos dor do que Damon. Ela olhou de novo para Damon, para xingá-lo, quando Stefan disse bruscamente:
— Elena, ele não pode!
Durante o menor tempo possível, as palavras soaram como um absurdo para ela. Não só confusas, mas sem sentido, como dizer a alguém que parasse o seu apêndice de fazer... O que quer que seja que um apêndice faça. Esse pequeno intervalo foi tudo que ela teve, e então ela teve de encarar o que seus olhos estavam mostrando para ela.
Damon não havia sido ferido em seu ombro. Ele havia se machucado no canto esquerdo, ligeiramente no centro de seu torso.
Exatamente onde seu coração estava.
Palavras se voltavam para ela. Palavras que alguém havia dito uma vez... Embora ela não pudesse se lembrar de quem agora. “Você não pode matar um vampiro tão facilmente. Só morremos se você atravessar uma estaca em nossos corações ...”
Morto? Damon, morto? Isso devia ser um engano…
— Abra, seus olhos!
— Elena, ele não pode!
Mas ela sabia, sem saber como, que Damon não estava morto. Ela não ficou surpresa que Stefan não soubesse disso; isso, esse zumbido, fazia parte da frequência especial entre ela e Damon.
— Vamos, rápido, me dê um machado.
Ela disse tão desesperadamente e com tanto ar de conhecimento que Stefan o entregou sem dizer nada, obedecendo também quando ela lhe disse para segurar o ramo em cima e embaixo. Depois, com algumas pancadas rápidas do machado, ela cortou o ramo preto, que era espesso o suficiente para impedi-la de apertar suas mãos em volta dele. Isso foi feito num surto de adrenalina pura, mas ela sabia que Stefan havia ficado admirado e a permitiu que continuasse.
Quando terminou, ela tinha um ramo frouxo que caiu e voltou até a árvore, rapidamente... E algo que parecia uma estaca junto a Damon.
Só quando ela começou a puxar a estaca que um Stefan horrorizado fez com que ela parasse.
— Elena! Elena! Eu não mentiria para você! Esses ramos foram feitos para isso. Matar intrusos que são vampiros. Olhe, amor... Veja.
Ele estava mostrando a ela outro ramo que estava junto à areia, com as farpas sobre ela. Assim como aquelas lanças primitivas de pedra.
— Esses ramos foram feitos para serem assim — Stefan estava dizendo. — E se você continuar a puxá-la, você vai acabar... Puxando pedaços... Do coração dele.
Elena congelou. Ela não tinha certeza se podia compreender as palavras... Ela podia se permitir a entender, ou poderia visualizá-las. Mas não importava.
— Eu vou destruir isso de outra forma — Ela disse bem devagar, olhando para Stefan, mas não sendo capaz de ver os olhos verdes dele por causa luz oliva. — Espere. Só espere e veja. Encontrarei um Poder de Asa que destruirá essa... Essa... Maldita abominação.
Ela podia pensar em vários outros nomes que serviriam para aquela estaca, mas ela tinha que se manter no controle.
— Elena — Stefan sussurrou seu nome como se ela mal pudesse entendê-lo.
Mesmo sob o crepúsculo, ela pôde ver lágrimas em seu rosto. Ele continuou, mentalmente:
Elena, olhe para os olhos dele. Essa Árvore é uma viciada em matança, com uma Madeira que nunca vi, mas que já ouvi falar a respeito. Está... Está se espalhando. Dentro dele.
— Dentro dele? — Ela repetiu estupidamente.
Por suas artérias e veias… E nervos… Tudo conectado com seu coração. Ele... Oh, Deus, Elena, só olhe nos olhos dele!
Elena olhou. Stefan havia se ajoelhado e gentilmente levantou as pálpebras de Damon e, então, Elena começou a gritar.
Nas pupilas profundas que antes carregavam um céu noturno cheio de estrelas, agora havia um vislumbre... Não havia mais estrelas, mas sim algo verde. Parecia brilhar com sua própria luminescência infernal.
Stefan olhou para ela com agonia e compaixão. E agora, com um movimento gentil, Stefan estava fechando aqueles olhos... Para sempre, ela sabia que ele estava pensando.
Tudo parecia estranho, quase como se fosse um sonho. Nada mais fez sentido.
Stefan estava deitando cuidadosamente a cabeça de Damon... Ele estava fazendo com que ele partisse em paz.
Mesmo em seu mundo distorcido e confuso, Elena soube que ela nunca poderia ter feito isso.
E então, um milagre aconteceu. Elena ouviu uma voz em sua mente que não era a dela.
Isso tudo foi bastante inesperado. Eu agi, pela primeira vez, sem pensar. E essa foi minha recompensa.
A voz era um zumbido na frequência especial deles, do Damon e dela. Elena saiu dos braços de Stefan, que estavam tentando contê-la, e caiu, segurando os ombros de Damon com as mãos.
Eu sabia! Eu sabia que você não podia estar morto!
Foi só então que ela percebeu que seu rosto estava todo molhado, então ela usou suas luvas de couro macio para limpá-lo.
Oh, Damon, você me assustou tanto! Nunca, nunca mais faça isso de novo!
Eu acho que posso te dar minha palavra sobre isso, Damon enviou... Em tons diferentes daqueles que sempre usava... Calmo, mas excêntrico.
Mas você tem que me dar algo em troca.
Sim, é claro, Elena disse. Deixe só eu tirar um pouco de meu cabelo do meu pescoço. Funcionou melhor assim quando Stefan estava deitado... Quando nós o tiramos daquela prisão, naquela liteira…
Não é isso, Damon lhe disse. Pela primeira vez, anjo, eu não quero o seu sangue. Quero que você me dê sua mais solene palavra de que tentará ser forte. Se ajudar em alguma coisa, eu sei que mulheres são melhores que homens neste aspecto. Elas são menos covardes em encarar... O que vocês terão de encarar agora.
Elena não gostou do tom dessas palavras. A vertigem que estava fazendo seus lábios ficarem dormentes estava viajando por todo o seu corpo. Não havia nenhuma bravura. Damon podia aguentar a dor. Ela encontraria um Poder de Asa que destruiria toda aquela madeira que o estava envenenando. Podia doer, mas salvaria a vida dele.
Não fale assim! Ela retrucou severamente, antes que pudesse se lembrar de ser gentil.
Tudo começou a flutuar, e ela não conseguia se lembra do porquê de ser gentil, mas havia um motivo. Ainda assim, foi difícil, pois ela estava usando toda a sua concentração e sua força para procurar um Poder de Asa que ela nunca ouvira falar antes. Purificação? Isso tiraria a madeira ou faria com que Damon ficasse sem o seu sorriso malicioso? Não faria mal tentar, de qualquer forma, e ela estava ficando desesperada... Porque o rosto de Damon estava ficando pálido.
Mas nem mesmo as Asas da Purificação lhe foram úteis.
De repente, um grande tremor — uma convulsão — tomou conta do corpo inteiro de Damon. Elena ouviu palavras cortadas vindo detrás dela.
 — Amor, amor... Você tem que deixá-lo ir. Ele está vivendo com... Com uma dor intolerável, só porque você está mantendo-o aqui — Uma voz disse, e era a de Stefan.
Stefan, quem nunca mentiria para ela.
Só por um instante é que Elena hesitou, mas então uma raiva ardente começou a percorrer por todo o seu corpo. Isso fez com que ela tivesse forças para gritar com a voz rouca:
Eu... Não! Eu não vou abandoná-lo! Droga, Damon, você tem que lutar! Deixe-me te ajudar! Meu sangue... Ele é especial. Ele te dará força. Beba-o!
Ela se atrapalhou com a faca. Seu sangue era mágico. Talvez, se ela desse sangue o suficiente, ela daria a Damon força para lutar contra as fibras da madeira que ainda estavam se espalhando por seu corpo.
Elena cortou sua garganta. Talvez, subconscientemente, ela evitou cortar sua artéria carótica, mas isso foi algo inteiramente sem intenção. Ela simplesmente estendeu a mão, encontrou uma faca de metal e, com um golpe rápido, sangue começou a jorrar. Sangue vermelho que, mesmo na penumbra, era a cor da esperança.
— Aqui, Damon. Aqui! Beba isso. O quanto você quiser… Tudo que você precisar para se curar.
Ela ficou na melhor posição que pôde, ouvindo, mas ao mesmo tempo não ouvindo, o suspiro horrorizado de Stefan atrás dela, por causa da imprudência de seu corte, não concordando com isso.
Mas... Damon não estava bebendo. Nem mesmo o sangue de sua Princesa das Trevas... E como a frase continuava? Era algo como um combustível de foguete, se comparado como o sangue encontrado nas veias das outras garotas. Agora ele só escorria pelos lábios dele. Ele corria pelo seu rosto pálido, encharcando sua camisa preta e formando uma poça em sua jaqueta de couro.
Não...
Damon, Elena enviou, por favor. Estou... Te implorando. Por favor. Estou te implorando; faça por mim, Elena. Por favor, beba. Podemos fazer isso... Juntos.
Damon não se mexeu.
Sangue derramou-se da boca que ela havia aberto, enchendo-a, até que começou a transbordar novamente. Era como se Damon estivesse insultando-a, dizendo:
— Você não quis que eu desistisse de sangue humano? Bem, eu desisti... Para sempre.
Oh, bom Deus, por favor...
Elena estava mais atordoada do que nunca agora. Eventos externos passaram sem ela dar muita importância ao seu redor, como uma pessoa que vai ao mar pular umas ondas. Sua atenção estava inteiramente em Damon.
Mas uma coisa ela sentiu. A bravura dela... Damon estava errado quanto a isso. Soluços enormes estavam subindo de algum lugar profundo dentro dela. Ela tinha feito com que Stefan a soltasse e agora não conseguia mais se conter.
Ela caiu sobre seu próprio sangue e sobre o corpo de Damon. Sua bochecha estava contra a dele.
E a bochecha dele estava fria. Mesmo sob o sangue, estava fria.
Elena nunca soube quando sua histeria começou. Ela simplesmente se encontrou gritando e chorando, batendo nos ombros de Damon, xingando-o. Ela nunca o havia xingado apropriadamente antes, pelo menos não de frente. Enquanto gritava, não era só um som. Ela começou a gritar novamente para que ele achasse algo para qual lutar.
E finalmente, ela começou com as promessas. Promessas que, do fundo do seu coração, ela sabia que eram mentiras. Ela acharia um jeito de curá-lo, a qualquer momento. Ela até já sentiu um novo Poder de Asa chegando para salvá-lo.
Tudo para não ter de encarar a verdade.
— Damon? Por favor? — Houve uma pausa na gritaria, quando ela começou a usar sua nova voz, sua voz rouca. — Damon, só faça uma coisa por mim. Só aperte minha mão. Sei que você pode fazer isso. Só aperte uma de minhas mãos.
Mas não houve nenhum aperto em nenhuma de suas mãos. Somente sangue, que começava a ficar pegajoso.
E então, o milagre aconteceu e ela mais uma vez pôde ouvir a voz de Damon — bem fraquinha — em sua cabeça.
Elena? Não... Chore, querida. Não é… Tão ruim como Stefan disse. Eu não sinto quase nada, exceto no meu rosto. Eu... Sinto suas lágrimas. Chega de chorar... Por favor, anjo.
Por causa desse milagre, Elena paralisou-se. Ele havia chamado Stefan de “Stefan” e não de “maninho”. Mas ela tinha outras coisas para pensar agora. Ele ainda podia sentir coisas em seu rosto! Isso era uma informação importante, uma informação valiosa. Elena imediatamente cobriu seu cabelo com as mãos e o beijou nos lábios.
Eu acabei de te beijar. Estou te beijando novamente. Você pode sentir isso?
Para sempre, Elena, Damon disse. Eu… Levarei isso comigo. Faz parte de mim agora… Você entende?
Elena não quis entender. Ela beijou seus lábios — gélidos — de novo. E de novo.
Ela queria dar-lhe algo mais. Algo bom para se pensar.
Damon, você se lembra da primeira vez em que nos conhecemos? Na escola, depois que as luzes se apagaram, quando eu estava mexendo na decoração da Casa Mal-Assombrada. Quase deixei que você me beijasse, naquela época... Antes mesmo de eu sequer saber o seu nome... Quando você saiu silenciosamente da escuridão.
Damon, surpreendentemente, a respondeu imediatamente.
Sim... E você... Você me surpreendeu por ser a primeira garota que eu não consegui Influenciar de imediato. Nós... Nos divertimos juntos... Não é? Algumas vezes? Nós fomos à uma festa… E dançamos juntos. Eu levarei isso comigo, também.
Através de seu torpor, Elena teve um pensamento. Não confundi-lo ainda mais. Eles tinham ido àquela “festa” somente para salvarem a vida de Stefan. Ela lhe disse:
Nos divertimos, sim. Você é um bom dançarino. Imagine a gente valsando!
Damon enviou lentamente, vagamente:
Sinto muito... Eu tenho sido horrível ultimamente. Diga... Diga isso a ela. Bonnie. Diga a ela…
Elena estabilizou-se.
Eu direi. Estou te beijando novamente. Você pode sentir eu te beijando?
Era uma pergunta retórica, então ela ficou em choque quando Damon só respondeu devagar e sonolentamente:
Eu... Fiz algum juramento para você, onde eu digo somente a verdade?
Sim, ela mentiu instantaneamente. Ela precisava da verdade vinda dele.
Então... Para ser honesto, não... Eu não consigo sentir. Parece que eu não tenho mais... Um corpo. É confortável e quente, e nada mais machuca. E... Eu quase sinto como se não estivesse sozinho. Não ria.
Você não está sozinho! Oh, Damon, você não sabia disso? Eu nunca, nunca te deixaria sozinho.
Elena ficou em choque, se perguntando como fazer com que ele acreditasse nela. Pelo menos, só por mais alguns segundos...
Aqui, ela enviou em um sussurro telepático, eu te darei meu segredo mais precioso. Eu nunca o disse para mais ninguém. Você se lembra daquele motel em que ficamos, naquela nossa viagem de carro, e como todos — inclusive você — se perguntaram o que havia acontecido naquela noite?
Um... Motel? Uma viagem de carro? Ele estava soando muito inseguro agora. Oh, sim. Eu me lembro. E… Na manhã seguinte… Eu fiquei com dúvidas.
Porque Shinichi roubou sua memória, Elena disse, esperando que aquele nome odiado reavivasse Damon.
Mas não teve efeito. Assim como Shinichi, Damon havia terminado sua missão na Terra.
Elena inclinou seu rosto contra o dele, que estava frio e sangrento.
Eu te abracei, querido, bem desse jeito... Bem, quase assim. A noite toda. Era isso que você queria, não se sentir sozinho.
Houve uma longa pausa, e Elena começou a ficar em pânico nas poucas partes de seu corpo que já não estavam entorpecidas ou histéricas. Mas, então, as palavras vieram até ela bem devagar.
Obrigado... Elena. Obrigado... Por me dizer o seu segredo mais precioso.
Sim, eu te direi algo ainda mais precioso. Ninguém está sozinho. Nunca. Ninguém jamais fica sozinho.
Você está comigo... É tão quente... Nada mais com que se preocupar...
Nada mais, Elena prometeu a ele. E eu sempre estarei contigo. Ninguém está sozinho; eu te prometo.
Elena... As coisas estão começando a ficar estranhas agora. Não há mais dor. Mas preciso te contar... O que você já sabe... Como eu me apaixonei por você... Você vai se lembrar, né? Você não vai me esquecer?
Esquecê-lo? Como eu poderia te esquecer?
Mas Damon já estava falando e, de repente, Elena soube que ele já não podia ouvi-la, nem ao menos telepaticamente.
Você vai se lembrar? Por mim? Só isso… Eu amei uma vez… Só uma vez, sério, na minha vida toda. Você pode se lembrar de que eu te amei? Isso faz com que minha vida… Valha… Alguma coisa.
Sua voz desapareceu.
Elena estava tonta demais agora. Sabia que ainda estava perdendo sangue rapidamente. Bem rápido. Sua mente estava confusa. E ela, de repente, foi atingida por uma tempestade de soluços. Pelo menos, ela não iria gritar novamente... Não havia ninguém para se gritar. Damon já havia partido. Ele havia ido sem ela.
Ela queria segui-lo. Nada era real. Ele não entendia? Ela não podia imaginar um universo, não importa quantas dimensões existam, sem Damon lá. Não havia mundo para ela, se não houvesse Damon.
Ele não podia fazer isso com ela.
Sem saber ou se importar com o que ela estava fazendo, ela mergulhou fundo, bem fundo na mente de Damon, empunhando sua telepatia como se fosse uma espada, cortando as conexões de madeira que ela encontrou em toda a parte. E, por fim, ela encontrou-se mergulhando na mais profunda parte dele... Onde um menininho, a metáfora inconsciente de Damon, que já havia sido amarrado sob correntes e que fora designado a guardar a grande pedra que Damon mantinha seus sentimentos.
Oh, Deus, ele deve estar com tanto medo, ela pensou. Seja qual for o custo, ele não deve ter permissão de partir enquanto estiver com medo...
Agora ela o via. O Damon-criança. Como sempre, ela pôde ver naquele rosto docemente arredondado, o homem forte e robusto que Damon se tornaria, com grandes olhos negros e um olhar insondável em potencial.
Mas, apesar de ele não estar sorrindo, o olhar da criança estava aberto e acolhedor, de uma forma que Damon jamais estivera. E as correntes haviam sumido. A grande pedra também se fora.
— Eu sabia que você viria — O garoto sussurrou, e Elena o pegou no colo.
Calma, Elena disse a si mesma. Calma, ele não é real. Ele é o que sobrou da mente de Damon, a parte mais profunda de seu cérebro. Mas ainda assim, ele é mais jovem que Margaret, e é tão macio e quente. Não importa o que custe, mas por favor, meu Deus, faça com que ele não saiba o que realmente aconteceu.
Mas havia conhecimento naqueles grandes olhos negros que começaram a encarar o rosto dela.
— Estou tão feliz em te ver — Ele confidenciou. — Eu pensei que nunca falaria contigo novamente. E... Ele ... Você sabe… Ele deixou alguns recados comigo. Eu não acho que ele possa dizer mais alguma coisa, então ele as enviou para mim.
Elena entendeu. Se havia algo que a madeira não houvesse alcançado, seria a última parte de seu cérebro: a parte mais primitiva. Damon ainda podia falar com ela... Através de sua parte infantil.
Mas antes que ela pudesse falar, viu que havia lágrimas nos olhos da criança e, em seguida, o corpo dele sofreu um espasmo e ele mordeu os lábios com força... Para evitar que soltasse um grito, ela adivinhou.
— Dói? — Perguntou, tentando acreditar que não doesse.
Tentando acreditar desesperadamente.
— Não muito.
Mas ele estava mentindo, ela percebeu. Ainda assim, ele não havia soltado nenhuma lágrima. Ele tinha seu orgulho, esse Damon-criança.
— Eu tenho um recado especial para você — Ele disse. — Ele pediu para que eu dissesse a você que ele sempre estará contigo. E que você nunca estará sozinha. Que ninguém fica sozinho.

4 comentários:

  1. Não,não e não!Alguém me diz que o Damon vai ressuscitar ou algo do tipo!Ele amava a Elena e ela foi tão cruel e fria com ele!Sempre preferindo o Stefan,aquele maldito e sem graça do Stefan!Eu não posso acreditar nisso...

    ResponderExcluir
  2. Quem sentiu um aperto dentro de si, por damon ter morrido. Acho que ele volta nos proximos livros.

    ResponderExcluir
  3. DAMON É O MELHOR. CASAL ELENA E STEFAN É MUITO CHATO. TODOS NO LIVRO FALAM QUE ELA TÊM MUITO PODER E BLA BLA BLA. MAS ELA NÃO FAZ NADA COM ESSE PODER. ´SOMENTE UMA ÚNICA VEZ COM DAMON.ELA NÃO É TÃO PURA E BOA ASSIM.

    ResponderExcluir
  4. Não acredito que o Damon morre!!! Isso é inaceitável! INACEITÁVEL!!!

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!