4 de outubro de 2015

Capítulo 9

Ok, tomar banho com um grupo de meninas que possui afinidades com a água e com o fogo foi uma experiência e tanto! Que passou de embaraçosa para interessante e engaçada. Primeiro, foi embaraçosa porque, bem, apesar de todas serem garotas, não estava exatamente bem com a ideia de chuveiros comunitários. Que eram horrivelmente constrangedores. Havia cerca de meia dúzia de chuveiros (que eram todos brilhantemente novos que foram instalados por Kramisha ou Dallas, ou ambos, com a ajuda de Aphrodite e seu maravilhoso cartão de ouro). Cada um deles tinha box que os separam um do lado do outro. Não, não tinha nenhuma porta ou cortina ou qualquer outra coisa. Na verdade, havia trilhos no topo de cada um que eu deduzi que foram usados para por cortinas em algum dia, mas isto deve ter sido há muito tempo atrás. Ah, as bancas para os banheiros não tinham portas, mesmo que não queríamos ficar trancadas nelas. Então era inevitável e muito constrangedor que eu teria que ficar pelada na frente das meninas. Mas todas eram mulheres, mulheres hetero, assim nós não estávamos realmente interessadas nos peitos uma das outras, não importando o quão difícil é para os garotos entenderem isso, Assim a parte incômoda não durou muito tempo. Ok, todo o vestiário estava preenchido com uma densa neblina de vapor, o que dá a ilusão de privacidade. Depois que eu escolhi o meu box de chuveiro, escolhi alguns dos produtos da bela coleção de produtos para banho e cabelo, e comecei a me ensaboar, o chuveiro soltou um jato de água muito forte e quente. E pareceu muito estanho. E quando eu falo — muito estranho— era o que estava acontecendo, porque todos os chuveiros, mesmo os desocupados, estavam atirando jatos de água quente, causando uma tensa e quente névoa, quase tão espessa como fumaça. Humm...
— Hey! — Eu levantei minha cabeça sobre o box tentando ver as gêmeas em seus chuveiros.
— Vocês estão fazendo alguma coisa com a água?
— Huh? — Shaunee disse, tirando a espuma do xampu de seus olhos. — O quê?
— Isto — Eu balancei meus braços fazendo a espessa neblina crescer em torno de mim sonhadoramente. — Tudo isso não parece que está acontecendo sem alguma ajuda de certos indivíduos que sabem manipular fogo e água.
— Nós? Miss Fogo e Miss Água? — Erin disse.
Eu mal podia ver o topo da sua brilhante loira cabeça através do vapor.
— O que ela quer dizer, Gêmea? Você sabe que nossa Z é implicante e que não poderíamos usar nossas afinidades que a deusa nos deu para algo tão egoísta, como tomar banho, quente, com uma névoa densa com cheiro doce para relaxar depois do dia mais horripilante que nós passamos — disse Shaunee como se fosse uma bela inocente.
— Será que estamos fazendo, Gêmea? — Erin perguntou.
— Estamos absolutamente chocadas, Gêmea — Shaunee disse.
— De vergonha, Gêmea. De vergonha — disse Erin com uma serenidade meio estranha.
E então as gêmeas se derramaram em risos. Eu rolei meus olhos para elas, mas percebi que Shaunee tinha sido direita. A névoa era doce com cheiro. Que me fez lembrar da chuva de Primavera, cheio de aromas das novas flores e grama, e estava morna não, a água estava quente, como um preguiçoso dia de verão na praia. A verdade voltou para sala quando ela foi iluminada por flashes de relâmpagos da tempestade que se agravava lá fora e, apesar do barulho do trovão ser exageradamente alto, a atmosfera que as gêmeas tinham criado foi completamente relaxante. Então aqui a parte interessante começou, eu decidi entrar na brincadeira: — Hey, não são vocês que estão fazendo isso no vestiário? — Perguntei enquanto enxaguava o meu cabelo.
— Nope — disse Shaunee feliz.
— Nada. — Erin sorriu. Eu sorri de volta para elas.
— É bom ser uma garota.
— Yeah, alem de estarmos com a bunda de fora estamos nessas tendas de cavalo — disse Erin.
Eu sorri. — Tendas de cavalos. Acho que é só isso que incomoda vocês.
— Incomoda! A gente? — Erin disse.
— Oh não, não é só isso que incomoda a gente — disse Shaunee.
— Levem! — Erin gritou, apontando suas mãos em mim, jogando água por todos os lados. Claro que não doeu sério, eu ri ainda mais.
— Vou esquentar ela um pouco, Gêmea! — Shaunee disse, mexendo os dedos, e minha pele começou a ficar muito, muito quente. Tanto que o vapor do meu box duplicou. Entre as risadas eu sussurrei:
— Vento, venha a mim — e imediatamente eu senti a brisa de poder ao meu redor.
Agitando meus dedos na névoa que se moveu comigo, eu disse, — Vento, mande tudo de volta para as Gêmeas!.
Então eu pressionei meus lábios e assoprei delicadamente na direção delas. Com um poderoso whoosh, a névoa e o calor e a água circularam em volta de mim duas vezes, e então avançaram diretamente nas gêmeas, que gritaram e riram tentando ir para trás. Claro que não poderia vencer. Quer dizer, vamos lá! Eu posso chamar todos os cinco elementos, mas foi uma hilariante versão de luta de água contra água que deixamos todas nós encharcada e sem fôlego de tanto rir. Nós finalmente fizermos uma trégua. Ok, mais precisamente, eu fiz as gêmeas gritar, “Nos rendemos! Nos rendemos!” Várias vezes, e então eu gentilmente aceitei a sua rendição. Foi maravilhoso nos secar com macias toalhas me sentindo limpa e sonolenta.
Nós estendemos nossas roupas ao redor do box e chamamos água transformando em névoa, mais uma vez para vaporizá-las, e então eu chamei o ar e o fogo para secá-las.
Então nos três nos vestimos e descemos para os túneis, ignorando o crack-e-boom que vinha lá de fora, segura no fato de que nós estávamos rodeados pela terra e protegidas por vampiros adultos que não deixariam ninguém vir para cima de nós.
Eu diria que Stevie Rae estava morta quando voltei para o quarto, mas o pensamento me assustou. Ela tinha sido morta, ou quase morta, muitas vezes para os meus nervos. Eu admito que eu congelei olhando fixamente para ela ate ter certeza de que ela estava respirando e ir para o outro lado da cama e entrar debaixo das cobertas.
Nala colocou a cabeça para cima e espirrou para mim, claramente descontente por ser incomodada, mas ela se arrastou sonolenta até mim e se enrolou no meu travesseiro, descansando sua pata branca em mim. Eu sorri para ela e, limpa e confortável e muito, muito cansada, dormi imediatamente. Então eu tive esse sonho horrível, que me trouxe de volta à hora atual.
Eu esperava reproduzir tudo o que tinha acontecido no passado horas mais tarde e esperava que contar carneirinhos iria ajudar a ter lindos sonhos e um bom sono. Mas isso não deu certo. Estava muito preocupada com Kalona e o que eu ia fazer a respeito disso.
Meu celular estava na mesa de cabeceira e eu virei ele para cima, verificando a hora: 2:05 PM ótimo, eu tive somente três horas de sono. Não me admirava sentir que tinha areia nos meus olhos. Coca-Cola. Eu preciso de uma Coca-Cola cheia de açúcar e cafeína. Eu chequei Stevie Rae novamente antes de deixar o quarto, desta vez tendo o cuidado de não acordá-la. Ela estava enrolada com o cobertor de lado, roncando suavemente e olhando para ela parecia que ela tinha doze anos. Era difícil imaginar ela com olhos vermelhos sangue, olhando perigosamente, e sugando Aphrodite com tanta intensidade que acabaram tendo um Imprint. Eu suspirei, sentindo como se o mundo inteiro estava sobre mim. Como é que eu ia supostamente lidar com tudo isso, especialmente quando os mocinhos, pareciam mais os bandidos, e os bandidos eram tão... Tão... Imagens de Stark e Kalona passaram por minha mente, fazendo-me sentir terrivelmente confusa e tensa.
Não, eu disse firmemente, eu beijei Stark quando ele estava morrendo. Ele era um garoto diferente antes Neferet controlar ele, mas agora ela tem controle sobre ele e você tem que lembrar disso. Você dividiu um pesadelo com Kalona. Porém. Isso é tudo que tenho. O fato de que, no meu pesadelo Kalona tivesse insistido que eu era A-ya era apenas louco. Não era verdade.
Além disso, eu era eu, e A-ya tinha sido, assim, sujeira até que as mulheres Ghigua tinham dado vida e presentes especiais para ela. Devo parecer com ela, que é tão estranho, eu pensei. Ou talvez ele me chamou de A-ya só para mexer com a minha cabeça. Isso parecia mais do que possível, especialmente se ele Neferet tivesse dito coisas sobre mim. Nala tinha resolvido voltar para baixo no travesseiro ao lado de Stevie Rae rosnando novamente e foi fechou os olhos. Obviamente ela não teve pesadelo sobre monstros ocultos porque Nala teria se assustado. Ainda bem, pelo menos, uma coisa boa, eu acariciei a cabeça de Stevie Rae, mas ela nem abriu os olhos, e então passei através da porta/cobertor para o corredor. Os túneis estavam absolutamente silenciosos.
Fiquei satisfeita pelo fato de que o óleo ainda mantinha as luzes acesas; a escuridão, e eu não éramos exatamente boas amigas. Eu também admito que, apesar de eu ter mantido um olho atento sobre as sombras entre as luzes de morcegos e outros objetos, eu me senti meio que tranquilizada no subterrâneo, melhor do que em qualquer lugar aberto, iluminado pela lua prateada ou árvores com sombras fantasmagóricas empoleiradas.
Eu tremi. Não. Não pense nisso. No caminho para a cozinha eu parei na porta de Kramisha e espiei calmamente lá dentro eu reconheci sua cabeça no meio de várias almofadas rosa e o cobertor roxo. As gêmeas estavam dormindo em sacos de dormir com seu odioso gato, Belzebub, enrolado em cima da almofada entre eles.
Eu fechei a porta/cobertor discretamente, não querendo acordar as gêmeas antes do relógio. Na verdade, eu deveria pegar a minha Coca-Cola e aliviar Damien e Jack e deixar as gêmeas dormirem. Eu definitivamente não queria dormir por um bom tempo, como anos. Ok, só estou brincando. Sem sorte.
Ninguém estava na cozinha. O único som era pequeno e acolhedor que vinha de um dos refrigeradores. Quando abri o primeiro eu fiquei em choque. O refrigerador estava entupido com bolsas de sangue. Sério. E, naturalmente, eu comecei a babar. E bati a porta fechando ela. Mas não aguentei e abri novamente. Relutante, Peguei uma bolsa. Eu não dormi bem. Eu estava sob grande estresse. Um estúpido e imortal anjo caído estava atrás de mim e me chamava pelo nome de uma mulher morta que era um monte de barro. Se vamos enfrentá-lo, eu precisava mais do que uma lata de coca para chegar até o fim do dia. Achei que a tesoura na gaveta embaixo do balcão de cozinha e, antes que eu pudesse me sentir muito culpada, abri a bolsa e bebi. Eu sei, eu sei. Beber sangue de uma bolsa como se fosse uma caixa de suco fazia um som completamente desagradável, mas estava delicioso. Não tinha gosto de sangue, ou pelo menos não do sangue com gosto de ferro, meio salgado que era antes de eu ser Marcada. Era delicioso e eletrizante, como beber raros potes de mel misturado com vinho (se você gosta de vinho) misturado com Red Bull (com o sabor muito melhor). Eu podia sentir sua propagação através do meu corpo, me dar uma dose de energia que eu afastei facilmente o terror do meu pesadelo.
Eu amassei a bolsa vazia e joguei na lata de lixo no canto de sala. Então eu peguei uma lata de Coca-Cola e um saco de Doritos queijo nacho. Quero dizer, meu hálito já cheirava a sangue. Poderia muito bem ter Doritos para o café da manhã. Então eu percebi: Um, eu não sei onde estavam Damien e Jack, e dois, eu realmente precisava ligar para a Irmã Mary Angela e descobrir como a vovó estava. Sim, eu sei que parece estranho que eu estava falando com uma freira. Parece estranho, mesmo depois de eu confiar a freira à vida da minha avó. Literalmente. Mas todas as dúvidas pararam no momento em que conheci Irmã Mary Angela, líder das Irmãs Beneditas de Tulsa.
Além de fazer coisas de freira (orando e mais nada), Irmã Mary Angela e as freiras do mosteiro cuidavam dos Gatos de Rua, que é como eu a conheci. Eu tinha decidido que os calouros da House of Night tinham que participar mais da comunidade. Quer dizer, a House of Night é em Tulsa ha cinco anos, mas era como se fosse uma pequena ilha do nosso próprio mundo. Todas as pessoas com algum senso sabem que isolamento e
ignorância são iguais a prejuízo - Olá, eu li Martin Luther King Jr. a — Carta de Birmingham Jail— no início do meu segundo ano. Enfim, com dois dos professores vampiros sendo brutalmente assassinados, Shekinah tinha concordado com a minha ideia de ajudar a comunidade fazendo caridade, se eu estivesse bem protegida. Que foi assim que Darius tinha ficado tão envolvido comigo e meu grupo. Então, eu tinha escolhido os Gatos de Rua, bem, porque com todos aqueles gatos na House of Night, apenas fazia sentido. Irmã Mary Angela, e eu nos demos bem na primeira vez que nos conhecemos. Ela é forte e espiritual, é sábia e não julga. Ela ainda pensa que Nyx é apenas outra versão da Virgem Maria (e Maria é superimportante para as Irmãs Beneditas).
Então eu acho que você poderia dizer Irmã Mary Angela e eu nos tornamos amigas, e quando a vovó foi atacada por Corvos Escarnecedores e acabou no Hospital St. Johns, em coma, foi para a Irmã Mary Angela que eu liguei para ficar com ela e proteger ela para que os Corvos Escarnecedores não a machucassem. Quando todo o inferno foi solto na House of Night e Neferet matou Shekinah e Stark atirou em Stevie Rae, Kalona se libertou, e os Corvos Escarnecedores recuperaram seus corpos, foi Irmã Mary Angela, que tem deixado vovó em segurança. Ou, pelo menos em teoria era para vovó, e o resto das Irmãs, estarem no subsolo. Eu não tinha falado com ela desde a noite passada, pouco antes do serviço de celular ser cortado.
Então, por ordem de maior importância, eu precisava falar com a Irmã Mary Angela assim que o meu telefone voltasse a trabalhar novamente e, em seguida, saber onde Damien e Jack estavam para poder substituir eles. Percebi que eu poderia matar dois coelhos com um tiro só, eu voltei pelo caminho que tinha vindo no túnel, indo para a entrada encontrar Darius. Ele deve saber como chegar aos meninos, e provavelmente eu conseguiria sinal no celular fora do túnel, a menos que o mundo tenha sofrido um pós apocalipse e o celular estava fora de serviço para sempre. Felizmente, como estava cheia de sangue já podia sentir-me otimista, e mesmo com a possibilidade nojenta (e pouco atraente) do mundo estar parecendo com EU SOU A LENDA eu não ia me desesperar. Uma coisa de cada vez. Eu apenas tinha que fazer coisa de cada vez. Primeiro, descobrir como estava vovó. Então substituir Damien e Jack. Então pensar sobre o que fazer com o meu pesadelo horrível.
Me lembrei da voz do anjo negro e da fudida forma que ele me fez sentir dor e prazer quando ele me tocou e oferecendo seu amor. Eu limpei minha mente daqueles tipos de pensamentos. Dor não era uma descrição definitivamente. O que eu tinha sentido no que era apenas um sonho, um sonho, e pela definição de — sonho— (ou pesadelo) significava que não era real. E eu definitivamente não era o amor de Kalona. Foi então
que eu percebi que alguns nervos estavam pulsando no meu corpo, e que não tinha nada a ver com Kalona. Enquanto eu estava pensando sobre ele eu subconscientemente estava ignorando os avisos que o meu corpo estava dando. Meu coração tinha acelerado novamente. Meu estômago embrulhado. Eu tive a nítida e assustadora sensação de que eu estava sendo vigiada. Eu girei ao redor, à espera de ver - pelo menos – morcegos voando sujamente ao redor. Mas não havia nada exceto o morto silêncio de um lugar deserto, as lanternas iluminavam atrás de mim.
— Você está absolutamente em pânico — eu disse em voz alta para mim.
Como se minhas palavras houvessem causado, a lanterna perto de mim apagou. O tremor tomou conta de mim, e eu segurei no trilho que tinha sido soldado na parede do túnel, mantendo os olhos abertos para qualquer coisa que possa ser mais do que a minha imaginação. E eu continuei caminhando apoiada nos trilhos do túnel em direção a saída do depósito. Levantei com alívio ao ver o fim do túnel, segurando minha lata de Coca-Cola em uma mão e meu pequeno almoço, um saco de Doritos em outra. Eu tinha apenas começado a subir, quando apareceu um braço forte de um homem em cima de mim, assustada empurrei o tronco longe de mim.
— Aqui, me dê a Coca-Cola e o saco. Você vai cair de bunda se tentar segurar eles e subir na escada. — Meu olhar voou até ver Erik abaixado sorrindo para mim. Eu engoli rapidamente e dei um ousado — Obrigado! — dei a coca e o salgadinho, fazendo meu caminho mais fácil pela escada. A entrada estava vários graus mais frio do que os túneis, o que foi bom para a minha cara de pânico.
— Eu gosto de ainda conseguir te fazer corar — disse Erik, acariciando minha bochecha quente. Eu quase falei que eu estava assustada por sombras e coisas invisíveis lá em baixo nos túneis, mas eu já poderia imaginar ele rindo e falando que era morcegos novamente. E se eu estava só ultra-sensível por causa do sonho? Será que eu realmente quero falar com Erik, ou alguém, sobre Kalona? Não. Em vez eu disse:
— Está frio aqui, e você sabe que eu odeio quando eu coro.
— Sim, a temperatura caiu como louco nas últimas horas. Deve estar uma bagunça gelada lá fora. Sabe, acho que você fica adorável com essas bochechas rosadas.
— Você e minha avó são as duas únicas pessoas no mundo que acham isso — eu disse, sorrindo para ele.
— Bem, isso me deixa em boa companhia. — Erik sussurrou, enquanto eu olhava em torno da caverna. Tudo estava tranquilo por aqui, também, mas não tranquilo e assustador como os estúpidos túneis. Erik tinha me puxado perto de uma cadeira junto a entrada para a parte de baixo e ao lado de duas lanternas de petróleo (queimando brilhantemente), uma garrafa pela metade de Mountain Dew (eesh!), E, surpresa, surpresa, com Drácula de Bram Stoker um marcador preso em torno do meio. Eu franzi para ele.
— O quê? Roubei de Kramisha. — Ele estava sorrindo culpadamente lindo, o que fez dele parecer um garoto adorável.
— Então, eu admito. Tive curiosidade sobre o livro, desde que você me disse há pouco que ele é um dos seus favoritos. Estou apenas no meio, por isso não me conte o que acontece no final.
Eu sorri para ele, lisonjeada que ele estava lendo Drácula apenas por minha causa.
— Oh, por favor — eu soltei. — Você sabe como o livro termina. Todo mundo sabe como o livro termina.
Eu realmente gostava que Erik fosse esse grande, alto, quente, estudioso cara que lê todos os tipos de livros e antigos filmes Star Wars. Meu sorriso ficou mais amplo.
— Entãoooo, você esta gostando dele?
— Sim, estou. Mesmo, eu realmente não esperava. — Seu sorriso se intensificou. — Quero dizer, vamos lá. É uma historia velha, com esses vampiros que parecem monstros e Mina.
Minha mente pensou instantaneamente em Neferet, a quem eu considerava um monstro, com um belo disfarce, e por responder minhas dúvidas sobre os calouros vermelhos, mas eu puxei esses pensamentos para longe, não querendo invadir com escuridão este momento com Erik.
Voltando sobre Drácula, eu disse: — Bem, sim, Drácula é supostamente um mostro e tudo mais, mas eu sempre sinto pena dele.
— Você sente pena dele? — Erik foi obviamente surpreendido. — Z, ele é pura maldade.
— Eu sei, mas ele adora Mina. Como pode algo que é pura maldade saber amar?
— Ei, eu não estou tão longe, não cheguei nessa parte ainda! Não faça eu te calar!
Eu rolei meus olhos para ele. — Erik, você tem que saber que Drácula vai encontrar Mina. Ele morde ela e ela começa a mudar. É através da Mina de que o Conde começa a mudar e, eventualmente...
— Pare! — Erik disse, rindo e me agarrou e cobriu minha boca. — Eu não estava brincando. Eu não quero que você me conte como a historia termina. — Minha boca estava coberta por sua mão, mas ele sabia por meus olhos que estava sorrindo para ele.
— Se eu tirar a minha mão, você promete se comportar? — Eu acenei. Lentamente, ele descobriu a minha boca, mas ele não saiu de perto de mim. E era muito agradável estar perto dele. Ele estava se abaixando para perto de mim, com um pequeno sorriso ainda aparecendo nos cantos da sua boca. Pensei em como ele era quente e como eu estava feliz que nós estávamos juntos novamente, e eu disse:
— Quer que eu te diga como eu queria que o livro acabasse? — Suas sobrancelhas levantaram.
— Como você queria? O que significa você não vai dizer como realmente acaba o livro?
— Com o meu coração. — Automaticamente, acariciei meu coração. Nós estávamos conversando tão perto que a palma da minha mão encostou no seu peito.
— Diga-me. — Sua voz saiu profundamente íntima.
— Eu gostaria que Drácula não deixasse que outros atrapalhassem ele e Mina. Ele deveria ter mordido Mina, transformá-la como ele, e então levado ela embora para que pudessem ficar juntos para sempre, e viverem felizes para sempre.
— Porque ele são iguais e pertencem um ao outro — ele disse. Olhei para cima para os surpreendentes olhos azuis de Erik e percebi que todo o sarcasmo tinha sumido.
— Sim, mesmo que coisas ruins aconteceram no seu passado. Eles deviam ter perdoado um ao outro e esquecido as coisas ruins, acho que poderiam ter.
— Eu sei o que eles poderiam ter. Acho que quando duas pessoas se preocupam com si o suficiente, tudo pode ser perdoado.
Obvio que Erik e eu não estávamos falando de personagens fictícios de um antigo livro. Nós estávamos falando sobre nós mesmos, dando uma nova chance para cada um tentar fazer dar certo novamente. Eu tive que perdoar Erik por ter sido tão terrível comigo depois que ele me pegou com Loren. E ele tinha sido horrível, mas a verdade é que eu tinha machucado Erik muito mais do que ele podia me machucar, e não apenas com Loren. Quando eu comecei a namorar Erik, eu ainda tinha um relacionamento com Heath, meu namorado humano. Tinha chateado muito Erik que eu saísse com ele e Heath, ao mesmo tempo, mas ele acreditava que se eu clareasse meus pensamentos e finalmente perceber que Heath era uma parte do meu velho mundo, a minha velha vida, e que ele não se encaixa em meu futuro como Erik se encaixava. E Erik tinha um ponto. Agora que o Imprint com Heath tinha sido quebrado, o que eu sabia ao certo porque ele e eu tínhamos tido uma cena muito feia quando eu encontrei ele há uns dias atrás na Cozinha do Charlie (de todos os lugares). Meu erro ridículo em ter relações sexuais com Loren tinha tido um efeito dominó mexendo com tudo na minha vida. Uma grande bagunça e foi muito doloroso o jeito que tinha quebrado meu Imprint com Heath, e ele deixou claro que não quer me ver nunca mais. Claro, eu avisei Heath sobre os Corvos Escarnecedores e Kalona estar solto, disse a ele para pegar sua família e levar para segurança, mas foi mais entre Heath e eu, como se tivesse sido acabado entre mim e Loren (mesmo antes de ele ter sido morto), o que é realmente como devia ser.
Continuei a olhar Erik. — Então você gosta minha versão de Drácula?
— Eu gosto de como termina, os dois são vampiros e vivem felizes para sempre, depois, sobretudo porque se importam um com o outro e estão disposto a passar por cima dos erros do passado. — Ainda sorrindo Erik curvou para me beijar.
Seus lábios eram suaves e quentes, e ele tinha gosto de Doritos e Mountain Dew, que não foi tão desagradável como eu poderia pensar. Seu braço passou ao meu redor, e ele puxou para mais perto, aprofundando o beijo. É bom sentir-se em seus braços. Que bom que de primeira eu consegui sintonizar os alarmes de toque na minha parte racional que estavam gritando que Erik deslizava a mão a caminho da minha bunda. Mas quando ele estava me pressionando duramente contra ele, encochando intimamente em mim, a névoa quente dentro de mim começou a cessar. Eu gostava quando ele me tocava. Mas o que eu não gostei foi a sensação de seu toque tinha de repente se tornado muito agressivo, muito insistente, muito ela é minha, muito eu quero que ela, e muito eu vou ter ela agora.
Ele deve ter me sentido enrijecer por que ele me empurrou para trás, me deu um sorriso simples e, em seguida, disse:
— Então, o que você está fazendo aqui? — Eu pisquei, desorientada no jeito que ele mudou. Eu dei um passo para longe dele e peguei minha Coca-Cola que tinha deixado na cadeira, tomando um grande gole e reunindo força. Finalmente consegui dizer:
— Oh, eu, uh, queria conversar com Darius e ver se o meu celular iria funcionar. — Eu procurei em meu bolso, em seguida, me alegrei como uma idiota. Olhe isso, eu podia ver três barras iluminadas. — Sim! Parece que funciona!
— Bem, a chuva parou de ser gelo a muito tempo, e eu não ouvi nenhum trovão por enquanto, de qualquer modo. Se não tivermos outra onda dessa loucura meteorológica, ele pode funcionar normalmente de novo. Pode ser um bom sinal.
— É, eu também acho, vou tentar ligar para Irmã Mary Angela, nesse segundo e ver como vovó esta. — Minhas palavras saíram mais fáceis. Eu estudei Erik enquanto falávamos.
Ele parecia tão legal e normal, apenas a sua habitual boa cara-normal. Será que eu estava exagerando sobre seu beijo? Será que o que aconteceu com Loren me deixou muito sensível? Percebendo que havia um ar mortal entre nós Erik começou me olhar de forma questionadora, eu disse rapidamente,
— Então, onde esta Darius?
— Eu o liberei mais cedo. Acordei e não consegui voltar a dormir, e eu percebi que
ele vai precisar do descanso extra, pois ele é basicamente todo o nosso exército.
— Achou que Aphrodite estava bêbada?
— Muito. Darius a tirou daqui. Ela vai ter uma ressaca assassina quando acordar. Ele parecia satisfeito com o assunto. — Ele estava indo dormir no quarto de Dallas. Não foi há muito tempo, talvez você não precise acordá-lo.
— Bem, realmente eu só queria saber o caminho para Damien e Jack. Eu não consigo dormir, daí, então eu pensei que eu poderia ocupar o lugar deles ao invés das Gêmeas.
— Oh, isso é fácil. Posso dizer como encontrá-los. Eles não estão muito longe da entrada do depósito que usamos antes.
— Bom, eu realmente não quero incomodar Darius se ele estiver realmente descansando. Você está certo. O nosso exército precisa dormir um pouco. — Eu pausei e acrescentei, em um tom não-me-importo-muito, — Ei, você não percebeu nada, hum, estranho nos túneis no caminho até aqui, não é?
— Nada. Estranho? Como o quê?
Eu não quis dizer escuridão, porque, bem, eles são túneis serem escuros não era estranho. Mas, como eu já imaginava, eu podia ouvir Erik lembrando do quanto os morcegos tinham me assustado. Então eu falei:
— Tal como as lanternas de repente apagaram.
Ele franziu e balançou a cabeça dele.
— Nope, mas isto é muito estranho. Estou certo de que os calouros vermelhos reabastecem sempre o óleo das lanternas, e gostaria de acreditar que os acontecimentos recentes tem colaborado para você achar isso.
— Sim, isso faz sentido.
E fazia. Então, só por esse pequeno momento deixei uma sensação de alívio que até então eu sabia que lá no fundo, não era real, e sorri para Erik. Ele sorriu de volta pra mim e lá estávamos nós, sorrindo um para o outro. Eu lembrei que Erik tinha sido realmente um grande namorado. Eu era feliz quando estávamos juntos. Eu estava feliz que ainda estávamos juntos, ou não? Eu só não podia ficar feliz e não deixar que as coisas boas que estavam acontecendo entre nós ficarem confusas, porque eu estava ficando assustada de que ele pudesse querer mais de mim do que eu poderia dar para ele agora? Mais no fundo da minha mente veio a memória do beijo que Stark e eu partilhamos e a visita de Kalona no meu pesadelo e como ele me fez sentir coisas que nenhum homem jamais chegou perto de me fazer sentir. Eu levantei tão abruptamente que quase fiz a cadeira cair.
— Eu tenho que ligar para a Irmã Mary Angela!
Erik me deu um olhar estranho, mas apenas disse: — Ok, vá um pouco para frente, mas não fique muito perto da porta. Se tiver alguém vigiando do lado de fora eu não quero ver. — Acenei e dei o que eu esperava que não fosse um sorriso culpado. Então, eu andei um pouco para frente do depósito, que, eu notei, também não era tão nojento agora como tinha sido da última vez que eu estive aqui. Stevie Rae e seu grupo haviam feito, obviamente, um mutirão de limpeza e jogou fora aquele monte de lixo que as pessoas de rua deixaram. E, felizmente, não cheira a urina mais, que foi uma ótima melhora. Eu manti pressionado o número da Irmã Mary Angela e mentalmente cruzei os dedos para que chamasse... vamos lá... e então ele realmente tocou, uma, duas, três vezes... Meu estômago já estava começando a doer, quando ela atendeu. A ligação era realmente péssima, mas pelo menos eu pude entendê-la.
— Oh, Zoey! Estou tão feliz que você ligou — disse Irmã Mary Angela.
— Irmã, você está bem? E a vovó?
— Ela está bem... tudo bem. Estamos... — Ela foi definitivamente cortada agora. — Irmã, eu não posso te ouvir muito bem. Onde você está? Vovó está consciente?
— Grande... é consciente. Estamos sob o mosteiro, mas... — ficou estático e então de repente eu pude ouvi-la claramente.
— Tem mexido com o clima, Zoey?
— Eu? Não! E quanto à vovó? Vocês estão seguros no subsolo do mosteiro?
— ... Muito. Não se preocupe, nós... — E a linha foi cortada.
— Inferno! Esta ligação não esclareceu tanto! — Eu percorri a curta distância com frustrada e tentei ligar de novo. Nada. Eu insisti, mas continuava a aparecer na tela chamada perdida. Tentei várias m vezes antes de ver, não foi só o sinal dela que estava ruim, mas o meu telefone estava preste a morrer.
— Inferno! — Repeti.
— O que ela disse? — Erik tinha vindo atrás de mim.
— Não muito, porque eu perdi a conexão e não consegui ligar de volta. Mas eu consegui entender que ela e vovó estão bem e que estão no mosteiro. Eu ainda acho que ela está finalmente consciente.
— Isso é realmente uma boa notícia! Não se preocupe, tudo vai ficar bem. As freiras e sua avó estão no subterrâneo, certo? — Eu acenei, senti que estava muito perto de soltar estúpidas lágrimas que eram mais de frustração do que de medo por vovó. Eu confiava plenamente na Irmã Mary Angela, por isso, se ela disse que Vovó estava bem, então eu acreditava nela.
— É difícil não saber o que está acontecendo. Não apenas com a vovó, mas com tudo lá fora. — Eu apontei meu polegar para cima. Erik chegou mais perto, e as suas mãos quente descansaram sobre mim. Ele me virou para que ficasse de frente para ele, em seguida, com o seu polegar suavemente ele tracejou as novas tatuagens que estavam na minha palma.
— Ei, vamos passar por isso. Nyx está trabalhando aqui, lembra? Basta olhar para suas mãos para ver a prova de seu favor. Sim, o nosso grupo é pequeno, mas somos fortes e sabemos que estamos no lado certo. — Só então meu telefone avisou que eu tinha uma mensagem de texto.
— Ah, bom. Talvez seja da Irmã Mary Angela. — Eu peguei meu celular e abri para ver a mensagem, mas eu realmente não acreditei no que eu estava vendo.
Todos os calouros e vampiros devem voltar para a House of Night imediatamente.
— Diabos, o que é isso? — Eu disse, ainda olhando para a tela do telefone.
— Deixe-me ver — disse Erik. Eu peguei o telefone para que ele pudesse ler. Ele negou lentamente, como se o texto confirmasse algo que ele já tinha pensado.
— É Neferet. E embora seja uma daquelas mensagens enviadas para todos da lista, eu aposto que ela está se referindo especialmente a nós.
— Você tem certeza que é ela? — eu perguntei
— Sim, eu reconheço o número.
— Ela deu o número do telefone dela para você? — Tentei não soar tão irritada como eu estava, mas duvido que fui bem sucedida.
Erik falou. — Sim, ela me deu antes de ir para a Europa. Disse que se eu precisasse de qualquer coisa poderia ligar para ela. — Eu suspirei. Erik sorriu.
— Você está com ciúmes?
— Não! — Eu menti. — Ela é tão vadia e manipuladora que me deixa louca.
— Bem, ela definitivamente não está agradando Kalona.
— Sim, isso é certeza, e nós não vamos voltar para a House of Night. Pelo menos não agora.
— Eu acho que você está certa sobre isso. Precisamos saber mais sobre o que está acontecendo, antes de fazer a nossa próxima jogada. Além disso, se seus instintos estão lhe dizendo que precisamos ficar longe da escola, então isso é o que devíamos fazer.
Olhei para ele. Ele sorriu para mim e ele tirou meu cabelo do rosto delicadamente. Seus olhos eram quentes e gentis, não sexo selvagem e possessivos. Jeesh, eu tinha que conseguir controlar eu mesma. Erik me fez sentir segura. Ele acreditava no que ele estava dizendo. Ele acreditava em mim.
— Obrigado — eu disse. — Obrigado por ainda acreditar em mim.
— Eu sempre acreditei em você, Zoey — disse ele. — Sempre.
Erik me enrolou sobre seus braços e me beijou. A porta para fora do depósito foi aberta, deixando no escuro à luz de uma tarde tempestuosa e um vento de ar frio. Erik girou, me empurrando para trás dele. Senti meu coração acelerar numa corrida de medo.
— Vá para baixo! Chame Darius! — Erik gritou enquanto se movia para frente para encara a silhueta de uma figura que estava na frente do mundo exterior. Eu tinha começado a correr de volta para a escada para os túneis quando a voz de Heath me congelou.
— Ei, Zo, é você?

14 comentários:

  1. Zoi e uma vadia metida a puritana,perdeu a virgindade no meio da escola,nen se preucupo en ir pro um quarto
    Agora veio com papo de que não queria en tunel en costada na parede pelo Erike affs
    Fica arrumando pretesto pra não transar com o cara que ela diz que gosta de verdade e sentia falta
    Esse gostar e ridiculo por que parece que não pode ver um macho bonito que ja fica assim
    Com heath dava ate pra entender a historia imprimt,ai depois veio o professor a mina mal falor com o cara numa blibloteca e ja se sentiu atraida affs de novo
    E dizendo que gostava do Erike,resolveu entregar a virgindade com professo ainda nun lugar aonde qualquer um pudesse entrar e ver
    Ai aparece um novato e de novo a mina troca umas palavras com o cara e ja.ta caidinha por ele
    E deizendo agora que ele fazia ela se sentir diferente,so que ela dizia o mesmo do professor affs de novo
    Eu credito que coração dela deve ser uma republica, por vai gosta de tanto macho assim nesse curto tempo la na equina
    E ainda quer ser fazer de puritana com Erike afezão pra ela no comesso da saga eu torssia muito pro Erike ficar com ela mais,meu maior desejo e que ele veja o quão vadia sem coração ela é de um chute na bunda dela e arrume quem goste dele de verdade
    Eu to quase largando a saga por causa dela,so não larguei ainda por que to curioza de como vai termina toda essa dramaturgia irritante ,mais viciante
    Por isso ainda insisto en ler,mais serio a cada livro eu tomo nojo dessa zoy #vadia affs

    Ass:Cris

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara VC escreveu foi um texto n um comentário '-'.

      Letícia.

      Excluir
    2. Eu acho seriamente que você deveria ser mais empática.
      O Loren manipulou a Zoey, aquele dia que ele transou com ela foi praticamente um estupro, ele distraiu ela com sangue e logo pediu pra foder, não sei se você se lembra, mas quando eles bebem sangue um do outro, eles sentem prazer, então é meio compreensivo que isso leve ao sexo, eles já explicaram isso várias vezes. Foi uma sobrecarga de sensações aquele dia e o desejo tomou conta, não tinha como a Zoey se impedir se nem pensando direito ela estava, ela só estava respondendo às necessidades carnais.
      Com o Heath ela teve o imprint e tem uma história com ele.
      Do Erik ela gosta, mas seria meio exibicionismo transar com ele no corredor daqueles túneis escuros, se liga, sem comparação com o que aconteceu com o Loren, que foi uma sala aconchegante, fechada, e que todos já haviam saído à tempos. E sem contar essa insegurança que ela está sentindo, que só pq ela liberou pro Loren, vai liberar pra ele também, ela está achando que o Erik quer ela pra isso. É super compreensivo, o Erik chamou ela de vadia várias vezes, a Z está com medo de que isso seja o que o Erik acha que ela é agora.
      Agora com o Stark, ela sentiu uma conexão, porque eles são muito parecidos, ela o entendeu, se identificou com ele. Ela é uma adolescente e é comum sempre confundir tesão com amor, até adultos fazem isso. É meio irritante a autora nunca dar uma introdução digna aos romances da Zoey, mas isso é um erro que muitas autoras teens cometem.
      E devo acrescentar que seus xingamentos machistas pra Zoey me irritam profundamente, seja mais compreensiva, amo a Zoey e irei protegê-la.

      Excluir
  2. #Zoeyvadia kkkkkk
    ASS:Leticia

    ResponderExcluir
  3. com tantos "amores" assim,.. a zoey devia ser de libra, e nao capricornio.
    ~~Ana Martinelle

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela combina muito com Libra, principalmente a indecisão. Nada a ver Capricórnio pra ela, a autora não deve manjar de signos muito bem.

      Excluir
  4. Espero muito que ela não fique com o Erik...

    ResponderExcluir
  5. ta dificil heim... mais minha torcida é pelo heath ele demonstra gostar dela mesmo.. tipo fora de imprint vampiro nada importa pra ele
    lanny

    ResponderExcluir
  6. ferrou... Agr o Erick vai quereer saber de como o Heath sabe q eles tão la... e vai fuder tudo de novo! (desculpa pelo "fuder" mas e vdd) N quero nem ver!

    ResponderExcluir
  7. Sinceramente, acho que a autora estragou essa parte do livro colocando o Heath. Ao invés de estar tudo centrado em vampiros e aventuras, está centrado em dramas amorosos. Um atrás do outro. Ela mal voltou a Zoey com o Erik e já colocou o Heath de volta na jogada.

    ResponderExcluir
  8. O Erik está agindo muito possessivamente, ele fica querendo se afirmar sobre a Zoey e isso me preocupa. Acho que esse bad feel que a Z sente sobre ele não é infundado não, tô com medo.

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!