18 de outubro de 2015

Quarenta e cinco - Tenho a oportunidade de conhecer Jacques

SOU BOM EM fazer várias coisas ao mesmo tempo, então achei que conseguia fugir apavorado e discutir sem problemas.
— Mosca? — gritei para Sam. — Você consegue se transformar em mosca?
Sam se abaixou quando um dardo passou voando por cima da cabeça dela.
— Não é hora para isso!
— Ah, me desculpe. Eu devia esperar a hora certa para falar sobre virar uma mosca.
Hearthstone e Blitzen foram na frente. Atrás de nós, uma multidão de trinta anões se aproximava depressa. Não gostei das expressões assassinas e nem da variedade de armas confeccionadas à mão.
— Por aqui!
Blitzen entrou em um beco.
Infelizmente, Hearthstone não estava olhando. O elfo simplesmente seguiu em frente.
— Mãe! — xingou Blitzen.
Ao menos, achei que fosse um xingamento, até Sam e eu chegarmos na esquina e pararmos.
Alguns passos depois, no beco, Blitz estava preso em uma rede de luz. Ele se contorceu e falou palavrões enquanto a rede cintilante o erguia.
— É minha mãe! — gritou ele. — Ela quer a porcaria dos brincos. Vão! Alcancem Hearthstone! Encontro vocês...
POP! Nosso anão desapareceu em uma explosão de luz.
Olhei para Sam.
— O que foi isso?
— Temos outros problemas. — Ela pegou o machado.
A multidão havia nos alcançado. Eles se espalharam formando um semicírculo furioso de barbas, caras feias, tacos de beisebol e espadas. Eu não sabia o que estavam esperando. E então, ouvi a voz de Júnior em algum lugar lá atrás.
— Esperem! — gritou, ofegante. — Eu... — Ofegou. — Mato... — Ofegou. — Primeiro!
A multidão se abriu. Ladeado pelos guarda-costas, o velho anão empurrou o andador na nossa direção.
Ele olhou para mim e depois para Sam.
— Onde estão Blitzen e o elfo? — murmurou Júnior. — Ah, não importa. Vamos encontrá-los. Não ligo muito para você, garoto. Corra agora e talvez eu tenha piedade. A garota é obviamente uma filha de Loki. Ela me mordeu e estragou meu trabalho! Ela vai morrer.
Peguei meu pingente. A Espada do Verão ficou do tamanho normal. A multidão de anões recuou. Acho que sabiam reconhecer uma espada perigosa.
— Não vou a lugar nenhum — falei. — Vocês vão ter que encarar nós dois.
A espada zumbiu, chamando atenção.
— Correção — acrescentei — vão ter que encarar nós três. Esta é Sumarbrander, a Espada do Verão, feita por... Na verdade, não sei direito, mas é famosa entre as espadas, e agora vai dar uma surra no traseiro coletivo de vocês.
— Obrigado — disse a espada.
Sam guinchou. A cara de choque dos anões deixou claro que aquilo não tinha sido minha imaginação.
Levantei a espada.
— Você consegue falar? Quer dizer... é claro que consegue. Você tem muitas, hã, habilidades incríveis.
— Era o que eu estava dizendo.
A voz da espada era masculina. Emanava das runas na lâmina, que vibravam e cintilavam a cada palavra, como as luzes de um equalizador estéreo.
Lancei um olhar arrogante para os anões, como se dissesse: É, isso aí. Tenho uma espada falante pirotécnica e vocês, não.
— Sumarbrander — falei — o que você acha de encarar essa galera?
— Claro — respondeu a espada. — Você quer vê-los mortos ou...?
A multidão recuou de alarme.
— Não — concluí. — Só faça com que vão embora.
— Você não é nada divertido. Tudo bem, então, vamos.
Hesitei. Não queria segurar uma espada piscante, falante e sibilante, mas largar a arma não era bem um primeiro passo natural rumo à vitória.
Júnior devia ter sentido que eu estava relutante.
— Podemos enfrentá-lo! — gritou. — É um garoto com uma espada que ele não sabe usar!
Sam rosnou:
— E eu, uma ex-valquíria com um machado que sei usar.
— Aff! — bufou Júnior. — Vamos pegá-los, garotos! Arrastador de Vovó, ativar!
Fileiras de lâminas de adagas surgiram na parte da frente do andador. Dois motores de foguete em miniatura se acenderam atrás, impulsionando o velho anão na nossa direção em uma velocidade impressionante de um quilômetro e meio por hora. Os colegas dele rugiram e partiram para o ataque.
Soltei a espada. Ela ficou suspensa por uma fração de segundos. Depois, entrou em ação. Mais rápido do que você poderia dizer filho de Edna, cada anão foi desarmado. As armas foram partidas ao meio, rachadas no eixo, derrubadas no chão ou cortadas em cubos do tamanho de canapés. As adagas e os motores do andador de Júnior foram arrancados. As pontas cortadas de trinta barbas caíram no chão, deixando trinta anões chocados com cinquenta por cento a menos de pelos faciais.
A Espada do Verão pairou entre mim e a multidão.
— Alguém quer mais? — perguntou a espada.
Os anões se viraram e fugiram.
Júnior gritou por cima do ombro enquanto saía cambaleando atrás dos guarda-costas, que já estavam uma quadra na frente.
— Isso não acabou, garoto! Vou voltar com reforços!
Sam baixou o machado.
— Isso foi... Uau.
— É — concordei. — Obrigado, Sumarbrander.
— De nada — respondeu a espada. — Mas, sabe, Sumarbrander é um nome muito comprido, e nunca gostei muito dele.
— Tudo bem. — Eu não sabia bem para onde olhar quando falava com a espada. Para as runas brilhantes? Para a ponta da lâmina? — Como você quer ser chamado?
A espada zumbiu, pensativa.
— Qual é seu nome?
— Magnus.
— É um bom nome. Me chame de Magnus.
— Você não pode ser Magnus. Eu sou Magnus.
— Então qual é o nome dela?
— Sam. Você também não pode ser Sam. Seria confuso demais.
A lâmina balançou de um lado para outro.
— Ah, mas qual é um bom nome? Uma coisa que combine com minha personalidade e meus muitos talentos?
— Não conheço você tão bem quanto gostaria.
Olhei para Samirah, que só balançou a cabeça como se dissesse: Ei, é sua espada falante.
— Sinceramente, não sei o que dizer, já que...
— Jacques! — gritou a espada. — Perfeito!
O problema de espadas falantes... é que é difícil saber quando estão brincando. Elas não têm expressão facial. Nem rosto.
— Então... quer que eu chame você de Jacques.
— É um nome nobre — argumentou a espada. — Bom para reis e implementos afiados de corte!
— Tudo bem — falei. — Muito bem, então, Jacques, obrigado por nos salvar. Você se importa se...?
Estiquei a mão para o punho da espada, mas Jacques flutuou para longe de mim.
— Eu não faria isso ainda — avisou ele. — O preço das minhas habilidades incríveis: assim que você me embainhar, me transformar em pingente ou sei lá o quê, vai se sentir tão cansado quanto se tivesse executado todas as minhas ações.
Os músculos dos meus ombros se contraíram. Pensei no quanto eu me sentiria esgotado se tivesse destruído todas aquelas armas e cortado todas aquelas barbas.
— Ah. Não reparei nisso antes.
— Porque você não tinha me usado para nada incrível ainda.
— Certo.
Ao longe, um alarme de ataque aéreo soou. Eu duvidava de que houvesse ataques aéreos em um mundo subterrâneo, então concluí que aquilo tinha a ver conosco.
— Temos que ir — disse Sam com urgência. — Temos que encontrar Hearthstone. Duvido que Júnior estivesse brincando sobre os reforços.
Encontrar Hearthstone foi a parte fácil. A duas quadras dali, demos de cara com ele, que estava voltando para nos procurar.
Mas que H-e-l-h-e-i-m? Onde está Blitzen?
Contei sobre a rede dourada de Freya.
— Vamos encontrá-lo. Agora, Júnior está convocando a Guarda Nacional dos Anões.
Sua espada está flutuando, observou Hearth.
— Seu elfo é surdo — reparou Jacques.
Eu me virei para a espada.
— Eu sei disso. Ah, me desculpe, as apresentações. Jacques, Hearth. Hearth, Jacques.
Hearth sinalizou: Ela está falando? Não leio lábios de espada.
— O que ele está dizendo? — perguntou Jacques. — Não leio mãos de elfo.
— Pessoal!
Sam apontou para trás de nós. A algumas quadras, um veículo com placas de ferro, lagartas no lugar de rodas e um torreão em cima virava lentamente na nossa rua.
— É um tanque — falei. — Júnior tem um tanque?
— Temos que ir — disse Jacques. — Sou incrível, mas se tentar destruir um tanque, o esforço é capaz de matar você.
— É — concordei. — Como saímos de Nídavellir?
Hearthstone bateu palmas para chamar minha atenção. Por aqui.
Corremos atrás dele, ziguezagueando por becos, derrubando latas de lixo cuidadosamente confeccionadas que com certeza tinham nome e alma.
De algum lugar atrás de nós, um BUM! alto sacudiu janelas e fez chover pedrinhas em nós.
— O tanque está sacudindo o céu? — gritei. — Isso não pode ser bom.
Hearthstone nos levou por outra rua de casas de madeira. Havia anões sentados em escadas, batendo palmas e gritando conforme passávamos correndo. Alguns nos filmaram em smartphones elaborados. Concluí que nossa tentativa de fuga se tornaria o próximo viral na internet anã, famosa entre as internets.
Finalmente chegamos ao que seria a fronteira sul de South Boston. Do outro lado da avenida, em vez da praia M Street, o chão despencava em um abismo.
— Ah, isso é muito útil — disse Sam.
Atrás de nós, na escuridão, a voz de Júnior gritou:
— Bazucas, pelo flanco direito!
Hearthstone nos levou pela beirada do cânion. Abaixo de nós, um rio rugiu.
Ele gesticulou: Vamos pular.
— Está falando sério? — perguntei.
Blitzen e eu já fizemos isso. O rio leva para fora de Nídavellir.
— Para onde?
Depende, gesticulou Hearthstone.
— Isso não é muito tranquilizador — disse Sam.
Hearthstone apontou para a avenida. A multidão anã estava se reunindo, tanques e jipes e lança-mísseis e um monte de anões geriátricos muito zangados com andadores cobertos de armadura.
— Vamos pular — concluí.
Jacques, a espada, pairou ao meu lado.
— É melhor me segurar agora, chefe. Senão posso me perder de novo.
— Mas você disse que a exaustão...
— Pode fazer você desmaiar — completou a espada. — O lado bom é que pelo jeito você vai morrer de qualquer jeito.
Ele tinha razão. Peguei a espada e a transformei novamente em um pingente. Mal tive tempo de prender na corrente e minhas pernas cederam.
Sam me segurou.
— Hearthstone! Pegue o outro braço dele!
Conforme minha visão foi escurecendo, Sam e Hearth me ajudaram a pular do penhasco. Afinal, para que servem os amigos?

47 comentários:

  1. A espada do Percy pode ser uma caneta, mas a do Magnus fala e luta sozinha (o que, sinceramente, é muito mais foda)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. contracorrente ia morrer de inveja kkkkkk

      Excluir
    2. Concordo plenamente kkk. Muito foda!!

      Excluir
    3. Com certeza!! imagina uma lutas entre as espadas?

      Excluir
    4. Na hora que espada falou eu meio que "pqp que fodaaaaaaaaaaaa,quero uma"

      Excluir
    5. Sim, so que o Magnus não sabe lutar com espadas direito, e o Percy sabe muito bem

      Excluir
    6. Na minha sincera opinião ...
      A caneta é foda porque o PORTADOR é foda e o Magnus ...CA entre nós ele NÃO SABE LUTAR portanto a espada tem q lutar sozinha ...
      e a espada do Percy tem história e escreve cor bronze !!!! Grande coisa lutar ,falar,e flutuar sozinha ... Ativo o modo fly foi ????

      Excluir
    7. Ha !!! Esqueci d dizer !!!! A espada luta sozinha porem o cara si cancã bem mais com quem luta pq quem luta tem os músculos acostumados e com a espada não e resvebe o cansaço todo de vez ... Prefiro contracorrente

      Excluir
    8. Ok o Percy luta melhor que o Magnus mas vc Lery esqueceu que quem luta é a espada e não o Magnus então tá equilibrado e nessa luta entre percy e Jacques o Magnus leva melhor pq enquanto o Jacques luta o ele pode soltar insultos para o Percy!

      Excluir
    9. Jacques > contracorrente

      sério mesmo, eu adoraria bater um papo com uma espada, e tb, e daí se o Magnus não sabe lutar de espada direito, a bixa espanca todo mundo sozinha e ainda pode matar alguém de infarto se falasse perto de alguém q não sabe q ela fala

      Excluir
  2. Fodan-se canetas que viram espadas e moedas que viram gládio, até cinto mágico eu recuso, eu quero uma espada que fala!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo plenamente com você, nem que seja o boné da Annabeth, eu prefiro a espada falante

      Excluir
    2. e eu uma cornucópia em miniatura :D

      Excluir
  3. Sam e hearth me ajudaram a pular do penhasco. Afinal para que servem os amigos? - Ai MIH respeita a historia de contracorrente- kkkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  4. Acabou de rebaixar Contracorrente. Não precisava disso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Chega de rebaixar as sagas e não somente elas como o próprio Rick a somente Percy! Já deu. Já teve o momento. É uma nova série com novos personagens e tudo que o povo faz é comparar uma saga com a outra!

      Excluir
    2. Samuel, tu falou tudo... Não aguento essas pessoas comparando todas as series com a do Percy... Gente, são deuses diferentes, mitologia diferente, personagens completamente diferentes... Tudo bem ter uma ou outra referencia sobre o Percy, mas chega né...
      Quando eu li as Cronicas dos Kane foi a mesma coisa...

      Excluir
    3. Desculpa as comparações, porém é o próprio tio Rick que faz isso, sim são mitos diferentes mas que se passam no mesmo mundo, com direito até a crossover entre ela. Então não não dá pra parar de comparar.

      Excluir
  5. E daí q n existe essa espada? Eu quero uma espada q fala e luta sozinha!! Kkk
    -Tayná

    ResponderExcluir
  6. Só eu acho que o Jacques parece o Blackjack falando com o Percy ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu deus é vdd!!! Só que agr todos escutam…

      Excluir
    2. parece muito !!!!!!!!!

      ~coruja

      Excluir
  7. Gente eu não posso ser infiel... amo contracorrente e por mais q a espada seja fora eu prefiro o meu primeiro amor

    ResponderExcluir
  8. Espada que fala é bem legal. E só para constar, eu era a favor de que ela també se chamasse Magnus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kkkkkk mas aí chamariam Magnus e a espada iria querer entrar em ação! Ou, sei lá, imagine o seguinte diálogo:
      Estranho: olá! Qual o seu nome?
      Magnus: Magnus, e o seu?
      Espada: me chamou? Quem eu mato?
      Kkkkkk

      Excluir
    2. Mas poderia fazer a piada de Frozem, com o Olaf, o Sven e o Cristofer

      Excluir
  9. Leo com certeza iria adorar conhecer jacques ( só espero que jacques saía inteiro do encontro)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Posso até imaginar o Leo querendo desmontar o Jacques para descobrir como ele funciona. kkkkkkkkk

      Excluir
    2. kkkkkkkkkkkkkkkkk

      pera é O Jacques ou A Jacques

      ~coruja

      Excluir
  10. Blackjack e jacques q dupla. Heim chefe?! Kkkkk

    ResponderExcluir
  11. ''Ah, me desculpe, as apresentações. Jacques, Hearth. Hearth, Jacques.
    Hearth sinalizou: Ela está falando? Não leio lábios de espada.
    — O que ele está dizendo? — perguntou Jacques. — Não leio mãos de elfo.''

    Todas as vezes que eu relia essa parte tinha crise de risos. Porque eu imagino ambos ( gesticulando e falando) sério. Eu morre de rir com o Hearth, ironico e fofo.

    ResponderExcluir
  12. "Latas de lixo que com certeza tinham nome e alma"
    Imaginei as latas brigando
    Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  13. Aí contracorrente! Jacques fala, lide com isso!

    ResponderExcluir
  14. Em inglês o nome da espada é Jack, não Jacques.

    ResponderExcluir
  15. Respostas
    1. kkkkkkkkkkkkk
      super cosplay

      ~coruja

      Excluir
  16. Magnus tanto uma de Jason
    só eu ri o capitulo INTEIRO ?

    ~coruja

    ResponderExcluir
  17. Magnus kkkk depois de HDO, que foi sinceramente muito chato, tio Rick nos surpriende com uma nova série tão bom quanto PJO (amo demais PJO, e nunca havera série melhor, apenas tão bom quanto) tio Rick é foda

    ResponderExcluir
  18. — Vamos pegá-los, garotos! Arrastador de Vovó, ativar!
    .... E ele vem em velocidade impressionante de um km e meio por hora..kkkkkk só eu que achei o Júnior meio gay? Fala sério, arrastador de VOVÓ? Ñ deveria ser de VOVÔ?


    Sua espada está flutuando, observou Hearth.

    — Seu elfo é surdo — reparou Jacques.

    — Eu sei disso. Ah, me desculpe, as apresentações. Jacques, Hearth. Hearth, Jacques.

    Hearth sinalizou: Ela está falando? Não leio lábios de espada.

    — O que ele está dizendo? — perguntou Jacques. — Não leio mãos de elfo. Kkk LOL kkkk


    latas de lixo cuidadosamente confeccionadas que com certeza tinham nome e alma. Kkkk pq não? A espada fala!

    Ri o capítulo inteiro

    ResponderExcluir
  19. Concluí que nossa tentativa de fuga se tornaria o próximo viral na internet anã, famosa entre as internets. Só ri nessa parte? (bem considerando que eu ri o tempo todo..)


    — O lado bom é que pelo jeito você vai morrer de qualquer jeito.
    kkkkkk Nossa Jacques, que tranquilizador hein?

    Conforme minha visão foi escurecendo, Sam e Hearth me ajudaram a pular do penhasco. Afinal, para que servem os amigos?

    ResponderExcluir
  20. eu nunca gostei do Perseu. Prefiro mil vezes Magnus. E enfim, sinceramente? Magnus pode não saber lutar, mas sua espada sabe, e é o objeto mais afiado de nove mundos. Querem mesmo um duelo contra contracorrente? Percy acabaria em pedaços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. AEHOOOOO gostei de tu guri o/

      não exatamente que eu prefira algum, acho os dois fodas do jeito deles, mas é sempre bom encontrar pessoas que pensam diferente e aceitam coisas novas (ou personagens/espadas novas no caso)

      Excluir
  21. onde mais poderia encontrar uma espada falante?? só nos livros do Rick

    ~nathan

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!