7 de outubro de 2015

Capítulo 15 - Zoey

— Z? Você ainda está aí? Você está bem? Diga alguma coisa.
A preocupação na voz de Stevie Rae fez-me limpar o ranho e lágrimas do meu rosto com a manga da minha camisa e meio que me recompor.
— Eu estou aqui. N-não bem, no entanto — eu disse com um pequeno soluço.
— Eu sei, eu sei. É terrível.
— E não há chance de um erro? Jack está realmente morto? — Eu sabia no meu coração que era ridículo cruzar os dedos e fechar meus olhos quando eu perguntei, mas eu tive que fazer uma tentativa de menina-boba. Por favor, por favor, não deixe que isso seja verdade...
— Ele está realmente morto — Stevie Rae disse através de suas próprias lágrimas. — Não há erro, Z.
— É tão difícil de acreditar, e isso não é justo! — Foi bom ficar louca, melhor do que acabar completamente inútil em ranho e lágrimas. — Jack era o cara mais doce do mundo. Ele não merecia o que lhe aconteceu.
— Não — Stevie Rae disse em uma voz trêmula. — Ele não merecia isso. Eu quero acreditar Nyx esta com ele e está cuidando dele muito bem. Você já esteve lá no Outromundo, eu quero dizer. É verdade que é maravilhoso lá?
Sua pergunta puxou meu coração. — Eu sei que nós nunca conversamos sobre isso, mas não você esteve lá, quando, você sabe, quando você -
— Não! — Disse ela como se quisesse cortar as minhas palavras. — Eu não me lembro muito daquele tempo, mas eu sei que eu não era boa em qualquer lugar. E eu não via Nyx.
As palavras vieram para mim quando comecei a falar e eu sabia que em minha alma que Nyx estava falando através de mim. — Stevie Rae, quando você morreu Nyx estava com você. Você é sua filha. Você tem que lembrar sempre. Eu não sei porque você e os outros calouros morreram e não-morreram, mas eu posso te dizer que estou cem por cento certa que Nyx nunca abandonou você. Você só tomou um caminho diferente do que Jack. Ele está no Outromundo com a Deusa, e ele está mais feliz do que jamais estivera em sua vida. É difícil para nós que estamos aqui entender, mas eu vi com Heath. Por alguma razão, era a hora de Heath morrer, e ele pertencia ali, com Nyx. Assim como Jack pertence lá, também, agora. Eu sei no meu coração que ambos estão completamente em paz.
— Promete?
— Absolutamente. Temos que ser fortes que ser fortes um para o outro aqui, embora, e acredite que iremos vê-los novamente algum dia.
— Se você diz isso, então eu vou acreditar, Z — ela disse, sua voz soando melhor. — Você realmente precisa voltar para casa. Não sou só eu quem precisa ouvir a sua voz de Alta Sacerdotisa tudo-vai-ficar-bem.
— Damien está muito mal, hein?
— Sim, eu estou preocupada com ele, e as Gêmeas, e o resto dos calouros. Heck, Z, estou até preocupada com Dragon. É como se o mundo inteiro estivesse afundando em tristeza.
Eu não sabia o que dizer. Não, isso não é verdade. Eu sabia o que eu queria dizer: Eu queria gritar, Se o mundo inteiro está se afogando em tristeza porque eu quero voltar a ele? Mas eu sabia que era fraco e errado em muitos níveis diferentes. Então, ao invés eu disse, meio sem jeito, — Nós vamos passar por isso. Nós realmente vamos.
— Sim, vamos! — Disse ela com firmeza. — Olha, você e eu juntas, nós precisamos ser capazes de descobrir uma maneira de expor o mal de Neferet ao Conselho Superior de uma vez por todas.
— Eu ainda não posso acreditar que eles compraram a carga de merda de cavalo que ela despejou neles — eu disse.
— Eu também não. Eu acho que, basicamente, era a palavra de uma Alta Sacerdotisa contra um garoto humano morto. Heath perdeu.
— Neferet não é mais uma Alta Sacerdotisa! Jeesh, isso me irrita! E agora não é apenas pelo Heath, mas Jack. Ela vai pagar pelo que fez, Stevie Rae. Eu vou ter certeza que ela irá.
— Ela tem que ser impedida.
— Sim, ela será. — Eu sabia que estávamos no caminho certo - que tínhamos de lutar para conseguir tirar Neferet fora do poder, mas apenas o pensamento tomou conta de mim. Ainda ouvi a exaustão na minha voz. Eu estava cansada de todo o caminho até a minha alma, verdadeiramente doente e cansada de lutar contra o mal de Neferet. Parecia que a cada passo a frente que eu ganhei eu era de alguma forma, eventualmente, não importa o quê, dois passos para trás.
— Ei, você não está sozinha nessa.
— Obrigada, Stevie Rae. Eu sei que não estou. E de qualquer forma, isso realmente não é sobre mim. É realmente sobre fazer o que é certo para Heath e Jack e Anastasia e quem mais Neferet e sua horda do mal decidir o próximo a matar.
— Sim, você pode dizer isso, mas o mal teve um custo muito grande em você ultimamente.
— Isso é verdade, mas eu ainda estou de pé. Um monte de outras pessoas não está. — Limpei meu rosto com a manga de novo, desejando que eu tivesse um lenço de papel. — Por falar do mal e da morte e tudo mais: você já viu Kalona? De maneira alguma Neferet realmente o bateu e baniu. Ele deve estar em tudo com ela. Isso significa que se ela está em Tulsa, ele está em Tulsa.
— Bem, havia rumores de que ela realmente o tenha batido — Stevie Rae disse.
Eu cheirei. — Eu imagino. Ele é supostamente para ser seu consorte, então ela lhe bateu. Uau. Eu meio que sabia que ele gostava da dor, mas até eu estou surpresa que ele concordou com isso.
— Bem, uh, o rumores dizem que ele não concordou exatamente.
— Oh, por favor. Neferet é assustadora, mas ela não pode mandar em sobre um imortal.
— Parece que ela pode mandar nele. Ela tem algo que o possui mais porque ele falhou em sua, missão covarde de aniquilar você.
Eu podia ouvir o humor que Stevie Rae estava tentando adicionar a voz dela e tentei uma risadinha para o bem dela, mas acho que nós duas sabíamos que o engraçado não começava a superar o horrível.
— Bem, você sabe, ser mandado por Neferet é algo que Kalona não vai gostar, e é sobre o tempo que ele tem uma grande quantidade de tempo que ele não gosta de algo — disse.
— Eu ouvi você. Acho que Kalona provavelmente está aqui em algum lugar espreitando em torno de todos em sua desagradável sombra, e com isso quero dizer sua virilha — disse Stevie Rae.
— Eeeew! — Isso me fez rir, e a risada de Stevie Rae se juntou a minha. Por um momento ficamos melhores amigas novamente, sendo quebrada pela proliferação de merda em nosso mundo.
Infelizmente, muito breve as peças menos divertidas do nosso mundo se intrometeram e nosso riso secou muito mais rápido do que costumava. Eu suspirei e disse: — Então, durante todo esse rumor que você ouviu e outras coisas você não realmente viu Kalona, não é?
— Não, mas estou mantendo meus olhos abertos.
— Bom, porque pegar aquele imbecil com Neferet depois que ela disse ao Conselho Superior, ela baniu-o por cem anos seria definitivamente um passo na direção de provar que ela não é o que todos pensam — eu disse. — Oh, enquanto você está mantendo os olhos abertos, lembre-se de tê-los apontados para cima. Aonde quer que Kalona esteja, aqueles garotos pássaros de sua vontade vão aparecer, também. De jeito nenhum que eu acho que todos eles de repente desapareceram.
— Tudo bem. Yeah. Entendi.
— E Stark não me disse que houve de fato um Corvo Escarnecedor apareceu em Tulsa? — Fiz uma pausa, tentando lembrar o que tinha dito.
— Sim, houve uma visita uma vez, mas não desde então. — Stevie Rae voz soava estranha, tão apertada, como se ela estivesse tendo dificuldade para falar.
Diabos, quem poderia culpá-la? Eu basicamente deixei segurando a bola lá na minha House of Night. Só de pensar que ela tinha passado por Damien com Jack e me fez sentir doente.
— Ei, cuidado, okay? Eu não poderia suportar se alguma coisa acontecesse com você — eu disse.
— Não se preocupe. Serei cuidadosa.
— Ótimo. Então, o pôr-do-sol é apenas daqui duas horas. Assim que Stark levantar vamos pegar nossas coisas e estar no primeiro avião para casa — ouvi-me dizer, mesmo que fizesse meu estômago doer.
— Oh, Z! Estou tão feliz! Além precisar de você aqui, tenho tantas saudades suas.
Sorri para o telefone. — Eu sinto saudade de você, também. E vai ser bom estar em casa — eu menti.
— Assim, me manda uma mensagem de texto quando você souber que horas vocês embarcam. Se eu não estiver no meu caixão, eu estarei lá para receber vocês.
— Stevie Rae, você não dorme em um caixão — eu disse.
— Eu poderia muito bem porque estou seriamente morta para o mundo quando o sol nascer.
— Sim, Stark, também.
— Ei, como está o seu menino? Se sentindo melhor?
— Ele está bom. — Fiz uma pausa e acrescentei: — Muito bom, realmente.
Fiel à forma, o radar de Stevie Rae de melhor amiga ouviu entre as linhas. — Oh, uh nuh. Vocês não...?
— E se eu dissesse que nós fizemos? — Eu podia sentir meu rosto ficando quente.
— Então eu diria que um grande ol’Oklahoma yee haw!
— Bem yee haw longe, então.
— Detalhes. Eu quero alguns detalhes sérios — disse ela, e então deu um bocejo gigantesco.
— Você vai ter detalhes — disse. — Já amanheceu aí?
— Passou um pouco, na verdade. Eu estou enfraquecendo rapidamente, Z.
— Nenhum problema. Durma um pouco. Eu vou te ver em breve, Stevie Rae.
— Até mais tarde — disse ela em torno de outro bocejo.
Eu terminei a chamada e passei a olhar para onde Stark dormia como um morto na cama com dossel. Que eu era totalmente apaixonado por Stark não estava em causa, mas só então eu realmente gostaria se eu pudesse balançar o seu ombro e ele acordasse como um cara normal. Mas eu sabia que seria inútil fazê-lo cedo. Hoje o sol estava extraordinariamente brilhante em Skye, – quero dizer, superbrilhante com nenhuma ponta de nuvens, de jeito nenhum Stark seria capaz de se comunicar decentemente comigo – eu olhei para o relógio – e duas horas e meia mais. Bem, pelo
menos, que me deu tempo para embalar e também para encontrar a rainha e dar a notícia a ela que eu ia deixar esse lugar que parecia tão certo, tão parecida com uma casa para mim, este lugar que Sgiach decidiu trazer de volta ao mundo real novamente, pelo menos um pouco dele, por causa do que eu trouxe de volta em sua vida. E agora que eu ia embora e deixar tudo para trás porque...
Meu cérebro encontrou-se com o caos balbucioso dos meus pensamentos e tudo se encaixou com perfeição.
— Porque esta não é minha casa — eu sussurrei. — O meu lar é Tulsa. É onde eu pertenço. — Sorri tristemente para meu Guardião dormindo. — É onde nós pertencemos. — Senti que acertei de que mesmo que eu entendesse tudo o que estava esperando por mim lá e tudo o que eu estava perdendo a sair daqui.
— É hora de eu ir para casa — eu disse com firmeza.


— Digam alguma coisa. Qualquer coisa. Por favor.
Eu só soltei minhas tripas para fora a Sgiach e Seoras. Naturalmente, contando a história da terrível morte de Jack me fez gritar e ter ranho. Mais uma vez. E então eu balbuciava sobre ter que ir para casa e ser uma boa Alta Sacerdotisa, embora eu não estava cem por cento certa do que isso realmente significava, enquanto os dois me observavam em silêncio com expressões que pareciam sábios e ilegíveis, ao mesmo tempo.
— A morte de um amigo é sempre difícil de suportar. Ela é duplamente difícil se ela vem cedo demais – muito jovem — disse Sgiach. — Lamento pela sua perda.
— Obrigado — eu disse. — Não parece real ainda.
— Sim, bem, mas será, menina — Seoras disse gentilmente. — Você deveria estar lembrando, porém, que a rainha põe de ladoo o luto pelo dever. Você não tem uma cabeça clara se está cheia de pesar.
— Eu não acho que eu sou velha o suficiente para tudo isso — disse eu.
— Ninguém é criança — disse Sgiach. — Eu teria que considerar algo antes de deixar sua presença de nós. Quando perguntei se poderia ficar aqui em Skye, eu disse que você deveria ficar aqui até a sua consciência mandar ir para casa. É a sua consciência falando com você agora, dizendo que a hora é certa para você ir, ou é a armação dos outros que está –
— Ok, pare — eu disse. — Neferet provavelmente acredita que ela está me manipulando para voltar, mas a verdade é que eu tenho que voltar para Tulsa porque é a minha casa. — Encontrei os olhos de Sgiach enquanto eu continuei falando, esperando que ela fosse entender. — Eu amo isso aqui. Em muitos níveis que se sente bem por estar aqui – tão certo que seria fácil para eu ficar. Mas, como você disse, o caminho da deusa, não é fácil – fazer o certo não é fácil. Se eu ficar aqui e ignorar a
minha casa, eu não estaria apenas ignorando a minha consciência, eu estaria virando as costas pra ela.
Sgiach assentiu, parecendo satisfeita. — Assim, o retorno vem de um lugar de poder, não de manipulação, embora Neferet não saiba disso. Ela acredita que só teve uma morte simples de fazer você fazer seu desejo.
— A morte de Jack não é uma coisa simples — eu disse com raiva.
— Não, não é simples para você, mas uma criatura da Escuridão mata rapidamente, facilmente e com o pensamento além do próprio ganho — disse Seoras.
— E por causa disso Neferet não vai entender que você voltou para Tulsa, porque foi sua escolha para seguir o caminho da Luz e Nyx. Ela vai subestimá-la por causa disso — disse Sgiach.
— Obrigado. Vou me lembrar disso. — Encontrei o claro e forte olhar de Sgiach. — Você e Seoras e qualquer parte do resto dos Guardiões que quiserem poderiam vir comigo, você sabe. Com vocês ao meu lado não há nenhuma maneira Neferet poder ganhar.
A resposta de Sgiach foi instantânea. — Se eu deixar a minha ilha as consequências perpassam através do Conselho Superior. Nós temos coexistido com eles pacificamente durante séculos, porque eu escolhi a ausentar-me da política e das restrições da sociedade vampira. Se eu juntar ao mundo moderno não seria capaz de continuar a fingir que não existem.
— E se isso é uma coisa boa? Quer dizer, parece-me que é hora do Conselho Superior ser agitado, e a sociedade vamp com ele. Eles acreditam em Neferet e deixaram ela fugir matando pessoas inocentes. — Minha voz era forte e afiada e por um momento eu pensei que soasse quase como uma verdadeira rainha.
— Esta não é nossa batalha, moça — disse Seoras.
— Por que não? Por que não está lutando contra o mal da sua batalha, também? — Eu circulei o Guardião de Sgiach.
— O que faz você pensar que não estamos lutando contra o mal aqui? — Foi Sgiach que me respondeu.
— Você foi tocada pela magia antiga desde que você esteve aqui. Diga-me sinceramente, até então não tinha se sentido com nada parecido lá fora, no seu mundo?
— Não, eu não tinha. — Eu balancei minha cabeça lentamente.
— É lutar para manter viva as velhas formas que temos feito — disse Seoras. — E isso não foi feito em Tulsa.
— Como você pode ter tanta certeza? — Eu perguntei.
— Porque não há nenhuma magia antiga lá! — Sgiach disse, quase gritando de frustração. Ela virou as costas e caminhou até a janela de imagem enorme que dava para o pôr do sol na água azul-acinzentada que cercava Skye. Sua volta foi dura com a tensão, sua voz cheia de tristeza. — Lá fora, nesse mundo de vocês, a magia, mística maravilhosa antiga, onde o touro negro era venerado juntamente com a Deusa, onde o equilíbrio do masculino e feminino era respeitado, e onde até mesmo as pedras e as árvores tinham alma, tinham nomes, foi destruída pela civilização e da intolerância e do esquecimento. As pessoas hoje em dia, vampiros e humanos, acreditam que a Terra é apenas uma coisa morta em que vivem no que é de alguma forma errada ou mal ou bárbaro para ouvir as vozes das almas do mundo, e assim o coração e a nobreza de todo um modo de vida secou e murchou...
— E encontrou abrigo aqui — continuou Seoras quando a voz de Sgiach sumiu. Ele moveu-se para seu lado. Ela estava de costas para mim, mas ele me encarou. Levemente, Seoras tocou no ombro e depois deixe seus dedos irem para baixo do braço para tomar a mão da rainha. Eu podia ver seu corpo reagir ao seu toque. Era como se através dele, ela encontrasse o seu centro. Antes que ela se virasse para mim, eu a vi apertar e soltar sua mão, e quando nossos olhos se encontraram novamente, ela era, mais uma vez, nobre e forte e calmo.
— Somos o último bastião dos velhos hábitos. Foi a minha carga há séculos para proteger a magia antiga. O terreno aqui ainda é sagrado. Ao reverenciar o touro preto, e respeitando o seu homólogo, o touro branco, o velho equilíbrio é mantido e há um pequeno lugar deixou neste mundo que se lembra.
— Lembra?
— Sim, lembra-se de um momento em que a honra significava mais do que eu, e lealdade não era uma opção ou uma reflexão tardia — Seoras disse solenemente.
— Mas eu vi um pouco disso, em Tulsa. Há honra e lealdade lá também, e muitas das pessoas da minha avó, o Cherokee, ainda respeitem a terra.
— Até certo ponto isso pode ser verdade, mas acho que o bosque – como você se sentiu dentro dele. Pense em como esta terra vos fala — disse Sgiach. — Eu sei que você ouviu. Eu vejo isso em você. Você sentiu alguma coisa que realmente gostou de fora da minha ilha?
— Sim — eu disse antes de realmente pensar. — O bosque no Outromundo é muito parecida com o bosque em frente ao castelo. — Então eu percebi que eu estava dizendo, e Sgiach deu um sorriso. — É isso aí, não é? Você tem literalmente um pedaço de magia Nyx aqui.
— De certa forma. O que eu realmente tenho é ainda mais antiga do que a Deusa. Você vê, Zoey, Nyx não se perdeu para o mundo. Ainda. Seu equilíbrio masculino foi, e eu estou com medo por causa do que o equilíbrio entre o bem e o mal, Luz e Escuridão, foi perdido, também.
— Sim, nós sabemos que tem sido — Seoras corrigiu suavemente. — Kalona. Ele é parte deste coisa de fora-de-equilíbrio — disse. — É verdade que ele costumava ser guerreiro Nyx. De alguma forma, que ficou fora do lugar, junto com um monte de outras coisas quando ele apareceu no nosso mundo, porque isso não é onde ele pertence.
Sabendo que não me faz sentir pena dele, ou ruim para ele, mas me fez começar a entender o ar de desespero que eu senti tantas vezes em torno dele. E era do conhecimento. Com o conhecimento vem poder.
— Então você vê por que é importante que não posso deixar minha ilha — disse Sgiach.
— Eu vejo — eu disse com relutância. — Mas eu ainda acho que você poderia estar errada sobre a existência de nenhuma magia antiga, no mundo exterior. O touro negro se materializou em Tulsa, lembra?
— Sim, mas só depois de o touro branco aparecer em primeiro lugar — disse Seoras.
— Zoey, eu gostaria muito de acreditar que o mundo exterior não está inteiramente destruído a magia de outrora, e por isso há algo que eu quero que você tenha.
Sgiach alcançou e desenrolou de um longo comprimento de prata da massa de colares cintilantes que ficava pendurada em seu pescoço. Ela levantou a corrente delicada sobre a cabeça e levantou-o no nível dos meus olhos. O colar de prata tinha uma pedra perfeitamente redonda cor de leite que era suave e macio e me lembrou de um coco sabor-Life Saver. As tochas que os guerreiros haviam acendido a luz piscou contra a superfície da pedra, tornando-a brilhar, e eu reconheci a rocha.
— É um pedaço de mármore de Skye — disse eu.
— É – um pedaço de mármore Skye especial chamado de pedra vidente. Encontrada mais de cinco séculos atrás por um Guerreiro em sua jornada shamânica enquanto corria o Ridge Cuillin nesta mesma ilha — disse Sgiach.
— Um Guerreiro em uma busca shamânica? Isso não acontece muito frequentemente — eu disse.
Sgiach sorriu e seu olhar ia do pedaço de mármore para Seoras balançando. — Uma vez a cada 500 anos que ele faz.
— Sim, isso está certo — disse Seoras, retornando o seu sorriso, com uma intimidade que me fez sentir como se eu devesse desviar o olhar.
— Na minha opinião, uma vez a cada 500 anos é mais que suficiente para um pobre cara guerreiro fazer a coisa do Xamã.
Meu estômago deu um pequeno bobo flip-flop de prazer ao som de sua voz e olhei da rainha e seu guardião para ver Stark de pé nas sombras atrás da porta em arco, amarrotadas e olhar de soslaio para o que restava da luz sumindo na janela de imagem. Ele vestia jeans e uma camiseta, e ele parecia tanto com o seu velho ego que uma pontada de uma saudade, a primeira real que eu senti desde que eu tinha voltado para mim mesmo, lanceado por mim. Estou indo para casa. O pensamento me fez sorrir enquanto eu corri em direção Stark. Sgiach fez um gesto com a mão. As cortinas foram fechadas desenhadas ao longo dos últimos raios da luz solar, permitindo Stark sair das sombras e me pegar em seus braços.
— Ei, eu não acho que você acordaria por uma hora ou assim — eu disse, abraçando-o firmemente.
— Você estava chateada, e me acordou — ele sussurrou em meu ouvido. — Além disso, eu estava tendo alguns sonhos muito estranhos.
Eu me afastei para que eu pudesse olhar em seus olhos. — Jack está morto.
Stark começou a balançar a cabeça em negação, e depois parou, tocou minha bochecha, e acabou com um longo suspiro. — Isso é o que eu sentia. Sua tristeza. Z, eu sinto muito. O que diabos aconteceu?
— Oficialmente, um acidente. Na realidade foi Neferet, mas ninguém pode provar isso — disse.
— Quando partiremos para Tulsa?
Sorri o meu agradecimento a ele como Sgiach disse, — Hoje a noite. Nós podemos mandar você sair assim que você tiver as malas prontas.
— Então, o que tem essa pedra? — Stark perguntou, pegando minha mão.
Sgiach levantou novamente. Eu estava pensando o quão bonita ela estava quando ela torceu delicadamente sobre a corrente e o meu olhar era puxado para o círculo perfeito no centro. O mundo diminuiu e desapareceu em torno de mim como todo o meu ser se concentrasse sobre o buraco na pedra, porque por um instante, tive um vislumbre da sala pelo buraco.
A sala se foi. Lutando contra uma onda de vertigem nauseante, olhei através da pedra vidente com o que tinha parecia um mundo submarino. Figuras flutuavam e passavam ao redor, tudo em tons de turquesa e topázio, cristal e safira. Pensei ter visto as asas e as aletas e longo, rodando cascatas de cabelo balançando.
Sereias? Ou eles são macacos mar? Eu totalmente perdi minha mente, foi meu último pensamento antes que eu perdesse minha batalha com tonturas e acabasse de costas no chão.
— Zoey! Olhe para mim! Diga alguma coisa!
Stark, parecia completamente assustado, estava inclinado sobre mim. Ele agarrou-me pelos ombros e estava atualmente agitando o bejeezus fora de mim.
— Ei, pare — Eu disse fracamente, tentando, sem sucesso, empurrá-lo para longe.
— Basta deixá-la respirar. Ela vai ficar bem em um momento — veio a voz super-calma de Sgiach.
— Ela desmaiou. Isso não é normal — disse Stark. Ele ainda estava segurando meus ombros, mas ele tinha parado de chocalhar meu cérebro.
— Eu estou consciente e eu estou aqui — eu disse. — Ajude-me a sentar.
A carranca Stark disse que preferia não, mas ele fez como eu pedi.
— Beba isso — Sgiach realizada uma taça de vinho debaixo do meu nariz que eu podia sentir o cheiro era fortemente atado com sangue. Agarrei-a e bebi profundamente quando ela disse: — E é normal que uma Alta Sacerdotisa desmaie a primeira vez que usa o poder de uma pedra vidente, especialmente se ela está preparada para isso.
Sentindo-me muito melhor depois do vinho com sangue (EESH, mas o yum), eu levantei minhas sobrancelhas para ela e me levantei. — Você não poderia ter me preparado para isso?
— Sim, mas então uma pedra vidente só funciona para algumas Alta Sacerdotisas, e se não trabalhasse para você, você teria sentido que iriam doer, agora não é? — Seoras disse.
Eu esfreguei meu traseiro. — Eu acho que eu prefiria ter arriscado a mágoa em vez da bunda doer. Ok, o que diabos eu vi?
— O que lhe parece? — Sgiach perguntou.
— Um estranho aquário submarino através daquele pequeno buraco. — Eu apontei na direção da pedra, mas tive o cuidado de não olhar para ele.
Sgiach sorriu. — Sim, e onde já se viu seres assim antes?
Pisquei no entendimento, — O bosque! Eles são fadas das águas.
— De fato — Sgiach assentiu.
— Então, é como um descobridor de magia? — Stark perguntou, dando à pedra um olhar de soslaio.
— É, quando usado por uma Alta Sacerdotisa com o tipo certo de poder. — Sgiach levantou a corrente e colocou-a no meu pescoço. A pedra vidente ficou entre meus seios, dando sensação de calor como se fosse vivo.
— Isso realmente encontra magia? — Eu coloquei minha mão sobre a pedra com reverência.
— Só um tipo — disse Sgiach.
— Magia da água? — Eu perguntei, confusa.
— Não é o elemento que importa. É a magia em si — disse Seoras.
Antes que eu pudesse dizer, obviamente, hein que estava por todo o meu rosto, Sgiach explicou, — Uma pedra de vidente está em sintonia com apenas a mais antiga magia: o tipo que eu protejo em minha ilha. Estou presenteando-lhe com ela para que você possa, de fato, reconhecer os Antigos se é que ainda existem no mundo lá fora.
— Se ela achar qualquer tipo de magia, que ela deve fazer? — Stark perguntou, dando ainda a pedra olha desconfiado.
— Alegra-te ou executa, dependendo do que você descobrir — Sgiach disse com um sorriso irônico.
— Mente, moça, que era a velha magia que enviou seu Guerreiro para o Outromundo, e a magia antiga que fez seu Guardião — Seoras disse. — E não tem sido enfraquecido pela civilização.
Eu fechei minha mão ao redor da pedra de vidente, a memória de Seoras de pé sobre Stark, como num transe, cortando-o repetidas vezes para que seu sangue escorresse pela antiga pedra que chamaram de ne gigh Seol, a Sede do Espírito. De repente eu percebi que estava tremendo.
Então a quente, mão forte de Stark cobriu a minha e olhei em seu olhar firme.
— Não se preocupe. Eu estarei com você, e se é hora de correr ou se alegrar, vamos estar juntos. Eu vou estar sempre perto, Z.
Então, pelo menos naquele momento, me senti segura.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!