5 de outubro de 2015

Capítulo 5 - Zoey

A escuridão era completa. Cegando mais do que minha visão, ela tirou todos os meus sentidos. Eu achei que estava ofegando por oxigênio e me debatendo, tentando encontrar algo – qualquer coisa eu pudesse tocar, ouvir, ou sentir o cheiro – qualquer coisa que me desse um senso de realidade. Mas eu não tinha sensações. O casulo de escuridão e o barulho da frenética batida do meu coração eram tudo que eu conhecia. Eu estava morta? Não, eu achava que não. Eu lembro que estava no túnel debaixo da Abadia, somente a alguns metros de distância dos meus amigos. Eu fiquei apavorada com a escuridão, mas isso não podia me fazer cair morta. Mas eu estava com medo. Eu lembro de estar com muito medo. Não havia nada a não ser essa escuridão. O que estava acontecendo comigo? Nyx! Minha mente gritou. Me ajude, Deusa! Por favor me mostre algum tipo de luz! “Ouça sua alma...” Eu achei que tinha chorado alto com o som doce e seguro da voz da deusa em minha mente, mas quando as palavras dela se foram, só havia um rígido silêncio e escuridão. Como diabos eu deveria ouvir minha alma? Eu tentei me acalmar e ouvir algo, mas só havia silêncio – um silêncio negro, vazio e de sugar a alma, como nada que eu já tivesse experimentado. Eu não tinha nada para me guiar, eu só sabia – A realização me atingiu e minha mente vacilou de entendimento.
Eu tinha algo para me guiar. Parte de mim tinha experimentado essa escuridão antes. Eu não conseguia ver. Eu não conseguia sentir. Eu não podia fazer nada a não ser virar para dentro de mim mesma, buscando a parte de mim que podia ser capaz de fazer sentido nisso, que talvez fosse capaz de me guiar para fora daqui. A memória passou de novo, dessa vez me levando de volta para muito antes da noite no túnel sobre a abadia. Os anos passaram com minha resistência até que finalmente, finalmente, eu senti de novo. Meus sentidos voltaram devagar. Eu comecei a ouvir mais do que meus próprios pensamentos. Havia um tambor que pulsava ao meu redor, e dentro dele o barulho distante das vozes de mulheres. O senso de olfato retornou para mim, e eu reconheci o cheiro que me lembrou do túnel da abadia. Finalmente, eu podia sentir a terra contra minhas costas nuas. Eu só tive um instante para aproveitar a sensação dos meus sentidos voltando antes do resto da minha ciência ser fortemente acordada. Eu não estava sozinha! Minhas costas estavam pressionadas contra a terra, mas eu estava sendo segurada com força contra os braços de alguém. Então ele falou. “Oh, deusa, não! Não deixe isso acontecer!” Era a voz de Kalona, e minha reação imediata foi chorar alto e lutar para me afastar dele, mas eu não estava no comando do meu corpo e as palavras que saíram da minha boca, não eram minhas. “Sssh, não se desespere. Estou com você, meu amor.” “Você me prendeu!” Mesmo enquanto ele gritava em acusação, seus braços se apertavam ao meu redor, e eu reconheci a paixão fria de seu abraço imortal. “Eu te salvei,” minha voz estranha respondeu enquanto meu corpo se colocava mais intimamente contra o dele. “Você não foi feito para andar neste mundo. É por isso que você esteve tão infeliz, tão insatisfeito.”
“Eu não tive escolha! Os mortais não entendem.” Meus braços se enrolaram ao redor do pescoço dele. Meus dedos passando pelo suave e pesado cabelo dele. “Eu entendo. Fique em paz aqui comigo. Deixe sua triste inquietude. Eu vou confortar você.” Eu senti ele se render antes dele falar as palavras. “Sim,” Kalona murmurou. “Eu vou enterrar minha tristeza em você e meu desesperado desejo finalmente será gasto.” “Sim, meu amor, meu consorte, meu Guerreiro... sim...” Foi naquele momento que eu quase me perdi dentro de A-ya. Eu não conseguia saber onde o desejo dela terminava e minha alma começava. Se eu ainda tinha escolha, eu não a queria. Eu só sabia que eu estava onde estava destinada a estar – nos braços de Kalona. As asas dele nos cobriram, impedindo o calafrio do toque dele de me queimar. Os lábios dele estavam nos meus. Nós nos exploramos devagar, de verdade, com um senso de maravilha e rendição. Quando nossos corpos começaram a se mover juntos, eu conheci a completa alegria. E então, de repente, eu comecei a dissolver. “Não!” O grito foi arrancado da minha garganta e minha alma. Eu não queria partir! Eu queria ficar com ele. Meu lugar era com ele! Mas, de novo, eu não estava em controle, e eu me senti desaparecendo, voltando a terra, enquanto A-ya soluçava, a voz quebrada dela ecoando uma palavra na minha cabeça: LEMBRE-SE...
O tapa queimou contra minha bochecha, e eu suguei o ar que clareou a última escuridão da minha mente. Eu abri meus olhos e a luz da lanterna fez eu apertar os olhos e piscar. — Eu lembro. — Minha voz soava tão rouca quanto minha mente.
— Você lembra quem você é, ou eu devia bater em você de novo? — Aphrodite disse.
Minha mente estava lenta para funcionar porque eu ainda gritava por ter sido tirada da escuridão. Eu pisquei de novo e balancei a cabeça tentando clarear ela. — Não! — Eu gritei a palavra com tanta emoção que Aphrodite automaticamente se afastou de mim.
— Tudo bem — ela disse. — Você pode me agradecer mais tarde.
A Irmã Mary Angela tomou o lugar dela, se abaixando e tirando meu cabelo do rosto, que estava suado e frio.
— Zoey, você está conosco?
— Sim — eu disse com uma voz quebrada.
— Zoey, o que foi? O que fez você hiperventilar? — a freira perguntou.
— Você não está se sentindo doente, está? — A voz de Erin era um pouco trêmula.
— Não está com vontade de tossir um pulmão nem nada? — Shaunne perguntou, parecendo tão chateada quanto sua gêmea soou. Stevie Rae empurrou as Gêmeas para o lado para poder se aproximar de mim.
— Fale comigo, Z. Você está realmente bem?
— Estou bem. Não estou morrendo nem nada disso. — Meus pensamentos tinham se reorganizado, embora eu não parecesse conseguir me livrar do último traço de desespero que eu conheci com A-ya. Eu entendi que meus amigos estavam assustados que meu corpo tivesse começado a rejeitar a Mudança. Me forçando a me focar no aqui e agora eu estiquei a mão para Stevie Rae. — Aqui, me ajude a levantar. Estou melhor agora. — Stevie Rae me puxou, tendo cuidado de manter a mão debaixo do meu cotovelo enquanto eu balançava levemente antes de encontrar meu equilíbrio.
— O que aconteceu com você, Z? — Damien perguntou enquanto me estudava. O que eu deveria dizer? Eu deveria admitir que tive uma memória incrivelmente vívida de uma vida passada onde eu tinha me dado ao nosso inimigo de hoje? Eu nem tive tempo para analisar as novas emoções que a memória tinha me causado. Como eu ia explicar elas para meus amigos?
— Só nos diga, criança. A verdade falada é sempre menos assustadora do que suposições — disse Irmã Mary Angela.
Eu suspirei e falei, — o túnel me assustou!
— Te assustou? Tipo, tinha algo nele? — Damien finalmente tinha parado de me encarar e estava olhando nervoso para a abertura. As Gêmeas deram alguns passos mais para dentro do depósito e se afastaram do túnel.
— Não, não tinha nada lá. — Eu hesitei. — Pelo menos eu acho que não tinha. De qualquer forma, não foi isso que me assustou.
— Você espera que a gente acredite que você desmaiou porque estava com medo do escuro? — Aphrodite disse. Todos me encararam. Eu limpei a garganta.
— Hey, gente. Talvez tenha coisas que Zoey não queira falar — disse Stevie Rae. Eu olhei para minha melhor amiga e percebi que se eu não dissesse algo sobre o que tinha acabado de acontecer eu não seria capaz de enfrentar o que eu precisava fazer em relação a ela.
— Você tem razão — eu disse a Stevie Rae. — Eu não quero falar, mas vocês merecem saber a verdade. — Eu deixei meu olhar passar pelo resto do grupo. — O túnel me assustou tanto porque minha alma o reconhece. — Eu limpei a garganta e continuei, — eu lembrei de ficar presa na terra com Kalona.
— Você quer dizer por que realmente tem uma parte de A-ya dentro de você? — Damen perguntou suavemente. Eu acenei.
— Eu sou eu, mas eu também sou, de alguma forma, ainda parte dela.
— Interessante... — Damien deu um longo suspiro.
— Bem, o que diabos isso significa para você e Kalona hoje? — Aphrodite perguntou.
— Eu não sei! Eu não sei! Eu não sei! — Eu falei em voz alta, o estresse e a confusão sobre o que tinha acabado de acontecer fervendo em mim. — Eu não tenho as malditas respostas. Tudo que eu tenho é a memória e tempo zero para processá-la. Que tal vocês darem um tempo e me deixar entender a confusão na minha cabeça?
Todo mundo se remexeu e murmurou ok, me dando um olhar de ela perdeu a cabeça. Ignorando meus amigos, e a não respondida pergunta sobre Kalona que era quase visível no ar ao meu redor, eu virei para Stevie Rae. — Me explique exatamente como você fez o túnel. — Eu podia perceber pela pergunta nos olhos azuis dela que ela estava preocupada com meu tom. Eu não tinha soado toda “Droga! Eu acabei de desmaiar e preciso mudar de assunto porque estou tão constrangida por ser uma garota reencarnada.” Eu soava como uma Alta Sacerdotisa.
— Bem, não foi nada demais. — Stevie Rae parecia nervosa e desconfortável, como se estivesse tentando demais ser indiferente porque ela estava sentindo exatamente o oposto. — Hey, tem certeza que está bem? Não deveríamos sair daqui e talvez pegar para você uma Coca ou algo assim? Eu quero dizer, se esse lugar te dá flashbacks, conversar em outro lugar parece uma boa ideia.
— Estou bem. Agora eu só quero saber sobre o túnel. — Eu encontrei firme o olhar dela. — Então me diga como você fez.
Eu podia sentir os outros, assim como a Irmã Mary Angela, nos observando com curiosidade misturada com confusão, mas mantive o foco em Stevie Rae.
— Ok, bem, você sabe que os túneis proibidos estão praticamente em todo lugar debaixo daqueles prédios no centro, certo?
Eu acenei. —Certo.
— E também, lembra que eu te disse que estive fazendo reconhecimento para ver onde eles iam?
— Yeah, eu lembro.
— Ok, então, eu encontrei a entrada meio coberta de um túnel que Ant contou a todos vocês no outro dia – a que dá para fora dos outros que dão no prédio Philtower.
Eu acenei de novo, impaciente.
— Bem, ele estava cheio de sujeira, mas quando eu senti o pequeno buraco deixado, eu tirei muita terra, enfiei meu braço, e senti uma corrente de ar. Isso me fez pensar que provavelmente haviam mais túneis do outro lado. Então eu empurrei, com minha mente e minhas mãos e meu elemento. E a terra respondeu.
— Respondeu? Como se tivesse tremido ou algo assim? — eu perguntei.
— Mais se movido. Como eu queria. Em minha cabeça. — Ela pausou. — É meio difícil de explicar. Mas o que aconteceu foi que a terra que selava o túnel acabou subindo e eu passei pela nova abertura de um túnel realmente, realmente velho.
— E esse túnel velho era feito de terra, não alinhado com concreto, como os túneis abaixo do depósito e no centro, certo? — Damien perguntou. Stevie Rae sorriu e acenou, seu cabelo loiro balançando ao redor de seus ombros.
— Yeah! E ao invés de ir para o centro eu apontei para cá.
— Veio até aqui? — Eu tentei estimar na cabeça quantos quilômetros eram e não consegui fazer as costas. É claro, eu sou ruim em matemática, mas ainda sim, era uma forma.
— Nope. O que aconteceu foi que quando encontrei o túnel de terra e meio que o abri, eu fui explorar. Ok, ele começa no prédio Philtower. Eu achei estranho e meio legal que fosse para longe do centro.
— Como você sabia disso? — Damien interrompeu ela. — Como você pode adivinhar onde estava indo?
— Fáci fácil para mim! Eu sempre encontro o norte, sabe, a direção do meu elemento de terra. Assim que o encontro – eu posso encontrar qualquer coisa.
— Hmm — ele disse.
— Continue — eu disse. — E então o que aconteceu?
— Então ele acabou. Só, bem, parou. Antes de você me dar o bilhete sobre encontrar você aqui no lugar das Irmãs, era aqui que parava também. Eu quero dizer, claro, eu estava planejando voltar e checar mais, mas não era uma prioridade para mim. Quando você me disse que eu talvez tivesse que mover o pessoal para cá, eu não consegui parar de pensar no túnel de terra. Eu lembrei que ele vinha pra essa direção antes de acabar. Então voltei lá. Eu pensei sobre onde eu queria ir e como eu queria que o túnel fosse lá. Então empurrei de novo, como fiz para deixar a abertura maior, só um pouco. Então, bem, a terra fez o que eu disse, e aqui estamos! Ta-dã!
Ela terminou com um grande sorriso e um floreio. No silêncio que cercou a explicação de Stevie Rae, a voz da Irmã Mary Angela soava normal e razoável, o que me fez gostar dela ainda mais do que eu já gostava. — Incrivel, não é? Stevie Rae, você e eu podemos discordar da fonte do seu dom, mas eu, no entanto estou impressionada por sua vastidão.
— Obrigada, Irmã! Eu acho que você é bem incrível também, especialmente para uma freira.
— Como você viu aqui? — eu perguntei.
— Bem, eu não tenho problema em ver no escuro, mas os outros garotos não são tão bons quanto eu, então trouxe algumas lanternas do depósito. — Stevie Rae apontou para algumas lanternas a óleo que eu não tinha notado antes, no canto escuro do depósito.
— Ainda sim, foi um longo caminho — Shaunee estava dizendo.
— Sério. Deve ter sido escuro e assustador — Erin disse.
— Nah, a terra não é assustadora para mim, ou para os calouros vermelhos. — Ela deu nos ombros. — Como eu disse, não foi nada demais. Na verdade, foi superfácil.
— E você conseguiu trazer todos os calouros vermelhos aqui com segurança? — Damien disse.
— Yep!
— Quais deles? — eu perguntei.
— Como assim quais deles? Isso não faz nenhum sentido, Z — ela disse. — Eu trouxe todos os calouros vermelhos que você conheceu antes, além de Erik e Heath. Em quem mais você pensou? — As palavras dela soavam normais, mas ela terminou com uma estranha e nervosa risada e não me olhava nos olhos. Meu estômago se apertou. Stevie Rae ainda estava mentindo para mim. E eu não sabia o que fazer sobre isso.
— Eu acho que talvez Zoey esteja se sentindo confusa porque ela está tão exausta quanto estaria, depois da experiência que teve hoje a noite. — A mão quente da Irmã Mary Angela no meu ombro pareceu tão segura quanto sua voz. — Todos estamos cansados — ela acrescentou. O sorriso dela tomou Stevie Rae, as Gêmeas, Aphrodite, e Damien. — O amanhecer não vai demorar muito. Vamos te ajeitar com o resto dos seus amigos. Dormir. Tudo vai parecer mais claro quando estiver descansada.
Eu acenei e deixei Irmã Mary Angela nos guiar pelos caminhos do depósito e pelas escadas que tínhamos descido não muito tempo atrás. Mas ao invés de continuar a subir para o corredor da abadia, a freira abriu uma porta que eu não tinha notado quando passei correndo atrás de Damien mais cedo. Uma escada curta levava para a área do porão, um porão grande de cimento que parecia normal, que tinha sido transformado pelas freiras de uma gigante lavanderia a um dormitório temporário. Tinha vários casacos espalhados pelas duas paredes em oposição uma a outra, cheias de cobertores e travesseiros que pareciam aconchegantes. Havia um monte do tamanho de um garoto em uma das camas, e o cabelo vermelho que estava saindo do cobertor que ele puxou até quase o topo de sua cabeça me disse que Elliot já estava dormindo. O resto dos calouros vermelhos estava amontoado ao redor da área da secadora, sentados numa daquelas cadeiras de se abrir de metal, que sempre deixam meu travesseiro frio, vendo uma enorme TV que estava colocada em cima da secadora. Tinham muitos bocejos, o que realmente deve significar que já era quase amanhecer, mas eles pareciam encantados por o que quer que fosse que passava na TV. Eu olhei para a tela e senti todo meu rosto se quebrar num sorriso.
— A noviça rebelde? Eles estão assistindo A noviça rebelde? — eu ri. A Irmã Mary Angela ergueu uma sobrancelha para mim.
— É um dos nossos DVD´S favoritos. Eu achei que os calouros fossem gostar também.
— É um clássico — Damien disse.
— Eu costumava pensar que garotos Nazistas eram fofos — Shaunee disse.
— A não ser os ratos que delataram os Von Trapps — Erin disse.
— Que é quando eles não ficaram mais tão fofos — Shaunee continuou enquanto as Gêmeas pegavam as cadeiras e se juntavam aos outros calouros na frente da TV.
— Mas todo mundo gosta da Julie Andrews — Stevie Rae disse.
— Ela deveria bater naqueles malditos garotos mimados — Kramisha disse do seu lugar na frente da TV. Ela olhou por cima do ombro e deu a Irmã Mary Angela um sorriso cansado. — Desculpe sobre o ‘maldito’, Irmã, mas eles são pirralhos.
— Eles só precisam de amor e atenção e entendimento, como todas as crianças — disse a Irmã.
— Ok, vômito. Sério — Aphrodite disse, — antes de qualquer um de vocês começar a cantar “How do You Solve a problem like Maria?” e eu tenha que cortar os pulsos, eu vou encontrar Darius e meu quarto.
Ela sacudiu as sobrancelhas e começou a sair do porão. — Aphrodite — Irmã Mary Angela chamou. Quando Aphrodite parou para olhar para ela, a freira continuou. — Eu imagino que Darius ainda esteja com Stark. Dizer boa noite para ele vai estar tudo bem, mas seu quarto está no quarto andar – você vai dividir ele com Zoey e não com o guerreiro.
— Ugh — eu disse baixo. Aphrodite virou os olhos.
— Porque isso não me surpreende? — E murmurando pra si mesma, ela continuou a se afastar.
— Desculpe, Z — Stevie Rae disse depois que ela virou os olhos nas costas de Aphrodite. — Vou ser sua colega de novo, mas acho que preciso ficar aqui. Ficar no subsolo realmente é melhor para mim depois que o sol nascer, além do mais preciso ficar perto dos calouros vermelhos.
— Está tudo bem — eu disse um pouco rápido demais. Então agora eu nem queria ficar sozinha com minha melhor amiga?
— Todo mundo ainda está lá em cima? — Damien perguntou. Eu vi ele olhar ao redor, e eu tinha certeza que ele estava procurando por Jack. Eu, por outro lado, não estava procurando por nenhum dos meus namorados. Na verdade, depois da mostra idiota de testosterona deles lá fora, eu estava pensando que ficar sem namorado soava cada vez melhor. E então havia Kalona e a memória que eu não queria ter.
— Yeah, todo mundo está lá em cima no refeitório ou na cama. Hey, Terra para Zo! Olha isso. As freiras têm uma enorme seleção de Doritos, e eu até encontrei Coca para você – cheia de cafeína e açúcar — disse Heath, enquanto pulava os últimos três degraus para o porão.

4 comentários:

  1. cara amo heath! ele é mui fofo

    ResponderExcluir
  2. Hummm eu queria que a zoey ficasse com o Stark mas não quero magoar o Heath o que eu faço

    ResponderExcluir
  3. o inpaçi do ano heath vs stark.isso ta tipo monica vs magali inpocivel ficar so com uma. agarra os dois logo z!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!