3 de outubro de 2015

Capítulo 22

Como sempre, quando vovó me dizia para fazer algo, eu fazia. — Ok, yeah. Eu vou. Eu tenho um galho no meu quarto. Eu vou pegar. — Eu dei um olhar para Aphrodite e ela acenou, me enxotando em direção a porta com a mão tremula.
— Quais ervas? — Vovó perguntou.
— Sálvia branca e lavanda. São as que eu mantenho na minha gaveta — eu disse.
— Ótimo, ótimo. Isso é bom. É pessoal para você, mas a mágica não foi liberada ainda. Bom.
Eu voltei para o quarto de Aphrodite.
— Eu tenho a parte da panela coberta — Aphrodite disse, me entregando uma tigela que estava decorada com uvas tridimensionais e uma videira que decorava toda ela. Era absolutamente linda e parecia cara e velha. Ela deu nos ombros. — Yeah, é cara.
Eu virei os olhos para ela. — Ok, eu tenho a tigela, vovó.
— Você tem uma pena? De um pássaro pacífico, como um pombo, ou um pássaro protetor, como um falcão ou uma águia seriam melhor.
— Uh, vovó, não. Eu não tenho nenhuma pena. — Eu olhei questionadoramente para Aphrodite.
— Eu também não tenho — ela disse.
— Não importa, podemos fazer sem. Está pronta, Zoey Passarinha?
Eu acenei o pequeno galho com as ervas até o fogo se espalhar e a fumaça começar a se erguer. Então eu coloquei na tigela e a coloquei entre nós. — Estou pronta. Está esfumaçando perfeitamente.
— Passe ela ao redor de vocês. Garotas, as duas precisam se concentrar em proteção e espíritos protetores. Pense na deusa de vocês e no quanto ela ama vocês.
Fizemos o que vovó disse. Nós duas passamos a fumaça gentilmente ao nosso redor com nossas mãos enquanto inalávamos devagar.
Malévola espirrou, rosnou, e pulou da cama para desaparecer no banheiro de Aphrodite. Eu não posso dizer o quanto eu sinto que ela tenha saído.
— Agora mantenha a panela perto enquanto me ouve com muita atenção. — Vovó disse. Eu ouvi ela respirar fundo a fumaça antes de começar, — Primeiro você deveria saber que Tsi Sgili são bruxas Cherokee, mas não se engane pelo titulo “bruxa”. Elas não seguem os caminhos lindos e pacíficos das Wicca. E nem são sábias sacerdotisas que você conhece e respeita que servem Nyx. Uma Tsi Sgili vive como uma rejeitada, separada da sua tribo. Elas são más, completamente. O prazer delas é matar; elas se alegram com a morte. Eles tem poderes mágicos garantidos pela dor e medo de suas vítimas. Eles se alimentam da morte. Eles podem torturar e matar com o ane li sgi.
— Não sei o que isso significa, vovó.
— Significa que são poderosos psiquicamente e podem matar com a mente.
Aphrodite olhou para mim. Nossos olhos se encontraram e eu percebi que estavamos pensando a mesma coisa: Neferet é uma poderosa psíquica.
— Quem é rainha de quem o poema fala? — Aphrodite perguntou.
— Não conheço nenhuma rainha Tsi Sgili. Eles são seres solitários e não tem hierarquia. Mas eu não sou uma autoridade para falar sobre eles.
— Então Kalona é um Tsi Sgili? — eu perguntei.
— Não. Kalona é pior. Muito pior. Os Tsi Sgili são maus e perigosos, mas são humanos e podem ser lidados como qualquer humano pode. — Vovó pausou, e eu podia ouvir ela respirando mais a fumaça. Quando vovó começou a falar de novo, a voz dela abaixou, como se ela estivesse preocupada em ser ouvida. Ela não soava exatamente assustada. Ela soava cautelosa. Cautelosa e muito, muito séria.
— Kalona é o pai dos Corvos Escarnecedores e ele não é humano. Podemos chamar ele e seus filhos de demônios, mas isso não é muito certo. Acho que o melhor jeito que eu posso descrever Kalona é que ele é um anjo.
Um frio calafrio passou pelo meu corpo quando vovó disse a palavra Corvos Escarnecedores; então eu percebi o que mais ela disse, e pisquei surpresa. — Um anjo? Como na bíblia?
— Eles não deveriam ser bons? — Aphrodite perguntou.
— Eles devem ser. Mantenha em mente que a tradição cristã diz que Lúcifer era o mais brilhante e lindo anjo, mas ele caiu.
— É mesmo. Esqueci disso — Aphrodite disse. — Então esse Kalona era um anjo que caiu e virou mau?
— De certa forma. Em tempos antigos, anjos andavam na terra e procriavam com humanos. Muitas pessoas tem histórias para descrever essa época. A bíblia chama de Nefilim Os gregos e os romanos chamam de Deuses do Olímpo. Mas seja como for que eles são chamados, de todas as histórias existem dois pontos: Primeiro, que eles são lindos e poderosos. Segundo, eles acasalam com humanos.
— Faz sentido — Aphrodite disse. — Se eles são tão lindos, é claro que as mulheres querem estar com eles.
— Bem, eles são seres excepcionais. As pessoas Cherokee contam sobre um anjo em particular, lindo além de qualquer comparação. Ele tem asas da cor da noite, e pode mudar de forma em uma criatura que parece um enorme corvo. A princípio nosso povo deu boas vindas a ele como um bom visitante. Cantamos músicas para ele e dançamos por ele. Nossa colheita teve sucesso. Nossas mulheres eram férteis. Mas gradualmente tudo mudou. Eu não sei porque. As histórias são muito antigas. Muitas foram perdidas pelo tempo. Meu palpite é que é difícil ter uma boa vida entre nós, não importa o quão lindo ele seja.
“A música que eu lembro que minha vó cantava conta que Kalona mudou quando ele começou a mentir para as virgens da nossa tribo. A história conta que depois da primeira vez que ele cruzou com uma virgem, ele ficou obcecado. Ele precisava ter mulheres – ele as deseja constantemente, e ele também as odiava por causarem a ele a luxuria e a necessidade que ele sentia por elas.”
Aphrodite fez uma careta. — Eu aposto que ele que sentia a luxúria, não elas. Ninguém quer um cara que é um mulherengo, não importa o quão gostoso ele seja.
— Você tem razão, Aphrodite. A música da minha avó dizia que as virgens viravam seus rostos para ele, e foi aí que ele virou um monstro. Ele usou o poder divino dele para governar nossos homens enquanto ele sujava nossas mulheres. E nesse tempo o ódio dele por mulheres cresceu com uma intensidade que era muito assustadora por causa da obsessão dele por elas. Eu ouvi uma velha Sábia Mulher falar uma vez, e ela disse que para Kalona as mulheres Cherokee eram água e ar e comida – a vida dele, embora ele odiasse precisar delas tão desesperadamente. — Ela pausou de novo, e eu pude facilmente ver o olhar de nojo no rosto dela que estava espelhado na voz enquanto ela continuava a história.
“As mulheres que ele estuprou engravidaram, mas a maior parte delas deu a luz a coisas mortas, irreconhecíveis crianças de qualquer espécie. Mas de vez em quando, um dos filhos dele sobrevivia, embora claramente não fosse humano. As histórias dizem que os filhos de Kalona são corvos, com os olhos e membros de um homem.”
— Eeeewww, o corpo de um corvo e as pernas e olhos de um homem? Isso é nojento — Aphrodite disse.
Um calafrio passou por mim. — Eu estive ouvindo corvos, muitos deles. Eu acho que um deles tentou me atacar. Eu bati nele, e ele arranhou minha mão.
— O que! Quando? — Vovó surtou.
— Eu estive ouvindo eles a noite. Eu achei que era estranho eles fazerem tanto barulho. E... e então ontem a noite algo que eu não conseguia ver bateu asas perto de mim, como um horrível pássaro invisível. Eu bati nele e então corri para dentro da escola e chamei o fogo para fazer o frio ir embora.
— E funcionou? O fogo o espantou? — vovó disse.
— Yeah, mas eu sinto olhos em mim desde então.
— Corvos Escarnecedores — a voz de vovó era dura como aço. — O que você está lidando são espiritos dos filhos demônios de Kalona.
— Eu também tenho escutado eles — Aphrodite disse, parecendo pálida de novo. — Na verdade estive pensando o quão irritante eles tem sido nas últimas noites.
— Desde que a professora Nolan foi morta — eu disse.
— Eu acho que foi aí que eu comecei a notar também. Ohminhadeusa, Vovó! Eles podem ter algo a ver com a morte da professora Nolan e de Loren?
— Não, eu acho que não. Os Corvos Escarnecedores perderam sua forma física. Eles só tem seus espíritos sobrando e podem fazer pouco mal a não ser para aqueles que estão perto da morte. O quão mal eles machucaram sua mão, querida?
Automaticamente eu olhei para minha mão sem marcas. — Não muito. O arranhão desapareceu alguns minutos depois.
Vovó hesitou antes de dizer, — Eu nunca ouvi falar de Corvos Escarnecedores serem capazes de machucar uma pessoa jovem. Eles são travessos – espíritos negros que tem prazer em irritar os vivos e atormentar aqueles prestes a morrer. Eu não acredito que eles podem causar a morte de um vampiro saudável, mas eles podem ter sido atraídos a House of Night pela morte desses vampiros, e de alguma forma ter ficado mais fortes por causa deles. Cuidado. Eles são criaturas terríveis, e a presença deles sempre é um mal presságio.
Enquanto vovó falava meus olhos se alargaram e voltaram para o poema. De novo e de novo em fiquei lendo a linha:

Através da mão da morte ele é liberto.

— O que aconteceu com Kalona? — eu perguntei bruscamente.
— Foi a insaciável luxúria dele por mulheres que eventualmente o destruiu. Os guerreiros da tribo tentaram por anos sobrepujar ele. Eles simplesmente não conseguiram. Ele era uma criatura de mito e magia, e só mito e magia podia derrotar ele.
— Então o que aconteceu? — Aphrodite disse.
— A Ghigua chamou um conselho secreto de Mulheres Sábias de todas as tribos.
— O que é Ghigua? — eu perguntei.
— É o nome Cherokee para Mulheres Amadas da nossa tribo. Ela é uma Mulher Sábia com dons, uma diplomata, e geralmente muito próxima do Grande Espírito. Cada tribo escolhe uma, e ela serve no conselho de mulheres.
— Basicamente são Alta Sacerdotisas? — eu perguntei.
— Sim, essa é uma boa maneira de pensar nelas. Então Ghiagua juntou as Mulheres Sábias, e elas se encontraram num lugar secreto onde Kalona não poderia as ouvir – uma caverna na terra.
— Porque ele não podia ouvir elas lá? — Aphrodite perguntou.
— Kalona tem uma aversão a terra. Ele é uma criatura do céu, que é onde ele pertence.
— Bem, porque o Grande Espírito ou algo assim não o fez voltar para onde ele pertencia? — eu disse.
— Livre Arbitrio — vovó disse. — Kalona era livre para escolher seu caminho, assim como você e Aphrodite são livres para escolher o de vocês.
— Livre arbítrio as vezes é uma droga — eu disse.
Vovó riu com um som feliz e familiar e eu relaxei um pouco. — De fato as vezes ele é uma droga, u-we-tsi-a-ge-ya. Mas nesse caso, o livro arbítrio das Ghigua é o que salvou nossa gente.
— O que elas fizeram? — Aphrodite disse.
— Usaram a mágica das mulheres para criar uma virgem tão linda, que seria impossível Kalona resistir.
— Criaram uma garota? Você quer dizer que elas fizeram algum tipo de transformação mágica em alguém?
— Não, u-we-tsi-a-ge-ya, eu quis dizer criaram uma virgem. A Ghigua que era a que tinha mais dons criou o corpo de uma virgem do barro, e criou um rosto que era lindo além da comparação. A Ghigua criou a mais bem dotada de todas as tribos ela tinha longos cabelos negros que caiam em ondas ao redor da fina cintura dela. A Ghigua desenhou um vestido para ela que era branco como a lua cheia, e todas as mulheres o decoraram com conchas e contas e penas. A Ghigua que era a mais dotada com os pés deu a ela longas pernas e a dotou de velocidade. E a Ghigua que era conhecida como a mais talentosa cantora de todas as tribos sussurrou doces palavras para ela, dando a ela a mais agradável de todas as vozes.
— Cada uma das Ghigua cortaram suas palmas e usaram seu próprio sangue como tinta para desenhar no corpo dela símbolos de poder representando o Sete Sagrado: norte, sul, leste, oeste, acima, abaixo, e espírito. Então elas juntaram as mãos na linda figura, e usando seus poderes combinados, deram vida a ela.
— Você tem que estar brincando, vovó! As mulheres fizeram o que era basicamente uma boneca ganhar vida? — eu disse.
— É o que a história conta — ela disse. — Mocinha, porque isso é mais difícil acreditar do que uma garota que pode chamar os cinco elementos?
— Huh — eu disse, me sentindo corar com repreensão dela. — Eu acho que você tem razão.
— Claro que ela tem razão. Agora fique quieta e deixe ela contar o resto da história — Aphrodite disse.
— Desculpe vovó — eu murmurei.
— Você deve lembrar que mágica é real, Zoey Passarinha — vovó disse. — É perigoso esquecer isso.
— Eu vou lembrar — eu assegurei a ela, pensando sobre o quão irônico era eu poder duvidar do poder da mágica.
— Então, continuando — vovó disse, me fazendo voltar minha atenção de volta para a história. — As mulheres Ghigua deram vida a ela e colocaram um propósito na mulher que elas chamaram de A-ya.
— Hey, eu conheço essa palavra. Significa ‘eu’ — eu disse.
— Muito bom, u-we-tsi-a-ge-ya. Eles a chamaram de A-ya porque ela tinha um pedaço de cada uma delas dentro dela – ela era, para cada mulher Ghigua, eu.
— Isso é bem legal, na verdade — Aphrodite disse.
— As Ghigua não contaram a ninguém sobre A-ya – nem a seus maridos ou filhos, netos, ou pais. No amanhecer seguinte, eles a levaram para fora da caverna em um lugar perto de uma corrente onde Kalona ia toda manhã para se banhar, sempre sussurrando para ela o que ela deveria fazer.
— Então foi lá, sentada no caminho no sol da manhã, trançando o cabelo e cantando a música de uma virgem, que Kalona a viu, e – como as mulheres sabiam que ele faria – ele ficou instantaneamente obcecado em possuir ela. A-ya fez o que ela foi criada para fazer. Ela correu de Kalona com a mágica velocidade. Kalona a seguiu. Na feroz necessidade dele para a ter, ele mal hesitou na boca da caverna na qual ela desapareceu, e ele não viu que as mulheres Ghigua o seguiram, nem ele ouviu o encantamento mágico delas.
— Kalona pegou A-ya nas profundezas de terra. Ao invés de gritar e lutar contra ele, a mais linda das virgens deu boas vindas a ele com braços suaves e um corpo convidativo. Mas no instante em que ele a penetrou, aquele suave, e convidativo corpo voltou a ser o que tinha sido antes – terra e espírito de mulheres. Os braços e pernas dela se tornaram barro que o seguraram, o espírito dela a areia movediça que o prendeu, enquanto as Mulheres Ghigua chamavam a Mãe da Terra para selar a caverna, prendendo Kalona no abraço eterno de A-ya. E ele ainda está lá até hoje, firmemente seguro no seio da terra.
Eu pisquei, como se estivesse emergindo depois de um longo e profundo mergulho, e meus olhos passaram pelo poema ao lado da cama e ao vaso de lavanda. — Mas e quanto ao poema?
— Bem, a prisão de Kalona não foi o fim da história. No momento que o túmulo dele foi selado, cada uma das crianças dele, os terríveis Corvos Escarnecedores, começaram a cantar uma música com uma voz humana que prometia que Kalona algum dia retornaria, e descreveram a horrível vingança que ele faria contra os seres humanos, especialmente mulheres. Hoje os detalhes da música dos Corvos Escarnecedores estão basicamente perdidos. Até minha avó sabia apenas partes do que dizia, e eram apenas palavras sussurradas pela avó dela. Poucas pessoas quiseram lembrar da música. Elas achavam que daria azar se aprofundar em tamanho horror, embora o suficiente sobreviveu para ser passado de mãe para filha para eu poder te contar sobre o Tsi Sgili e a terra que sangra, e como o pai deles uma pessoa terrivelmente linda iria se erguer novamente. — Vovó hesitou enquanto Aphrodite e eu encarávamos o poema horrorizadas. Finalmente ela disse, — Eu tenho medo que o poema da sua visão seja a música que os corvos cantaram. E eu acho que é um aviso de que Kalona está prestes a retornar.

11 comentários:

  1. belz entao ola "abismo do medo" , vamo toda sociedade pra debaixo da terra .

    ResponderExcluir
  2. So eu q fiz uma analogia de Rae com A-ya ??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho quade certeza que é a Zoey.
      Ass: Brubs

      Excluir
    2. TBM ACHEI QUE PODE SER DEFINITIVAMENTE STIVE RAE
      LANNY

      Excluir
    3. A zoey nn e virgen ou kalona tbm pegam garotas que nn sao virgens buguei! Juh

      Excluir
    4. Kalona gosta de mulheres, sejam virgens ou não

      Excluir
    5. Nada a ver A-ya com a Stevie, A-ya foi só uma isca que as mulheres criaram gente. E a Stevie tem cabelos curtos e loiros.

      O que eu acho é que a nova A-ya será a Zoey, pq só ela pra parar esse demo se ele renascer.

      Excluir
  3. eu gostaria de saber pq vc acha q e a Zoey... Eu ja li mas nunca consigo descobrir o pq ela...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É brisa deles, tão viajando na maionese, tudo nonsense, nada a ver o que eles disseram

      Excluir
  4. Eu crio umas teorias, e paranoias pra história mas elas até que tem sentido, agora umas e outras aí me fazem rir pra caramba.

    ResponderExcluir
  5. O que eu acho é o seguinte: Assim como A-ya uma vez teve a missão de parar o Kalona, a Zoey vai ter que parar ele agora.

    E com certeza aquela vagaba da Neferet está tentando trazer ele de volta.

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!