9 de outubro de 2015

Capítulo 25 - Zoey

Soltei o espelho e corri para a varanda.
— Kalona! Salve Aurox! — o imortal já estava a caminho antes de eu terminar de falar.
Com as asas abertas, ele saltou sobre o parapeito quebrado e desapareceu. Corri atrás dele, parando na beirada da varanda. Olhando para baixo, vi Kalona agarrar o tornozelo de Aurox apenas uns instantes antes de o garoto, que já estava completamente humano de novo, bater no chão.
Neferet não teve tanta sorte. Eu pude vê-la. Ela tinha batido em uma ponta do edifício e havia caído girando, aterrissando no meio da Quinta Avenida. Daquela altura, ela parecia uma boneca quebrada. O seu pescoço estava torcido. Os seus braços e pernas estavam todos virados para o lado errado. A cabeça dela era uma poça escura de sangue.
Thanatos se juntou a mim, colocando um braço forte em volta do meu ombro, como se ela estivesse com medo de eu cair atrás de Neferet. Então de repente todo mundo estava ali ao meu lado. Stark me pegou dos braços de Thanatos e me segurou, enquanto eu tremia e continuava a olhar para baixo, na direção do corpo de Neferet.
Kalona pousou na varanda com Aurox. Aphrodite estava ajudando Vovó a se apoiar. Ela deslizou a sua mão para junto da minha.
— Minha u-we-tsi-a-ge-ya, pare de olhar para essa cena terrível — ela disse.
Mesmo assim eu não desviei os olhos. Então eu vi quando o corpo de Neferet começou a sofrer convulsões. Eu assisti a tudo. Seus braços e pernas se agitaram. O seu cabelo se levantou. Suas costas se arquearam. E então a Tsi Sgili pareceu se dissolver. De dentro das dobras das suas roupas ensopadas de sangue, milhares de aranhas negras explodiram, correndo para a sarjeta e desaparecendo na escuridão.
Só então eu desviei o meu olhar e encarei Thanatos.
— Ela não está morta.
A Alta Sacerdotisa da Morte me respondeu, apesar de eu não ter formulado minha frase como uma pergunta.
— Eu não sei — Thanatos parecia pálida e abalada. — Eu nunca vi nem nunca imaginei algo como o que acabamos de testemunhar.
Eu me senti muito calma por dentro. Eu não estava cansada. Eu não estava chorando. Eu não estava irritada. Eu estava apenas calma, muito calma.
— Acho que é melhor nos prepararmos. O meu instinto me diz que Neferet vai vir atrás de nós novamente — eu afirmei.
— Sim, Sacerdotisa. Eu concordo — Thanatos disse.
Coloquei o meu braço em volta da cintura de Vovó, deixando ela se recostar em mim.
— Você precisa ir para o hospital — eu falei gentilmente para ela.
— Não, minha u-we-tsi-a-ge-ya. Eu só preciso ir para casa.
Olhei dentro dos seus olhos bondosos.
— Eu entendo completamente, Vovó. Stark e eu vamos levar você para casa.
— Primeiro você precisa fazer uma coisa — Stark disse.
— Ela pode te beijar e dizer que te ama mais tarde. Vamos sair daqui. Aquela coisa das aranhas foi a cereja nesta merda de bolo que foi esta noite. Preciso de um banho e de um Xanax — Aphrodite opinou.
Eu não disse nada. Estava sentindo uma energia estranha em Stark.
— Espere aqui. Todo mundo precisa ver isto — ele apertou minha mão e então entrou na cobertura.
Um segundo depois ele voltou, trazendo a minha pedra da vidência em sua corrente quebrada.
Ela estava com a forma de uma pastilha Life Savers de novo e parecia não ter sofrido nenhum dano. Eu já imaginava o que ele queria, então quando ele a entregou para mim, eu a segurei cuidadosamente, como se ela fosse uma bomba explosiva (e era). Eu já estava guardando a pedra dentro do bolso da minha calça jeans quando Stark me deteve.
— Não, não guarde a pedra. Levante-a. Aponte-a para Aurox. Recite o feitiço de novo.
— Ahn? — de repente, eu não soava mais tão madura, centrada e brilhante.
— Para mim? — Aurox falou e todo mundo se virou para olhá-lo.
Bem, o garoto estava péssimo. As roupas dele estavam todas rasgadas e o seu rosto e as suas mãos estavam machucados e ensanguentados.
— Por que para mim?
— Porque quando você espetou Neferet eu vi o seu reflexo naquele espelho mágico. Todo mundo tem que ver o que eu vi — Stark afirmou. — Faça o feitiço de novo, Zoey.
— Eu nem sei se vai funcionar de novo. É aquela coisa de magia antiga. É estranho e totalmente imprevisível — eu argumentei.
— Recite o feitiço, u-we-tsi-a-ge-ya — Vovó pediu.
— Eu não tenho...
Stark me entregou o papel roxo amassado.
— Sim, você tem.
— Bem, ok então — levantei a pedra da vidência e a apontei para Aurox.
Mesmo antes de eu começar a ler o papel, comecei a sentir o calor que se irradiava dele.

“Espelho ancestral
Espelho mágico
Tons de cinza
Escondido
Proibido
Dentro, fora
Rompa a névoa
Toque de magia
Invoque as fadas
Revele o passado
O feitiço está feito
Eu salvo o dia!”

A minha voz não soou tão poderosa como da primeira vez, mas as palavras saíram fortes e claras e, no final do feitiço, a pedra da vidência se transformou de novo, expandindo-se e virando um círculo refletor apontado direto para Aurox.
— Que merda. É verdade — Aphrodite comentou. — Essa é a coisa mais estranha que eu já vi, e olha que eu já vi muita coisa estranha por aí.
Vovó foi mancando até Aurox. Ela tocou o rosto dele. Ele estava olhando para o espelho com lágrimas nos olhos. Então ele olhou para ela.
— Eu sabia que estava certa em acreditar em você, tsu-ka-nvs-di-na — Vovó disse a ele. — Obrigada por me salvar, meu filho — ela se inclinou para a frente e deu um beijo doce, como um beijo de mãe, na bochecha dele.
— Você precisa olhar no espelho, Z. — Stark afirmou.
— Não, eu não preciso — eu me sentia estranhamente entorpecida. — Eu sei muito bem como Heath é.
Aurox estava olhando de novo para o espelho.
— Então esse aí é Heath?
— Sim — Stark respondeu com um suspiro. — Esse é Heath. O que significa que de algum modo você é meu amigo.
Aurox ainda estava olhando para o seu reflexo quando a expressão dele mudou. Ele sorriu e disse:
— Bom te ver de novo.
Alguma coisa na voz dele me fez estremecer. Então Aurox olhou dentro dos meus olhos.
— E você? — ele me perguntou. — O que Heath era para você?
Um monte de respostas passou rapidamente pela minha mente: ele era um problema... um pé no saco... meu amante... meu Consorte... meu chão... meu eterno namorado.
— Heath era a minha humanidade — foi o que saiu da minha boca. — E agora parece que ele se tornou a sua humanidade.
Soltei o espelho. Antes que ele caísse no chão e quebrasse, ele fez um pequeno barulho e virou a pedra da vidência de novo. Desta vez eu a enfiei mesmo no bolso.
Vovó se aproximou de mim e eu coloquei o meu braço em volta da cintura dela novamente. Stark pegou a minha mão, levantou-a e beijou a minha palma.
— Não se preocupe — ele falou baixinho. — Não importa o que aconteça, a gente tem amor. Sempre o amor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!