23 de outubro de 2015

Capítulo seis - Mudanças no Quadribol a partir do Século XIV

Campo

Zacarias Mumps conta que o campo do século XIV era um ovoide, de cento e cinquenta e dois metros de comprimento por cinquenta e cinco de largura, com uma pequena área circular de aproximadamente sessenta centímetros de diâmetro ao centro. Ele conta, ainda, que o juiz (ou quijuiz, como era conhecido então, fosse homem ou mulher) levava as quatro bolas ao circulo central rodeado pelos quatorze jogadores. No momento em que as bolas eram liberadas (a goles era atirada pelo juiz – veja “Goles” mais adiante), os jogadores levantavam voo a toda velocidade. No tempo de Mumps, os gols eram marcados em enormes cestas presas no alto de postes, conforme vemos na Fig. C.
Em 1620, Quíntio Umfraville escreveu um livro intitulado O Nobre Esporte dos Bruxos, no qual havia um diagrama do século XVII (veja Fig. D). Nele vemos o acréscimo do que hoje conhecemos com “pequena área” em cada extremidade do campo (veja “regras” adiante). As cestas no alto dos postes eram muito menores e mais altitudes do que no tempo de Mumps.
Por volta de 1883 as cestas deixaram de serem usadas para a marcação de gols e foram substituídas pelas balizas que hoje usamos, uma inovação noticiada pelo Profeta Diário da época (veja adiante). A partir daí o campo de Quadribol não sofreu nenhuma mudança.

Fig. D

Devolvam as nossas cestas!
Era o que gritavam os jogadores de Quadribol em todo país, ontem à noite, quando se tornou evidente que o Departamento de Jogos e Esportes Mágicos decidira queimar as cestas usadas a séculos no Quadribol para a marcação de gols.
“Não vamos queimar as cestas, não exagerem”, disse um represente do Departamento com ar irritadiço à noite passada quando lhe pediram que comentasse a notícia. “As cestas, como vocês devem ter observado, são fabricadas em diferentes tamanhos. Constatamos que é impossível padronizar o tamanho das cestas de modo a igualar as balizas de gol em toda a Grã-Bretanha. Sem dúvida vocês são capazes de perceber que é uma questão de justiça. Quero dizer, há um time nas proximidades de Barnton que prende cestas minúsculas às balizas do time adversário, em que não se consegue acertar nem uma uva. Em contraposição, nas balizas deles há verdadeiras cavernas de vime balançando para lá e para cá. Não é direito. Definimos aros de tamanhos fixos e já está decidido. De forma certa e justa.”
Nesse momento, o representante do Departamento foi obrigado a se retirar sob uma saraivada de cestas atiradas por manifestantes furiosos que se aglomeravam no saguão.
Embora duendes agitadores tenham levado a culpa pelo tumulto que se seguiu, não resta dúvida que esta noite os fãs de Quadribol em toda a Grã-Bretanha estão chorando o fim do jogo que conhecíamos.
“Não vai ser a mesma coisa sem as cestas”, disse com tristeza um velho bruxo de bochechas redondas e coradas. “Eu me lembro de que quando era rapaz, costumávamos atear fogo nas cestas durante as partidas só para nos divertir. Não se pode fazer isso com os aros. Acabaram com a metade da graça.”

Profeta Diário12 de fevereiro de 1883

Bolas


A Goles
Sabemos pelo diário de Trude Keddle que a goles, desde o início, foi feita de couro. Mas, das quatro bolas do Quadribol, ela é a única que não foi enfeitiçada desde o início, era apenas uma bola de retalhos de couro, muitas vezes com uma alça (veja Fig. E) porque devia ser agarrada e atirada apenas com uma das mãos. Algumas goles antigas possuíam furos para os dedos. Porém, com a descoberta dos Feitiços Prendedores em 1875, as alças e furos para os dedos se tornaram desnecessários pois o artilheiro podia manter a mão presa no couro enfeitiçado sem qualquer auxílio.
A goles moderna mede trinta centímetros e meio de diâmetro e não tem costuras. Foi pintada de vermelho, pela primeira vez, no inverno de 1711, depois de uma partida em que a chuva pesada a tornou indistinguível do chão lamacento todas as vezes que caía. Acresce que os artilheiros estavam cada vez mais irritados com a necessidade de mergulhar continuamente até o chão para recuperar a goles todas as vezes que não conseguiam agarrá-la, por isso, pouco depois da goles ter mudado de cor, a bruxa Margarida Pennifold teve a ideia de enfeitiçar a bola de modo que, quando caísse, descesse lentamente em direção ao chão como se estivesse afundando em água, o que permitia que os artilheiros pudesse agarrá-la ainda no ar. A “goles Pennifold” continua em uso até hoje.

Fig. E


Os Balaços
Os primeiros balaços (ou “pedraços”) eram, como vimos, pedras voadoras, na época de Mumps, tinham sido meramente desbastadas para assumirem uma forma arredondada.
Apresentavam, porém, uma importante desvantagem: podiam ser quebradas pelas maças magicamente reforçadas dos batedores do século XV, caso em que todos os jogadores passavam a ser perseguidos pelos fragmentos de pedra pelo resto da partida.
Provavelmente deve ter sido esta razão de alguns times de Quadribol começaram a experimentar balaços de metal no início do século XVI. Ágata Chubb, especialista em artefatos mágicos antigos, já identificou nada menos que doze balaços de chumbo desse período, encontrados tanto em turfeiras quanto em Brejos ingleses. “São, sem a menor dúvida, balaços e não balas de canhão”, escreve ela.

As leves mossas dos bastões magicamente reforçados usados pelos batedores são visíveis, bem como as marcas inconfundíveis da manufatura bruxa (em oposição à trouxa) – a lisura da curvatura, a perfeita simetria. Um fato decisivo foi que cada um dos espécies voou pelo meu escritório e tentou me derrubar no chão quando sua caixa foi aberta.

Com o tempo, os bruxos descobriram que o chumbo era demasiadamente macio para a fabricação de balaços (qualquer mossa deixada nele afetava sua capacidade de voar em linha reta). Atualmente eles são feitos de ferro e têm vinte e cinco centímetros de diâmetro.
Os balaços são enfeitiçados para perseguir os jogadores sem discriminá- los. Se permitirmos que ajam livremente, eles atacarão o jogador mais próximo, donde a tarefa do batedor é rebater os balaços para o mais longe possível de seu próprio time.

O Pomo de Ouro
O pomo de ouro tem o tamanho de uma noz tal qual o Pomorim Dourado. É enfeitiçado para fugir da captura o maior tempo possível. Contam que houve um pomo de ouro que fugiu à captura durante seis meses na charneca de Bodmin em 1884 até que os dois times desistiram, desgostosos com a imperícia dos seus respectivos apanhadores. Os bruxos da Cornualha que conhecem aquela charneca insistem ainda hoje que o pomo continua a vagar ali em estado selvagem, embora eu não tenha conseguido confirmar a história.


Jogadores


O Goleiro
A posição do goleiro com certeza existe desde o século XIII (veja Capítulo 4), embora sua função venha mudando desde então.
Segundo Zacarias Mumps, o goleiro:

deve ser o primeiro a chegar as cestas do gol, uma vez que é sua função impedir que a goles entre. O goleiro deve ter o cuidado de não se afastar demais para o lado do campo adversário para impedir que suas cestas sejam ameaçadas durante sua ausência. Contudo, um goleiro veloz pode marcar um gol e voltar às cestas em tempo de impedir que o outro time empate. Cada goleiro deve decidir individualmente como agir.

Nesse texto, Mumps deixa claro que, em seu tempo, os goleiros desempenhavam a função de artilheiros assumindo outras responsabilidades. Podiam se deslocar por todo o campo e marcar gols.
Na época que Quíntio Unfraville escreveu O Nobre Esporte dos Bruxos, em 1620, as funções do goleiro tinham sido simplificadas. Foram acrescentadas pequenas áreas ao campo e os goleiros eram aconselhados a permanecer dentro delas, guardando as cestas do gol, embora pudessem se afastar numa tentativa de intimidar os artilheiros adversários ou impedir antecipadamente suas jogadas.

Os Batedores
Os deveres dos batedores mudaram muito pouco através dos séculos e é provável que eles tenham existido desde a introdução dos balaços. Sua primeira tarefa é proteger os jogadores de seu time dos balaços, o que eles fazem com auxílio de bastões (no passado, com maças, vejam a carta de Goodwin Kneen no Capítulo 3). Os batedores nunca foram marcadores de gols, nem há qualquer indicação de que tenham usado a goles.
Esses jogadores precisam de grande força física para repelir os balaços. Portanto, sua posição, mais do que qualquer outra, em geral é ocupada por bruxos em vez de bruxas. Os batedores precisam ainda possuir um grande senso de equilíbrio, porque, por vezes, torna-se necessário soltarem as duas mãos da vassoura para rebater um balaço com ambas.

Os Artilheiros
Artilheiro é a posição mais antiga do Quadribol, pois outrora o jogo inteiro consistia em marcar gols. Eles atiram a goles um para o outro e marcam dez pontos todas vezes que conseguem passá-la por dentro dos aros do gol.
A única mudança significativa nesta função ocorreu em 1884, um ano antes da substituição das cestas por aros de gol. Foi introduzida uma nova regra pela qual somente o artilheiro que estivesse carregando a goles podia penetrar na pequena área. Se mais de um artilheiro entrasse, o gol seria impedido. Tal regra destinava-se a banir a “escada” (ver “Faltas” adiante), uma jogada em que dois artilheiros entram na pequena área e empurram o goleiro para o lado, deixando o aro do gol desimpedido para um terceiro artilheiro marcar o gol. A reação a essa nova regra foi noticiada no Profeta Diário da época.

Nossos artilheiros não estão roubando!
Foi a exclamação chocada dos fãs do Quadribol em toda a Grã-Bretanha, à noite passada, ao ser anunciada pelo Departamento de Jogos e Esportes Mágicos a criação da chamada “falta por uso de escada”.
“Os casos de jogadores servirem de escadas para outros têm aumentado”, declarou ontem o representante do Departamento. “Cremos que a nova regra eliminará as graves contusões de goleiros que temos visto com demasiada frequência. Doravante, um artilheiro tentará bater o goleiro, em lugar de três artilheiros espancarem o goleiro. A jogada ficará mais clara e justa.”
Nessa altura da entrevista o representante do Departamento foi forçado a se retirar, porque os populares furiosos começaram a bombardeá-lo com goles. Bruxos do Departamento de Execução das Leis da Magia chegaram para dispensar a multidão que ameaçava espancar o próprio Ministro da Magia.
Um garotinho de seis anos e cara sardenta abandonou o saguão aos prantos.
“Eu adorava o rolo compressor”, soluçou ele para o Profeta Diário. “Eu e meu pai gostamos de ver os goleiros achatados no chão. Não quero mais assistir o Quadribol.”

Profeta Diário, 22 de junho de 1884

O Apanhador
Em geral os pilotos mais leves e mais velozes, os apanhadores precisam ter a visão aguçada e a habilidade de voar usando apenas uma das mão ou nenhuma. Dada a sua imensa importância no resultado global da partida, pois a captura do pomo muitas vezes arranca a vitória das garras da derrota, os apanhadores são alvos do maior número de faltas dos jogadores do time adversário. De fato, embora um imenso charme envolva a posição de apanhador, porque são tradicionalmente os melhores pilotos em campo, eles são também os jogadores que recebem as piores contusões. “Tire o apanhador de campo” é a primeira regra em A bíblia do batedor, escrita por Bruto Scrimgeour.


Regras

As seguintes regras foram estabelecidas pelo Departamento de Jogos e Esportes Mágicos por ocasião de sua criação em 1750:
1. Embora não haja limitação à altitude a que um jogador ou uma jogadora podem voar durante uma partida, ele ou ela não podem deixar os limites do campo. Se um jogador ultrapassar esses limites, seu time deverá entregar a goles ao time adversário.
2. O capitão do time pode pedir “tempo” fazendo um sinal ao juiz da partida. Esse é o único momento que é permitido aos jogadores encostarem os pés no solo durante a partida. O tempo solicitado pode ser prorrogado até duas horas se uma partida já durou mais de doze horas. Decorrido esse tempo, se um time não retornar ao campo será desclassificado.
3. O juiz poderá aplicar penalidades contra um time. O artilheiro que vai cobrá-la deverá voar do círculo central para a pequena área. Os demais jogadores, exceto o goleiro adversário, devem se manter bem afastados enquanto a penalidade é cobrada.
4. A goles pode ser roubada das mãos de outro jogador, mas em circunstância alguma um jogador poderá tocar em qualquer parte da anatomia do outro.
5. Em caso de contusão, nenhum jogador será substituído. O time continuará a partida sem o jogador contundido.
6. É permitido levar varinhas para o campo*, que, no entanto, não poderão ser usadas em circunstância alguma contra os jogadores do time adversário, as vassouras do time adversário, o juiz ou contra quaisquer das bolas ou espectador.
7. Uma partida de Quadribol só terminará quando o pomo de ouro for capturado ou por consentimento mútuo dos capitães dos dois times.

*O direito de sempre portar uma varinha foi estabelecida pela Confederação Internacional dos Bruxos em 1692, quando a perseguição dos trouxas contra eles atingiu o auge e os bruxos planejaram se refugiar em esconderijos.


Faltas

A regras naturalmente “foram feitas para serem desobedecidas”. O Departamento de Jogos e Esportes Mágicos registra setecentas faltas em Quadribol e sabe-se que todas ocorreram durante a final da primeiríssima Copa Mundial em 1473. Sua lista completa, porém, nunca foi divulgada. Na opinião do Departamento, os bruxos e bruxas que vissem a lista poderiam “ter ideias”.
Por sorte tive acesso aos documentos referentes às faltas, ao pesquisar para este livro, e estou em posição de confirmar que o público em nada se beneficiaria coma a sua divulgação. Em todo o caso, noventa por cento das faltas arroladas são impossíveis de praticar, enquanto estiver em vigor a proibição (imposta em 1538) de usar varinhas contra o time adversário. Os dez por cento restantes, posso afirmar com segurança, em sua maioria, não ocorreriam nem aos jogadores mais desleais; por exemplo, “tocar fogo na cauda da vassoura do adversário”, “atacar a vassoura do adversário com uma maça”, “atacar um adversário com uma machado”. Não queremos com isso dizer que os jogadores modernos de Quadribol jamais infrinjam regras. Listamos a seguir dez faltas mais comuns.
O termo correto para as mesmas, em Quadribol, encontra-se na primeira coluna.



Juízes

No passado, arbitrar uma partida de Quadribol era uma tarefa apenas para os bruxos e bruxas mais corajosos. Zacarias Mumps conta que um árbitro de Norfolk, chamado Ciprião Youdle, faleceu em 1357 durante um amistoso entre bruxos locais. O autor da maldição nunca foi apanhado, mas se acredita que foi um espectador. Embora não tenha havido nenhum assassinato comprovado de juízes desde então, houve várias ocorrências de adulteração de vassouras através dos séculos, a mais perigosa tendo sido a transformação da vassoura do juiz em uma chave de portal de modo a fazê-lo abandonar a partida no meio e reaparecer meses depois no deserto do Saara. O Departamento de Jogos e Esportes Mágicos baixou rigorosas diretrizes sobre as medidas de segurança a serem aplicadas às vassouras dos jogadores e, hoje em dia, tais incidentes são, felizmente, muito raros.
O juiz de Quadribol eficiente precisa ser mais do que um piloto excepcional. Ele ou ela precisa observar as manobras de catorze jogadores ao mesmo tempo, donde a contusão mais comum de um juiz é, consequentemente, o torcicolo. Nas partidas profissionais, o árbitro conta com dois assistentes que vigiam os limites do campo para garantir que nem os jogadores nem as bolas ultrapassem o perímetro exterior.
Na Grã-Bretanha, os juízes de Quadribol são selecionados pelo Departamento de Jogos e Esportes Mágicos. Eles são submetidos a rigorosos testes de voo e a um minucioso exame escrito sobre as regras do Quadribol além de comprovarem por meio de testes intensivos que não irão azarar nem enfeitiçar jogadores agressivos mesmo sobre extrema pressão.

Um comentário:

  1. Q bacana ho ...riqueza de detalhes que fez relembrar alguma cenas no filme, principalmente a que o Harry quase se ferra c um "balaço" e que por um feitiço ele sai com o braço "derretido"...vou até rever a cena p vê se eu não estou esquecendo algo relevante...alguém aí confirma?

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!