3 de outubro de 2015

Capítulo 14

Eu não precisei ligar meu alarme para despertar às 5 da tarde (que na verdade é minha manhã – lembre-se, o dia e noite de um calouro é virado, e nossa escola começa às 20 horas e termina às 3 da manhã). Eu estava deitada bem acordada, acariciando Nala e tentando não pensar sobre Stark ou Heath ou Erik quando meu alarme tocou.
Totalmente grogue eu tropecei pelo meu quarto, coloquei uma jeans e um suéter preto. Eu me olhei no espelho. Ok, só ugh.Eu tinha que ter dormido ontem – estou com olheiras.
Nala tinha acabado de curvar as costas e assobiar para a porta quando alguém bateu.
— Zoey! Dá para se apressar?
Eu abri a porta e vi uma Aphrodite descontente vestida com uma saia muito curta (e muito bonita), um pulôver púrpura, e umas botas pretas lindas de morrer. Ela estava batendo o pé com irritação.
— O que? — eu disse.
— Eu sei que já te disse isso antes, mas você é devagar como uma pessoa gorda de muleta — ela disse.
— Aphrodite, você é maldosa. Eu sei que já te disse isso antes também — eu disse, tentando parar com a groguês e de alguma forma me despertar. — E eu não sou devagar, estou pronta — eu finalmente disse.
— Não, não está. Sua Marca não está coberta.
— Ah, jeesh. Esqueci disso — Meus olhos automaticamente foram para a testa dela, que estava completamente limpa da Marca de um calouro.
— Yeah, uma das poucas vantagens de fingir que sou uma caloura é que eu não tenho que me apressar para cobrir minha Marca quando eu saio do campus. — O tom de Aphrodite era impertinente mas eu podia ver a mágoa nos olhos dela.
— Hey, lembre-se do que Nyx disse. Você ainda é especial para ela.
Aphrodite virou os olhos. — Yeah, especial. Tanto faz. Dá para se apressar? Darius está esperando, e você ainda tem que contar a Shekinah que eu vou com você.
— E eu preciso da minha tigela de cereal — eu disse enquanto passava a maquiagem por cima da minha Marca.
— Não tem tempo — Aphrodite disse enquanto corríamos pelas escadas. — Temos que ir até os Gatos de Rua antes dos humanos idiotas fecharem a loja e voltarem para suas ridículas casas de classe média..
— Você é uma humana estúpida — eu sussurrei.
— Eu sou uma humana especial — ela me corrigiu, em uma voz igualmente baixa, e ela continuou. — Quando Stevie Rae vai nos encontrar? Não vai ter problema se nos atrasarmos um pouco, certo?
— Ah, droga! — eu sussurrei. — Eu não consegui falar com ela ontem.
— Não estou surpresa. O sinal de celular é horrível naqueles túneis. Eu vou bolar uma desculpa para Darius do porque do seu atraso. Ligue de novo. Dessa vez vamos esperar que ela atenda.
— Eu sei, eu sei — eu disse.
— Hey, Z! — Shaunee chamou quando Aphrodite e eu passamos pela cozinha.
— Como você está se sentindo essa manhã? Melhor? — Erin perguntou.
— Eu estou – obrigada, meninas. — Eu disse, sorrindo para elas. As Gêmeas eram além de alegres. Era necessário mais do que uma amostra de morte para as assustar por muito tempo.
— Excelente. Temos a sua caixa de Count Chocula bem aqui — Erin disse.
— Hey, Gêmeas Nerds, vocês duas querem me fazer uma pedicure hoje à noite? Podemos fazer uma grande conexão da horda de nerds com o enorme calo que eu tenho no meu pé direito. — Aphrodite ergueu a bota e fingiu que ia abrir ela.
— Temos o seu café da manhã pronto também, Aphrodite — Erin disse.
— Yeah, conseguimos uma boa tigela de Count Vadiula — Shaunee disse.
— Vocês duas não são tão engraçadas. Zoey, eu vou pegar Darius e te encontramos no estacionamento. Se apresse. — Ela virou o cabelo para trás e saiu apressada.
— Odiamos ela — Erin e Shaunee falaram juntas.
— Eu sei — eu suspirei. — Mas ela realmente foi gentil ontem.
— Provavelmente porque ela tem desordem de personalidade — Erin disse.
— Yeah, eu acho que ela é uma daquelas pessoas com dupla personalidade — Shaunee disse. — Hey, talvez ela seja internada logo!
— Excelente ideia, Gêmea. Eu gosto que você sempre olhe para o melhor lado — Erin disse.
— Aqui, Z. Como o seu cereal — Shaunee disse.
Eu suspirei na caixa do meu cereal favorito. — Eu não tenho tempo para comer. Tenho que ir até os Gatos de Rua e começar nosso trabalho comunitário.
— Você deveria conversar com eles sobre fazer um mercado de pulgas — Erin disse.
— Yeah. Precisamos limpar nossos armários para a mudança de estação, e é melhor vender nossas coisas antigas para dar espaço para novas — Shaunee disse.
— Essa não é uma má ideia. Além do mais, os Gatos de Rua podem fazer as vendas do lado de dentro e o sol não iria nos incomodar — eu disse.
— Gêmea, vamos lá ver nossos sapatos — Shaunee disse.
— Vamos, Gêmea — Erin disse. — Eu fiquei sabendo que tons metálicos são o top para a próxima estação.
Eu deixei o dormitório enquanto as Gêmeas estavam conversando sobre compras de novos sapatos e roupas.
O Filho de Erebus que estava parado do lado de fora não era Darius, mas era igualmente grande e parecia mal, e ele me deu uma rapida saudação de respeito. Eu a retornei e corri pela calçada em direção ao prédio principal, acenando oi’s para os calouros que iam e vinham. Abrindo meu celular, eu digitei o número do celular de Stevie Rae. Graças a Deus, dessa vez ela atendeu no primeiro toque.
— Hey, Zoey!
— Oh, graças a Deus. — Eu não disse o nome dela, mas mantive a voz baixa. — Eu tentei te ligar mais cedo, mas você não atendeu.
— Desculpe, Z. A recepção aqui nos túneis é uma droga.
Eu suspirei. — Temos que fazer algo sobre isso, mas agora eu não tenho tempo para pensar no que fazer. Bem, esquece. Você pode me encontrar nos Gatos de Rua daqui a pouco? É importante.
— Gatos de Rua? Onde fica isso?
— É na 16 com a Sheridan naquele prédio de tijolos. Atrás da Cozinha do Charlie. Você pode ir lá?
— Yeah, eu acho. Eu vou ter que pegar o ônibus, então posso levar um tempo. Espera, você não me dá uma carona?
Eu abri minha boca para explicar porque eu não podia dar a carona e porque era tão importante falar com ela hoje, quando ouvi o barulho de um grito seguido por uma risada do lado dela no telefone.
— Uh, Zoey. Preciso ir — Stevie Rae disse.
— Stevie Rae, o que está acontecendo?
— Nada — ela disse rapidamente.
— Stevie Rae — Eu comecei, mas ela me cortou.
— Eles não estão comendo ninguém. Verdade. Mas tenho que me certificar que o entregador de pizza não lembre muito dessa entrega. Te vejo nos Gatos de Rua – tchau!
E ela desligou. Eu fechei o telefone (e desejei poder fechar meus olhos me colocar em uma posição fetal e ir dormir). Ao invés disso eu entrei pelas grandes portas de madeira parecidas com a de um castelo da entrada principal da House of Night. Nós não temos o que podemos chamar de sala do diretor, mas temos uma área administrada por uma atraente vampira jovem chamada Sra. Taylor. Ela na verdade não é uma secretária, mas uma assistente de Nyx. Damien explicou para mim que parte do treinamento de sacerdotisa dela era ajudar a House of Night – por isso o fato dela poder ser encontrada ocupada atendendo telefones, fazendo Xerox, e correndo atrás de professores quando não estava na capela para os rituais e coisas assim.
— Olá, Zoey — ela disse com um doce sorriso.
— Oi, Sra. Taylor. Eu deveria falar para a Shekinah quem vai comigo aos Gatos de Rua, mas não faço ideia de onde ela está.
— Oh, ela fez a sala do Conselho o escritório dela enquanto não está ensinando. E já que o primeiro período não começou ainda, ela está lá agora.
— Obrigado — eu disse e corri pelo corredor para a esquerda e então subi as escadas circulares que levavam para a biblioteca e a sala do Conselho do outro lado. Eu não tinha certeza se eu deveria só entrar ou não, e estava erguendo a mão para bater quando a voz de Shekinah chamou, — Você pode entrar, Zoey.
Jeesh, vampiros são tão assustadores com o seu estranho nós-sabemos-quem-vai-ligar-antes-dele-ligar. Eu endireitei os ombros e entrei.
Shekinah estava usando um vestido preto que parecia ser feito de veludo, com a insígnia prateada de Nyx, a silhueta de uma mulher com os braços erguidos pegando a lua, bordado no peito dela. Ela sorriu para mim e eu fui atingida pela exótica beleza dela e o senso de idade e sabedoria que a cercava.
— Merry meet, Zoey — ela disse.
— Merry meet — eu respondi automaticamente.
— Como você está hoje? Eu soube do jovem calouro que morreu ontem a noite e que você testemunhou o falecimento dele.
Eu engoli. — Sim, eu estava com Stark quando ele morreu. E estou tão bem quanto possível hoje.
— Você ainda quer visitar os Gatos de Rua? Eu sei que pode ser uma difícil primeira reunião.
— Eu sei, mas eu ainda quero ir. Ajuda a me manter ocupada.
— Muito bem. Você se conhece melhor.
— Eu gostaria de levar Aphrodite comigo, se estiver tudo bem por você.
— Ela é a caloura com a afinidade com a terra, não é?
Eu dei um rápido e nervoso aceno e disse, — Terra é a afinidade que Nyx deu a ela. — Ok, bem, eu não estava tecnicamente mentindo.
— Terra é uma influência calmante. Normalmente aqueles com uma afinidade por ela são pé no chão e confiáveis. Você fez uma excelente escolha sobre quem irá te acompanhar hoje, jovem sacerdotisa.
Eu tentei não parecer culpada. Aphrodite pé no chão e confiável? Como as Gêmeas diriam, por favor, só por favor. — Bem, ela e Darius estão me esperando, então é melhor eu ir.
— Só um segundo. — Shekinah olhou para o papel que segurava na mão e o passou para mim. — Aqui está seu novo horário de aula. Com minha aprovação, Neferet te transferiu da primeira aula de Sociologia Vampira para as aulas de um sextanista. — Ela olhou para a minha estranha Marca, já completa embora eu ainda seja uma caloura. E é claro, nenhum vampiro ou calouro teve as tatuagens expandidas que eu tenho no pescoço, ombros, costas e cintura. Shekinah não podia ver essas, mas o olhar conhecedor dela dizia que ela sabia que elas estavam ali. — Você está muito desenvolvida para ficar numa aula tão simples de sociologia. Eu tenho o pressentimento, e sua Alta Sacerdotisa concorda, que você vai precisar saber mais detalhes sobre a vida vampira do que normalmente um terceiranista precisa.
— Sim, senhora — foi tudo que eu consegui dizer.
— Te colocar numa aula avançada alterou seu horário. Eu me certifiquei que você seja dispensada das aulas até depois do almoço. Só se certifique de voltar nesse horário, e ir para as aulas certas.
— Ok, eu vou. Oh, você poderia fazer Aphrodite ser liberada também?
— Já fiz isso — ela disse.
Eu engoli com força. — Bem, obrigado. Eu quero dizer, muito obrigada. — Como sempre, o super conhecimento dos vampiros me deixou extremamente nervosa. — Um, eu estava pensando em sugerir para os Gatos de Rua que as Filhas das Trevas vão patrocinar um mercado de pulgas, e o dinheiro iria para eles. Você acha que está tudo bem?
— Eu acho que é uma excelente ideia. Tenho certeza que as Filhas e Filhos Negros vão ter uns itens interessantes para vender.
Eu pensei no enorme quantidade de sapatos de marca das Gêmeas, na coleção de bonecos do Star Wars de Erik (quem sabe – ele pode ter crescido agora que é um vampiro “adulto”), e na obsessão de Damien por colares, e tive que concordar com ela. — Yeah, interessante é um bom jeito de descrever as coisas.
— Estou de dando autonomia para decidir como quer proceder com o seu trabalho de caridade. Eu concordo com você que mais interação com a população local é uma boa ideia. Eu já comecei a trabalhar com a policia local sobre os assassinatos, e concordo com eles que parece ser o trabalho de um pequeno e muito perturbado grupo de humanos. Eu tenho minhas dúvidas sobre permitir que você interaja com humanos agora, mas acredito que o bem na sua ideia supera os riscos.
— Eu também.
— E você ficará bem protegida na companhia de Darius.
— Yeah, ele me lembra uma montanha — eu disse sem pensar, então corei por minha descrição imbecil.
Mas Shekinah sorriu. — Ele, de fato, lembra uma montanha.
— Ok, bem, eu te informo sobre como foi com os Gatos de Rua.
— Por favor me dê um relatório amanhã. Falando em amanhã, eu decidi chamar um Ritual de Ano novo especial em que vou me focar na limpeza de energias negativas na escola. Depois da morte dos dois professores e agora esse pobre calouro, o território precisa de uma poderosa limpeza. Eu ouvi que você tem conhecimento de rituais de limpeza, já que foi criada com o conhecimento da sua herança Nativo Americana.
— Sim! — Eu não consegui esconder a surpresa na minha voz. — Minha avó segue os ensinamentos dos Cherokee.
— Ótimo. Então conto com você e com seu grupo de muito dotados amigos para fazer o ritual de limpeza. Amanhã é ano novo, então vamos fazer o ritual no início da meia-noite. Vamos fazer a limpeza perto do muro leste.
— No muro leste? Mas lá é onde... — eu parei, me sentindo enjoada.
— Sim, é onde o corpo da professora Nolan foi encontrado. É também um lugar de grande poder, e aquele deve ser o foco da nossa limpeza.
— Não foi isso que Neferet fez quando fez o ritual dela lá? — Neferet tinha feito um tipo de funeral para a professora Nolan no lugar que o corpo dela foi encontrado. Aquele também foi o lugar onde Neferet lançou um poderoso feitiço ao redor da escola e que a informou sempre que alguém entrava ou saia da House of Night.
— Limpeza e proteção são duas coisas bem diferentes, Zoey. Neferet estava se focando em proteção naquela vez, o que foi uma resposta admirável para tal tragédia. Houve tempo para nossa mente clarear agora, e é hora de buscar o futuro. Para isso, vamos precisar de uma limpeza. Você entende?
— Eu acho que sim — eu disse.
— Espero ansiosa pelo seu círculo — ela disse.
— Eu também — eu menti.
— Seja vigilante e sábia hoje, Zoey.
— Farei meu melhor — eu disse. Eu dei uma saudação de respeito a ela e uma pequena reverência quando sai.
Então eu tinha que liderar um ritual de limpeza para a escola toda amanhã – sem o elemento da terra – embora todos acreditem que Aphrodite ainda tem uma afinidade com a terra. Bem, todos acreditam que Aphrodite ainda é uma caloura também. Oh, jeesh. Eu estou com sérios problemas. De novo.

Um comentário:

  1. — Temos o seu café da manhã pronto também, Aphrodite — Erin disse.
    — Yeah, conseguimos uma boa tigela de Count Vadiula — Shaunee disse.

    Morri kkk

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!