30 de outubro de 2015

Dez

No momento em que percebi Damen virando na minha rua, eu corri para o espelho (novamente) e chequei minha roupa, tendo certeza que tudo estava certo e onde deve estar, o vestido, o sutiã, a lingerie nova e esperando que todos permanecessem no lugar (bem, pelo menos até a hora de sair).
Após a vendedora da Victoria's Secret e eu limparmos a bagunça, ela me ajudou a escolher este conjunto muito bonito de calcinha e sutiã que não é feito de algodão, não é constrangedoramente sexy, e não realmente apoia ao cobrir muito de nada, mas então eu acho que esse é o ponto. Em seguida, passei na Nordstrom onde comprei este lindo vestido verde e lindos sapatos para usar com ele. E no caminho de casa eu parei para uma manicure rápida, algo que não fiz desde que, bem, desde antes do acidente que me roubaram de minha antiga vida para sempre, quando eu costumava ser popular e feminina como Stacia.
Só que nunca fui realmente como Stacia.
Quero dizer, podia ter sido popular e uma líder de torcida, mas nunca fui puta.
— O que você está pensando? — Damen pergunta, entrando direto para o meu quarto uma vez que Sabine não estava em casa.
Eu olhei para ele, vendo como ele se apoiava na porta e sorrindo. Usando uma calça jeans escura, camiseta preta, casaco escuro, e as botas de motocicleta pretas desgastas que ele sempre usava e senti meu coração pular duas batidas.
— Eu estava pensando sobre os últimos quatrocentos anos. — eu disse, me encolhendo, quando os olhos cresceram escuros e preocupados. — Mas não da maneira que você pensa. — eu adiciono, num ansioso intuito que ele não estava obcecado por seu passado mais uma vez. — Eu estava pensando em todas as nossas vidas juntas, e como nós nunca... Hum...
Ele ergue a sobrancelha enquanto um sorriso toca seus lábios.
— Acho que estou feliz por esses quatrocentos anos terem acabado. — murmurei, observando como ele se movia em direção a mim, deslizando os braços em volta de minha cintura e me puxando para seu peito. Meus olhos pensando sobre os planos do seu rosto, seus olhos escuros, pele lisa, seus lábios irresistíveis, bebendo tudo dentro dele dentro.
— Estou feliz também. — diz ele, seus olhos provocando os meus. — Não, pensando bem, delete isso, porque a verdade é que, estou mais que feliz. Na verdade, estou em êxtase. — Ele sorri, mas um minuto, então ele franziu suas sobrancelhas, dizendo: — Não, ainda não posso explicar isso. — Ele ri, abaixando a boca para o ouvido enquanto sussurra. — Você está mais linda do que você tem sido. E eu quero que tudo seja perfeito. Eu preciso que seja tudo como sonhei que seria. Eu só espero não te decepcionar.
Eu empaquei, afastando o olhar de seu rosto, me perguntando como ele poderia pensar uma coisa dessa, quando todas as vezes eu tenho me preocupado sobre desapontar ele. Ele coloca o dedo no meu queixo, levantando minha face até que seus lábios cobriram os meus. E eu o beijei de volta com tanto fervor, que ele se afasta e diz:
— Talvez nós devêssemos seguir direto para Montage?
— Tudo bem. — sopro, buscando os meus lábios aos dele. Lamentando a piada quando ele se afasta e eu vejo como ele está esperançoso.
— Só que nós não podemos. Miles vai me matar se eu perder a tal estreia. — Eu sorrio, esperando que ele sorrisse também.
Só que ele não faz. E quando ele me olha com seu rosto tão elaborado e sério, eu sei que eu desviei muito perto da verdade. Toda a minha vida sempre foi encerrada nessa noite – a noite que tínhamos planejado para estar juntos. E mesmo eu não lembrando dos detalhes, ele claramente não concordava. Mas, então, tão rapidamente sua cor voltou e ele pegou minha mão quando disse:
— Bem, sorte para nós que você vai ser capaz agora, então não há nada que possa nos manter distantes.
A primeira coisa que eu percebo quando nos dirigimos para os nossos lugares é que Haven está sentada ao lado de Roman. Tirando a vantagem da ausência de Josh pressionando contra o seu ombro e posicionando a cabeça de uma forma que lhe permita olhar para ele adoradamente e sorrir para tudo o que ele diz. A segunda coisa que eu observo é que o meu lugar é também ao lado de Roman. Somente ao contrário de Haven, eu não estou de todo emocionada. Mas desde que Damen já se firmou no banco no exterior, e eu não quero fazer um grande show de movimento, com relutância, me afundo no meu lugar. Sentindo a pressão evasiva da energia de seus olhos nos meus – sua atenção focada em mim, eu não posso me ajudar, mas me contorço.
Eu olho ao redor do teatro, na maior parte cheio, tentando colocar minha mente fora de Roman e fico aliviada quando vejo Josh posicionado abaixo do corredor, vestindo seu habitual jeans preto apertados, cinto cravejado, camisa branca e gravata xadrez, com os braços carregados de doces e garrafas de água como o seu rústico cabelo negro sobre seus olhos. E eu não posso deixar de dar um suspiro de alívio, vendo como ele Haven são perfeitos para si, e estou emocionada que ele não foi substituído.
— Água? — Pergunta ele, pulando sobre o assento do outro lado de Haven e passando duas garrafas em minha direção. Eu pego uma para mim e tento passar a outra para Damen, mas ele sacode a cabeça e bebe o seu drink vermelho.
— O que é isso? — Roman pergunta, inclinando-se em mim e apontando para a garrafa, o seu toque indesejado enviando um frio na minha pele. — Você suga isso como se fosse refri. Nesse caso, compartilhe a riqueza. Não nos deixe aqui no frio. — Ele ri, estendendo a mão e mexendo os dedos, olhando entre nós com um desafio em seus olhos. E assim como eu estou prestes a topar, temendo que Damen seja tão bom que ele poderia concordar em dar a Roman um pouco, a cortina se desdobra e a música começa. E mesmo que Roman desista e se incline para trás em seu assento, seu olhar nem uma vez oscila de mim.
Miles foi incrível. Tão surpreendente que agora eu me acho realmente focando as linhas das falas e as letras que ele canta, enquanto o resto do tempo, minha mente está preocupada com o fato de que eu vou perder a virgindade – a primeira vez em cem anos.
Quero dizer, é tão surpreendente pensar que, de todas essas encarnações, dentre todas as vezes que nos conhecemos e caímos de amor, uma vez que nunca conseguimos selar o acordo, mas hoje, tudo isso iria mudar.
Tudo muda.
Hoje à noite nós enterraremos o passado e avançaremos para o futuro do nosso amor eterno. Quando a cortina finalmente se fechou, todos se levantaram e de cabeça para os bastidores.
Mas, assim que nós alcançamos a porta dos fundos, eu viro-me para Damen e digo:
— Maldição! Esquecemos de passar numa loja e pegar algumas flores para Miles!
Mas Damen apenas sorri. Balança a cabeça e diz:
— Do que você está falando? Tenho todas as flores que precisamos bem aqui.
Eu olho furtivamente, me perguntando o que ele está tramando, porque de acordo com os meus olhos, suas mãos estão tão vazias quanto as minhas.
— Do que você está falando? — Eu sussurro, sentindo o curso da maravilhosa carga quente através de mim quando ele põe sua mão no meu braço.
— Ever... — diz ele, um olhar divertido em seu rosto. — Essas flores já existem no nível quântico. Se você quiser ter acesso a elas no nível físico, tudo que você tem a fazer é manifestá-las como eu te ensinei a fazer.
Eu olho em volta, certificando-me de ninguém esta ouvindo nossa conversa estranha e me sentindo embaraçada quando eu admito que eu não posso.
— Eu não sei como. — Digo desejando que ele apenas faça logo a flor. Esse não é realmente hora para lições.
Mas Damen não está comprando isso.
— Claro que pode. Não te ensinei nada?
Eu pressionei os meus lábios e olhei para o chão, porque a verdade é que ele tentou me ensinar muito. Mas eu sou um estudante horrível e eu tenho afrouxado tanto que seria melhor para nós dois se eu deixasse a manifestação de flores para ele.
— Você faz isso. — digo estremecendo com a decepção que se formou em seu rosto. — Você é muito mais rápido do que eu. Se eu tentar fazer isso, isso vai se transformar em uma grande cena, as pessoas vão notar, e depois nós vamos ser obrigados a explicar.
Ele balança a cabeça, recusando-se a ser influenciado por minhas palavras.
— Como você vai aprender se sempre confiar em mim?
Eu suspiro, sabendo que ele está certo, mas ainda não querendo perder o tempo precioso tentando manifestar um buquê de rosas que pode ou não pode nunca aparecer. Tudo que eu quero é fazer com que as flores estejam na minha mão, falar com Miles Bravo, e passar no Montage e o resto dos nossos planos. E um momento atrás parecia que ele só queria isso também. Mas agora ele está todo sério e como um professor, e para ser honesta, é uma forma de destruir o estado de espírito. Eu respiro profundamente e sorrio doce, meus dedos ajeitando a borda da lapela quando eu digo:
— Você está absolutamente certo. E eu vou ficar melhor, eu prometo. Mas eu estava pensando que talvez só desta vez, você poderia fazê-lo desde que você está tão muito mais rápido do que eu — eu soco o local logo abaixo da orelha, sabendo que ele está tão perto da espeleologia (é a ciência que estuda as cavidades naturais e outros fenômenos cáusticos, nas vertentes da sua formação, constituição, características físicas, formas de vida, e sua evolução ao longo do tempo.) — Quer dizer, quanto mais cedo entregarmos o buquê, mais cedo nós podemos sair, e então... — E antes mesmo de eu terminar ele fecha os olhos, a sua mão na frente dele, como se segurando um ramo de flores de primavera, quando eu olho todos os ao redor, certificando-me de que ninguém está prestando atenção, na esperança de acabar com isso logo. Mas quando eu olho novamente para Damen, eu começo a entrar em pânico. Porque não é só a mão que ainda está vazia, mas um rastro de suor está percorrendo o seu caminho para baixo de sua bochecha, pela segunda vez em dois dias.
O que não parece tão estranho, exceto pelo fato de que Damen não pode suar. Assim como ele nunca fica doente e nunca tira dias de folga, ele também nunca pode suar. Não importa como seja a temperatura lá fora, não importa qual seja a tarefa em mãos, ele permanece sempre fresco, calmo e perfeitamente capaz de lidar com qualquer coisa antes dele.
Até ontem, quando ele não conseguiu acessar o portal. E agora, como ele não consegue manifestar um buquê simples para Miles.
E quando eu toco seu braço e pergunto se ele está bem, eu recebo apenas um gotejar menor do que o habitual formigamento e calor.
— Claro que eu estou bem. — Ele aperta os olhos, levantando as pálpebras apenas o suficiente para me ver, antes de fechá-los firmemente novamente. E mesmo que o nosso olhar foi breve, o que eu vislumbrado em seus olhos me fez crescer frio e fraqueza. Aqueles não eram os olhos quentes de amor que eu cresci me acostumando. Aqueles olhos eram frios, distantes, remotos como eu vislumbrava no início desta semana. E eu vejo como ele se concentra, com a testa franzida, o lábio superior com gotas de suor, determinado a conseguir mais este feito e assim nós podermos ir para a nossa noite perfeita. E não quero que isto se arraste em qualquer adicional ou se repita no outro dia, quando ele não conseguiu fazer o portal aparecer, eu estou de pé ao lado direito dele e fecho os olhos também. Vendo um lindo buquê de duas dúzias de rosas vermelhas em sua mão, inalando seu perfume inebriante doce ao sentir o macio de pétalas de pelúcia que só acontecerá a ser montada acima do tempo dos espinhosos caules...
— Ouch! — Damen sacode a cabeça e leva o dedo à boca, mesmo que a ferida já estava curada tempo antes que ele possa chegar lá. — Eu esqueci do vaso — diz ele, claramente convencido de que ele próprio fez as flores, e eu tenho toda a intenção de fazê-lo achar dessa maneira.
— Deixe-me fazer isso — disse, em um esforço para agradá-lo. — Você está absolutamente certo, eu preciso de prática — acrescento, fechando os olhos e imaginando uma sala de jantar em casa, a um com os redemoinhos complicados e graves e facetas luminosas.
— Cristal de Waterford? — Ele ri. — Quanto você quer que ele pense que gastamos nessa coisa?
Eu ri muito, aliviada com todo o nosso estranho momento foi longo e ele estava de volta para brincar novamente. Tomando o vaso ele impulsiona minhas mãos, quando ele diz:
— Aqui. Você dá essas para Miles enquanto eu pego o carro e estaciono-o por perto.
— Você tem certeza? — Eu pergunto, observando como a pele ao redor dos olhos parece tensa e pálida, e sua cabeça a frente de sua iluminada testa está um pouco úmida. — Porque nós podemos apenas fugir, digamos parabéns, e corremos para fora. Ele não tem que ser um grande negócio.
— Desta forma podemos evitar a longa fila de carros e fazer a fuga ainda mais rápida — Ele sorri. — Eu pensei você estava ansiosa para chegar lá.
Eu estou. Estou tão ansiosa quanto ele. Mas eu também estou preocupada. Preocupado com sua incapacidade de se manifestar, preocupada com a aparência de frio fugaz em seus olhos – seguro minha respiração enquanto ele toma um gole de sua garrafa, lembrando-me de quão rapidamente o ferimento foi cicatrizado, me convencendo de que é um bom sinal.
E sabendo que a minha preocupação só vai fazer ele se sentir pior, eu limpo minha garganta e digo:
— Tudo bem. Você vai pegar o carro. E eu te encontro.

7 comentários:

  1. Fernanda Boaventura9 de novembro de 2015 21:58

    vai acontecer algo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. tadinho mais a traduçao ta muito ruim

      Excluir
  2. Acho que essa noite quente não ira acontecer!
    Ass: Bina.

    ResponderExcluir
  3. isso sim e castigo , quando ela nao morre ele brocha......hoooo misera.

    ResponderExcluir

Comentários de volta!
Passamos algumas horas sem essa opção, mas estamos à ativa novamente :)

Boa leitura! E SEM SPOILER!