6 de outubro de 2015

Capítulo 28 - Kalona

Kalona não podia dizer a quanto tempo ele estava no reino de Nyx.
No início ele havia sido sacudido como um ser arrancado de seu corpo pela escuridão de Neferet aproveitando que, fisicamente e espiritualmente, ele tinha estado inconsciente de qualquer coisa, exceto o temor e o medo de estar retornando para o reino Dela.
Ele não tinha esquecido a beleza deste lugar, a pura admiração do Outromundo e a magia que isso representava para ele. Especialmente para ele. Ele era diferente quando ele pertenceu ali. Ele tinha sido uma força da Luz, protegendo Nyx contra qualquer Escuridão que pudesse imaginar tentar influenciar o equilíbrio do mundo para o mal e a dor, egoísmo e desespero em que se desenvolveu.
Por incontáveis séculos, Kalona havia protegido sua Deusa de tudo, exceto de si mesmo.
Irônico que tenha sido o amor o que a Escuridão usou para derrubá-lo. Ainda mais irônico que, depois dele ter caído, a Luz também tenha usado o amor para capturá-lo.
Ele perguntou-se brevemente se o amor poderia fazer algo pior para ele do que ele já fez. Ele seria capaz de amar outra vez?
Ele não amava Neferet. Ele a usou para libertar-se da prisão da Terra e, em seguida, por sua vez, ela usou-o para seus próprios meios.
Será que ele amava Zoey?
Ele não queria ser a causa de sua destruição, mas culpa não era amor. Arrependimento não era amor, tampouco. Estas também não eram emoções fortes o suficiente para fazê-lo querer sacrificar a liberdade de seu corpo para salvá-la.
Movendo-se através reino da Deusa, o imortal caído tinha tirado todas as questões do amor e suas armadilhas dolorosas de sua mente e se concentrado na tarefa em sua mão.
O primeiro passo era encontrar Zoey.
O segundo era ter a certeza de que ela não poderia retornar ao reino da terra, para que ele pudesse recuperar o seu corpo e cumprir o juramento que tinha feito a Neferet.
Procurar Zoey não tinha sido difícil. Ele só tinha que se concentrar em sua vontade sobre ela, e seu espírito iria na maré da Escuridão diretamente para ela, para as partes fragmentadas de sua alma.
O menino humano que ele matou estaria lá com ela, ou melhor, ele estaria com a parte dela que era mais puramente Zoey nesta vida.
Era estranho vê-lo consolá-la, tranquilizá-la e, em seguida, de alguma forma, instintivamente, orientá-la no bosque sagrado da Deusa. Um lugar tão puro feito pela essência de Nyx que, enquanto o equilíbrio de Luz e Escuridão permanecer neste local no mundo, nenhum mal poderia entrar.
Kalona lembrou bem o bosque. Foi nele que ele percebeu pela primeira vez o seu amor por Nyx. Naquele tempo terrível, antes dele escolher cair por ela, este era o único lugar onde ele poderia ir para achar até mesmo um pouco de paz.
Ele tentou entrar novamente. Para acompanhar Zoey e Heath e terminar com esta carga de maquinações que Neferet tinha colocado em cima dele, mas Kalona tinha sido incapaz de romper a barreira do bosque sagrado. A tentativa o deixou fraco e sem fôlego, lembrando-lhe muito bem do jeito que ele se sentia quando ele foi preso pela terra.
Desta vez a paz e a magia da terra da Deusa o haviam rejeitado, e não o aprisionado.
Ele era há muito tempo uma parte da Escuridão para que o bosque de Nyx o aceitasse.
Metade de Kalona esperava que Nyx comparecesse diante dele a qualquer momento, o acusando de ser um intruso, o que ele obviamente era, e novamente, o expulsando de seu reino.
Mas a Deusa não apareceu. Parecia que Neferet estava correta. Se tivesse sido o seu corpo e a alma o que Nyx tinha banido, o próprio Erebus teria encontrado-o para cumprir a ordem da Deusa e, com todos os poderes de um consorte divino, jogaria seu espírito do Outromundo.
Então foi permitido a Kalona esta liberdade, maldita-seja-a-Deusa, esta escolha de voltar e olhar o que ele mais desejava, mas nunca poderia ter.
Raiva, familiar e segura, ferveu dentro do imortal.
Ele espreitava Zoey e o garoto. Não demorou muito para Kalona perceber que se ele simplesmente os forçasse a permanecer dentro do bosque, ele acabaria por cumprir a sua tarefa.
Zoey estava desaparecendo de si mesma. Ela estava se tornando uma incansável “Caoinic Shi” e, como tal, ela nunca mais voltaria ao seu corpo.
O pensamento de Zoey se transformando em um ser não vivo e não morto, eternamente incapaz de descansar, deu a Kalona uma curiosa sensação de dor.
Sentimento novamente! Será que ele nunca iria se livrar disso? Sim. Tem que haver uma maneira. Talvez Neferet tivesse razão. Talvez fosse tão fácil como desfazer-se de Zoey. Então ele estaria livre da culpa, do desejo e da perda, que ela evocava nele.
Mesmo enquanto o pensamento vinha a ele, Kalona sabia que ele não estaria livre dela se ele a deixasse aqui para se tornar um fantasma, apenas uma sombra de si mesma. O conhecimento perseguiria-o pela eternidade.
Kalona reconsiderou enquanto, de fora do bosque, ele viu Heath ao lado de Zoey, tentando confortá-la quando o conforto era impossível.
Ele a ama, e ela o ama. Isto surpreendeu Kalona de modo que ele não sentia raiva ou ciúme, no pensamento. Este era um fato simples. O mundo poderia não ter virado de cabeça para baixo para Zoey, ela poderia ter gasto uma inocente, mundana, vida feliz com esse garoto humano.
E, com uma súbita clareza, Kalona entendeu como ele conseguiria se livrar da Zoey e cumprir o juramento de Neferet.
Ela estaria satisfeita aqui com o menino e seu contentamento seria suficiente para aliviar a culpa que sentia por ter sido o ímpeto por trás de sua morte. Ela estaria aqui, no bosque de Nyx, com seu amor de infância, e Kalona voltaria ao reino terreno livre de seu envolvimento com ela. Seria uma ação para o bem, se ela permanecesse, Kalona racionalizou. Ela nunca saberia preocupações terrenas e dor novamente. Parecia uma solução satisfatória.
Kalona apagou de sua mente o pensamento de que isto seria como ser privado da única pessoa que, em duas vidas, lembrara-lhe de sua Deusa perdida e realmente o fez sentir.
Em vez disso, concentrou-se sobre o menino. Heath era a chave. Foi sua morte que causou a quebra de sua alma, e foi a culpa de sua morte, que a impedia de estar inteira novamente. Humano idiota! Será que ele não sabe que só ele pode amenizar sua culpa e permitir a cura da sua alma?
Não, claro que não. Ele era apenas um menino, e não muito perspicaz nisso. Ele teria que ser levado à compreensão.
Mas o menino estava no bosque, e foi negado a Kalona a entrada lá. Então Kalona pairou e observou, e quando a raiva do menino transbordou para raiva e sangue, ele usou esse pedacinho de emoção básica para sussurrar-lhe, orientá-lo, enviá-lo em seu caminho.
Quase contente, Kalona retirou-se para a borda do arvoredo para esperar. O menino ia ajudar Zoey a restaurar sua alma, mas ela não iria deixá-lo, não se ele era o veículo através do qual ela foi feita inteira de novo. Então era só uma questão de tempo, e uma quantidade muito pequena de tempo, antes de seu corpo terrestre perecer sem o seu espírito.
Então ele poderia retornar ao seu próprio corpo, e seu juramento para Neferet seria cumprido. Então, Kalona pensou sombriamente, eu vou ter certeza que a Tsi Sgili nunca ganhe o controle sobre mim.
Soberbo em sua racionalização e fraude interna, o imortal não viu Stark entrar no bosque, então ele não testemunhou o mundo de Zoey virando de cabeça para baixo novamente.


Stark

Stark assistiu Heath passar através da cortina de um reino para o outro. Por um momento, ele não podia se mover, nem mesmo para ir até Zoey.
Ele estava certo. Heath era mais corajoso do que ele. Stark abaixou a cabeça e sussurrou: — Esteja com Heath, Nyx, e de alguma forma o deixe encontrar Zoey novamente nesta vida. — Os lábios de Stark se enrolaram, e acrescentou: — Mesmo se isto for me causar uma dor na bunda muito grande mais tarde.
Então Stark ergueu o queixo, limpou os seus olhos, e deixou o esconderijo na rocha, indo rapidamente e silenciosamente para Zoey.
Ela parecia assustadoramente mal. Seus cabelos emaranhados levantavam em uma brisa estranha que parecia sussurrar em torno dela enquanto ela andava, como se movesse no tempo em um vento fantasmagórico. Pouco antes dela ver Stark, ela levantou a mão para escovar para trás alguns que partiam para o seu rosto, e ele viu que sua mão e seu braço de repente pareciam transparentes.
Ela estava literalmente desaparecendo.
— Zoey, ei, sou eu.
O som de sua voz agiu nela como um choque elétrico. Seu corpo estremeceu, e Zoey virou para encará-lo. — Heath!
— Não. É Stark. Sinto muito sobre Heath — ele exclamou, sentindo-se estúpido, mas sem saber mais o que dizer.
— Ele se foi. — Ela olhou fixamente em branco no lugar onde Heath tinha estado antes de desapareceu, e então seu ritmo levou ao redor do círculo outra vez, e seu olhar angustiado se moveu para o rosto de Stark.
Ele soube quando ela o reconheceu, porque ela cambaleou até uma dar parada, envolvendo os braços em torno de si mesma como se fosse a proteção de um golpe.
— Stark! — Ela balançou a cabeça de um lado para o outro, mais e mais. — Não, não você, também!
Ele sabia o que ela devia estar pensando e alcançou-a imediatamente, puxando seu corpo, duro frio em seus braços e lhe abraçando. — Eu não estou morto. — Ele disse as palavras devagar e com cuidado, olhando para seu rosto. — Você entende Zoey? Eu estou aqui, mas meu corpo está ótimo. Esta lá no mundo real com o seu. Nem um de nós está morto.
Por um momento ela quase sorriu. Ela deu, resumidamente, um passo inteiramente em seus braços e permitiu que ele a abraçasse.
— Eu tenho tanta saudade de você — ele murmurou.
Ela afastou-se dele, estudando o seu rosto cuidadosamente. — Você é meu Guerreiro.
— É... Eu sou seu Guerreiro. Eu sempre serei seu Guerreiro.
Com um pequeno suspiro, ela começou a passear o seu caminho circular novamente. — Sempre é feito hoje.
Ele manteve o ritmo com ela, não sabendo como chegar a esta versão estranha, fantasma de sua Zoey. Ele lembrou o que Heath tinha falado que ela parecia muito com o que ele normalmente fazia, então ignorando suas palavras confusas e o fato de que ela não conseguia parar de se mover, ele pegou a mão dela, agindo como se estivessem apenas andando pelo bosque juntos. — Este é um lugar muito legal.
— É suposto que seja pacífico.
— Eu acho que é.
— Não. Não para mim. Nada nunca será tranquilo para mim. Eu perdi essa parte de mim.
Ele apertou a mão dela. — É por isso que estou aqui. Vou protegê-la de modo que você possa juntar os pedaços de sua alma, e depois iremos para casa.
Ela nem mesmo olhou para ele. — Eu não posso. Volte sem mim. Eu tenho que ficar aqui e esperar Heath.
— Zoey, Heath não voltará aqui. Ele passou para outra vida. Ele vai renascer. De volta ao mundo real é onde ele estará.
— Ele não pode estar lá. Ele está morto.
— Ok, eu não sou tão bom no entendimento dessas coisas de Outromundo, mas do que eu consigo entender, Heath deixou este lugar, para que ele possa renascer e viver outra vida. Isso é como ele vai vê-la novamente, Z.
Zoey pausou, olhou fixamente em branco para ele, balançou a cabeça, e depois retomou sua infinita estimulação.
Stark apertou os lábios juros duramente para manter-se de dizer que estava rasgando-o por dentro – que ela teria recomposto sua alma pelo tanto que ela amava Heath, mas não faria isso por ele. Ela não o amava o suficiente.
Stark sacudiu-se mentalmente. Isto não era apenas sobre o amor. Ele sabia desde que Seoras o confrontou pela primeira vez, perguntando se ele iria arriscar sua vida por Zoey, mesmo se ele a perdesse. — Eu estarei com ela — Stark havia dito. — Sim, rapaz, como seu Guerreiro com certeza, mas talvez não como o seu amor.
Talvez não como o seu amor.
Stark olhou para Zoey e realmente viu. Ela estava completamente quebrada. Suas tatuagens se foram. Seu espírito foi destroçado. Ela estava perdendo a si mesma. No entanto, ele ainda viu a bondade e a força dentro dela e Stark foi atraído por ela. Ela não era o que tinha sido antes, ela não era o que ela poderia ser, mas mesmo quebrada, ela era sua Dama, sua bann ri shi, sua rainha.
… saiba que não há mais volta, pois essa é a lei e parte do autêntico Guardião, sem rancor, sem maldade, sem preconceito ou vingança, apenas a fé inabalável na honra pode ser sua recompensa, sem garantias de amor, felicidade ou lucro.
Stark era o Guardião de Zoey, não importava o quê. Ele estava ligado a ela por algo mais forte que o amor: honra.
— Zoey, você tem que voltar. Não por causa de você e Heath, e nem mesmo por causa de você e de mim. Você tem que voltar, porque esta é a coisa certa, a única coisa honrada a fazer.
— Eu não posso. Não há o suficiente para eu partir.
— E agora você tem ajuda. Seu Guardião está aqui. — Stark ergueu a mão dela aos seus lábios, beijou-a, e depois sorriu para ela enquanto ele lembrou. — Aphrodite me fez decorar um poema para você. É um dos de Kramisha. Ela e Stevie Rae acham que é como uma espécie de mapa que você pode ser capaz de seguir para fazer-se inteira outra vez.
— Aphrodite... Kramisha... Stevie Rae... — Zoey murmurou, hesitante, como se estivesse reaprendendo as palavras. — Elas são minhas amigas.
— Sim, é isso que elas são — Stark apertou a mão dela novamente. Uma vez que ele parecia estar atingindo -a completamente, ele continuou. — Então, confira o poema. Aqui vai:

A espada de dois gumes
Um lado destrói
Um lado liberta
Eu sou o teu nó Górdio
Você irá me libertar ou me destruir?
Siga a verdade e você deve:
Me encontre na água
Purifique-me através do fogo
Preso pela terra não mais
Ar vai sussurrar pra você
O que o espírito já sabe
Que mesmo despedaçado
Tudo é possivel
Se você acreditar
Então vamos ambos estar livres

Quando ele terminou de recitar o poema, Zoey parou de se mover o suficiente para satisfazer o seu olhar e dizer: — Isso não significa nada.
Ela começou a andar novamente, mas ela tinha um forte agarre em sua mão, para mantê-lo com ela.
— Sim, significa. É sobre você e Kalona. Ele tem algo a ver com você ficar livre de aqui. — Stark fez uma pausa e depois acrescentou: — Você se lembra que vocês dois estão ligados entre si, certo?
— Não mais, nós não estamos — disse ela rapidamente. — Ele quebrou a ligação quando ele quebrou o pescoço de Heath.
Eu com certeza espero que sim, Stark pensou, mas o que ele disse foi: — Sim, contudo, parte disto ainda é verdadeiro. Você seguiu o que você pensava que era a verdade sobre ele para encontrá-lo na água. Assim, a próxima linha diz: Purifica-me através do fogo. O que você acha que poderia significar?
— Eu não sei! — Zoey gritou para ele. Mesmo que ela estivesse obviamente ficando chateada, Stark estava contente de ver a animação em seu rosto que tinha estado tão em branco parecendo com os mortos. — Kalona não está aqui. O fogo não está aqui. Eu não sei!
Stark manteve segurando firme sua mão para deixá-la estabelecer-se antes de lhe dizer: — Kalona está aqui. Ele veio atrás de você. Ele apenas não pode entrar no bosque.
Então, sem o pensamento racional, ele falou as seguintes palavras como se viessem de seu coração e não de sua mente. — E o fogo me deixou aqui. Ou pelo menos parecia fogo.
Zoey olhou para ele, e em uma voz muito confiante, mudou o rumo da vida dele, dizendo: — Então parece que esse poema é em relação a Kalona e você, não em relação a mim e Kalona.
Suas palavras caíram sobre Stark como uma malha de aço. — O que você quer dizer, Kalona e eu?
— Você foi comigo para Veneza, e você sabia verdadeiramente o quão monstro Kalona é, antes de mim. Fogo o trouxe aqui. O resto provavelmente significa algo para você, se você pensar sobre isso o suficiente.
— Uma espada de dois gumes... — Stark falou as palavras em voz baixa. A claymore era de dois gumes. E ele tinha destruído, bem como libertado com ela. Ele sabia a verdade sobre o quanto Kalona era perigoso quando ele seguiu para Veneza com Zoey... O fogo da dor a partir dos cortes de Seoras que o trouxeram para cá, um lugar que o lembrou da terra, mesmo que estivesse no Outromundo. E Zoey estava presa aqui, precisando ser libertada. E agora ele tinha que seguir o que seu espírito sabia sobre a honra para trazer tudo isso para um fim. — Ah, merda! — Ele olhou para Zoey, sempre em movimento ao lado dele, e as peças do quebra-cabeças se encaixaram. — Você está certa. O poema é para mim.
— Bom, então ele mostra a você como ser livre — Zoey disse.
— Não, Z. Ele me mostra como fazer com que ambos sejamos livres — disse ele. — Kalona e eu.
Seus preocupados e inquietos olhos iluminaram seu rosto antes de afastar o olhar às pressas. — Kalona livre? Eu não entendo.
— Eu entendo — disse ele sombriamente, lembrando o golpe de morte que tinha libertado o Outro. — Há muitas maneiras diferentes de ser libertado. — Ele puxou a mão dela, fazendo-a abrandar e olhar para ele. — E eu acredito em você, Zoey. Mesmo abalada, você ainda tem meu juramento. Vou protegê-la, e enquanto eu me lembrar da honra e nunca deixá-la de novo, acho que tudo é possível. Isso é tudo sobre o que é ser seu Guardião: honra.
Ele ergueu a mão dela e beijou-a novamente antes de começar a andar. Ele não a deixou impor seu passeio circular nele. Desta vez, Stark a levou em linha reta diretamente para a borda do bosque.
— Não. Não. Nós não podemos ir lá — Zoey disse.
— Lá é onde temos que ir Z. Está tudo bem. Eu confio em você. — Stark continuou andando em direção ao largo e brilhante lugar entre o verde que marcava a borda do bosque.
— Confia em mim? Não. Isso não tem nada a ver com confiança. Stark, não podemos deixar este lugar. Nunca. Há coisas ruins lá fora. Ele está lá fora. — Zoey estava puxando sua mão com força, tentando fazê-lo mudar de direção.
— Zoey, eu vou dizer algumas coisas para você realmente rápido, e eu sei que a sua concentração está confusa agora, mas você tem que me ouvir. — Stark estava quase arrastando Zoey com ele, mas ele continuou implacavelmente a movê-los adiante, ao limite do bosque. — Eu não sou mais apenas seu Guerreiro. Eu sou o seu Guardião. E isso significa uma grande mudança para mim e para você. A maior mudança é que eu estou vinculado a você pela honra ainda mais do que eu estou por amor. Eu nunca permitirei que você caia novamente. Eu não posso te dizer como vai ser a sua mudança. — O fim do bosque brilhava na frente deles. Stark parou e, após um impulso de instinto, ele caiu de joelhos na frente de sua rainha quebrada. — Mas eu acredito cem por cento que você vai chegar até isto. Zoey, você é minha Dama, mo bann ri, minha rainha, e você tem que aguentar firme, ou nenhum de nós sairá daqui.
— Stark, você está me assustando.
Ele ficou de pé. Stark beijou ambas as mãos, e então sua testa antes de dizer: — Bem, Z, fique atenta, porque eu estou apenas começando. — Ele deu a ela seu velho, sorriso convencido. — Não importa o que aconteça, pelo menos eu fiz isso aqui. Se voltarmos, vamos ser capaz de dizer 'eu te disse!' ao pé-no-saco do Alto Conselho Vampiro. — Então ele separou as folhas de duas sorveiras e pisou em cima do rochoso limite do bosque.
Zoey ficou dentro do bosque, mas considerou os ramos abertos para que ela pudesse olhar para fora para Stark enquanto ela balançava para frente e para trás, fazendo com que as folhas sussurrassem como uma inquieta murmuração.
— Stark, volte!
— Não é possível fazer isso, Z. Eu tenho uma coisa para cuidar.
— O quê? Eu não entendo!
— Eu vou chutar alguma bunda imortal. Por você, por mim, e por Heath.
— Mas você não pode! Você não pode derrotar Kalona.
— Você provavelmente está certa, Z. Eu não posso. Mas você pode. — Stark jogou os braços e gritou para o céu de Nyx. — Venha, Kalona! Eu sei que você está aqui! Venha me pegar. É a única maneira de você ter a certeza de que Zoey não voltará, porque enquanto eu estiver vivo vou lutar para salvá-la!
O céu acima Stark agitou, e o puro azul começou a ficar cinza. Gavinhas da Escuridão, como a fumaça de um incêndio tóxico, se espalharam, engrossaram, e tomaram forma. Suas asas apareceram pela primeira vez. Sólidas, pretas e desenrolaram, elas apagaram a luz dourada do sol da Deusa. Então o corpo de Kalona tomou forma – maior, mais forte, e mais perigoso do que Stark lembrava.
Ainda pairando acima de Stark, Kalona sorriu. — Então, é você, garoto. Você se sacrificou para segui-la aqui. Meu trabalho está feito. Sua morte a prenderá aqui com mais facilidade do que eu jamais poderia ter.
— Errado, imbecil. Eu não estou morto. Eu estou vivo, e eu vou ficar desse jeito. De tal modo está Zoey.
Os olhos de Kalona se estreitaram. — Zoey não vai deixar o Outromundo.
— Bem, eu estou aqui para me certificar de que você está errado de novo.
— Stark! Volte aqui! — Zoey gritou ainda dentro dos limites do bosque.
Kalona o olhou para ela. Ele parecia triste, quase deprimido quando ele falou. — Teria sido uma coisa mais fácil para ela se você tivesse deixado o menino humano fazer a minha vontade.
— Esse é o problema com você, Kalona. Você tem aquela coisa de complexo de deus acontecendo. Ou, não, eu acho que eu deveria chamá-lo de um complexo de Deusa que você tem. Veja, só porque você é imortal, isto não o coloca no cargo. Na verdade, no seu caso, isto só faz mal para você por muito, muito tempo.
Lentamente, Kalona mudou o seu olhar de Zoey para Stark. Os olhos cor de âmbar do Imortal estavam planos, frios e com raiva. — Você está cometendo um erro, garoto.
— Eu não sou mais um garoto. — O tom de Stark emparelhou com o de Kalona.
— Você sempre será um garoto para mim. Insignificante, fraco, mortal.
— O que faz você errado três vezes seguidas, mortalidade, não significa fraqueza. Venha aqui e deixe-me provar isso para você.
— Muito bem, garoto. Deixe a dor que isso causa em Zoey estar em sua alma, não na minha.
— Sim, porque eu odiaria que você se fodesse para assumir a responsabilidade por qualquer uma das merdas confusas que você fez!
Como Stark sabia que aconteceria, o seu sarcasmo empurrou a raiva latente de Kalona para ferver. Ele rugiu para Stark: — Não ouse falar-me do meu passado!
O imortal esticou o braço e, a partir da Escuridão se contorcendo no ar em torno dele, arrancou uma lança, com ponta de metal que brilhava perversamente, negro como um céu sem lua. Então Kalona caiu do céu.
Em vez de pousar em frente a Stark, suas asas enormes varreram para baixo e para frente, cortando o terreno num círculo perfeito em torno de Stark. Sob seus pés, a terra estremeceu e depois se desintegrou, e como se o inferno estivesse aberto abaixo dele, Stark foi caindo... caindo.
Ele bateu no fundo com tanta força que sua respiração escapou, e sua visão nublou. Ele se esforçou para ficar em pé quando ele ouviu um riso zombeteiro ao redor dele.
— Apenas um pequeno garoto fraco tentando brincar comigo. Isto não vai mesmo ser divertido — disse Kalona.
Arrogante. Ele é mais arrogante que eu já fui.
E com o pensamento do que ele tinha sido, e o que ele já tinha perdido, o peito de Stark se afrouxou. Ele foi capaz de respirar. Sua visão limpou a tempo de ver um flash de luz brilhante furar a escuridão entre ele e Kalona, e o Guardião da claymore estava lá, a lâmina passeando na terra a seus pés.
Stark agarrou o punho e o sentiu imediatamente, o calor e o pulso do seu batimento cardíaco enquanto a claymore, sua claymore, cantava em sintonia com o seu sangue.
Ele olhou para Kalona e viu a surpresa nos olhos âmbar do Imortal.
— Eu disse que não era mais um garoto. — Sem hesitar, Stark caminhou para a frente, segurando a claymore com ambas as mãos, perfeitamente centrada nas linhas geométricas do ataque que se fundiram ao longo do corpo de Kalona.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!