9 de outubro de 2015

Capítulo 13 - Zoey

— Está tudo bem, Z.? — Stark falou baixo no meu ouvido quando o meu círculo e eu estávamos reunidos perto da entrada do lobby da escola.
Thanatos havia pedido que nós esperássemos ela terminar de falar com os professores e guerreiros, e então ela iria se juntar a nós para a entrevista.
— Estou triste por causa de Dragon — sussurrei para ele.
— Não quis dizer isso — ele manteve a voz baixa, para que eu fosse a única capaz de ouvi-lo. — Eu queria saber se está tudo bem com a pedra. Eu vi quando você a tocou durante o funeral.
— Eu achei ter sentido a pedra esquentando por um momento, mas logo passou. Provavelmente foi porque nós estávamos bem perto da pira. E por falar nisso... — levantei a voz e me dirigi a Shaunee — bom trabalho com a parte do fogo no funeral. Eu sei que não é fácil manter piras funerárias acesas, mas você ajudou. Você fez com que tudo acabasse mais rápido.
— Obrigada. Sim, todos nós estamos cansados de funerais. Pelo menos antes desse funeral nós pudemos assistir a Dragon entrando no Outromundo, mas ver os gatos lá na pira com ele deixou tudo especialmente triste — ela enxugou os olhos e eu me perguntei como ela (ou qualquer um) conseguia chorar e ainda ficar bonita. — Na verdade, isso me lembra de uma coisa... — Shaunee continuou, virando-se para encarar Erin, que estava na ponta do nosso grupo, olhando para os garotos que ainda estavam na pira como se ela estivesse procurando alguém. — Erin, tudo bem por você se eu mudar a caixa de areia e as coisas de Belzebu para o meu quarto? Ele tem dormido lá a maioria dos dias.
Erin olhou para Shaunee, deu de ombros e disse:
— Sim, tanto faz para mim. Aquela caixa de areia tem cheiro de merda mesmo.
— Erin, os gatos não gostam de usar caixas de areia sujas. Você tem que limpá-la todo dia — Damien a informou, franzindo a testa.
Erin bufou de um jeito sarcástico.
— Não, eu não preciso mais fazer isso — então ela voltou a olhar para os outros garotos.
Percebi que ela não estava chorando. Pensei nisso e me dei conta de que ela não havia chorado nenhuma vez durante o funeral inteiro. No começo, toda essa coisa da ruptura entre as gêmeas parecia ter mexido mais com Shaunee, mas com o passar do tempo comecei a notar que Erin não estava agindo como ela mesma. Apesar de eu supor que isso seria normal, já que agir como ela mesma costumava significar agir igual a Shaunee, que agora parecia bem mais madura e legal. Fiz uma nota mental de que eu precisava encontrar tempo para conversar com Erin, para me certificar de que ela estava bem.
— Que droga, eu preferia que Thanatos não tivesse dito para Rephaim esperar com os outros garotos no ônibus. Ele estava superperturbado no funeral. Eu odiei ter que deixá-lo sozinho nesse estado — Stevie Rae falou, vindo para o meu lado.
— Ele não está sozinho. Ele está com todos os outros novatos vermelhos. Eu vi quando eles foram para o ônibus. Kramisha estava falando para ele sobre como a poesia podia ser um caminho para extravasar as emoções.
— Kramisha vai entreter o menino-pássaro com as suas tolices sobre poesia. Blá-blá... versos iâmbicos e blá-blá... — Aphrodite comentou. — Além disso, até você precisa entender que não é uma boa ideia deixar o público humano saber do seu pequeno “probleminha de pássaro” — ela colocou aspas no ar com os dedos.
— Olá, ahn, desculpem-me por interromper vocês, mas eu estou procurando o lobby da escola.
Todos nós nos viramos ao mesmo tempo e olhamos para o humano que estava andando na nossa direção pela calçada que vinha do estacionamento. Atrás dele, havia um cara segurando uma câmera e com uma grande bolsa preta abarrotada de coisas pendurada no seu ombro e uma espécie de fone de ouvido cinza na cabeça.
Como era de se prever, Damien foi o primeiro de nós a se recompor. Falando sério, Damien realmente devia ser coroado a Miss Simpatia da House of Night de Tulsa.
— Você está no lugar certo. Parabéns por nos encontrar! — Damien sorriu tão afetuosamente que eu percebi que o humano relaxou os seus ombros tensos.
Então ele estendeu a mão e disse:
— Ótimo. Eu sou Adam Paluka, da Fox23 News. Estou aqui para entrevistar a sua Alta Sacerdotisa e, imagino, alguns de vocês também.
— Prazer em conhecê-lo, senhor Paluka. Eu sou Damien — ele disse, apertando a mão do humano. Então Damien deu uma risadinha e acrescentou: — Ai, que aperto forte!
O repórter sorriu.
— O prazer é meu. Pode me chamar de Adam. O senhor Paluka é o meu pai.
Damien deu outra risadinha. Adam também. Eles fizeram um supercontato visual. Stevie Rae me cutucou e nós demos aquele olhar uma para a outra. Adam era fofo, muito fofo mesmo, de um jeito jovem, inteligente, promissor e metrossexual. Ele tinha cabelos e olhos escuros, bons dentes, sapatos caros e uma bolsa masculina, na qual Stevie Rae e eu reparamos juntas. Um namorado em potencial para Damien!, nossos olhares telegrafaram ao mesmo tempo.
— Olá, Adam. Eu sou Stevie Rae — ela estendeu a mão e, enquanto ele a apertava, ela perguntou: — Você não tem namorada, tem?
O sorriso cheio de dentes dele diminuiu, mas só um pouco.
— Não. Eu não tenho, não. Hum. Com certeza, eu não tenho namorada. — Então ele notou a Marca vermelha de Stevie Rae. — Então você é do novo tipo de vampiros de que a sua ex-Alta Sacerdotisa falou.
Stevie Rae abriu o sorriso para ele.
— Sim, eu sou a primeira Alta Sacerdotisa Vermelha. Legal, não é?
— A sua tatuagem é realmente muito bonita — Adam disse, parecendo mais curioso do que desconfortável.
— Obrigada! — Stevie Rae agradeceu efusivamente. — Este aqui é James Stark. Ele é o primeiro guerreiro vampiro vermelho. A tatuagem dele também é incrível.
Stark estendeu a mão.
— Prazer em conhecê-lo. E você não precisa me dizer que a minha tatuagem é bonita.
O rosto de Adam ficou um pouco pálido, mas ele apertou a mão de Stark. O sorriso dele pareceu sincero; nervoso, mas sincero.
— Olá — eu entrei na conversa, apertando a mão dele. — Eu sou Zoey.
O olhar de Adam rapidamente se voltou para a tatuagem completa do meu rosto, para a gola em V da minha camiseta e o relance de tatuagens em volta da minha clavícula, e depois para a palma da minha mão, que estava coberta com a mesma tatuagem cheia de filigranas.
— Eu não sabia que vampiros faziam tatuagens adicionais. O seu tatuador é daqui de Tulsa?
Eu sorri para ele.
— Bem, às vezes. Mas ela passa a maior parte do tempo no Outromundo. — Percebi que ele estava tentando entender o que eu havia acabado de dizer, então aproveitei a oportunidade e perguntei: — Ei, você disse que não tem namorada. E quanto a um namorado?
— Hum, não, eu também não tenho namorado. Pelo menos não atualmente — Adam se voltou para Damien, que encontrou o seu olhar.
Sucesso!, era o que eu estava pensando quando Aphrodite bufou.
— Ah, que merda, isto aqui não é The Bachelorette. Eu sou Aphrodite La Font. Sim, o prefeito é o meu pai. Ipi-ipi-urra — ela deu o braço para Darius. — E este aqui é Darius, o meu guerreiro.
Adam levantou a sua bela sobrancelha quando ele reparou no suéter de sextanista que Aphrodite estava usando, com a insígnia das três deusas bordada no bolso do lado esquerdo do peito.
— Agora permitem que humanos frequentem a Morada da Noite?
— Aphrodite é uma Profetisa de Nyx, um fato provado pelo elo que ela tem com Darius, que é um guerreiro Filho de Erebus e fez o Juramento de ser o seu protetor — Thanatos falou enquanto saía das sombras e caminhava graciosamente na nossa direção.
Eu achei o timing dela excelente, assim como a sua entrada. Ela era alta e poderosa, sem aparentar idade, e tinha uma beleza clássica. A sua voz era agradável e informativa, como se ela desse entrevistas para repórteres humanos todo dia.
— Eu sei que o funcionamento interno da nossa sociedade não é senso comum, mas acredito que a maioria dos humanos sabe que um guerreiro não pode se ligar a um humano por um Juramento de proteção.
— Na verdade, apesar de esta entrevista ser de última hora, tive tempo para pesquisar um pouco, e esse é um fato que eu realmente descobri.
— O fato de Aphrodite ser uma Profetisa de Nyx e de estar frequentando esta escola, assim como vários novatos e vampiros vermelhos, vai ser um dos tópicos da nossa entrevista. Embora pareça que a entrevista já tenha começado — Thanatos saiu totalmente das sombras, indicando com a cabeça o cameraman que sem dúvida já estava nos filmando, apesar de nenhum de nós ter prestado atenção nele. — Eu sou Thanatos, a nova Alta Sacerdotisa da House of Night de Tulsa. Merry meet, Adam Paluka. Você é bem-vindo à nossa escola.
— M-merry meet — Adam se atrapalhou um pouco. — Eu não quis ofender começando a filmagem mais cedo.
Thanatos sorriu.
— Você não nos ofendeu. Nós o convidamos a vir até aqui. Fico satisfeita que a entrevista tenha começado sem formalidades. Nós podemos ficar aqui, sob o belo céu da noite de Tulsa, e continuar a conversa?
— Claro — Adam disse após um aceno de cabeça do cameraman. — A luz dos lampiões a gás é uma boa iluminação. Se vocês nos derem um segundo, podemos usar um microfone boom e captar todos do grupo que quiserem participar.
— Parece ótimo. Zoey, Aphrodite, Stevie Rae, Stark e Damien, por favor, fiquem para a entrevista. Darius, Shaunee e Erin, vocês poderiam se certificar de que os novatos que estão reunidos voltem para os seus dormitórios? Esta foi uma noite difícil para a nossa escola.
Darius se curvou para Aphrodite e Thanatos, e então ele e Shaunee foram embora juntos. Erin saiu andando na direção contrária.
— Você disse que hoje foi uma noite difícil para a sua escola. O que quis dizer com isso?
— Com o seu faro para notícias, tenho certeza de que você sabe que tivemos recentemente um incêndio no campus — Thanatos explicou.
— Sim, nós inclusive fizemos uma reportagem sobre isso na Fox. Foi no estábulo, certo? — ele a estimulou a continuar.
— Certo. Foi um acidente infeliz, apesar de não totalmente surpreendente — Thanatos fez um gesto indicando os lampiões de cobre pendurados que faziam uma bela decoração ao nosso redor. — A luz dos lampiões a gás e a luz de velas é mais agradável aos nossos olhos do que lâmpadas elétricas. Como você já observou, esse tipo de iluminação ambiente é adorável, mas as chamas são vivas e às vezes voláteis. Um lampião foi deixado aceso sozinho no celeiro. Foi uma noite com muito vento. Uma rajada forte derrubou o lampião em cima de um fardo de feno, colocando fogo no estábulo.
— Espero que ninguém tenha se ferido — achei que Adam pareceu sinceramente preocupado.
— A nossa Mestra dos Cavalos e uma novata inalaram um pouco de fumaça, e o humano empregado como treinador do estábulo teve queimaduras, a maioria nas mãos. Ele vai se recuperar totalmente. Quero deixar aqui registrado que Travis Foster agiu como um herói. Ele cuidou para que todos os cavalos escapassem.
— Travis Foster é humano?
— Completamente humano, além de ótimo funcionário e amigo.
— Fascinante — Adam disse e olhou em volta.
Pude ver quando o olhar dele se fixou na pira distante, que agora estava em combustão lenta e sem chamas, com um brilho alaranjado.
— Por favor, corrija-me se eu estiver errado, mas acho que aquela pilha de madeira queimando não faz parte do estábulo. Durante a minha pesquisa, eu li que os vampiros queimam os seus mortos em piras funerárias. Será que eu escolhi uma hora inapropriada para esta entrevista? — ele fez a pergunta com um tom de consideração em sua voz, mas eu consegui enxergar a curiosidade que brilhava em seus olhos.
— Você não está errado. Aquilo são os restos de uma pira funerária. De fato, nós sofremos uma grande perda na House of Night, que não teve nada a ver com o incêndio no estábulo. O nosso Mestre da Espada, Dragon Lankford, foi morto recentemente em um trágico acidente em uma fazenda de lavandas que faz divisa com a reserva nacional conhecida como Pradaria de Tallgrass — ela contou e eu fiquei de boca fechada, perguntando-me como diabos Thanatos ia transformar o assassinato de Dragon em um “trágico acidente” que pudesse ser explicado ao público humano. — Um bisão grande escapou das fronteiras da reserva. Alguns de nós estávamos terminando um adorável ritual de purificação na fazenda de lavandas, e aquela besta deve ter ficado confusa com a fumaça de sálvia e o nosso círculo. A criatura nos atacou. O nosso Mestre da Espada protegeu os nossos novatos, perdendo a vida ao fazê-lo.
— Isso é terrível! Eu sinto muito — Adam pareceu perturbado.
Na verdade, todos nós parecemos perturbados, o que escondeu o nosso choque com a mentira gigante de Thanatos.
— Obrigada, Adam. Apesar de ter sido um acidente horrível e uma grande perda para a nossa House of Night, o nosso Mestre da Espada morreu como ele viveu, como um guerreiro honrado que protegeu os mais jovens. Por causa dele, ninguém mais se feriu e o ritual foi concluído. Todos nós vamos lembrar da bravura de Dragon Lankford pelos séculos que virão — ela tocou levemente os olhos com um lenço rendado que tirou de dentro da luva.
Foi realmente um momento tocante.
Adam ficou parado ali, parecendo compreensivo, enquanto o cameraman desviou a lente da pira de Dragon para focar a dor de Thanatos e o seu esforço muito humano para se recompor novamente.
Foi tudo muito bem encenado. Ela me fez pensar em quantas aulas de Teatro a Alta Sacerdotisa da Morte havia feito quando era uma novata.
Thanatos terminou de enxugar os olhos e suspirou profundamente.
— E respondendo à sua outra pergunta, não, não é uma hora inapropriada para a nossa entrevista. Nós o convidamos, lembra? Nós estamos felizes por recebê-lo na House of Night, mesmo neste momento de tristeza. Então, vamos começar oficialmente. Aqui neste banco é um bom lugar? — Thanatos indicou com um gesto um dos longos bancos de pedra que se alinhavam no caminho de entrada para o lobby da escola.
Durante uma noite normal de escola, haveria um monte de garotos aglomerados em volta dos bancos, fazendo lição de casa, flertando e fofocando. Naquela noite, os bancos estavam completamente vazios.
— Perfeito — Adam respondeu.
Enquanto ele e o cameraman se preparavam, Thanatos tomou o seu lugar no centro do banco. Em voz baixa, ela disse:
— Zoey, Stark, aqui ao meu lado — ela apontou para a direita, atrás dela. — Aphrodite, Stevie Rae e Damien, aqui — eles ficaram parados em pé à esquerda.
Quando Adam voltou e oficialmente começou a filmar, senti uma agitação nos meus nervos. Até os meus antigos amigos da South Intermediate High School iriam ver isso!
— Thanatos, eu estava pensando se você poderia dar mais detalhes sobre o comentário que Neferet, a ex-Alta Sacerdotisa da House of Night de Tulsa, fez sobre você na noite passada. Ela disse que a Morte era a nova Alta Sacerdotisa daqui — Adam fez uma pausa e sorriu. — Para mim, você não parece a Morte.
— Você conhece bem a Morte, jovem Adam? — Thanatos perguntou com uma voz suave e espirituosa.
— Não, na verdade eu nunca morri — ele respondeu no mesmo tom de brincadeira.
— Bem, o comentário de Neferet pode ser facilmente explicado. Eu não sou a Morte propriamente dita. Eu simplesmente recebi o dom de ajudar os mortos a passarem deste reino para o próximo. Eu sou tanto a Morte quanto você é a Humanidade. Nós dois somos apenas a representação de ambos. Pode ser mais fácil de entender se você pensar em mim como uma médium muito boa.
— Neferet também mencionou um novo tipo de vampiros, os vampiros vermelhos, e sugeriu que eles podem ser perigosos — ele falou, e eu percebi que a câmera se voltou para Stark e Stevie Rae. — Você também pode explicar isso melhor?
— Certamente, mas primeiro eu sinto que preciso deixar algo bem claro. Neferet não é mais funcionária da House of Night de Tulsa. Na verdade, pelo modo como a nossa sociedade funciona, uma vez que uma Alta Sacerdotisa perde o seu emprego, ela perde essa posição para sempre. Ela nunca mais vai servir como Alta Sacerdotisa em nenhuma outra House of Night. Como você pode imaginar, isso pode ser uma transição difícil e frequentemente embaraçosa para o empregado demitido, assim como para o seu empregador. Os vampiros não têm leis de calúnia e difamação. Nós usamos o sistema de Juramento e honra. Obviamente, desta vez esse sistema não funcionou.
— Então você está dizendo que Neferet é... — ele não concluiu e fez um gesto com a cabeça, encorajando Thanatos a concluir a frase por ele.
— Sim, é um fato triste, mas verdadeiro. Neferet é uma ex-funcionária descontente que não apita mais nada — Thanatos disse calmamente.
Adam olhou para Stark, que estava ao meu lado, não muito longe de Thanatos.
— Essa ex-funcionária fez alguns comentários sobre um membro da House of Night em particular: James Stark.
— Sou eu — Stark falou na hora.
Eu percebi que ele estava desconfortável, mas acho que ninguém mais, incluindo os telespectadores, iriam ver qualquer coisa além de um cara muito bonito com uma tatuagem vermelha no rosto que lembrava flechas.
— Então, Jim. Posso chamá-lo assim? — Adam perguntou.
— Bem, sim, mas seria melhor você me chamar de Stark. Todo mundo me chama assim.
— Ok, Stark, Neferet disse que você matou o seu mentor na House of Night de Chicago, e ela sugeriu que você é uma ameaça para a comunidade daqui. Você gostaria de responder a isso?
— Bem, isso é um monte de papo-furado! — escutei a minha boca dizer.
Stark abriu o seu meio sorriso metidinho e pegou a minha mão, entrelaçando os seus dedos aos meus de modo que todos os telespectadores podiam ver.
— Z., quase você fala um palavrão na TV. Não faça isso, a sua avó pode ouvir e isso não seria legal.
— Desculpe — murmurei. — Que tal eu simplesmente deixar você falar?
Stark abriu ainda mais o sorriso.
— Bem, sempre há uma primeira vez para tudo.
Infelizmente, todos os meus amigos riram. Eu olhei zangada para ele. Stark continuou falando, apesar de eu pensar em sufocá-lo com um travesseiro da próxima vez que nós fôssemos dormir.
A voz dele foi hesitante no começo, mas, quanto mais ele falava, mais forte e seguro ficava.
— O meu mentor, William Chidsey, era incrível. Ele era legal. E inteligente. Estou falando inteligente mesmo. E talentoso. Ele me ajudou. Na verdade, ele foi mais um pai do que um mentor para mim — Stark fez uma pausa e passou a mão pelo rosto.
Quando ele começou a falar de novo, foi como se só ele e o repórter estivessem ali sozinhos, como se ele tivesse esquecido que a câmera estava ali e tudo o mais.
— Adam, eu descobri bem cedo, quando estava no segundo ano do ensino médio, que eu tinha recebido um dom — Stark enfatizou bem a última palavra, não sarcasticamente, mas também não como se aquilo fosse uma coisa fantástica. O tom de voz dele deixava claro que o seu dom era uma responsabilidade, e não uma responsabilidade fácil. — Eu não consigo errar o alvo. Eu sou um arqueiro — ele explicou quando Adam o olhou de modo questionador. — Você sabe, arco e flecha. Enfim, seja para onde for que eu mire, eu acerto. Infelizmente, não é tão literal assim. Pense nisso: há bastante diferença entre o lugar para onde você está olhando e o que você está realmente pensando e o que você está alvejando. Um exemplo simples: imagine que você pega um arco e uma flecha e mira em uma placa com um sinal de “Pare”. Então, você puxa o arco, aponta a flecha e dispara no meio de uma grande placa vermelha. Mas e se dentro da sua cabeça você estiver pensando: “Ok, quero atingir aquela coisa que faz os carros pararem”? Quando você se dá conta, a sua flecha está atravessada no radiador do primeiro carro que aparece.
— Bem, eu posso entender como isso pode causar grandes problemas — Adam disse.
— Sim, problemas de proporções épicas. Levou um tempo para que eu descobrisse e aprendesse a controlar isso. Nesse tempo, eu cometi um erro realmente terrível — Stark fez uma pausa de novo e eu apertei a sua mão, tentando transmitir o meu apoio. — E por causa disso o meu mentor morreu. Eu não vou deixar que isso aconteça de novo. Fiz um Juramento de que isso não vai mais acontecer.
— E é por isso que James Stark está aqui na House of Night de Tulsa — Thanatos retomou o controle da conversa, e a câmera a seguiu. — Em Tulsa, nós acreditamos em dar outra chance — o olhar dela se voltou para Aphrodite. Tive que cuidar para não ficar de queixo caído quando ela falou tranquilamente: — Você não diria que este é um excelente lugar para segundas chances, Aphrodite La Font?
Eu não deveria ter me preocupado. Na frente de uma câmera gravando, Aphrodite se sentia em casa. Ela caminhou para a frente, na direção da câmera (é claro), e então se sentou ao lado de Thanatos.
— Eu concordo totalmente com você, Alta Sacerdotisa. Eu fui uma novata por quase quatro anos, mas Nyx, a nossa Deusa benevolente, decidiu tirar a sua Marca de mim e substituí-la por um dom profético. Os meus pais concordam com a minha decisão de permanecer na House of Night. Na verdade, nós falamos sobre a possibilidade de eu fazer um treinamento no Conselho Supremo em Veneza quando eu me formar aqui. Minha mãe e meu pai me dão muito apoio — ela sorriu para a câmera. — Você pode comprovar isso se olhar as nossas contas de cartão de crédito dos últimos meses. Uau! Eu tenho pais tão incrivelmente legais!
Ok, sem brincadeira. Aquilo era uma montanha de besteiras podres e fedidas tão grande que eu nem conseguia falar. Felizmente, Stevie Rae não era tão muda.
— Falando em pais incríveis, a minha mãe, Ginny Johnson, vai fazer os melhores cookies de chocolate do universo e trazê-los para o evento aberto ao público com venda de guloseimas que nós vamos fazer aqui em breve, certo, Thanatos?
Thanatos não perdeu tempo.
— Você está absolutamente certa, Stevie Rae. Na próxima semana, se o tempo sujeito a tempestades de Oklahoma permitir, nós estaremos organizando um evento aberto ao público no campus. Esperamos que os Gatos de Rua estejam aqui com gatos para adoção. Aproveitando, eu gostaria de anunciar que todos os lucros da nossa venda de guloseimas — ela sorriu na direção de Stevie Rae — vão beneficiar as obras de caridade dos Street Cats. Além disso, a avó da nossa Alta Sacerdotisa novata, Zoey Redbird, vai vender os seus produtos de lavanda nos nossos jardins.
— Não se esqueça da feira de empregos.
Todos, incluindo o cameraman, se viraram ao som da voz da Mestra dos Cavalos. Lenobia estava em pé ali, conduzindo sua bela égua negra, Mujaji, que parecia um sonho.
— Professora Lenobia, que bom que você se juntou à nossa entrevista — Thanatos afirmou.
— Uau! Que belo cavalo ele é! — Adam falou entusiasmado quando o cameraman deu um close em Mujaji.
Damien tocou o braço de Adam e sorriu.
— Querido, é ela, não ele.
— Ah, eu me enganei — Adam levou numa boa, sorrindo com um rubor gracioso em suas bochechas. — Essa coisa de ele ou ela nunca fez muita diferença para mim.
— Porque nós somos todos iguais — ouvi as palavras saindo da minha boca e silenciosamente agradeci a Nyx por elas. — Meninos, meninas, humanos, vampiros, que diferença faz? Todos nós vivemos em Tulsa e amamos esta cidade. Então, vamos apenas nos dar bem uns com os outros!
Thanatos riu, e o som da sua risada foi como música.
— Ah, Zoey, eu não poderia ter dito isso de melhor forma. E Lenobia, você fez bem em me lembrar. Adam, eu gostaria de anunciar que, durante a noite aberta ao público e o evento beneficente para os Gatos de Rua, a House of Night de Tulsa vai, como a primeira House of Night da nossa história escrita, receber inscrições de humanos para vagas de professores. Vamos fazer entrevistas para colocações de professores nos nossos departamentos de Teatro e de Literatura — Thanatos se levantou e abriu os braços, parecendo benevolente e sábia. — A House of Night dá as boas-vindas a Tulsa. Até sábado, nós desejamos a vocês merry meet, merry part e merry meet again.

3 comentários:

  1. Cara tem que cursa teatro 🎦 pra ser uma alta-sacerdotisa???!!! Porque essas mulheres mentem como profissionais...

    ResponderExcluir
  2. Espero que Thanatos seja sempre do bem

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!