4 de outubro de 2015

Capítulo 6

— É isso... estou te tirando a garrafa — eu disse a Aphrodite enquanto os calouros vermelhos começaram um alvoroço de riso.
— Aphrodite já era louca mesmo quando não bebia e antes do imprint — Kramisha disse.
— Nós todos bebemos, embora.
— Mas, sim — eu continuei, respondendo a Darius com os risos em massa — todas aquelas coisas são verdadeiras sobre os calouros vermelhos.
— E os vampiros vermelhos — Stevie Rae soou cansada, mas orgulhosa. — Oh, e eu posso dizer que o nascer do sol vai ser em — pausou, levantando sua cabeça como se estivesse escutando grilos — sessenta e três minutos.
— Todos os vampiros adultos sabem quando o sol se levanta — Darius disse.
— Eu aposto que isso não deixa todos os vampiros com sono como eu. — Stevie Rae interrompeu suas palavras com um grande bocejo.
— Não - não deixa geralmente — Darius disse. — Bem, deixa-me sonolento na verdade — disse.
— Especialmente hoje, que eu aposto tem alguma coisa a ver com essa flecha estúpida que costumava a estar colada em mim. — Desde que Stevie Rae a tinha mencionado, eu comecei a me sentir esgotada de novo já que o sangue que bebi já estava saindo do meu sistema.
Eu olhei ao redor em nosso grupo misturado de vermelho e azul e vi círculos escuros sob os olhos e bocejos. Kalona e os problemas na House of Night navegaram em minha mente, assim como o sentimento cada vez mais forte que os calouros vermelhos não eram normais, mas eu estava muito cansada para tratar disso agora. Percebendo que eu poderia estourar em pedaços, eu limpei minha garganta, reforcei, e disse, — Acho que todos sabem que estamos com sono? Nós estamos meio que seguros aqui, e não há realmente nada que qualquer um de nós possa fazer sobre o que está acontecendo lá em cima enquanto estamos cansados e praticamente dormindo em pé.
— Concordo — Darius disse. — Mas eu acho que devemos nos revezar nas entradas do túnel se você aprovar, Sacerdotisa, apenas no caso...
— Yeah, isso é provavelmente certo — eu disse. — Stevie Rae, onde estão todas as outras entradas aos túneis além desse através do depósito?
— Z, eu pensei que você soubesse que há os túneis que conectam a um grupo dos edifícios velhos da parte baixa — Stevie Rae disse. — Esta seção é parte desse sistema.
—Mas ninguém vem para aqui e usa estes túneis particulares exceto se você souber de alguém, sabe?
— Bem, não., não esta parte deles, porque todos pensam que são velhos e desagradáveis e abandonados.
— Poderia ser porque são velhos e nojentos e abandonados — Aphrodite sussurrou sarcasticamente. Eu observei que tinha ignorado o fato de que eu a daria um fora e tinha começado a segunda garrafa de vinho.
— Isso não é verdade. Não são nojentos e abandonados — Kramisha falou acima, olhando de sobrancelhas franzidas para Aphrodite. — Nós estamos aqui e nós que decoramos. Você deve saber por que nós usamos seu cartão do ouro não-tem-limite para comprar o material.
— Você usou a gramática incorreta ao mesmo tempo? O que me diz agora? — Aphrodite disse enquanto esbarrava em Kramisha de volta para perto de Darius.
— Olha, eu sei que você acabou de voltar a ser humana e ainda teve um Imprint com Stevie Rae, para não mencionar que você esta totalmente um lixo, por isso eu não vou usar minhas habilidades superiores de caloura vermelha para chutar o seu traseiro magro, mas se você falar de mim outra vez eu vou esquecer de ser tão gentil — Kramisha disse.
— Podemos nos focar nos caras maus, que poderiam estar tentando comer a gente ao invés de uns aos outros? — Eu disse cansadamente. — Stevie Rae, os outros túneis conectam a estes?
— Yeah, mas são selados, é o que pelo menos deveria ser todos os outros.
— Há somente uma entrada desta seção dos túneis ao público? — Darius perguntou.
— Apenas uma que eu saiba. E ela foi bloqueada por algumas portas metálicas muito grossas. Como está tudo? Já encontraram alguma coisa? — Stevie Rae disse.
— Bem, talvez — disse Ant.
— Talvez? — Stevie Rae disse.
— Eu estava explorando e achei algo, mas a abertura dele era pequena, mesmo para mim, eu não entrei nela. Eu quero dizer dei a volta e uma vasculhada com uma pá, ou, melhor ainda, com os músculos de Johnny B, mas eu não tenho ainda.
Johnny B sorriu e flexionou os músculos para nós. Eu ignorei ele, mas as gêmeas encararam encantadas.
— Então, basicamente, o que vocês estão dizendo é que, além da entrada do depósito, há uma que nenhum de nós sabe ao certo que liga estes túneis para o outro? — Eu disse.
— Soa direito — disse Stevie Rae.
— Então, eu aconselho colocar dois guardas, Sacerdotisa — Darius disse. — Um na entrada do depósito e um na entrada do túnel para o outro sistema.
— Certo, isso parece uma boa ideia — disse.
— Eu vou ficar com o primeiro turno na entrada do depósito — disse Darius. — Erik, você deve assumir meu lugar lá. É o nosso lugar mais vulnerável, assim os vampiros adultos devem vigiá-lo.
Erik acenou. — Concordo.
— Jack e eu vamos ficar com o primeiro turno da guarda na entrada semi-selada que da no centro dos túneis — disse Damien. — Ou seja, se estiver tudo bem para vocês.
— Sim, poderíamos fazer alguns menus e anotar algumas coisas que precisamos para a cozinha — disse Jack.
— Parece bom — eu disse, sorrindo para Jack e Damien.
— Eu concordo. Shaunee e Erin, vocês poderiam fazer o turno depois deles? — Darius disse as gêmeas.
— Tudo bem com a gente — disse Erin.
— Bom. Acho que é sensato não utilizarmos os calouros vermelhos para guardar as entradas durante o dia — Darius disse.
— Ei, podemos meter porrada — Johnny B falou, olhando todos os punhos e cheio de testosterona.
— Não é isso — disse, adivinhando o que Darius disse significava.
— Precisamos deixar vocês dormirem durante o dia para que vocês possam ficar de guarda durante a noite quando vocês estão mais fortes. O que significa que, esperamos, que vocês vão ser mais fortes do que as criaturas que podem vir contra nós.
O que eu não disse foi que, mesmo se Darius não tivesse falado por causa do problema com a luz do dia dos calouros vermelhos, eu teria dito alguma coisa. Eu não quero ser — protegida— por Stevie Rae's miniaturas até que eu me sinta segura sobre eles.
— Oh, bem. Sim. Nós podemos fazer isso. Eu acho legal proteger uma sacerdotisa e seu grupo — disse Johnny B, dando uma pretensiosa piscada.
Eu rolei os olhos. Que um calouro vermelho não estava em questão, a última coisa que eu precisava era mais uma cara como jogador, no futebol que é a minha vida. Meus olhos deslizaram para o Erik e eu tive que forçar para não parecer culpada. Sim, ele estava me observando. Ótimo. Ele tinha me ignorado desde de que tínhamos chegado ao túneis e sempre escolheu o instante quando alguma outra pessoa estava agindo para olhar para mim.
Jack levantou a mão como um bom aluno. — Hum, pergunta...
— Sim, Jack — eu disse.
— Onde é que vamos dormir?
— Boa pergunta. — Eu virei para Stevie Rae. — Onde é que vamos dormir?
Johnny B falou, até Stevie Rae poderia responder.
— Para que conste, estou disposto a partilhar a minha cama. Meu coração é maior do que da Kramisha.
— Não é o seu coração que você deseja compartilhar — Kramisha disse.
— Não fique brava, baby! — Johnny B disse, tentando (sem sucesso) parecer serio.
Kramisha rolou seus olhos para ele. — Você É louco.
— Bem, nós temos alguns sacos de dormir — Stevie Rae quebrou o centro, e soava a beira de adormecer.
— Vênus, poderia mostrar a Zoey e o resto das crianças onde eles estão? Acho que todos podem dormir no quarto que quiser. — Ela pausou e sorriu cansada para Kramisha. — Exceto Kramisha não divide sua cama.
— Mas você pode ficar no meu quarto. Tudo bem por mim — disse Kramisha. — Só não na cama.
— Todos vocês tem quartos agora? — Eu não poderia manter a surpresa da minha voz.
Isto foi tão diferente da primeira vez que estive aqui embaixo.
Antes, as crianças mal poderiam ser chamadas de humanóides, e os túneis eram escuros e sujos e assustadores. Agora, a sala em que estávamos era aconchegante, iluminada por velas e lanternas cintilando petróleo, bem como o mobiliário confortável, obviamente, novo, e até tinha bonitinhas roupas e travesseiros nas camas. Tudo parecia tão normal. Eu estava imaginando que havia coisas estranhas acontecendo com eles, porque eu estava com um maldito cansaço que Eu dificilmente poderia pensar?
— Qualquer um de nós, que queria ter seu próprio quarto fez um. Eles realmente não foram difíceis para arrumar. Nesta parte do túnel há uns lotes sem saída pequenos.
Transformamos eles em verdadeiras salas. Definitivamente eu tenho o meu quarto.
Ela sorriu para Erik. Eu tinha que me lembrar que provavelmente não era ético se eu evocasse o fogo e mandar ele queimar todos os cabelos de cima da redonda-cabeça dela.
— Este é provavelmente o lugar que a maior parte das bebidas alcoólicas foram escondidas e contrabandeadas durante a proibição — disse Damien.
— É lógico, porque esse túneis estão próximo a linha do trem e seria fácil trazer mercadorias para dentro e fora de noite. Isso é tão legal e romântico! — Jack suspirou.
— Quero dizer, toda a coisa e 1920 traficantes e gângsters.
Damien sorriu alegremente para Jack.
— Na verdade, a proibição durou até 1957, em Tulsa.
— Bem, não importa. Isso não é tão romântico. Isso soa mais como a coisa gay que tem na bíblia. — Ele riu.
— Gay! Hee Hee.
— Você é engraçado e bonitinho. É por isso que eu te amo — disse Damien, Jack beijou Damien na boca e acariciou Duquesa que descansava feliz.
— Ok, barf — Aphrodite disse.
— Ah, e tenho mais uma pergunta — disse Jack, franzindo para Aphrodite.
Quando ele começou a colocar a mãos para cima, eu disse: — Sim, Jack. O que é isso?
— Onde nos banheiramos?
— Banheiramos? Ele acabou de dizer realmente banheiramos? — Aphrodite riu até que ela engasgou. Ignoramos ela.
— Isso é fácil — disse Stevie Rae com um gigante bocejo. — Vênus, poderia mostrar para eles?
— Você tem um banheiro com banheira? — O quê? já estava a canalização nos túneis?
Vênus jogou um olhar de acho-que-você-não-sabe-de-tudo para mim.
— Banheiros, de verdade. Com chuveiros.
— Chuveiros de água quente? — Jack disse com entusiasmo.
— Claro. Nós não somos bárbaros — disse Vênus.
— Como? — Eu disse.
— Eles estão no prédio do deposito acima de nós — disse Stevie Rae. — Fizemos uma exploração no edifício. É totalmente fechado, por isso não pode entrar em um, com exceção da entrada do porão, por isso, controla quem vem e vai.
— E nós não deixamos qualquer um dentro — Vênus adicionou, olhando um pouco perigoso.
Ok, honestamente, eu estava gostando dela, cada vez menos a cada segundo. E desta vez não teve nada a ver com ela babar em cima de Erik.
— Exclusssssivo. Meu tipo do lugar — Aphrodite disse, então ela soluçou.
— Tanto faz — Stevie Rae rolou os olhos para Aphrodite. — Fomos verificar o depósito e encontramos dois vestiários um de homem e outro de mulher deveriam ser para os empregados do deposito Há ainda um ginásio la em cima, também. Dallas fez o resto.
Ela se jogou para trás em seus travesseiros, dando a Dallas um olhar vai-logo-comece-a-dizer-o-que-você-fez. Dallas deu ombros, mas seu sorriso disse que ele tinha feito algo novo.
— Eu apenas encontrei a conexão principal de água ao depósito e abri. Todas as tubulações estão ainda boas.
— Isso não é tudo que você fez — Stevie Rae disse. Ele sorriu para ela outra vez e eu peguei uma coisa entre eles. Hmmmm-humm; Eu fiz uma nota mental para definitivamente colher de Stevie Rae mais tarde.
— Bem, eu também descobri como gerar a eletricidade. Isso trouxe a água quente novamente e, em seguida, Aphrodite com o cartão de crédito nós temos as extra-longas extensões e tal que eu coloquei para o antigo sistema de iluminação do túnel. Um pouco de trabalho aqui e ali, e nós temos água quente e eletricidade de lá para cá.
— Uau — disse Jack. — Isso é muito legal.
— Impressionante — Damien concordou. Dallas manteve apenas seu sorriso.
— Então você pretende utilizar as instalações ou não? — Vênus disse. Pensei que ela pareceu irritada, ou talvez — cruel— era um termo melhor para descrever.
— Yeah! — Jack disse alegremente. — Eu poderia usar definitivamente uma ducha quente antes de ir para o dever.
— Uh, qual é o nível dos produtos para cuidar dos cabelos aqui em baixo? — Shaunee perguntou.
— Ah, menina. Foi a primeira coisa que eu cuidei depois que eu tive meu sentido de volta. Não se preocupe. Eu te ajudarei com isso — Kramisha disse, levantou-se e limpou as migalhas de sujeiras de seus jeans e braços.
— Excelente — disse Erin. — Vamos nessa.
Eu desabei para trás quando todos saíram do quarto de Stevie Rae. — Ei, Z, você quer ser minha colega de quarto novamente? — Stevie Rae parecia exausta, mas ela era minha velha sorridente amiga de novo.
— Absolutamente — disse. Nossos olhares deslizaram para Aphrodite, que ainda estava empoleirada no fim cama, semi-inclinada contra Darius.
— Aphrodite, vá arranjar um saco de dormir. Você pode dormir com nós, aqui também — Stevie Rae disse.
— Ok, olha. Não tem nenhuma maldita forma de dormir com você — disse ela, tentando dificilmente escolher suas palavras. — Nosso Imprint não é esse tipo de Imprint. E mesmo se eu fosse gay, que eu não sou, você não é meu tipo.
— Aphrodite, eu não estava jogando uma cantada em você. Isso é estúpido — disse Stevie Rae.
— Estou deixando você saber. Eu também estou deixando você saber que eu assim que descobrir como, vou quebrar esse maldito Imprint na primeira oportunidade.
Stevie Rae suspirou. — Não faca algo que vai ferir ou machucar alguma de nós. Eu já tive o suficiente com coisas ruins.
— Por enquanto.
Eu ouvia conversa delas, com muito interesse. Quer dizer, eu tive um Imprint com meu namorado humano, Heath, então eu sabia algumas coisas sobre estar ligado a um ser humano através da magia do sangue. Eu também sabia algumas coisas sobre quebrar Imprint, e pode ser muito doloroso.
— Zoey, é demais pedir que você pare olhar desse jeito pra mim! — Aphrodite estourou as palavras para fora, fazendo eu pular culpada.
— Eu não estou te encarando — Eu menti.
— O diabos que não. Apenas pare.
— Um Imprint não é nada que se envergonhar, minha bela — disse Darius, colocando seu braço em torno de Aphrodite suavemente.
— É estranho, porém — Stevie Rae disse.
Darius sorriu gentilmente para ela.
— Existem muitos tipos de Imprint.
— Bem, o nosso é só a bebida não tipo beber-seu-sangue-e-fazer-sexo-com-você. — disse Aphrodite.
— Claro que não — Darius beijou sua testa.
— O que significa que você pode dormir aqui sem se preocupar com nada — disse Stevie Rae.
— E digo outra vez, inferno não. Além disso, eu vou com Darius. Vou estar de plantão com ele — disse Aphrodite decisivamente, levantando sua segunda garrafa meia vazia de vinho em um estanho brinde de saudação.
— Darius tem que guardar à entrada do túnel. Ele não precisa ficar tomando conta de uma bêbada atrás dele —Stevie Rae disse ela.
— Eu. vou. Indo. Com. Darius — Aphrodite repetiu insistentemente e lentamente demais.
— Ela pode vir comigo — Darius disse, numa mal sucedida tentativa de esconder um sorriso. — Vou pegar um saco de dormir para ela. Não creio que ela será muito problema, e quero mantê-la perto de mim.
— Não será muito problema? — Eu disse.
Stevie Rae e eu levantamos as nossas testas para ele. Juro suas altas, fortes bochechas tinham ficado cor de rosa.
— Ele deve estar pensando em outra Aphrodite. Uma que não conhecemos — disse Stevie Rae.
— Vamos — disse Aphrodite, batendo os pés. — Eu sei onde eles guardam os estúpidos sacos de dormir. Basta ignorá-los.
Ela deu-nos uma hilariante tentativa de uma carranca, que virou outro horrível soluço, agarrou a mão de Darius, e marchou para fora da sala enquanto Stevie Rae e eu riamos.
Antes de cobrir-se com o cobertor, Darius falou sobre o ombro a Erik, que eu tinha quase esquecido que estava na sala. Quase.
— Erik, vá dormir um pouco. Eu acordarei você para o segundo turno.
— Parece bom. Eu vou ser... — Erik hesitou.
— O quarto de Dallas fica no túnel ao lado. Eu aposto que ele não se importará se você dormir com ele — disse Stevie Rae.
— Ok, é onde eu vou — disse Erik.
Darius inclinou-se. — Sacerdotisa, poderia verificar o curativo na ferida de Stevie Rae? Se eles precisam ser trocados.
— Se eles precisarem ser trocados, eu posso fazer isso — Eu interrompi. Inferno, eu já ajudei a empurrar uma flecha através do peito dela. Eu poderia certamente trocar um Band-Aid, sem assustar.
— Bem, se você precisar de mim, simplesmente mande um calouro — O guerreiro foi cortado com Aphrodite segurando duro o suficiente a mão para puxá-lo do quarto. Então ela colocou a cabeça para trás através da porta.
— Boa noite. Não se preocupe com nós. — E ela desapareceu.
— Antes ele do que eu.
Eu ouvi Erik sussurrar enquanto ele prestava atenção no lugar. Eu não fiz nenhuma tentativa de esconder o meu sorriso. Fiquei satisfeita por Erik não estar ainda interessado em Aphrodite. Erik encontrou os meus olhos. E lentamente ele sorriu também.

4 comentários:

  1. Nunca ri tanto a Aphrodite e demais
    ass:Leticia

    ResponderExcluir
  2. Em crise de riso devido aos últimos capítulos. Amando a Aphrodite <3

    ResponderExcluir
  3. coitado e darius kkkkkkkk

    ResponderExcluir
  4. Cara é tão difícil sentir ciúme do Erik, mesmo sabendo que a Zoey tem alguma conexão com o Stark, é muito confuso!

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!