2 de outubro de 2015

Capítulo 10

— Merda. Então ela realmente não pode lidar com a luz do sol — eu disse.
— Você já não sabia disso? — Aphrodite disse.
— Não tem sido fácil falar com Stevie Rae desde que ela, bem, morreu.
— Mas você a viu e falou com ela?
Eu parei de andar e fiquei na frente de Aphrodite para que ela tivesse que me olhar. — Olha, você não pode contar a ninguém sobre Stevie Rae.
— Sério? Eu achei que deveria colocar no mural de avisos da escola.
— Estou falando sério, Aphrodite.
— Não me trate como uma idiota. Se alguém além de nós souber sobre Stevie Rae, Neferet vai saber. Ela estava fadada a isso já que ela pode ler a mente de praticamente todo mundo. Bem, com exceção da gente.
— Ela também não pode ler sua mente?
O sorriso de Aphrodite era de satisfação e mais do que um pouco odioso. — Ela nunca foi capaz. Como você acha que eu me safei de tanta merda por tanto tempo?
— Que maravilha. — Eu lembrei distintamente que terrível vaca Aphrodite tinha sido como a lider das Filhas das Trevas. Na verdade, desde o momento que eu encontrei Aphrodite ela foi egoísta e maldosa e odiosa. Sim, as visões dela me ajudaram a salvar minha avó e Heath, mas ela deixou claro que ela não se importava em salvar nenhum deles, e só me ajudou porque ela ganhou algo com isso. Eu estreitei os olhos para ela. — Ok, Você vai ter que explicar porque está se incomodando em me dizer tudo isso. O que você ganha?
Aphrodite aumentou os olhos em uma zombação inocente e usou um sotaque do sul ridículo, — Porque, o que você quer dizer? Estou ajudando você porque você e seus amigos sempre foram tão doces comigo.
— Pare com a merda, Aphrodite.
A expressão dela mudou e sua voz voltou ao normal.
— Vamos apenas dizer que eu tenho que me retratar.
— Com Stevie Rae?
— Com Nyx. — Ela olhou para longe de mim. — Você provavelmente não vai entender isso, sendo toda poderosa com seus novos dons de Nyx e basicamente sendo a Miss Perfeita, mas quando você tiver seus dons por um tempo vai pode descobrir que não é sempre fácil fazer a coisa certa. Outras coisas – pessoas – entram no caminho. Você vai cometer erros. — Aphrodite ridicularizou. — Bem, talvez você não cometa. Mas eu cometi. Eu posso não estar nem ai por você ou Stevie Rae ou ninguém na escola, mas eu me importo com Nyx. — A voz dela balbuciou. — Eu sei o que é acreditar que a deusa se virou contra mim e não quero sentir isso de novo.
Eu toquei o braço dela. — Mas Nyx não se virou contra você. Essas foram apenas mentiras que Neferet contou para que ninguém acreditasse em suas visões. Você sabe que Neferet está por trás do que aconteceu com Stevie Rae não sabe?
— Eu sei desde a visão, em que eu vi Heath morrendo. — Ela forçou uma pequena risada. — Que bom que ela não pode ler nossas mentes. Eu não sei o que ela faria com um calouro que sabe o quão horrível ela é.
— Ela sabe que eu sei.
— Você tem que estar brincando!
— Bem, ela sabe que eu cai na dela. — Eu hesitei, e então pensei, que diabos. Estranho o bastante, estava parecendo que Aphrodite (mais conhecida como bruxa do inferno) era a única pessoa na terra que eu podia falar. — Neferet tentou apagar minha memória na noite que eu salvei Heath daqueles garotos mortos vivos. Funcionou por um tempo, mas eu soube imediatamente que tinha algo errado. Eu usei o poder dos cinco elementos para curar minha memória, e, bem, eu meio que deixei Neferet saber que eu lembrava o que tinha acontecido.
— Você meio que deixou ela saber?
Eu fiquei inquieta. — Bem, ela me ameaçou. Disse que ninguém ia acreditar em mim se eu falasse contra ela. E, uh, me deixou irritada. Então eu disse a ela que não importava se nenhum vampiro ou calouro acreditasse em mim, porque Nyx acredita.
Aphrodite sorriu. — Aposto que isso a irritou.
— Yeah, eu suponho que sim. — Na verdade me deixava um pouco enjoada pensar no quanto Neferet provavelmente estava irritada. — Mas ela partiu logo depois para as férias de inverno. Eu não a vi desde então.
— Ela volta logo.
— Eu sei.
— Você está assustada? — Aphrodite perguntou.
— Totalmente — eu disse.
— Eu não te culpo. Ok, eu sei isso de certeza por causa das minhas visões. Temos que levar Stevie Rae para algum lugar seguro e para longe do resto daquelas coisas. E temos que fazer isso agora. Antes de Neferet voltar. Tem alguma conexão entre os dois. Eu não entendi, mas eu sei que está ali, e eu sei que é errado. — Aphrodite fez uma cara como se tivesse provado algo ruim. — Na verdade o negócio todo dos monstros mortos vivos está toda errada. Em falar em criaturas nojentas.
— Stevie Rae é diferente do resto deles.
Aphrodite me deu um olhar que dizia que ela definitivamente não acreditava em mim.
— Pense nisso. Porque Nyx daria a um calouro um dom tão poderoso como uma afinidade pela terra e então a deixaria morrer. E depois reviver. — Eu parei, lutando sobre como fazer ela entender. — Eu acho que a conexão dela com a terra é a razão do porque Stevie Rae manteve parte da sua humanidade, e eu realmente acreditaria nisso se eu – eu quero dizer, nós, se nós pudermos ajudar ela a achar o resto da humanidade dela. Ou talvez a gente encontre um jeito de curar ela. De transformar ela de volta em um calouro ou talvez até em uma vampira completa. E talvez se Stevie Rae for consertada, isso signifique que haja uma chance para o resto deles também.
— Então você tem ideia de como consertar ela?
— Não. Nem ideia. — Então eu ri. — Mas agora eu tenho uma caloura poderosa que tem visões e afinidade com a terra me ajudando.
— Ótimo. Isso me faz sentir muito melhor.
Eu não queria admitir para Aphrodite, mas a verdade era que ser capaz de falar com ela sobre Stevie Rae e ter ela me ajudando a descobrir o que deveriamos fazer me fazia sentir melhor. Muito melhor.
— De qualquer forma — Aphrodite estava dizendo, — como você vai encontrar Stevie Rae? — Ela curvou os lábios. — Não me diga que você espera que eu rasteje naqueles túneis nojentos com você.
— Na verdade, Stevie Rae disse que iria se encontrar comigo no gazebo do Philbrook hoje à noite às 3 horas.
— Ela vai aparecer?
Eu mordi o lábio. — Eu vou dar roupas para ela, então acho que sim.
Aphrodite balançou a cabeça. — Então ela morreu, volta como morta viva, e ainda não tem nenhum senso de moda.
— Aparentemente.
— Agora isso sim é triste.
— Yeah. — Eu suspirei. Eu amo Stevie Rae, mas até eu tenho que admitir que ela tem um péssimo gosto por roupas.
— Então, onde você vai levar ela depois de dar as roupas?
Eu não achei que deveria mencionar que gostaria de levar ela direto para a banheira. — Eu não sei. Eu não pensei muito além das roupas e, uh, sangue.
— Sangue!
— Ela precisa. Sangue humano. Ou ela fica maluca.
— Ela já não é louca?
— Não! Ela só tem problemas.
— Problemas?
— Muitos problemas — eu disse firmemente.
— Ok. Tanto faz. Você tem que decidir onde vai levar ela. Ela não pode ficar com o resto daquelas coisas. Isso não vai ajudar ela — Aphrodite disse.
— Eu ia tentar falar com ela para voltar aqui. Eu achei que podia esconder ela com facilidade enquanto a maior parte dos vampiros não está aqui.
— Você não pode trazer ela aqui. — Aphrodite ficou pálida. — É aqui que ela morre. De novo.
— Merda! Então não sei o que diabos vou fazer — eu admiti.
— Eu suponho que você poderia levar ela para minha antiga casa — Aphrodite disse.
— Yeah, certo. Seus pais são tão compreensivos e tudo mais. Parece uma ótima ideia, Aphrodite.
Ela virou os olhos. — Meus pais não estão. Eles saíram mais cedo para uma viagem de esqui de três semanas. Além do mais, ela não vai ficar dentro da casa. Meus pais vivem numa daquelas antigas mansões na rua do Philbrook. Eles tem um apartamento na garagem que costumava ser o aposento dos servos. Não é mais usada a não ser quando vovó vem visitar, e minha mãe só a jogou num daqueles chiques, de alta segurança e altamente caras casas de repouso, então não precisamos nos preocupar com isso. Ainda sim, tudo no apartamento deve funcionar – você sabe, eletricidade e água e tudo mais.
— Você acha que ela vai ficar bem lá?
Aphrodite deu nos ombros. — Ela vai ficar mais segura do que aqui.
— Certo. Então ela vai para lá.
— Ela vai ficar bem com isso?
— Yeah — eu menti. — Eu digo a ela que a geladeira vai estar cheia de sangue. — Eu suspirei. — Embora eu não faça ideia de como vou conseguir uma taça de sangue, muito menos uma geladeira cheia.
— Está na cozinha.
— Na sua casa? — Agora eu estava totalmente confusa.
— Não, jeesh, fique comigo. Eles tem sangue aqui. Em uma enorme geladeira de aço na cozinha. Para os vampiros. Carregamentos frescos chegam todo dia dos humanos doadores. Todos os estudantes mais velhos sabem sobre isso. Conseguimos para usar em alguns dos rituais.
— Isso vai funcionar, especialmente desde que quase não tem mais ninguém aqui. Eu devo ser capaz de entrar na cozinha e pegar sangue sem ser pega. — Eu franzi. — Por favor me diga que está em algum jarro ou algo igualmente perturbador.
Ok, embora eu realmente, realmente gostasse de beber sangue, eu ainda ficava completamente enojada pela ideia de beber sangue. Eu sei, eu preciso de terapia. De novo.
— Está em uma bolsa, como nos hospitais. Nada para se estressar.
Até ai viramos automaticamente para a direita e estávamos indo de volta para o dormitório.
— Você tem que ir comigo — eu disse bruscamente.
— Para a cozinha?
— Não, para onde está Stevie Rae. Você tem que nos mostrar a casa e como entrar no apartamento e tudo mais.
— Ela não vai querer me ver — Aphrodite disse.
— Eu sei, mas ela vai ter que superar. Ela sabe que suas visões salvaram minha avó. Quando eu falar para ela que você teve uma visão sobre ela, ela vai ter que acreditar.
Eu estava feliz por soar tão certa. Eu definitivamente não me sentia certa.
— Mas pode ser melhor você se esconder e esperar até eu falar com ela antes dela ver você.
— Olha, estou tentando fazer a coisa certa aqui, mas eu não vou me esconder de uma garota que costumava ser usada como uma refrigeradora.
— Não chame ela assim! — Eu surtei. — Você já pensou que grande parte do seu problema e do porque de tantas coisas ruins acontecerem com você não é por causa de Neferet e tudo que ela está tramando, mas o fato de você ter uma atitude tão nojenta e vadia?
As sobrancelhas de Aphrodite se ergueram e ela colocou a cabeça de lado, o que a fez parecer um pássaro loiro. — Yeah, eu pensei nisso, mas não sou como você. Eu não sou positiva e a Miss Simpatia. Me diz algo. Você acha que as pessoas são basicamente boas, não acha?
A pergunta dela me surpreendeu, mas eu dei nos ombros e acenei. — Yeah, eu acho que sim.
— Eu não. Eu acho que a maior parte das pessoas, e eu estou falando de vampiros ou humanos, são merdas. Elas fingem. Elas fingem ser boazinhas, mas estão a um passo de mostrar sua verdadeira face.
— Esse é um jeito deprimente de passar pela vida — eu disse.
— Você chama de deprimente. Eu chamo de realista.
— Como você confia em alguém?
Aphrodite olhou para mim. — Eu não confio. Parece mais fácil. Você vai descobrir. — Ela encontrou meus olhos de novo e eu não podia ler a estranha expressão neles. — O poder muda as pessoas.
— Eu não vou mudar. — Eu ia dizer mais, mas daí pensei sobre o fato de que apenas alguns meses atrás se alguém tivesse me dito que eu ficaria com um homem adulto enquanto eu tinha não um mas dois namorados eu diria de jeito nenhum. Então isso não significa que eu mudei?
Aphrodite sorriu como se pudesse ler minha mente. — Eu não estava falando sobre você. Eu estava falando das pessoas ao seu redor.
— Oh — eu disse. — Aphrodite, sem querer ser má nem nada, mas eu entendo meus amigos mais do que você.
— Veremos. Falando nisso – você não deveria ir ao cinema e encontrar seus amigos agora?
Eu suspirei. — Yeah, mas eu não posso ir. Eu tenho que ir pegar o sangue para Stevie Rae, juntar suas roupas, e também quero passar no Wal-Mart e comprar um celular. Eu acho que será uma boa ideia dar um a Stevie Rae para poder me ligar.
— Ótimo. Porque você não me encontra do lado de fora da porta escondida no muro leste as 2:30? Isso nos dá muito tempo para chegar a Philbrook antes de Stevie Rae.
— Parece bom. Só preciso ir até meu quarto, pegar umas roupas de Stevie Rae e minha bolsa, então saio daqui.
— Ok, vamos para o dormitório primeiro.
— Huh? — eu disse.
Aphrodite me deu um olhar que dizia que ela achava que eu era uma retardada. — Você não quer que as pessoas me vejam com você. Elas vão achar que somos amigas ou algo ridículo assim.
— Aphrodite, eu não me importo com o que as pessoas acham.
Ela virou os olhos. — Eu me importo. — Então ela foi na minha frente para o dormitório.
— Hey! — Eu chamei. Ela olhou por cima dos ombros. — Obrigado por me ajudar.
Aphrodite franziu. — Nem diga nada. E eu falei sério. Não. Diga. Nada. Jeesh.
Balançando a cabeça, ela se apressou para o dormitório.

9 comentários:

  1. Gente eu acho que afrodite mudou e eu ami ela mais que a zoey me desculpem mais tenho uma queda por vilões .Sebastiasn S2

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Somos duas então stivie!! Amo Aphrodite mais TB gosto muito da zoey. Acho q as atitudes dela q n tou gastando ;(

      Excluir
    2. eu também amo o Sebastiam triste po ele morrer

      Excluir
  2. Eu acho que elas vão ser boas amigas
    Aphrodite é mais realista e Zoey mais monzinha
    Tirando as merdas ela vão ser uma boa dupla

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. ISSO VAI FICAR REALMENTE BOM...
    LANNY

    ResponderExcluir
  5. Amei essa amizade da Zoey e da Aphrodite <3 Melhor dupla ever

    ResponderExcluir
  6. Estou gostando muito da Aphrodite.
    Me identifico com ela. Sou uma Aphrodite sem a parte egoísta, superficial e fútil, misturada com a bondade, empatia e indecisão da Zoey.

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!