11 de outubro de 2015

Capítulo 17 - Aphrodite

— Eu não confio nela. De jeito nenhum — foram as primeiras palavras que Aphrodite disse para Zoey enquanto conduzia o grupo através da entrada principal da House of Night. Ela parou de andar e ficou na frente de Zoey, as mãos nos quadris, franzindo a testa para todos eles e sentindo uma bola de estresse atacando entre as suas omoplatas. — E da próxima vez que você tentar me deixar para trás para lidar com um grupo de humanos, eu vou embora. Prefiro enfrentar Neferet sozinha sem todos os malditos poderes do que explicar a mais uma mãe paranoica que “Não, novatos e vampiros não estão todos salivando com o pensamento de tantos seres humanos dormindo sob o seu teto, ninguém vai te devorar e muito menos a seus filhos melequentos!”! Por que alguém iria querer comer qualquer um deles? A maioria deles é gordo de qualquer maneira. Eca!
— Aphrodite, você vai ter que desacelerar. Eu não tenho nenhuma ideia de quem ela é, ou porque mamães iriam lhe fazer perguntas loucas — disse Zoey.
— Ela se chama Lynette Witherspoon, suposta ex-serva de Neferet. E mães estão me fazendo perguntas porque eu sou a única não-ameaçadora, não-novata barra vampira à vista.
— Eles não a conhecem muito bem se acham que Aphrodite não é ameaçadora — Stevie Rae comentou.
Aphrodite a espreitou com os olhos.
— Silêncio, caipira.
— Você disse Lynette Witherspoon? Como a proprietária da Everlasting Expressions? — perguntou Damien.
— Sim e sim — Aphrodite disse. — E como diabos você sabe disso?
Damien sorriu.
— Eu simplesmente adoro a sessão de noivas da revista Oklahoma, e a Everlasting Expressions é a mais espetacular planejadora de eventos dos casamentos magníficos.
— Você é tão gay — Aphrodite disse.
— Bom, vocês finalmente voltaram — Kalona disse, caminhando para a sala.
— Isso é o que eu estava dizendo. Você vai atualizá-los ou eu? — Aphrodite perguntou.
— Eu irei aliviar Darius e Stark no perímetro. Dê um resumo para Zoey e o resto deles — Kalona hesitou. — Vou deixar os nossos Guerreiros atualizados. detetive Marx e Aurox, vocês se juntariam a mim?
Os caras balançaram a cabeça e se afastaram com Kalona.
Aphrodite suspirou, desejando que ela fosse se encontrar Darius, mesmo que isso significasse que ela teria que aturar Aurox, Kalona e Marx. Parecia uma eternidade desde que ela e seu lindo Guerreiro tinham tido um dia livre de estresse.
— Terra para Aphrodite. Olá? Alguém em casa? — chamou Damien.
— Sim, você deveria estar nos atualizando, lembra? — disse Stevie Rae.
— Levante-se, horda de nerds. Estou começando a atualizar vocês. Sigam-me para a enfermaria. Lenobia está acomodando Witherspoon em uma das salas afastadas de lá. Acho que ela deveria estar na masmorra, mas Lenobia e, chocantemente, Kalona, me venceram no voto. Aparentemente, lidar com Neferet deixou a mulher à beira de um colapso nervoso. Que seja. Como se nós já não tivéssemos estado nesse estado antes — Aphrodite começou a andar para longe, enquanto nos esforçávamos para acompanhá-la.
— Nós temos uma masmorra? — perguntou Shaylin.
— Não, nós não temos — Damien assegurou-lhe. — Não deixe que Aphrodite assuste até mesmo você — então ele estendeu a mão e puxou a manga de Aphrodite. — Devagar, estamos todos exaustos devido ao Ritual de Proteção.
Aphrodite estreitou os olhos para Damien, mas Z entrou em cena.
— Damien está certo. Além disso, nenhum de nós precisa ouvir qualquer que seja a loucura sobre o que você vai nos contar enquanto corremos atrás de você. E não há nenhuma necessidade de nos atualizar na frente da mulher de que está falando, especialmente se você não confia nela. Vamos para o refeitório pegar algo para comer, para que possamos começar a nos sentir normais de novo, e você pode nos contar sobre esta tal Lynette Witherspoon.
Aphrodite cortou Z, dizendo:
— O refeitório está cheio de humanos. Humanos assustados, nervosos e estressados comendo, humanos irritantes.
— Tudo bem, então, vamos para a sala de jantar dos professores — disse Z.
— Oooooh! Eu nunca estive lá em cima! Você tem certeza de que tudo bem irmos pra lá? — Stevie Rae falou.
— Eu tenho certeza que sim — Zoey disse antes que Aphrodite pudesse responder.
Aphrodite levantou uma sobrancelha, deu um passo para o lado e fez sinal para Z para assumir.
— Bem, então, vá em frente com suas grandes calcinhas de Grande Sacerdotisa.
E Zoey foi.


Zoey
Um longo e chocante silêncio se seguiu ao relato de Aphrodite de tudo o que a mulher Witherspoon dissera.
Shaylin passou a mão trêmula sobre o rosto e disse:
— Olhos de peixes mortos não é apenas a cor da aura de Neferet; é o que ela realmente é – morta por dentro.
— Todas aquelas pessoas — Damien disse em voz baixa. — Ela vai matar todos eles eventualmente.
Aphrodite assentiu.
— Quando Lynette descreveu tudo o que tinha acontecido, as peças do enigma se encaixaram no lugar da minha última visão. Deusa, eu odeio linguagem figurada — ela olhou para mim e ergueu a sobrancelha. — Você estava muito ocupada sendo uma cadela delirante, então não tive a oportunidade de lhe contar, mas um poema pé no saco foi o meu premio bônus — ela fechou os olhos e recitou:

“Com um grande poder vêm grandes responsabilidades
Pese o prazer da liderança e do luxo com a espada de Dâmocles
Quando ela acreditar que antigo é a chave de todas as responsabilidades
É então que tudo vai ruir; é então que a Luz vai sangrar e sangrar.”

Aphrodite abriu os olhos e encontrou meu olhar.
— Pensei que estivesse falando de você. — ela levantou os dedos, ilustrando seus motivos. — Primeiro, você tem muito mais poder do que faz sentido. Depois, às vezes você tem realmente que agir como uma líder, e nós realmente a seguimos, o que significa que você tem acesso a tudo isso — Aphrodite parou e fez um gesto para a bela sala de jantar. — Então há a parte final sobre ela acreditando que o antigo é a chave e a Luz sangrando por causa disso. Bem, isso soa como você usando a sua pedra da vidência e bagunçando o equilíbrio entre luz e escuridão.
— Essa análise soa razoável — disse Damien.
— Obrigada, Rainha Damien. Razoável, sim. Correto, aparentemente não. Eu pulei toda a parte da espada de Dâmocles porque eu não quis pesquisar e porque odeio seriamente tentar descobrir o simbolismo. Mas, depois, descobri que você não matou aqueles homens, e Neferet abateu uma tonelada de pessoas e proclamou o Mayo seu Templo e a ela mesma uma Deusa. Então, eu li a história estúpida de Dâmocles.
— É mais ou menos como esperar que algo terrível aconteça, certo? — disse Stevie Rae.
— A maioria das pessoas pensa assim — disse Damien em sua voz professor. — Na verdade, a história é uma antiga parábola. Dâmocles era um cortesão, cujo trabalho era, basicamente, não fazer nada, apenas ficar em volta, divertir e bajular o seu rei. Um dia Dâmocles fez algum comentário sobre quão fabuloso seria ser rei. Basicamente, o rei disse: “Ei, se você acha que é tão grandioso ser rei, então vá em frente, tente subir ao meu trono”. Naturalmente, Dâmocles aceitou a oferta. Ele estava tendo um momento alegrinho — aqui Damien parou pra rir e disse: — Gay! Hehehe!
— Oh, pelo amor de Deus, conte o resto da história ou eu conto — interrompeu Aphrodite.
Damien se controlou e continuou.
— De qualquer forma, Dâmocles estava tendo um momento tão feliz que ele levou algum tempo para perceber, mas pendurado acima dele, em uma linha tão fina quanto um fio de cabelo havia uma espada. De repente ser rei não parecia tão impressionante para Dâmocles e ele pediu ao rei para deixá-lo voltar para sua própria vida.
— Ah, então a moral não é que a desgraça e a tristeza estão à espreita — falei enquanto a minha lâmpada mental se acendia. — É que você deve ser feliz com o que lhe foi dado.
— Sim, e como o cara da história explicou para que eu pudesse entender a metáfora, não cobiçar o que não lhe foi dado porque essa outra vida supostamente tão impressionante tem a sua própria merda, geralmente na proporção de quanta responsabilidade e luxo você tenha. Como conclusão, acho que a profecia era mais sobre Neferet do que você — Aphrodite terminou.
— O que significa que estamos superferrados porque não é Zoey — disse Shaylin.
— Hã? — me perdi .
— Zoey, se a profecia fosse sobre você, você escutaria o aviso — continuou ela. — Realmente a entendeu. Sabe que Magia Antiga é importante, mas percebe que a chave para o poder é você e sua intenção, e não apenas chamar o poder. Certo?
— Absolutamente — concordei, e minha lâmpada mental acendeu mais uma vez. — Oh, eu entendi! É uma advertência sobre o que Neferet está fazendo. Ela está bagunçando o equilíbrio entre Luz e Trevas por despertar a Magia Antiga.
— E ela não vai parar — disse Damien.
— Verdade — concordei. — Portanto, a resposta é simples. Nós teremos que detê-la. Para o bem de todos.
— Estou esperando que você tenha um plano para isso — Aphrodite disse.
— Graças a vocês, eu tenho o início de um. Precisamos encontrar a espada de Dâmocles de Neferet — falei.


Kalona
— Pelo menos a barreira de proteção a está contendo — Darius foi o primeiro a falar depois que Kalona explicou para ele, Stark, Aurox e ao detetive toda a extensão da farsa macabra que Neferet criara em seu “Templo”.
— Só temporariamente — disse Aurox.
Marx assentiu.
— Sim, Thanatos e Shaunee estão dando tudo o que têm, mas isso está se tornando um esforço terrível sobre elas. Mesmo que elas não tenham nenhuma ideia de por quanto tempo podem manter o feitiço em andamento, uma vez que não estão confinando apenas o Mayo. O feitiço mantém toda Tulsa numa bolha de proteção.
— Você percebe que isso é bom, certo? — dsse Stark. Quando o detetive olhou para ele interrogativamente, o garoto continuou. — A última coisa que precisamos agora é o envolvimento nacional. Veja bem, quanto menos pessoas testemunharem a insanidade de Neferet, mais fácil a nossa limpeza será uma vez que a determos.
— Você ainda acredita que ela pode ser detida? — perguntou Marx.
— Eu acredito — Kalona disse, e ele acreditava nisso. — Eu lutei contra as Trevas, de uma forma ou de outra, por eóns no Outromundo. A guerra contra a escuridão nunca foi vencida porque deve haver Trevas, enquanto também há Luz. Mas a Luz vence batalhas individuais. Neferet é simplesmente mais uma batalha individual na qual a Luz deve vencer esta particularmente tenaz e maligna forma das Trevas.
— Mas com todo o equilíbrio e a batalha contra essas coisas, significa que você perdeu algumas vezes também — Marx apontou.
— Eu perdi — Kalona disse severamente. — Mas as maiores perdas que experimentei foram internas. Eu permiti que as Trevas corrompesse algo que era puro, honesto e verdadeiro, e quando isso aconteceu, as Trevas ganharam uma batalha.
— O que o faz pensar que as Trevas não irão atrás de você de novo e o farão perder mais uma batalha? Desta vez às nossas custas — Stark perguntou.
— Você mesmo perdeu uma batalha para as Trevas, rapaz — Kalona disparou contra o jovem arrogante. — O que o faz pensar que as Trevas não o alcançarão novamente e o farão perder mais uma batalha?
Stark se irritou, mas respondeu sem hesitar:
— Porque eu amo Zoey e prometi a mim mesmo que seguirei o caminho de Nyx.
— E é assim que posso assegurá-lo e a mim mesmo que eu não vou perder esta batalha, por causa do amor e por causa do juramento que fiz. Eu sei o que é cometer perjuro. Não vou farei de novo. Nunca — disse Kalona.
Ele passou a mão pela testa. Ela ainda estava úmida de suor, a única evidência exterior que ele não podia controlar, que mostrava que os ferimentos que ele recebeu na noite anterior ainda não tinham curado totalmente e que continuavam a doer. Preciso ir para o alto, talvez para o telhado do Templo de Nyx. Lá, a magia imortal no meu sangue pode chamar a cura, e devo ganhar tempo... Eu devo ganhar tempo.
— Ei, garotão, tem certeza de que não precisa de um pouco de descanso? — Marx estava perguntando a ele.
Kalona dispensou sua pergunta, evitando a questão com outra.
— Detetive, eu gostaria de lhe pedir um favor.
— Claro, qualquer coisa, especialmente se for ajudar a nos livrar de Neferet.
— Eu gostaria que você interrogasse Lynette. Ela parece não ser mais do que uma ser humana completamente aterrorizada que acaba de passar pela experiência mais traumática de sua vida. Ela respondeu a todas as nossas perguntas prontamente, explicando como as criaturas de Neferet estão possuindo humanos, nos deu contagens precisas de quantas pessoas estão presos no Mayo, o que Neferet está fazendo com elas e quantos deles estão sob seu controle.
— Parece que ela está cooperando bem — disse Marx.
— Sim, parece que sim. Mas duas coisas sobre ela me incomodam. Em primeiro lugar, ela continua a fazer perguntas sobre Neferet.
— Perguntas como quais? — perguntou Marx.
— Como o que aconteceu com Neferet para torná-la louca, como ela conseguiu seu poder, se ela é realmente uma Deusa, e se ela for, como vamos detê-la.
— Eu não posso culpá-la por fazer estas questões — disse Stark. — Se Neferet tivesse acabado de me fazer refém, eu iria querer alguma informação sobre ela também.
— Concordo — disse Kalona. — E isso não me preocuparia tanto com exceção da segunda coisa: ela hesitou quando lhe pedi para escapar e vir comigo.
— Ela absolutamente se recusou a vir comigo — disse Marx, e, em seguida, acrescentou: — O que era compreensível. Não havia escudo protetor prendendo e Neferet nunca teria permitido que ela saísse de lá.
— É verdade, mas minha intuição me diz que há mais sobre Lynette do que ela está nos mostrando. Ela afirma que esta noite estava sendo forçada a ir a uma missão para Neferet, e que ela seria acompanhada pelos filamentos das Trevas e um servo possuído para garantir seu cumprimento e retorno. No entanto, ela estava fora do Templo, envolta nas ocultações de Neferet, bem antes de qualquer um se juntar a ela.
— Qual é a explicação para isso? — perguntou Marx.
— Que Neferet estava mostrando a todos os outros reféns que ela era sua favorita, lhe permitindo deixar o prédio sem estar acompanhada — disse Kalona.
— Na verdade, isso não é bom. Pode ser que Lynette esteja abrigando alguns sintomas da síndrome de Estocolmo.
— O que é isso? — perguntou Stark.
— É um mecanismo de sobrevivência para os reféns que lutam por suas vidas — disse Darius.
— Estou impressionado — Marx falou.
Os lábios de Darius se contraíram.
— Detetive, a formação de Guerreiro inclui muito mais do que espadas, facas e armas. Ela também inclui psicologia, tanto humana quanto vampira.
— Eu não tive nenhum treinamento do Guerreiro — Aurox observou.
— Nem eu. Eu já nasci um Guerreiro — Kalona fez uma pausa e olhou para Stark, acrescentando: — E o garoto não teve treinamento suficiente para saber muita coisa. Por favor, explique a síndrome para nós.
— Basicamente, algumas condições devem ser observadas. Vamos ver, já faz algum tempo desde a academia. Em primeiro lugar, tem que haver uma ameaça para a sobrevivência da refém e a crença de que o captor está disposto a agir sobre essa ameaça —  disse Marx.
— A mulher Witherspoon atende a essa condição — Kalona comentou.
— O próximo passo é que as percepções dos reféns de pequenas gentilezas do captor devem vir dentro de uma atmosfera de terror — acrescentou Darius.
— Eu definitivamente acredito que ter assistido filamentos de Trevas surgirem no meio de sessenta corpos humanos enquanto Neferet lhe servia uma boa taça de vinho e, em seguida discutir o planejamento de eventos atenda a esse critério — Stark apontou.
— Sim, você pode conferir o conjunto todo — Marx concordou. — E a última etapa é que ela tem que ter sido isolada de todas as outras perspectivas, exceto as de seu captor e ter percebido a incapacidade de escapar.
— Confere e confere — disse Stark.
— Isso poderia explicar sua curiosidade sobre Neferet. Ela não está perguntando por que está preocupada. Está perguntando por que está obcecada — Darius terminou.
— Eu vou falar com ela — Marx disse severamente. — Mantenha-a isolada, apenas certifique-se de não fazê-lo de uma maneira ameaçadora. E seu instinto está certo, Kalona. Não confie nela.


Pela Deusa como ele estava cansado! Agora que estava finalmente sozinho, Kalona podia permitir que a extensão de seu cansaço se mostrasse. Suas asas caídas roçavam o chão. Seus ombros doíam. Na verdade, todo o seu corpo doía!
O imortal alado olhou para o telhado do Templo de Nyx e soltou um suspiro longo e exausto.
Apenas faça. Não pense nisso. Stark tem de ser rendido antes do amanhecer, então eu devo encontrar uma maneira de livrar-me da dor persistente de minhas feridas. Ele abaixou a cabeça, deu vários passos largos e, com um gemido, saltou, forçando suas asas a baterem contra o ar e levantá-lo alto o suficiente para que fosse capaz de agarrar a ponta do telhado inclinado do Templo. Ele se ergueu no telhado e ficou deitado de barriga para baixo, tentando recuperar o fôlego.
Quando a explosão de luz do sol o acertou, Kalona não pôde controlar a resposta automática do seu corpo enfraquecido de virar e se encolher. Rudemente, ele disse:
— Diminua sua luz, Erebus! Você vai atrair todo o campus.
A luz do sol berrante desbotou para o brilho suave do crepúsculo.
— Irmão, você não parece bem.
Kalona utilizou o pico do telhado do templo para puxar-se para uma posição sentada, encostando-se na chaminé de pedra com o que ele esperava que fosse um gesto de indiferença.
— E você parece exatamente o mesmo cada vez que aparece pra mim – indesejável.
Em vez de responder com raiva, Erebus estudou seu irmão e, em seguida, disse:
— Algo aconteceu com você.
— Sim. Eu mudei de lado. Embora eu tenha mudado o nível da minha paciência. Esta é a segunda vez hoje que tive que me explicar. O que é vezes demais. Por que está aqui, Erebus?
— Nyx me enviou para verificar você. Parece que ela tinha razão em se preocupar.
Os batimentos cardíacos de Kalona aumentaram. Nyx está preocupada comigo! Mas ele teve o cuidado de manter uma expressão branda. Erebus podia explorar qualquer fraqueza que ele mostrasse, emocional ou física.
— Diga a Deusa que eu aprecio sua preocupação, mas estou apenas seguindo seu édito. Nyx ordenou que eu protegesse de Neferet aqueles que necessitam e é isso o que estou fazendo. Nyx ordenou que eu assumisse a responsabilidade sobre o meu papel na queda de Neferet e sua loucura, e é isso o que estou fazendo. Como meu amigo humano, detetive Marx diria, não há nada para ver aqui – se manda.
— Lembro-me bem do édito Nyx — disse Erebus. — Eu o trouxe para você. Então, também me lembro do que a Deusa proclamou.
Ele fez um gesto largo, e o céu noturno foi iluminado com palavras queimando como raios solares – SE O SEU CORAÇÃO SE ABRIR E SE DESNUDAR DE NOVO, O PERDÃO PODE SUPERAR O ÓDIO, E O AMOR PODE VENCER... VENCER...
Mais uma vez, o édito da Deusa ardia nos olhos e no coração de Kalona. Ele desviou o olhar das palavras brilhantes e elas desapareceram.
— Como você, eu me lembro muito bem das palavras de Nyx — disse Kalona.
— E?
— E o meu coração, assim como o perdão de Nyx não são da sua conta, Erebus!
Erebus deu de ombros.
— Eu apenas estou aqui no lugar de uma preocupada Deusa.
— Diga a Deusa que se ela está realmente tão preocupada, na próxima vez deveria me verificar ela mesma — Kalona não pôde deixar de dizer.
Erebus riu.
— Como você diria, é entre você e Nyx, e não é da minha conta. Diga-lhe você mesmo, se acha que ela vai te ouvir.
— Eu farei isso depois de vencer a batalha contra Neferet — respondeu Kalona. Certamente Nyx me ouvirá então. Certamente vai me perdoar.
— Você parece bastante certo de si mesmo, mas não parece pronto para lutar contra as Trevas — Erebus brincou.
Kalona endireitou-se e olhou para o irmão.
— Eu apenas pareço como se tivesse lutado contra as Trevas e vencido! Não é de admirar que você não reconheça um Guerreiro depois da batalha. Você nunca esteve em uma batalha, não é?
O tom de voz de Erebus ficou sério.
— Você caiu, mas eu permaneci ao Seu lado. Quem acha que A tem mantido a salvo por todos estes longos e solitários anos?
Kalona quase respondeu com um insulto e uma réplica, mas as palavras morreram antes de receberem voz. Em vez disso, o imortal alado acenou com a cabeça cansada.
— Sim, eu sei que você tem mantido a Deusa segura. Tem sido difícil lutar contra as Trevas?
Erebus estava visivelmente surpreso, tanto que levou vários minutos para se recompor e responder.
— Sim. Eu não sou nenhum verdadeiro Guerreiro. Esse era o seu papel, não meu. Acho que tenho sido um mero substituto seu.
Kalona encontrou o olhar dourado de seu irmão.
— E, no entanto Nyx está segura.
— Está.
— Então você tem sido um verdadeiro Guerreiro.
Erebus piscou várias vezes.
— Você me deixa sem palavras com o seu elogio.
O sorriso de Kalona foi irônico.
— Então realizei meu objetivo. Eu te calei. Agora, volte para o Outromundo e continue tentando manter o local que eu, por engano, desocupei.
— Sempre tão arrogante. Você mal tem forças para agarrar-se ao telhado do templo, e ainda assim me dá ordens como se fosse seu direito. Acautelai-vos, Kalona! Algum dia sua arrogância lhe custará muito caro.
— Irmão, ela já custou. Perdi a minha Deusa por causa disso.
— Então por que não aprendeu a moderar sua arrogância? O que está fazendo aqui, Kalona? Por que deve impor seu poder sobre esses mortais?
— Você me chama de arrogante? Bem, eu o chamo de idiota cego! O que faço aqui não é por arrogância ou desejo de poder soberano sobre os mortais. O que faço aqui é meu dever! E para alguns de nós, envolve mais do que brincar à luz do sol com nada mais do que o ato sexual e borboletas em nossas mentes. Para mim, isso significa lutar com Neferet, e não apenas porque minha Deusa mandou, mas porque o meu juramento exige isso de mim.
Erebus olhou para ele com uma expressão que Kalona não sabia interpretar.
— Aparentemente, irmão, você mudou mais do que de lado. Ainda assim, sou obrigado a lembrá-lo que Nyx confia que você será o meio pelo qual Neferet será vencida, por isso tenha cuidado. Suas ações afetam os outros e não apenas a si mesmo.
— Sim, sim, eu sei. Eu sou o Guerreiro. Serei eternamente o Guerreiro. Vá embora, Luz do Sol. Você faz minha cabeça doer.
Kalona estava juntando sua força decrescente para acertar Erebus com a luz da Lua, quando seu irmão pulou do telhado. Exibindo sua força bruta e agilidade, ele pairou no ar por um momento antes de desaparecer em uma explosão de ouro brilhante.
Kalona balançou a cabeça e usou a chaminé como apoio para puxar-se de pé, murmurando:
— Como podemos ser gêmeos? Ele é como um cão latindo eternamente que faz tanto barulho ao proteger seu osso que ninguém percebe sua falta de dentes — finalmente em pé, Kalona enviou um olhar de desculpas para cima. — Não que eu queira compará-la a um osso, Deusa.
Quando Kalona abriu seus braços e jogou a cabeça para trás, abraçando a magia imortal que cantarolava através do éter do céu noturno, chamando a cura e o poder para seu corpo, ele quase teve certeza de ouvir Sua risada ao vento.


Erebus
Invisível para Kalona, Erebus observou seu irmão chamar a energia divina da qual ambos tinham sido formados. Ele parecia cansado. Parecia solitário. Mas também parecia determinado. Kalona mudou, realmente mudou.
Sim, Kalona ainda era insuportavelmente arrogante, não importa o que seu irmão dissesse, mas também tinha lhe feito um elogio, dado à Erebus uma medida de respeito pelo papel que ele cumpria na ausência de Kalona por muitos e muitos anos.
Erebus sorriu. Sempre acreditou que havia um herói enterrado sob aquele exterior antipático e espinhoso. Ele não poderia, não iria, mudar os eventos que aconteciam no reino mortal. Nyx nunca permitiria isso, e Erebus entendia muito bem por que, mas ele poderia muito bem assegurar seu irmão:

“Uma bênção de irmão de mim para ti
Permita que o herói escondido seja libertado
Aceite o que deveria ter sido o seu destino
E não mais serás renegado.”

Erebus falou a benção de modo que o vento a levasse dos ouvidos de seu irmão. Kalona não mudara tanto quanto ele gostaria para receber a bênção, o passado deles era também preenchido com mal-entendidos, ciúmes e conflitos. Não, Kalona não deveria escutar a bênção, mas Nyx deve ouvi-la. E as Trevas também. Nyx deveria saber que Kalona, seu Guerreiro caído, deu mais um passo para a Luz. E as Trevas – Erebus sorriu sombriamente – as Trevas deveriam saber que tinham que ter cuidado com o poder de um herói alado.

6 comentários:

  1. que bom que Erebus é... humm, ''legal''. E tem um nome esquisito .-. se bem que, os dos outros também são...

    ResponderExcluir
  2. pois é Madallyn tbm fiquei feliz de ver q aparentimente Erebus não é o q pensamos tomara q não nos decepcione rsrsr

    ResponderExcluir
  3. Finalmente Erebus esta mais parecido com um Deus :3 kalona merece

    ResponderExcluir
  4. Talvez até agora achávamos que ele era um idiota porque víamos ele pelo olhar de Kalona, mas agora vimos a real intenção dele, bem assim espero.

    ResponderExcluir
  5. Segundo a Teogonia, de Hesíodo, Érebus era a personificação da profunda escuridão, o criador das sombras e das trevas. Tinha seus domínios demarcados por seus mantos escuros e sem vida, predominando sobre as regiões do espaço conhecidas como Vácuo logo acima dos mantos noturnos de sua irmã Nix, a personificação da noite.
    Erebus tambem e nome de um vulcão.

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!