4 de outubro de 2015

Capítulo 13

Damien, Jack, e Erik correram para dentro do quarto, seguidos de perto por Duquesa. Jack olhou para mim uma vez, gritou como uma garota, e desmaiou. Damien o pegou a tempo de impedir ele de cair e bater a cabeça no chão. Ele o deitou na cama de Stevie Rae enquanto a pobre e confusa Labradora reclamava e olhava com grandes olhos marrons preocupados de Jack para Damien e eu, e então de volta para Jack. Damien se juntou a todos, incluindo Erik, que estavam se amontoando ao meu redor. Darius atravessou o grupo com dificuldade, separando garotos como se ele fosse um vampiro Moisés e todos os calouros o Mar Vermelho.
— Eles precisam lançar um círculo e focar o poder de cura dos elementos na Zoey — Darius disse a Aphrodite.
Ela acenou, tocou minha testa gentilmente, e então começou a dar ordens aos meus amigos.
— Horda de nerds! Tomem seus lugares. Vamos lançar esse círculo.
Shaunee e Erin a olhara, vaziamente. Damien, a voz dele tremula devido à lagrimas, disse, — eu - eu não sei que direção é o leste.
Stevie Rae apertou minha mão de novo antes de soltar. —Eu sei. Eu sempre sei onde
o norte é, então eu mostro a você onde o leste é também — ela disse a Damien.
— Façam um círculo ao redor da mesa — Darius disse. — E me dê o lençol daquela cama.
Damien agarrou o lençol da cama de Stevie Rae, murmurou a um acordado e choroso Jack que tudo ia ficar bem. Ele entregou o lençol para Darius.
— Fique comigo, Sacerdotisa — ele me disse. Ele olhou para Heath e Erik. — Continuem falando com ela, os dois.
Erik pegou a mão que Stevie Rae tinha soltado. — Estou aqui, Z. — Ele entrelaçou os dedos dele com os meus. — Você tem que sobreviver a isso. Precisamos de você. — Ele pausou e os lindos olhos azuis dele estavam em mim. — Eu preciso de você, e eu sinto muito sobre as coisas de antes.
Então Heath ergueu minha outra mão até os lábios dele, me beijando suavemente.
— Hey, Zo, eu te contei que eu não tomo uma bebida a dois meses?
Era seriamente estranha eu ter os dois dos meus caras ali. Eu estava feliz por eles não estarem brigando, mas eu entendi que isso poderia não ser particularmente uma boa coisa porque isso significava que eu estava machucada ainda mais do que eu tinha imaginado.
— Isso é bom, huh? Eu parei totalmente de beber — Heath disse.
Eu tentei sorrir para ele. Era bom. A razão que eu tinha terminado com Heath logo antes de ser Marcada era ele beber. Tinha saído totalmente de controle, e - Darius puxou a camisa de Erik do meu peito e rapidamente rasgou a parte de cima do meu vestido pela metade então eu senti o vento frio dos túneis contra minha pele encharcada de sangue.
— Minha Deusa, não! — Erik falou.
— Ah, merda! — Heath estava balançando a cabeça para frente e para trás. — Isso é
ruim. Realmente ruim. Ninguém pode viver com -
— Nenhum humano pode viver com esse tipo de ferimento, mas ela não é humana e
eu não vou deixar ela morrer. — Darius interrompeu Heath enquanto ele (graças a Deus) cobria meus seios nus com o lençol.
Eu cometi o erro de olhar para baixo. Talvez fosse uma boa coisa eu não ter energia para gritar. Havia uma longa laceração que ia da parte de cima do meu ombro esquerdo, pelo meu peito alguns centímetros acima dos meus seios, e não terminava até cortar a pele do meu ombro direito. O corte era profundo e irregular. As pontas da minha pele ondulavam doentiamente repartidas, mostrando mais músculos e gordura e camadas de pele do que eu queria ver. Sangue derramava por todo o terrível ferimento, mas não tanto sangue quanto eu esperaria. Era porque estava terminando? Diabos! Provavelmente era porque estava terminando! Minha respiração começou a sair em histéricas e pequenas arfadas.
— Zoey, olhe para mim — Erik disse. Quando eu continuei olhando para baixo para a ferida que Darius estava pressionando grosas gazes, Erik tomou meu queixo gentilmente nas mãos e virou meu rosto para cima, me forçando a olhar para ele. — Você vai ficar bem. Você deve ficar bem.
— Yeah, Zo. Só não olhe — Heath disse. — Você sabe, como você dizia sempre que eu me machucava jogando futebol. Você costumava dizer, 'só não olhe e não vai doer tanto'.
Erik soltou meu queixo e eu consegui acenar. Se eu fosse capaz de falar eu teria dito aos dois Diabos não, eu não vou olhar de novo! Eu já tinha me assustado o bastante. Não era necessário repetir a dose.
— Lancem o círculo — Darius disse.
— Estamos prontos — Damien disse.
Eu olhei ao redor (definitivamente evitando olhar para baixo de novo) para ver que Damien, Stevie Rae, e as Gêmeas tinham tomado suas posições no circulo ao nosso redor.
— Então o lancem! — Darius surtou.
Houve uma pausa na qual Erin finalmente falou. — Mas Zoey sempre lança os círculos. Nós nunca o fizemos.
— Eu faço. — Aphrodite entrou no círculo e marchou até Damien. Damien deu a ela um olhar que até eu podia ver que estava cheio de dúvidas. — Você não tem que ser um
calouro ou vampiro para lançar um círculo. Tudo o que você precisa ser é apegada a Nyx. E eu sou apegada a Nyx — ela disse firmemente. — Mas eu preciso que vocês me apóiem nisso. Vocês apoiam?
Damien pausou tempo o bastante para olhar para mim. Com um esforço que pareceu levar o resto da minha força, eu acenei para ele. Ele sorriu para mim e acenou de volta.
— Estou atrás de você — Damien disse a Aphrodite.
Aphrodite olhou dele para as Gêmeas. — Estamos com você também. — Erin falou pelas
duas.
Finalmente ela virou para Stevie Rae, que limpou os olhos, me mandou um grande e
confiante sorriso, e então disse a Aphrodite, — Você salvou minha vida duas vezes. Estou confiando que você possa fazer o mesmo por Zoey.
Eu vi o rosto de Aphrodite corar, o queixo dela erguido, e os ombros retos e sabia que pela primeira vez em muito tempo ela se sentia aceita como parte do grupo.
— Ok, vamos fazer isso — Aphrodite disse. — É o primeiro elemento, o que todos abraçamos do nosso primeiro batimento cardíaco ao último. Eu te chamo para o círculo vento! — Certa o bastante, eu vi uma pequena brisa erguer o cabelo de Aphrodite e Damien, com um olhar de alívio obvio, ela se moveu na direção do relógio até Shaunee.
E então eu parei de prestar atenção - ou melhor, minha atenção começou a se estreitar, ficando toda cinza, uma visão como a de um túnel pelas bordas.
— Zoey, você ainda está conosco? — Darius perguntou enquanto ele pressionava mais
gaze contra o meu peito.
Eu não conseguia responder ele. Minha cabeça parecia realmente leve, mas o resto do meu corpo incrivelmente pesado, como se algum idiota tivesse estacionando um caminhão em cima de mim.
— Z? — Erik estava dizendo. — Z, olhe para mim!
— Zoey? Baby? — Heath parecia que estava prestes a chorar.
Ok, eu realmente queria dizer algo para fazer eles se sentirem melhor, mas era impossível. Eu não conseguia mais fazer meu corpo funcionar. Era como se eu tivesse me transformado num espectador distante em um jogo que estava acontecendo ao meu redor. Eu podia observar, mas não jogar.
— Todos os elementos a não ser espírito foram invocados — Aphrodite disse. Ela estava parada perto de Darius. — Esse é o elemento que Zoey sempre personifica, e eu me senti estranha chamando ele no lugar dela.
— Chame — Darius disse. Ele olhou para de mim para olhar ao redor do círculo aos
meus amigos. — Concentrem o poder dos seus elementos em Zoey. Pensem sobre encher ela com força e calor e vida.
Vagamente eu ouvi Aphrodite evocando espírito, embora eu não tenha sentido a presença que eu sempre sentia. Eu brevemente senti um distante calor e por um segundo eu também senti o cheiro de chuva e grama recém cortada, mas isso desapareceu rapidamente enquanto o cinza emoldurando minha visão se tornava cada vez mais grosso.
— Você é o humano cujo Zoey teve um Imprint? — Eu ouvi Darius falando com Heath.
Eu ouvi, mas não consegui me importar muito com o que eles estavam dizendo.
— Sim — Heath disse.
— Bom. Seu sangue vai ser melhor que o de Aphrodite para ela.
— Essa é a melhor notícia que eu ouço a séculos — Aphrodite murmurou, limpando os olhos com as costas da mão.
— Você está disposto a permitir que Zoey beba de você?
— É claro! — Heath disse. — Só me diga o que eu preciso fazer.
— Sente aqui. Segure a cabeça dela no seu colo. Me dê seu braço — Darius disse a Heath.
Heath levantou no fim da mesa, e com a ajuda de Erik e Darius minha cabeça logo estava descansando contra a quente coxa dele, como se ele fosse um travesseiro vivo. Heath ergueu o braço e Darius o segurou firme. Minha mente estava muito confusa para fazer sentido no que ele estavam fazendo até Darius passar por trás dele e pegar uma faca/tesoura/abridor de lata do kit de primeiros socorros, abrir a parte da faca, e pressionar a lâmina contra a suave pele da parte de dentro do braço musculoso de Heath.
O cheiro do sangue dele passou por mim como uma deliciosa neblina.
— Pressione contra a boca dela — Darius disse. — Faça ela beber.
— Anda, baby. Tome um pouco disso. Vai te ajudar a melhorar.
Ok, minha mente racional sabia que Erik estava parado bem ali ao meu lado observando junto com todos os meus melhores amigos. Sob circunstancias normais, eu nunca teria feito o que fiz a seguir, não importava o quão delicioso e incrível o sangue de Heath cheirava.
Mas eu não estava atualmente experimentando nada que nem de perto lembrasse circunstancias normais. Então quando Heath pressionou seu braço sangrando contra meus lábios, eu abri minha boca, enfiei meus dentes profundamente nele, e comecei a sugar.
Heath gemeu e envolveu seu outro braço ao meu redor, pressionando seu rosto no meu cabelo enquanto eu bebia dele. O mundo imediatamente se estreitou para que houvesse apenas Heath eu e o sangue dele explodiu no meu corpo. Com aquele primeiro gole, ciência voltou ao meu peito, e com ele uma dor tão intensa que eu teria tirado minha boca da pele dele se ele não tivesse me apertado ainda mais e sussurrado no meu ouvido, — Não! Você não pode parar. Se eu posso aguentar, então você também pode, Zo.
Vê, eu sabia que eu não estava fazendo ele sentir um incrível prazer que se alimentar de um humano causava normalmente, tanto para vitima quanto ao vampiro. Nós tivemos Imprint de novo. Mesmo na má forma que eu estava eu podia ver isso. Toda a ciência de Heath me preencheu junto com o sangue dele, e estamos ligados juntos pelo tecido mágico que era a necessidade e atração entre humano e vampiro, costurados juntos em uma única peça por um antigo laço que era o Imprint. Mas eu não estava só bebendo dele. Eu estava sentindo o frenesi que era o instinto de sobrevivência, e pela nossa conexão Heath estava sentindo minha dor e minha necessidade, tudo que eu estava atordoada demais quando meu corpo estava em um choque quase fatal. Mas o sangue dele mudou isso. Tinha me revitalizado, e fazendo isso, ele tinha me arrancada do estado de choque quase fatal e me jogado direto na horrível dor de perceber que eu estava perto da morte.
Eu choraminguei, ainda me alimentando dele, mas estava me sentindo miserável porque eu sabia o que estava fazendo ele sentir.
É claro, ele sabia o que eu estava sentindo também, e o quão arrependida eu estava por fazer ele sentir dor.
— Está tudo bem, baby. Está tudo bem. Não é tão ruim, verdade — ele sussurrou no meu ouvido através dos dentes cerrados contra a intensa mistura de dor e desejo.
Eu não sei quanto tempo passou quando eu percebi isso, embora o corte no meu peito doesse pra caramba, meu corpo estava quente, e eu podia sentir uma suave brisa me acariciando e ela carregava o cheiro de chuva de primavera e de uma campina. Meu espírito, também, parecia revigorado, e eu sabia que o sangue de Heath tinha me energizado o bastante para que agora eu fosse capaz de aceitar o poder de cura dos elementos que confortavam minha alma enquanto tranquilizavam meu corpo.
E ao mesmo tempo eu percebi que Heath tinha parado de falar comigo. Eu abri meus olhos e olhei para cima. Ele estava meio que caído por cima de mim, mas estava sendo segurado pelo firme aperto de Darius no ombro dele. Os olhos dele estavam fechados e o rosto pálido.
Eu instantaneamente tirei minha boca do braço dele. —Heath! — Eu tinha matado ele?
Em pânico, eu tentei sentar, mas a dor passando pelo meu corpo me impediu.
— O humano está bem, Sacerdotisa — Darius disse. — Estanque o ferimento no braço dele para que ele não perca mais sangue.
Automaticamente eu passei minha língua sobre o estreito ferimento no braço de
Heath e o mais profundo que eu fiz quando eu o mordi enquanto pensava Cure... não sangue mais, e quando eu me afastei dessa vez eu vi que o ferimento da faca, assim como as marcas dos meus dentes, tinham sumido e tinham parado de sangrar completamente.
— Você pode fechar o círculo — Darius disse a Aphrodite, que estava me observando com uma curiosidade disfarçada.
Vê, eu queria dizer a ela, tem muitos tipos de Imprint. O que eu tenho com Heath definitivamente não é o mesmo que você tem com Stevie Rae. Mas eu não consegui invocar a energia para dizer as palavras. Na verdade, eu estava esperando pelas zilhões de perguntas que eu tinha certeza que ela teria para mim. E então antes dela virar para Stevie Rae para começar a agradecer e mandar de volta os elementos, eu vi Aphrodite mandar a Darius um sorriso sexy cheio de promessas, e eu lembrei que o primeiro Imprint que eu dividi com Heath tinha sido quebrado quando eu transei com Loren, e eu percebi que era Darius quem ia responder todas as perguntas dela. Com aquele sorriso íntimo que ele deu a ela em resposta, eu estava supondo que ele ia gostar daquele tipo de pergunta bemmmmm mais do que eu.
Ok, nojento.
Enquanto uma Aphrodite sorridente fechava o círculo, Darius virou de volta para Heath e eu.
— Erik, me ajude a mover ele para a cama — Darius disse.
Um Erik com o rosto duro feito pedra ergueu minha cabeça para fora do colo de Heath. Ele e Darius o carregam pela curta distância até a cama e deitaram o corpo duro dele no ponto que recentemente tinha sido de Jack (que estava observando, os olhos largos, do lado do quarto enquanto acariciava maniacamente Duquesa de novo e de novo).
— Vá pegar algo rápido para comer e beber. Oh, e encontre mais do vinho de Vênus —
Darius disse a Jack. — Mas diga aos calouros vermelhos para ficarem longe — ele acrescentou antes de Jack acenar e sair com Duquesa logo atrás dele.
— Eles não vão atacar Heath — Stevie Rae disse. Ela veio até mim e pegou minha mão.
— Especialmente agora que ele teve um Imprint com Zoey de novo. O sangue dele tem um cheiro errado.
— Eu não tenho tempo para testar se eles vão ou não, não agora — Darius disse. Ele voltou da cama e começou a inspecionar o ferimento de novo. — Bom. Ele parou de sangrar completamente.
— Eu acho que aceito sua palavra nessa. Eu realmente não quero olhar de novo. — Eu estava contente o bastante por ter minha voz de volta, mesmo que soasse fraca e mais do que um pouco abatida. — Obrigado, gente, pelo círculo — eu disse a meus amigos, que sorriram para mim e começaram a andar até a mesa.
— Não! — Darius ergueu a mão, parando a multidão. — Eu preciso de espaço pra trabalhar. Aphrodite, encontre mais daquelas ataduras naquele kit e traga elas pra mim.
— Hey, eu terminei de quase morrer? — eu perguntei ao guerreiro.
Dariu olhou do meu ferimento e encontrou meus olhos, e eu vi um alívio que me disse exatamente o quão perto eu tinha estado de não conseguir.
— Você terminou de quase morrer. — Ele pausou, claramente prestes a dizer mais.
— Mas? — eu estimulei.
— Não tem mais nisso — Stevie Rae disse rapidamente. — Você terminou de morrer. Ponto.
Eu não desviei o olhar pra longe de Darius, e ele finalmente me alertou. — Mas você precisa de mais ajuda do que eu posso te dar se você vai se recuperar completamente.
— Como assim, mais ajuda? — Aphrodite perguntou enquanto se movia para o lado de Darius, com um monte de estranhos Band-Ainds na mão.
Darius suspirou. — O ferimento de Zoey é severo. O sangue humano salvou a vida dela substituindo o sangue que ela perdeu e a fortalecendo o bastante para ela ser capaz de aceitar a energia dos elementos, mas nem mesmo Zoey pode se recuperar de tamanho ferimento sozinha. Ela ainda é apenas uma caloura, embora mesmo que ela fosse uma vampira completamente Mudada, um ferimento desses seria difícil de se recuperar.
— Mas ela parece melhor agora, e ela está falando com a gente — Damien disse.
— Yeah, eu não sinto como se não estivesse realmente aqui mais — eu disse.
Darius acenou. — Isso tudo é bom, mas a verdade é que você precisa de muitos pontos para que a ferida possa fechar e curar.
— E quanto a esses? — Aphrodite ergueu o pacote de Band-Aid. — Eu pensei que era por isso que você precisava deles.
— Esses são apenas temporários. Ela precisa de pontos de verdade.
— Então me costure. — Eu tentei soar o mais bravo que eu podia, embora a ideia de Darius costurando minha carne me fez querer vomitar ou chorar, ou os dois.
— Não tem kit de sutura aqui — Darius disse.
— Não podemos conseguir? — Erik perguntou. Eu notei que enquanto ele falava, ele estava olhando para qualquer lugar menos eu. — Eu poderia pegar a caminhonete de Heath e ir até a farmácia em St. John e Stevie Rae podia controlar a mente de um doutor lá. Traríamos de volta o que você precisa, e você poderia costurar ela.
— Yeah, podemos fazer isso. Eu posso até pegar o doutor se você quiser e trazer ele
aqui, e então limpar a memória dele e o devolver — Stevie Rae disse.
— Ok, Stevie Rae, essa é uma boa oferta — eu disse, mais do que um pouco perturbada por ela estar falando sobre sequestrar e fazer lavagem cerebral. — Mas eu realmente não acho que essa seja uma boa ideia.
— Não é tão simples resolver o problema — Darius disse.
— Então explique para que fique simples — Heath disse, se levantando com os cotovelos e parecendo completamente lixo embora ela tenha sorrido docemente para mim.
— Zoey precisa mais do que os cuidados de um médico. Zoey precisa estar ao redor de vampiros adultos para que o dano no corpo dela não seja fatal.
— Espera aí. Eu achei que você tinha dito que eu terminei de morrer — eu disse.
— Você terminou de quase morrer desse ferimento em particular, mas se você não for para perto de vários vampiros, e eu quero dizer mais de um ou dois ou três de nós, o dano causado ao seu corpo vai acabar com suas reservas de força e você vai rejeitar a Mudança. — Darius pausou, deixando o que ele estava dizendo ser absorvido por todos nós.
— Você vai morrer disso. Você pode voltar para nós como Stevie Rae e o resto dos calouros vermelhos fizeram, mas você pode não voltar.
— Ou você pode voltar como aquele idiota do Stark e ser um idiota que começa a nos
atacar — Aphrodite disse.
— Então você realmente não tem escolha — Darius disse. — Temos que levar você de
volta para a House of Night.
— Bem, diabos — eu disse.

Um comentário:

  1. PALHAÇADA! LOGO AGORA QUE ELA TEVE UM IMPRINT COM O HEATH! P-A-L-H-A-Ç-A-D-A!

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!