10 de outubro de 2015

Capítulo 17 - Zoey

A pedra da vidência ardia na minha mão. Eu sabia por que não havia me dissolvido em lágrimas ou berrado feito uma histérica.
Thanatos estava certa. Estava na hora de todos jurarem lealdade à nossa House of Night e tomarem uma posição definitiva. Nós já estávamos contra muita coisa para ter que ficar lutando uns contra os outros também. Foi isso que ela sempre disse. Era nisso que eu também tinha começado a acreditar.
Dei um passo à frente, tomando cuidado para ficar fora do círculo de sangue de Dallas. Segurando firme a minha pedra da vidência, respirei fundo e orei: Magia antiga, ajude-me... fortaleça-me! O calor explodiu da pedra da vidência e o poder chiou através do meu corpo. Quando eu falei, o volume da minha voz ecoou as minhas palavras pela multidão.
— O meu círculo e eu escolhemos o caminho de Nyx. Nós estamos unidos a esta House of Night!
Damien e Shaunee foram os primeiros do meu círculo a se juntar a mim. Eles vieram até o meu lado e se curvaram respeitosamente para Thanatos, repetindo as minhas palavras:
— Nós estamos unidos!
Shaylin e Aphrodite deram um passo à frente para ficar ao lado deles. Darius, Stark e Aurox (que eu fiquei surpresa e feliz em ver) juntaram-se a nós. Rodeando-me, os membros do meu círculo colocaram suas mãos em punho sobre o coração e se curvaram respeitosamente, demonstrando a nossa solidariedade.
Isso deu o exemplo. Kramisha, Erik, Johnny B., Ant, Nicole e todos os outros novatos vermelhos de Stevie Rae atravessaram a multidão e vieram para a frente. Percebi que alguns estavam chorando. Outros, como Erik e Kramisha, estavam pálidos de choque, mas todos se curvaram e juraram lealdade à nossa House of Night.
O resto da escola começou a se curvar e a fazer suas promessas de ficar unidos a seguir o caminho da Deusa. Prestei uma atenção especial nos novatos que haviam sobrado do grupo de Dallas. Eles eram fáceis de identificar. Os meninos eram totalmente desleixados e sujos, e as garotas usavam mais delineador do que roupas. Mas agora eles não estavam todos valentões e rebeldes. Eles pareciam assustados. Todos se curvaram para Thanatos. Eu não pude deixar de pensar até que ponto os seus juramentos eram sinceros, porque, afinal de contas, que escolha eles tinham? Imaginei o que eu faria no lugar deles. Eu não ia correr o risco de ser morta de jeito nenhum. Com certeza, eu iria fingir me unir a Thanatos. Mais tarde, porém, minha escolha poderia ser diferente.
E como se a minha pedra da vidência nunca tivesse se parecido com um forno em miniatura, ele se resfriou, deixando-me tonta e com náuseas, com uma dor de cabeça latejante começando na minha têmpora direita.
Magia antiga era uma coisa assustadora!
— E agora eu ordeno que nós retomemos a nossa vida normal. A escola deve continuar — Thanatos estava dizendo. — Nós vamos ficar vigilantes em relação às forças das Trevas que agem ao nosso redor, mas elas não devem mais agir entre nós. Peço a Zoey e seu círculo que permaneça aqui e se reúna comigo rapidamente. O resto de vocês tem cinco minutos para estar na segunda aula. Professores, cuidem dos seus calouros. Que todos sejam abençoados.
Eu meio que senti como se alguém tivesse acabado de me dar um banho de água fria. Dallas havia sido decapitado. Dois novatos iriam morrer muito em breve, mas não se atrasem para a segunda aula? Como assim? Como poderia ser tão simples continuar o resto do dia como se nada tivesse acontecido?
— Zoey, eu preciso que você trace um círculo — Thanatos veio andando a passos largos na minha direção enquanto a multidão se dispersava silenciosamente.
— Aqui? Agora?
— Sim, aqui. Ao redor do corpo do vampiro. Mas não agora. Espere até que os novatos já tenham voltado para as suas aulas.
— Ok — respondi devagar. — Mas preciso que alguém fique no lugar de Stevie Rae.
— Eu posso substituir Stevie Rae.
Todo mundo se virou para Aurox.
— Por que você? — Stark perguntou antes que eu dissesse qualquer coisa, o que me deixou muito irritada. Era o meu círculo, não o dele!
— Por que não eu? Sei onde fica o norte. Posso segurar uma vela verde e invocar a terra. E quero ajudar Zoey.
— Parece ótimo para mim — respondi sem olhar para Stark. — Damien, Aurox e Shaunee, vocês podem pegar as velas do círculo e os fósforos?
Aurox se curvou respeitosamente para mim antes de os três saírem em direção ao templo de Nyx para pegar o material para o círculo.
— O que está rolando? Por que fazer um círculo agora? Alguém não deveria vir limpar essa bagunça? — Aphrodite perguntou, indicado o corpo de Dallas, sem olhar pra ele.
— É exatamente isso o que Zoey e seu círculo vão fazer — Thanatos explicou. — Um vampiro condenado e executado não merece uma pira e as tradições de um funeral. Ele também não deve ser enterrado em lugar nenhum que possa virar um local de adoração para seus seguidores desencaminhados. Os seus restos precisam ser simplesmente destruídos, rápido e em silêncio.
— Oh — eu compreendi. — Você quer que eu trace um círculo e fortaleça Shaunee para que ela possa, bem, ahn... — eu hesitei, sem saber direito como colocar as coisas e me sentindo mal ao pensar no que nós íamos ter que fazer.
— Limpar essa bagunça — Aphrodite concluiu por mim.
— Sim, bem colocado — Thanatos soou como se estivesse falando sobre levar o lixo para fora. — E quanto menos atenção a gente chamar para essa limpeza, melhor. Então, eu agradeço às duas Profetisas por desempenharem os seus papéis como dignidade e sabedoria, mas agora devo insistir para que Aphrodite volte para a aula e que Shaylin se junte a ela logo depois de ter invocado a água no círculo de Zoey.
Aphrodite fechou a cara. A sala de aula não era o seu lugar favorito no mundo. Eu franzi a sobrancelha para ela – não que ela tenha percebido – pensando que eu ficaria feliz de trocar de lugar com ela.
— Venha, minha bela, vamos juntos — Darius pegou a mão dela, e os dois saíram andando na direção do prédio principal da escola.
— Eu vou buscar a minha vela azul e dizer a Damien e aos outros para se apressarem — Shaylin falou. Ela começou a caminhar na direção do Templo de Nyx, então fez uma pausa e se voltou para Thanatos. — Eu li as suas cores. Você está fazendo o que precisava ser feito. Às vezes, os métodos antigos são os melhores.
— Eu também acredito nisso — Thanatos afirmou.
— Isso não torna o que aconteceu aqui nem um pouco menos horrível — Shaylin continuou.
— Não menos horrível, mas necessário — Thanatos argumentou.
— A escola não está toda do seu lado — Shaylin contou.
— Estou ciente disso.
— Acho que você ficaria surpresa ao saber que todos estão pensando duas vezes no seu juramento a você e a esta escola — Shayllin disse.
— Mas eu imagino que você possa me revelar isso lendo as cores das pessoas, não é? — Thanatos perguntou.
O meu estômago se revirou.
— Ok, esperem aí — eu intervim. — Sou totalmente a favor de uma frente unida contra as Trevas, mas não sou a favor de que Shaylin seja usada para invadir os pensamentos das pessoas.
— O que você quer dizer, Zoey? — Thanatos pareceu me atravessar com os olhos.
— Que Shaylin não deve ser usada como sua espiã! — eu não sabia exatamente por que essa ideia me incomodava tanto, mas definitivamente me incomodava.
— Se ela estiver trabalhando a serviço de Nyx... — Thanatos começou.
Eu a cortei.
— Nyx concedeu o livre-arbítrio a todos nós. Isso significa que não é contra as regras da própria Deusa que qualquer um de nós questione as escolhas que fizermos e que vamos fazer no futuro? Não há nada de errado nisso. Só um idiota nunca questiona o que dizem para ele fazer.
— Shaylin, as cores de Dallas mostraram a você que ele era perigoso? — Thanatos perguntou a ela, sem desviar os olhos dos meus.
— Eu sabia que ele estava nervoso e era violento. Eu não sabia que ele ia tentar matar Stevie Rae e Shaunee.
— Mas, se Dallas tivesse sido contido por causa do que você viu dentro da aura dele antes desta manhã, Stevie Rae teria sido poupada de muita dor — Thanatos presumiu.
— Contido? Você quer dizer morto, antes que ele realmente fizesse algo? — eu me sentia como se fosse explodir.
— Acho que não foi isso o que Thanatos quis dizer — Stark opinou.
— Eu gostaria de ouvir Thanatos dizer isso — eu falei.
— Nos tempos antigos, só vampiros que de fato cometiam alguma violência contra outros vampiros eram executados — ela afirmou.
— Nós não estamos nos tempos antigos — eu rebati. — E acho que não é da conta de ninguém o que as pessoas pensam. Mas você sabe quem achava que era da sua conta o que todos nós pensávamos? Neferet. E eu não gosto do que isso fez a ela.
Thanatos levantou as sobrancelhas.
— O seu ponto de vista foi bem colocado, Sacerdotisa — ela disse.
— Shaylin, vá ver por que Damien e os outros estão demorando tanto — eu ordenei.
Shaylin hesitou só por um instante, então se curvou para mim e saiu apressada.
— Você tem opiniões fortes — Thanatos observou.
— Você também.
— Você vai traçar o círculo e ajudar Shaunee a destruir o vampiro culpado?
— Sim. Eu não quero que ele seja feito de mártir, assim como você — eu respondi.
— Obrigada. Então vou deixá-la com o seu círculo — o olhar dela se voltou para Stark. — Você trabalhou bem hoje, guerreiro. Estou orgulhosa de você. Abençoado seja — ela curvou levemente a cabeça e foi embora.
— Eu juro que ela está agindo a cada dia mais como a Morte — eu falei, observando Thanatos enquanto ela se afastava.
— Z., acho que ela só está fazendo o melhor que pode para manter todos nós seguros.
O meu primeiro impulso foi discutir com Stark, perguntar por que ele não estava ficando do meu lado, mas quando eu realmente olhei para ele, vi que as suas roupas estavam rasgadas e enlameadas, e o sangue de Dallas estava respingando por toda a sua blusa e sua calça. O rosto dele estava pálido e tenso, e eu me dei conta de que, apesar de Kalona ter anunciado que havia trazido Dallas de volta para a escola, foi a flecha de Stark que tornou aquela execução possível.
Então Stark havia assistido Kalona decapitar o garoto.
Coloquei meus braços ao redor dele, afundando o meu rosto no seu peito.
— Acho que você está fazendo o melhor que pode para manter todos nós seguros.
— Você está bem, Z.? Eu queria ter contado a você o que Thanatos ia fazer, mas não deu tempo — ele hesitou e então acrescentou: — Eu senti aquela enorme onda de poder que você teve quando levantou a voz. Não foi como você se sente quando o espírito a preenche, então eu imagino que possa ter algo a ver com a magia antiga. Estou certo?
Eu fiquei inquieta e desconfortável.
— Bem, a minha pedra da vidência esquentou, e agora eu estou me sentindo acabada. Então, sim, eu acho que isso tem algo a ver com magia antiga.
— Acho que faz sentido, especialmente com Thanatos invocando regras ancestrais e tal.
— Pois é, a gente tinha acabado de falar sobre isso na classe, mas eu queria saber se isso significa que ela está fazendo a coisa certa ou não — eu externei as minhas preocupações em voz alta.
— Ei — ele levantou o meu queixo. — É você que tem a pedra da vidência. Você só tem que se preocupar se você está fazendo a coisa certa. E limpar essa bagunça de Dallas é definitivamente a coisa certa. Ok?
— Ok — eu o beijei. — Como você está?
— Cansado — ele disse. — E toda essa coisa da cabeça de Dallas sendo cortada... bem... Eu sabia o que ia acontecer e achei que estava preparado para isso. Mas... — ele perdeu as palavras e me abraçou com força.
— Stark, eu acho que não há nenhum jeito de se preparar para ver a cabeça de um garoto ser cortada — eu também o abracei forte. — Ei, você deve ir tomar um banho e se trocar. Que tal nos encontrarmos no almoço?
— Que tal nós marcamos um encontro depois das aulas para não fazer nada além de ficarmos juntinhos e sozinhos, assistindo uma maratona de Big Bang Theory?
Eu sorri para ele.
— Ninguém além de mim sabe como você é bobo de verdade.
— Eu preciso rir, e Sheldon me faz rir.
— Ok, mas só se você não tirar sarro de mim por eu não entender todas as piadas dele — eu pedi.
— Mas isso é parte do que me faz rir — ele disse.
— Ok. Pode rir da minha cara. Eu vou me sacrificar por você — eu falei brincando.
A expressão dele ficou séria.
— Eu sempre vou me sacrificar por você — ele respirou fundo e então, do nada, afirmou: — Eu não quero que você comece a andar com Aurox.
Eu dei um passo para trás e me afastei dele.
— Do que você está falando?
— Sei que eu disse que dividiria você com Heath, mas eu só falei isso depois que o garoto estava morto, e agora ele está de volta e eu acho que não vou conseguir dividir você com ele, e eu quero que você fique longe dele — ele colocou tudo para fora rapidamente.
— Desculpem pela demora! Alguém colocou os fósforos de ritual na gaveta dos bastões de defumação. Eu pensei que a gente nunca iria encontrá-los. Eu odeio quando as coisas ficam fora do lugar — Damien tagarelou ofegante, com uma aparência exausta, quando ele, Shaylin, Shaunee e Aurox chegaram apressados até nós, com as mãos cheias de velas e fósforos.
— Shaylin me contou o que Thanatos quer, estou pronta — Shaunee disse.
— Há algo errado? — Shaylin perguntou, olhando para mim e Stark com uma concentração desconcertante.
— Não, está tudo bem — respondi. — Stark está de saída para tomar um banho e se trocar. Certo, Stark?
Stark colocou os braços em volta de mim e me puxou para mais perto. Então ele me beijou. Na boca. De um jeito impetuoso e possessivo. Uma das mãos desceu pelas minhas costas e parou no meu traseiro, enquanto ele dizia:
— Certo, Z. Eu te vejo mais tarde. Durante o nosso encontro. A sós — ele deu um apertão na minha bunda e então saiu apressado.
Shaylin me entregou a vela roxa do espírito, e eu me conti para não atirá-la nele. Que diabos eu ia fazer em relação a Stark? Será que ele realmente acreditava que agindo possessivamente e me dizendo o que eu devia fazer ele ia conseguir que eu não tivesse vontade de ficar com outro cara? Caramba, claro que não!
Deixei minha irritação de lado e forcei um sorriso alegre.
— Então, vamos traçar esse círculo — eu disse. — Todo mundo pronto?
Enquanto íamos para os nossos lugares, eu ignorei o fato de que Shaylin continuava me observando. Então percebi que eu ia ter que assumir a minha posição no centro do círculo, o que significava que eu teria que ficar perto do corpo decapitado de Dallas em meio a cinzas ensopadas de sangue e terra carbonizada. Resolvi que não ia me importar que Shaylin estava me analisando atentamente e que Stark estava agindo feito um babaca. Eu meio que congelei ao chegar perto do sangue, odiando que aquele cheiro fizesse a minha boca salivar, mas aquela visão fez o meu estômago se contrair.
— Não olhe para ele — a voz de Aurox fez com que eu desviasse o olhar daquele corpo sem cabeça horrível. Ele sorriu para mim da extremidade norte do círculo. — Vá até Damien e invoque o ar. Na hora em que você tiver que ir para o centro do círculo, você vai estar fortalecida pelos elementos. Você consegue, Z.
A última parte do que ele disse soou tanto como Heath que os meus olhos se encheram de lágrimas. Pisquei com força para não chorar, assenti e fui na direção de Damien.
E Aurox estava absolutamente certo. Na hora em que fui para o meio do círculo, acendi a minha vela roxa e invoquei o espírito, eu me senti equilibrada e amparada. Não foi difícil liderar Shaunee e forçar uma explosão de chamas no corpo de Dallas. Depois que ele foi reduzido a cinzas, para mim pareceu natural pedir a Shaylin que fizesse a água lavar o local da pira e que Damien fizesse o vento soprar para longe aquele cheiro de queimado. Finalmente, eu usei Aurox como um canal com a terra. Juntos, nós conseguimos que a terra fizesse brotar grama verde onde antes só existia sangue e cinzas.
— Agora está muito melhor — eu disse, parada no meio da grama verde e fofa, inspirando profundamente o cheiro de primavera, depois de fechar o círculo.
Damien pegou o celular na sua bolsa masculina e conferiu a hora.
— Ah, que ótimo! Nós só perdemos metade da terceira aula. Eu amo Literatura e a professora Penthesilea.
— Terceira aula! — Shaunee exclamou. — Para mim é Esgrima. Fui. Vejo vocês no almoço.
Demos tchau acenando para ela.
— Eu queria que já estivesse na sexta aula — suspirei.
— Pensei que você gostasse da aula de Literatura — Damien disse.
— Eu gosto, mas não gosto da aula de Espanhol, que é a quinta. Estão, se já estivesse na sexta aula, eu teria perdido o Espanhol — esfreguei a testa, sentindo dor de cabeça e tontura de novo.
— Você está bem? — Shaylin perguntou.
Eu olhei para Shaylin. Ela estava me encarando. De novo. A minha irritação ferveu e o meu estômago roncou. A pedra da vidência começou a esquentar no meio do meu peito, o que só me deixou ainda mais nervosa.
Shaylin, pare de ficar me secando! — eu não queria soar tão irritada como as minhas palavras acabaram saindo, e eu não queria de jeito nenhum fazer Shaylin dar um salto como seu eu tivesse acabado de dar um tapa nela, mas foi exatamente isso que aconteceu.
— Desculpe. Eu não tive a intenção — ela falou, quase se encolhendo de medo e se afastando de mim.
Eu suspirei e toquei na pedra da vidência, que estava fria como uma pedra comum.
— Olha só, eu não quis gritar com você. Eu estou com dor de cabeça e com fome, só isso.
— Bem, Z., você acabou de traçar um círculo. Você precisa se equilibrar. Vá até o refeitório e pegue algo para comer — Damien me aconselhou, acariciando o meu braço. — Eu digo para a professora P. onde você está. Vai ficar tudo bem.
— Você está certo, Damien. Comida com certeza vai fazer bem para a minha cabeça.
— Comida ou Coca Cola? — Damien perguntou, sorrindo.
— Coca é comida — eu respondi.
— Zoey, você se importa se eu for até o refeitório com você? — Aurox sugeriu.
— Você não tem que ir para a aula? — eu quis saber.
— Não. Eu só assisto a primeira aula. Depois eu faço a ronda nos jardins da escola.
— Ah, eu, ahn, não sabia disso — eu fiz esse comentário inútil, sem saber se o invejava ou se sentia pena dele.
— De fato, acho que é uma boa ideia Aurox comer algo também. Foi o primeiro círculo dele — Damien fez uma pausa e sorriu para Aurox. — E você foi excelente. Muito bem!
— Ei, obrigado, Damien — Aurox abriu o sorriso, fazendo com que os seus olhos faiscassem de um jeito um pouco familiar de demais.
Como olhos da cor da pedra da lua podem me lembrar dos olhos de Heath?
— Zo, você não se importa que eu vá com você, não é?
Eu me dei conta de que eu estava encarando Aurox – enquanto Shaylin, Damien e Aurox me encaravam – e pisquei.
— Não, tudo bem. Mas você vai ter que se apressar. Vou tentar pegar pelo menos o final da aula de Literatura. Só porque não é Matemática, não quer dizer que eu seja muito boa nessa matéria – eu praticamente saí correndo, com Aurox me seguindo, depois de dar um tchau rápido para Damein e Shaylin.
O refeitório estava deserto, mas eu podia ouvir panelas e frigideiras tinindo lá na cozinha, e um cheiro delicioso tomava conta do ambiente. A minha boca estava salivando loucamente quando Aurox disse:
— Você pode ir pegar as nossas bebidas, que eu vou até a cozinha ver o que está pronto para comer.
Eu concordei sem pensar e fui direto pegar uma Coca. Matei um copo antes de sair de perto da máquina de bebidas. A minha cabeça já estava um pouco mais clara quando eu estava levando dois copos grandes para a mesa em que meu grupo normalmente sentava.
Enquanto eu bebia aquela maravilha marrom gelada, pensei em como era estranho o fato de alguns lugares mudarem totalmente quando estavam vazios. Tipo, o refeitório normalmente era um lugar barulhento e cheio de estudantes e comida, mas naquele momento, meia hora antes do almoço, parecia maior do que era e quase de outra dimensão, como se fosse possível ouvir os ecos dos espíritos dos garotos que não estavam ali, mas que ainda, de algum modo, estavam me observando.
Isso me deu sérios arrepios.
— Peguei para você queijinho-quente e sopinha de tomate — Aurox sorriu alegremente enquanto sentava no banco ao meu lado, colocando uma bandeja cheia de sopa e sanduíches na nossa frente.
Eu só consegui ficar olhando para ele.
O sorriso de Aurox esvaneceu. Ele olhou para o sanduíche de queijo e a sopa e depois para mim.
— Eu pensei que você fosse gostar. Posso levar isso de volta. Também tem sanduíche de peito de peru com queijo, e a cozinheira me disse que estão quase terminando de preparar a salada Cobb.
— Não é isso. Eu amo queijo-quente. E a sopa.
— Então por que você está assim?
— Queijinho-quente e sopinha de tomate. Por que você falou desse jeito?
Ele enrugou a testa.
— Simplesmente saiu da minha boca. Não é assim que se fala?
— Aurox, é assim que eu falava desde o segundo ano do fundamental. Heath também falava assim. Era o nosso almoço preferido porque a nossa escola fazia um espaguete muito ruim.
Psaguete — ele disse em voz baixa.
A minha mente me disse para falar para ele ficar quieto e comer, mas a minha boca disse:
— Nós só falamos assim quando é bom. A loucura do psaguete não acontece com espaguete ruim — eu sabia que estava tagarelando bobagens, mas não conseguia me conter. — Tem também uma música e uma dança sobre a loucura do psaguete.
— Eu sei.
— O que mais você sabe? — eu me senti quente e fria ao mesmo tempo.
— Que algumas vezes eu quero tanto te tocar que às vezes eu acho que posso morrer se você não deixar — ele afirmou.
Senti um frio na barriga.
— Eu estou com Stark.
— Eu sei, e acho que você tinha que ficar fria quanto a isso.
“Ficar fria”! Quando ele falou isso, soou tão parecido com Heath que eu quase perdi o fôlego.
Nenhum de nós disse nada, então ele levantou a mão devagar na direção da minha, que estava na mesa entre nós. Delicadamente, ele pegou a minha mãe e virou ao contrário. Com um dedo, ele acompanhou suavemente a tatuagem cheia de filigranas que cobria a minha palma.
— Você recebeu essas tatuagens de Nyx — ele disse.
— Sim.
— Você tem mais tatuagens especiais — ele tirou o dedo da palma da minha mão e o colocou sobre o meu rosto, onde ele acariciou o padrão repetido ali.
O dedo dele era quente e deu vida aos meus nervos, de modo que onde ele tocava eu me arrepiava. Ele seguiu a linha do meu pescoço até o decote em V da minha camiseta da BDG, e então começou a seguir o traçado da tatuagem, que se estendia sobre a minha cicatriz, de um ombro a outro.
— Isso quase a matou — ele sussurrou.
— Quase — falei meio ofegante, como se estivesse tentando conversar e correr ao mesmo tempo.
Com os dedos ainda no meu corpo, ele olhou dentro dos meus olhos.
— Você teve um Imprint com Heath e ele a salvou. Foi por isso que você não morreu.
— Sim.
— Você bebeu o sangue dele.
Estava muito difícil de falar, então eu apenas assenti.
— Zo, eu quero que você beba o meu sangue.
— Heath, ahn, Aurox... — eu gaguejei. — Não posso. Isso iria magoar Stark e...
Perdi as palavras quando ele pegou uma faca e furou a ponta do dedo que tinha tocado meu peito. Uma única gota vermelha brotou. O cheiro do sangue dele me invadiu. Não era humano. Não era de calouro nem de vampiro. Era mágico.
Eu lambi a ponta do seu dedo e ele gemeu o meu nome:
— Zo!
Aquele sabor atingiu o meu corpo como bomba nuclear. Eu agarrei e segurei com força a mão dele, querendo mais. Fechei os olhos e coloquei o dedo dele na minha boca. Ele se inclinou para frente, encostando a cabeça na minha.
O sino que indicava o final da terceira aula e o começo do almoço soou. Arregalei os olhos e me dei conta do que estava fazendo.
— Não, isso não está certo! Não. Aurox — balançando a cabeça, eu soltei a mão dele.
Ele estava respirando tão ofegante quanto eu.
— Eu não vou contar a ninguém. Eu nunca vou te trair assim.
Eu queria chorar.
— Se você realmente se importa comigo, vá embora. Por favor.
Ele assentiu, colocou um guardanapo em volta do seu dedo sangrado e saiu rapidamente do refeitório.
Bebi um copo inteiro de refrigerante de uma só vez. Enxuguei a boca. Alisei a minha camiseta. Peguei uma metade de queijo-quente e me forcei a comer. E quando todos os meus amigos se juntaram na mesa, sorri, conversei e deixei Stark colocar o braço no meu ombro possessivamente.
Ninguém sabia que eu estava berrando por dentro. Ninguém.

8 comentários:

  1. Foi só em um dedo mas a cena foi quente!!! 😵😵😵

    ResponderExcluir
  2. Ah Zoey nao estraga tudo de novo... Ela é tao fácil , tudo bem q ela ta estressada e tals mas nao justifica

    Aphodite

    ResponderExcluir
  3. Essa zo não é quenga nao, se amostra kkkkkkk.
    O mulher fraca kkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  4. gente é o heath... ooh heath estou tao feliz que vc esta ai de alguma forma.. quase larguei a serie..
    lanny

    ResponderExcluir
  5. No mais, ela tem de ficar com ele mesmo. Não sei pq a piriguete tinha que se atirar no Stark quando ele apareceu. kkkk

    ResponderExcluir
  6. Eu fico irritada, mas sou igual a Zoey. Só de pensar em escolher entre meus boymagias já fico nervosa. Eu não posso, tipo, pegar os dois ao mesmo tempo? É injusto eu ter q escolher só um jsjs

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!