6 de outubro de 2015

Capítulo 14 - Stevie Rae

Dallas estava meio carregando, meio arrastando Stevie Rae ao virar a esquina da escola, discutindo com ela sobre passar na enfermaria, em vez de simplesmente voltar para seu quarto, quando Kramisha e Lenobia, que estavam andando em direção ao Templo de Nyx, avistaram-nos.
— Pelas lágrimas do bebê Jesus, você está em ruínas! — Kramisha gritou, cambaleando para parar.
— Dallas, vamos levá-la para a enfermaria! — Lenobia disse. Ao contrário de Kramisha, ela não congelou ao avistar a ensanguentada Stevie Rae, em vez disso, ela correu para seu lado e ajudou Dallas a suportar o peso dela, automaticamente virando-os para a entrada da enfermaria.
— Olha, não, galera. Somente me levem ao meu quarto. Preciso de um telefone, não de um médico. E eu não posso achar a merda do meu telefone celular.
— Você não pode encontrá-lo porque essa coisa-pássaro quase arrancou todas as suas roupas fora de você, juntamente com sua pele. Seu celular está provavelmente no parque esmagado na terra que ainda está encharcada com o seu sangue. Você está indo para a maldita enfermaria.
— Eu tenho um telefone. Você pode usar o meu. — disse Kramisha, captando a conversa deles.
— Você pode usar o telefone de Kramisha, mas Dallas está certo. Você não pode se manter em pé sozinha. Você está indo para a enfermaria. — Lenobia disse com firmeza.
— Ótimo. Que seja. Levem-me a uma cadeira ou algo onde eu possa fazer uma ligação. Você tem o número de Aphrodite, não tem? — Ela perguntou para Kramisha.
— Sim. Mas não pense que isso nos faz amigas ou algo do tipo. — resmungou Kramisha.
À medida que eles se dirigiram para dentro da enfermaria, o afiado olhar Lenobia voltou ao corpo golpeado de Stevie Rae. — Você está mal. De novo. — disse ela. Então as palavras de Dallas pareceram alcançá-la, e os olhos cinzentos da Senhora dos Cavalos aumentaram com o choque. — Você quis dizer que um pássaro fez isso?
— Coisa-pássaro. — disse Dallas, ao mesmo tempo que Stevie Rae disse: — Não!
— Dallas, não tenho tempo nem energia para discutir com você sobre isso agora.
— Quer dizer que você não viu o que aconteceu com ela? — Lenobia perguntou.
— Não. Havia muita fumaça e escuridão, eu não podia vê-la, e eu não conseguia entrar no círculo para ajudá-la. E quando tudo clareou ela estava assim e essa coisa-pássaro estava agachada sobre ela.
— Dallas, pare de ficar falando de mim como se eu não estivesse aqui! E ele não estava agachado em cima de mim. Ele estava deitado no chão perto de mim.
Lenobia começou a falar, mas eles tinham chegado à enfermaria, e Sapphire, a alta e loira enfermeira que tinha sido promovida a chefe do hospital na ausência de um médico, cumprimentou-os com sua usual expressão azeda, que mudou rapidamente para de choque. —Coloquem ela ali! — Ela ordenou bruscamente, apontando para um quarto recentemente desocupado no estilo de hospital.
Eles colocaram Stevie Rae na cama, e Sapphire começou a arrancar coisas para fora de um dos armários de metal. Uma das coisas que ela pegou foi uma bolsa de sangue que ela jogou para Lenobia. — Faça ela beber isso imediatamente.
Ninguém falou nada durante os poucos segundos que levou para Lenobia rasgar a bolsa de sangue abrindo-a e ajudar a sustentar as mãos trêmulas de Stevie Rae enquanto ela segurava a bolsa à boca e bebia com avidez.
— Eu vou precisar de um pouco mais disso — Stevie Rae disse. — E, como eu disse antes, uma merda de um telefone. Imediatamente.
— Eu preciso saber o que cortou seu corpo assim, fez você perder muito sangue, o qual você precisa substituir imediatamente, e descobrir por que o sangue que ainda escorre de seu corpo cheira completamente errado — disse Sapphire.
— Corvo Escarnecedor! Esse é o nome da coisa — disse Dallas.
— Um Corvo Escarnecedor atacou você? — Lenobia afirmou.
— Não. E é isso que eu estive tentando enfiar pelo denso crânio de Dallas. A Escuridão atacou a mim e ao Corvo Escarnecedor.
— E como eu disse, você não está fazendo nenhum maldito sentido. Eu vi essa coisa-pássaro. Eu vi seu sangue. Essas feridas parecem definitivamente cortadas por aquele bico dele. Eu não vi mais nada! — Dallas praticamente gritou.
— Você não viu nada porque a Escuridão cobriu tudo dentro do círculo, incluindo eu e o Corvo Escarnecedor enquanto ele atacava a ambos! — Stevie Rae gritou sua frustração para ele.
— Por que isso soa como se você estivesse de pé por causa desta coisa? — Dallas disse, erguendo as mãos.
— Você sabe, Dallas, que você pode simplesmente beijar a minha bunda! Eu não estou de pé para ninguém, com exceção de mim. Não é como se você conseguisse entrar no círculo para me ajudar – eu tive que fazer isso sozinha!
Houve um longo silêncio enquanto Dallas olhava para ela com a mágoa claramente visível em seus olhos e, em seguida Sapphire falou em sua voz aguda de taquara rachada, — Dallas, você precisa sair. Eu vou cortar o que restou dessas roupas fora dela, e não é adequado que você esteja aqui.
— Mas eu...
— Você trouxe sua Alta Sacerdotisa para casa. Você fez bem, — Lenobia disse para ele, tocando seu braço levemente. — Agora nós vamos cuidar dela.
— Dallas, uh, por que você não vai buscar algo para comer? Eu vou ficar bem — disse Stevie Rae, já arrependida de ter jogado em cima dele a frustração que o medo e a culpa lhe faziam sentir.
— Sim, certo. Eu estou indo.
— Ei, Lenobia está certa — Stevie Rae falou depois dele conforme ele andava para fora do quarto. — Você foi ótimo me trazendo para casa.
Ele olhou por cima do ombro para ela pouco antes de fechar a porta, e ela pensou que nunca tinha visto seu olhar tão triste. — Qualquer coisa para você, menina.
A porta mal havia fechado atrás dele quando a boca de Lenobia cuspiu as palavras. — Explique sobre o Corvo Escarnecedor.
— Ei, eu pensei que todos eles tivessem ido embora — Kramisha disse.
— Vocês duas podem ficar. Margareta foi ao Hospital St. John's reabastecer nossos suprimentos, portanto seria de utilidade uma mão extra, mas vocês vão ter que falar enquanto me ajudam — disse-lhes Sapphire, entregando outra bolsa de sangue para Lenobia. — Abra isso para ela. Kramisha, vá lá, lave as mãos, e então comece a me dar as bolas de algodão embebidas em álcool.
Kramisha deu a Sapphire um olhar levantado a sobrancelha, mas foi até a pia. Lenobia rasgou o saco e deu a Stevie Rae, que bebeu devagar, conseguindo algum tempo.
Com um som que intenso que parecia muito alto para o quarto, Sapphire cortou o que restava das calças e a camisa Don't hate the 918 de Stevie Rae.
Stevie Rae sentiu os olhos de todos se fixarem em seu corpo semi-nu. Ela desejou ter usado um sutiã melhor, mudou de posição nervosamente, e disse: — Caramba, eu amava os jeans Cowgirl U . Odeio pensar em ter que voltar àquele cruzamento entre as ruas 31 e Memorial para chegar até a Drysdales só pra comprar outro jeans. O trânsito sempre é uma merda nessa parte da cidade.
— Talvez você devesse expandir seu senso de moda. Little Black Dress na Rua Cherry está mais perto, e eles têm alguns jeans legais que não são tão anos noventa — Kramisha disse.
Três pares de olhos instantaneamente se deslocaram para ela.
— O quê? — Ela deu de ombros. — Todo o mundo sabe que Stevie Rae precisa de uma transformação.
— Obrigado, Kramisha. Isso me faz sentir muito melhor, vendo que eu quase morri e tal. — Stevie Rae rolou seus olhos para Kramisha quando ela reprimiu um sorriso. Mas a verdade é que Kramisha a fez se sentir melhor, mais normal. E, em seguida, Stevie Rae percebeu que ela estava, verdadeiramente, se sentindo melhor. O sangue tinha aquecido, e ela não se sentia tão fraca como ela estava apenas alguns minutos antes. Na verdade, ela estava meio agitada por dentro, provavelmente seu sangue estava bombeando super forte e aumentando por todo seu corpo. É o sangue de Rephaim — a parte dele que está misturado com a minha está suprindo o sangue humano e me dando força.
— Stevie Rae, você parece estar acordada e consciente— disse Lenobia.
Stevie Rae se reorientou, deixando seus pensamentos, para encontrar a Senhora dos Cavalos estudando-a com cuidado. — Sim, eu definitivamente estou me sentindo melhor, e eu preciso de um telefone. Kramisha, me empreste...
— Em primeiro lugar eu vou limpar estas feridas, e eu prometo que você não vai poder conversar ao telefone enquanto faço isso — Sapphire disse apesar de que Stevie Rae achou que foi uma desculpa presunçosa demais.
— Então, espere eu ligar para Aphrodite para depois me perturbar — Stevie Rae disse. — Kramisha, escave dentro desta sua bolsa gigante e consiga-me a droga do telefone.
— Eu não posso esperar — Sapphire repreendeu. — Seus ferimentos são graves. Você tem lacerações dos seus tornozelos até sua cintura. Eles precisam ser limpos. Muitos deles precisam de pontos. Você precisa beber mais sangue. Na verdade, seria preferível que nós trouxéssemos um dos voluntários para você se alimentar diretamente – isso ajudaria no processo de cura.
— Humanos? Voluntários? — Stevie Rae engoliu em seco. Que tipo de coisas aconteciam na House of Night?
— Não seja ingênua — foi tudo o que Sapphire disse.
— Eu não sou de beber de um estranho! — Stevie Rae disse com mais veemência do que ela pretendia mostrar, com sua sobrancelha levantada desenhando olhar para Lenobia e Kramisha. — O que eu quero dizer é – eu vou ficar bem com as bolsas de sangue. É muito estranho pensar em beber de alguém que eu não conheço – especialmente logo depois de, bem, você sabe... — Sua voz sumiu. As três mulheres pensariam que ela estava falando sobre o rompimento recente de seu Imprint com Aphrodite.
Mas ela não estava pensando em Aphrodite – que era ridículo.
Stevie Rae estava pensando que o único do qual ela queria beber, do qual ela necessitava beber, era Rephaim.
— Seu sangue cheira errado — disse Lenobia.
Os pensamentos de Stevie Rae se esvaziaram, e seu olhar dirigiu-se imediatamente à Senhora dos Cavalos. — Errado? O que você quer dizer?
—Há algo de estranho nisso — concordou Sapphire conforme começava a limpar os cortes profundos com os chumaços de algodão embebidos em álcool que Kramisha lhe entregou.
Stevie Rae respirou fundo na dor. Através dos dentes cerrados, ela disse, — Eu sou um vampiro vermelho. Meu sangue é diferente do seu.
— Não, elas têm razão. Seu sangue cheira estranho — disse Kramisha, desviando os olhos das feridas de Stevie Rae e franzindo o nariz.
Stevie Rae pensou rapidamente e disse: — É porque ele bebeu de mim.
— Quem? O Corvo Escarnecedor! — Lenobia disse.
— Não! — Stevie Rae negou, em seguida, apressou-se em explicar. — Como estive tentando dizer a Dallas, o Corvo Escarnecedor não fez nada para mim. Ele foi uma vítima também.
— Stevie Rae, o que aconteceu com você? — Lenobia perguntou.
Stevie Rae respirou fundo e iniciou a quase verdadeira história. — Eu fui para o parque, porque eu estava tentando obter informações a partir da terra que poderiam ajudar Zoey pois Aphrodite me pediu. Há essas crenças dos antigos vamps, alguma coisa baseada nos guerreiros que ninguém mais acredita, e que ela pensava poder ajudar Stark para que ele mesmo fosse buscar Zoey no Outromundo.
— Mas Stark não pode entrar no Outromundo, sem morrer. — disse Lenobia.
— Sim, isso é o que todos dizem, mas, recentemente, Aphrodite e eu descobrimos sobre essas coisas antigas que podem ajudá-lo a chegar lá vivo. A religião, ou o que você quiser chamá-lo, deveria ser representada por vacas – eu quero dizer, touros. Um branco e um negro. — Relembrando, Stevie Rae estremeceu. — Aphrodite, sendo uma total dor na bunda, não me disse que a droga do touro branco era ruim e a droga do touro preto era o bom, então eu chamei o touro mau acidentalmente.
A face Lenobia tinha ficado tão pálida que parecia quase transparente. — Oh Deusa! Você evocou as trevas?
— Você sabe sobre essas coisas? — Stevie Rae perguntou.
No que pareceu ser um movimento inconsciente, uma das mãos de Lenobia levantou para tocar a nuca. — Eu sei um pouco das Escuridão, e como Senhora dos Cavalos, eu sei um pouco mais sobre os animais.
Sapphire limpou o corte que serpenteava em volta da cintura de Stevie Rae, fazendo-a estremecer. — Ah, merda, isso dói! — Ela fechou os olhos por um instante, tentando se concentrar em meio à dor. Quando ela os abriu, viu que Lenobia a estava estudando com uma expressão que ela não sabia ler, mas antes que pudesse formular a pergunta certa, a Senhora dos Cavalos perguntou uma de suas próprias.
— O que o Corvo Escarnecedor estava fazendo lá? Você disse que ele não atacou você, mas ele certamente não teria nenhum motivo para o ataque da Escuridão.
— Porque eles estão do mesmo lado — acrescentou Kramisha, balançando a cabeça, pensativa.
— Eu não sei sobre os lados e tudo mais, mas o touro mau atacou o Corvo Escarnecedor. — Stevie Rae respirou fundo e continuou: — Na verdade, o Corvo Escarnecedor ter aparecido foi o que me salvou. Ele justamente meio que caiu do céu e distraiu o touro tempo suficiente para eu tirar o poder da terra para que eu pudesse chamar o touro bom. — Stevie Rae não pôde deixar de sorrir enquanto falava sobre esse animal fantástico. —Eu nunca tinha visto nada parecido antes. Ele era tão bonito e gentil e tão, tão sábio. Ele correu atrás do touro branco, e ambos desapareceram. Então Dallas conseguiu entrar no círculo para mim, e o Corvo Escarnecedor voou para longe.
— Mas o que você está dizendo é que, antes do Corvo Escarnecedor chegar lá, o touro branco bebeu seu sangue? — Lenobia disse.
Stevie Rae teve de reprimir um outro tremor de repulsa quando se lembrou. — Sim. Ele disse que eu lhe devia o pagamento, porque ele respondeu à minha pergunta. Isso é provavelmente porque o meu sangue cheira de forma estranha, porque você ainda pode sentir seu cheiro em mim, e permita-me dizer, ele fedia. E isso é também porque eu preciso fazer esse telefonema. O touro respondeu minha pergunta, e tenho que falar com Aphrodite.
— Você poderia muito bem deixá-la ligar. Ela não precisa de pontos de qualquer maneira. Seus cortes estão se fechando já — Kramisha disse, apontando para os primeiros cortes que a Escuridão fez em torno de seus tornozelos.
Stevie Rae olhou para baixo, mas ela sabia o que ia ver antes de olhoar. Ela já tinha sentido isso – o sangue de Rephaim foi espalhando seu calor e força em todo seu corpo, fazendo com que sua carne rasgada começasse a unir e se reparar.
— Isso é extremamente incomum. E muito parecido com a rapidez com que você se curou de sua queimadura — disse Sapphire.
Stevie Rae fez-se conhecer ao olhar da enfermeira vampira. — Eu sou uma Alta Sacerdotisa vampira vermelha. Nunca houve ninguém como eu antes, então eu acho que nós podemos dizer que eu estou ajustando a curva de aprendizado para todos nós. Devemos curar rapidamente. — Ela virou a ponta do lençol sobre seu corpo e, em seguida, esticou sua mão para Kramisha. — Eu preciso do seu telefone agora.
Sem outra palavra, Kramisha caminhou até onde tinha deixado cair sua bolsa, procurou seu celular, e deu a Stevie Rae. — Aphrodite está listada debaixo do B.
Stevie Rae digitou o número. Aphrodite atendeu no terceiro toque.
— Sim, é muito cedo para a maldita ligação, e não, eu não me importo sobre o estúpido poema que você acabou de escrever, Kramisha.
— Sou eu.
O tom sarcástico de Aphrodite mudou instantaneamente. — O que aconteceu?
— Você sabia que o touro branco é ruim e o touro negro é bom?
— Sim. Eu não disse essa parte? — Aphrodite disse.
— Não, o que foi realmente horrível, porque eu chamei o touro branco para o meu círculo.
— Uh-oh. Isso não é bom. O que aconteceu?
— Não é bom? Tente narração incompleta da merda da década, Aphrodite. Foi ruim. Realmente, muito ruim. — Stevie Rae queria dizer para Lenobia e Sapphire e até mesmo para Kramisha irem embora para que ela pudesse falar com Aphrodite em particular, e talvez ter um colapso realmente bom e gritar com os olhos para fora, mas ela sabia que elas precisavam ouvir o que ela tinha a dizer. Infelizmente, coisas ruins não vão embora só porque foram ignoradas. — Aphrodite, aquilo é o mal como nada que eu tenha visto antes. Faz Neferet parecer com uma criança travessa. — Ela ignorou bufar indignado de Sapphire e continuou a falar rapidamente. — E é forte além do imaginável. Eu não podia lutar contra isso. Eu não acho que qualquer coisa possa lutar contra isso, exceto o outro touro.
— Então, como você fugiu dele? — Aphrodite parou por metade de um batimento cardíaco e, em seguida acrescentou: — Você está longe dele, não está? Você não está completamente sob seu feitiço de maneira que você esteja sendo usada como um fantoche para o mal com um sotaque caipira, né?
— Isso é precisamente estúpido, Aphrodite.
— Ainda assim, diga alguma coisa para provar que você é realmente você.
— Você me chamou de retardada da última vez que nos falamos. Mais de uma vez. E disse que eu era bundazeda, que nem sequer é uma palavra. Eu ainda estou te dizendo isso não é bom.
— Ótimo. Esta é você. Então como você conseguiu escapar do touro?
— Eu consegui invocar o touro bom, e ele é tão realmente, realmente bom como o outro é mau. Ele lutou contra ele, e ambos desapareceram.
— Então você não descobriu nada?
— Sim, eu descobri. — Stevie Rae semicerrou os olhos enquanto se concentrava duramente, querendo ter certeza de se lembrar palavra por palavra de tudo que o touro branco havia dito. — Eu perguntei como Stark poderia chegar até Zoey para que ele possa protegê-la enquanto ela consegue se juntar e voltar para cá. Isto é o que o touro disse: “O Guerreiro deve olhar para o seu próprio sangue para descobrir a ponte de entrada para a Ilha das Mulheres, então ele precisa vencer a si mesmo para entrar na arena. Somente reconhecendo um antes do outro ele vai se juntar à sua Sacerdotisa. Depois de encontrá-la, é sua escolha e não dele que ela volte.”
— Ele disse Ilha das Mulheres? Tem certeza sobre isso?
— Sim, eu estou certa. Isso é exatamente o que ele disse.
— Bom. Ok. Ah, espere, eu estou escrevendo isto tudo para eu não esquecer de nada.
Stevie Rae pode ouvir Aphrodite rabiscar num pedaço de papel. Quando ela terminou, sua voz estava cheia de emoção. — Isso significa que estamos no caminho certo! Mas como infernos fará Stark para encontrar uma ponte, olhando o sangue? E o que essas coisas sobre ele ter que derrotar a si mesmo quer dizer?
Stevie Rae suspirou. Uma dor de cabeça enorme começou a palpitar entre suas têmporas. — Eu não tenho a menor ideia, mas obter esta resposta quase me matou, então isso tem que significar algo importante.
— Então é melhor Stark compreendê-la. — Aphrodite hesitou antes de dizer: — Se o touro negro é tão super bom, não basta chamá-lo de volta e...
— Não! — Stevie Rae falou com tanta força que ela fez com que todos na sala para pulassem. — Nunca mais. E você não deve deixar ninguém conjurar um desses touros. O preço é demais.
— O que você quer dizer com, o preço é demais? — Aphrodite disse.
— Quero dizer que eles são muito poderosos. Eles não podem ser controlados, sejam eles bons ou maus. Aphrodite, há algumas coisas que não foram feitas para serem perturbadas, e os touros são parte dessas coisas. Além disso, eu não tenho tanta certeza se um pode ser invocado sem o outro eventualmente aparecer, e acredite, você não quer nunca, nunca encontrar esse touro branco.
— Ok, ok. – relaxe. Eu captei o que você está dizendo, e eu posso dizer que tenho um sentimento bastante assustador apenas de falar sobre os touros. Eu acho que você está certa. Não se estresse. Ninguém vai fazer nada além de tentar ajudar Stark a encontrar uma ponte de sangue para a Ilha de Skye.
— Aphrodite, eu não acho que é uma ponte de sangue. Isso não parece soar correto. — Stevie Rae esfregou o rosto e se surpreendeu ao ver que sua mão estava tremendo.
— Basta, por agora — Lenobia sussurrou. — Você é forte, mas você não é imortal.
Stevie Rae olhou fixamente para ela, mas ela não viu nada nos olhos cinzentos da Senhora dos Cavalos, exceto preocupação.
— Ei, eu tenho que ir agora. Eu não estou me sentindo tão bem.
— Oh, pelo amor do saco plástico! Você não está quase morrendo mais uma vez, não é? É seriamente inconveniente quando você faz isso.
— Não, eu não estou quase morrendo. Não mais. E você não é mesmo quase agradável. Em tudo. Eu te ligo mais tarde. Diga a todos que eu disse oi.
— Sim, eu vou espalhar o amor. Adeus, caipira.
— Adeus. — Stevie Rae apertou o botão FINALIZAR CHAMADA, entregou a Kramisha seu telefone, e depois inclinou-se pesadamente para trás em seu travesseiro. — Uh, vocês não se importariam se eu talvez dormisse um pouco?
— Beba mais um desses. — Sapphire deu a Stevie Rae outra bolsa de sangue. — Então durma. As duas precisam sair e deixá-la descansar. — A enfermeira vampira jogou as sangrentas bolas de algodão com álcool em um saco de lixo, agarrou as luvas de látex, foi até a porta e esperou, batendo o pé e dando a Lenobia e Kramisha um olhar sujo.
— Eu voltarei para verificar depois de você ter descansado. — disse Lenobia.
— Parece bom. — Stevie Rae sorriu para ela.
Lenobia apertou sua mão antes de sair. Quando Kramisha inclinou-se perto dela, Stevie Rae pensou por um embaraçoso e chocante segundo que a criança estava indo para abraçá-la – ou pior, talvez até beijá-la. Em vez disso, Kramisha encontrou seus olhos e sussurrou?

“Veja com a alma e não seus olhos
porque para dançar com animais você
precisa penetrar seu disfarce.”

Rae Stevie de repente sentiu um calafrio. — Eu acho que eu devia ter ouvido melhor você. Talvez eu teria sabido que eu estava chamando a vaca errada — ela sussurrou de volta.
O olhar de Kramisha era forte e inteligente. — Talvez você ainda deva. Algo dentro de mim diz que você não terminou de dançar com animais. — Então, ela se endireitou, e com uma voz normal, disse: — Durma um pouco. Você vai precisar de todo o seu bom senso amanhã.
Quando a porta se fechou, deixando-a sozinha, Stevie Rae deu um esgotado suspiro de alívio. Metodicamente, ela bebeu a última bolsa de sangue e, em seguida, puxou o cobertor do hospital em torno de seu pescoço e enrolou em seu lado e, suspirando, lentamente enrolou um cacho loiro em torno de um dedo. Ela estava completamente esgotada. Aparentemente, todo o poder no sangue de Rephaim tinha movido nela o fodido inferno enquanto a consertava.
Rephaim...
Stevie Rae nunca, jamais esqueceria o que ele parecia quando enfrentou a Escuridão por ela. Ele tinha sido tão forte e valente e bom. Não importava que Dallas e Lenobia e toda a droga do mundo acreditava que ele estava do lado da Escuridão. Não importava que seu pai era um Guerreiro caído de Nyx, que tinha feito uma terrível escolha séculos atrás. Nada disso importava. Ela tinha visto a verdade. Ele voluntariamente se sacrificou por ela. Ele podia não ter escolhido Luz, mas ele tinha rejeitado definitivamente a Escuridão.
Ela tinha razão em salvá-lo naquele dia fora da abadia, e ela também estava certa em invocar o touro negro e salvá-lo hoje, não importava o custo para ela.
Rephaim era digno de salvação.
Não era?
Ele tinha que ser. Depois do que aconteceu hoje, ele tinha que ser.
Seu dedo acalmou, e seus olhos começaram a fechar trêmulos, embora ela não queria pensar nada ou sonhar – ela não queria lembrar a terrível Escuridão e da dor que tinham sido inimagináveis.
Mas seus olhos fecharam e a memória da Escuridão e o que ela tinha feito pra ela voltaram. Enquanto ela lutava contra a força inabalável do esgotamento total, do meio deste círculo do terror Stevie Rae ouvi a voz dele novamente: — Eu estou aqui porque ela está aqui, e ela pertence a mim. — E esta simples declaração afugentou o medo longe , permitindo que a memória da Escuridão abrisse caminho ao auxílio da Luz.
Pouco antes de Stevie Rae cair em um sono profundo, sem sonhos, ela pensou no belo touro negro e o pagamento que ele tinha exigido dela, e, novamente, as palavras de Rephaim foram jogadas através de sua mente: — Estou aqui porque ela está aqui, e ela pertence a mim.
Em o seu último pensamento ainda acordada, ela se perguntava se Rephaim alguma vez saberia como ironicamente verdadeiras suas palavras tornam-se subitamente para eles...

7 comentários:

  1. OMG!!!
    Qual foi o preço????
    Pqp!!
    Hiperventilando aki!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O preço foi o coração dela... se não me engano falou isso na profecia... -Juliana

      Excluir
  2. Eu gosto do Rephain ele ta mudando e claramente e culpa da
    Stive Rae,e obvio que os dois são ligados por um laco muito mais forte q o imprint .só um cego não vê.
    Agora vou dizer o q acho do q aconteceu com Zo e Heat
    Simplesmente lamentável. Odiei quando ela perdeu as tatuagens evestive pensando em como Zoey e bocuda. O lingua do capeta.
    Lembra lá no outro livro q ela queria gritar com Heat pra ele ficar pq se ele fosse ele ia morrer ? Ta vendo ai no q deu.Heat esta morto.Zo quer morrer TB.Esse de fato esta sendo o livro mais triste da serie.Eu queria chorar rios mas não consegui pq minha intuição diz que tudo vai ficar bem. Espero q seja verdade por q eu odiaria Z morta Heat morto Aphrodite morta o alto conselho de Nix morto Darius morto Damien morto Jack Starck ate Erick mortos Eu definitivamente odiaria ver as gêmeas que já fazem parte do meu coração mortas e milhões de inoscentes tb. E acima de tudo o q eu mais odiaria e ver Neferet no poder.Então ei sigo em frente com a serie esperando q eu não acabe desiludida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. eu acho q as tatuagens desapareceram pq a alma dela foi despedaçada mas se a alma dela se recompor e ela não morrer ela terá as tatuagens de volta

      Excluir
  3. adoro a Stive Rae mas acho q ela e o Rephain vao pagar um alto preço pelo amor q esta nascendo entre eles ...

    ResponderExcluir
  4. Qual foi o preço???????????????

    Meu deus, qual foiiiiiii???????????

    Não consigo pensar qual foi esse preço. Affz

    Não acho que seja o coração dito na profecia.

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!