4 de outubro de 2015

Capítulo 33

— Olha o nome — Disse irmã Mary Angela serenamente.
Darius já tinha desmontado e estava ajudando Aphrodite e as Gêmeas a descer. Damien não tinha esperado por ajuda, mas desmontou quase tão rapido quanto eu, estava parado perto de mim.
— Sacerdotisa — Darius se dirigiu a Irmã Mary Angela — você, por acaso, não mantém armas de fogo na abadia, mantém?
A risada dela soava completamente deslocada, mas ainda sim reconfortante. — Oh, guerreiro, é claro que não.
— Não há o bastante de nós para lutar com eles, mas temos o círculo — Darius disse enquanto estudava as árvores cheias de aves. — Se você ficar nele, estará segura. — Darius tinha razão, é claro. Nosso círculo estava intacto. Embora estranhamente fora de centro, o fio prateado que nos ligava juntos ainda brilhava entre nós.
— Eu vou correr de volta para a House of Night e trazer ajuda — Darius disse.
Eu ouvi a frustração na voz dele. Que ajuda ele ia trazer? Eu não tinha visto nenhum dos irmãos guerrerios dele desde que entramos no território da escola. Dragon era ótimo com uma espada, mas mesmo ele não seria capaz de lutar com os Corvos Escarnecedores. As árvores que faziam fronteira com a Rua Twenty-first lateralmente a abadia estavam cheias de formas negras. Já gemendo debaixo do gelo abundante, o peso adicional dos Corvos Escarnecedores era mais estresse do que qualquer um deles pudesse aguentar, e o barulho dos membros de quebrando era tão terrivel quanto o barulho dos corvos.
— Hey, eu ouvi que vocês precisam de ajuda.
Na minha vida toda, eu nunca tinha ficado tão feliz por ouvir qualquer voz quanto eu fiquei no momento que ouvi o sotaque de Stevie Rae. Eu a abracei com força, sem me importar com os segredos que ela estava mantendo de mim, na alegria de ver ela segura. Dando um suspiro de alívio, eu vi os calouros vermelhos sairem da escuridão atras dela.
— Eles são nojentos! — Kramisha disse, fazendo careta para os Corvos Escarnecedores.
— Vamos chutar o traseiro deles — Johnny B disse, parecendo cheio de testosterona e músculos.
— Eles são mesmo nojentos, mas não estão fazendo nada a não ser nos observar — disse uma voz familiar.
— Erik! — eu gritei. Sorrindo, Stevie Rae me soltou, e Erik me puxou em seus braços fortes.
Houve um borrão a minha direita e Jack se jogou em Damien.
Eu olhei para Erik, e mesmo no meio da confusão que estavamos, eu desejei poder ser simples e facil entre nós dois. Naquele instante eu desejei que pudesse ser só Erik e eu, ao invés de Erik e Stark e Kalona e Heath...
— Heath? — eu perguntei, saindo do abraço dele.
Erik suspirou e jogou o quiexo de volta para o predio da abadia. — Ele está lá. Ele está bem.
Eu sorri um pouco timida e não sabia o que dizer.
— Zoey, Kalona estará aqui em breve. A razão para os Corvos Escarnecedores não atacarem é porque não estamos tentando mais fugir. Eles só estão observando por ele. Não esqueça o que você tem que fazer — a voz de Darius quebrou o momento constrangedor entre Erik e eu.
Eu acenei e virei para a Irmã Mary Angela. — Kalona vai nos seguir pra cá. Lembra que eu disse que ele é imortal?
— Um anjo caído — ela disse, acenando.
— E lembra o que eu disse sobre nossa Alta Sacerdotisa? Bem, ela com certeza virou má, e tenho certeza que ela estará com ele. Eles são igualmente perigosos.
— Eu entendo.
— Então, ele não pode ser morto, mas eu acho que sei como afastar ele daqui, e com sorte, Neferet ira com ele. Mas preciso da sua ajuda.
— O que eu tiver é seu — Mary Angela disse.
— Bom. O que eu preciso é você — eu disse a ela, então eu virei para Stevie Rae. — E você.
Aphrodite foi para o meu lado. — E eu — ela disse.
— E eu vou precisar da vovó. Eu sei que vai ser dificil para ela, mas eu preciso dela aqui, ou pelo menos onde for o centro desse poder que eu sinto ao nosso redor.
— Kramisha, criança, você poderia pegar a avó de Zoey?
— Sim, senhora — Kramisha disse, e se afastou com pressa.
— A Gruta de Maria é a semente de nosso poder. — Irmã Mary Angela apontou para trás de mim para o lado onde quer que fosse que estavamos parados – um lugar que estava entre nós, a noroeste de um recém cortado gramado, e um bosque de árvores.
Eu virei para ver para o que ela estava apontando e arfei em surpresa, me perguntando como eu não notei antes. Era o maior santuário que eu já tinha visto. Era feito de pedaços grandes de pedra de areia de Oklahoma. Cada pedra tinha sido escolhida cuidadosamente para caber contra seu vizinho. Era na forma de tigela, me lembrando de figuras que eu tinha visto de um famoso teatro ao ar livre. Havia um banco parado dentro dele, assim como várias rochas passando pela curva dentro de vários lugares, e cada superficie disponivel estava coberta com velas, para que o santuário inteiro brilhasse com a luz de velas e o gelo. Enquanto eu andava em direção dele, eu olhei para o topo graciosamente arqueado, que se esticava vários centímetros acima da minha cabeça, e suguei o ar. Ali, perto da parte mais alta da estrutura, havia a estatua mais linda de Maria que eu já tinha visto. O rosto dela estava sereno numa reza, quase sorrindo enquanto ela olhava para cima. E aos pés dela várias rosas torcidas ao redor dela como se tivessem dado a luz a ela. Eu estudei o rosto de Maria e senti meu coração dar uma pequena batida gaguejada. Eu reconhecia essa Maria. Como eu não reconheceria? Ela apareceu para mim dias antes em forma da minha deusa.
— Eu posso sentir o poder desse lugar — Aphrodite disse.
— Wow, a estátua de Maria é realmente, realmente bonita — Jack disse. Ele e Damien estavam de mãos dadas e olhando para cima.
— Olhe a calçada – é perfeita — Stevie Rae disse.
Eu olhei para baixo. A calçada que levava de onde tínhamos deixado os cavalos mudou quando eu alcancei a frente do santuário. Aqui ficava maior e formava um círculo. Eu sorri para Stevie Rae. — É definitivamente perfeito.
— O que você precisa que a gente faça, Zoey? — Irmã Mary Angela perguntou, mas antes de eu poder responder, o barulho de motor chamou a atenção de todos de volta para as árvores cheias de pássaros e a estrada além.
Com um medo crescente, eu observei o grande Hummer preto, aquele com que eu tinha sido levada de volta a escola, sair da estrada. Acelerando seu motor, o veículo se lançou numa vala, então para o lado e fez seu caminho através dar árvores, fazendo os Corvos Escarnecedores baterem suas asas e grasnando em um frenesi de encorajamento.
— Irmã, fique perto de mim — eu disse. — Aphrodite, Stevie Rae, eu preciso de vocês ao meu lado também.
— Estamos aqui — Aphrodite disse enquanto Erik e Darius saiam do caminho e as duas se moviam para se posicionar ao meu lado.
— Eu preciso de vovó — eu disse.
— Ela está vindo. Não tema. — Irmã Mary Angela disse.
Finalmente, o Hummer parou, tão perto dos cavalos que eles bufaram e se fastaram até eles estarem parados debaixo da rua. As portas do veiculo se abriram, e Kalona e Neferet saíram juntos. Ela estava usando só preto – um vestido de seda com um decote que mergulhava para expor o pingente de asas de ônix descansando entre os seios dela. Uma aura negra pulsou ao redor dela, fazendo o cabelo grosso dela se erguer e se mover ao redor dos ombros dela.
— Puta merda — Aphrodite sussurrou.
— Yeah, eu sei — eu disse amargamente.
Kalona parou do lado dela. Ele estava usando calças pretas e mais nada. Enquanto ele se afastava do Hummer com Neferet, as asas dele se abriram um pouco, mostrando apenas um pouco de sua magnitude.
— Oh, abençoada Maria! — Ao meu lado Irma Mary Angela arfou.
— Não olhe para os olhos dele! — Eu sussurrei para ela. — Ele pode ter um efeito hipnótico nas pessoas. Não deixe ele te afetar.
Ela hesitou, estudando o homem com asas, e então disse — ele não me seduz, mas eu sinto pena dele. Ele certamente caiu.
— Que idade ele parece ter para você? — eu não consegui me impedir de perguntar a ela.
— Antigo. Mais velho que a terra.
Eu não tive tempo para dizer a ela que ele parecia ter 18 para mim; foi nesse momento que o motorista saiu do Hummer e se juntou a Kalona e Neferet. O motorista era Stark. Os olhos dele encontraram os meus instantaneamente, e embora muito levemente, ele curvou sua cabeça para mim.
Eu ouvi o rapido ofegar de surpresa de Stevie Rae e o movimento dos calouros vermelhos atrás de nós.
— Aquele é o garoto que atirou em mim não é? — ela disse.
— Sim — eu disse.
— Ele Mudou — Stevie Rae disse. — Ele é um vampiro vermelho.
— Ele também é a porra de um rato — Aphrodite murmurou, então rapidamente acrescentou — Desculpe, Irmã.
— Não confie nele, Zoey. — A voz de Darius veio diretamente atras de mim. — Você viu onde ele se aliou.
— Darius — Eu disse firmemente, sem virar para olhar para ele. — Você precisa confiar em mim, e isso significa confiar no meu julgamento.
— Às vezes seu julgamento é errado — Erin disse.
— Não quando estou ouvindo Nyx — eu disse.
— Você está ouvindo agora? — Shaunee disse.
Eu encarei Stark, tentando ver qualquer traço de escuridão ao redor dele. Não havia nada – só Stark e o jeito que os olhos dele encontravam os meus firmemente. — Eu estou absolutamente ouvindo Nyx. Agora, formem o círculo ao redor de nós.
Instantaneamente as Gêmeas e Damien se moveram para fora da multidão atrás de mim. Damien andou para a parte leste do cimentando o círculo. Eu senti mais do que vi Shaunee se mover para um lugar atras de mim, e Erin se situar na minha esquerda. Por um segundo eu fiquei preocupada em ter que sair de onde estavam Aphrodite, Stevie Rae, e Irmã Mary Angela e tomar o lugar da terra, mas então eu percebi que a Gruta de Maria estava firmemente posicionado no norte, e que o linda faixa
prateada que ligava nosso círculo agora a incluía.
— Você não pode manter o círculo para sempre — Kalona disse enquando andava devagar em direção ao nosso pequeno grupo. — Eu, por outro lado, posso manter minha perseguição para sempre.
— Meus calouros — Neferet disse, andando ao lado de Kalona e, a não ser pela escuridão que estava ao redor dela, ela parecia linda e serena e muito como uma sacerdotisa. — Vocês deixaram que a busca desvirtuada de Zoey por poder os colocar em uma situação de cocô, mas não é tarde demais para vocês. Vocês precisam simplesmente renunciar ela, fechar o círculo, e serão aceitos de volta no seio de sua Alta Sacerdotisa.
— Se não houvesse uma freira aqui, eu diria o que você pode fazer com o seu nojento seio — Aphrodite disse.
— Não foi Zoey que se voltou contra Nyx — Erin disse.
— Yeah, todos sabemos que foi você. É só que a Zoey foi a primeira a saber — Shaunee disse.
— Veem como as palavras malignas dela mancharam seu julgamento?— Neferet soava triste e muito razoável.
— E o que manchou meu julgamento? — Irmã Mary Angela falou do meu lado. — Eu mal conheço essa criança. As palavras dela não poderiam me manipular, não poderiam me fazer imaginar a escuridão que eu sinto sendo irradiada de você.
A calma expressão de Neferet se quebrou enquanto ela avaliava a freira. — Mulher humana, você é uma tola! É claro que você sente escuridão vinda de mim. Minha deusa é a personificação da noite!
A serenidade da Irmã Ângela não era uma máscara, então a expressão dela não mudou. Ela simplesmente disse, — Não, eu sou familiarizada com Nyx, e embora ela seja a personificação da Noite, ela não se mistura com escuridão. Seja honesta, Sacerdotisa, e admita que você rompeu com sua deusa por essa criatura. — A freira tinha acenado em direção a Kalona, fazendo as dobras escuras de seu hábito ondularem graciosamente. — Nephilium, eu reconheço você. E pelo nome de Nossa Senhora eu falo palavras que você já conhece: Você deveria sair desse lugar e voltar para o lugar de onde você caiu. Se arrependa, e talvez você ainda seja permitido a conhecer a eternidade no paraiso.
— Não fale com ele, mulher! — Neferet gritou, toda a falsa serenidade desaparecida. — Ele é um deus que veio para terra. Você deveria se ajoelhar aos pés dele!
A risada de Kalona foi terrivel, e fez os Corvos Escarnecedores assoviarem enquanto se moviam inquietos ao redor de nós. — Senhoras, não briguem por nós. Eu sou um deus! Tem o bastante de mim para dividir. — Ele falou em resposta a Neferet e Irmã Mary Angela, mas os olhos ambares dele olhavam diretamente para mim.
— Eu nunca estarei com você — eu disse a ele, ignorando todos ao redor de nós. — Minha escolha sempre será pela minha deusa, e você é o oposto de tudo que ela representa.
— Não presuma — Neferet começou, mas Kalona ergueu uma mão e cortou as palavras dela.
— A-ya, você me julga mal. Olhe mais profundamente dentro de si para a virgem que foi criada para me amar.
Algo atrás de mim se mexeu na multidão e eu senti um pequeno puxão que me disse que nosso círculo tinha sido cruzado, o que só podia acontecer se a própria deusa permitisse alguém a passar. Eu queria olhar para trás e ver quem havia se juntado a nós, mas eu não conseguia tirar os olhos do olhar hipnótico de Kalona.
Então a mão dela deslizou na minha e o amor quebrou o feitiço de Kalona. Com um choro de felicidade eu olhei para baixo e vi vovó sentada numa cadeira de rodas que Heath tinha empurrado até mim. Ela parecia como se tivesse passado por uma guerra. O braço dela estava num gesso, e a cabeça dela estava com uma bandagem. O rosto dela ainda estava inchado e machucado, mas o sorriso dela ainda era o mesmo, assim como o doce som da voz dela.
— Eu ouvi que você precisa de mim, minha u-we-tsi-a-ge-ya?
Eu apertei a mão dela. — Vovó, eu sempre preciso de você!
Eu olhei de volta para Heath, que sorriu para mim. — Chute a bunda dele para fora daqui, Zo — ele disse; ele se moveu de volta para se juntar a Erik e Darius.
Vovó, enquanto isso, tinha de alguma forma se levantado. Ela deu dois passos devagar para frente, encarando as arvores e os Corvos Escarnecedores ao redores.
— Oh, filhos das mães das minhas mães! — ela chorou e a voz dela foi carregada como a sonora batida de um tambor tribal pela noite. — O que você permitiu que ele se tornasse? Você não sente o sangue da sua mãe? Você não consegue sentir o coração deles quebrando por você?
Espantada, eu observei vários dos Corvos Escarnecedores viraram suas cabeças, como se fossem incapazes de encarar minha avó. Em outros o brilho vermelho começou a morrer em seus olhos, e eu reconheci dor e confusão em suas profundidades humanas.
— Fique quieta, Ani Yunwiya! — A voz de Kalona rugiu ao nosso redor.
Eu sabia que vovó reconhecia o antigo nome das pessoas Cherokee. Devagar, ela virou sua atenção ao ser alado. — Eu vejo você, Antigo. Você nunca vai aprender? As mulheres tem que novamente se juntar para derrotar você?
— Não dessa vez, Ghigua. Você não vai achar tão fácil me prender dessa vez.
— Talvez dessa vez simplesmente possamos esperar por você mesmo se prender. Somos um povo muito paciente, e você já fez isso antes — vovó disse.
— Mas essa A-ya é diferente — Kalona disse. — A alma dela me chama nos sonhos dela. Não demorara muito antes que o corpo dela me chame, também, e então eu a possuirei.
— Não — eu disse firmemente. — Pensar que você pode me possuir, como um pedaço de propriedade é o seu primeiro erro — eu finalmente admiti em voz alta, e encontrei uma surpreendente força em minha honestidade. — Mas como você disse, eu sou uma A-ya diferente. Eu tenho livre arbítrio, e minha vontade não é me entregar à escuridão. Então, o negocio é o seguinte: Parta agora. Leve Neferet e os Corvos Escarnecedores e vá a algum lugar longinquo onde você possa viver em paz e não ferir mais ninguém.
— Ou? — ele perguntou, parecendo estar se divertindo.
— Ou eu vou, como meu consorte humano disse, chutar sua bunda para fora daqui — eu disse firmemente.
O jeito dele de diversão cresceu e virou um sorriso. — A-ya, eu não acredito que vou sair desse lugar. Eu gosto muito de Tulsa.
— Lembre-se que você mesmo trouxe isso para si — eu disse. Então e falei para as mulheres me cercando. — O poema diz: Juntas não para conquistar, ao invés para superar. Eu sou Noite. Eu te levo para Irmã Mary Angela – ela é o Espirito. — Eu ergui minha mão esquerda e Irmã Mary Angela a segurou firmemente. — Stevie Rae você é Sangue. Aphrodite, você é Humanidade.
Stevie Rae andou até Irmã Mary Angela, e tomou a outra mão da freira, e então ela olhou para Aphrodite, que acenou e apertou a mão entendida.
— O que eles estão falando? — A voz de Neferet veio de mais perto de onde ela estava antes. Eu olhei para cima para ver que ela estava se movendo rapidamente em nossa direção.
— A-ya! Que tolice é essa? — Kalona não soava mais divertido, e ele, também, estava se aproximando do nosso círculo.
— E a Terra completa. — Eu ergui minha mão para vovó.
— Não deixe a Ghigua se juntar a elas! — Kalona gritou.
— Stark! Mate-a — Neferet comandou.
— Não A-ya!— Kalona gritou. — Mate a velha Ghigua.
Eu segurei o fôlego e encontrei os olhos de Stark enquanto Neferet disse — Mate Zoey. Sem erro dessa vez. Mire no coração dela! — Enquanto ela falava, escuridão deslizava das sombras ao redor dela. Se esticando até Stark, eu observei elas o envolverem ao redor dos tornozelos dele e se movendo pelo corpo. Eu vi claramente a luta que estava acontecendo com Stark. O poder negro de Neferet ainda podia afetar ele. Meu estômago se apertou. O juramento de Guerreiro dele para mim seria o bastante para quebrar aquele aperto? Eu queria confiar nele.
Eu decidi confiar nele. Isso tinha sido um erro idiota?
— Não! — Kalona rosnou. — Não mate-a!
— Eu não vou te dividir! — Neferet gritou. O cabelo dela se movia ao redor dela, e ela parecia crescer enquanto eu observava. Eu estava certa por acreditar que ela não era mais o que havia sido, nem em corpo nem em alma. Ela girou de Kalona para Stark. — Com o poder pelo qual te acordei, eu comando que atinja seu alvo. Atire em Zoey no coração!
Eu estava encarando Stark, tentando fazer ele escolher o bem – continuar escolhendo o bem e virar contra a escuridão de Neferet, então eu vi o momento exato que ele entendeu como sair.
Como se eu e ele estivessemos de volta no pequeno quarto na casa do campo de novo, eu me ouvi dizer a ele, Você tem meu coração... e a resposta dele: Então é melhor nós dois ficarmos seguros. Um coração é uma coisa dificil de se viver sem...
— É por isso que não vou errar. — Stark falou através da distância gelada para mim como se eu e ele estivéssemos sozinhos. — As sombras que tinham agarrado o corpo dele foram instantaneamente lavadas dele enquanto ele tomava sua decisão.
E com uma onda de pânico eu entendi o que ele ia fazer.
Mirando diretamente em mim, ele atirou. Enquanto ele soltava a flecha, eu falei, — Ar, fogo, agua, terra, espirito! Me ouçam! Não deixem aquela flecha tocar ele! — Eu lancei meu poder em direção a Stark, canalizando os cinco elementos. A flecha fez uma estranha virada, e de repente não estava indo em minha direção, mas voltando rapidamente em direção a Stark. Ela estava a centímetros do peito dele quando os elementos a explodiram, desintegrando-a com tamanha força que Stark foi atirado para trás e caiu se dobrou, mas não se espetou no chão.
— Sua vadia! — Neferet gritou. — Você não vai ganhar isso!
Ignorando ela, eu ergui minha mão para vovó. — E Terra completa — eu repeti.
Ela tomou minha mão na dela e, juntas, enfrentamos a investida de Kalona e Neferet.
— Não os amaldiçoe. — A voz da Irmã Mary Angela era tão serena que parecia de outro mundo.
— Ele é familiar demias com escuridão e raiva e maldições.
— Uma benção — Stevie Rae disse.
— Yeah, pessoas que são cheias de ódio não sabem como lidar com amor — Aphrodite disse, encontrando meus olhos brevemente e sorrindo.
— Abençoe ele, vovó. Vamos nos juntar a você — eu disse.
Então a voz forte da minha vó saiu, amplificada com o poder do Espírito e Sangue, Noite e Terra, todos juntos através da Humanidade de amor.
— Kalona, meu u-do — ela usou a palavra Cherokee para “irmão.” — Essa é minha benção a você.
Vovó começou a recitar uma antiga benção Cherokee tão familiar para mim que as palavras eram como vir para casa. — Que o calor dos ventos do Céu soprem suavemente no seu caminho para casa..
Vovó continuou. — E o Grande Espirito abençoe todos que entrem lá...
Dessa vez, enquanto repetíamos a benção, Damien e as Gêmeas recitaram conosco. A voz de vovó permaneceu forte e firme. — Que nosso mocassins façam rastros de felicidade em muitas neves...
Quando nossas vozes se ergueram para repetir as palavras de vovó, todos dentro do círculo se juntaram a nós. A benção até mesmo ecoou através de nós, e eu sabia que as freiras Beneditas tinham deixado seu santuário para acrescentar sua reza a nossa.
Enquanto vovó falava a última linha do poema, a voz dela foi preenchida com tamanho amor e calor e completa alegria, que trouxe lágrimas aos meus olhos. — e que o arco-íris sempre toque seus ombros...
Então sob o som de todas as nossas vozes juntas em benção, em ouvi o choro agonizante de Kalona. Ele tinha parado a apenas alguns centímetros de mim. Neferet estava ao lado dele, o rosto lindo dela retorcido em ódio. Ele estendeu uma mão para mim.
— Porque, A-ya? — ele disse.
Eu olhei os olhos incrivelmente ambares dele e o bani com a verdade. — Porque eu escolho amor.
Uma luz cegante, feita do fio prateado brilhante que ligava nosso circulo, passou de mim e foi ao redor de Kalona e Neferet. Eu observei enquanto laço começou a se apertar. Eu sabia que o fio prateado não era feito apenas de elementos, mas também estava fortalecido pela Noite e Espirito, Sangue e Humanidade, e fundado na Terra.
Com um terrível choro, Kalona foi para trás. Neferet se agarrou nele. A escuridão que pulsava dela se retorceu e padeceu enquanto ela encolhia em agonia. Embora ele nunca tenha afastado o olhar do meu olhar, ele envolveu os braços ao redor de Neferet, desdobrando suas fortes, asas da cor da noite, e se ergueu no céu. Ele pairou ali por um momento, antes de bater, como um chicote, e então, ergueu o homem com asas e a Alta Sacerdotisa caída para cima até eles desaparecerem nas nuvens com os Corvos Escarnecedores gritando e o seguindo.
No instante que ele desapareceu de vista, eu senti uma familiar queimação se espalhar no meu peito, e eu sabia que da próxima vez que eu me olhasse no espelho, eu iria ver outra Marca da minha deusa, embora essa fosse estar misturada com cicatrizes, e uma profunda dor de partir o coração.

3 comentários:

  1. foi lindo, quando Nyx visitou Zoey e Aphrodite ela disse que ela teria que escolher entre amor e guerra, acho que é disso que ela estava falando

    ResponderExcluir
  2. Eu sinceramente sinto pena do Kalona. Neferet que se foda, essa vadia podia queimar no inferno.

    ResponderExcluir
  3. Naquela hora que ele fala "— Porque, A-ya?" partiu meu core, não sei porquê :'(

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!