9 de outubro de 2015

Capítulo 20 - Zoey

— Eu posso fazer isso. Fui criado pelas Trevas, sou feito de Trevas — Aurox afirmou. — As gavinhas não vão se alimentar de mim, seria como se elas comessem a si mesmas. Eu posso até ser capaz de controlá-las. Se elas não obedecerem às minhas ordens, então eu acabo com elas e resgato Sylvia Redbird. Zoey, eu me importo muito com Vovó. Eu posso salvá-la. Eu sei.
— Você não consegue controlar essa merda dentro de você! — Stark gritou. — É claro que Neferet vai deixar você entrar na cobertura dela. Você está de brincadeira, por que ela não faria isso? Ela tem bastante sangue de Vovó. Ela simplesmente vai usar um pouco desse sangue para alimentar as Trevas e controlar você. De novo!
— As gavinhas não podem se alimentar do sangue de Sylvia Redbird — Kalona revelou. — Neferet admitiu isso, e eu próprio fui testemunha. Imagino que o sangue dela seja protegido pela mesma magia da terra que defende o seu corpo.
— Mas você ainda pode ser controlado, certo? — Damien se aproximou de Aurox.
Sua voz era racional e eu sabia que ele estava consultando mentalmente todos os arquivos de Biologia que ele tinha no seu cérebro enorme.
— Você é um Receptáculo criado pelas Trevas. Então a besta dentro de você, que é basicamente uma criatura feita com o mal do touro branco, transforma-se sem necessidade um sacrifício. Nós vimos isso acontecendo mais cedo quando Stark e Darius bateram em você.
— A besta se alimenta de violência, ódio, luxúria e dor. Isso é verdade — Aurox disse.
— Mas você tem algum controle sobre isso. Você não chegou a se transformar de fato hoje mais cedo — Thanatos lembrou.
— Eu tento não me transformar. Eu tento controlar isso.
— Bem, você tem alguma ideia de como fez para controlar isso até agora? — Stevie Rae perguntou, juntando-se a nós.
— Não — Aurox soou infeliz.
— E é por isso que estamos aqui. Precisamos ensinar Aurox a controlar essa transformação, pelo menos por tempo suficiente para que ele rompa a jaula de Trevas que prende Sylvia Redbird, pegue-a e a arremesse pela varanda do covil de Neferet.
— Arremessar Vovó pela varanda? — gritei assustada, mas não havia muito que eu pudesse fazer em relação a isso.
Senti que a minha cabeça queria explodir.
— Eu vou pairar ali em cima, apanhá-la e voar com ela até um lugar seguro — Kalona explicou.
— E quanto tempo nós temos para descobrir como não apertar o botão de Aurox e resgatar Vovó? — Aphrodite quis saber.
— Acho que ela não sobrevive mais uma noite — Kalona respondeu.
— Bem, então vamos ao trabalho — olhei para Aurox. — Você realmente se importa com a minha avó?
— Sim. Muito. Eu dou a minha vida para salvá-la se for preciso.
— Pode ser que seja preciso — eu falei. Então olhei para Stark, Darius e Kalona. — Parece que vocês precisam começar a provocar muita dor em Aurox, com bastante violência. Agora.
Os guerreiros olharam para Thanatos.
— Eu concordo com Zoey. Provoquem dor em Aurox.


Aurox

— Acho que vou gostar disso — Stark disse, deixando o seu arco e as suas flechas de lado e estalando as juntas dos dedos.
— Eu também — Kalona falou, enquanto cercava Aurox. — Estou devendo uns golpes em você em nome do meu filho.
— E eu, em nome de Dragon — Darius tirou da cintura uma faca pequena e de aparência bem perigosa.
— Vocês não devem matá-lo — a voz de Zoey soou fria, sem emoção.
Aquela ausência de emoção assustou Aurox mais do que qualquer um dos guerreiros.
— Aposto que ele é bem difícil de matar — Aphrodite comentou, cruzando os braços e piscando para Darius. — Então, vá em frente e divirta-se com suas facas, bonitão.
— A besta se alimenta do ódio. Fiquem sérios, com raiva — Thanatos comandou os guerreiros, e eles ficaram em silêncio e se aproximaram mais dele.
Aurox sentiu imediatamente a mudança na energia deles.
Antes os três obviamente desconfiavam e não gostavam dele, mas não estavam com raiva. Agora a tensão se irradiava dos guerreiros, crescendo em intensidade. A besta dentro dele se agitou na expectativa.
Aurox cerrou os dentes e enrijeceu o seu corpo. Não, eu não vou perder o controle. Sou tsu-ka-nv-s-di-na, não uma besta. Eu vou domar o touro!
Kalona atacou primeiro. Com um movimento de velocidade sobrenatural, ele girou e deu um tapa na cara de Aurox com as costas da mão, fazendo com que ele caísse de joelhos. Antes que ele conseguisse se levantar, Darius o golpeou rapidamente. Ele sentiu uma dor eletrizante em cima do ombro, e então sentiu o calor do sangue que começou a sair do corte fino e superficial. Em seguida, Stark deu um soco no seu estômago.
Aurox se curvou sobre si mesmo. Os guerreiros estavam nervosos. O cheiro do seu sangue produziu efeitos nos dois vampiros. Ele podia sentir a violência dentro deles aumentando, especialmente em Stark. Trevas... eu posso senti-las. Stark já conheceu o mal, apesar de ter escolhido outro caminho.
Aurox conseguiu se levantar e assumiu uma postura defensiva, bem na hora em que Kalona deu outro golpe doloroso no outro lado do seu rosto. Aurox virou a cabeça, acompanhando o golpe, e levantou o braço para deter o punho de Stark.
Enquanto ele se movia, bloqueando os golpes, a criatura dentro dele estremecia, tentando se libertar da força de vontade de Aurox. Apesar de a sua pele se contorcer e de ele sentir os seus ossos começarem aquela terrível transformação de garoto em uma besta com chifres, Aurox ainda permanecia ele mesmo. Ele ainda tinha o controle.
— Você tem que reagir e lutar com eles! — Zoey gritou para ele.
Aurox conteve outro golpe de Stark.
— Eu não posso! — ele berrou. — Se lutar, eu me transformo.
— Então para que você serve? — Aphrodite atirou as mãos para cima de frustração. — Neferet não vai deixar você entrar lá, dizer para as Trevas desaparecerem e sair andando de mãos dadas com Vovó.
— Elas estão certas — Thanatos disse. — Você tem que contra-atacar. E tem que controlar a besta enquanto luta.
Aurox assentiu. Sentindo um pavor terrível, ele se abaixou, desviando-se da faca na mão de Darius, e se levantou, dando um soco embaixo do queixo do guerreiro.
Aurox sentiu a dor e a raiva explodirem dentro de Darius. A besta também sentiu. As emoções ondularam pelo seu corpo, enchendo a criatura de poder. Aurox tentou parar aquilo, tentou controlá-la. Mas quando ele girou e chutou Stark, atingindo o estômago do guerreiro e fazendo com que ele perdesse o fôlego, sentiu os seus pés começarem a se solidificar e a se transformar em cascos.
— Pense na luz da lua! — a novata da Visão Verdadeira gritou para ele. — Você tem essa luz dentro de você, tente encontrá-la.
Ele pensou na luz da lua e em lavandas, em prata, em turquesas e na terra ao seu redor.
Kalona atacou de novo – outro tapa dolorido com as costas da mão. Desta vez, Aurox agarrou o seu pulso e, usando a sua própria força sobrenatural, atirou o imortal para longe.
A besta rugiu.
— Ele está perdendo o controle! — Aphrodite exclamou.
— Voltem para os túneis! — Stark gritou. — Eu não sei por quanto tempo vamos conseguir controlá-lo.
— É melhor que vocês consigam controlá-lo, pois não vamos a lugar nenhum! Aurox, aguente firme! — Zoey berrou.
— Estou tentando! — Aurox foi para trás, afastando-se dos três guerreiros, que estavam ofegantes, mas não estavam atacando de novo. — Eu posso controlar!
— Se você não controlar e machucar qualquer um aqui, eu vou destruí-lo — Kalona disse com voz calma.
Ele não gritou. Ele não mudou de postura. Mas Aurox sentiu a verdade da sua afirmação. O imortal pode conseguir me destruir. Esse pensamento fez a besta retroceder, liberando um pouco da sua raiva.
Aurox ficou firme.
— Eu tenho controle!
— Estou contando com isso — Zoey falou. — Guerreiros, abaixem a guarda um segundo. Eu tive uma ideia — eles concordaram, mas continuaram a vigiar Aurox com cuidado. Zoey continuou: — Damien, Shaunee, Stevie Rae, assumam as suas posições. Formem um círculo em volta de Aurox. Os três se espalharam pelo porão. — Aphrodite, pegue a vela de Erin e fique no lugar da água.
— Tenho uma ideia melhor — Aphrodite estendeu uma vela azul para a novata da Visão Verdadeira. — Vá para o oeste e pense em coisas molhadas.
— Água? Eu? — a garota pegou a vela, mas balançou a cabeça, parecendo confusa.
Aphrodite tirou do bolso um pequeno objeto prateado portátil e o abriu. Aurox viu a luz dançar sobre a sua superfície espelhada. Ela o levantou na altura do rosto da garota.
— Leia a sua própria aura.
A novata suspirou e olhou para o espelho. Então ela levantou as sobrancelhas e os seus olhos pareceram dobrar de tamanho.
— Que incrível! Uau! Eu nunca tinha pensado em ler a minha própria aura. Eu sou de vários tons de azul!
Aphrodite fechou o espelho e o guardou de volta no bolso, parecendo presunçosa.
— Sim, exatamente como eu imaginava. Agora, vá para o oeste.
Sorrindo, a novata assumiu o seu lugar no círculo.
— Isso foi sábio, Profetisa — Thanatos comentou.
— Eu tenho os meus momentos — Aphrodite disse. Então ela se dirigiu a Zoey, que estava vendo a cena com olhos arregalados junto com os outros novatos: — De nada.
— Ok, bem, vamos ver se eu consigo ser assim tão sábia — Zoey falou.
— Como posso ajudar? — Thanatos se ofereceu.
— Trace o círculo. Desta vez, eu não quero ser mais nada além do espírito — Zoey respondeu rapidamente.
— De acordo — Thanatos afirmou.
— Aurox, você está se segurando aí? — Zoey perguntou a ele.
Ele ainda estava ofegante, e a besta espreitava logo abaixo da superfície da sua pele, mas, como os guerreiros haviam parado de atacá-lo, Aurox tinha recuperado mais controle de novo.
— Sim. Por enquanto.
— Certo, então a gente vai fazer o seguinte — enquanto falava, Zoey caminhou na direção dele. — Thanatos, trace o círculo. Nós vamos manifestar os nossos elementos e mantê-los aqui, preparados. Guerreiros, depois que os cinco elementos estiverem presentes, ataquem Aurox — ela havia parado a apenas alguns passos de Aurox e dos três guerreiros. — Aurox, quero que você contra-ataque e faça o melhor que pode para controlar a besta, mas quando você começar a perder o controle, porque todos nós estamos vendo que você não consegue deter o que está acontecendo com você, vai ser a nossa vez de tentar ajudá-lo.
— Como? — ele perguntou a ela.
— Já fiz um pouco disso antes. Eu enviei o espírito para fortalecê-lo. Imagine essa força multiplicada por cinco — ela explicou. — Você disse que a besta se alimenta de violência, raiva e dor, certo?
— Certo — ele assentiu.
— Bem, apesar de os elementos não serem nem bons nem maus, a sensação que eles fazem nós cinco sentirmos é definitivamente boa. Então, eu pensei que, se nós cinco canalizarmos não apenas os nossos elementos para você, mas o modo como eles fazem a gente se sentir bem, então talvez você possa se agarrar nisso e extrair poder positivo suficiente para deter a besta.
— Aurox, se isso funcionar — Thanatos se juntou a Zoey no centro do círculo — vai ser uma prova de que você é mais do que as Trevas com as quais você foi feito.
— Então isso vai funcionar porque eu não sou Trevas. Não posso ser — ele falou com firmeza.
— Prove — Stark disse.
— Vou provar — Aurox respondeu. Então ele encontrou o olhar de Zoey. — Estou pronto.
— Então vamos começar com o ar — Thanatos pegou o isqueiro que Zoey lhe ofereceu e caminhou até Damien. Falando com simplicidade, Thanatos fez a invocação. — Ar, você é o primeiro dos elementos, e eu o chamo para este círculo — depois de acender a vela amarela de Damien, ela foi até Shaunee, invocando o fogo da mesma forma.
Quando ficou diante da novata da Visão Verdadeira, ela se alongou mais:
— Água, você é sempre mutável, está sempre se adaptando. Muitas vezes, você tem sido chamada para este círculo e se manifestado através de sua novata, Erin Bates. Mas essa novata, como a água, mudou e se adaptou a outro ambiente. Esta nova filha de Nyx se coloca aqui no círculo, aberta e ansiosa para aceitar os seus dons. Como Alta Sacerdotisa, eu a convido para este círculo. Venha, água, e mostre para Shaylin que ela é abençoada!
Aurox observou Thanatos acender a vela azul da novata, e então ela ficou ofegante de prazer.
— Eu posso sentir! A água está aqui ao meu redor!
Thanatos sorriu.
— E por esse dom, nós agradecemos Nyx profundamente.
A Alta Sacerdotisa foi até Stevie Rae, invocou a terra e acendeu a vela verde. Aurox podia sentir o cheiro de grama e de terra. Ele respirou fundo, lembrando-se da manhã em que havia despertado ouvindo Vovó Redbird cantar. Eu preciso fazer isso. Ela acreditou em mim e eu não vou abandoná-la.
Então Thanatos parou na frente de Zoey.
— Espírito, você é o último elemento a se juntar ao círculo. Você abre e fecha a nossa união. Eu o chamo aqui, saudando-o efusivamente. Merry meet! Venha, espírito!
Quando ela encostou o isqueiro na vela roxa, houve um som chiado e a vela de Zoey se acendeu com uma chama prateada. A labareda ardeu intensamente e cresceu, transformando-se de repente em um fio incandescente que conectava todos em volta do círculo. Aurox sentiu o poder agitar o ar ao seu redor. Ele respirou fundo e se preparou.
— Vamos começar — Zoey disse. — Guerreiros, provoquem dor nele!
Desta vez, Stark atacou primeiro. Aurox achou que estava preparado, mas o vampiro o surpreendeu. Em vez de socá-lo, Stark chutou as suas pernas, derrubando-o.
Ele bateu com força no chão. Aurox estava tentando se recompor e levantar quando Kalona lhe deu um chute no estômago, ao mesmo tempo que Darius cortava o seu outro ombro com a lâmina da faca.
Aurox reagiu automaticamente. Ele agarrou as pernas do imortal e então se contorceu, quando se virou e atacou Darius nas costas com a sua mão, que já estava se transformando em um casco fendido. Os dois guerreiros grunhiram de dor, e aquela dor se acendeu dentro de Aurox como um fósforo na palha seca. A besta explodiu para a superfície. Ele rugiu e arremeteu contra Stark.
— Está na hora! — Thanatos exclamou.
— Ordenem que os seus elementos preencham Aurox! Mostrem a ele como é sentir a alegria do ar, do fogo, da água, da terra e do espírito! — Zoey gritou.
Aurox mal podia ouvir Zoey. Ele virou a cabeça na direção dela. A chama prateada que ela estava segurando na sua frente atraiu a atenção da besta. Ele rugiu, querendo desviar de curso, querendo atacar a chama.
— Cuidado com ele, Z.! — Stark gritou. — Venha cá, sua aberração! Não se atreva a olhar para ela!
O guerreiro empurrou Aurox com o ombro, forçando-o para trás. Aurox fingiu cambalear, mas na verdade se desviou para a direita e com o punho esquerdo, que agora era um casco completamente formado, acertou Stark na boca do estômago, fazendo com que ele se curvasse. Aurox estava abaixando a cabeça, preparando-se para furar o guerreiro com seus chifres, quando os elementos o atingiram.
Desta vez ele cambaleou sem fingimento. Ele sentiu o espírito primeiro. Sentiu profundamente no seu interior. Algo despertou. Algo que era o oposto da besta de Trevas que compartilhava o corpo com ele. A alegria ganhou vida. Era uma sensação estranhamente familiar, que fez Aurox virar a cabeça, automaticamente buscando e encontrando Zoey. Os olhos deles se encontraram. Ela estava chorando. Em uma das mãos, ela estava segurando a vela com chama prateada. Sua outra mão estava pressionada contra o peito.
— Não chore, Zo. Você vai ficar cheia de catarro — ele se ouviu dizer com uma voz humana, perfeitamente normal.
Uma rajada forte de ar o engolfou e ele ficou ofegante – e riu. Parecia um minitornado. O fogo veio em uma onda quente, que a água em seguida resfriou. A terra foi como um campo perfumado de lavandas, calmante e fortalecedor.
Aurox riu. Ele virou a cabeça para baixo, olhando para o que havia alguns instantes eram cascos fendidos e mortais. Agora ele tinha mãos e pés de novo!
— Não dê a volta olímpica da vitória ainda. Isso não significa merda nenhuma se você não pode lutar — Stark deu um soco nele. Com força. Jorrou sangue do seu nariz, junto com muita dor.
Aurox gemeu e revidou o soco, que pegou Stark na lateral do queixo.
— Eu posso lutar! — ele gritou.
Stark caiu.
A besta estremeceu dentro dele, mas Aurox pensou nos elementos e a presença deles o fortaleceu. Ele sentiu a criatura se encolher e se acovardar.
Aurox estava sorrindo quando Darius o atacou. Aurox se desviou do golpe, batendo com tanta força no pulso do guerreiro que ele soltou a faca, que saiu deslizando no chão do porão. Aurox ainda estava sorrindo quando passou uma rasteira nas pernas de Darius, fazendo o guerreiro cair de costas.
Kalona não foi tão fácil. A velocidade dele era sobrenatural e, agora que Aurox não tinha os reflexos da besta, ele só conseguia bloquear um terço dos seus golpes. Mas isso não importava. Aurox ainda estava lutando, e ainda era humano, e era isso o que realmente importava.
— Ok, já chega! — a ordem de Thanatos veio quando Stark e Darius se juntaram a Kalona e eles estavam cercando Aurox.
Os guerreiros pararam, apesar de Aurox achar que eles obedeceram à Alta Sacerdotisa com relutância.
— Espírito, terra, água, fogo e ar, agradeço a cada um por sua presença poderosa. Vocês podem partir agora e até a próxima. Merry meet, merry part e merry meet again! — Thanatos fechou o círculo.
Como se fossem uma só, as chamas de todas as velas arderam intensamente e depois se apagaram.
— Hum, deu certo — Zoey falou quebrando o silêncio.
Aurox limpou o sangue do seu nariz e da sua boca com a própria blusa. Sem pensar no que estava fazendo, ele seguiu as suas pernas e correu em direção a Zoey. Então os seus braços a levantaram e o seu corpo girou com ela sem parar, enquanto sua voz gritava:
— Você conseguiu! Deu certo!
Uma gargalhada escapou dela, mas assim que ele colocou Zoey no chão ela se afastou dele, indo ficar ao lado de Stark.
— Não fui só eu. Fomos todos nós — ela pegou a mão de Stark e, ignorando Aurox, sorriu para todos os outros. — Vocês foram incríveis.
— Ok, tudo bem, o círculo funcionou — Stark observou. — Mas como isso vai se traduzir em ajudar a tirar Vovó da cobertura de Neferet? Ela não vai deixar você traçar um círculo lá em cima.
— Bom, eu não tinha pensado tão à frente assim — Zoey disse.
— Vocês precisam ver Aurox para fortalecê-lo com os elementos? — Kalona perguntou.
— Na verdade, não — Zoey respondeu. — É mais difícil, e eu não sei por quanto tempo nós conseguiremos fazer isso, mas não precisamos ver alguém para enviar os nossos elementos até essa pessoa.
— Acho que um feitiço de proteção é a resposta — Thanatos falou devagar, raciocinando em voz alta. — Cerquem o edifício Mayo. Eu vou abrir o círculo e fazer o feitiço, amarrando-o com sal. Zoey, se o espírito estiver no centro do círculo, no coração do edifício, o círculo pode se manter.
— O lobby do edifício Mayo é grande. Há um bar e um restaurante ali — Aphrodite lembrou. — A comida é muito boa, e eles inclusive têm uma carta de champanhe decente. E é um lugar escuro e romântico.
— E por que eu me importaria com isso? — Zoey perguntou.
— Porque você e eu podemos sentar ali, em uma mesinha de canto. Eu posso tomar um bom champanhe. Você pode fingir que está lendo um livro enorme e enfadonho, enquanto acende uma versão menor e menos óbvia dessa vela roxa e dispara todos os elementos para o menino-touro.
— Onde nós vamos ficar? — Stark quis saber, parecendo não estar nem um pouco feliz com a ideia.
— Do lado de fora, cuidado da horda nerd para que nenhum louco da rua esbarre, por exemplo, na Rainha Damien e faça com que ele dê um gritinho, derrube a vela e ferre com tudo — Aphrodite explicou.
— Eu não vou derrubar a minha vela — Damien afirmou.
— E se for alguém muito, muito fedido e você achar que ele tem piolho? — Aphrodite provocou.
— Eca — Damien encolheu os ombros.
— Eu avisei — Aphrodite concluiu.
— Aurox, você consegue fazer isso? — Zoey perguntou.
Ele encontrou os olhos dela sem hesitar.
— Sim. Eu consigo. Eu vou fazer. Desde que os elementos consigam fortalecer a mim — Aurox fez uma pausa e não conseguiu evitar um sorriso de pura alegria. — A mim! Eu sou mais do que uma besta. Eu sou mais do que Trevas — ele se voltou para Thanatos. — Você disse que eu tinha uma escolha. Eu escolho a Luz e o caminho da Deusa.
Thanatos retribuiu o sorriso dele.
— Sim, meu filho. Sim, eu acredito nisso. E também acredito que a Deusa o escutou.
— Bem, ele definitivamente está falando alto o bastante para a Deusa escutar — Stevie Rae sorriu para ele também.
Mas Zoey não estava sorrindo. Ela havia se virado para Kalona.
— Você pode mesmo pegar Vovó? Isso parece ridículo e superassustador. Quero dizer, Aurox vai arremessá-la do alto do edifício Mayo.
Kalona abriu suas asas. Elas envolveram o grupo e roçaram o teto do porão. As feridas do imortal haviam se aberto durante a luta, e o sangue corria livremente pelo seu corpo. Aurox pensou que ele parecia um deus vingador.
— Eu vou pegá-la e, quando estiver comigo, Sylvia Redbird vai estar completamente segura.
Zoey assentiu.
— Eu conto com isso. Ok, então esse é o nosso plano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!