18 de outubro de 2015

Sessenta - Um lindo cruzeiro homicida ao pôr do sol

BLITZ E HEARTH estavam nos esperando em frente ao New England Aquarium.
Blitz tinha conseguido botar uma roupa nova, claro: um conjunto de calça e jaqueta verde-oliva, um lenço amarelo no pescoço combinando com um chapéu de safári amarelo e com rede protetora contra o sol também amarela.
— Minhas roupas de caçar lobo! — disse ele, todo alegre.
Blitz explicou que a magia de Thor o transportou para onde ele mais precisava ir: a melhor loja de departamentos de Nídavellir. Ele usou o Svartalfar Express Card para comprar uma quantidade de suprimentos de expedição, incluindo várias roupas reserva e um arpão retrátil de aço de osso.
— E não só isso — acrescentou — mas sabe o escândalo da competição com Júnior? Saiu pela culatra e ferrou o velho verme! O boato de seu enorme fracasso se espalhou. Ninguém está mais me culpando, nem à mosca e nem nada! As pessoas começaram a falar dos meus designs de armadura cheios de estilo, e agora estão encomendando produtos. Se eu sobreviver a esta noite, talvez finalmente lance minha própria grife!
Sam e eu demos parabéns a ele, embora sobreviver àquela noite realmente parecesse um grande se. Ainda assim, Blitz estava tão feliz que eu não queria desanimá-lo. Ele começou a se balançar e a cantarolar “Sharp Dressed Man” baixinho.
Quanto a Hearth, ele fez outro tipo de compras. Estava carregando um cajado polido de carvalho branco. Na ponta, formava um Y, como um estilingue. Não sei por quê, mas tive a sensação de que faltava uma peça ali no meio.
Com o cajado na mão, Hearth parecia um elfo guerreiro e feiticeiro de verdade, embora ainda estivesse de calça jeans preta, jaqueta de couro por cima de uma camisa da HOUSE OF BLUES e o cachecol vermelho listrado.
Ele apoiou o cajado na dobra do braço e explicou em sinais que acabou indo parar no Poço de Mímir. O Capo o declarou mestre absoluto de álfar seidr, pronto para usar um cajado de feiticeiro.
— Não é incrível? — Blitzen deu um tapinha nas costas dele. — Eu sabia que conseguiria!
Hearthstone repuxou os lábios. Não me sinto um mestre.
— Tenho uma coisa que pode ajudar. — Enfiei a mão no bolso e peguei a runa perthro. — Algumas horas atrás, tive uma conversa com Hel. Ela me lembrou de tudo que perdi.
Contei para eles o que a deusa meio zumbi me ofereceu.
— Ah, garoto... — Blitzen balançou a cabeça. — Eu aqui falando da minha nova grife e você teve que passar por isso.
— Tudo bem. — Estranhamente, eu me sentia bem mesmo. — A questão é que, quando apareci em Bunker Hill, tinha acabado de usar a espada para matar duas gigantas. Eu devia ter desmaiado ou morrido de exaustão. Mas não foi o que aconteceu. E acho que sei por quê.
Virei a runa entre os dedos.
— Quanto mais tempo passo com vocês, mais facilidade tenho de usar minha espada, curar e fazer qualquer coisa, na verdade. Não sou especialista em magia, mas acho que... de alguma forma, estamos todos dividindo o preço.
Entreguei a runa para Hearthstone.
— Sei como é se sentir um cálice vazio, ter tudo tirado de você. Mas você não está sozinho. Independente de quanta magia precise usar, está tudo bem. Estamos do seu lado. Somos sua família.
Os olhos de Hearthstone se encheram de água verde. Ele gesticulou para nós, e, dessa vez, acho que realmente quis dizer eu amo vocês e não as gigantas estão bêbadas.
Hearth pegou a runa e colocou entre as pontas do novo cajado. A pedra encaixou no lugar da mesma forma que meu pingente encaixava na corrente. O perthro brilhou com uma luz levemente dourada.
O meu símbolo, anunciou ele. O símbolo da minha família.
Blitzen fungou.
— Gostei disso. Uma família de quatro cálices vazios!
Sam enxugou os olhos.
— De repente, estou sentindo sede.
— Al-Abbas — falei. — Nomeio você para o papel de irmã irritante.
— Cale a boca, Magnus. — Ela ajeitou o casaco, botou a mochila nas costas e respirou fundo. — Muito bem. Agora que acabamos com o discurso meloso, será que alguém sabe onde podemos encontrar dois anões com um barco?
— Eu sei. — Blitzen ajeitou o lenço. — Hearth e eu demos uma olhada antes de vocês chegarem. Venham!
Ele seguiu na frente pelo píer. Acho que só queria que víssemos como ele ficava bem usando o novo chapéu de safári amarelo.
No final do píer Long Wharf, do outro lado do quiosque de passeios de observação de baleias que estava fechado para o inverno, outro quiosque foi montado com pedaços de compensado e de caixas de papelão de eletrodomésticos. Acima da janela de atendimento, uma placa pintada a dedo de qualquer jeito dizia: CRUZEIRO DE OBSERVAÇÃO DE LOBO. SÓ ESTA NOITE! UM OURO VERMELHO POR PESSOA! CRIANÇAS COM MENOS DE CINCO ANOS NÃO PAGAM!
Dentro do quiosque estava um anão que era menos svartalfar e mais verme. Tinha uns cinquenta centímetros de altura e tantos pelos faciais que era impossível dizer se tinha olhos e boca. Vestia uma capa de chuva amarela e um chapéu de capitão, que sem dúvida o protegia da luz do dia e o fazia parecer a mascote de um restaurante de lagosta para gnomos.
— Olá! — disse o anão. — Fjalar, ao seu dispor. Querem fazer o passeio? O tempo está ótimo para observar lobos!
— Fjalar? — A expressão de Blitzen mudou. — Você por acaso tem um irmão chamado Gjalar?
— Ele está bem ali.
Eu não sabia como não percebi, mas, amarrado a poucos metros, havia um drácar viking com motor externo. No leme, mordendo um pedaço de carne-seca, havia outro anão que era idêntico a Fjalar, mas usava um macacão manchado de graxa e um chapéu de feltro de aba flexível.
— Estou vendo que vocês ouviram falar de nosso serviço excepcional — continuou Fjalar. — Posso separar os quatro bilhetes de vocês? É uma oportunidade única, uma vez por ano!
— Por favor, nos dê um minutinho. — Blitzen nos levou para longe. — Esses são Fjalar e Gjalar — sussurrou. — São famosos.
— Thor nos avisou — disse Sam. — Não temos muita escolha.
— Eu sei, mas... — Blitzen torceu as mãos. — Fjalar e Gjalar? Eles roubam e matam gente há uns mil anos! Vão tentar nos matar se dermos qualquer oportunidade.
— Então, basicamente — resumi — eles são iguais a quase todo mundo que encontramos.
— Eles vão nos esfaquear pelas costas — disse Blitz, preocupado — ou nos abandonar em uma ilha deserta, ou nos empurrar do barco na boca de um tubarão.
Hearth apontou para si mesmo e bateu com um dedo na palma da mão. Me convenceu.
Voltamos para o quiosque.
Eu sorri para a mascote de lagosta homicida.
— Gostaríamos de quatro bilhetes, por favor.

21 comentários:

  1. Eu sorri para a mascote de lagosta homicida.

    — Gostaríamos de quatro bilhetes, por favor
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    morri =3 =D `°u°´

    ResponderExcluir
  2. — Al-Abbas — falei. — Nomeio você para o papel de irmã irritante.
    Tipo,é a coisa mais linda que ele poderia dizer naquele momento (sem sarcasmo).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim. Na família ela é a irmã dele. E o tio Rick n faria incesto, faria?

      Excluir
    2. um carinha ai que ama livros3 de abril de 2016 16:11

      Faria, ah se faria :v

      Excluir
  3. MAGNUS VIDA LOKA

    ~coruja

    ResponderExcluir
  4. Só eu fiquei triste de ele considerar ela como uma irmã ??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também! :(:(:(:(

      Excluir
    2. Eu já tinha dito que o clima entre eles era meio que de irmãos então não foi surpresa nem decepção, apenas confirmação. É mais fácil um Pernico que um Sagnus.

      Excluir
  5. - Cale a boca Magnus!

    Me lembrou logo o Leo. Cale a boca, Valdez. Kkkk achei até legal o Magnus chamar a Sam de irmã irritante. Seria clichê d+ eles ficarem juntos, mesmo que, se isso acontecer vai ser lindo ^_^ Ñ sei se quero ou não quero!
    Eles se parecem mais a relação do Leo com a Hazel ou com a Piper.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seria cliché eles ficarem juntos. Tipo quase sempre nas histórias isso acontece. E além do mais esse livro é MUITO parecido com os outros do tio Rick, tanto é que sempre vc vê alguém falando lembrei do Percy, lembrei do Carter... e o principal ficar com a coadjuvante seria MUITO cópia n só do comum mas dos outros livros do Rick (tipo, spoiler, percabeth e Carter/zia sedie/will) eu n gostaria de sagnus

      Excluir
  6. ... Vão tentar nos matar se dermos qualquer oportunidade.

    — Então, basicamente — resumi — eles são iguais a quase todo mundo que encontramos.

    Kkkkk esses anões me lembraram meu "irmão" pirata idiota Círon. Empurrar do barco do barco na boca de tubarões, empurrar/chutar do penhasco na boca da tartaruga, qual a diferença né?

    ResponderExcluir
  7. Porque nesse capítulo não tem o lobo no final ??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ou esqueci de colocar, ou apaguei sem querer :v
      De qualquer modo, vou colocar. Obrigada por avisar :D

      Excluir
  8. quero pegação, já estou cansada de mimimi...
    ~S.T.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só se a pegação for de Blitz e Hearth. Porque parece que não rola um Sagnus não.

      Excluir
  9. esses anoes me lembraram os macacos ladroes q o jason e o leo enfrentaram.

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!