30 de outubro de 2015

Vinte e sete

Mesmo Ava querendo ficar, eu praticamente agarrei sua mão e a forcei a sair, sabendo que tinha perdido muito tempo em Summerland e eu tinha outros lugares para estar.
— Droga! — Ela mexe seus ela dedos apenas depois de aterrissar no chão com almofadas em se pequeno quarto púrpura. — Eu estava esperando que eles ficassem.
Eu aceno, percebendo como os anéis de ouro que ela manifestou voltaram à sua usual prata, enquanto os sapatos e bolsas de grife não sobreviveram também à viagem.
— Eu estava pensando sobre isso — disse, levantando-se aos meus pés. — Mas você sabe que pode fazer isso aqui, certo? Você pode manifestar qualquer coisa que você quer, você apenas tem que ser paciente. — Eu sorrio, querendo deixar as coisas em uma nota positiva, repetindo exatamente a mesma fala animada que Damen me deu no passado quando as minhas lições começaram. Lições que eu gostaria de ter tido muito mais atenção agora, de ter assumido que ser imortal não nos dava nada além de tempo. Além disso, estou começando a me sentir culpada por ter sido tão dura com ela. Quer dizer, quem não iria ficar um pouco levada (implicante, malcomportada...) em sua primeira visita a aquele lugar?
— E agora? — Ela chama, me seguindo até a porta da frente. — Quando é que vamos voltar? Quero dizer, você não vai voltar sem mim, vai?
Me viro, meus olhos de encontro com os dela, vendo como ela está consumida com a sua visita e me perguntando se eu cometi um erro, a levando lá. Evitando seus com a cabeça direcionada para meu carro, chamando por cima do meu ombro a dizer:
— Eu te ligo.
Na manhã seguinte eu pulo no estacionamento e para a classe. Me fundindo com o habitual enxame de alunos, tal como qualquer outro dia, só que desta vez não me esforço para manter a minha distância e manter o meu espaço pessoal. Em vez disso, me deixei levar pela corrente. Não reagindo o mínimo possivel quando as pessoas encostam em mim, apesar do fato de que deixei meu iPod, capuz e óculos de sol em casa. Mas isso é porque não estou mais dependente de velhos acessórios que nunca funcionaram completamente de qualquer forma.
Agora eu levo o meu quantum remote (A menor quantidade de alguma propriedade física, como a energia) onde quer que eu vá. Ontem, quando Ava e eu estávamos prestes a deixar Summerland, lhe pedi para me ajudar a construir um escudo melhor. Sabendo que eu só poderia voltar para a sala enquanto ela esperava lá fora e recebia a minha própria resposta, mas como ela queria ajudar, imaginando que ela poderia aprender alguma coisa também, nos demoramos a primeira etapa, tanto de nós focamos nossa energia desejando um escudo que nos permitiria (bem, eu principalmente, já que Ava não conseguia ouvir os pensamentos e histórias de vida através do toque) pudesse ajustar conforme a vontade. E a próxima coisa você sabe, nós duas nos olhamos uma para a outra e no exato mesmo segundo dissemos:
— Um quantum remote! — Portanto, agora, sempre que eu quero ouvir os pensamentos de alguém eu só preciso surfar em seu campo de energia e apertar selecionar. E se eu não quiser ser incomodada, eu aperto mudo.
Assim como o controle remoto que tenho em casa. Só que este é invisível para que eu possa levá-lo muito bem onde quer que eu vá. Eu vou para aula de Inglês, chegando cedo para que eu possa observar toda a ação do começo ao fim. Não querendo perder um segundo da minha vigilância planejada. Porque embora eu tenha a prova visual de que Roman é responsável pelo que está acontecendo com Damen – isso só me fez ficar mais longe.
E agora que a parte da equação está resolvida, é hora de passar para o como e por que. Eu só espero que não demore muito. Quero dizer, por um lado, eu sinto falta de Damen. E, por outro, eu estou tão baixa no suco imortal que eu já sou forçada a pensar nisso. E desde que Damen nunca chegou a me dar a receita, eu não tenho nenhuma ideia de como substituí-lo, muito menos o que vai acontecer sem ele. Embora eu tenha certeza que não é bom.
Originalmente, Damen pensou que poderia simplesmente beber o elixir uma vez e ser curado de todos os males. E enquanto trabalhou durante os primeiros cento e cinquenta anos, quando começou a ver sinais sutis de envelhecimento, ele decidiu beber novamente. E então, novamente. Até que finalmente se tornou totalmente dependente.
Ele também não sabia que um imortal poderia ser morto, até que eu derrubei ex-mulher, Drina. E enquanto nós dois tínhamos certeza de que mirar no alvo chakra (Um dos sete centros de energia espiritual no corpo humano de acordo com a filosofia do yoga) mais fraco, (No chakra do coração, no caso de Drina) era o único modo de matar um imortal, e enquanto eu estou certa de que nos somos os únicos que sabem isso – de acordo com o que vi ontem nos registros akáshicos, Roman descobriu uma outra maneira. O que significa que se eu tenho alguma esperança de salvar Damen, eu preciso saber o que Roman sabe, antes que seja tarde demais.
Quando a porta finalmente se abre, eu levanto o meu olhar quando uma multidão de estudantes estoura para dentro. E mesmo que não seja a primeira vez que eu veja isso, ainda é difícil vê-los todos rindo e brincando e ficando juntos, quando apenas na semana passada eles quase não reconheciam os outros. E mesmo que seja muito bonito o tipo de cena que ninguém sonharia em ver na sua escola, nas circunstâncias, não está me dando a emoção que deveria.
E não só porque eu estou presa no lado de fora olhando para dentro, mas porque é assustador, anormal e estranho. Eu quero dizer, escolas não funcionam assim. Caramba, as pessoas não funcionam assim. Como se sempre procurassem se gostar e que é apenas a maneira de ser. É apenas uma dessas regras não ditas. Além disso, isto não é algo que você escolheu fazer. Porque poucos se dão conta de que todos os que abraçam rindo e fazendo saudações não é por causa do novo amor que encontraram uns pelos outros. É por causa de Roman.
Como um mestre de marionetes controlando seus súditos para o seu próprio divertimento – Roman é responsável. E enquanto eu não sei como ou por que ele está fazendo isso, e eu não posso provar que ele realmente está fazendo isso, eu só sei no meu coração que é verdade. É tão claro como o embrulho em meu estômago ou o frio que cobre minha pele não importa o quanto ele esteja próximo.
Eu vejo como Damen desliza para o seu lugar como Stacia vai para sua mesa, empurrando o seu peito para perto do rosto dele, ela mexe o seu cabelo sobre seu ombro e ri com o seu próprio humor estúpido. E mesmo que eu não possa ouvir a piada por que eu propositadamente sintonizei ela para que eu possa ouvir Damen melhor, o fato de que ele pensa que é estúpido, é bom o suficiente para mim.
Ele também me dá uma pequena explosão de esperança. Uma explosão de esperança que em breve termina no segundo que ele retorna sua atenção para o decote dela.
Quero dizer, ele é tão banal, tão juvenil, e para ser honesta, completamente embaraçoso. E se eu pensei que meus sentimentos foram feridos ontem, quando fui forçada a vê-lo com Drina, assim, em retrospecto, não era nada comparado a isto.
Porque Drina estava, então, nada mais do que uma bela imagem, vazia superficial em uma rocha. Mas Stacia está ali e agora. E mesmo que ela seja linda, vazia e também superficial, ela está bem em minha frente em toda sua glória de três dimensões.
Eu escuto Damen com o cérebro diluído descobrindo todas as virtudes e abundância dos pesados e acolchoados peitos de Stacia, e eu não posso deixar de me perguntar se esse é o seu real gosto para mulheres.
Se estas crianças, gananciosas, garotas vaidosas são os tipos de mulheres que ele realmente prefere. E se eu sou apenas uma anomalia estranha, alguma estranha peculiar, que esteve em seu caminho pelos últimos quatrocentos anos. Eu mantenho meu olho nele durante toda a aula, observando no meu lugar solitário.
Automaticamente respondendo as perguntas de Mr. Robins, sem sequer pensar, apenas repetindo a resposta que eu vejo em sua cabeça. Minha mente nunca se desviava de Damen, lembrando-me, de novo e de novo, de quem ele realmente é: Que apesar de todas as aparências, ele é bom, amável, atencioso e leal – o amor incontestável de minhas inúmeras vidas. E que esta versão sentada em minha frente, não é o verdadeiro negócio – não importa o quanto isso pode espelhar alguns dos comportamentos revelados ontem – Não é quem ele é. E quando finalmente o sino toca, eu o sigo. Continuando vigiando ele durante todo o segundo período (principalmente porque eu não vou), escolhendo me atrasar fora de sua sala de aula quando eu deveria estar em execução completa. Escorregando para fora da vista no momento em que senti passei pela sala dos monitores, em seguida, retornando assim que eles passaram. Olhando intensamente para ele através da janela e espionando todos os seus pensamentos, assim como ele me acusou de fazer. Não sabendo se me sentia perturbada ou aliviada quando descubro que suas atenções não são estritamente relacionadas para Stacia – que está muito bem disponível para quem for semi-boa – olhando e se sentando nas proximidades – menos, é claro, de alguém que seja eu. E enquanto o terceiro período, eu também passo espiando Damen, no quarto, eu mudei meu foco para Roman. Olhando-o diretamente nos olhos enquanto me dirijo para minha mesa, girando ao redor e reconhecendo sempre sinto que ele está focado em mim. E mesmo que seus pensamentos sobre mim sejam tão banais e embaraçosos quanto os Damen sobre Stacia, me recuso a corar ou reagir. Eu apenas continuo sorrindo e acenando, determinada a sorrir e aguentar, porque se eu vou descobrir quem esse cara realmente é, em seguida, vou evitá-lo como a Peste Negra.
Assim, quando o sinal toca, eu decido me libertar desse prescrito páreo de Spaz, papel que estou involuntariamente no elenco, e vou direto para a longa fila de mesas. Ignorando o embrulho no meu estômago que fica pior a cada passo, determinada a firmar a mim mesma e me sentar com o resto de minha classe.
E quando Roman acena quando eu faço a minha abordagem, eu não posso deixar de me sentir decepcionada por ele não está tão surpreso quanto eu supunha que ele seria.
— Ever! — Ele sorri, acariciando o espaço estreito ao lado dele. — Então não era só minha imaginação. Nós realmente compartilhamos um momento na sala de aula.
Eu sorrio e me aperto firmemente ao lado dele, a minha mudança faz Damen me olhar instintivamente, mas apenas por um momento antes de eu me obrigar a desviar o olhar.
Lembrando-me que eu preciso ficar focado em Roman, que é imperativo não se desviar.
— Eu sabia que você viria, eventualmente. Eu só queria que não tivesse demorado tanto tempo. Nós temos muito tempo perdido para compensar. — Ele se inclina, o rosto que aparece tão perto que eu posso ver as pintinhas em seus olhos, pontos brilhantes de violeta que seriam tão fáceis se perder. — Isso é bom. Não é agradável? Todos juntos assim, todos unidos como um só. E todo este tempo você era o elo perdido. Mas agora que você está aqui, minha missão está completa. E você pensou que não poderia ser feito. — Ele inclina a cabeça para trás e ri de olhos fechados, dentes expostos, com os cabelos despenteados de ouro pegando o brilho do sol. E mesmo odiando admitir isso, a verdade é que ele é fascinante.
Não da mesma forma como Damen, na verdade, nem mesmo perto. Roman é bom de olhar de uma forma que me lembra da minha vida antiga, tendo a quantidade certa de charme superficial e bem-calculada sensualidade que eu teria caído antes. De volta quando eu aceito as coisas pelo seu valor nominal e raramente, ou nunca, olho o passado superficial.
Em seguida, eu desvio meu olhar de volta para Damen. Ter o seu lindo perfil escuro enche o meu coração de uma saudade que eu mal posso suportar. Assistindo suas mãos movendo-se sobre como ele diverte Stacia com alguma história idiota, mas eu estou muito menos interessada na anedota do que com as mãos deles, lembrando quão maravilhoso ele já fez eu sentir na minha pele –
—... Então, tão agradável como ter você se juntando a nós, não posso deixar de imaginar o que isto significa realmente. — diz Roman, os olhos ainda em mim.
Mas eu ainda estou olhando Damen. Observando como ele pressiona os lábios contra a bochecha de Stacia, antes de trabalhar em torno de sua orelha e abaixo do comprimento de seu pescoço...
— Porque eu gostaria de fingir que você estar aqui por que foi derrotada pela minha inegável boa aparência e charme, eu sei que não é. Então me diga, Ever, o que há?
Eu posso ouvir Roman falar, sua voz monótona sobre em segundo plano como um zumbido incessante vagando que é fácil de ignorar, mas meu olhar permanece em Damen – o amor da minha vida, minha alma gêmea eterna que desconhece completamente o fato de que eu exista. Meu estômago embrulha quando vejo que seus lábios delicados estão sobre a clavícula dela antes de voltar para sua orelha, a boca se movendo suavemente enquanto ele sussurra para ela, tentando persuadi-la para deixar o resto de suas aulas para que eles possam voltar para sua casa ...
Espere – Persuadir? Ele está tentando convencer ela? Isso significa que ela não está pronta e disposta? Eu sou a única por aqui que acaba de assumir que já havia saltado por cada osso dos outros? Mas assim como eu estou prestes a entrar em sintonia com Stacia e ver o qual era a possibilidade que ela tinha que poderia ser até jogar duro para conseguir, Roman toca em meu braço e diz:
— Ah, vamos lá, Ever. Não seja tímida. Diga-me o que você está fazendo aqui. Diga-me exatamente o que é que colocou você nas entrelinhas.
E antes que eu possa até responder, Stacia me olha e diz:
—O que está olhando tanto, Spaz?
Eu não respondi. Eu só fingi que não ouvi quando eu foquei em Damen. Recusando-me a admitir a sua presença, mesmo que eles estejam tão entrelaçados e praticamente fundidos. Desejando que ele se virasse e me visse, realmente me visse, da maneira que ele costumava fazer.
Mas quando ele finalmente olha, seu olhar me atravessou, como se eu não valesse a pena, como se eu fosse invisível agora.
E, vê-lo olhar através de mim me deixou paralisada, sem fôlego, congelada, incapazes de me mover.
— Hum, hel-lo? — Stacia berra, alto o suficiente para qualquer um ouvir. — Quero dizer, sério. Podemos te ajudar? Alguém pode ajudar?
Eu olho para Miles e Haven sentados a apenas alguns metros de distância, ambos balançam a cabeça desejando que nunca tivessem nada a ver comigo. Então eu engulo duro e tento me lembrar como eles não estavam no controle, que Roman era escritor, produtor, diretor e criador desse terrível Show-de-Deus.
Eu encontro o olhar de Roman, meu estômago embrulha, quando eu espreitei os pensamentos em sua cabeça. Determinado a cavar o passado superficial com uma camada do material usual, curiosa para ver se há alguma coisa mais do que o tesão, irritante, viciado-em-açúcar que ele se retrata a ser. Porque a verdade é que eu não estou comprando isso. A imagem que eu vi no cristal, com o sorriso da vitória mal generalizado em todo o rosto, apontava para um lado mais sombrio. E quando o seu sorriso cresce e seu olhar estreita sobre o meu – tudo escurece. Tudo, exceto Roman e eu. Eu sou arremessada por um túnel, por uma força além do meu controle. Movendo-me incontrolavelmente no abismo escuro de sua mente, quando Roman seleciona cuidadosamente as cenas que ele quer que eu veja – Damen em uma festa em nossa suíte no Montage, uma festa que inclui Stacia, Honor, Craig, e todas as outras crianças que nunca falaram conosco antes, uma festa que dura vários dias, até que ele finalmente é expulso por estragar o lugar. Obrigando-me a ver todos os tipos de atos repugnantes, coisas que eu prefiro não ver – chegando na imagem final que eu vi no cristal aquele dia – a última cena.
Eu caio para trás de meu assento, pousando no chão em um emaranhado de pernas, ainda presa em suas garras. Finalmente chegando em torno quando toda a escola se junta em um estridente coro de escárnio "Spaz" E olhando com horror como o meu elixir vermelho derrama sobre a mesa e gotejando pelos lados.
— Você está bem? — Roman pergunta, olhando para mim enquanto eu luto para ficar de pé. — Eu sei que é duro de assistir. Acredite em mim, Ever, eu estive lá. Mas é tudo para o melhor, realmente é. E eu receio que você tenha que confiar em mim.
— Eu sabia que era você — eu sussurro, de pé diante dele, tremendo de raiva. — Eu sabia o tempo todo.
—Então você fez. —Ele sorri. —Um ponto para você. Embora eu devo avisá-la, que eu estou dez pontos à frente. "
—Você não vai longe com isso. — eu digo, assistindo com horror enquanto ele mergulha o dedo médio na poça de minha suco vermelho derramado, permitindo que as gotas a caíssem em sua língua de forma tão deliberada, medida, é como se ele estivesse tentando me dizer algo, me dar um empurrão.
Mas, assim que uma ideia começa a se formar na minha cabeça, ele lambe seus lábios e diz:
— Mas veja, é aí que você está errada.
Virando a cabeça de uma forma que exibe a marca em seu pescoço, a finalmente detalhada tatuagem Ouroboros agora piscava dentro e fora de vista.
— Eu já fui longe com isso, Ever. — Ele sorri. — Eu já ganhei.

7 comentários:

  1. Fernanda Boaventura11 de novembro de 2015 12:38

    Nãoo! Não ganho não! Vai Ever acaba com ele!

    ResponderExcluir
  2. ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh que raiva eu sabia que esse roman nao prestava
    :(

    ResponderExcluir
  3. Caraca ele tem alguma coisa a ver com a Drina?

    ResponderExcluir
  4. Não consegui entender nada. A escrita tá muito ruim

    ResponderExcluir
  5. Esse tempo td só tô abestada com Miles

    ResponderExcluir

Comentários de volta!
Passamos algumas horas sem essa opção, mas estamos à ativa novamente :)

Boa leitura! E SEM SPOILER!