5 de outubro de 2015

Capítulo 4 - Zoey

— Eu me senti atraída por Kalona desde o primeiro segundo que eu o vi — eu disse devagar. Eu não iria mentir para vovó, mas isso não significava que contar a ela a verdade seria fácil. — Mas quase todos os calouros e mesmo os vampiros foram atraídos por ele – na verdade, era como se eles estivessem sobre algum tipo de feitiço que ele foi capaz de lançar.
Vovó acenou. — Foi o que eu já ouvi de Stevie Rae. Mas foi diferente com você? Mais do que apenas essa atração mágica que ele tem?
— Yeah. Comigo não foi como se eu estivesse sob um feitiço. — Eu engoli a secura da minha garganta. — Eu não fui enganada em pensar que ele era Erebus que tinha vindo à terra, e eu sabia que ele tinha planejado o mal com Neferet. Eu vi a escuridão dele. Mas eu também queria ficar com ele – não só porque eu ainda acreditava que ele poderia escolher ser bom, mas porque eu queria ele, mesmo sabendo que era errado.
— Mas você lutou contra esse desejo, u-we-tsi-a-ga-ya. Você escolheu seu próprio caminho, o do amor e bondade e da sua deusa, assim a criatura foi banida. Você escolheu amor — ela repetiu devagar. — Deixe isso ser o bálsamo para a ferida que ele fez em sua alma. — O sentimento apertado de pânico que estava em meu peito começou a se soltar.
— Eu posso seguir meu próprio caminho — eu disse, com mais convicção do que eu sentia desde que percebi que eu era a reencarnação de A-ya. Então eu franzi. Não havia como negar que ela e eu estávamos conectados. Chame de essência ou alma ou espírito ou o que for – ela me ligava a um ser imortal tão fortemente quanto a terra o tinha aprisionado por séculos. — Não sou A-ya. — Eu repeti mais devagar, — mas não acabei com Kalona. O que eu faço, vovó? — Vovó pegou minha mão na dela e apertou. — Como você disse, você segue seu caminho. E agora esse caminho está te lavando para uma cama quente e suave e um dia todo de sono.
— Uma crise por vez?
— Uma coisa por vez — ela disse.
— E está na hora de você seguir seu próprio conselho, Sylvia — Irmã Mary Angela disse enquanto entrava no quarto com um copo de água em uma mão e uma pílula na outra.
Vovó sorriu para a freira e pegou o remédio dela. Eu notei que as mãos dela estavam tremendo enquanto ela colocava o remédio em sua língua e bebia a água.
— Vovó, vou deixar você descansar agora.
— Eu te amo, u-we-tsi-a-ge-ya. Você se saiu bem hoje.
— Não teria conseguido sem você. Eu também te amo, vovó. — Eu me curvei e beijei a testa dela, e enquanto ela fechava os olhos e se colocava contra seu travesseiro com um sorriso contente, eu segui Irmã Mary Angela para fora do quarto e disparei perguntas para ela assim que entramos no corredor.
— Você encontrou quartos para todos? E os calouros vermelhos estão bem? Você faz ideia se Stevie Rae fez Erik e Heath e quem quer mais que seja checar a área ao redor da abadia? Tudo está seguro por aqui? —A Irmã Mary Angela ergueu a mão para impedir a inundação de palavras.
— Criança, respire e me deixe falar. — Eu suprimi um suspiro e fiquei quieta enquanto seguia ela pelo corredor enquanto ela explicava que ela e as freiras tinham feito uma aconchegante área como de dormitório para os calouros vermelhos no porão, depois que Stevie Rae disse a ela que eles ficariam mais confortáveis lá embaixo. Minha turma estava lá em cima nos quartos de hóspedes, e sim, os caras tinham dado um sinal positivo em relação a nenhum sinal de Corvos Escarnecedores lá fora.
— Sabe, você realmente é incrível. — Eu sorri para ela quando paramos do lado de fora de uma porta fechada no fim de um longo corredor. — Obrigada.
— Eu sou serva da minha Senhora, e você não precisa se preocupar — ela disse simplesmente e abriu a porta para mim. — Essa é a escadaria que leva para o porão. Me falaram que a maioria dos garotos já está lá embaixo.
— Zoey! Aí está você. Você tem que vir checar isso. Você não vai acreditar no que Stevie Rae fez — Damien disse enquanto subia com pressa as escadas em nossa direção. Eu senti meu estômago se apertar.
— O que? — Eu imediatamente fui para baixo para encontrar ele. — Qual o problema?
Ele sorriu para mim. — Não tem nada errado. É incrível. — Damien pegou minha mão e me puxou com ele.
— Damien tem razão sobre isso — disse Irmã Mary Angela, descendo as escadas atrás de nós. — Mas acho que incrível é a palavra errada para isso.
— A palavra certa é mais tipo, terrível ou horrível? — eu perguntei. Ele apertou minha mão.
— Pare de ser tão preocupada. Você derrotou Kalona e Neferet hoje à noite; tudo vai ficar bem. — Eu apertei a mão dele também e me fiz sorrir e parecer menos preocupada, embora eu soubesse que dentro do meu coração, dentro da minha alma, o que tinha acontecido hoje a noite não tinha sido um final ou sequer uma vitória. Tinha sido um terrível, horrível começo.
— Wow. — Eu encarei em uma descrença chocada.
— Wow ao quadrado é melhor — Damien disse.
— Stevie Rae realmente fez isso?
— Foi o que Jack me disse — Damien disse.
Ele e eu estávamos lado a lado e olhávamos na escuridão para a terra escavada. — Ok – bizarro. — Eu falei meus pensamentos em voz alta.
Damien me olhou de forma estranha. — Como assim?
— Bem — eu pausei, sem ter certeza absoluta do que eu quis dizer, embora o túnel definitivamente me fazia sentir inquieta. — Um, é, uh... realmente escuro.
Damien riu. — É claro que é escuro. É pra ser escuro. É um buraco no chão.
— Para mim parece mais natural do que um buraco no chão — disse Irmã Mary Angela enquanto ela se juntava a nós na boca do túnel, olhando para a escuridão. — Por algum motivo me conforta. Talvez seja por causa do seu cheiro. — Nós três cheiramos. Eu cheirei, bem, terra. Mas Damien disse, — tem um cheiro rico e saudável.
— Como um campo recém plantado — a freira concordou.
— Viu, não é bizarro, Z. Eu definitivamente me esconderia aqui durante um tornado — Damien disse. Me sentido super sensível e meio boba, eu soltei um longo suspiro e olhei para o túnel, tentando ver com meus novos olhos e o sentir com um instinto mais agudo. — Posso ver sua lanterna por um segundo, Irmã?
— É claro. — A Irmã Mary Angela me entregou uma lanterna grande, quadrada e pesada que ela carregou conosco do porão principal até essa pequena sessão que ela chama de depósito. A tempestade gelo que tinha caído em Tulsa nos últimos dias tinha desligado a energia da abadia – como tinha feito com a energia da maior parte da cidade. Eles tinham geradores a gás, então na parte principal da abadia algumas luzes elétricas estavam ligadas, junto com zilhões de velas que as freiras tanto gostam, mas eles não desperdiçaram energia no depósito, e a única luz saía da lanterna da freira. Eu a apontei para o buraco no chão.
O túnel não era muito grande. Se eu esticasse meus braços, eu podia facilmente tocar os dois lados. Eu olhei para cima. Ele só não tocava minha cabeça por alguns centímetros. Eu cheirei de novo, tentando encontrar algum senso de conforto que Damien e a freira obviamente sentiam. Meu nariz se enrugou. O lugar fedia a escuridão e vazio, raízes e coisas que foram remexidas acima da superfície. Eu suspeitava que essas coisas tinham tremido e caído, o que automaticamente fez minha pele se arrepiar e tremer. Então eu mentalmente me chacoalhei. Porque um túnel na terra deveria parecer tão nojento? Eu tinha afinidade com a terra. Eu podia conjurar ela. Eu não deveria ter medo dela. Cerrando os dentes, eu dei um passo para dentro do túnel. Então outro. E outro. — Hey, uh, Z, não vá muito longe. Você tem a única luz, e eu não ia querer que a Irmã Mary Angela seja deixada aqui no escuro. Ela pode ficar assustada.
Eu balancei a cabeça e, sorrindo, virei, apontando a lanterna em direção a entrada e iluminando o rosto preocupado de Damien e o rosto sereno da Irmã Mary Angela. — Você não iria querer que a freira ficasse com medo do escuro?
Damien se remexeu culpado. A Irmã Mary Angela colocou sua mão no ombro dele por um momento. — É gentil da sua parte pensar em mim, Damien, mas não temo o escuro. — Eu dei a Damien um olhar de não seja tão maricas quando a sensação me atingiu. O ar atrás de mim mudou. Eu sabia que não estava mais sozinha naquele túnel. Medo cresceu na minha espinha e eu senti uma repentina vontade de correr – sair dali o mais rápido que eu podia e nunca, nunca mais voltar. E eu quase corri. Então eu me surpreendi ficando irritada. Eu tinha acabado de enfrentar um imortal caído – uma criatura que eu estava conectada em um nível de alma – e eu não tinha corrido. E não ia correr agora.
— Zoey? O que foi? — A voz de Damien soava distante quando eu virei para encarar a escuridão. De repente uma luz fraca, como o brilho do olhar de um monstro subterrâneo, se materializou. A luz não era grande, mas era brilhante, temporariamente fazendo pontos pretos no meu campo de visão e eu fiquei parcialmente cega então quando olhei para o monstro ele parecia ter três cabeças, com uma selvagem crina e ombros que pareciam incompatíveis e grotescos. Então eu fiz o que qualquer garota sensível faria. Eu suguei o ar e dei o meu melhor grito de garota, que instantaneamente foi bizarramente ecoado por mais três bocas que saíram do monstro de um único olho. Eu podia ouvir Damien guinchando atrás de mim, e eu juro que a Irmã Mary Angela até mesmo deu um suspiro guinchado e assustado. Eu estava começando a fazer exatamente o que eu tinha me prometido que eu faria – correr pra caramba, quando uma das cabeças parou de gritar e deu um passo para frente entrando na luz da lanterna.
— Merda, Zoey! Qual seu problema? São só as Gêmeas e eu. Você quase nos cagou de susto — disse Aphrodite.
— Aphrodite? — minha mão foi para o meu coração, tentando impedir ele de bater para fora do meu corpo.
— É claro que sou eu — ela disse, passando por mim enojada. — Deusa! Se controle.
As Gêmeas ainda estavam paradas no túnel. Erin estava segurando uma grossa vela tão apertado que sua mão se esbranquiçou. Shaunne estava parada perto dela, tão perto que seus ombros estavam esmagados juntos. Elas pareciam congeladas e com os olhos arregalados.
— Uh, oi — eu disse. — Eu não sabia que vocês estavam aqui.
Shaunne se recuperou primeiro. — Você acha? — Ela passou a mão trêmula delicadamente pela testa e virou para Erin. — Gêmea, ela me assustou o bastante para ficar branca?
Erin piscou para sua melhor amiga. — Eu acho que isso não é possível. — Ela sorriu para Shaunne. — Mas não, ela não assustou. Você ainda é um lindo cappuccino.
A mão de Erin que não estava segurando a vela voou para seu cabelo grosso e dourado e o tocou freneticamente. — Ela fez meu cabelo cair ou ficar de um grisalho prematuro e nada atraente? — Eu franzi para as Gêmeas.
— Erin, seu cabelo não está caindo ou ficando grisalho, e Shaunne, você não pode se assustar e virar branca. Jeesh, vocês me assustaram primeiro — eu disse. — Olha, da próxima vez que você precisar perseguir Neferet e Kalona, só grite assim — Erin disse. — Yeah, te faz soar como se você tivesse perdido totalmente sua cabeça — Shaunne disse enquanto passavam por mim.
Eu segui elas para o depósito onde Damien estava se abanando e parecendo mais gay do que de costume, e Irmã Mary Angela tinha acabado de fazer o sinal da cruz. Eu coloquei a traseira da lanterna na mesa cheia de jarras de vidro que pareciam estranhamente como fetos flutuando na luz turva. — Então, sério, o que vocês estavam fazendo aqui? — eu disse.
— Aquele garoto Dallas nos disse que eles chegaram aqui vindos dos depósitos — Shaunne disse. — Ele disse que era legal aqui e que Stevie Rae tinha feito — Erin disse.
— Então pensamos em vir aqui e ver por nós mesmas — Shaunee disse.
— E porque você está aqui com as Gêmeas? — Eu perguntei a Aphrodite.
— A dupla dinâmica precisava de proteção. Naturalmente elas pediram para mim.
— Como vocês de repente apareceram daquele jeito, afinal de contas? — Damien perguntou antes da reclamação das gêmeas começar.
— Fácil-fácil. — Erin andou rapidamente de volta para o túnel, ainda carregando sua vela. Ela virou para nos encarar e então deu só mais alguns passos para além do que eu tinha ido. — O túnel dá uma virada aqui. — Ela deu um passo para o lado e a luz dela desapareceu, então ela deu outro passo e reapareceu. — É por isso que não nos vimos até o último segundo.
— Realmente é incrível que Stevie Rae tenha de alguma forma feito isso — Damien disse. Eu notei que ele não se moveu mais para perto do túnel, mas ficou perto da lanterna.
A Irmã Mary Angela se aproximou da entrada. Ela tocou a lateral do buraco recente com reverência e disse, — Stevie Rae fez isso, mas ela fez com intervenção divina.
— Por “intervenção divina” você está falando mais sobre a virgem-maria-é-só-outra-forma-de-Nyx? — O sotaque de Stevie Rae vindo do outro lado do depósito nos fez pular.
— Sim, criança. É exatamente isso a que me refiro.
— Eu não quero te cortar, mas essa é a coisa mais estranha que já ouvi — Stevie Rae disse. Ela andou até nós, e eu achei que ela parecia pálida. Quando ela se aproximou de mim eu senti o cheiro de algo estranho, mas o sorriso dela fez seu rosto mudar seu fofo eu familiar. — Z, aquele enorme grito que eu ouvi saiu de você?
— Uh, yeah. — Eu não consegui me impedir de sorrir para ela. — Eu estava dentro do túnel e não esperava encontrar as Gêmeas e Aphrodite.
— Bem, isso faz sentido. Aphrodite é meio que o bicho papão — Stevie Rae disse.
Eu ri, e então, agarrando a oportunidade para mudar de assunto, eu disse, — Uh, falando em monstros, você encontrou algum Corvo Escarnecedor lá em cima? — Os olhos de Stevie Rae saíram dos meus.
— Tudo está seguro. Nada para você se preocupar — ela disse rapidamente.
— Fico tão feliz — Irmã Mary Angela estava dizendo. — Aquelas criaturas eram uma abominação – homens e bestas. — Ela tremeu. — Fico aliviada por termos nos livrado de todos eles.
— Mas não era culpa deles — Stevie Rae disse abruptamente.
— Me desculpe? — A freira parecia mais do que um pouco confusa com o tom defensivo de Stevie Rae.
— Eles não pediram para nascer como são – uma mistura por causa de estupro e maldade. Eles na verdade são vitimas.
— Eu não sinto pena deles — eu disse, me perguntando por que Stevie Rae soava como se estivesse defendendo os horríveis Corvos Escarnecedores. Damien tremeu.
— Temos que falar neles?
— Nope, claro que não — Stevie Rae disse rapidamente.
— Ótimo, e de qualquer forma, a razão para eu ter trazido Zoey aqui foi para mostrar a ela o túnel que você fez, Stevie Rae. Eu tenho que te dizer – eu acho incrível.
— Obrigado, Damien! Foi muito legal quando descobri que eu podia fazer isso. — Stevie Rae deu alguns passos, passando por mim, entrando na boca do túnel, onde ela foi instantaneamente cercada por escuridão total que se esticava atrás dela como o interior de uma enorme cobra. Ela ergueu os braços para que suas palmas se pressionassem contra as paredes de terra do túnel. De repente ela me lembrou de uma cena de Sansão e Dalila, um antigo filme que eu vi com Damien um mês atrás. A imagem que passou pela minha memória foi quando Dalila tinha deixado o Sansão cego parado entre um massivo pilar que segurava o estádio cheio com pessoas horríveis perseguindo ele. Ele ganhou sua força mágica de volta e acabou empurrando o pilar e se destruindo e... — Não é mesmo, Zoey?
— Huh? — Eu pisquei, perturba pela cena triste e destrutiva que estive revivendo na minha mente.
— Eu disse, Maria não moveu a terra por mim quando fiz o túnel; o poder que Nyx me deu fez isso. Jeesh, você não está prestando atenção em mim. — Stevie Rae disse. Ela tirou as mãos de dentro do túnel e estava me dando o olhar dela de “o que está passando pela sua cabeça agora?”
— Desculpe, o que você estava dizendo sobre Nyx?
— Só que eu não acho que Nyx e a Virgem Maria tem algo a ver uma com a outra. A mãe de Jesus não me ajudou a mover a terra para fazer esse túnel. — Ela encolheu um ombro. — Eu não quero ferir seus sentimentos nem nada disso, Irmã, mas é isso que eu acho.
— Você tem direito a sua própria opinião, Stevie Rae — disse a freira, parecendo tão calma como sempre. — Mas você deveria saber que dizer que não acredita em algo, não faz com que seja menos possível que ela exista.
— Bem, eu andei pensando, e pessoalmente eu não acho uma hipótese tão estranha — Damien disse. — Você deve lembrar que no nosso livro Calouros 101, Maria é ilustrada como uma das muitas faces de Nyx.
— Huh — eu disse. — É mesmo?
Damien me deu um olhar firme que claramente dizia você realmente deveria ser um estudante melhor, antes de acenar, e em sua melhor voz de professor ele continuou, — Sim. É bem documentado que durante o afluxo de Cristianismo na Europa, santuários para Gaea, assim como para Nyx, foram convertidos em santuários para Maria muito antes das pessoas se converterem para o novo... — Damien continuou e eu era um calmo espectador enquanto olhava para o túnel. A escuridão era profunda e grossa. Só centímetros atrás de Stevie Rae, eu não conseguia ver nada. Absolutamente nada. Eu encarei, imaginado formas escondidas ali. Alguém ou algo poderia estar ali a centímetros de nós e nós nem saberíamos, não se ele não quisesse ser visto. E isso me assustou.
Ok, mas isso é ridículo! Eu disse a mim mesma. É só um túnel. Ainda sim, meu medo irracional me empurrou. O que, infelizmente, me irritou e me fez querer empurrar de volta. Então, como qualquer super loira idiota em um filme de terror, eu dei um passo na escuridão. E então outro. A escuridão me engoliu.
Minha mente sabia que eu estava a alguns centímetros do depósito e dos meus amigos. Eu podia ouvir Damien tagarelando sobre religião e a deusa. Mas minha mente não era o que estava batendo em terror contra meu peito. Meu coração, meu espírito, minha alma – seja como for que você quer chamar – estava gritando para mim corra! Sai daí! Vá! Eu senti a pressão da terra como se não fosse um buraco no chão, mas ao invés disso estivesse preenchido, me cobrindo... me sufocando... me prendendo. Minha respiração estava ficando cada vez mais rápida. Eu sabia que eu devia estar hiperventilando, mas eu não conseguia me impedir. Eu queria me afastar do buraco que serpenteava dos meus pés para dentro da escuridão, mas tudo que eu consegui fazer foi dar um passo tropeçado para trás. Eu não conseguia fazer meus pés fazerem o que eu estava mandando! Pontos de luz brilhavam em meus olhos, me cegando, enquanto tudo mais começava a ficar cinza. Então eu estava caindo... caindo...

3 comentários:

  1. Minha nossa!! Quase morri de rir kkkkkkkkk
    Foi a cena mais engraçada que eu ja li na minha vida...
    Ri tanto que chorei..kkkkk
    Zoey sua loka!!

    ResponderExcluir
  2. Acho que isso com a terra está relacionado a ligação dela com o Kalona

    ResponderExcluir
  3. A Stevie não sabe disfarçar que tá aprontando né ushuash

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!