18 de outubro de 2015

Vinte - Venha para o lado negro. Temos jujubas

UMA VOZ FAMILIAR disse:
— Morreu de novo, foi?
Abri os olhos. Eu estava em um pavilhão cercado de colunas de pedra cinza. Do lado de fora, não havia nada além do céu azul sem nuvens. O ar estava rarefeito. Um vento frio soprava no piso de mármore, movimentando o fogo na lareira central, fazendo as chamas escorrerem até os braseiros dos dois lados da plataforma. Três degraus levavam a um trono, um divã de madeira branca entalhado com formas intrincadas de animais, pássaros e galhos de árvore. O assento era forrado de pele de arminho.
Deitado nele, comendo jujubas de um saquinho prateado, estava o homem de camisa do Red Sox.
— Bem-vindo a Hlidskjalf. — Ele sorriu, e as cicatrizes ao redor dos lábios pareciam as marcas de um zíper. — O Alto Trono de Odin.
— Você não é Odin — concluí. — Você é Loki.
O homem da camisa do Red Sox riu.
— Nada escapa do seu intelecto apurado.
— Em primeiro lugar, o que estamos fazendo aqui? Em segundo, Hlid o quê?
— Hlidskjalf. Tem no começo e no final. A primeira letra deve soar como se você estivesse se preparando para cuspir.
— Pensando bem, não dou a mínima.
— Mas devia. Foi aqui que tudo começou. É a resposta para sua primeira pergunta, explica por que estamos aqui. — Ele deu um tapinha no espaço ao lado no divã. — Venha. Coma uma jujuba.
— Hum, não, obrigado.
— Azar o seu. — Ele jogou outra jujuba na boca. — Essa roxa... Não sei qual é o sabor, mas é divina.
Uma veia latejou no meu pescoço, o que foi estranho, já que eu estava sonhando, e provavelmente morto.
Os olhos de Loki me deixavam nervoso. Tinham o mesmo brilho intenso dos olhos de Sam, mas ela mantinha as chamas sob controle. O olhar de Loki se movia sem parar como fogo na lareira, levado pelo vento, procurando qualquer coisa que pudesse destruir e queimar.
— Frey já se sentou aqui. — Ele acariciou o pelo de arminho. — Você conhece a história?
— Não, mas... não é proibido se sentar aí?
— Ah, é. Bem, a não ser Odin e Frigga, o rei e a rainha. Eles podem se sentar aqui e ver qualquer parte dos nove mundos. Só precisam se concentrar para encontrar o que quer que estejam procurando. No entanto, se qualquer outra pessoa se sentar aqui... — Ele estalou a língua. — A magia do trono pode ser uma maldição terrível. Eu jamais arriscaria se isso não fosse uma ilusão. Mas seu pai arriscou. Foi seu único momento de rebeldia. — Loki comeu outra jujuba. — Eu sempre o admirei por isso.
— E?
— E em vez de ver o que buscava, viu o que mais desejava. Isso arruinou a vida dele. Foi por isso que perdeu a espada. Ele... — Loki fez uma careta. — Com licença.
Ele virou a cabeça, suas feições contraídas como se ele fosse espirrar, e soltou um grito de dor. Quando voltou a olhar para mim, suas cicatrizes soltavam filetes de vapor.
— Desculpe — disse ele. — De vez em quando o veneno espirra nos meus olhos.
— O veneno. — Eu me lembrei de uma parte de um mito. — Você matou alguém. Os deuses capturaram e aprisionaram você. Havia algo sobre veneno. Onde você está agora, de verdade?
Ele me deu aquele sorriso torto.
— Onde sempre estou. Os deuses me deixaram, ah, devidamente confinado. Mas isso não é importante. Ainda posso projetar parte da minha essência de tempos em tempos, como estou fazendo agora, para falar com meus melhores amigos!
— Não é porque você está usando uma camisa do Sox que somos amigos.
— Isso me magoou! — Os olhos dele brilharam. — Minha filha Samirah viu alguma coisa em você. Poderíamos nos ajudar mutuamente.
— Você mandou que ela me levasse a Valhala?
— Ah, não. Não foi ideia minha. Você, Magnus Chase, é do interesse de muita gente. Algumas não são tão encantadoras e solícitas como eu.
— Que tal ser encantador e solícito com sua filha? Ela foi expulsa da ordem das valquírias porque me escolheu.
O sorriso dele sumiu.
— Isso aí é com os deuses. Eles também me baniram, e quantas vezes salvei a pele deles? Não se preocupe com Samirah. Ela é forte, vai ficar bem. Estou mais preocupado com você.
Um vento frio soprou pelo pavilhão, tão forte que me arrastou alguns centímetros pelo piso de pedra polida.
Loki amassou o saquinho das jujubas.
— Você vai acordar logo. Antes de ir, um conselhinho.
— Acho que não tenho escolha.
— A Espada do Verão — disse Loki. — Quando seu pai se sentou neste trono, o que viu o condenou. Ele se livrou da espada. Entregou-a a seu servo e mensageiro, Skírnir.
Por um momento, voltei para a ponte Longfellow, a espada zumbindo na minha mão como se tentasse se comunicar comigo.
— Tio Randolph mencionou Skírnir — falei. — O descendente dele estava naquele naufrágio.
Loki aplaudiu teatralmente.
— E lá a espada ficou por mil anos, esperando que alguém a reivindicasse, alguém que tivesse o direito de brandi-la.
— Eu.
— Ah, mas você não é o único que pode usá-la. Sabemos o que vai acontecer no Ragnarök. As Nornas já previram nosso destino. Frey... pobre Frey, por causa de suas escolhas, vai morrer nas mãos de Surt. Vai ser perfurado com sua própria espada pelo lorde dos gigantes do fogo.
Senti uma pontada na cabeça, bem no lugar em que o machado do einherji me acertou.
— É por isso que Surt quer a espada. Com ela, ele estará pronto para o Ragnarök.
— Não é só isso. Ele vai usar a espada para deflagrar uma cadeia de eventos que vão adiantar o Juízo Final. Em oito dias, a menos que você o impeça, ele vai soltar meu filho, o Lobo.
— Seu filho...? — Meus braços estavam evaporando. Minha visão ficou turva. Perguntas demais surgiam na minha mente. — Espere aí... você também não está destinado a lutar contra os deuses no Ragnarök?
— Sim, mas isso foi escolha dos deuses, não minha. A questão do destino, Magnus, é a seguinte: mesmo que não possamos mudar o cenário, nossas escolhas podem alterar os detalhes. É assim que nos rebelamos contra o destino, como deixamos nossa marca. Que escolha você vai fazer?
A imagem dele tremulou. Por um momento, eu o vi estirado em um pedaço de pedra, os punhos e os tornozelos presos com cordas viscosas, o corpo se contorcendo de dor. Depois, o vi em uma cama de hospital, uma médica inclinada sobre ele, tocando delicadamente sua testa. Ela parecia uma versão mais velha de Sam, com mechas do cabelo castanho escapando de uma touca vermelha e a boca tensa de preocupação.
Loki apareceu no trono de novo, limpando açúcar da jujuba que caiu na camisa do Red Sox.
— Não lhe direi o que fazer, Magnus. Essa é a diferença entre mim e os outros deuses. Levantarei apenas a seguinte questão: quando tiver oportunidade de se sentar no trono de Odin, e saiba que esse dia se aproxima, vai procurar o desejo do seu coração, sabendo que ele pode condenar você como condenou seu pai? Pense nisso, filho de Frey. Talvez voltemos a nos falar, se você sobreviver aos próximos oito dias.
Meu sonho mudou. Loki sumiu. Os braseiros explodiram, espirrando carvão quente por toda a plataforma, e o Alto Trono de Odin ardeu em chamas. As nuvens viraram massas de cinzas vulcânicas. Acima do trono em chamas, dois olhos vermelhos apareceram na fumaça.
VOCÊ. A voz de Surt me acertou como um lança-chamas. TUDO O QUE CONSEGUIU FOI ME ATRASAR. AGORA GARANTIU UMA MORTE MAIS DOLOROSA E PERMANENTE.
Eu tentei falar alguma coisa. O calor sugou o oxigênio dos meus pulmões. Meus lábios racharam e estouraram como bolhas.
Surt riu.
O LOBO ACHA QUE VOCÊ AINDA PODE SER ÚTIL. EU, NÃO. QUANDO NOS ENCONTRARMOS DE NOVO, VOCÊ VAI QUEIMAR, FILHO DE FREY. TRANSFORMAREI VOCÊ E SEUS AMIGOS EM CARVÃO. VOCÊS VÃO INICIAR O INCÊNDIO QUE VAI QUEIMAR OS NOVE MUNDOS.
A fumaça se adensou. Eu não conseguia respirar, não conseguia enxergar.
Meus olhos se abriram e eu me levantei de repente, ofegante. Estava deitado na minha cama no quarto de hotel. Surt havia sumido. Toquei meu rosto, mas não estava queimado. Não havia nenhum machado enfiado ali. Todos os ferimentos da batalha tinham sumido.
Mesmo assim, meu corpo todo vibrava, alarmado. Senti como se eu tivesse adormecido em cima do trilho do trem e o Acela Express tivesse acabado de passar.
O sonho já estava se apagando da minha mente. Tentei desesperadamente guardar informações específicas: o trono de Odin, Loki e as jujubas, meu filho, o Lobo, Surt prometendo queimar os nove mundos. Tentar entender aquilo tudo era ainda mais doloroso do que levar uma machadada na testa.
Alguém bateu à porta.
Pensando que poderia ser um dos meus vizinhos, pulei da cama e corri para atender. Abri a porta e me vi cara a cara com a valquíria Gunilla, e só então percebi que estava de cueca.
O rosto dela ficou rosado. Os músculos do maxilar se contraíram.
— Ah.
— Capitã Gorila. Quanta honra.
Ela se recuperou rapidamente e olhou para mim como se estivesse tentando ativar a visão de raio congelante.
— Magnus Chase, eu, hã... Você ressuscitou com uma velocidade incrível.
Pelo tom, concluí que ela não esperava me encontrar ali. Mas então, por que bateu à porta?
— Eu não estava cronometrando minha ressurreição. Foi rápida?
— Muito. — Ela olhou para trás de mim, talvez procurando alguma coisa. — Temos um tempinho antes do jantar. Talvez eu pudesse levar você para dar um passeio pelo hotel, já que sua valquíria foi dispensada.
— Você quer dizer já que você fez com que ela fosse dispensada.
Gunilla levantou as mãos.
— Eu não controlo as Nornas, são elas que decidem nosso destino.
— Isso é tão conveniente. — Eu me lembrei do que Loki dissera: Nossas escolhas podem alterar os detalhes. É assim que nos rebelamos contra o destino. — E eu? Você, ou melhor, as Nornas decidiram meu destino?
Gunilla fez uma careta. Ela estava tensa, pouco à vontade. Havia alguma coisa incomodando, ou até mesmo assustando, aquela garota.
— Os lordes estão discutindo sua situação agora. — Ela soltou o chaveiro do cinto. — Me acompanhe. Vamos conversar. Se eu entender você melhor, talvez possa interceder a seu favor. A não ser, claro, que você queira tentar a sorte sem a minha ajuda. Quem sabe dá certo. Talvez os lordes o coloquem para trabalhar de porteiro por uns séculos. Ou para lavar louça na cozinha.
A última coisa que eu queria era passar bons momentos com Gunilla. Por outro lado, um passeio pelo hotel poderia me mostrar detalhes importantes, como as saídas. E, depois do sonho que tive, não queria ficar sozinho.
Além do mais, eu podia imaginar quanta louça sobrava para lavar depois de três rodadas de jantar no salão de banquete.
— Aceito o passeio — falei. — Mas primeiro acho que preciso me vestir.

40 comentários:

  1. Ele tem uma singela diferença em.relação ao Percy, ele não é tão lerdo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Faz sentido :v
      Mas Harry Potter recebe o Prêmio Fictício de Lerdice

      Excluir
    2. não critique Percy Jackson!
      Luiza

      Excluir
    3. Ah, discordo. Percy é mais lerdo que Harry! heuaheuahe

      Excluir
    4. Pelo menos no que diz a questão amorosa esses daí dariam belos irmãos kkkkkkkkkkkkkk

      Excluir
    5. Se existisse o Prêmio Nobel da Lerdice, ele seria do Percy, sem dúvidas!

      Excluir
    6. Percy é deveras mais lento que o menino harry

      Excluir
    7. Harry não é tãããão lerdo assim, só qdo se trata de garotas kkkk
      Mas o Percy ainda ganha

      Excluir
    8. Primo da Annabeth, não pode ser lerdo ora!

      Excluir
    9. caçadora de Artermis5 de janeiro de 2016 20:39

      Rony consegue ser mais lerdo q o Percy mas acho q vem personagens mais lerdos

      Excluir
  2. Gorila gostou do que viu ( ͡° ͜ʖ ͡°)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kakakakakakakakkakakakakakakakkakakakakakkaka morta

      Excluir
    2. hahahahahahahahahahahahahahahahahahahaha

      Excluir
  3. Só eu que imagino a Sam como a Samantha de Until Dawn?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não! Eu tava tentando lembrar que Sam essa Sam me lembrou kkkk Obrigada!

      Excluir
    2. Eu acho que tá mais pra árabe, pelo hijab, é mulçumana Kkkkk

      Excluir
    3. Eu imagino a Sam e a Annabeth a mesma pessoa, n consigo evitar.

      Excluir
    4. eu quando vejo o nome Sam só me vem na cabeça Sam de sobrenatural... difícil ser um hunter

      Excluir
  4. Gunilla e Clarisse gemeas separadas por acidente kkkkk
    espero q ela melhore como a Clar :-/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pior é que concordo, Gunilla lembra Clarisse mesmo! kkkkk

      Excluir
    2. Caraaa nn tinha percebido ���� pior q é vdd...

      Excluir
    3. caçadora de Artermis5 de janeiro de 2016 20:41

      G e C melhor combinaçao
      kkkkkk rachei de rir

      Excluir
    4. Clarissa é foda e legal. Gorila é foda e chata. Talvez mais pra frente fique legal mas... N.

      Excluir
  5. É sério nos livors do tio rick sempre tem tempo para concluir a missão

    ResponderExcluir
  6. kkkkk eu lendo aqi e na tv aparece a pergunta qual deus nordico usa um machado q solta raios ?? kkkkkk Gorila parece querer ajudar mais veremos..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho a mesma coisa não tem nenhum deus nórdico que usa um machado mas tem um que usa um martelo

      Excluir
  7. Magnus=melhor personagem criado pelo rick (pelo menos nos primeiros capítulos)

    ResponderExcluir
  8. Magnus=melhor personagem criado pelo Rick

    Gunilla e Clarisse gemeas separadas por acidente

    Ele tem uma singela diferença em relação ao Percy, ele não é tão lerdo

    ~coruja

    ResponderExcluir
  9. De repente, comecei a odiar os deuses só pelo estado de Loki. Sei que ele não é um amor de pessoa nem nada, mas o que ele disse ficou na minha cabeça... Os deuses decidiram tê-lo como inimigo, disso tenho certeza :(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. caçadora de Artermis5 de janeiro de 2016 20:42

      como Prometheus

      Excluir
    2. né, tipo... cê sabe que ele é "du mal", mas dá vontade de ser abiguinha dele, de tão lgl q ele parece :/

      Excluir
  10. Venha para o lado negro. Temos jujubas!
    -Darth Vader para Luke Skywalker

    ResponderExcluir
  11. Eu gostei muito da gunilla! Ela parece uma vilã, mas não é de se odiar... Como a Drew ou o octavian.
    Bem, eu nao gosto do percy, então nao sou bom para julga-lo...
    Mas a Sam também parece legal :D

    ResponderExcluir
  12. Me apaixonei nesse livro. Só não lei mais 20 capítulos porque tenho que estudar :\

    ResponderExcluir
  13. São muitos nomes impronunciáveis

    ResponderExcluir
  14. MDSSSSS, VAI TER FENRIR SIM, TENHO CTZ

    '' MEU FILHO LOBO ''. É O FENRIR CARAI, EU AMO O FENRIR <3 ( ATÉ ESSE LIVRO PELO MENOS... Vamos ver se a capacidade do rick de me fazer mudar funciona aqui tbm)

    ResponderExcluir
  15. "Pensando que poderia ser um dos meus vizinhos, pulei da cama e corri para atender. Abri a porta e me vi cara a cara com a valquíria Gunilla, e só então percebi que estava de cueca.
    O rosto dela ficou rosado. Os músculos do maxilar se contraíram.
    — Ah."

    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKL IMAGINA QUE CONSTRANGEDOR DEVE SER
    (Quero desenhar essa cena)

    ResponderExcluir
  16. Minha nossa Percy Jackson isto, Percy Jackson aquilo... a intensidade em que falam sobre ele é assustador... daqui a pouco vão falar que viram ele.. sem mencionar o Harry Potter...leitores fanáticos..faz o Trump parecer um menininho...

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!