1 de outubro de 2015

Capítulo 16

Eu estava carregando Nala para fora do Media Center – a gata estava tão adormecida que nem se incomodou de reclamar para mim quando eu a peguei. Eu olhei o relógio e sai do aposento, e não conseguia acreditar que várias horas tinham passado. Não era de se admirar que meu traseiro e meu pescoço estivessem tão duros. Mas ficar temporariamente desconfortável não importava, porque eu descobri o que fazer no Ritual da Lua Cheia. Foi um enorme peso tirado das minhas costas. Eu ainda estava nervosa, e não passei muito tempo considerando o fato que quando eu fizesse o ritual eu o faria na frente de vários adolescentes, cuja maioria provavelmente não estava muito feliz por eu ter tomado a liderança de Aphrodite. Eu só precisava me manter focada no ritual, e lembrar os incríveis sentimentos que me preenchiam quando eu invocava os cinco elementos. Com sorte.
Eu abri a pesada porta da escola e entrei num outro mundo. Estava nevando bastante, e deve ter nevado o tempo todo que estive no Media Center. O terreno da escola estava complemente coberto por um confortável branco. O vento estava chicoteando e a visibilidade era terrível. As luzes que marcavam o obscuro caminho não eram muito mais que pontos brilhantes de luz amarela contra a branca escuridão. Eu provavelmente deveria ter voltado para o prédio e feito meu caminho até o hall da escola e de lá para o dormitório, ficando do lado de dentro o máximo que pudesse, e então dar uma rápida corridinha até o dormitório das meninas, mas eu não queria. Eu pensei sobre como Stevie Rae tinha estado. A neve era realmente mágica. Mudava o mundo, o fazia mais silêncioso, suave, mais misterioso. Como uma caloura, eu já tinha adquiro um pouco da proteção dos vampiros contra o frio, o que costumava a me assustar. Quero dizer, me fazia pensar de frias criaturas mortas, que existiam bebendo sangue dos vivos – totalmente nojento, mesmo que eu ficasse bizarramente atraída pela ideia. Agora eu sabia mais sobre o que eu estava me tornando, então eu entendia que minha proteção contra o frio era mais um metabolismo alto que ser uma morta viva. Vampiros não estão mortos. Eles só Mudam. Eram os humanos que gostavam de provocar os mitos apavorantes sobre os mortos vivos, o que eu estava começando a achar mais do que um pouco irritante. De qualquer forma, eu realmente gostei de ser capaz de andar na nevasca sem sentir que ia congelar. Nala se apertou contra mim, ronronando alto quando enrolei meus braços contra ela de forma protetora. A neve abafou meus passos e pareceu por um momento que eu estava sozinha em um mundo onde preto e branco existiam juntos para formar uma cor única apenas para mim.
Eu só dei alguns passos quando eu suspirei e teria me batido na testa se meus braços já não estivessem ocupados com minha gata. Eu precisava ir para o depósito de feitiços e rituais da escola e pegar um pouco de eucalipto. Pelo que eu li no velho livro de rituais, eucalipto é associado à cura, proteção, e purificação – três coisas que eu achei importante evocar durante meu primeiro ritual como líder das Filhas das Trevas. Eu suponho que pudesse pegar eucalipto amanhã, mas eu iria precisar dele amarrado como um corpo como parte do feitiço que eu estava planejando lançar, e... bem... era provavelmente inteligente praticar para não derrubar nada durante o ritual ou, pior, de repente descobrir que o eucalipto não era tão flexível quanto eu esperava e quebrar em pedaços quando eu tentasse fazer um nó e então eu ficaria vermelha e iria querer me arrastar para fora da sala de recreação e me amontoar numa posição fetal e chorar...
Eu tirei aquela linda imagem da cabeça, virei, e comecei a fazer o caminho para voltar ao prédio principal. Foi quando eu vi uma forma. Chamou minha atenção porque não pertencia ali – e não só porque era incomum outro calouro ser bobo o bastante para ser pego andando no meio de uma tempestade. O que me pareceu mais estranho era que aquela pessoa, porque definitivamente não era um gato ou um arbusto, não estava andando na calçada. Ele estava andando para a sala de recreação, mas estava cortando caminho pelo gramado. Eu parei e me apertei contra a neve que caia. A pessoa estava usando uma longa capa escura com um capuz puxado para cima como um chapéu.
Uma vontade de seguir ele me atingiu com tal força que eu perdi o ar. Era quase como se eu não tivesse vontade própria, e eu sai da calçada e corri atrás da pessoa misteriosa, que tinha alcançado a ponta da linha de árvores que cresciam junto ao muro.
Meus olhos se alargaram. No instante que a figura entrou nas sombras, quem quer que fosse, ele ou ela, começou a se mover com uma velocidade nada humana, a capa caindo atrás selvagemente por causa do vento a fazendoela parecerem asas. Vermelho? Eu vi flashes escarlate contra partes de pele branca? Neve atingiu meu olho e minha visão focou borrada, mas eu segurei Nala com mais força e comecei a correr rápido, embora eu soubesse que estava sendo levada para uma área ao lado leste do muro que tinha a porta escondida. O mesmo lugar que eu vi os dois fantasmas ou espectros ou o que seja. O lugar que eu disse a mim mesma que eu não queria ir de novo, muito menos sozinha.
Sim, eu deveria dar meia volta e marchar diretamente para o dormitório. Naturalmente, eu não fui.
Meu coração estava batendo feito louco e Nala estava resmungando no meu ouvido quando eu entrei na linha das três árvores e continuei a correr junto ao muro, o tempo todo pensando o quão absolutamente insano era eu estar aqui fora seguindo o que era provavelmente algum garoto que estava tentando sair da escola de fininho, e na pior das hipóteses um fantasma seriamente assustador.
Eu perdi a pessoa de vista, mas eu sabia que estava me aproximando da porta escondida, então diminui a velocidade, automaticamente ficando nas sombras mais profundas e me movendo de árvore em árvore. Estava nevando ainda mais agora, e Nala e eu estávamos cobertas de branco e eu estava começando a sentir o frio. O que eu estou fazendo aqui? Não importava o que minha intuição estava me dizendo, minha mente estava dizendo que eu estava agindo feito louca e que eu precisava me levar (e minha trêmula gata) de volta para o dormitório. Isso não era da minha conta. Talvez um dos professores estivesse checando... eu não sei... o territorio para se certificar que algum calouro maluco (como eu) não estivesse andando pela tempestade.
Ou talvez alguém tivesse se enfiado na escola depois de matar brutalmente Chris Ford e sequestrar Brad Higeons, e agora estava fugindo de fininho de novo, e se eu o/a confrontasse eu seria morta também.
Yeah, certo. Em falar de uma super imaginação.
E então ouvi as vozes.
Eu diminui a velocidade, praticamente andando com a ponta dos pés até que finalmente os vi. Haviam duas figuras paradas perto da porta escondida que estava aberta. Eu pisquei com força, tentando ver mais claramente através da cortina branca. A pessoa mais perto da porta era a que eu estava seguindo, e agora ele não estava correndo (com uma ridícula velocidade) e eu pude ver que ele estava parado firmemente, meio abaixado com uma postura meio curvada. Eu troquei minha atenção para a outra figura, e eu senti o calafrio que estava acariciando minha pele com a neve afundando em minha alma. Era Neferet.
Ela parecia misteriosa, e poderosa com seu cabelo voando ao redor dela e a neve cobrindo seu longo vestido preto. Ela estava virada para mim, então pude ver que a expressão dela era firme, quase irritada, e ela estava falando seriamente com a pessoa de capa, usando suas mãos expressivamente. Silenciosamente, eu me movi para mais perto, feliz por estar usando uma roupa preta para me misturar bem com as sombras perto da parede. Dessa nova posição eu ouvi pedaços do que Neferet estava dizendo.
— ... tenha mais cuidado com o que você faz! Eu não vou... — eu ouvi parada, tentando ouvir através do vento, e percebi que a brisa estava me trazendo mais do que apenas as palavras de Neferet. Eu podia sentir o cheiro mesmo por cima do cheiro da neve que caía. Era seco, um cheiro de mofo, estranhamente deslocado nessa noite fria e molhada. — ... muito perigoso — Neferet estava dizendo. — Obedeça ou... — Eu perdi o resto da frase, e ela parou. A figura de capa respondeu com um estranho grunhido, que era mais animal do que humano.
Nala, que estava empoleirada de baixo do meu queixo e parecia ter adormecido, de novo, de repente mexeu a cabeça com rapidez. Eu me abaixei ainda mais atrás das árvores em cujas sombras eu estava me escondendo enquanto Nala começou a rosnar.
— Shhh — eu sussurrei para ela e tentei a acariciar para que se acalmasse. Ela se aquietou, mas pude sentir que o pelo nas costas dela tinham levantado e seus olhos se estreitaram em bolinhas raivosas enquanto ela encarava a pessoa de capa.
— Você prometeu!
O som gutural da voz do homem misterioso fez minha pele se arrepiar. Eu espiei atrás da árvore em tempo de ver Neferet levantar a sua mão como se fosse bater nele. Ele foi se encostar contra o muro, fazendo o capuz cair do seu rosto, e meu estômago se apertou com tanta força que eu pensei que fosse vomitar.
Era Elliott. O garoto morto cujo “fantasma” tinha atacado Nala e eu mês passado.
Neferet não bateu nele. Ao invés disso, ela gesticulou violentamente em direção a porta escondida. Ela levantou a voz, então tudo o que ela disse foi carregado pelo vento.
— Você não pode mais ter! Dessa vez não está certo. Você não entende tais coisas, e você não pode me questionar. Agora saia daqui. Se você me desobedecer de novo você irá sentir minha ira, e a ira de uma deusa é terrível de se contemplar.
Elliott se afastou de Neferet. — Sim, deusa — ele sussurrou.
Era ele; eu sabia que era. Embora sua voz fosse rouca eu reconheci. De alguma forma Elliott não tinha morrido, e ele não tinha Mudado para um vampiro adulto. Ele era outra coisa. Algo terrível.
Embora ele fosse nojento, a expressão de Neferet se suavizou. — Eu não desejo ficar enraivecida com meu filho. Você sabe que é minha grande alegria.
Revoltada, eu observei quando Neferet se inclinou para frente e acariciou o rosto de Elliott. Os olhos dele começaram a brilhar com aquela cor de sangue antigo, e mesmo a distância eu pude ver que o corpo inteiro dele tremia. Elliott era baixo, gordinho, nada atraente cuja pele muito branca e cabelo ruivo eram estranhos. Ele ainda era essas coisas, mas agora as pálidas bochechas dele eram magras e seu corpo era arqueado, como se tivesse se curvado para dentro. Então Neferet teve que se abaixar para beijar os lábios dele. Totalmente enojada, eu ouvi Elliott gemer de prazer. Ela se ergueu e riu. Era um som escuro e sedutor.
— Por favor, deusa! — Elliott lastimou.
— Você sabe que não merece.
— Por favor, deusa! — Ele repetiu. O corpo dele estava tremendo violentamente.
— Muito bem, mas lembre-se. O que uma deusa dá, ela também pode tirar.
Incapaz de parar de ver, eu vi Neferet levantar seu braço e dobrar sua manga. Então ela passou a unha no antebraço, deixando uma linha escarlate que imediatamente começou a pingar sangue. Eu senti a sedução do sangue dela. Quando ela segurou seu braço, o oferecendo a Elliott, eu me pressionei contra o tronco da árvore, me forçando a ficar parada e escondida enquanto ele caia de joelhos diante dela, fazendo sons selvagens e gemidos, e começava a sugar o sangue de Neferet. Eu tirei meus olhos dele para olhar para Neferet. Ela jogou sua cabeça para trás e seus lábios estavam abertos como se ter o grotesco Elliott sugando seu sangue fosse uma experiência sensual.
Dentro de mim eu sentia um desejo. Eu queria abrir a pele de alguém e...
Não! Eu me abaixei completamente atrás da árvore. Eu não me tornaria um monstro. Eu não seria uma aberração. Eu não podia deixar essa coisa me controlar. Devagar e silenciosamente eu comecei a voltar, me recusando a olhar para os dois de novo.

18 comentários:

  1. EU TÔ NO CHÃO!!
    Já tava meio desconfiada da Neferet, depois da cena com a Aphrodite fiquei ainda mais desconfiada. Aí aquilo que a deusa falou pra Z em sonho, e agora isso. Essa mulher é a maior vaca da saga. E vem muito mais por aí.
    Tô tão viciada nessa saga, que tô perdendo sono pra poder ficar lendo.

    ResponderExcluir
  2. eu tb Palmira, oque será que essa louca ta tramando??

    ResponderExcluir
  3. Lara Erudite Maris9 de novembro de 2015 20:57

    Deusa???
    Essa mulher é nogenta (de quase todos os sentidos possíveis!) <(°~°)>

    ResponderExcluir
  4. Eu sabia!! e eu queria estar errada, eu gostava de Neferet desde o início da história msm desconfiando dela e agora....ela definitivamente não é um dos mocinhos e dps dessa cena eu tenho certeza que o buraco aonde essa história vai nos levar é mais embaixo , BEM mais embaixo.

    ResponderExcluir
  5. eu sabiiiaaaaaaa!! aquele aviso q a avó da Zoey deu a ela pode significar q a Neferet nn eh tão boa qnt parece e q a a "bruxa dos infernos" nn eh tão ruim qnt parece *--*

    ResponderExcluir
  6. Respostas
    1. pensei a mesma coisa hahahahahah

      Excluir
    2. Kkkkkkkk tb pensei isso

      Excluir
    3. kkk e nois! Pensei a mesma coisa... Mas na minha opniao acho q o q ela vai virar e pior q um strigoi...

      Excluir
  7. Mesmo a Neferet sendo má eu ainda gosto dela.

    ASS:Vicry

    ResponderExcluir
  8. KKK VENDO OS OLHOS VERMELHOS E A PELE PALIDA EU PENSEI EM STRIGOI
    ASS:LETICA

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kkkkk acabei determinar academia de vampiros pensei a mesma coisa

      Excluir
    2. Kkkkk acabei determinar academia de vampiros pensei a mesma coisa

      Excluir
  9. Huhun... Strigoi! Chama Dimitri e Rose!
    Bem... Sobre Neferet... Deusa o caramba! Chama Nyx pra dar uma surra de vara nessa criatura!

    ResponderExcluir
  10. Escola são vladimir=house of night. Rose=zoey. Dimitri=loren. Aqueles outros dois caras que gostaram da rose =hearth e erik. Liza=stivie rae. Aquele tio de liza = neferet. Mais alguma comparação gente?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Consigo relacionar São VLadimir e House of Night mesmo, é realmente parecido... assim como Rose e Zoey. Mas Dimitri e Loren? Nem se comparam. Dimitri é divo, Loren, pfffff

      Excluir
  11. Eu já imaginava! o Elliott é criação da Neferet e acho que ela mandou ele matar aqueles jogadores do Union.
    O que o Elliott se tornou parece aqueles vampiros Classe E do anime Vampire Knight. Nojento

    Estou com um bad feel sobre aquele livro de rituais que a Z encontrou, se tinha o poema do Loren, se é que é dele, então alguém já mexeu nesse livro, e esse alguém queria que a Z encontrasse o livro, e se essa pessoa sabotou as informações do livro Pra Zoey pagar mico no primeiro ritual dela e todo mundo pensar que ela não será uma boa Alta Sacerdotisa? Pode ser coisa da Neferet, já que a Zoey será mais poderosa que ela um dia. Espero que seja só paranoia da minha cabeça, a Z não pode se ferrar no ritual.

    ResponderExcluir
  12. N acredito que eu tinha tanta confiança em ti Neferet!!

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!