7 de outubro de 2015

Capítulo 10 - Zoey

Distraída por ficar pensando sobre Stark, eu fiz o meu caminho para baixo na escada de pedra escorregadia que ficava ao redor da base do castelo, esvaziando a costa rochosa do qual o edifício de Sgiach tinha sido construído para cima, de modo que era como penhasco e totalmente imponente.
O sol estava começando a se por, permitindo o céu manter alguma da sua iluminação, mas eu estava feliz com as filas de tochas que se projetavam a partir da base de pedra da fundação do castelo. 
Stark estava sozinho. Ele estava de costas para mim e eu via ele enquanto eu escolhia o meu caminho pelas suas costas. Ele tinha um grande escudo de couro na mão, e uma claymore na outra, e ele estava praticando golpes e defesas, como se estivesse diante de um perigoso, mas invisível, inimigo. Me movi silenciosamente, tomando meu tempo e apreciando a vista.
Ele tinha ficado mais alto de repente? E mais musculoso? Ele estava suando e respirando com dificuldade, e ele parecia forte e muito, muito macho e perigoso tipo antigo-Guerreiro em seu kilt. Lembrei-me de como seu corpo contra o meu tinha sentido na noite anterior, e como tínhamos dormido juntos, e meu estômago deu um pequeno e estranho solavanco.
Ele me faz sentir segura, e eu o amo. Eu poderia ficar aqui com ele, longe do resto do mundo, para sempre.
Um arrepio passou por mim com o pensamento e eu tremi. Naquele momento Stark baixou a guarda e virou. Eu vi a preocupação de alertar em seus olhos que só desapareceu quando eu sorri e acenei para ele. Então, seu olhar foi o que eu estava segurando na mão que eu estava acenando, e seu sorriso acolhedor desbotou, embora ele abrisse os braços para mim, me abraçou e me dando um beijo. 
— Ei, você fica quente quando você faz coisas com a espada — eu disse.
— É chamado treinamento. E eu não deveria parecer quente, Z. Eu deveria parecer intimidante.
— Oh, você parece, você parece. Eu estava praticamente morrendo de medo. — Coloquei meu mais ruim, falso sotaque do Sul e pressionei a palma da minha mão na minha testa, como se eu fosse desmaiar.
— Você realmente não é muito boa com sotaque, senhora — ele disse com um sotaque falso do Sul muito melhor. Então ele pegou minha mão e segurou-a contra o peito no seu lado direito sobre o seu coração, movendo-se perto de mim. — Mas se você quiser, Miss Zoey, eu poderia tentar ensiná-la.
Ok, eu sei que é bobagem, mas seu sotaque cavalheiro do sul fez meus joelhos ficarem todos fracos - e depois que suas palavras realmente atravessaram o nevoeiro de luxúria que eu estava por ele, de repente eu sabia como começar a fazê-lo confortável com o seu arco novamente.
— Ei, estou sem esperança com sotaques, mas há algo que você poderia me ensinar.
— Sim, mulher, há muito que eu poderia te ensinar agora — ele riu, parecendo totalmente como Seoras.
Eu beijei ele. — Seja bom. Eu estou falando sobre isso. — Levantei o arco. — Eu sempre pensei que arco e flecha fosse legal, mas eu realmente não sei muito sobre ele.Você pode me ensinar? Por favor?
Stark deu um passo para longe de mim, dando ao arco um olhar atento. — Zoey, você sabe que eu não deveria atirar com isso.
— Não. O que você não deve fazer é apontar para algo que está vivo. Bem, a menos que a coisa viva precise ser não-viva. Mas eu não estou lhe pedindo para dispará-la. Eu estou pedindo para você me ensinar a atirar nele.
— Por que você, de repente, quer aprender?
— Bem, faz sentido. Nós vamos ficar aqui, né?
— Certo.
— E os guerreiros foram formados aqui, a tipo, zilhões de anos. Certo?
— Certo de novo.
Eu sorri para ele, tentando clarear as coisas. — Eu realmente gosto quando você admite que eu estou certa. De novo. Enfim, você é um guerreiro. Nós estamos aqui. Eu gostaria de aprender algum tipo de habilidade de Guerreiro. Isso é muito infernalmente pesado para mim. — Eu apontei para a claymore. — Além disso, isso aqui é bonito. — Levantei o arco de aparência elegante.
— Não importa o quão bonita ela é, você precisa se lembrar que é uma arma. Pode matar, especialmente se eu disparar.
— Se você atear-lhe fogo e ter como objetivo matar — disse.
— Às vezes erros acontecem — disse ele, olhando assombrado por memórias de seu passado.
Eu descansei minha mão em seu braço. — Você está mais velho agora. Mais inteligente. Você não vai cometer os mesmos erros novamente. — Ele só olhou para mim sem falar, por isso levantou o arco de novo e continuou. — Ok, me mostrar como isso funciona.
— Nós não temos um alvo.
— Claro que temos. — Eu bati no escudo de couro usado que ele havia deitado no chão quando me juntei a ele. — Apoie ele entre o par de rochas um pouco no caminho da praia. Vou tentar atirar depois que você apoiá-lo e voltar aqui fora da minha linha de fogo, é claro.
— Oh, claro — disse ele.
Parecendo resignado e infeliz, ele andou alguns passos para longe de nós, ergueu o escudo em torno de algumas pedras até que ele tivesse o escudo fixo entre dois deles, em seguida, voltou para mim. Relutantemente, ele pegou o arco e definiu o coldre de flechas, aos nossos pés.
— É assim que você segura ele. — Ele demonstrou segurando a alça de qualquer jeito, enquanto eu observava. — E a flecha vai aqui. — Ele descansou-a através do lado da curva, um ponto para baixo e longe de nós. — Você coloca a flecha assim. Essas flechas fazem fácil saber o caminho a fazê-lo porque as negras devem ser entregues como estas, com um vermelho desse jeito. — Enquanto ele falava, Stark começou a relaxar. Suas mãos conheciam o arco e conhecia a flecha. Era óbvio que ele poderia fazer o que ele estava me mostrando com os olhos fechados, fazê-lo rapidamente e bem.
— Plante as pernas firmemente, cerca de um quadril de largura separadas, assim. — Ele demonstrou e eu verifiquei as pernas excelente dele, que foi uma das muitas razões que eu gostei do fato de que ele começou a usar o kilt, o tempo todo.
— E então você levantar o arco e, segurando a flecha entre seus primeiros dois dedos, puxe a corda para trás, esticada. — Ele explicou o que eu deveria fazer, mas ele parou de demonstrar. — Mire para baixo a flecha pressionada, mas o objetivo um pouco mais baixo. Isso ajudará a ajustar a distância e a brisa. Quando estiver pronta, solte. Tome cuidado para não curvar o braço esquerdo ou você vai batê-la e dar-te uma contusão feia. — Ele segurou o arco para mim. — Vá em frente. Tente isso.
— Mostre-me — eu disse simplesmente.
— Zoey, eu não acho que deveria.
— Stark, o alvo é um escudo de couro. Ele não está vivo. Não há nada vivo, mesmo vagamente ligado a ele. Basta apontar para o centro do escudo e me mostrar como se faz. — Ele hesitou. Eu descansei minha mão em seu peito e me inclinei para a frente. Ele me encontrou a meio caminho. Nosso beijo era doce, mas eu podia sentir a tensão no seu corpo. — Hey — eu disse suavemente, ainda tocando seu peito. — Tente confiar em si mesmo tanto quanto eu confio em você. Você é meu guerreiro, meu Guardião. Você precisa usar o arco, pois é o seu dom determinado peça Deusa. Eu
sei que você vai usá-lo sabiamente. Eu sei porque eu sei quem você é. Você é bom. Você lutou para ser bom, e você ganhou.
— Mas eu não sou todo de bom, Z — disse ele, parecendo totalmente frustrado. — Eu vi a parte ruim de mim. Foi real lá no Outromundo.
— E você derrotou ele — eu disse.
— Para sempre? Eu não penso assim. Eu não acho que isso seja possível.
— Ei, ninguém é todo de bom. Nem mesmo eu. Quer dizer, se um garoto inteligente deixou o seu teste na geometria, eu estou lhe dizendo - eu olharia.
Ele sorriu por um sopro de um momento, então a tensão estava de volta em seu rosto. — Você faz piada sobre isso, mas é diferente para mim. Eu acho que é diferente para todos os calouros vermelhos e até Stevie Rae. Uma vez que você conhece a Escuridão, a verdadeira Escuridão, há sempre uma sombra na sua alma.
— Não — eu disse com firmeza. — Não é uma sombra. Apenas um tipo diferente de experiência. Você e o resto do calouros vermelhos tiveram algo que não temos. Isso não faz de você parte da sombra da Escuridão faz uma experiência com ela. Isso poderia ser uma boa coisa se você usar o seu conhecimento extra para lutar pelo bem, e você faz.
— Às vezes eu me preocupo que poderia ser mais do que isso — ele disse lentamente, olhando nos meus olhos como se estivesse à procura de uma verdade oculta.
— O que você quer dizer?
— A Escuridão é territorial, possessiva. Uma vez que tinha um pedaço de você, não gosta de deixar ir.
— A Escuridão não tem outra opção se você escolher o caminho da Deusa, e que você tem. Ele não pode bater a Luz.
— Mas eu não tenho certeza que a Luz pode realmente vencer Trevas, também. Há um equilíbrio para as coisas, Z.
— O que não significa que você não pode escolher um dos lados. E você escolheu. Confie em si mesmo. Eu confio em você. Completamente — eu repeti.
Stark ficou olhando nos meus olhos como se estivesse agarrando a uma tábua de salvação. — Contanto que você me veja como bom, desde que você acredite em mim, eu posso confiar em mim porque eu confio em você, Zoey. E eu te amo.
— Eu também te amo, Guardião — eu disse.
Ele me beijou e, em seguida, num movimento que foi rápido e gracioso e letal, Stark puxou o arco e deixou sua flecha. É acertou com finalidade para o centro absoluto do alvo.
— Uau — eu disse. — Isso foi surpreendente. Você é incrível.
Ele soltou um longo suspiro, e com isso a tensão que tinha sido tão evidente em seu corpo parecia estar sair também. Stark sorriu seu sorriso bonito, arrogante. — Centro do alvo, Z. Eu acertei na mosca.
— Claro que sim, seu bobo. Você não pode errar.
— Sim, é isso mesmo. E isso é apenas um alvo.
— Você vai me ensinar ou não? E desta vez não vá tão infernos rápido. Devagar. Me mostre.
— Sim, sim, com certeza. Ok, aqui. — Ele apontou e disparou mais lentamente, dando-me tempo para acompanhar seus movimentos.
E a segunda flecha dividiu a primeira no meio.
— Oh, ops. Eu esqueci sobre fazer isso. Eu costumava gastar um monte de flechas desta maneira.
— Aqui, minha vez. Eu aposto que eu não tenho esse problema.
Eu tentei fazer o que Stark tinha feito, mas acabei atirando a minha flecha muito curta e assistir ela atingir as lisas, molhadas pedras.
— Bem, porcaria. É definitivamente mais difícil do que parece — eu disse.
— Aqui. Eu vou te mostrar. Você não está em pé direito. — Ele veio atrás de mim, encaixou os braços sobre os meus e aconchegando contra meu traseiro. — Pense em você como uma rainha guerreira antiga. Fique forte e orgulhosa. Ombros para trás! Queixo para cima! — Eu fiz como ele disse, e dentro do círculo de seus braços poderosos me senti transformar em alguém poderoso e majestoso. Suas mãos me guiaram ao puxar o arco. — Fique firme e forte – foco — ele sussurrou.
Juntos, avistamos o alvo, e como nós deixamos a flecha ir na direção, eu senti o solavanco que alastrou-se pelo seu corpo e pelo meu e flecha orientou-se para o centro morto do alvo novamente, dividindo os dois anteriores.
Virei-me e sorri para o meu Guardião. — O que você tem é magia. É especial. Você tem que usá-lo, Stark. Você tem que...
— Eu perdi — disse ele, falando tão baixinho que teve que se esforçar para ouvi-lo. — Eu realmente não me sentiria bem se eu não ficasse ligado com meu arco.
— É porque através dele você está conectado a Nyx. Ela deu como dom.
— Talvez eu possa começar de novo aqui. Este lugar tem uma sensação diferente para mim. De alguma forma eu sinto que pertenço aqui, como nós nos pertencemos.
— Sinto-me também. E parece que é pra sempre desde que eu me senti segura e tão feliz. — Dei um passo em seus braços. — Sgiach acabou de me dizer que ela vai começar a abrir a ilha até Guerreiros novamente e também a outros calouros talentosos. — Eu sorri para Stark. — Você sabe, como calouros com afinidades especiais.
— Ah, você quer dizer como afinidades para os elementos?
— Sim, é exatamente isso que eu quero dizer. — Abracei-o, e falei em seu peito. — Eu quero ficar aqui. Eu realmente quero.
Stark acariciou meus cabelos e beijou o topo da minha cabeça. — Eu sei que você quer, Z. E eu estou com você. Eu sempre estarei com você.
— Talvez aqui possamos nos livrar das Trevas que Neferet e Kalona tentaram trazer para nós — disse.
Stark me segurou com firmeza. — Espero que sim, Z. Eu realmente espero que sim.
— Você acha que isso pode ser suficiente apenas para ter um pedaço do mundo que é seguro da Escuridão? Será que ainda percorremos o caminho da Deusa, mesmo que eu esteja percorrendo-o aqui?
— Bem, eu não sou nenhum especialista, mas faz sentido para mim que o importante é que você está tentando o seu melhor para permanecer fiel a Nyx. Eu não consigo entender onde você está fazendo disso uma grande coisa.
— Eu entendo porque Sgiach não quer deixar este lugar — eu disse.
— Eu também, Z.
Stark, em seguida, abraçou-me, e eu sentia as feridas, lugares machucados dentro de mim começarem a esquentar e, lentamente, começarem a me curar.


Stark

Zoey sentia muito bem em seus braços. Quando Stark voltou a pensar o quão perto ele chegara a perdê-la, ainda podia assustá-lo tão gravemente que fez seu estômago doer. Eu fiz isso. Eu cheguei a ela no Outromundo e fiz com que ela voltasse para mim. Ela está segura agora e eu vou sempre mantê-la dessa maneira.
— Ei, você está pensando muito sério — disse Zoey. Enrolado com ele na cama grande que compartilhavam, ela acariciou seu pescoço e beijou sua bochecha. — Eu posso quase ouvir as engrenagens girando dentro de sua cabeça.
— Eu sou aquele que supostamente tem superhabilidades psíquicas. — Ele disse isso com um tom de brincadeira, mas ao mesmo tempo, Stark deu um pequeno empurrão mental e caiu dentro dos arredores da mente dela - não perto o suficiente para que seus pensamentos reais não a irritassem por escutar, mas apenas perto o suficiente para ter certeza de que ela realmente se sentia segura e feliz.
— Quer saber de uma coisa? — perguntou ela, com um tom hesitante em sua voz.
Stark se apoiou em seu cotovelo e sorriu para ela. — Você está brincando, Z? Eu quero saber tudo.
— Pare com isso, estou sendo séria.
— Eu também! — Ela deu-lhe um olhar e ele a beijou na testa. — Ok, tudo bem. Eu estou falando sério. O que é?
— Eu, hum, gosto muito quando você toca em mim.
As sobrancelhas de Stark subiram e ele teve que lutar para não abrir um sorriso gigante. — Bom, isso é bom. — Viu seu rosto ficar rosado e um pequeno sorriso escapou. — Eu estou supondo que é muito bom.
Zoey mordeu o lábio. — Você gostou?
Stark não podia deixar de rir então. — Você está brincando, certo?
— Não. Morto. Sério. Quero dizer, como vou saber? Eu não sou exatamente experiente - não como você é.
Suas bochechas estavam em chamas naquele momento e ele pensou que ela parecia mega desconfortável, o que pôr uma tampa sobre o seu riso. A última coisa que ele queria fazer era envergonhá-la ou fazê-la sentir estranha sobre o que estava acontecendo entre eles.
— Hey. — Ele segurou seu rosto corado. — Estar com você é além de impressionante. E, Zoey, você está errada. Você é mais experiente do que eu sobre o amor. — Quando ela começou a falar, ele pressionou o dedo contra seus lábios. — Não, deixe-me dizer isto. Sim, eu tive relações sexuais antes. Mas eu nunca estive no amor. Nunca até você. Você é a minha primeira, e você vai ser minha última.
Ela sorriu para ele com amor e confiança que ele pensou que seu coração bateria para fora de seu peito. Foi só Zoey - seria somente Zoey sempre para ele.
— Você faria amor comigo de novo? — Ela sussurrou.
Em resposta Stark abraçou-a ainda mais e começou um longo, lento beijo. Seu último pensamento antes de tudo dar errado foi, eu nunca estive tão feliz na minha vida...

6 comentários:

  1. AIMEUSDEUSES!!!
    O QUE FOI AGORA???
    PQP!!!
    NÃO ESTOURA A MINHA BOLHA ASSIM!

    ResponderExcluir
  2. Para tudooo‼😍😍❤

    ResponderExcluir
  3. o q ta pegando? Cara MERDA de novo!!!

    ResponderExcluir
  4. Deixe-me adivinhar aquele touro o qual ela não disse a cor e que apareceu antes era o branco ,não era?

    ResponderExcluir
  5. estou com o coraçao na boca como assim!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!