6 de outubro de 2015

Capítulo 4 - Aphrodite

— Sério, Erce, eu só vou dizer isto mais uma vez. Eu não me importo com as suas regras estúpidas. Zoey está lá. — Aphrodite parou e apontou uma bem-cuidada unha para a porta de pedra fechada. — E isso significa que eu vou lá.
— Aphrodite, você é humana - que não é ainda a consorte de um vampiro. Você não pode simplesmente irromper na Câmara do Alto Conselho com toda a sua juvenil histeria mortal, especialmente durante um momento de crise como este. — A vampira deu um gélido olhar em Aphrodite com seu confuso cabelo, rosto coberto de lágrimas e olhos vermelhos. — O Conselho vai convidá-la para se juntar a eles. Provavelmente. Até então, você tem que esperar.
— Eu não sou histérica. — Aphrodite falou as palavras lentamente, distintamente, e com forçando a calma, tentando compensar totalmente o fato de que a razão pela qual ela havia sido deixada de fora da Câmara do Alto Conselho quando Stark, seguido por Darius, Damien, as Gêmeas, e até mesmo Jack, tinha levado o corpo sem vida de Zoey foi inteiramente porque tinha sido exatamente do que Erce a tinha chamado — uma humana histérica. Ela não tinha sido capaz de acompanhar o resto deles, especialmente desde que ela tinha chorado tanto que o muco e as lágrimas impediam-na de respirar ou ver. Até o momento tinha estado junto deles, mas a porta tinha sido fechada em seu rosto, com Erce atuando como uma porteira de merda.
Mas Erce estava super errada se ela achava que Aphrodite não sabia como lidar com uma adulta pé-no-saco mandona. Ela foi criada por uma mulher que fazia Erce parecer com Mary Fodida Poppins. 
— Então você acha que eu sou apenas uma criança humana, não é? — Aphrodite invadiu espaço pessoal da vampira, fazendo Erce dar um passo para trás automaticamente. —Pense novamente. Eu sou uma profetisa de Nyx. Lembra-se dela? Nyx - como em sua Deusa, que é o seu chefe. Eu não preciso ser um sangue-móvel para ter o direito de recorrer perante o Alto Conselho. A própria Nyx me deu este direito. Agora mova o inferno fora do meu caminho!
— Embora ela pudesse ter formulado mais educadamente, a criança marcou um ponto, Erce. Deixe-a passar. Eu vou assumir a responsabilidade pela sua presença se o Conselho desaprovar. 
Aphrodite sentiu os pequenos pelos ao longo de seus braços levantarem conforme a voz suave Neferet surgiu por trás dela. 
— Não é habitual — disse Erce, mas a sua rendição já estava evidente. 
— Também não é habitual que a alma de um calouro seja quebrada — disse Neferet. 
— Eu tenho que concordar com você, Sacerdotisa. — Erce afastou e abriu a porta de pedra grossa. — E agora você é responsável por essa presença humana na Câmara.
— Obrigado, Erce. Isso é gracioso de você. Ah, e eu mandei alguns dos Guerreiros do Conselho entregarem algo aqui. Assegure-se de permiti-los passar, também, você faria o favor?
Aphrodite sequer olhou para trás quando Erce murmurou um previsível: — Claro, Sacerdotisa. — Ao invés disso, ela caminhou para dentro do prédio antigo.
— Não é estranho que, mais uma vez, somos aliadas, criança? — A voz de Neferet seguiu logo atrás dela.
— Nós nunca vamos ser aliadas, e eu não sou uma criança — Aphrodite disse sem olhar para ela ou abrandar. O hall de entrada abriu para um anfiteatro enorme de pedra que se espalhou em torno dela de forma circular fila após fila. Os olhos de Aphrodite foram imediatamente ao vitral elaborado diretamente diante dela que representava Nyx, emoldurado por um brilhante pentagrama, graciosos braços erguidos e cobrindo a lua crescente. 
— É realmente lindo, não é? — A voz Neferet era de fácil conversa. — Vampiros sempre foram responsáveis pela criação das maiores obras de arte do mundo.
Aphrodite ainda se recusava a olhar para a ex-Alta Sacerdotisa. Em vez disso, ela deu de ombros. — Vamps têm dinheiro. O dinheiro compra coisas bonitas, sejam elas feitas por seres humanos ou não-humanos. E você não sabe com certeza se vamps fizeram esta janela. Quero dizer, você está velha, mas não tão velha. — Enquanto Aphrodite tentava ignorar a suavidade de Neferet, o riso condescendente, seu olhar moveu-se para o centro da câmara. No início, ela realmente não compreendeu o que estava vendo e, quando ela começou a entender, foi como se alguém tivesse dado um soco em seu estômago.
Havia sete tronos de mármore esculpidos na imensa plataforma levantada que compunham o piso interno da câmara. Vampiros estavam sentados no trono, mas não foram eles que chamaram a atenção de Aphrodite. O que ela não conseguia parar de olhar era Zoey, deitada no estrado em frente ao trono como um cadáver estendido sobre uma laje funerária. E então tinha Stark. Ele estava de joelhos ao lado de Zoey. Ele se virou apenas o suficiente para que Aphrodite pudesse ver seu rosto. Ele não emitiu nenhum som, mas as lágrimas caíam livremente por seu rosto e encharcavam sua camisa. Darius estava de pé ao lado dele, e ele estava dizendo algo que ela não conseguia ouvir à morena sentada no primeiro trono cujo cabelo era grosso com listras cinza. Damien, Jack, e as Gêmeas foram amontoados, tipicamente como ovelhas, em uma linha próxima aos bancos de pedra. Eles estavam gritando, muito, mas em voz alta, suas lágrimas bagunçadas eram tão diferentes da miséria silenciosa de Stark como era o oceano de um balbuciante riacho. 
Aphrodite automaticamente avançou, mas Neferet agarrou seu pulso. O que finalmente a fez olhar para sua antiga mentora.
— Você realmente deve me deixar ir — Aphrodite disse suavemente. 
Neferet levantou uma sobrancelha.
— Você finalmente aprendeu a elevar-se à sua figura de mãe?
Aphrodite deixou queimar a raiva em silêncio dentro dela.
— Você não é a figura da mãe de ninguém. E eu aprendi a enfrentar as cadelas há muito tempo.
Neferet franziu a testa e soltou seu pulso. — Nunca gostei de sua linguagem vulgar.
— Eu não sou vulgar, sou verdadeira. Duas coisas diferentes. E você acha que eu me importo se você gosta ou não? — Neferet respirou para responder, mas Aphrodite a cortou. — O que diabos você está fazendo aqui?
Neferet piscou surpresa. — Estou aqui porque há uma caloura ferida aqui.
— Oh, que merda essa! Você só está aqui porque de alguma forma você vai conseguir algo que você deseja. Assim é como você trabalha, Neferet, quer eles saibam ou não. — Aphrodite apontou o queixo para os membros do Alto Conselho.
— Tenha cuidado, Aphrodite. Você pode precisar de mim em um futuro muito próximo.
Aphrodite segurou o olhar de Neferet e sentiu uma sensação de choque quando ela percebeu que seus olhos tinham mudado. Eles já não eram verde-esmeralda brilhantes. Eles tinham escurecido. Era vermelho que brilhava profundamente no meio deles? Tão rapidamente como o pensamento veio a Aphrodite, Neferet piscou. Seus olhos clarearam e mais uma vez as cores eram das caras pedras preciosas.
Aphrodite deu um suspiro trêmulo, e os pequenos pelos nos braços levantaram novamente, mas a voz dela era lisa e sarcástica quando disse: — Tudo bem. Eu vou pegar minhas chances, sem sua 'ajuda'. — Ela gesticulou no ar em torno da última palavra.
— Neferet, o Conselho reconhece você!
Neferet virou para enfrentar o Conselho, mas antes que ela descesse as escadas para eles, ela parou e fez um gesto gracioso, que incluía Aphrodite. 
— Peço que o Conselho permita a presença dessa humana. Ela é Aphrodite, a criança que afirma ser profetisa Nyx.
Aphrodite contornou Neferet e olhou diretamente de um membro do Conselho a outro. — Não tenho a pretensão de ser uma profetisa. Eu sou Profetisa de Nyx porque a Deusa quer que eu seja. A verdade é que, se eu tivesse uma escolha sobre isso, eu não ia querer o trabalho. — Ela continuou falando, apesar de vários membros do Conselho terem ofegado em choque. — Oh, e somente PS: Eu não estou dizendo nada que Nyx já não saiba.
— A Deusa acredita em Aphrodite apesar dela não estar completamente certa sobre si mesma — disse Darius.
Aphrodite sorriu para ele. Ele era mais do que seu grande e quente, Guerreiro das montanhas. Ela podia contar com Darius; e ele sempre via o melhor dela. 
— Darius, por que você fala por esta humana? — Perguntou a morena.
— Duantia, eu falo por esta Profetisa — ele enunciou seu título com cuidado, — porque prometi-me a ela como seu Guerreiro.
— Seu Guerreiro? — Neferet não poderia guardar o choque de sua voz. — Mas isso significa que...
— Isso significa que posso não ser completamente humana pois é impossível para um vampiro Guerreiro realizar o Juramento de Guerreiro com uma humana — Aphrodite terminou para ela.
— Você pode entrar na Câmara, Aphrodite, Profetisa de Nyx. O Conselho reconhece você — proclamou Duantia. 
Aphrodite, correu pelas escadas, deixando Neferet seguir atrás dela. Ela queria ir direto para Zoey, mas o instinto a fez parar na frente da morena chamada Duantia primeiro. Ela formalmente empunhou sua mão, apertou-a sobre o coração, e se inclinou respeitosamente. — Obrigado por me deixar entrar aqui.
— Esses momentos extraordinários exigem-nos aceitar práticas incomuns. — Isto veio de uma alta, magra vampira que tinha olhos da cor da noite.
Aphrodite não estava certa do que dizer à vamp, então ela apenas balançou a cabeça e moveu-se para Zoey. Ela deslizou sua mão na de Darius e apertou com força, tentando pegar um pouco da surpreendente força de seu Guerreiro. Então ela olhou para sua amiga.
Ela não tinha imaginado isso. As tatuagens de Zoey realmente tinham sumido! A única Marca que permaneceu era a tão comum lua crescente em safira no meio da testa. E ela estava tão malditamente pálida! Zoey parecia morta. Aphrodite parou o pensamento imediatamente. Zoey não estava morta. Ela ainda estava respirando. Seu coração ainda estava batendo. Zoey. Não. Estava. Morta.
— A Deusa não revela nada a você quando você olha para ela, Profetisa? — perguntou a alta e magra mulher que tinha falado com ela antes.
Aphrodite largou a mão de Darius e lentamente ajoelhou ao lado de Zoey. Ela olhou para Stark em seguida, visto que ele estava ajoelhado diretamente na frente de Z, mas ele não se mexeu. Ele quase não piscava. Tudo o que ele fazia era chorar em silêncio e olhar fixamente para Zoey. É isso que Darius faria se acontecesse alguma coisa comigo? Aphrodite sacudiu longe este pensamento mórbido e novamente concentrou-se em Zoey. Lentamente, ela estendeu sua mão e encostou-a no ombro de sua amiga.
Sua pele estava fria ao toque, como se já estivesse morta. Aphrodite esperou que algo acontecesse. Mas ela não teve sequer o menor indício de uma visão ou um sentimento ou qualquer outra coisa.
Com um suspiro de frustração, Aphrodite abanou a cabeça. — Não. Eu não posso dizer nada. Eu não consigo controlar minhas visões. Elas somente me atingem, se eu quiser ou não, e a verdade é que, geralmente é o caso de não querer.
— Você não está usando todos os dons que Nyx lhe deu, Profetisa.
Surpresa, Aphrodite olhou por cima de Zoey para ver que a vampira de olhos escuros tinha levantado, e estava graciosamente se aproximando dela. 
— Você é uma verdadeira Profetisa de Nyx, não é? — Perguntou ela. 
— Sim, eu sou — disse Aphrodite sem hesitação, entretanto igualmente dividida entre confusão e convicção.
Agitando seu manto de seda da cor do céu noturno, a mulher se ajoelhou ao lado de Aphrodite.
— Eu sou Thanatos. Você sabe o que meu nome significa?
Aphrodite abanou a cabeça, desejando que Damien estivesse sentado perto, para que ela pudesse espreitá-lo pela resposta.
— Significa morte. Eu não sou Líder do Conselho. Duantia que tem esta honra, mas eu tenho o privilégio único de estar excepcionalmente perto de nossa Deusa, visto que o presente que ela me deu há muito tempo era a capacidade de ajudar as almas enquanto elas passam deste mundo para o próximo.
— Você pode falar com fantasmas?
O sorriso de Thanatos transformou seu severo e a fez quase bonita.
— De certa maneira, sim, eu posso. E por causa desse dom, eu sei algumas coisas sobre visões.
— Sério? Visões não são nada como falar com fantasmas.
— Não são? De que reino suas visões vêm? Não, talvez mais precisamente, em que reino você existe quando recebe suas visões? 
Aphrodite pensou em como ela tinha muitas malditas visões de morte e como ela começou realmente vendo a merda que estava acontecendo a partir dos pontos de vista de pessoas mortas. Ela atraiu uma respiração rápida, e em um ímpeto de compreensão, admitiu: — Estou recebendo visões do Outromundo!
Thanatos assentiu.
— Você transita com o Outromundo e o reino dos espíritos muito mais do que eu, Profetisa. Tudo que eu faço é guiar os mortos durante sua transição, e através deles eu vislumbro o Outromundo.
Aphrodite olhou rapidamente para baixo junto a Zoey.
— Ela não está morta.
— Não, ainda não. Mas seu corpo não vai durar mais de sete dias, neste estado sem alma, por isso ela está perto da morte. Perto o suficiente para que o Outromundo exerça um forte domínio sobre ela, ainda mais forte que ele tem sobre os recém-falecidos. Toque-a novamente, Profetisa. Desta vez concentre-se e use mais dos dons que você recebeu.
— Mas eu...
Irritada o suficiente, Thanatos a cortou.
— Profetisa, faça o que Nyx quer que você faça.
— Eu não sei o que é isso!
A expressão severa de Thanatos relaxou, e ela sorriu de novo.
— Oh, criança, simplesmente peça por sua ajuda.
Aphrodite piscou.
— Exatamente como isso?
— Sim, profetisa, exatamente como isso.
Lentamente, Aphrodite colocou sua mão atrás sobre o frio ombro de Zoey. Desta vez, ela fechou os olhos e exalou três longas e profundas respirações, tal como tinha visto Zoey fazer antes de lançar o círculo. Então ela enviou uma silenciosa, mas fervorosa oração até Nyx: “Eu não ia perguntar se isso não fosse importante, mas você já sabe, porque você sabe que eu não gosto de pedir favores. Para ninguém. Além disso, eu não sou muito boa nesta merda de súplica, mas você já sabe disso também.” Aphrodite suspirou internamente. “Nyx, eu preciso de sua ajuda. Thanatos parece pensar que eu tenho algum tipo de ligação com o Outromundo. Se isso for verdade, você poderia por favor me deixar saber o que está acontecendo com Zoey?” Ela fez uma pausa em sua oração silenciosa, suspirou, e abriu-se para Nyx. “Deusa, por favor. Não é simplesmente porque Zoey é como a irmã que minha mãe foi muito egoísta para me dar. Preciso de sua ajuda com isso porque muitas pessoas dependem de Zoey, e, infelizmente, isso é mais importante do que eu.”
Aphrodite sentiu um calor começar a formar em sua palma, e então era como se ela tivesse escorregado de seu próprio corpo e deslizado no de Zoey. Ela esteve dentro de sua amiga apenas por um momento — não mais do que um batimento cardíaco — mas o que ela sentiu e viu e soube a chocou tanto que, no instante seguinte, ela encontrou-se de volta em seu próprio corpo. Ela embalou a mão que tinha sido pressionada contra Zoey em seu peito, ofegando de medo. Então, com um gemido, ela dobrou com vertigem, arfando enquanto as lágrimas e saliva expeliam de seu rosto.
— O que é, Profetisa? O que você vê? — Thanatos pediu calma enquanto ela limpava a face de Aphrodite e firmou-a com uma mão forte ao redor de sua cintura. 
— Ela se foi! — Aphrodite reprimiu o soluço e começou a reunir suas forças. — Eu senti o que aconteceu com ela. Só por um segundo. Zoey jogou todo o poder do espírito em Kalona. Ela tentou pará-lo com tudo dentro dela, e ela não conseguiu. Heath morreu na frente dela. E seu espírito rasgou em pedaços. — Sentindo estranhamente tonta, olhou desesperadamente em meio às lágrimas para Thanatos. — Você sabe onde ela está, também, não é?
— Eu acredito que sei. Você deve confirmar isso, apesar de tudo.
— Os fragmentos de seu espírito estão com os mortos no Outromundo — Aphrodite disse, piscando com força contra o ardor dos olhos vermelhos. — Zoey está completamente desesperada. O que aconteceu lá fora, ela simplesmente não pode lidar com isso - ela ainda não pode.
— Você não viu nada mais? Nada que possa ajudar Zoey?
Aphrodite engoliu a bile que subia de volta, e ergueu a mão trêmula. — Não, mas vou tentar de novo e...
Darius a tocou segurando seu ombro e a impediu de tocar Zoey.
— Não. Você ainda está muito fraca da quebra de seu Imprint com Stevie Rae.
— Isso não importa. Zoey está morrendo!
— É importante. Você quer que sua alma torne-se como a de Zoey? — Thanatos disse calmamente.
Aphrodite sentiu uma pontada de novo terror. — Não — ela sussurrou, e cobriu a mão de Darius com sua própria. 
— E é exatamente por isso que é lamentável que frequentemente sejam dados aos jovens grandes dons por nossa amorosa Deusa. Eles raramente têm a maturidade para discernir como usá-los com sabedoria — disse Neferet. 
Junto ao som da voz indiferente e condescendente de Neferet, Aphrodite viu uma sacudida atravessar o corpo Stark, e seu olhar finalmente levantou de Zoey. 
— Este monstro não deve ser permitido aqui! Ela fez isso! Ela matou Heath e despedaçou Zoey! — Stark soava como se ele tivesse moendo as palavras em cascalho para falar-lhes.
Neferet lhe lançou um frio olhar. — Eu percebo que você está sob pressão, mas não pode ser permitido a falar de uma Alta Sacerdotisa desta forma, Guerreiro. 
Stark subiu em seus pés. Darius, sempre rápido como um relâmpago, segurou-o de volta. Aphrodite o ouviu sussurrar com urgência, — Pense antes de agir, Stark!
— Guerreiro — Duantia se dirigiu a Stark, — você estava presente quando o garoto humano foi morto, e a alma de Zoey despedaçada. Você tem suportado testemunho para nós que foi o imortal alado que cometeu a ação. Você não disse nada de Neferet.
— Pergunte a qualquer um dos amigos de Zoey. Ligue para Lenobia e Dragon Lankford na House Of Night em Tulsa. Todos eles vão te dizer que Neferet não precisa estar fisicamente presente para causar a morte de alguém — disse Stark. Ele livrou-se da mão imobilizante de Darius e golpeou colericamente seu próprio rosto como se agora mesmo prestou atenção que tinha estado chorando. 
— E-ela pode fazer coisas realmente horríveis acontecerem, mesmo quando ela não está lá — falou Damien hesitante para toda a sala.
As Gêmeas e Jack, em lágrimas acenaram vigorosamente em seu apoio. 
— Não há nenhuma prova de que Neferet tenha uma mão no presente feito — disse Duantia suavemente para todas elas.
— Não é possível dizer o que aconteceu com Heath? Não foi possível falar com o seu fantasma ou o que seja e descobrir? — Aphrodite pediu a Thanatos, que havia retornado ao seu trono quando Neferet tinha começado a falar. 
— O espírito do humano não espera neste reino, e antes da partida, certamente não me procurou — disse Thanatos.
— Onde está Kalona! — Stark ignorou todos os outros e gritou a Neferet. — Onde você está escondendo seu amante, que causou isso?
— Se você quer dizer o meu consorte imortal, Erebus, é exatamente por isso que eu vim ao Conselho. — Neferet virou as costas para Stark e falou apenas para os sete membros do Conselho. — Eu também senti a alma de Zoey quebrar. Eu estava andando no labirinto e me preparando mentalmente para me afastar da Ilha de São Clemente pelo que poderia ser um longo tempo.
Neferet teve que fazer uma pausa porque Stark inspirou sarcasticamente e disse: — Você e Kalona planejaram para dominar o mundo a partir de Capri. Então, não, você provavelmente não vai voltar aqui no futuro próximo, a menos que seja para soltar bombas no local.
Darius tocou em seu ombro novamente em um silencioso aviso para ser cuidadoso, mas Stark livrou-se dele.
— Eu não nego que Erebus e eu gostaríamos de trazer de volta os tempos antigos, quando vampiros governaram desde Capri, e o mundo reverenciou-nos e respeitou-nos, como nos era devido — Neferet começou a abordá-lo. — Mas eu não iria destruir a ilha ou este Conselho. Na verdade, eu gostaria de seu apoio.
— Você quer dizer o seu poder, e agora que Zoey está fora do caminho, você terá uma melhor chance de conseguir isso — disse Stark. 
— Sério? Eu entendi mal o que se passou entre sua Zoey e o meu Erebus mais cedo hoje nesta mesma Câmara do Conselho? Ela admitiu que ele era um imortal procurando uma deusa para servir.
— Ela nunca nomeou-o como Erebus! — Stark gritou.
— E o meu imortal Erebus gentilmente nomeou-a como falível, em vez de uma mentirosa — disse Neferet.
— Então o que você fez, Neferet? Forçou-o a matar Heath e destruir a alma de Zoey porque você estava com ciúmes do vínculo entre eles? — Disse Stark, embora fosse evidente para Aphrodite que era difícil para ele admitir que tinha havido tanto entre Zoey e Kalona.
— Claro que não! Use sua mente e não seu patético coração quebrado, Guerreiro! Zoey poderia ter forçado você a matar um inocente por ela? É claro que ela não poderia. Você é seu Guerreiro, mas você ainda tem livre-arbítrio, e você ainda está vinculado a Nyx, então por fim você deve fazer a vontade da Deusa. — Sem permitir que Stark falasse, ela virou para o Conselho. — Como eu estava explicando, eu senti a alma de Zoey quebrar e estava voltando para o palácio quando deparei-me com Erebus. Ele estava gravemente ferido e quase inconsciente. Houve tempo apenas para ele dizer as palavras: 'Eu estava protegendo minha Deusa', e então ele se foi. 
— Morte de Kalona? — Aphrodite não conseguia parar de se dizer. 
Em vez de responder a ela, Neferet virou-se para olhar para a entrada da Câmara. De pé havia quatro Guerreiros do Conselho carregando entre eles uma maca que cedeu com o peso de seu ocupante. Uma asa negra tombou ao lado da maca e foi arrastada no chão. 
— Traga-o para a frente! — Neferet ordenou. 
Lentamente, eles desceram as degraus até que eles colocaram a maca no chão em frente ao estrado. Stark e Darius automaticamente colocaram-se juntos de pé entre corpo de Zoey e Kalona. 
— É claro que ele não está morto. Ele é Erebus, um imortal — Neferet começou em sua familiar e arrogante voz, mas depois parou, e em um soluço disse — Ele não está morto, mas como vocês podem ver, ele se foi!
Quase como se ela não se controlasse, Aphrodite se levantou e se aproximou de Kalona. Darius estava ao seu lado em um instante.
— Não. Não toque-o — ele advertiu. 
— Quer nós o chamemos de Erebus ou não, é óbvio que este é um antigo imortal. Por causa do poder no seu sangue, a Profetisa não será capaz de entrar em seu corpo, mesmo que o seu espírito não esteja presente. Ele não possui o mesmo perigo que sua Zoey, Guerreiro — disse Thanatos. 
— Eu estou bem. Deixe-me tentar e ver o que posso encontrar — Aphrodite disse a Darius. 
— Eu estou aqui com você. Eu não vou deixar você ir — disse ele, tomando-lhe a mão e andando com ela para Kalona. 
Aphrodite podia sentir a tensão irradiando pelo corpo de seu Guerreiro, mas ela exalou mais três longas e profundas respirações e concentrou-se em Kalona. Hesitando apenas um instante, Aphrodite estendeu e pôs sua mão em seu ombro, assim como tinha feito com Zoey. Sua pele era tão fria ao toque que ela tinha que se esforçar para não se afastar. Em vez disso, Aphrodite fechou os olhos. “Nyx? Uma vez mais, por favor. Apenas deixe-me saber de uma coisa... qualquer coisa para ajudar a todos nós.” Então a silenciosa oração de Aphrodite terminou com o pensamento de que se solidificou sua ligação com a Deusa e finalmente a fez uma verdadeira Profetisa em seu próprio direito. “Por favor, me use como uma ferramenta para ajudar a combater as trevas e a seguir seu caminho.”
Sua palma da mão aqueceu, mas Aphrodite não precisava entrar nele para dizer que Kalona tinha ido embora. Escuridão — disse ela — e com uma sacudida ela percebeu que deveria pensar nele com E maiúsculo. Isso foi uma coisa em direito próprio — uma entidade grande e poderosa e vivendo. Isto estava em toda parte. Abrangendo completamente o corpo do imortal. Aphrodite teve uma imagem muito clara de uma escura teia, como se fosse fiada por uma enorme e invisível aranha. Estes pegajosos fios negros foram tecidos em volta de seu corpo — segurando-o — acariciando-o — prendendo-o fortemente, como se fosse uma visão distorcida de custódia, pois era óbvio que o corpo do imortal estava aprisionado — exatamente tão óbvio como o fato de que por dentro seu corpo estava completamente vazio.
Aphrodite suspirou e retirou sua mão rapidamente de sua pele, esfregando-a contra sua coxa como se a teia negra tivesse infectado-a, também. Ela caiu contra Darius quando seus joelhos cederam.
— Isto é como o interior de Zoey — disse ela, enquanto seu Guerreiro levantou-a em seus braços, propositalmente sem revelar que o corpo Kalona era basicamente refém. — Ele não está mais aqui, também.

2 comentários:

  1. Está partindo meu coração ver a reação de todo mundo ao que aconteceu com a Zoey, e ao mesmo tempo é lindo ver o quanto ela é querida *--*

    ResponderExcluir
  2. Meu deus, aainda não tô acreditando.
    Chorei horrores.
    /Jackeline

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!