1 de outubro de 2015

Capítulo 2

Eu fiquei incrivelmente aliviada quando Neferet disse que não havia razão para eu ficar no salão de recepção. Depois da cena com minha família, eu senti que todos estavam me olhando. Eu era, afinal de contas, a garota com a Marca bizarra e uma família pavorosa. Eu peguei o caminho mais curto para sair do salão de recepção – a calçada que leva para fora em um lindo jardim que as janelas do salão da jantar mostravam.
Era um pouco depois da meia-noite, o que era – sim – um hora totalmente estranha para uma visitação dos pais, mas a escola começa as aulas as 20 horas, e termina as 3 da manhã. Na superfície parece fazer mais sentido fazer a visitação dos pais começar às 20 horas, ou mesmo uma hora mais ou menos antes da aula começar, mas Neferet me explicou que o ponto era os pais aceitarem a Mudança de seus filhos, e entender que dia e noite sempre seria diferente para eles. Sozinha eu decidi que outra vantagem de fazer a hora ser inconveniente é que dá a muitos pais a desculpa que eles precisam para não vir, sem precisar dizer a seus filhos, Hey – eu não quero nada a ver com você, agora que está se transformando num monstro sugador de sangue.
Pena que meus pais não entenderam a deixa.
Eu suspirei e diminui a velocidade, levando tempo seguindo um dos caminhos através do jardim. Era uma noite fria e clara de novembro. A lua estava quase cheia, e seu brilho prateado era um bonito contraste com as luminárias a gás que iluminavam o jardim com seu suave brilho amarelo. Eu podia ouvir a fonte que ficava no meio do jardim, e automaticamente mudei de direção para ir em direção a ela. Talvez o suave barulho da água ajudasse meu nível de estresse... e me ajudasse a esquecer.
Quando eu fiz a curva que levava para a fonte eu estava andando devagar, e sonhando acordada sobre o meu novo quase-namorado, o totalmente delicioso Erik. Ele estava longe da escola para a competição de monólogos de Shakespeare. Naturalmente, ele terminou em primeiro na nossa escola, e avançou facilmente pela competição internacional entre as Houses of Night. Era quinta, e ele só tinha ido na segunda, mas eu sentia falta dele feito louca e não podia esperar o domingo quando ele supostamente deveria voltar. Erik era o cara mais gostoso da nossa escola. Diabos, Erik Night pode ser o cara mais gostoso de qualquer escola. Ele é alto, dark, e lindo – como uma estrela de cinema das antigas (sem as latentes tendências homossexuais). Ele também era incrivelmente talentoso. Algum dia em breve ele iria se juntar ao ranking de outros vampiros estrelas de cinema como Matthew McConaughey, James Franco, Jake Gyllenhaal, e Hugh Jackman (que é totalmente lindo para um cara velho). Além do mais, Erik era realmente um cara legal – que era só um complemento a sua gostosura.
Então eu admito com ter visões de Erik como Tristan e eu como Isolde (nossa própria história de amor apaixonada teria um final feliz), e não notei que havia outras pessoas no jardim até que uma voz masculina alta me chocou por ter soado tão maldosa e enojada.
— Você é um desapontamento após o outro, Aphrodite! — eu congelei. Aphrodite?
— Já foi ruim o suficiente que você ter sido Marcada significasse que você não poderia frequentar Chatham Hall, especialmente depois de tudo que eu fiz para me certificar que você fosse aceita — disse em uma voz fria e delicada.
— Mãe, eu sei. Eu disse que sinto muito.
Ok, eu deveria ir embora. Eu deveria virar e andar rápida e silenciosamente para fora do jardim. Aphrodite era provavelmente a pessoa menos favorita para mim nessa escola. Na verdade, Aphrodite era provavelmente a pessoa menos favorita em qualquer lugar, mas ouvir de propósito o que era claramente uma cena feia com os pais dela era errado, errado, errado.
Então eu andei na ponta dos pés alguns centímetros fora do caminho onde pudesse me esconder mais facilmente atrás de um arbusto de ornamento grande perto da fonte. Os pais dela estavam parados na frente dela. Bem, a mãe dela estava parada. O pai dela andava de um lado para o outro.
Cara, os pais dela eram pessoas realmente bonitas. O pai dela era alto e bonito. O tipo de cara que se manteve em forma, tinha todo o seu cabelo, e dentes realmente muito bons. Ele estava vestido com um terno escuro que parecia custar um zilhão de dólares. Ele também parecia estranhamente familiar, e eu tinha certeza que o vi na TV ou algo assim. A mãe dela era linda. Eu quero dizer, Aphrodite era loira e parecia perfeita, e a mãe dela era mais velha, vestida de forma mais cara, e totalmente a crescida versão dela. O suéter dela era obviamente cashmere, e as pérolas dela eram longas e reais. Toda vez que ela gesticulava com suas mãos um diamante em forma de pêra enorme no seu dedo de aliança brilhava uma luz tão fria e linda como sua voz.
— Você esqueceu que seu pai é o prefeito de Tulsa? — A mãe de Aphrodite surtou viciosamente.
— Não, não, é claro que não, mãe.
A mãe dela não pareceu ouvir. — É uma ladeira e tanto o fato de você estar aqui ao invés da Costa Leste se preparando para Harvard que era difícil o suficiente, mas nos consolamos com o fato que vampiros podem conseguir dinheiro e poder e sucesso, e esperamos que você fosse sucedida nisso — ela parou e olhou de forma amarga — de forma excepcional. E agora ficamos sabendo que você não é mais líder das Filhas das Trevas e foi rejeitada como Alta Sacerdotisa em treinamento, o que te faz não ser diferente de nenhum dos desperdícios que frequentam essa escola miserável. — A mãe de Aphrodite hesitou, como se precisasse se acalmar antes de continuar. Quando ela falou de novo, eu tive que me esforçar para ouvir ela sussurrar. — O seu comportamento é inaceitável.
— Como sempre, você nos desapontou — o pai dela repetiu.
— Você já disse isso, pai — Aphrodite disse, soando como sempre.
Como o bote de uma cobra, a mãe dela bateu no rosto de Aphrodite, com tanta força que a batida de pele contra pele me fez pular e recuar. Eu esperei que Aphrodite saísse do banco pulasse na garganta da mãe (por favor – não chamamos ela de bruxa do inferno por nada), mas ela não fez isso. Ela só pressionou sua própria palma contra a bochecha e curvou a cabeça.
— Não chore. Eu já te disse antes, lágrimas significam fraqueza. Pelo menos faça isso certo e não chore — a mãe dela disse.
Devagar Aphrodite levantou sua cabeça e tirou a mão da bochecha. — Eu não queria desapontar você, mãe. Eu realmente sinto muito.
— Dizer que você sente muito não conserta nada — a mãe dela disse. — O que queremos saber é o que você vai fazer sobre pegar sua posição de volta.
Nas sombras segurei a respiração.
— Eu – eu não posso fazer nada — Aphrodite disse, parecendo sem esperanças e de repente muito jovem. — Eu fiz besteira. Neferet me pegou. Ela tirou as Filhas das Trevas de mim e a deu para outra pessoa. Eu acho que ela está até mesmo considerando me transferir para outra House of Night.
— Já sabemos disso! — A mãe dela ergueu a voz, juntando as palavras para que elas parecessem ser feitas de gelo. — Falamos com Neferet antes de ver você. Ela iria transferir você para outra escola, mas intercedemos. Você permanecerá nessa escola. Também tentamos falar com ela sobre devolver sua posição, depois de, talvez, um tempo de restrição ou detenção.
— Oh, mãe, você não fez isso?
Aphrodite soava horrizada, e eu não podia culpar ela. Eu só podia imaginar que a impressão que esses frios, pais que fingem-ser-tão-perfeitos deram a nossa Alta Sacerdotisa. Se Aphrodite algum dia já teve a menor chance de ter Neferet de volta em seu favor, os pais bizarros dela provavelmente arruinaram tudo.
— É claro que fizemos! Você esperava que não fizéssemos nada enquanto você destrói seu futuro se tornando uma vampira ninguém na indescritivelmente estranha House of Night? — a mãe dela disse.
— Mais do que você já fez — o pai dela acrescentou.
— Mas não é sobre eu fazer algum tipo de restrição — Aphrodite disse, obviamente tentado controlar sua frustração e ser razoável com eles. — Eu fiz besteira. Muito grande. Isso é ruim o suficiente, mas tem uma garota aqui cujos poderes são mais fortes que os meus. Mesmo que Neferet supere o fato de estar irritada comigo, ela não vai me devolver as Filhas das Trevas. — Então Aphrodite disse algo que me chocou totalmente. — A outra garota é uma líder melhor que eu. Eu percebi isso em Samhain. Ela merece ser a líder das Filhas das Trevas. Eu não.
Oh meu Deus. O inferno congelou?
A mãe de Aphrodite deu um passo para mais perto dela e eu recuei com ela, certa que ela fosse bater nela de novo. Mas a mãe dela não bateu nela. Ela se curvou para que seu lindo rosto estivesse olhando diretamente para o da filha. De onde eu estava elas pareciam tanto que era assustador.
— Nunca diga que alguém merece mais do que você. Você é minha filha, e você sempre irá merecer o melhor. — Então ela se ergueu de novo e passou a mão pelo seu cabelo perfeito, embora eu tivesse certeza que ele não se atreveria a se bagunçar. — Não conseguimos convencer Neferet a devolver sua posição, então você irá convencer ela.
— Mas, mãe, eu já disse a você — ela começou, mas o pai dela a cortou.
— Tire a garota nova do caminho, e Neferet estará mais propensa em te devolver sua posição.
Ah, merda. “A garota nova” era eu.
— Desacredite ela. Faça ela cometer erros, e então se certifique que outra pessoa conte a Neferet sobre eles e não você. Vai parecer melhor desse jeito. — A mãe dela falou, como se estivesse falando sobre que roupa Aphrodite deveria usar amanhã ao invés de tramar contra mim. Droga, em falar em bruxa do inferno!
— E cuide-se. Seu comportamento tem que ser além de perfeito. Talvez você devesse ser mais aberta com suas visões, pelo menos por enquanto — o pai dela disse.
— Mas você me disse por anos para manter as visões para mim mesma, que elas eram a fonte do meu poder.
Eu mal podia acreditar no que estava ouvindo! Um mês atrás Damien me disse que vários garotos pensavam que Aphrodite estava tentado esconder suas visões de Neferet, mas eles pensavam que era porque ela odiava humanos – e as visões de Aphrodite eram sempre sobre uma futura tragédia onde humanos morriam. Quando ela dividiu suas visões com Neferet, a Alta Sacerdotisa foi quase sempre capaz de impedir as tragédias de acontecerem e salvar vidas. Então Aphrodite propositalmente manter suas visões para si era uma das coisas que me fizeram decidir que eu tinha que tomar a posição dela como a líder das Filhas das Trevas. Eu não tenho fome de poder. Eu não queria a posição de verdade. Diabos, eu ainda não tinha certeza do que fazer com ela. Eu apenas sei que Aphrodite não era coisa boa, e que eu tinha que fazer algo para impedir ela. Agora eu estava ouvindo que uma parte da merda que ela estava fazendo era porque ela deixava seus odiosos pais mandarem nela! A mãe e pai dela achavam que estava tudo bem em não falar sobre informações que podiam salvar vidas. E o pai dela era o prefeito de Tulsa! (Não era de se admirar que ele parecia familiar.) Era tão bizarro que estava fazendo minha cabeça doer.
— As visões não são sua fonte de poder! — O pai dela estava dizendo. — Você nunca escuta? Eu disse que suas visões poderiam ser usadas para ganhar poder para você, porque informação sempre é poder. A fonte das suas visões é a Mudança que acontece no seu corpo. É genética, só isso.
— É para ser um dom de uma deusa — Aphrodite disse suavemente.
A risada da mãe dela era fria. — Não seja idiota. Se existe tal coisa como uma deusa, porque ela daria poderes a você? Você é apenas uma ridícula criança, e uma que está frequentemente cometendo erros, e essa sua última escapadinha mais uma vez provou isso. Então seja inteligente e mude, Aphrodite. Use suas visões para ganhar de volta confiança, mas aja de forma humilde sobre isso. Você tem que fazer Neferet acreditar que você sente muito.
Eu quase não ouvi o sussurro de Aphrodite, — Eu sinto muito...
— Esperamos notícias muito melhores mês que vem.
— Sim, mãe.
— Ótimo, agora nos leve de volta para o salão de recepção para que possamos nos misturar com os outros.
—Posso por favor ficar aqui um pouco? Eu realmente não estou me sentindo muito bem.
— Absolutamente não. O que as pessoas diriam? — A mãe dela disse. — Controle-se. Você irá nos escoltar de volta para o salão e será graciosa sobre isso. Agora.
Aphrodite estava devagar levantando do banco, e com o coração batendo tão rápido que tive medo que me entregasse, eu voltei rapidamente para o caminho pelo que eu vim até a bifurcação que me tiraria do jardim. Então eu praticamente sai correndo do jardim.
Eu pensei sobre o que eu ouvi todo o caminho de volta ao dormitório. Eu acreditava ter pais horríveis, mas eles eram como os pais do “The Brady Bunch” (olá – eu assisti as reprises da Nickelodeon como todo mundo) comparado aos odiosos e adoradores de poder, pais de Aphrodite. Por mais que eu odiasse admitir, o que eu vi hoje a noite me fez entender porque Aphrodite agia como agia. Eu quero dizer, como eu seria se eu não tivesse o amor e apoio da Vovó Redbird que foi minha espinha dorsal nesses três últimos anos? E isso era outra coisa também. Minha mãe tinha sido normal. Claro, ela tem estado estressada e não prestou atenção nas coisas, mas ela foi normal pelos primeiros 13 anos dos meus quase 17 anos de vida. Só foi depois que ela casou com John que ela mudou. Então eu tive uma boa mãe e uma fantástica avó. E se eu não tivesse? E se tudo que eu conhecesse fosse tudo que passei nos últimos três anos – eu sendo indesejada na minha própria família?
Eu poderia ter ficado igual Aphrodite, e eu ainda poderia deixar meus pais me controlarem porque esperava desesperadamente ser boa o bastante, deixar eles orgulhosos o suficiente, para que um dia eles realmente me amassem.
Isso me fez ver Aphrodite com olhos totalmente novos, o que eu não me deixou particularmente animada.

8 comentários:

  1. "Nem todo escuro é mal e nem todo claro é bom" não foi tipo isso que nyx disse mas quem sera o lobo disfarçado de cordeiro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito sábio anônimo minha familia é igual por mais que me esforce não consigo orgulha-lá

      Excluir
  2. Eu já desconfiava que ela não era realmente má no ultimo livro (a ultima fala dela, o aviso, é uma das características que me fez desconfiar). E desde a metade do ultimo eu estou desconfiada da mentora dela, sinceramente ela é muito suspeita.
    Karina, muito obrigada por postar essa serie incrível de livros. Como eu não fiz nenhum comentário no ultimo acabei não agradecendo. Valeu, estou ansiosa para continuar lendo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, de nada :)
      Espero que curta a série, com seus altos e baixos!

      Excluir
    2. Eu também soube que ela não era realmente má no último capítulo do primeiro livro. O aviso que ela deu destruiu a fachada de vaca dela, não sei como a Z não percebeu antes.

      Excluir
  3. "Nem todo escuro é mal e nem todo claro é bom" Claramente falando sobre Aphrodite e Neferet.
    Fiquei com pena da Aphrodite, a maioria dos valentões mimados dos livros teens tem pais horríveis. Espero que ela desista de tentar agradar os pais e vire uma boa pessoa.

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!