18 de outubro de 2015

Sessenta e um - Urze é minha nova flor menos preferida

EU ACHAVA QUE nada podia ser pior do que nossa expedição de pesca com Harald. Estava enganado.
Assim que deixamos o porto, o céu escureceu. A água ficou preta como tinta de lula. Através da neve que caía, a costa de Boston se transformou em uma coisa primitiva, do jeito que devia ser quando o descendente de Skírnir navegou com seu drácar pelo rio Charles pela primeira vez. O Centro foi reduzido a algumas colinas cinzentas. As pistas do aeroporto Logan foram substituídas por pedaços de gelo flutuando na água. Ilhas afundaram e surgiram ao nosso redor, como um vídeo dos últimos dois milênios passando de forma acelerada.
Então percebi que eu podia estar olhando para o futuro, e não para o passado, para a forma como Boston ficaria depois do Ragnarök. Decidi guardar esse pensamento para mim.
No silêncio da baía, o motor de Gjalar fazia um barulho obsceno, estalando, gemendo e soprando fumaça enquanto nosso barco atravessava a água. Qualquer monstro em um raio de oito quilômetros saberia onde nos encontrar.
Na proa, Fjalar observava o caminho e gritava avisos ocasionais para o irmão.
— Pedras a bombordo! Iceberg a estibordo! Cuidado com o Kraken!
Nada disso ajudou a me acalmar. Surt havia prometido que nos encontraríamos naquela noite. Ele planejava queimar a mim e a meus amigos vivos e destruir os nove mundos. Mas, no fundo da minha mente, um medo ainda maior se esgueirava. Eu estava prestes a conhecer o Lobo. Essa percepção despertou todos os pesadelos que já tive com olhos azuis brilhantes, presas brancas e rosnados ferozes na escuridão.
Sentada ao meu lado, Sam manteve o machado no colo, onde os anões pudessem ver. Blitzen mexia na echarpe amarela, como se pudesse intimidar nossos anfitriões com seu guarda-roupa. Hearthstone treinou fazer o novo cajado aparecer e desaparecer. Quando dava certo, o objeto aparecia na mão dele do nada, como um buquê de flores surgindo da manga de um mágico. Quando dava errado, cutucava Blitzen ou batia na minha cabeça.
Depois de algumas horas e uma dezena de pequenas concussões, o barco tremeu, como se tivéssemos passado por uma contracorrente. No convés, Fjalar anunciou:
— Não vai demorar agora. Entramos em Amsvartnir, a Baía Preta como Breu.
— Nossa — olhei para as ondas escuras — por que será que chamam assim, hein?
As nuvens se abriram. A lua cheia, pálida e prateada, nos espiou do vazio sem estrelas. À nossa frente, névoa e luar se misturavam, demarcando uma costa. Eu nunca odiei tanto a lua cheia.
— Lyngvi — anunciou Fjalar. — A Ilha de Urzes, a prisão do Lobo.
A ilha parecia a caldeira de um vulcão antigo, um cone achatado quinze metros acima do nível do mar. Eu sempre pensei que urzes fossem roxas, mas as encostas pedregosas estavam cobertas de flores brancas fantasmagóricas.
— Se isso é urze — falei — tem mesmo muitas delas por lá.
Fjalar riu.
— É uma planta mágica, meu amigo, usada para afastar o mal e manter os espíritos longe. Que prisão poderia ser melhor para o lobo Fenrir do que uma ilha cheia disso?
Sam ficou de pé.
— Se Fenrir é tão grande quanto ouvi dizer, já não devíamos conseguir vê-lo?
— Ah, não — disse Fjalar. — Vocês têm que ir até a ilha para isso. Fenrir fica preso no centro, como uma runa em uma tigela.
Olhei para Hearthstone. Eu duvidava que ele conseguisse ler os lábios de Fjalar por trás daquela barba cerrada, mas não gostei da referência a uma runa em uma tigela. Lembrei-me do outro significado de perthro: um copo de jogar dados. Eu não queria correr cegamente para dentro da caldeira e torcer para tirar a pontuação máxima.
Quando estávamos a três metros da praia, a quilha do barco roçou em um banco de areia. O som me lembrou de forma desagradável a noite em que minha mãe morreu, a porta do nosso apartamento rangendo pouco antes de ser derrubada.
— Todos para fora! — exclamou Fjalar com alegria. — Apreciem o passeio a pé. É só vocês seguirem na direção daquela colina ali. Acho que vão concluir que o Lobo valeu a viagem!
Talvez fosse minha imaginação, mas comecei a sentir cheiro de fumaça e de pelo de animal molhado. Meu novo coração de einherji estava testando os limites de quanto conseguia bater rápido.
Se não fossem meus amigos, não sei se teria sentido coragem de desembarcar. Hearthstone pulou pela amurada primeiro. Sam e Blitzen foram atrás. Sem querer ficar preso no barco com o anão-lagosta e o irmão comedor de carne-seca, saltei do barco. A água estava na altura da cintura e tão fria que imaginei que cantaria em soprano pelo resto da semana.
Fui me arrastando até a praia, e um uivo de lobo quase rompeu meus tímpanos.
Agora, é claro que eu estava esperando um lobo. Lobos me apavoravam desde que eu era criança, então me esforcei para reunir coragem. Mas o uivo de Fenrir era diferente de qualquer coisa que eu já tivesse ouvido, uma nota de pura fúria tão profunda que parecia abalar meu corpo inteiro, quebrando minhas moléculas em aminoácidos aleatórios e neve derretida de Ginnungagap.
Em segurança no barco, os dois anões riram de alegria.
— Eu devia ter mencionado — gritou Fjalar — que a viagem de volta é um pouco mais cara. Reúnam todos os seus itens de valor em uma das bolsas e joguem-na para mim, por favor. Senão, vamos deixar vocês aí.
Blitzen falou um palavrão.
— Eles vão nos abandonar de qualquer jeito. É o que fazem.
No momento, entrar na ilha para enfrentar o lobo Fenrir era um dos últimos itens da minha lista de desejos. No topo dela estava: Chorar e implorar para os anões traidores me levarem de volta a Boston.
Minha voz falhou, mas tentei agir com mais coragem do que sentia.
— Podem ir embora — falei para os anões. — Não precisamos mais de vocês.
Fjalar e Gjalar trocaram olhares. O barco já estava se afastando.
— Você não ouviu o uivo? — Fjalar falou mais devagar, como se tivesse superestimado minha inteligência. — Vocês estão presos nessa ilha. Com Fenrir. Sabe o quanto isso é ruim?
— É, a gente sabe.
— O Lobo vai comer vocês! — gritou Fjalar. — Amarrado ou não, ele vai comer vocês. Ao amanhecer, a ilha vai sumir levando vocês com ela!
— Obrigado pela carona — respondi. — Façam uma boa viagem.
Fjalar levantou as mãos.
— Idiotas! Façam como quiserem. Vamos pegar tudo que vocês tiverem nos esqueletos de vocês ano que vem! Venha, Gjalar, vamos voltar ao porto. Talvez dê tempo de pegarmos outro grupo de turistas.
Gjalar acelerou. O drácar deu a volta e desapareceu na escuridão.
Olhei para os meus amigos. Tinha a sensação de que eles não se importariam com outro discurso animador de Somos uma família de cálices vazios e vamos acabar com eles!
— Bem — comecei — depois de fugirmos de um exército de anões, de encararmos um esquilo monstruoso, de matarmos três irmãs gigantas e estriparmos um par de bodes falantes... Será que Fenrir pode mesmo ser assim tão ruim?
— Muito — responderam Sam e Blitz ao mesmo tempo.
Hearthstone fez dois sinais de ok, cruzou os pulsos e os abriu. Era o sinal de horrível.
— Certo. — Puxei o pingente. A lâmina da espada fez as urzes parecerem ainda mais pálidas e fantasmagóricas. — Jacques, está pronto?
— Cara — disse a espada — eu fui forjado pronto. Mesmo assim, tenho a sensação de que estamos indo direto para uma armadilha.
— Levante a mão — pedi aos outros — quem aqui estiver surpreso com isso.
Ninguém levantou a mão.
— Tá, beleza — disse Jacques. — Desde que vocês tenham consciência de que todos vão morrer em sofrimento e de que estão prestes a dar início ao Ragnarök, estou dentro. Vamos nessa!

21 comentários:

  1. Depois de algumas horas e uma dezena de pequenas concussões, o barco tremeu, como se tivéssemos passado por uma contracorrente. No convés, Fjalar anunciou:





    Tudo me lembra percy kkkkkk :/ vou reler PJO, n tem como haha

    ResponderExcluir
  2. Tipo, "Vamos morrer! Legal!"
    -Tayná

    ResponderExcluir
  3. Senhor, eu nunca vi tanta referencia num livro só

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. mil e umas referencias
      e isso é referencia a mil e uma noites

      ~coruja

      Excluir
  4. Tio Rick faz isso pra gnt ficar pulando de uma serie pra outra pq ficou co saudades. Espertinho!!!!!!

    ResponderExcluir
  5. Tio Rick faz isso pra gnt ficar pulando de uma serie pra outra pq ficou co saudades. Espertinho!!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. é pra gente ler todos os livros

      ~coruja

      Excluir
  6. Essa espada é muito zueira! kkkkkkkkkkkkkkk
    ''— Tá, beleza — disse Jacques. — Desde que vocês tenham consciência de que todos vão morrer em sofrimento e de que estão prestes a dar início ao Ragnarök, estou dentro. Vamos nessa!''

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jacques zueira ate o Ragnarök

      ~coruja

      Excluir
  7. Essas referências,na minha opinião,me relembra de várias coisas,e não importa quantos livros eu Leia PJO/HDO sempre vão estar no topo,talvez eu releia,mais vai em ser daqui a alguns anos (dois ou três) porque dai eu ja vou ter esquecido,se reler agora eu já vou saber e não vai ter graça,I ♡ Tio Rick,por fazer estas séries maravilhosas como,PJO,HDO,CDI,.....

    ResponderExcluir
  8. Quando eu li urze eu lembrei de urze porrete de Artemis Fowl ·_·

    ResponderExcluir
  9. tivéssemos passado por uma contracorrente
    /
    /
    /
    REFERENCIA PJO

    ~coruja

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkk adorando seus comentários, ~coruja!

      Excluir
  10. Tio Rick e suas lições de vida em trechos de livros
    eles são uma família ... :'(

    ~coruja

    ResponderExcluir
  11. — Não vai demorar agora. Entramos em Amsvartnir, a Baía Preta como Breu.

    — Nossa — olhei para as ondas escuras — por que será que chamam assim, hein?

    eu amo com minha vida quando ele faz isso
    Filha de Fenrir

    ResponderExcluir
  12. Contracorrente?! Ah, pelo Anjo, não como perder a vontade de ler PJO, ja li umas 10 vezes, nem vai fazer tanta diferença. Se duvidar, passo pra HDO e faço uma visita à CD_.

    ResponderExcluir
  13. Cuidado com o Kraken!
    Kraken? O Kraken, tipo o monstro grego filho de Hades? Ou eu tô louca?

    - Depois de fugirmos de um exército de anões, de encararmos um esquilo monstruoso, de matarmos três irmãs gigantas e estriparmos um par de bodes falantes... Será que Fenrir pode mesmo ser assim tão ruim?

    — Muito — responderam Sam e Blitz ao mesmo tempo.

    Kkkkkk Essa é um tipo de aventura incomum até mesmo pra um semideus. Faltou a parte de ter dormido com um deus de ronco serra elétrica e sangue de bode na cara.
    Jacques, zueiro até depois do Ragnarök kkkk minha espada falante favorita (ache que a única tb).

    ResponderExcluir
  14. Lembrei do Fenrir Greyback de HP kkkk

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!