8 de outubro de 2015

Capítulo 28 - Neferet

As sombras estavam agitadas. Algo estava muito errado.
 Leiam o próximo capítulo do livro de sociologia. Tenho assuntos que preciso resolver  Neferet disparou a ordem rispidamente para seus estudantes da quinta aula, que ficaram muito surpresos, e saiu apressada da sala.
Ela se escondeu em um mando de névoa e escuridão para olhos observadores, e professores muito curiosos, não a testemunhassem passar enquanto ela corria para seus aposentos privados. Ao chegar lá, ela rapidamente abriu um corte na sua mão. Deixou o sangue formar uma poça e estendeu a mão em uma oferenda.
 Bebam! Contem-me o que há de errado!
Os filamentos de Trevas se aglomeraram na sua mão, grudando nela como sanguessugas. Enquanto se alimentavam, sussurraram palavras com vozes diferentes que encheram a mente dela.
O Receptáculo não faz nada para impedir a terra
Ao se juntar ao espírito, a visão de morte vai renascer.
 Forcem-no a agir! Façam-no impedir esse maldito ritual!  ela gritou.
Todas as vozes falaram juntas, de modo incompreensível, formando uma confusão na sua mente. Ela fechou a palma da mão e as afastou com bofetada.
 Façam o que eu mandei! Vocês já receberam o seu sangue.
A miríade de vozes murmurantes foi cortada abruptamente quando o espectro do touro branco se materializou no meio dos seus aposentos. A imagem era transparente e não completamente formada, mas a sua voz, poderosa e com irritação óbvia, explodiu na mente dela.
Eu já disse que o seu sacrifício tem que ser equivalente à sua ordem!
Com esforço, Neferet conteve a sua própria raiva e, com palavras doces e conciliadoras, falou para a aparição fantasmagórica:
— Mas o Receptáculo foi um presente seu. Por que seria preciso um sacrifício de uma Alta Sacerdotisa para controlar uma criatura feita pelas Trevas? Eu nem consigo entender por que ele está se desviando da minha ordem.
Quando criei o Receptáculo, eu a avisei que o sacrifício usado para fazê-lo não era perfeito e que, portanto, ele poderia conter imperfeições.
 Bem, recentemente eu comecei a duvidar da inteligência dele.
Pode ser que ele esteja pensando por si mesmo, em vez de não pensar em absolutamente nada.
 Então ele é preguiçoso? Eu dei a ele uma tarefa, e ele não está fazendo nada!  Neferet fez uma pausa, controlou o seu temperamento e então suspirou dramaticamente.  Eu nem me importo tanto comigo, mas parece desrespeitoso a você.
Ah, minha cara impiedosa, fico tocado que a sua preocupação seja em meu favor. Talvez o receptáculo precise ser induzido.
 Se você o induzir, terá minha gratidão  Neferet fez uma reverência profunda para a aparição.
Por você, meus filamentos vão forçar as ações dele. Ainda assim, é preciso um sacrifício apropriado.
Tentando não soar tão irritada quanto se sentia, Neferet disse:
 Muito bem. Qual é o sacrifício necessário?
O Receptáculo é uma besta, portanto uma besta deve ser sacrificada para controlá-lo.
 Uma besta? Um Corvo Escarnecedor?
Não, uma criatura aliada a você tem que ser sacrificada.
Neferet ficou aflita.
 Skylar? Tenho que sacrificar o meu gato?
Se isso a perturba tanto, escolha outro sacrifício. Há muitos felinos neste lugar, não é?
Com essas palavras, o espectro do touro tremulou e então se dissipou. Com um olhar de fria determinação, Neferet pegou a adaga ritual afiada na sua cômoda, abriu a porta dos seus aposentos e começou a chamar o sacrifício perfeito. Não seria Skylar. Ele não era o gato de um guerreiro. A sua morte não ficaria impregnada com a violência adequada. Não, só havia um felino cuja morte iria corresponder a essa necessidade. Disfarçada em névoa e sombras, Neferet deslizou para dentro da noite.


Zoey

Venha, ar, doce e suave toque do sopro de Nyx.

Desde as primeiras palavras do feitiço de Thanatos, eu sabia que este não seria como nenhum outro círculo de que eu já tivesse feito parte.
Em primeiro lugar, a voz da Alta Sacerdotisa havia mudado. Ela não estava gritando nem nada parecido, mas havia algo no ritmo cadenciado do feitiço que emprestava poder à sua voz, de modo que suas palavras pareciam estar vivas e nos rodeando. E depois que ela continuou a falar, aquele poder jorrou para o espaço a nossa volta. Ele ferveu contra minha pele e desceu pelo meu corpo. Eu vi a pele arrepiada do braço de Damien e sabia que os outros também estavam sendo afetados.

Sopre deste lugar as sombras que ocultam o passado
É a penumbra da morte que nós estamos dispostos a ver
Morte revelada através do feitiço deste círculo traçado.

Com um floreio de mãos, Thanatos gesticulou para que Damien levantasse a sua vela. A Sacerdotisa assentiu para mim; eu risquei o fósforo, e disse:
 Ar, por favor, junte-se ao círculo.
Houve uma rajada poderosa e o vento chicoteou e girou em volta de nós, levantando meu cabelo e fazendo o manto de Thanatos tremular.
 Para o fogo  ela falou para mim, e eu andei obedientemente no sentido horário em direção a Shaunee.
Os olhos dela estavam arregalados e ela estava olhando fixamente para trás de nós. Lembrando do aviso de vovó, eu virei rapidamente para trás e arfei de susto. Um fio comprido e incandescente de luz escarlate deslizou a partir de Damien, contornando o círculo e traçando o nosso caminho até Shaunee. Eu estava acostumada com o fio prateado que costumava aparecer quando eu traçava um círculo, mas este era diferente. Sim, era poderoso, mas também parecia agourento. Eu não sabia se Thanatos o tinha visto o não; eu não sabia se aquilo era um bom ou mau sinal, mas eu não queria interromper o feitiço da Alta Sacerdotisa, que já estava começando a invocar o fogo.

Venha, fogo, sua chama deve ser forte, segura e verdadeira
Atinja, queime e destrua o que pode impedir a nossa visão
Force a morte violente a ser revelada para nós de uma nova maneira
Que o seu fulgor iluminado exponha a luz da exatidão.

Depois do gesto de Thanatos, Shaunee levantou a vela vermelha e eu a acendi, dizendo:
 Fogo, por favor, junte-se ao nosso círculo.
Foi como se de repente nós estivéssemos no meio do inferno. Labaredas saíam do corpo de Shaunee, preenchendo o círculo já carbonizado, mas este fogo não somou à destruição. Em vez disso, eu ouvi um som alto de chiado e, de todo lugar que estava morto, uma névoa densa se levantou, como se o fogo tivesse encontrado gelo e não a terra.
Então o ar se juntou ao fogo e as chamas e a névoa subiram ao céu para reluzir e relampejar.
 Raios  a voz de Shaunee saiu baixa e impressionada.  O ar e o fogo misturados estão formando raios.
 Para a água  Thanatos afirmou.
O fio grosso, brilhante e escarlate nos seguiu.
Quando nós paramos na frente de Erin, achei que ela parecia assustada, mas então ela assentiu e disse:
 Pode vir. Estou pronta.
Thanatos falou:

Venha, água, flua no espaço deste circulo por toda a parte
Com uma maré de verdade, lave o tempo da visão roubada
Permitindo que nós vejamos o rosto marcado de lágrimas da morte
Liberte-nos de toda a sujeira do mal com a violência purificada.

Erin levantou sua vela para encontrar o meu fósforo e eu disse:
 Água, por favor, junte-se ao nosso círculo.
Houve um barulho alto, como se de repente tivéssemos sido transportados para o meio de uma cachoeira. A cor da noite mudou para tons brilhantes de azul, turquesa e safira – todas as cores da água. O elemento transbordou dentro do círculo escurecido. A água girou por ali como um redemoinho nervoso e então, como o ar e o fogo, ela jorrou para cima em direção ao céu relampejado. Nuvens se avolumaram em ondas e ficaram turvas. Houve um estrondo de um trovão, que retumbou com tanta ferocidade que eu me encolhi.
— Não  Erin disse rapidamente.  A água não esta brava com a gente.
 Nem o fogo  Shaunee falou.
 Nem o vento  Damien acrescentou.
 Os elementos estão indignados com o ato que foi cometido aqui — Thanatos explicou.  Prepare-se, círculo. Nós vamos para a terra.
Com nuvens carregadas multiplicando-se acima de nós e raios iluminando a tempestade que se formava, eu chequei na frente de Stevie Rae.
 Está na hora de agarrar o touro à unha  ela disse.
Thanatos assentiu e fez a invocação da terra:

Venha, terra rica e verdejante pela Deusa abençoada
O seu seio alimenta e guarda a chave deste feitiço
Abra-se aqui e a morte sombria vai ser confessada
Da ferida no seu coração, vamos ver a justiça.

Stevie Rae levantou a vela verde até a minha chama.
 Terra, por favor, junte-se ao nosso círculo.
O chão abaixo de nossos pés começou a tremer como se nós estivéssemos no meio de um terremoto. Não consegui evitar o pequeno grito que escapou da minha boca.
 Zoey!  Stark berrou.
Eu o vi cambaleando, tentando chegar ao círculo, que agora estava completamente rodeado por um fio grosso e vermelho.
 Espere, está tudo bem!  Stevie Rae gritou acima da cacofonia de elementos nervosos.  Como os outros elementos, a terra não está brava com a gente. Ela não vai nos machucar. Olhem, o chão está se renovando.
Eu olhei para baixo e vi que ela estava certa. O chão que havia sido lavado pela água tinha se levantado e se revolvido ate que, em vez de cinzas e de restos de plantas secas, a terra rica e vermelha de Oklahoma estava novamente exposta.
 Viram, está dando certo  quando Stevie Rae falou, os tremores diminuíram e então pararam completamente.
— Nós precisamos terminar o círculo e o feitiço  Thanatos afirmou.  Chame o espírito, Zoey. Agora.


Aurox

Do seu lugar escondido no pomar, Aurox assistiu o círculo escarlate e brilhante se formar. O seu poder era inspirador, a força dos elementos era incrível de ver. Ele podia sentir as emoções que o ar, o fogo, a água e a terra despertavam nos calouros que os personificavam. Êxtase, coragem e justa indignação preenchiam o círculo, transbordavam e o inundavam.
Aurox podia usar essa energia para se transformar na criatura que iria emergir dele, atacar Rephaim como Neferet havia ordenado e, com isso, interrompeu o feitiço que a Alta Sacerdotisa já havia praticamente concluído.
Ele encarou Zoey. Radiante, ela se virou para a mulher idosa que estava sentada no centro do círculo. Aurox sabia que, uma vez que Thanatos invocasse o último elemento, e que Zoey acendesse a vela roxa, o círculo ficaria completo e o feitiço de revelação estaria em andamento.
Se ele quisesse impedi-lo, teria que agir agora.
Ele se levantou, lutando contra si mesmo.
Eu fui criado para servir Neferet. Ela serve às Trevas.
Diante dele, a Luz elementar da Deusa reluziu e se expandiu, muito clara e brilhante, principalmente se comparada ao que tinha sido manchada pelas Trevas e pela destruição.
Eu não devo interromper isso! Lá no fundo, o seu espírito estava berrando para que ele não obstruísse o ritual. Para que, em vez disso, ele esperasse, testemunhasse e...
A dor explodiu e atravessou Aurox quando gavinhas de Trevas chicotearam ao redor dele. Grossas e pegajosas, elas se espalharam como teias de aranha ao redor dele. Aurox arfou quando o seu corpo começou a absorver coisas, fundindo-se à criatura que descansava dentro dele e despertando-a. Sem conseguir impedir, Aurox sentiu o touro emergir. A criatura assumiu o controle do seu corpo. Eu só sei uma coisa, a última ordem de Neferet: atacar Rephaim.
Com a cabeça abaixada, com chifres mortais e reluzentes, Aurox arremeteu contra Rephaim.


Zoey

Thanatos e eu andamos devagar e com cuidado até ficar na frente de vovó, que estava sentada ilesa no meio do tumulto dos elementos. Seu rosto estava pálido, mas suas mãos estavam totalmente firmes quando ela levantou a vela roxa.
Thanatos começou a invocação do espírito:

Espírito fiel, eterno e sábio, venha deste circulo participar
Com lacre de sal, nós pedimos que a verdade revele
Os anos perdidos e as lagrimas que você viu Linda chorar
Trevas desapareçam! O poder do espírito, vamos sentir na pele.

Eu estava riscando o fósforo para acender a vela roxa quando o grito de Stevie Rae interrompeu tudo:
 Rephaim! Cuidado!
Levantei os olhos a tempo de ver Dragon Lankford irromper das sombras. Com a espada em riste, ele estava correndo na direção de Rephaim.
 Confie em mim!  Dragon berrou.  Abaixe-se!
 Não!  Stevie Rae gritou.
Rephaim não hesitou. Nem por um instante. Ele se ajoelhou como se estivesse se oferecendo em sacrifício para a espada de Dragon. Tive vontade de vomitar. Eu ouvi Aphrodite berrando algo como “eu avisei”, mas não consegui olhar para ela. Eu tinha certeza absoluta de que o Mestre da Espada ia cortar o garoto em dois. Eu não conseguia parar de olhar para a tragédia que estava prestes a acontecer com Rephaim.
Dragon saltou sobre o corpo ajoelhado de Rephaim e, com um som alto e terrível, a espada dele se chocou contra os chifres afiados da criatura que parecia um touro. No último momento, ele conseguiu desviar aquele impacto mortal de Rephaim, mas a força do impulso da criatura era muito grande e o seu poder, muito poderoso.
Nem Dragon poderia impedir a colisão. Rephaim voou longe, não espetado pelos chifres, mas arremessado para o lado com uma pancada tão forte que, quando finalmente aterrissou, ele estava longe do nosso círculo e sem se mexer.
 Ah, Deusa, não!  Stevie Rae disse entre soluços.  Rephaim!
Eu vi que ela estava se virando, quase saindo do circulo para ir ate Rephaim.
— Não quebre o círculo! É isso o que as Trevas querem! Faça isso e todo o sacrifício aqui terá sido em vão!  Aphrodite gritou.
Eu não estava olhando para ela, mas sua voz ecoou uma majestade que eu sei que Stevie Rae reconheceu, pois em vez de quebrar o círculo ela se ajoelhou, exatamente como Rephaim havia feito momentos antes.
Stevie Rae abaixou a cabeça e, com uma voz entrecortada, pediu:
 Nyx, eu confio na sua misericórdia. Por favor, proteja o meu Rephaim.
A coisa que parecia um touro se virou e, ciscando a terra com seus cascos, arremeteu contra Rephaim de novo.
Dragon Lankford se moveu de um modo tão rápido e sobrenatural quanto a criatura. Ele chegou ali a tempo, colocando-se contra a morte e Rephaim. Levantando sua espada, ele bradou:
 Um Mestre da Espada de Nyx está aqui. Eu vou proteger Rephaim.
Dragon se chocou contra a besta novamente. Ela fez o guerreiro retroceder, mas, com isso, Dragon foi afastando a criatura do corpo inconsciente de Rephaim. Então, rosnando de modo ameaçador, a criatura virou a cabeça e eu consegui ver seu rosto bestial. Senti como se eu tivesse levado um chute na boca do estômago. Os olhos da criatura brilharam como pedras da lua incandescentes. Eu sabia que a coisa era Aurox, totalmente transformado e sem absolutamente nada de humano.
 Guerreiros, juntem-se a mim!  Dragon gritou enquanto encarava o próximo ataque de Aurox.
 Zoey, você precisa invocar o espírito a acender a vela!  Thanatos segurou meus ombros e me sacudiu com força, me fazendo olhar para ela.  Dragon vai combater a besta. Nós precisamos segurar o círculo de verdade e completar o feitiço ou não vai haver esperança para nenhum deles.
Nenhum deles? Onde está Stark? Onde está Darius?
Eu olhei para todos os lados feito louca. Meu olhar passou por eles antes que eu realmente entendesse o que estava vendo. Eles estavam lá, ambos, em pé nas posições que haviam tomado antes de nós começarmos a traçar o círculo, mas eles não podiam ajudar Dragon. Eles não podiam nem ajudar a si mesmo. Darius e Stark, o meu guerreiro, o meu Guardião, estavam congelados como zumbis. Com as bocas abertas em gritos silenciosos de agonia e com seus olhos encarando o nada.
 Filamentos de Trevas os aprisionaram  Thanatos explicou, ainda segurando meus ombros.  Abra o círculo para que eu possa completar o feitiço. Nós precisamos do poder da Morte e de todos os cinco elementos para combater esse mal.
— Zoey Redbird, faça o que ela diz  vovó ergueu a vela roxa.
Com as mãos trêmulas, eu risquei o fósforo e gritei:
 Espírito, junte-se ao nosso círculo!
Thanatos levantou seus braços. Espargindo sal em volta de nós, ela pronunciou as últimas do feitiço:

As portas escuras da morte eu ordeno que se abram para mim.
A verdade que as Trevas esconderam nós vamos poder ver!

O fio vermelho se expandiu e, com um rugido ensurdecedor, ele convergiu cada vez mais para cima, criando um caos de vermelho brilhante, que iluminou as nuvens carregadas de tempestade que enchiam o céu bombástico acima de nós.
 Mantenham o controle dos seus elementos! Lembrem-se do nosso objetivo! — Thanatos gritou.  Comece com ar!
Damien levantou as mãos e, com uma voz forte e segura, invocou:
 Ar, sopre deste lugar as sombras que ocultam o passado!
Uma ventania soprou de Damien. Ela capturou o caótico brilho vermelho e o transformou em um cone de energia concentrada e giratória.
 Fogo!  Thanatos ordenou.
Shaunee ergueu as mãos, gritando:
— Fogo, atinja, queime e destrua o que pode impedir a nossa visão!
Com um chiado, os raios foram atraídos como imas para o centro do cone incandescente.
 Água!
Erin não levantou os braços. Em vez disso, ela apontou para o lugar onde vovó havia encontrado o corpo de mamãe.
 Água, como uma maré de verdade, lave o tempo da visão roubada!
Com um estrondo de trovão, um raio caiu do céu e atingiu o chão. Quando a terra se abriu, a água começou a jorrar aos borbotões, ondulando na terra vermelha como uma piscina de sangue.
 Terra!
Stevie Rae, ainda de joelhos, estava olhando fixamente para a batalha que Dragon travava com Aurox, observando os dois chegarem cada vez mais perto do corpo imóvel de Rephaim. Ela estava chorando e sua voz tremeu, mas suas palavras soaram pelo círculo, carregadas com o poder da dor no seu coração.
— Terra, o seu seio alimenta e guarda a chave deste feitiço.
A água ondulou. Imagens se levantaram das profundezas da poça que havia se formado, como se a terra estivesse vomitando aquelas cenas, mas elas ondularam e não eram claras, apenas lampejos irreconhecíveis de rostos e formas vagamente humanas.
 Espírito!  Thanatos chamou.
Minha boca se abriu e, através de mim, o espírito recitou as palavras corretamente do feitiço de revelação:
 “Os anos perdidos e as lágrimas que você viu minha mãe chorar.
Espírito liberte a verdade diante do nosso olhar!”
Instantaneamente, tudo que estava fora do círculo – Aurox, Dragon, Darius, Stark e Aphrodite – deixou de existir para mim. A única coisa real era o que estava sendo revelado dentro da poça. A água clareou e, como se aquilo estivesse acontecendo diante dos meus olhos, eu vi minha mãe na varanda da frente da casa de vovó. Ela abriu a porta, sorrindo, mas parecendo meio confusa. Então, a cena se ampliou, e o ponto de vista se alterou, e eu consegui ver Neferet, nua, em pé do lado de fora da porta, perguntando se Sylvia Redbird estava em casa. Eu escutei o choro soluçante de vovó e quis correr para a poça de água, para me colocar entre ela e vovó, para tentar impedir que ela tivesse a visão horrível e insuportável que eu sabia que seria mostrada.
Mas eu não conseguia me mover.
 Não, espere  em pânico, olhei para baixo. O brilho vermelho que contornava o circulo se expandiu. Ele encobria o espaço inteiro feito um tapete, engolfando cada um de nós.  Isto é demais! Eu não quero que vovó...
 Você não pode impedir  Thanatos disse.  A morte colocou este feitiço em andamento. Só a morte pode nos libertar.
Vovó conseguiu levantar os braços. Ela deslizou a mão dela para dentro da minha. Aprisionada pelo poder da morte que fora solto através dos elementos, nós assistimos tudo. Neferet amarrou minha mãe com filamentos negros e pegajosos feito chicotes e então ela cortou o pescoço dela e deixou que as gavinhas a arrastassem da varanda. No meio de um círculo de planta secas, o touro branco das Trevas bebeu dela até que os filamentos que o rodeavam ficassem inchados e intumescidos. Depois que mamãe estava morte e sem sangue, Neferet, gargalhando, montou na besta e eles desapareceram juntos.
— É verdade  Thanatos afirmou.  O Consorte de Neferet é o touro das Trevas.
Então Stevie Rae berrou:
 Salve Rephaim! O touro vai matá-lo!
A visão na poça começou a desaparecer e eu olhei para Stevie Rae. Só tive tempo para me perguntar por que raios ela estava falando no celular antes que o mundo em volta de mim explodisse em som e sangue.

Um comentário:

  1. Bombástico! Achei esse livro um dos melhores!

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!