30 de outubro de 2015

Vinte e seis

No momento em que eu virei para a porta, ela se abriu antes de mim. E desde que ela não é uma dessas portas automáticas, o tipo que tem nos supermercados. Eu acho que isso significa que eu posso entrar. Eu pisei em uma larga entrada, grande e espaçosa, cheia com a mais brilhante e quente luz – uma luminosidade tão radiante, como o resto de Summerland, que permeia por todos os lados, em cada esquina, em cada espaço, sem nenhuma sombra ou escuridão, e parece não vir de lugar nenhum. Então eu me movi por um corredor flanqueado aos lados por colunas brancas de mármore, esculpidas no estilo da Grécia antiga, onde monges vestindo mantas, sentados em uma longa mesa de madeira entalhada, juntos com os padres, rabinos, Xamãs e todos os religiosos. Todos eles com grandes globos de cristal e levitando mesas – cada um estudando imagens que se desdobram. Eu parei, desejando se seria rude interrompe-los e pedir se eles podem me apontar a direção aos registros de akashic.
Mas a sala é tão quieta e eles estão todos tão concentrados, eu estou relutante em incomodá-los, então eu continuo andando. Passando por uma série de magníficas estátuas esculpidas todas no mais puro mármore branco, antes de entrar em uma larga sala que lembrou-me a grande catedral da Itália(ou ao menos as fotos que eu vi dela) levando o mesmo tipo de teto, as vidraças, os afrescos que continham imagens tão gloriosas que fariam Michelangelo chorar.
Eu parei no centro, virando minha cabeça para trás, como eu me esforço pra captar tudo. Estava dando voltas e voltas, até eu ficar tonta, percebendo que é impossível ver tudo isso de uma única vez. E percebendo que eu já perdi muito tempo, eu fechei meus olhos bem apertados e segui o conselho de Romy – que eu primeiro devo desejar algo para depois aparecer. E depois de pedir por respostas, eu abro meus olhos em um longo corredor.
Sua luz é mais escura do que eu cresci acostumada a ver – é meio incandescente, e mesmo não tendo ideia de pra onde o corredor me leva, eu começo a andar. Seguindo o lindo corredor persa, que parece durar para sempre, passando minhas mãos encostando nas paredes, meus dedos encostando nas imagens e elas apareciam na minha cabeça – a história inteira se mostrando com um toque, como um braile telepático.
Então, de repente sem nenhum sinal, eu paro na frente de uma entrada para outro quarto elaborado. Só que esse é elaborado de outro jeito – não por esculturas e murais – mais esse é puro, emanando simplicidade. As paredes circulares são brilhantes e lisas, e mesmo que na primeira análise pareça ser apenas branco, olhando de perto eu percebo que não é tão simples assim. É um branco verdadeiro, branco no mais puro senso. Um que só pode ser o resultado de todas as cores – um espectro de todas as cores juntas, formando a cor final da luz – como o que eu aprendi na aula de artes. E outro grupo de prismas presos no teto, contendo o que deve ser milhares de cristais finos, todos eles brilhando e refletindo, resultando em um caleidoscópio de cores que agora gira em torno do quarto, o único outro objeto nesse espaço é uma bancada de mármore que parece estranhamente quente e confortável, especialmente para uma substância conhecida que pode ser qualquer coisa mais. Após me sentar e colocar as mãos no colo, eu vejo as paredes se fecharem na minha frente, como se o corredor pelo qual eu vim, nunca tivesse existido. Mais eu não estou com medo. Mesmo sabendo que não tem nenhuma saída visível e parecendo que eu estou presa nessa estranha sala redonda, eu me sinto segura, calma e cuidada. Como o quarto é acolhedor, me confortando, é como se as paredes viessem em um quente abraço de boas vindas. Eu respirei fundo, desejando por respostas para todas as minhas perguntas, e vendo como uma grande bola de cristal aparecendo na minha frente, pairando no que foi um espaço vazio, esperando por mim para fazer o próximo passo.
Mas agora que eu estou tão perto de conseguir uma resposta, minha pergunta mudou de repente, então ao invés de me concentrar em: O que aconteceu com Damen, e como eu conserto isso?eu penso: Me mostre tudo o que eu preciso saber sobre Damen.
Pensando que essa pode ser a única chance de aprender tudo que eu posso sobre o seu passado misterioso, que ele se recusa a discutir. Convencendo-me que eu não sou curiosa, que eu estou procurando por uma solução e que qualquer informação que eu conseguir pode somente ajudar a minha causa. Além disso, se eu não mereço saber, nada vai ser revelado.
Então qual o problema em perguntar? Tão cedo quanto eu termino o pensamento, a bola de cristal começa a tremer, vibrando com a energia de uma avalanche de imagens, a imagem é tão clara como HD. Há uma pequena desordenada oficina, as janelas cobertas por uma faixa de algodão escuro pesado, suas paredes iluminadas por uma profusão de velas. Damen está lá, não mais de três anos, vestindo uma túnica marrom claro que fica bem abaixo dos joelhos, e sentado a uma mesa repleta de pequenos frascos borbulhantes, uma pilha de pedras, latas cheias de pó colorido, argamassas, pilões, montes de ervas, e frascos de corante. Vendo como mergulha sua pena em um pequeno pote de tinta, trabalhando nos registros do dia em uma série de símbolos complicados, parando de vez em quando para ler um livro :Corpus Fascino do hermetismo, como Damen copia para ele, rabiscando em sua própria sucata de papel.
Ele parece tão adorável, com o rosto redondo e angelical, o jeito que seu cabelo castanho cai sobre os inconfundíveis olhos negros e faz curvas na sua nuca macia, eu não posso ajudar, mas posso ir até ele. Tudo isso parece tão real, tão acessível, tão perto, eu estou completamente convencida que se posso fazer contato, eu posso experimentar o seu mundo ao seu lado. Mais quando meu dedo se aproxima, a bola de cristal se aquece a uma temperatura insana, quando eu puxo minha mão de volta, vejo a bolha na minha pele, que se curou instantaneamente.
Conhecer os limites é bom, eu tenho permissão de observar, mais não interferir. A imagem passou para o aniversário de 10 anos de Damen, um dia tão importante que é marcado por mimos e doces e mais tarde, ele visita a oficina do seu pai. Os dois compartilhando mais que cabelo escuro, pele cor de oliva e uma mandíbula quadrada, mais também uma paixão para aperfeiçoar a poção alquímica que promete não só transformar chumbo em ouro, mas também prolongar a vida por tempo indeterminado – a perfeita pedra filosofal.
Então de cabeça no trabalho, eles estabilizaram uma rotinha, com Damen triturando as ervas individuais com argamassa e pilão, antes de cuidadosamente medir os sais, olhos, líquido coloridos e minérios, que seu pai em seguida acrescenta nos líquidos borbulhantes. Parando antes de cada passo, e anunciando o que ele está fazendo, e palestrando para o seu filho a pergunta:
— Transmutação é o que vem depois. Mudando de doente para saudável, de velho para novo, de chumbo para ouro, e é bem possível que imortalidade também. Tudo nasceu de um elemento fundamental, e se nós pudéssemos reduzir a isso, nós poderíamos criar qualquer coisa!
Damen escuta, concentrado, pendurando no seu pai, embora cada palavra que ele ouvisse, já tivesse sido repetida muitas vezes antes. E embora eles falem italiano, uma língua que eu nunca havia estudado, de algum modo eu entendo cada palavra. Ele fala o nome de cada ingrediente antes de adicioná-lo, e depois decide que, só hoje vai esperar o último.
Convencidos de que esse último elemento, essa erva de aparência estranha, vai criar ainda mais mágica adicionada a esse elixir, esperaram por três dias.
Assim, quando eles estão se preparando para voltar para casa, três grandes homens entram como uma tempestade pela porta, exigindo do pai de Damen o elixir, e sua mãe esconde seu filho no armário – avisando ele para ficar escondido, e não fazer nenhum som, até que seja seguro sair. Ele se esconde no escuro e úmido espaço, espiando por um buraco na madeira.
Vendo a oficina do seu pai – sua vida, seu trabalho – sendo destruído pelo homem em sua busca. Mas mesmo seu pai mostrando suas anotações, não é o suficiente para salvá-los. E Damen tremeu, vendo seus pais serem assassinados.
Eu sentei na bancada branca, minha mente girando, meu estômago se apertando, sentindo tudo o que Damen sente, suas emoções, seu desespero – minha visão ficando embaralhada pelas suas lágrimas, minha respiração quente e irregular, indistinguível de seu poder. Nós somos um agora. Nós dois se juntando pelo sofrimento inimaginável.
Nós dois sentindo o mesmo tipo de perda.
Nós dois acreditando que temos alguma culpa.
Ele lavou e cuidou dos seus corpos, convencido de que quando os três dias passassem poderia adicionar o ingrediente final, aquela erva de aparência estranha, e traria os dois de volta. No que podia ser o grande dia, os vizinhos se alarmaram com o cheiro, acharam Damen enroscado em cima dos corpos, com a garrafa do elixir em suas mãos. Ele lutou contra a eles, pegou a erva de volta e desesperadamente determinado a fazer seus pais beberem, mais foi vencido por seus vizinhos antes que ele conseguisse.
Porque eles estão convencidos de que ele está praticando algum tipo de magia, ele é declarado um inimigo da igreja, ele estava devastado pela perda, e foi tirando de tudo que ele conhecia e amava. Ele foi abusado pelos padres, que estavam determinados a tirar o demônio de dentro dele.
Ele sofreu em silêncio, sofreu por anos – até Drina chegar. E agora Damen é um homem forte e lindo de 14 anos, ele está paralisado pelo seu cabelo vermelho, seus olhos cor verde-esmeralda, sua pele de alabastro – sua beleza tão estonteante que é difícil não olhar. Eu vi os dois juntos, mal conseguindo respirar, como eles parecem tão preocupados, tão protegidos. Eu me arrependi de pedir para ver isso. Eu fui impetuosa, impulsiva e imprudente – eu não parei para pensar sobre tudo isso. Porque mesmo ela estando morta agora e não sendo nenhuma ameaça a mim, vendo-o caindo em sua mágica agora, é mais do que eu posso suportar.
Ele tende aos ferimentos que sofreu nas mãos dos sacerdotes, o seu manuseamento com grande reverência e cuidado, negando sua atração inegável, determinado apenas a protegê-la, salvá-la, para lhe ajudar a escapar – os dias chegando muito mais cedo do que o esperado quando a praga varre Florença – a Peste Negra que matou milhões de pessoas, tornando-os todos em um monte de pus e sofrimento. Ele assiste, impotente, muitos de seus companheiros órfãos, adoecer e morrer, mas não é até que Drina seja atingida até que ele retorna ao trabalho do seu pai . Recriar o elixir que ele tinha desistido por todos estes anos, associando-o com a perda de tudo o que ele amava. Mas agora, ele não tem nenhuma outra escolha, e não quer perdê-la, ele faz Drina beber o elixir, poupando o suficiente para si e para os órfãos restantes, esperando apenas protegê-los da doença, não tendo nenhuma ideia de que concederia a imortalidade também.
Cheios de um poder que não compreendiam e imune aos gritos de agonia dos doentes e moribundos sacerdotes, os órfãos saíram de volta às ruas de Florença que está cheia de mortes, enquanto Damen, com Drina ao seu lado, tem apenas uma coisa a fazer: buscar pelos homens que mataram seus pais, em última análise, monitorando-os apenas para descobrir que sem o ingrediente final, eles sucumbiram à praga.
Ele espera por sua morte, provocando-os com a promessa de uma cura que ele nunca tem a intenção de cumprir. Surpreendido pela vacuidade da vitória quando seus corpos finalmente se renderam, ele se vira para Drina, olhando-a e a confortando com seu abraço carinhoso...
Fechei os olhos, determinada a bloquear tudo, mas sabendo que está gravado para sempre, não importa quanto eu tente. Porque, mesmo sabendo que eles eram amantes e terminaram a quase seiscentos anos, é uma coisa – mas ter que assistir é outra.
E mesmo que eu odeie admitir, eu não posso me impedir de notar como o velho Damen, com sua crueldade, ganância e abundância – tem um monte em comum com o novo Damen – aquele que me trocou pela Stacia.
E depois de assistir os dois juntos por um ano, com uma fonte inesgotável de luxúria e ganância, eu não estou mais interessada na parte em que nos conhecemos. Não me interessa mais ver as antigas eus. Se isso significa ter que ver mais 100 anos disso, então não vale a pena.
Então quando eu fecho meus olhos e penso – só me leve para o final! Por favor! Eu não posso suportar outro momento disso! – o cristal pisca, e começa a passar as fotos como um borrão de imagens tão rápido e com intensidade que eu mal posso distinguir uma imagem da outra.
Tendo apenas alguns flashes de Damen, Drina, e eu em minhas várias versões – uma loira, uma morena, uma ruiva – tudo isso girando na minha frente – o rosto, o corpo tudo irreconhecível, mais os olhos, sempre familiares.
E mesmo que eu mudei minha mente, pedindo para diminuir, as imagens continuaram a voar, parando em uma foto de Roman – seus lábios curvados, os olhos cheios de alegria – ele está enrolado em um muito velho, e muito morto Damen. E então – e então – nada. O cristal apagou.
— NÃO! — Eu gritei, minha voz saltando fora das paredes, da sala vazia, e ecoando de volta para mim. — POR FAVOR! — Eu implorei — Volte, eu farei melhor, sério. Eu prometo não ficar com ciúmes ou brava. Eu vou assistir tudo se você permitir!
Mais não importa o quanto eu implore, o quanto eu peça para ver de novo, o cristal se foi, sumiu, do nada. Eu olho ao redor, procurando por ajuda, algum tipo de arquivo sobre os registros de akashic, mesmo sabendo que eu sou a única por aqui. Derrubando minha cabeça nas mãos, pensando como eu fui tão estúpida de deixar o meu ciúme e insegurança acabar com tudo.
Quero dizer, não é como se eu não soubesse sobre Drina e Damen. E não é como se eu não soubesse o que eu iria ver. E agora, como a minha grande estupidez estragou tudo e acabou com as informações, eu não tenho ideia de como salvá-lo. Não tenho ideia de como ele foi de um perfeito 10 para um 0. Tudo o que eu sei é que Roman é responsável. Uma patética confirmação para o que eu já havia adivinhado. Algo que ele está fazendo com Damen, que está revertendo a imortalidade. E se eu tenho alguma esperança de salvá-lo, eu tenho que saber como e, não por que. Porque se tem uma coisa que eu sei, é que Damen não envelhece.
Ele tem andando por ai há 600 anos, e ainda parece um adolescente.
Eu derrubei minha cabeça nas mãos, me odiando por ser tão fútil, tão pequena e tão invejosa – tão estupidamente patética que eu tirei as respostas de mim mesma, as que eu vim até aqui buscar. Desejando que eu pudesse começar toda essa seção de novo – desejando que eu pudesse voltar.
— Você não pode voltar.
Eu me virei, ouvindo a voz de Romy surgindo atrás de mim, e imaginando como ela achou o caminho para essa sala. Mas então eu olhei em volta, e percebo que eu não estou na sala redonda, eu estou de volta ao salão principal. Algumas mesas longe de onde estavam os monges, padres, xamãs e rabinos.
— E você não deveria ir para o futuro. Porque toda vez que você vai, você rouba você para a viagem, o que no momento presente, o que no final, é tudo o que realmente é.
Eu me virei, pensando se ela está se referindo ao cristal, ou na vida em geral. Mas ela só sorri.
— Você está bem?
Eu dei de ombros e olhei para longe. Quer dizer, porque me incomodar explicando? Ela provavelmente já sabe de qualquer modo.
— Nope — ela disse sobre a mesa, mexendo a cabeça. — Eu não sei nada. O que quer que tenha acontecido lá dentro é seu para guardar. Eu só ouvi o seu choro de desespero e pensei dar uma olhada. Isso é tudo, nada mais, nada menos.
— E cadê sua irmã do mal? — Eu perguntei, olhando em volta, pensando se ela está em escondida em algum lugar. Mais Romy só sorri e menciona para segui-la.
— Ela está lá fora, mantendo um olho na sua amiga.
— Ava está aqui? — Eu perguntei, surpresa pelo quão aliviada me senti. Especialmente considerando o quão chateada eu estava por ela ter me deixado desse jeito. Mais Romy só assente com a cabeça, me levando pela porta da frente e para os degraus onde Ava está esperando.
— Onde você esteve? — Eu perguntei, minha pergunta parecendo como uma acusação.
— Eu tive uns problemas. — Ela deu de ombros. — Esse lugar é impressionante, eu — ela me olha esperando que eu vá iluminá-la, e dar uma parada, e olho sua cara quando ela vê que eu não vou.
— Como você chegou aqui? A Romy e Rayne — Mas eu virei, e percebi que elas haviam sumido.
Ava cerrou os olhos, os seus dedos brincando com os seus recém manifestados brincos de ouro que estavam em suas orelhas.
— Eu desejei lhe encontrar, então eu acabei aqui. Mais parece que eu não posso entrar. — Ela franze para a porta. — Então é isso? É isso que você estava procurando?
Eu aceno, vendo seus sapatos caros e sua bolsa de marca, e ficando cada vez mais irritada. Eu trago ela para Summerland para que ela possa me ajudar a salvar a vida do amor da minha vida, e tudo o que ela quer é fazer compras!
— Eu sei — ela disse, respondendo aos pensamentos na minha cabeça. — Eu fiquei distraída e eu sinto muito, mais eu estou pronta para lhe ajudar, se você ainda quiser. Ou você conseguiu todas as respostas de que precisava?
Eu apertei meus lábios e olhei para o chão, balançando a cabeça quando eu digo:
— Eu, hum – eu estou com um problema. — Uma onda de vergonha vem para cima de mim, especialmente quando eu lembro que o problema foi feito por mim. — E eu estou com medo, eu estou bem aqui onde eu comecei. — Eu adicionei, me sentido como a maior perdedora do mundo.
— Talvez eu possa ajudar? — Ela sorriu, encostando no braço, sabendo que ela está sendo sincera. Mais eu só dou de ombros, sabendo que ela não tem muito o que ela possa fazer.
— Hey, não desista tão fácil! — Ela falou. — De qualquer jeito, isso é Summerland, qualquer coisa é possível aqui! — Eu olho para ela, sabendo que é verdade, mas sabendo também que eu vou ter que fazer um trabalho bem sério para voltar para a sala redonda. Trabalho que vai requerer toda a minha atenção e foco, sem distrações.
Então eu a deixei sentada nas escadas, olhei para ela e disse:
— Bem, tem uma coisa que você pode fazer.

5 comentários:

  1. Fernanda Boaventura10 de novembro de 2015 22:25

    Sabia, sabia, SABIA! A culpa disso tudo é de Roman! E Damen realmente tá envelhecendo, e se Ever não salva-lo ele vai morrer!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas ele está envelhecendo em velocidade normal ou rápida?

      Excluir
  2. Nossa! O Roman é o culpado?! Nem imaginei! (sintam a ironia)

    ResponderExcluir
  3. A pergunda é PORQUE e COMO?
    Porque esse Roman está fazendo isso?
    e como está fazendo isso?
    A Drina tudo bem tem a justificativa ela era ex mulher de Damen e ainda era obcecada por ele e esse Roman quem é?
    Ele só apareceu e foi logo destruindo tudo...

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!