30 de outubro de 2015

Cinco

— O que acontece entre você e o novo garoto? — Haven pergunta, nos atrasando quando todos os demais se dirigem a classe.
— Nada. — Agarro sua mão e a forço a andar, uma energia que derrama diretamente em mim enquanto olho para Roman, Miles e Damen que sorriem e continuam como se fossem velhos amigos.
— Por favor. — Ela revira os olhos. — É tão óbvio que não gosta dele.
— Isso é ridículo. — Digo, meus olhos focaram Damen, meu namorado magnífico e glorioso / companheiro de alma / companheiro eterno / companheiro (realmente tenho que encontrar a palavra exata) que mal falou comigo esta manhã em inglês. E espero que não seja devido a razão que eu penso – devido ao meu comportamento ontem e minha recusa que cometi neste fim de semana.
— Sou totalmente séria. — Ela me olha. — É como – é como se você odiasse pessoas novas ou algo assim. — No qual resultou sair muito mais amável que as verdadeiras palavras em sua cabeça. Pressiono meus lábios juntos e olho fixamente para frente, resistindo ao impulso de revirar os olhos.
Mas ela apenas me olha determinada, com as mãos na cintura, seus grandes olhos revirando sob uma flamejante franja de seu cabelo.
— Porque se eu me lembro bem, e sabemos que lembro, você odiou Damen na primeira vez que ele veio a esta escola.
— Não odiei Damen — digo, entrecerrando meus olhos apesar da minha recente negativa. Pensando: Correção, só tive a aparência de odiar Damen. Quando a verdade é, eu o amei durante aquele tempo inteiro... Bem, exceto naquele curto período em que eu realmente o odiei. Mas de todos os modos, ainda assim, eu o amei. Apenas não quis admitir isso...
— Um, me desculpe, mas eu imploro para diferenciar. — Disse ela, enquanto artisticamente o cabelo preto cai em seu rosto. — Lembra como você não o convidou para sua festa de Halloween?
Eu suspiro, completamente aborrecida por tudo isto. Todo o que quero fazer é ir pra aula para então pretender prestar atenção enquanto falo telepaticamente com Damen.
— Sim, e se você lembra isto foi também à noite em que ficamos — digo finalmente, contudo, no segundo que sai, eu lamento. Haven nos encontrou do lado de fora na piscina, e fez seu coração partir. Mas ela simplesmente ignorou isso.
Mais determinada em fazer seu caso do que visitar esse passado particular.
— Ou talvez você esteja com ciúmes porque Damen tem um novo amigo. Você sabe, alguém à exceção de você.
— Isso é ridículo — digo, embora isso tenha saído muito rápido para acreditar. — Damen tem muitos amigos. — Eu acrescento, mesmo quando nós duas sabemos que é mentira.
Ela me olha, pressionando seus lábios, completamente imóvel. Mas agora que chegamos muito longe, não tenho mais opção, só continuar, então digo:
— Ele tem você, Miles, eu... — e eu.
Eu penso, mas não querendo dizer, porque essa é uma triste, pequena lista, que é exatamente seu argumento. E a verdade é, Damen nunca está com Haven e Miles a não ser eu esteja lá também. Ele gasta cada momento livre comigo. E as vezes que não estamos juntos ele envia uma corrente estável de pensamentos e imagens para compensar a distância. É como se estivéssemos sempre conectados. Eu tenho que admitir gostar desse jeito. Como se só com Damen eu posso ser eu mesma – escutar os pensamentos, sentir as auras, ver espíritos. Só com Damen eu posso baixar a minha guarda e ser eu mesma.
Mas quando olho para Haven, não posso ao menos me perguntar se talvez ela tenha razão. Talvez eu seja ciumenta. Talvez Roman realmente seja apenas um garoto normal e legal que se mudou para uma nova escola e só que fazer alguns novos amigos – diferente da ameaça assustadora que penso que ele seja. Talvez realmente me tornei paranoica, ciumenta e possessiva que automaticamente penso que só porque Damen não está focado em mim como no geral está, estou a ponto de ser substituída. E se este é o caso, bem, essa é uma maneira muito patética de admitir.
Então apenas balanço a cabeça e fabrico um sorriso quando digo:
— Outra vez, ridículo. Tudo isso é seriamente ridículo. — Então trato de olhar como se eu realmente acreditasse nisso.
— Sim? Bem, então, e quanto a Drina? Como explica aquilo? — Ela sorri com satisfação e diz, — Você a odiou no momento em que a viu, e não tente negar isso. E então, uma vez que você descobriu que ela conhecia Damen, você a odiou ainda mais.
Contraio-me quando ela diz isso. E não só porque seja verdade, mas porque ouvir o nome da ex-esposa de Damen sempre me fazia contrair-me. Não posso fazer nada, simplesmente é assim. Mas não tenho nem ideia de como explicar isso a Haven. Tudo o que ela sabe é que Drina fingiu ser sua amiga, livrou-se dela em uma festa, e depois desapareceu pra sempre. Ela não tem nenhuma memória de que Drina tentou matá-la com uma pomada venenosa que ela usou naquela tatuagem assustadora que recentemente havia sido removida de seu pulso, nenhuma memória de...
Ah, meu Deus! A pomada! Roman deu uma pomada a Miles para sua espinha! Eu sabia que tinha algo de estranho nele. Sabia que eu não estava criando isso!
— Haven, que aula Miles tem agora? — Pergunto, meus olhos explorando o campus, incapaz de encontrá-lo e também uma grande pressa de usar a tele-detecção, que eu ainda não dominava.
— Acho que é inglês, por quê? — Ela me olha estranhando.
— Nada. Só... Eu tenho que correr.
— Tudo bem, como quiser. Mas só você já sabe. Eu ainda penso que você odeia pessoas novas — ela grita.
No entanto, hesita atrás de mim. Eu já havia ido.
Eu passo através do campus, focalizando a energia de Miles e tentando sentir a aula que ele está. E enquanto dou a volta no canto e vejo uma porta a minha direita, sem pensar, eu passo por ela.
— Posso ajudá-la? — O professor pergunta, afastando-se a mesa, segurando um pedaço quebrado de giz branco na mão.
Estou de pé diante da sala, olhando de relance os seguidores de Stacia que tiram sarro de mim enquanto luto para recuperar meu fôlego.
— Miles — aponto, ofegando. — Tenho que falar com Miles. Isso só levará um segundo. Eu prometo. — Quando o professor cruza os braços e me dá um olhar de dúvida. — É importante — acrescento, lançando um olhar para Miles que agora fecha os olhos e balança a cabeça.
— Presumo que você tenha um passe? — O professor pergunta, uma pessoa insistente pelas regras.
E mesmo sabendo que isso, muito bem, poderia acabar alienando-o e trabalhar contra mim, não tenho tempo para ficar presa em toda essa papelada, a burocracia da escola é feita para nos manter todos salvos – mas é o que realmente, neste momento, está me impedindo de lidar com um problema que é claramente de vida ou morte!
Pelo menos poderia ser.
Não estou certa. Embora eu gostaria de uma oportunidade para descobrir. E estou tão frustrada, que simplesmente balanço minha cabeça e digo:
— Escute, você e eu sabemos que não tenho um passe, mas se você só me fizesse o favor de me deixar falar com Miles lá fora um segundo, prometo enviá-lo exatamente de volta.
Ele me olha, mesmo sua mente filtrando todas as alternativas, todos os caminhos diferentes que isto poderia chegar: me expulsar, me escoltar até minha aula, me escoltar até a sala do diretor Buckley – antes olhando de relance para Miles quando ele diz:
— Bem, que seja rápido.
E no segundo que nos dirigimos para o corredor e a porta se fecha atrás de nós, olho para Miles e digo:
— Me dê a pomada.
— O quê? — Ele fica boquiaberto.
— A pomada. Aquela que Roman de teu. Me dê. Tenho que vê-la. — Lhe disse.
Estendendo a mão e mexendo meus dedos.
— Você está louca? — Ele sussurra, olhando ao redor mesmo quando há só tapetes de parede a parede, paredes de cor cinza-claro, e nós.
— Você não tem ideia de como isso é sério — eu lhe digo, meus olhos nos seus, não quero assustá-lo, mas se tenho que fazer isso. — Agora vamos, não tenho o dia todo.
— Está na minha mochila. — Ele dá de ombros.
— Então, vá buscá-la.
— Ever, de verdade, o que...?
Simplesmente cruzo meus braços e confirmo.
— Vamos. Vou esperar aqui.
Miles balança a cabeça e desaparece dentro da sala. Surgindo um momento depois com uma expressão azeda e um pequeno tubo branco na mão.
— Aqui está. Feliz agora? — Ele jogou pra mim.
Pego o tubo e o examino, virando-o entre meu polegar e o indicador. É de uma marca que reconheço, de uma loja que frequento. Não entendo como pode ser.
— Você sabe, no caso de ter esquecido, minha peça é amanhã, e realmente não preciso de todo drama e o estresse extra nesse momento, então se não se importa... — ele estende a mão, esperando que eu devolva a pomada para poder voltar a aula.
Só não estou disposta a entregá-lo ainda. Estou procurando algum tipo de furo de agulha de pressão ou marca, algo que prove ter sido manipulado, que não é o que parece.
— Quero dizer, hoje no almoço quando vi como você e Damen atenuou todo o negócio romântico, eu estava pronto para o alerta cinco de você, mas agora é como se você substituísse isso por alguma coisa pior. Quero dizer, sério, Ever. Tire a tampa e use-o ou me devolva.
Mas não devolvi. Pelo contrário, fecho meus dedos o redor e tento ler sua energia. Mas isso é simplesmente uma pomada para espinha. Do tipo que realmente funciona.
— O que estamos fazendo aqui? — Ele me olha franzindo o cenho.
Eu me encolho e devolvo o tubo. Dizer que estou envergonhada seria colocar as coisas muito suaves. Mas quando Miles coloca o tubo no bolso e se dirige para porta, não posso dizer menos que:
— Então você notou? — as palavras parecendo quentes e pegajosas em minha garganta.
— Notei o quê? — Ele para, claramente irritado.
— A, hum, a ausência de todo o negócio romântico?
Miles se vira, revirando os olhos em exagero antes de nivelar seu olhar com o meu.
— Sim, eu notei. Pensei que estavam levando minha ameaça a sério.
Eu olho pra ele. — Esta manhã – quando disse que Haven e eu estávamos em greve até que vocês parassem com todos esses seus... — ele balança cabeça. — Que seja. Eu posso, por favor, voltar pra aula?
— Desculpe. — Eu aceno. — Desculpe por todas as...
Mas antes que eu pudesse terminar, ele já tinha ido, fechando a porta firmemente entre nós.

4 comentários:

  1. Fernanda Boaventura5 de novembro de 2015 12:27

    Agora tô ficando paranoica também!

    ResponderExcluir
  2. A paranoia dela até que tem fundamento, mas... fala sério, Ever, vamo controlar isso aí!

    ResponderExcluir
  3. Ela está pirando! Pelo menos um pouco.

    ResponderExcluir
  4. Ela que pare com isso, ta ficando ridiculo e ta parcendo uma paranoica

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!