6 de outubro de 2015

Capítulo 19 - Stark

— Sim, eu estou ouvindo você, Aphrodite. Você quer que eu memorize aquele poema. — Stark falou com ela através dos fones de ouvido do helicóptero, que ele desejava que ele soubesse como desligar.
Ele não queria ouvi-la falando sem parar, não queria falar com Aphrodite ou com qualquer um. Estava totalmente preocupado em girar mais e mais sua mente procurando uma estratégia para conseguir entrar com Zoey na ilha.
Stark olhou para fora da janela do helicóptero, tentando ver através da escuridão e do nevoeiro o primeiro vislumbre da Ilha de Skye, onde, de acordo com Duantia e basicamente todo o Alto Conselho, ele estava indo ao encontro da morte certa em algum momento dos próximos cinco dias.
— Não aquele poema, idiota. Aquela profecia. Eu não iria pedir a alguém para memorizar um poema. Metáfora, alegoria, alusão, simbolismo... blá-blá... ugh. Faz o meu cabelo perder o brilho pensar em toda essa baboseira. Não que aquela uma profecia sugue menos, mas ela é, infelizmente, de grande importância. E Stevie Rae tem um ponto sobre isso. Ela parece como um mapa confuso poético — Aphrodite disse.
— Eu estou de acordo com Aphrodite e Stevie Rae — disse Darius. — Os poemas proféticos de Kramisha deram orientação à Zoey antes. Este poderia fazer a mesma coisa.
Stark arrastou seu olhar da janela.
— Eu sei. — Ele olhou de Darius a Aphrodite, em seguida, seus olhos foram ao corpo aparentemente sem vida de Zoey, onde ela estava amarrada em uma maca estreita entre os três. — Ela já encontrou Kalona na água. Ela tem de purificá-lo através do fogo. Ar tem que sussurrar a ela algo que seu espírito já sabe, e se ela continuar a seguir a verdade, ela estará livre. Eu já memorizei essa droga toda. Eu não me importo se é um poema ou uma profecia. Se há uma chance que isso pode ajudá-la, eu vou levá-lo para Zoey.
A voz do piloto veio através dos fones de ouvido para todos eles.
— Estou descendo agora. Lembrem-se, tudo o que posso fazer é deixá-los lá fora. O resto é com vocês. Basta saber que se colocar um pé na ilha sem a permissão de Sgiach, você vai morrer.
— Entendi isso na primeira das dúzias de vezes que vocês idiotas disseram isso — murmurou Stark, não se importando quando o piloto deu-lhe um olhar sombrio sobre o ombro.
Em seguida, o helicóptero pousou e Darius estava ajudando-o a desatar Zoey. Stark desceu para o chão. Darius e Aphrodite cuidadosamente entregaram Zoey a ele, e ele a embalou nos braços, tentando protegê-la do pior do vento frio e úmido chicoteado pelas enormes hélices do helicóptero. Darius e Aphrodite se juntaram a ele, e todos se apressaram para fora do helicóptero, mas o piloto não tinha exagerado. Eles não estavam no chão sequer por um minuto quando o helicóptero decolou.
— Cuzão — disse Stark.
— Eles estão apenas seguindo seus instintos — disse Darius, olhando ao seu redor como se esperasse que o bicho-papão saltasse para fora da névoa.
— Sem essa merda. Este lugar é super assustador — disse Aphrodite, aproximando-se de Darius, que pôs a mão no braço dela possessivamente.
Stark franziu para eles.
— Vocês dois estão bem? Não me diga que aquele medinho deles chegou a vocês.
Darius o olhou para cima e para baixo, e, em seguida, trocou um olhar com Aphrodite antes de responder.
— Você não sente isso, sente?
— Eu sinto frio e umidade. Me sinto chateado que Zoey está em apuros e não fui capaz de ajudá-la, e me sinto irritado que o amanhecer é em apenas uma hora ou algo assim e meu único abrigo é um barraco que os vampiros disseram que está a uma caminhada de trinta minutos voltando pelo caminho que viemos. Alguma dessas coisas é o “isso” que você está falando?
— Não — Aphrodite respondeu por Darius, o guerreiro também estava balançando a cabeça. — O “isso” que Darius e eu sentimos é um forte desejo de fugir. E eu quero correr. Agora.
— Eu quero ter Aphrodite fora daqui. Afastá-la da ilha e nunca mais voltar — disse Darius. — Isso é o que todos os meus instintos me dizem.
— E você não sente nada disso? — Aphrodite perguntou a Stark. — Você não quer levar Zoey para fora daqui?
— Não.
— Eu acho que é um bom sinal — disse Darius. — A advertência que é inerente à terra é algo que passa por ele.
— Ou Stark simplesmente tem muito músculo e pouco cérebro para ser avisado — Aphrodite disse.
— Com esse pensamento otimista, vamos começar . Não tenho tempo a perder com sentimentos assustadores — Stark disse. Ainda carregando Zoey, ele começou a andar em direção a longa e estreita ponte que se estendia entre o afloramento do continente e a ilha escocesa. Era iluminada por tochas que mal podiam se vistas através da mistura de sopa de noite e neblina. — Vocês dois estão vindo? Ou vão correr daqui gritando como meninas?
— Nós estamos com você — disse Darius, chegando até ele em um par de passos.
— Sim, e eu disse que queria correr. Não disse nenhuma merda sobre gritar. Não sou uma gritadora — disse Aphrodite.
Ambos pareciam bastante durões, mas Stark ainda não tinha chegado a metade do caminho da ponte quando ele ouviu Aphrodite sussurrando para Darius. Ele olhou para os dois. Mesmo na lanterna fraca, ele poderia ver quão pálidos o Guerreiro e sua profetisa tinham ficado. Stark parou.
— Vocês não tem que vir comigo. Todos, mesmo Thanatos, disseram que não há absolutamente nenhuma maneira que Sgiach vá deixar vocês entrarem na ilha. Mesmo se todos eles estiverem errados, e vocês entrarem lá, não há muito o que fazer. Eu tenho que descobrir como chegar a Zoey. Sozinho.
— Nós não podemos estar ao seu lado quando você estiver no Outromundo — disse Darius.
— Então, estaremos observando a sua volta, e não há nada que você possa fazer sobre isso. Zoey ficaria totalmente chateada comigo quando voltasse de lá — Aphrodite apontou para o corpo de Zoey — e descobrisse que Darius e eu tínhamos deixado-o fazer toda essa merda sozinho. Você sabe como ela é com a mentalidade um por todos e todos por um. Os vampiros não trariam toda a horda de nerds aqui, algo pelo que eu não posso culpá-los, assim sendo, Darius e eu estamos aqui por eles. Novamente. Como você disse, pare de desperdiçar o tempo que não tem. — Ela acenou para a escuridão em frente. — Vá em frente, eu vou simplesmente ignorar as ondas negras abaixo de nós e o fato de que tenho a maldita certeza de que essa ponte vai quebrar a qualquer momento e deixar-nos cair nessa merda de água, onde os monstros do mar vão nos arrastar sob ondas fantasmas negras e chupar nossos cérebros.
— Assim é realmente como este lugar te faz sentir? — Stark tentou, sem sucesso, esconder o sorriso.
— Sim, retardado, é.
Stark olhou para Darius, que concordou com a cabeça, porque em vez de falar, ele estava, obviamente, escolhendo firmar sua mandíbula e disparando olhares desconfiados para baixo para as... ondas fantasmas negras.
— Errr... — Stark continuou tentando esconder seu sorriso e sorriu para Aphrodite. — É só água e uma ponte para mim. Que pena que é tão ruim para você.
— Caminhe — disse Aphrodite — antes que eu esqueça que você está segurando Zoey e o empurre para fora desta ponte para que Darius e eu possamos correr de volta pelo caminho que viemos, gritando ou não.
O sorriso de Stark durou apenas alguns metros mais. Não veio um antigo feitiço “vá embora” sobre ele. Tudo que teve era o peso de Zoey imóvel em seu ombro.
Eu não devo ficar brincando com Aphrodite. Eu preciso de foco. Pense no que dizer a eles e, por favor, oh, por favor, Nyx, permita-me fazer o certo. Permita-me dizer o que vai me levar à essa ilha. Sisudo e firme, Stark os levou ao outro lado da ponte, até que eles pararam em frente a um imponente arco feito de uma pedra branca etérea e bela. As tochas capturavam veias de prata no que Stark tinha pensado ser um mármore raro, de modo que o arco reluzia sedutoramente.
— Oh, pelo amor do saco plástico, eu mal posso olhar para isso — Aphrodite disse, virando a cabeça do arco e evitando os olhos. — E eu costumo amar coisas com faíscas.
— É mais do feitiço. — A voz de Darius estava áspera com tensão. — É destinado a repelir.
— Repelir? — Aphrodite olhou para o arco, estremeceu, e olhou rapidamente para longe novamente. — “Repulsar” é uma palavra melhor.
— Isso não afeta você, também. Não é? — Darius perguntou a Stark.
Stark deu de ombros.
— É impressionante, e é obviamente caro, mas isso não me faz sentir estranho. — Ele aproximou-se ao mármore e estudou o arco. — Então, onde está a campainha ou o que quer que seja? Como podemos chamar alguém? Existe um telefone, ou eu grito, ou o quê?
— Ha Gaelic akiv? — A voz desencarnada masculina parecia vir do próprio arco, como se fosse um portal de vida. Stark olhou para a escuridão com perplexidade. — Vai ser na língua inglesa, então — continuou a voz. — Sua presença indesejada aqui ser tudo o que é necessário para me chamar.
— Eu preciso ver Sgiach. É uma questão de vida ou morte — disse Stark.
— Sgiach nae está preocupada com wains qualquer, mesmo que seja uma questão de vida ou morte.
Desta vez, a voz parecia mais perto, mais clara, e ela tinha um sotaque escocês, que era mais um rosnar do que um sotaque.
— Que diabos é uma wains? — Aphrodite sussurrou.
— Sssh — Stark disse a ela. Para a voz sem rosto, ele disse, — Zoey não é uma criança. Ela é uma Alta Sacerdotisa, e ela precisa de ajuda.
O homem saiu das sombras. Ele estava vestindo um kilt cor de terra, mas não era como aqueles que ele tinha visto em sua viagem corrida pelas terras Altas. Este era feito de material melhor, e não era formal. Esse vampiro não tinha um casaco tweedcom camisa de babados. Seu peito musculoso e braços estavam nus enquanto ele usava apenas um colete de couro e um protetor de antebraço. O punho de uma adaga brilhava em sua cintura. Exceto por uma tira de cabelo curto até o centro de sua cabeça, sua cabeça era raspada. Dois aros de ouro brilhavam em uma orelha. A luz do fogo refletiu na pulseira de ouro que ele usava em torno de um pulso. Em contraste com o seu corpo poderoso, seu rosto era profundamente vincado. Sua barba estava completamente branca. As tatuagens em seu rosto eram grifos, as garras estendidas até as maçãs do rosto. A impressão geral e imediata que Stark recebeu dele era que este era um Guerreiro que poderia andar através do fogo e emergir não apenas ileso, mas vitorioso.
— Essa pequena moça ser uma caloura, nae uma Alta Sacerdotisa — disse ele.
— Zoey não é como os outros calouros — Stark falou rapidamente, com medo do cara que parecia que tinha saído de um mundo antigo que se materializaria e se desvaneceria no passado a qualquer momento. — Até dois dias atrás, ela tinha tatuagens de um vampiro, além de tatuagens em grande parte do resto do corpo. E ela tinha afinidade com todos os cinco elementos.
Os olhos azuis avaliadores do vampiro permaneceram em Stark, sem olhar para Zoey ou Darius e Aphrodite.
— Mas hoje eu só ver um calouro inconsciente.
— Sua alma foi quebrada há dois dias lutando com um imortal caído. Quando isso aconteceu, suas tatuagens desapareceram.
— Então morrendo ela estar. — O vampiro levantou uma das mãos em um gesto de repúdio, e começou a se virar para longe.
— Não! — Stark gritou, e adiantou-se.
— Stad Anis, ficar longe! — O Guerreiro mandou, e com uma velocidade sobrenatural, o vampiro se virou rapidamente e saltou para a frente, pousando diretamente sob o arco e bloqueando o caminho de Stark. — Você ser estúpido ou tolo, homem? Você não ter permissão para entrar na Ilha de Sgiath, a Ilha das Mulheres. Se tentar, então sua vida será perdida, sim, não se engane sobre isso.
A centímetros do imponente vampiro, Stark manteve sua posição e olhou-o olho no olho.
— Eu não sou estúpido nem tolo. Sou o Guerreiro de Zoey, e se acho que posso protegê-la melhor trazendo-a para esta ilha, então é o meu direito levar minha Alta Sacerdotisa até Sgiach.
— Você estar mal informado, Guerreiro — o vampiro disse placidamente, mas firme. — Sgiach e sua ilha ser um mundo à parte do Alto Conselho e das suas regras. Eu nae sou um Filho de Erebus e mo bann ri, minha rainha, nae está na Itália. Um guerreiro trazendo uma Alta Sacerdotisa ferida ou nae, nae tem direito aqui dentro. Você naetem direito nenhum aqui.
Abruptamente, Stark virou-se para Darius.
— Segure Zoey. — Ele passou sua Alta Sacerdotisa ao outro guerreiro e, em seguida, enfrentou o vampiro novamente. Stark levantou a mão, palma para fora, e enquanto o vampiro o observava com curiosidade aberta, ele cortou seu pulso com a unha do polegar. — Eu não estou pedindo para entrar como um Guerreiro Filho de Erebus, eu saí do Alto Conselho. Suas regras não significam nada para mim. Inferno, eu não estou pedindo para entrar! Através do direito que eu herdei do meu sangue, estou exigindover Sgiach. Tenho algo para lhe dizer.
O vampiro não tirou os olhos do olhar de Stark, mas seu nariz dilatou quando ele cheirou o ar.
— Qual ser o seu nome?
— Hoje eles me chamam de Stark, mas acho que o nome que você está procurando é o que me chamavam antes de ser marcado, MacUallis.
— Permaneça aqui, MacUallis.
O vampiro desapareceu na noite.
Stark limpou o braço sangrando em seu jeans e pegou Zoey de Darius.
— Eu não vou deixá-la morrer — dando uma respiração profunda, ele fechou os olhos e se preparou para passar sob o arco e ir atrás do vampiro, contando com o sangue de seus antepassados humanos para protegê-lo.
A mão de Darius pegou seu braço, segurando-o antes que ele cruzasse o limiar.
— Acho que o vampiro quis dizer para você ficar aqui porque ele está voltando.
Stark fez uma pausa e olhou de Darius a Aphrodite, que revirou os olhos para ele, e disse:
— Sabe, nesta vida você provavelmente deveria aprender a ter paciência com um pouco de “pegue uma pista”. Jeesh, basta esperar alguns minutos. O rapaz Guerreiro bárbaro lhe disse para esperar aqui, não para ir embora. Parece que ele está voltando.
Stark resmungou e deu meio passo para trás, embora andasse de um lado para o outro, deslocando o peso Zoey de modo que ela poderia estar mais confortável.
— Ótimo. Vou esperar. Mas não ficarei esperando muito tempo. Ou eles me deixam entrar na maldita ilha, ou não. De qualquer maneira, quero ver o que acontece depois disso.
— A humana está correta. — A voz da mulher saiu da escuridão da ilha. — Você precisa aprender a ter paciência, jovem Guerreiro.
Stark se endireitou e enfrentou a ilha novamente.
— Eu só tenho cinco dias para salvá-la. Caso contrário, ela vai morrer. Não tenho tempo para aprender a ter paciência agora.
O riso da mulher fez os pelos finos dos ombros de Stark se levantarem.
— Impetuoso, arrogante e impertinente — disse ela. — Ele me lembra você há vários séculos, Seoras.
— Sim, mas eu nunca ser assim tão jovem — respondeu a voz do vampiro Guerreiro.
Stark estava lutando para não gritar com os dois para saírem do escuro e enfrentá-lo quando eles pareceram se materializar na névoa diretamente na frente dele, ao lado do arco. O vampiro de aparência arcaica estava lá novamente, mas Stark mal olhou para ele. Seu foco foi inteiramente cativado pela mulher.
Ela era alta, com um corpo de ombros largos que era musculoso, mas totalmente feminino. Havia linhas nos cantos dos olhos, que eram grandes e bonitos e uma máscara surpreendente de ouro misturado com verde, a cor exata da peça em punho do tamanho de laranja pendurada no meio do cordão em torno de seu pescoço. Exceto por uma única mecha vermelho-canela, o seu cabelo até a cintura era perfeitamente branco, mas ela não parecia velha. Ela não parecia jovem, também. Enquanto a estudava, Stark percebeu que ela lembrava Kalona, que era eterno e antigo ao mesmo tempo. Suas tatuagens eram incríveis, espadas com punhos esculpidos e lâminas emolduravam seu rosto forte e sensual. Ele percebeu que ninguém disse nada enquanto ele estava em espanto, e Stark pigarreou, trouxe Zoey para perto dele, e curvou-se respeitosamente para ela.
— Merry meet, Sgiach.
— Por que eu deveria permitir que entre em minha ilha? — ela perguntou sem preâmbulos.
Stark respirou fundo e ergueu o queixo, encontrando o olhar de Sgiach que estava em seu Guerreiro.
— É o meu direito de sangue. Eu sou um MacUallis. Isso significa que eu sou parte do seu clã.
— Nae ser dela, rapaz. Meu — o vampiro disse a ele, curvando os lábios em um sorriso que era muito mais perigoso do que convidativo.
Tomado de surpresa, Stark transferiu sua atenção para o Guerreiro.
— Seu? Eu sou parte do seu clã? — Disse ele estupidamente.
— Eu me lembro de você ser mais inteligente quando era jovem — Sgiach disse a seu Guerreiro.
— Sim — O vampirou aspirou. — Jovem ou nae, eu tinha mais senso que isso.
— Eu sou suficientemente inteligente para saber que a história do meu sangue humano ainda me dá direito a pisar nesta ilha — disse Stark.
— Você acabou de sair de suas fraldas, garoto — o Guerreiro disse sarcasticamente. — Ser mais adequado para jogos colegiais, e não há nada disso aqui nesta ilha.
Ao invés de chatear Stark, as palavras do vampiro desencadearam a sua memória, e era como se as notas de Damien estivessem na frente dele novamente.
— É por isso que é meu direito entrar na ilha — disse Stark. — Eu não sei nada sobre o que é preciso para ser Guerreiro o suficiente para salvar Zoey, mas posso dizer que ela é mais do que uma Alta Sacerdotisa. Antes que sua alma fosse despedaçada, ela estava se transformando em algo que vampiros nunca viram. — Os pensamentos iam chegando para ele, e quando ele falou e viu a surpresa no rosto de Sgiach, os pedaços do quebra-cabeça se juntaram, e seu intestino disse que ele estava seguindo a linha certa de raciocínio. — Zoey estava se tornando uma Rainha dos Elementos. Eu sou seu Guerreiro, seu Guardião, e ela é minha Dama. Estou aqui para aprender a proteger a minha Dama. Não é isso que vocês todos são? Guerreiros treinando para proteger suas Damas?
— Eles pararam de vir para mim — disse Sgiach.
Stark pensou que só imaginou a tristeza em sua voz, mas quando seu Guerreiro moveu um pouco mais para perto de sua rainha, era como se ele fosse tão sintonizado com suas necessidades que ele queria tirar mesmo aquela pequena nota de desconforto dela. Stark soube então, além de qualquer dúvida, que ele tinha encontrado a resposta, e mandou um silencioso obrigado, Nyx para a Deusa.
— Não, nós não paramos de chegar. Eu estou aqui — disse Stark à rainha antiga. — Eu sou um Guerreiro. Eu sou do sangue MacUallis. Estou pedindo sua ajuda para que eu possa proteger a minha Dama. Por favor, Sgiach, me deixe entrar na sua ilha. Ensine-me a forma de manter viva a minha Rainha.
Sgiach hesitou apenas o tempo suficiente para compartilhar um olhar com o Guerreiro, então ela levantou a mão e disse:
— Failte gu ant Eilean nan Sgiath... Bem-vindo à ilha de Sgiach. Você pode entrar na minha ilha.
— Sua Majestade. — A voz de Darius fez todos pararem.
O Guerreiro caiu de joelhos diante do arco, Aphrodite em pé um pouco atrás dele.
— Você pode falar, Guerreiro — Sgiach disse.
— Eu não sou do sangue do clã, mas eu protejo uma Dama e, portanto, peço a entrada para a sua ilha também. Apesar de eu não ser um Guerreiro novato, acredito que há muito aqui que não sei, tanto que eu gostaria de aprender enquanto eu estiver ao lado do meu irmão Guerreiro em sua jornada para salvar a vida de Zoey.
— Esta ser uma fêmea humana e nae uma Alta Sacerdotisa. Como você poder ser o Guerreiro dela? — perguntou o Guerreiro vampiro.
— Me desculpe, eu não peguei o seu nome. Era Shawnus? — Aphrodite foi para o lado de Darius e descansou a mão em seu ombro.
— É Seoras, vocês são surdos, também? — Disse o Guerreiro, pronunciando lentamente.
Stark ficou surpreso ao ver seus lábios enrolando no tom malicioso de Aphrodite.
— Ok, Seoras. — Ela imitou o sotaque com uma precisão assustadora. — Eu nae sou uma humana. Eu era uma caloura que tinha visões. Então eu nae era mais uma caloura. E quando deixei de ser caloura, Nyx, por razões sobre as quais eu ainda estou muito desinformada, decidiu deixar-me com a minha Visão. Então agora eu sou a Profetisa da Deusa. Espero que, juntamente com todo o estresse e dores nos olhos que tenho, essa coisa de Profetisa signifique que eu cresça graciosa, como sua Rainha. — Aphrodite parou para curvar a cabeça para Sgiach, cujas sobrancelhas subiram, mas não a matou como Stark pensou que ela merecia. — De qualquer forma, Darius é meu Guerreiro de juramento prestado. Pelo o que estou começando a entender, espero, pois sou péssima em figuras de linguagens, eu sou uma Dama em meu próprio caminho. Então Darius se encaixa em o seu Clã Guardião, com laço de sangue ou sem.
Stark pensou ter ouvido Seoras murmurar “fedelha arrogante”, ao mesmo tempo em que Sgiach sussurrou:
— Interessante.
— Failte gu ant Eilean nan Sgiath, profetisa e seu Guerreiro — Sgiach disse.
Sem qualquer discussão mais aprofundada, Stark, levando Zoey, seguido por Darius e Aphrodite, passou sob o arco de mármore e entrou na Ilha das Mulheres.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!