31 de outubro de 2015

Trinta e dois

No momento em que viro a esquina, corro, movendo os pés tão rapidamente, que é como se pudesse ultrapassar Damen, a galeria, tudo e todos. Correndo por Summerland, decidida a manifestar um lugar próprio – aonde Damen não possa ir.
Fazendo meu caminho de volta ao topo dos degraus de madeira de minha velha escola, frente ao marcador que diz “VAMOS URSOS” e querendo chegar ao assento da direita, onde provei meu primeiro (e último) cigarro, e onde beijei meu ex-namorado Brandon pela primeira vez, e aonde minha melhor amiga Rachel e eu reinamos uma vez, rindo estupidamente e paquerando em nossos uniformes de líderes de torcida, totalmente inconscientes de quão complicada pode ser a vida.
Eu coloco meus pés sobre o banco em frente a mim e coloco minha cabeça em meus joelhos, afogando grandes soluços, tentando entender o que aconteceu. Chorando em um punhado de lencinhos manifestados enquanto olho fixo e com a visão embaçada para o campo de futebol cheio sem rostos, sem nomes de jogadores correndo em sua prática de treinamento enquanto suas namoradas sacodem seus cabelos e paqueram ao lado. Esperava que fosse tão familiar, um cenário normal que de algum jeito proporcionasse a comodidade que necessito, em seguida eu o desfaço, por que só me sinto pior.
Esta já não é minha vida. Não é mais meu destino.
Damen é meu futuro. Não há dúvida disso em minha mente.
Embora fique assustada e nervosa sempre que Jude se aproxima, embora haja um inegável clima quando nos encontramos, não significa nada. Não significa que ele é o único. É simplesmente o efeito de nossa familiaridade passada, um reconhecimento subconsciente, nada mais.
Só porque ele desempenhou um papel na minha história não significa que ele tem um papel no meu futuro além de chefe em um emprego de verão que eu nunca teria procurado se Sabine não me tivesse obrigado. Que culpa tenho eu? Como isto não pode ser uma estranha coincidência, uma parte oculta de meu passado que, sem minha culpa, se nega a morrer? Quero dizer, não é como se tivesse procurado, não é?
Não é?
Mas embora meu coração saiba a verdade, não posso deixar de me perguntar nós éramos um para o outro. Eu realmente saí de um lago sem me importar que ele me visse nua? Ou era um retrato feito diretamente de sua imaginação hiperativa?
O que só me leva a mais perguntas, uma das quais preferiria ignorar, como: realmente não fui uma virgem durante os últimos quatrocentos anos como pensei? Realmente dormi com o Jude e não com Damen? E se for assim, e se for o porquê de que me sentir tão tímida e estranha perto dele agora?
Olho o campo vazio diante mim, convertendo-o no Coliseu Romano, as pirâmides do Egito, o Acrópoles de Atenas, o grande Bazar no Istambul, Ópera do Sydney, a Praça de São Marcos em Veneza, a cidade da Medina no Marrakech, olhando a paisagem dando voltas e mudando, convertendo-se em todos os lugares que espero visitar algum dia, tendo apenas uma certeza:
Tenho três meses.
Três meses sem Damen.
Três meses sabendo que ele está lá fora, em algum lugar, mas sou incapaz de tocá-lo, de me aproximar dele, de estar com ele.
Três meses para aprender o suficiente de magia para resolver todos nossos problemas e recuperá-lo para sempre.
Para aprender mais do que alguma vez cogitei aprender. Ele é meu futuro, meu destino, sem importar o que veio antes. Concentro-me de novo na paisagem, o Grand Canyon transformando-se em Machu Picchu, que se converte na Grande Muralha da China, sabendo que há tempo suficiente para isto depois, porque agora, tenho que voltar.
Voltar para plano da terra. Voltar para a loja.
Esperando encontrar Jude antes que feche a loja, necessitando dele para que me ensine, de uma vez por todas, como ler aquele livro.

7 comentários:

  1. Aff! Agora que ela vai ficar mais próxima de Jude!

    ResponderExcluir
  2. Mas espera ai..no prologo diz q o Jude ajuda os dois...entao pode nao ser exatamente como o Damen acredita..pelo menos nao dessa vez.

    ResponderExcluir
  3. Aiiii que ódio!!! Meu Deus, ai que ela vai ficar mais próxima do Jude,
    Damem se faz de idiota!!, a Ever o ama, ele é o único em sua vida, como ela mesma disse ele é seu futuro, o seu destino!!!

    ResponderExcluir
  4. Gente dessa vez ela conheceu o D primeiro. Nas outras vidas ela conhecia o J. A situação está invertida nessa vida, então é só na questão de tempo.
    Muito nobre do D dar espaço pra Ever ter uma oportunidade de escolha, sabendo que nas outras vidas ele que escolheu por ela.
    Isso é que é amor.

    ResponderExcluir

Comentários de volta!
Passamos algumas horas sem essa opção, mas estamos à ativa novamente :)

Boa leitura! E SEM SPOILER!