30 de outubro de 2015

Vinte e oito

Eu não fui para a aula de arte. Saí logo depois do almoço. Não, nada disso. Porque a verdade é que saí no meio do almoço. Segundos depois do meu horrível encontro com Roman, eu corri para o estacionamento (perseguida por um coro interminável de Spaz!), Onde eu pulei no meu carro e fugi muito antes que o sinal estava programado para tocar.
Eu precisava ficar longe de Roman. Para colocar alguma distância entre mim e sua arrepiante tatuagem – o intrigante Ouroboros desenhado que aparecia dentro e fora da vista apenas como o só o pulso de Drina fazia. O símbolo inegável marcado em Roman como os de imortais desonestos, exatamente como eu pensava o tempo todo. E apesar de Damen não me avisar deles, nem sabia que existia até Drina ser ruim, eu ainda não consigo acreditar que me levou tanto tempo para saber. Quer dizer, mesmo que ele coma e beba, mesmo sua aura sendo visível e os seus pensamentos estão disponíveis para leitura (bem, pelo menos para mim), agora percebo que era tudo uma fachada. Como os edifícios em Hollywood voltavam os lotes que são cuidadosamente trabalhados de modo parecendo algo que não são.
E é isso que Roman se fez propositadamente projetando esse Feliz-Venha-Sorte, rapaz jovem de aparência da Inglaterra, com sua aura muito brilhante, e feliz, pensamentos calorosos, quando o tempo todo, no fundo, não era nada disso.
O real Roman era negro. E sinistro. E mau.
E tudo o mais que acrescentava era ruim. Mas pior ainda é o fato de que ele saiu para matar o meu namorado, e eu ainda não sei por quê.
Porque o motivo foi a única coisa na minha breve, mas perturbadora visita para o interior da sua mente que eu não conseguia ver.
E a motivação vai ser muito importante se eu sou forçada a matá-lo, uma vez que é imperativo para acertar apenas o chakra certo e depois se livrar dele para sempre. E não saber o motivo significa que eu poderia falhar.
Quero dizer, eu iria para o primeiro chakra – ou chakra básico, como é chamado às vezes, o centro para a raiva, a violência e a ganância? Ou talvez o chakra do umbigo, ou o centro sacral, que é onde a inveja e o ciúme viviam. Mas sem ideia de para onde ele esta dirigindo, seria muito fácil de acertar a pessoa errada. O que não serviria apenas para não matá-lo, mas, provavelmente, lhe fazer muita raiva também. Deixando-me com mais seis chakras por onde escolher, e nesse ponto, eu tenho medo do que ele iria compreender.
Além disso, matar Roman muito cedo só me machucaria – a garantia de que ele tem o seu segredo de tudo o que ele fez ao Damen e ao resto da escola junto com ele. E isso é um risco que eu simplesmente não posso pagar. Para não falar que eu não sou realmente a melhor em matar as pessoas de qualquer maneira. Os únicos dons psíquicos que eu já tive no passado foram quando eu fui deixada com nenhuma escolha alem de lutar ou morrer. E logo que eu percebi o que eu tinha feito a Drina, eu esperava que eu nunca teria que fazê-lo novamente.
Porque mesmo que ela tenha me matado muitas vezes antes, embora ela admitisse ter matado a minha família inteira – incluindo o meu cão – não faz muito para aliviar a culpa. Quer dizer, sabendo que eu sou unicamente responsável pela sua saída definitiva me faz sentir horrível. E já que estou muito bem de volta onde eu comecei, eu decidi voltar para o começo. Virar à direita na estrada da Costa e me dirigir para Damen, imaginando que vou usar o par de horas a seguir enquanto eles estão todos ainda na escola para entrar na sua casa e dar uma boa olhada.
Eu chego até a portaria, acenando para Sheila, e continuando em direção ao portão. Naturalmente, supondo que ele iria abrir diante de mim, e ter que bater nos meus freios para evitar o grande final-da-frente dos danos quando permanece estável.
— Desculpe-me. Desculpe-me! — Sheila atirou, tempestuando em direção ao meu carro como se eu fosse uma espécie de intrusa, como se ela nunca me visse antes. Quando a verdade é que, até a semana passada, eu estava muito bem aqui todos os dias.
— Hey, Sheila. — Eu sorrio agradavelmente, de forma amigável e não ameaçadora. — Eu apenas estou indo até Damen, então se você pudesse simplesmente abrir o portão, eu estarei no meu caminho e –
Ela me olha, seus olhos se estreitaram, os lábios apertados numa linha fina desagradável.
— Eu vou ter de lhe pedir para sair.
— O quê? Mas por quê?
— Você está fora da lista — diz ela, as mãos firmemente plantados nos quadris, seu rosto não traindo o mais leve traço de remorso depois de todos esses meses de sorrir e acenar. Eu fico lá, lábios apertados, permitindo que as palavras se afundassem para dentro.
Eu estou fora da lista, estou fora da lista definitiva. Bola negra ou lista negra, ou seja, lá o que é chamado quando você é negado o acesso a uma comunidade gloriosamente fechada para um time. Isso seria ruim o suficiente por si só, mas ter de ouvir a mensagem do rompimento oficial emitida pela grande Sheila ao invés do meu namorado – faz ser ainda pior. Eu olho para o meu colo, agarrando o câmbio de marchas de maneira tão difícil que ameaça saltar em minha mão.
Então eu engulo dificilmente e olho para ela quando eu digo:
— Bom, como você obviamente foi informada, Damen e eu terminamos. Mas eu estava apenas esperando para cair na real rápido e recuperar algumas das minhas coisas, porque como você pode ver — Eu abri o fecho de minha mochila e rapidamente enfiei minha mão dentro. — Eu ainda tenho a chave.
Eu a levantei alta, observando como o sol do meio-dia captura e reflete o metal dourado brilhante, também apanhada em minha própria mortificação de prever  ela alcançar e pegar.
— Agora, eu estou te pedindo gentilmente para desocupar o local — diz ela, empurrando a chave profundamente em seu bolso, a sua forma visível como as estirpes de tecido sobre seu gigantesco-tamanho de busto. Mal me dando tempo suficiente para mudar o meu pé do freio para o gás antes de acrescentar: — Vá em frente agora. De a marcha ré. Não me faça dizer duas vezes.

3 comentários:

  1. Fernanda Boaventura11 de novembro de 2015 12:48

    Quão difícil será para a Ever pilar o portão? Imagino que não muito!

    ResponderExcluir
  2. Pula o portão Ever...Não desiste!

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!