30 de outubro de 2015

Trinta e nove

Com todos os nossos ingredientes reunidos – bem, tudo menos a água mineral, azeite extra-virgem de oliva, longas velas brancas finas (que, estranhamente, Lina não tinha,
Considerando que essa foi muito bem a coisa mais normal que pedi), casca de laranja e, a foto de Damen que eu não esperava que ela tivesse – nós voltamos para o meu carro. E eu sou só destravo a porta quando Ava diz:
— Eu acho que vou a pé para casa.
— Você tem certeza?
Ela espalha seus braços como se abraçasse a noite. Seus lábios curvando num sorriso quando ela diz:
— Isso é tão bom, eu só quero desfrutar disto.
— Tão bonito como Summerland? — Eu pergunto, imaginando o que nos trouxe a este súbito acesso de felicidade, considerando-se como ela estava séria no quarto dos fundos de Lina. Ela ri, com a cabeça jogada para trás, seu pálido pescoço exposto, nivelando o seu olhar sobre mim quando ela diz:
— Não se preocupe. Eu não tenho planos de abandonar a sociedade e ir para lá o tempo inteiro. Só é muito bom ter acesso quando eu precisar de uma pequena fuga.
— Só tome cuidado para não visitar muito — eu digo a ela, repetindo a mesma advertência que Damen uma vez me deu. — Summerland é viciante — acrescento, vendo como ela abraça seus próprios braços em seu corpo e encolhe os ombros, sabendo que eu desperdicei minhas palavras, pois é óbvio que ela vai voltar logo e sempre que puder.
— Então, você tem tudo que precisa?
Eu aceno e encosto a porta do carro.
— E o resto eu vou pegar no meu caminho para casa.
— E você tem certeza que está pronta? — Ela olha para mim, seu rosto deformado e sério novamente. — Você sabe, deixar tudo isso? Deixar Damen?
Eu engulo dificilmente, preferindo não pensar sobre isso. Eu prefiro me manter ocupada, o foco em uma tarefa de cada vez, até o amanhã chegar e seja hora de dizer adeus.
— Porque uma vez que algo é feito, não pode ser desfeito.
Eu encolho, encontrando seu olhar quando eu digo:
— Aparentemente, isso não é verdade.
Prestando atenção quando ela inclina a cabeça para o lado, seus cabelos ruivos soprando em seu rosto antes que ela capture os fios e dobre-os de volta atrás da orelha.
— Mas para o que você está retornando – bem, você percebe que vai ser normal de novo. Você não vai ter acesso para conhecê-los, você estará completamente inconsciente – tem certeza que você quer voltar para tudo isso? — Eu olho para o chão, chutando uma pequena pedra em vez de olhar para ela.
— Olha, eu não vou mentir. Tudo isso está acontecendo de modo muito mais rápido do que eu esperava – e eu esperava ter mais tempo para – para finalizar as coisas.
Mas, ultimamente – sim, eu acho que estou pronta. — Eu pauso, repetindo as palavras que eu disse e sabendo que elas não transmitiram o que eu quis dizer. — Eu quero dizer, eu sei que estou pronta. Na verdade, eu estou definitivamente pronta. Porque colocar tudo no seu lugar e enviar para o caminho que deve ser – bem – parece que é a coisa certa a fazer, sabe? — E mesmo que eu não queria dizer por que isso acontece, minha voz sobe no final, fazendo-a soar mais como uma questão do que a declaração que eu pretendia que fosse. Então eu balanço a cabeça e digo: — O que eu quis dizer foi, é absolutamente, positivamente, cem por cento a coisa certa a fazer.
Ava me olha, seu olhar firme, inabalável.
— Além disso, você tem alguma ideia de como estou animada de estar com minha família de novo?
Ela chega em mim, me abraçando fortemente contra o peito, sussurrando:
— Estou tão feliz por você. Eu realmente estou. E mesmo que eu vá perder você, eu estou honrada de saber que você confia em mim o suficiente para terminar o trabalho.
— Eu não tenho ideia de como te agradecer. — Eu sopro, a sensação de minha garganta apertada. Mas ela só suaviza a mão sobre o meu cabelo quando ela diz:
— Acredite em mim, você já fez.
Eu me afasto e olho ao redor, tendo esta noite gloriosa nesta charmosa cidade de praia, quase não acreditando que estou prestes a me afastar de tudo. Virando as costas para Sabine, Miles, Haven, Ava, Damen – tudo isso – tudo – como se ela nunca tivesse existido.
— Você está bem? — Ela pergunta, sua voz doce e suave quando ela lê minha expressão. Eu aceno, limpando minha garganta e fazendo sinal para o pequeno saco de papel púrpura a seus pés, o nome da loja de Místicos & Lua brilhante impresso em dourado.
— Você tem certeza de que tem tudo claro, sobre como lidar com as ervas? É preciso mantê-las em um local fresco e escuro, e não esmagá-las ou adicioná-las ao suco vermelho até o último dia – o terceiro dia.
— Não se preocupe. — Ela ri. — O que não está aqui — ela pega a bolsa e prende em seu peito — está aqui. — Ela aponta em sua têmpora e sorri. Eu aceno, piscando contra as lágrimas me recuso a ceder para, sabendo que este é apenas o começo de uma série de despedidas.
— Eu vou parar na sua casa amanhã e deixo o resto — eu digo. — Apenas no caso de você acabar precisando disso, embora eu duvide que você vai. — Depois deslizo no meu carro, ligo o motor, e me afasto. Designando-me abaixo do oceano sem acenar um adeus, sem um olhar para trás.
Sabendo que minha única opção agora é olhar para o futuro e me centrar sobre isso. Depois de passar pela loja para pegar o restante dos itens, eu arrasto os sacos para o meu quarto e despejo o seu conteúdo na minha mesa. Deixando a disposição pilhas de óleos e ervas e velas, ansiosas para pegar os cristais uma vez que vai exigir mais trabalho. Todos eles necessitam ser individualmente programados de acordo com seu tipo, antes de serem colocado na bolsa de seda bordada e colocados lá fora, onde podem absorver a quantidade de luz da lua que for possível, enquanto eu manifesto pilão (que eu esqueci de pegar na loja, mas já que é apenas uma ferramenta e não um ingrediente real, eu acho que deve estar tudo bem em manifestar um), para que eu possa pulverizar algumas dessas ervas e levá-las todas para fervura em alguns (também manifestados) copos, antes de misturar todos com outros ferros e minerais e pós coloridos que Lina derramou em frascos de vidro de pequenas dimensões que ela cuidadosamente etiquetou. Tudo isso precisa ser concluído em sete passos precisos que começam com o toque da bola de cristal que foi ajustada especificamente para vibrar no sétimo chakra, assim podendo fornecer inspiração, percepção além de espaço e tempo, e toda uma série de outras coisas que se conectam com o divino. E quando eu olho para o monte de ingredientes acumulados em frente a mim, não posso deixar de sentir uma pequena onda de excitação, sabendo que finalmente tudo ficará unido depois de cargas de falsos começos. Para dizer que eu estava preocupada sobre ser capaz de encontrar este material em um só lugar é calcular o mínimo. Era como uma estranha e variada lista, eu não tinha certeza se esses itens existem, o que me fez sentir meio que condenada antes de eu começar. Mas Ava me garantiu não só que Lina poderia entregar, mas também que ela poderia ser confiável. E enquanto eu ainda não estou tão certo sobre essa última parte, não é como se eu tivesse alguém para recorrer em qualquer outro lugar.
Mas a maneira que Lina manteve seu olhar furtivo sobre mim, seu olhar estreitando no meu quando ela reuniu os pós e ervas, começou a se ajustar em mim nas bordas. E quando ela levantou o esboço que eu elaborei e disse:
— O que exatamente você está praticando aqui? É algum tipo de alquimia? — Eu tinha certeza que eu cometi um erro colossal.
Ava olhou para mim e estava prestes a intervir quando eu balancei a cabeça e forcei uma risada quando eu disse:
— Bem, se você quer dizer alquimia no seu verdadeiro sentido de dominar a natureza, evitando o caos, e prolongando a vida numa quantidade indeterminada de tempo — uma definição que eu memorizei recentemente após ter pesquisado o termo — então não, eu tenho medo que minhas intenções não estejam em qualquer lugar perto de esplendido. Estou apenas tentando um pouco de magia branca – com a esperança de um feitiço que vai me fazer pensar no final, me dar um encontro para o baile, e talvez até esclarecer minhas alergias, que estão prestes a ficarem confusas, uma vez que é quase primavera e eu não quero que meu nariz esteja todo vermelho e pingando nas fotos baile, sabe?
E quando vi o que isso falhou em convencê-la, especialmente a parte sobre as alergias, acrescentei:
— Isso é porque eu preciso de todos os quartzos rosa, desde que, como vocês sabem, é suposto para trazer o amor, oh e então o azul-turquesa — Eu apontei para o pingente que ela usava. — Bem, você sabe como ele é famoso pela cura, e... — E mesmo que eu estava disposta a ir em diante, recitando a lista completa das coisas que eu aprendi apenas uma hora antes, eu decidi cortá-lo ali mesmo e terminar com um encolher de ombros.
Eu desembrulhei os cristais, tomando muito cuidado quando eu embalei cada um deles na palma da minha mão, meus dedos fechando em torno deles, e imaginando uma luz branca brilhante permeando direto para seu núcleo, executando o totalmente-importante “limpeza e purificação” passo, que, segundo o que li na internet, é apenas a primeira etapa da programação das pedras. O segundo é pedir-lhes (em voz alta!) para absorver a energia poderosa da lua para que eles possam fornecer a natureza o serviço destinado para eles.
— Turquesa — eu sussurro, olhando para a porta, me certificando que ela está totalmente fechada, imaginando como seria embaraçoso para Sabine me pegar murmurando pra uma pilha de pedras. — Peço que você cure, purifique, e ajude a equilibrar os chakras como a natureza pretendeu fazer — Então eu tomo uma respiração profunda e coloco a pedra com a energia de minhas intenções antes de deslizar no saco e chegar para a próxima, me sentindo ridícula, mas sabendo que eu não tenho escolha além de continuar. Eu passo para os polidos quartzos rosa, os escolhendo individualmente e infundindo-lhes com a luz branca, antes de repetir quatro vezes separadas, “Que você possa trazer amor incondicional e infinita paz.”
Soltando-os em cada saco de seda vermelha, olhando como se estabelecem em torno do turquesa antes de chegar para a estaurolita – uma bela pedra que se acredita ser formada a partir das lágrimas de fadas, e solicitada para providenciar sabedoria antiga, boa sorte, e para ajudar a se conectar com as outras dimensões, antes de passar para o grande pedaço de zoisite, e segurando em ambas as mãos. Após a limpeza com a luz branca, eu fecho meus olhos e sussurro: — Que você transforme todas as energias negativas para positivas, que você possa ajudar na conexão com os reinos místicos, e que você possa –
— Ever? Posso entrar?
Eu olho para a porta, sabendo que há apenas uma polegada e meia de madeira me separando de Sabine. Então eu olho para o monte de ervas, óleos, velas, e pós, junto com a pedra que eu estou falando na minha mão. — E, por favor, ajude na recuperação, doença, e tudo o mais que você faz! — Eu sussurro, apenas pegando as palavras antes que eu esteja empurrando isso no saco. Só que isso não vai caber.
— Ever?
Eu empurro novamente, tentando apertá-lo lá dentro, mas a abertura é tão pequena e a pedra é tão grande que não vai acontecer sem rasgar as costuras. Sabine bate novamente, três batidas firmes pretendiam me informar que ela sabe que estou aqui, sabe que estou tramando alguma coisa, e que sua paciência está chegando ao fim. E mesmo que eu não tenha tempo para conversar, eu sou deixado com nenhuma escolha além de dizer:
— Hum, apenas um segundo! — Forçando a pedra dentro quando eu corro para fora da minha varanda e soltando-a sobre uma pequena mesa com a melhor vista da lua, antes de correr de volta e ir em um completo-e-exaustivo colapso quando Sabine bate de novo e eu vou para um lugar do meu quarto – olhando para isso como se ela pudesse ver, e sabendo que não há tempo para mudar isso.
— Ever? Você está bem? — Ela chama, com partes iguais de aborrecimento e preocupação.
— Yeah – eu só — Eu me agarro na bainha da minha camiseta e a arranco sobre minha cabeça, virando as costas para a porta quando eu digo, — Hum, você pode entrar agora – Eu só — E no momento em que ela entra, eu escorrego isso de volta. Fingindo um súbito ataque de modéstia, como se eu não pudesse suportar que visse eu me trocar quando eu nunca me importei muito antes.
— Eu - Eu estava me trocando — murmuro, vendo suas sobrancelhas se mesclando quando ela me olha excessivamente, farejando o ar para os restos de maconha, álcool, cigarros de cravo-da-índia, ou o que seu mais recente livro de criação de adolescente a alertou.
— Você tem algo no seu — Ela faz movimentos para a frente de minha camisa. — Alguma coisa – vermelha que – bem – que provavelmente não vai sair. — Ela torce a boca para o lado quando eu olho para baixo na frente da minha camiseta, vendo-a marcada por uma sequencia grande de vermelho e imediatamente reconhecendo como o pó que eu preciso para o elixir.
Sabendo que o saco deve ter vazado quando eu vi como derramou por toda a minha mesa, bem como o chão embaixo.
Ótimo. Maneira de aparentar como se você estivesse apenas trancando-se por uma camisa limpa! Eu penso, mentalmente revirando os olhos enquanto ela se aproxima da minha cama, empoleirando-se na ponta e cruzando as pernas, seu telefone celular na mão.
E tudo isso tomando apenas um olhar para o nebuloso brilho cinza avermelhado da sua aura para saber que o olhar preocupado em seu rosto tem menos a ver com a minha aparente falta de roupa limpa e mais a ver comigo – o meu estranho comportamento, o meu crescente sigilo, as questões da minha comida – tudo isso a convence que esta conduzindo a algo mais sinistro.
E estou tão focada em como eu poderia explicar aquelas coisas que não consigo ver isso acontecendo quando ela diz:
— Ever, você deixou a escola hoje?
Eu congelo, vendo como ela olha para a minha mesa, tendo a bagunça de ervas e velas e óleos minerais e todos os tipos de outras coisas estranhas que ela não é acostumada a ver, ou pelo menos não todas agrupadas assim – como eles têm um propósito – como a combinação é muito menos casual do que parece.
— Hum, sim. Eu tinha uma dor de cabeça. Mas isso não é grande coisa — eu balanço em minha cadeira giratória para frente e para trás, esperando distraí-la do seu ponto de vista. Ela olha entre o grande experimento de alquimia e eu, e está prestes a falar quando eu digo:
— Bem, eu quero dizer, não é grande coisa, agora que ela se foi. Embora acredite em mim, isso foi num momento. Eu tive uma das minhas enxaquecas. Você sabe como eu fico às vezes?
Eu me senti como a pior sobrinha do mundo – uma mentirosa ingrata – uma tagarela insincera de absurdos. Ela não tem ideia de como ela tem sorte de se livrar de mim em breve.
— Talvez seja porque você não está comendo o suficiente. — Ela suspira, chutando os sapatos e me estudando de perto quando ela diz, — E, no entanto, apesar de tudo, você parece estar crescendo como uma erva daninha. Você está ainda mais alta do que estava há poucos dias!
Eu olho para baixo em meus tornozelos, chocada ao ver que meu jeans recém-manifestado havia rastejado um centímetro desde esta manhã, — Por que você não foi até a enfermaria se você não estava se sentindo bem? Você sabe que não é permitido apenas fugir assim.
Eu olho para ela, desejando que eu pudesse lhe dizer para não suar, para não desperdiçar mais um segundo se preocupando com isso uma vez que isso estará acabado em breve. Porque tanto o quanto eu vou sentir falta dela, não há dúvida de que sua vida vai melhorar. Ela merece mais do que isso. Merece mais do que eu. E é bom saber que ela vai ter em breve um pouco de paz.
— Ela é uma espécie de charlatã — eu digo. — Uma verdadeira traficante de aspirina, e você sabe que nunca funciona para mim. Eu só precisava chegar em casa e me deitar durante um tempo, é a única coisa que sempre funciona. Então, eu só... saí.
— E você fez isso? — Ela se inclina para mim. — Quero dizer, veio para casa? — E no momento em que nossos olhos se encontram, eu sei que isso é um desafio. Eu sei que é um teste.
— Não. — Eu suspiro, olhando para baixo no tapete como a onda da minha bandeira branca. — Eu dirigi até o desfiladeiro e só -
Ela me observa, esperando.
— E eu me perdi por um tempo. — Eu respiro fundo e engulo dificilmente, sabendo que é tão próximo da verdade o quanto eu posso conseguir.
— Ever, isso é sobre Damen?
E no momento em que meus olhos encontram os dela, eu não posso me deter, eu só caio em prantos.
— Oh, querida — ela murmura, seus braços se abrindo amplamente quando eu salto da minha cadeira e caio. Ainda não utilizando os meus longos membros desengonçados, sendo desajeitada e atrapalhada e quase batendo ela no chão.
— Desculpe — eu digo. — Eu — Mas eu sou incapaz de terminar. A nova corrida de lágrimas me ultrapassa, e eu estou chorando de novo.
Ela acaricia meu cabelo enquanto eu continuo a chorar, murmurando:
— Eu sei o quanto você sente falta dele. Eu sei o quão difícil isso deve ser.
Mas no segundo em que ela diz isso, eu me afasto. Sentindo-me culpada por agir como se isto se tratasse apenas de Damen quando a verdade é que é apenas em parte sobre ele. É também sobre sentir falta dos meus amigos – em Laguna e em Oregon. E sobre sentir falta de minha vida – a que eu construí aqui e a que eu estou prestes a retornar. Porque, embora, é óbvio que eles estarão melhores sem mim, e eu digo todos, inclusive Damen, isso ainda não faz ser mais fácil.
Mas tem que ser feito. Não há realmente nenhuma escolha. E quando penso nisso dessa forma, bem, isso faz com que seja mais fácil. Porque a verdade é que, seja qual for à razão, eu estou dando uma incrível, uma vez de uma oportunidade na vida.
E agora é hora de ir para casa. Eu só desejo que eu tivesse um pouco mais de tempo para despedidas. E quando o pensamento traz uma nova corrida de lágrimas, Sabine me abraça apertado, sussurrando palavras de encorajamento, quando eu me agarro ela, me guardando no casulo de seus braços onde tudo esta salvo – e quente – e certo.
Como se tudo estivesse indo muito bem.
E quando eu me refugio mais, meus olhos fechados, meu rosto enterrado no lugar onde o seu ombro encontra o pescoço, os meus lábios se movem suavemente, silenciosamente, dizendo adeus.

8 comentários:

  1. Gente... talvez.... esteja sendo um pouquinho egoísta pensado: essa serie vai ficar sem graça sem o Damen... MAS EU NÃO QUERO QUE ELA VOLTE PARA O PASSADO E PERCA O DAMEN!

    ResponderExcluir
  2. não acho q ela consiga voltar e esquecer o damem, só acho rs

    ResponderExcluir
  3. Agora eu tô pesando "e se ela for pro passado e não lembrar de nada, ela vai fazer a msm coisa de antes e tudo vai se repetir? "

    ResponderExcluir
  4. gente, a família dela morreu no acidente porque chegou a hora e ela ñ vê isso... mas intendo a dor dela!!!

    ResponderExcluir
  5. ta ficando chato as mesmas coisas a cada 5 capítulos ela fala a mesma coisa de volta no tempo dos amigos familia ser normal , cada comeco e a mesma coisa , ta ficando chato ela enchendo o saco se lamentando pela morte da familia mesmo sabendo q foi a outra quem causou , sabe deveria mudar um pouco pq quando leio e leio , estou vendo que estou lendo a mesma coisa toda hora .... aafff

    ResponderExcluir
  6. queeeeeeeeee bosta ela ever é uma ridicula , por favor ne mudar as cenas pq ta ficando repetido kkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!