10 de outubro de 2015

Capítulo 10 - Aphrodite

— Que merda. Thanatos, você tem colhões. Bem grandes, aliás — Aphrodite a cumprimentou.
Thanatos ergueu as sobrancelhas.
— Eu vou ignorar a vulgaridade e agradecer o elogio, Profetisa — Thanatos disse.
— Só para você saber, isso foi um elogio enorme — Aphrodite curvou a cabeça respeitosamente para Thanatos.
— Você realmente nos defendeu. Obrigada, Alta Sacerdotisa — Stevie Rae agradeceu.
Kalona e Zoey se olharam.
— Então sobrou para nós lidar sozinhos com Neferet e com as autoridades locais — ele afirmou.
— De novo — Zoey acrescentou. — Não é a primeira vez que o Conselho Supremo nos deixa na pior.
— Elas têm boas intenções — Thanatos soou algo entre triste e cínica. — Elas acham que estão fazendo o melhor para comunidade dos vampiros como um todo, e foi para isso que o Conselho foi criado éons atrás.
— Elas são paradas na Idade Média! — Zoey explodiu.
Aphrodite a observou atentamente. Sim, as vampiras do Conselho Supremo tinham sido umas idiotas, mas eles ainda tinham Thanatos, o poder do círculo, duas Profetisas (apesar de Shaylin ser um pé no saco), um menino-touro e um imortal do lado deles.
— Já vão tarde! Elas são um monte de velhas; sem ofensas, Thanatos — Aphrodite disse. — Z., a única coisa que elas poderiam fazer por nós seria talvez tirar a polícia de Tulsa dos nossos calcanhares. Nós não precisamos da permissão delas para criar o nosso próprio lugar no mundo. O mundo também é nosso, e nós vamos fazer o nosso próprio lugar.
— É, eu também estou pensando a mesma coisa — Stevie Rae concordou.
Zoey cruzou os braços e falou:
— Então, nós estamos todos presos aqui, sem fazer nada.
— Até nós pegarmos Neferet, temo que precise ser assim — Thanatos afirmou.
— Pegar Neferet? Para quê? — Zoey perguntou.
Aphrodite percebeu que ela não era a única pessoa observando Zoey atentamente. Thanatos levantou a sobrancelha e inclinou a cabeça para o lado.
— Sacerdotisa, todos nós concordamos que Neferet é responsável pelas mortes da noite passada, não é?
— Sim, Neferet fez isso — Zoey respondeu.
— Então Neferet precisa ser encontrada e entregue às autoridades. Até lá, a verdade é que as autoridades humanas não vão encontrar nenhuma prova que jogue a culpa em nenhum de nós, já que somos inocentes.
— Espere aí. Isso significa que você vai deixar que os nossos professores comecem a fazer testes de DNA? — Zoey quis saber.
— Não. Isso significa que nós vamos encontrar Neferet e conseguir o DNA dela, que vai coincidir com as provas das autoridades humanas.
— Neferet é uma imortal poderosa. Ela não vai deixar que a gente a pegue, muito menos que a entregue aos policiais.
— Zoey, você diz isso, mas você e seu círculo conseguiriam derrotá-la e resgatar a sua avó que estava em poder dela.
— Nós já a derrotamos antes. Vamos derrotá-la de novo — Stevie Rae soou muito mais positiva do que Z.
— Na verdade, a gente só tem que encontrar Neferet. E depois levá-la para um lugar público e começar a constrangê-la com perguntas difíceis. Ela vai perder a calma e fazer alguma loucura, principalmente se um detetive pedir a ela uma amostra de DNA — Aphrodite disse. — Sim, vai ser um saco pra nós quando ela explodir em aranhas ou destruir alguns humanos ou algo assim, e os humanos começarem a entender que há mais coisas rolando aqui do que apenas uma guerrinha entre vampiros e humanos, mais isso não vai ser tão péssimo quanto ficarmos nesta prisão domiciliar e sermos culpados por merdas que ninguém aqui fez.
— Acho que já está na hora de os humanos entenderem que há mais forças agindo além dos humanos e vampiros — Kalona surpreendeu Aphrodite ao concordar com ela. — O mal é sempre mais forte quando ele é subestimado.
— Você vai deixar que os humanos o vejam? — Zoey perguntou a Kalona.
— Eu vou levar Neferet à Justiça e proteger esta escola. Se isso significa que eu devo me mostrar aos humanos, que assim seja.
— Eu tenho uma pergunta — Stevie Rae levantou um pouco a mão.
— Sim? — Thanatos quis saber.
— Como nós vamos encontrar Neferet?
— Essa é a parte fácil. Nós vamos ficar aqui, permanecer no caminho da Deusa e esperar que Neferet se revele — Thanatos respondeu.
— Isso é péssimo! — Z. parecia que ia explodir. — Quando Neferet sequestrou Vovó, eu estava sentada na cozinha dos túneis. Eu só estava esperando e choramingando para Nyx me ajudar a salvar Vovó. E adivinha o que aconteceu? A Deusa apareceu para mim e basicamente me disse que só uma criança fica sentada chorando. E que uma Alta Sacerdotisa faz algo de fato. Então, agora você está me dizendo que sua grande decisão é ficar esperando sentada?
— Não, o que eu estou dizendo é que nós vamos demonstrar sabedoria e agir com paciência. Nós temos uma das nossas para sepultar, e depois nós vamos retomar as aulas e as nossas vidas, e não vamos permitir que a nossa escola seja destruída por humanos nervosos nem vamos nos afogar nas Trevas de Neferet. Eu espero que você e Stevie Rae mostrem as suas capacidades de liderança e ajudem a mim e o resto do corpo docente a manter tudo calmo e funcionando normalmente. E agora, se você já acabou de tentar me dar um sermão sobre uma Deusa a que eu sirvo fielmente há séculos, preciso comandar um funeral — o tom de voz de Thanatos deixou claro que ela já tinha ouvido o bastante de todo mundo, principalmente de Zoey. Então ela se levantou e saiu da sala, com Kalona seguindo a sua sombra.
Aphrodite se colocou entre Zoey e a porta.
— Correndo o risco de soar mais parecida com você do que eu gostaria, eu vou te falar que você precisa melhorar sua atitude.
Z. franziu os olhos pra ela.
— Essa situação não te deixa irritada? — Z. perguntou.
— É claro que sim, mas ser estúpida com a única Alta Sacerdotisa adulta que está realmente do nosso lado é burrice.
— Z., você foi meio estúpida mesmo — Stevie Rae pareceu desconfortável, mas isso não a impediu de falar.
Zoey respirou fundo e soltou o ar devagar, manuseando a pedra da vidência parecida com uma pastilha Life Savers, que estava pendurada em uma corrente de prata no seu pescoço.
— É que é tão frustrante ver a maldita da Neferet fazendo todo esse inferno de novo, e a gente só parado aqui, esperando pelo próximo passo dela.
— Ok, você disse “maldita” e “inferno” na mesma frase, então tenho esperanças de que talvez a perturbação mental que você obviamente está tendo possa dar uma melhorada no vocabulário entediante que você usa para praguejar educadamente — Aphrodite disse. — Além disso, eu ainda acho que você que precisa melhorar sua atitude. Não é a mesma coisa de sempre com Neferet. Ela foi banida pelo Conselho Supremo.
— Verdade, mesmo que as vampiras do Conselho Supremo sejam tão covardes para irem atrás dela sozinhas, já é um grande passo que elas tenham banido Neferet — Stevie Rae acrescentou.
— Eu as chamaria de algo mais preciso do que covardes, mas você tem razão. E a gente tem uma escola inteira contra ela. Neferet não pode se esconder para sempre. Como todos nós já dissemos, ela é louca demais para passar despercebida por muito tempo.
— Não — Z. disse. — Isto é uma parte do problema: a escola inteira não está contra ela. Dallas e seus amigos com certeza estão do lado dela, e definitivamente não estão com a gente.
— Mas, Z., o fato de Neferet ter matado o pai de Aphrodite muda tudo — Stevie Rae olhou de relance para Aphrodite. — Desculpe de novo — Stevie Rae continuou depois que Aphrodite deu de ombros. — O que ela dez dessa vez foi público. Ela se alimentou do prefeito. Os policiais já estão envolvidos. Thanatos vai cuidar para que eles consigam provas do que ela fez, e Dallas não vai querer sofrer uma acusação de assassinato, nem mesmo ajudar uma acusada de assassinato — Stevie Rae argumentou.
— Dallas e os seus amigos nojentos não iam se dar bem na cadeia. Eles vão ficar quietos e de boca fechada. É claro que vai ser um saco ter eles por perto, mas isso não é diferente do que rola numa escola normal — Aphrodite falou.
— É verdade, eu acho que vocês estão certas — Z. concordou. — Desculpem pelo pessimismo. Eu só queria fazer algo que consertasse tudo. Vocês sabem, fazer todo mundo ser legal e parar de chamar as Trevas e tal.
— Isso não é ser pessimista. É se enganar. As pessoas são péssimas. Elas fazem coisas idiotas e não são legais. Ponto final — Aphrodite respondeu. — Para provar que eu tenho razão, vamos para o funeral de Erin. Ela não agiu bem, e eu tenho certeza de que o funeral dela vai ser foda.


Aphrodite estava cansada de ir a funerais. Não só era ruim quando uma pessoa decente morria, como Dragon Lankford ou o coitadinho do gay Jack, esses eventos eram tristes, chatos e não podiam ficar melhores nem usando roupas incríveis. Só preto. Entediante. Depressivo.
E para colocar a cereja em cima do bolo de merda do funeral, Zoey definitivamente estava tendo dificuldades em controlar a sua raiva. Ela tinha sido estúpida com Thanatos. Esse não era o comportamento típico de Zoey. E ela falhou ao não mencionar para a própria filha do homem assassinado o pequeno detalhe de que os policiais tinham uma prova com o DNA de quem matou o seu pai. Aphrodite olhou de relance para Z. Ela estava andando do lado de Stevie Rae e assentindo para algo que a caipira estava falando sem parar, mas ela não estava com a cara normal do tipo eu estou sorrindo para a minha melhor amiga. Ela estava franzindo a testa. Ela parecia cansada. Não, na verdade, ela não parecia cansada. Ela parecia perturbada. Ou irritada. Sim, ela estava definitivamente irritada.
Aphrodite não sabia que merda fazer.
Talvez Zoey precisasse escutar sobre a sua última visão, aquela estrelada pela Angry Redbird descontrolada, que acabava com ela na cadeia e um monte de gente destruída.
Mas o instinto de Aphrodite continuava dizendo a ela que aquela não era uma Zoey que dava pra convencer pela lógica, pelo menos não por enquanto.
Talvez depois do funeral. Talvez Z. só estivesse supertensa porque funerais são horríveis.
As três haviam chegado ao meio do campus, à já familiar área para as piras funerais entre os carvalhos gigantes que cercavam a escola. Thanatos e Kalona estavam na frente da pira, ao lado de Dallas, que estava sem expressão nenhuma, mas concordando com alguma coisa que Thanatos estava falando para ele. Os seus amigos tinham formado um semicírculo de breguice atrás dele.
O aceno de Darius chamou sua atenção.
— Lá estão os nossos garotos — Aphrodite disse, e elas mudaram de direção para encontrar os seus guerreiros, o resto do círculo e os novatos vermelhos de Stevie Rae, que estavam fazendo outro semicírculo no lado oposto da pira.
Darius a abraçou e Aphrodite se aconchegou junto a ele, desejando que os dois estivessem sozinhos.
— Thanatos e Kalona estão com uma fisionomia soturna. A reunião com o Conselho Supremo não correu bem? — ele sussurrou no ouvido dela.
— Foi um desastre total. Mais tarde eu te conto — ela sussurrou de volta.
Então os professores chegaram e preencheram a lacunas nos semicírculos, fazendo um círculo completo e dando a impressão de que a escola era formada por um só grupo unido. O que era totalmente mentira.
Thanatos foi a primeira a falar. A sua voz soou forte e clara. Ela era de fato uma boa oradora, mas quando ela começou uma oração com rimas, a atenção de Aphrodite se desviou.
Ela começou a observar Dallas. Ela sempre achou Dallas muito baixinho e com olhos pequenos, mesmo antes de ele perder a cabeça e se tornar um dos vermelhos. Naquela noite, ele estava olhando fixamente para a pira e para o corpo de Erin envolvido pela mortalha, enxugando os olhos com a manga de vez em quando. Tecnicamente, ele estava chorando, mas ele mais parecia estar bravo. O olhar de Aphorite se desviou para os novatos vermelhos atrás de Dallas. Nenhum deles estava chorando. A maioria estava olhando para a pira ou para Thanatos. Bem, alguns estavam olhando embasbacados para Kalona, mas todo mundo sempre olhava assim para a Kalona.
O olhar de Aphrodite percorreu o círculo e ela percebeu que Nicole não havia se juntado ao grupo de Dallas. Ela estava perto de Lenobia e Travis, no meio de um grupo de professores. Como se estivesse sentindo o olhar de Aphrodite, Nicole olhou pra ela. Não foi um olhar maldoso, mas também não foi amigável. Aphrodite pensou que, se um olhar pudesse falar, diria: “O que é?”.
Aphrodite sustentou o olhar dela um pouco mais e então continuou a observar o resto do círculo. Os seus olhos fizeram outra pausa quando chegaram em Shaylin. Ela estava ao lado do bundão do Erik. O fato de Shaylin sempre acabar ficando perto de Erik fez Aphrodite pensar na capacidade de julgamento da garota. Erik era inegavelmente gostoso. Se ele não fosse gostoso, Aphrodite não o teria pegado. Mas ela pegou Erik e seguiu em frente. É claro que ela nunca tinha visto Shaylin e Erik dando uns amassos. Ele nunca tinha nem pegado na mão dela em público. Talvez não fosse Shaylin que estivesse perseguindo Erik. Talvez Erik ficasse atrás dela porque ela tinha sido a primeira novata que ele Rastreara. Era uma possibilidade.
Shaylin supostamente era capaz de ler as auras das pessoas, ou as cores, sabe-se lá como ela chamava isso, e dizer como alguém era realmente por dentro. Portanto, era possível que Erik estivesse ficado menos idiota e Shaylin conseguisse ver isso, mas isso era menos provável.
Aphrodite jogou o seu cabelo para trás. Shaylin já tinha lido as suas cores. Ela havia irritado Aphrodite e sido uma vaca no começo, mas depois ela pediu desculpas. E a verdade é que Shaylin estava certa quando disse pra Aphrodite; Você realmente tem uma luz amarela trêmula por dentro da sua luz da lua... É parte do seu jeito único... do seu lado afetivo. Essa luz é pequena e escondida porque você mantém o seu verdadeiro lado bom e afetuoso escondido na maior parte do tempo. Mas isso não muda o fato de que essa luz ainda está aí. Ao lembrar disso, Aphrodite jogou o seu cabelo para trás de novo. Por mais irritante que fosse, o seu instinto dizia que Shaylin não era uma farsa e que ela realmente tinha a Visão Verdadeira e um dom concedido pela Deusa de interpretá-la.
Aphrodite olhou para onde Zoey estava, perto de Stevie Rae e Rephaim, entre Stark e Shaunee. Naturalmente, Stevie Rae e Shaunee estavam se acabando de chorar. Mas Z. não estava, e isso era estranho. Z. normalmente chorava tanto em funerais que ficava cheia de catarro e, por mais problemática que Erin tivesse ficado antes de morrer, ela havia sido parte do círculo original de Zoey.
Quando Aphrodite se virou de novo para Shaylin, a garota não estava mais olhando para Thanatos. Ela estava observando Zoey, e a sua expressão dizia que ela não gostava do que via.
Foi então que Aphrodite tomou sua decisão.
Então a sua atenção foi atraída de novo para o funeral, quando Dallas ergueu a tocha e Thanatos levantou os braços e a voz, ordenando:
— Dallas, foi confiada a você a missão de acender a pira de Erin, e eu determino que Shaunee use o seu dom concedido pela Deusa para ajudar o corpo da nossa filha caída a virar cinzar e a voltar para a terra — Thanatos fez um gesto para Shaunee se aproximar dela ao lado da pira.
O rosto de Shaunee estava encharcado de lágrimas, mas ela não hesitou. Ela caminhou até a pira e, quando Dallas encostou a tocha nos galhos secos, ela gritou para a noite:
— Fogo, venha para mim! — o seu cabelo longo e escuro se levantou com a onda de calor que a envolveu. — Liberte o corpo da minha gêmea! Assim eu peço, assim seja!
Houve um barulho alto e crepitante e a pira explodiu em fogo. Todo mundo exceto Shaunee foi forçado a dar vários passos para trás para se afastar das labaredas. Aphrodite protegeu a vista com as mãos, sem conseguir desviar os olhos de Shaunee. Ela ainda estava chorando, mas também sorrindo enquanto o seu elemento obedecia.
Aphrodite achou que ela parecia uma deusa do fogo. Não que ela fosse dizer isso para Shaunee algum dia, mas enfim...
Quando Thanatos fechou o círculo, pedindo que todos fossem abençoados, Aphrodite sussurrou para Darius:
— Tenho que fazer uma coisa agora. Encontro com você no nosso quarto — ela o beijou e então atravessou o grupo de pessoas, tentando encontrar Shaylin e pensando que seria melhor se a garota não fosse tão baixinha.
Distraída, ela quase trombou com uma maldita árvore. Ainda bem que isso não aconteceu, pois do outro lado da árvore Rephaim estava abraçando Stevie Rae, que ainda estava se acabando de chorar, ensopando a camiseta dele.
— Sei que é duro, mas Erin está com Nyx — Rephaim estava consolando Stevie Rae.
Ele viu Aphrodite quando ela deu a volta no grande carvalho.
Ela colocou o dedo na boca, fazendo um gesto para que ele ficasse em silêncio. Era só o que faltava: Stevie Rae querendo incluir Aphrodite em seu festival de lágrimas. Por sorte, Rephaim não prestou a menor atenção nela e voltou a consolar Stevie Rae, enquanto Aphrodite saía de fininho.
Ela sentiu um calafrio, como se algo não estivesse certo, e congelou. Ela se virou para Dallas imediatamente. Mas ele não podia ver Aphrodite. A árvore estava no caminho e, mesmo assim, Aphrodite achou que ele não teria reparado nela nem se ela saísse batendo os pés feito uma gorda feia. Ele estava muito ocupado encarando Rephaim e Stevie Rae. O ódio no seu olhar era assustador. Silenciosamente, Aphrodite se aproximou mais de Dallas. Ele estava dizendo algo, resmungando para si mesmo. Aphrodite se concentrou, observando os seus lábios finos demais e escutando com toda atenção.
— Não  certo. A minha garota  morta e o cara dela não é nem humano. Não  certo...
Era só isso o que Dallas estava murmurando. Aphrodite esperou, observou, pronta para alertar Rephaim e chamar Darius se Dallas realmente tentasse algo, mas o garoto apenas ficou repetindo a mesma coisa sem parar, inclusive quando ele se afastou.
Aphrodite balançou a cabeça. Realmente, Dallas não estava batendo bem. Z. podia estar tendo uma perturbação mental, mas ela estava certa em não querer ficar presa na House of Night com ele.
— Ok, eu te vejo amanhã, Erik!
Ao ouvir a voz de Shaylin, Aphrodite suspirou de alívio e correu para alcançá-la, enquanto ela acenava para Erik e começava a ir na direção do dormitório das garotas.
— Psiu! — Aphrodite a chamou.
Shaylin olhou para trás, com cara de interrogação.
— Lá. Agora — Aphrodite apontou para as sombras fora do alcance da luz trêmula dos lampiões a gás que iluminavam aquela parte da calçada.
Elas chegaram juntas à parte escura do caminho. Shaylin cruzou os braços.
— Você não pode ficar me dando ordens.
— E mesmo assim você acabou de fazer o que eu mandei.
Sem dizer nada, Shaylin deu as costas para Aphrodite e começou a sair andando.
— Espere aí! Eu só estava brincando. Volte — Aphrodite falou, mas, como Shaylin não parou de andar, ela suspirou e acrescentou: — Por favor.
Shaylin voltou imediatamente.
— “Por favor” era só o que você precisava dizer. Da próxima vez, tente falar isso primeiro.
— Tudo bem. Que seja.
Aphrodite olhou para Shaylin. Shaylin a encarou de volta. Aphrodite jogou o cabelo para trás. Shaylin arregalou os olhos e perguntou:
— Você está nervosa?
— Eu nunca fico nervosa.
— Você está mexendo no seu cabelo com impaciência.
— Eu só joguei o meu cabelo para trás.
— Você quer alguma coisa de mim — Shaylin sorriu.
— Não. Eu não quero nada de você. Aphrodite, Profetisa de Nyx, quer.
— Se você começar a falar de si mesma na terceira pessoa, vou ficar assustada.
— Fique quieta e escute: eu tive uma visão, que tinha a ver com Zoey perdendo o controle do seu temperamento, e coisas ruins acontecendo por causa disso.
O sorriso de Shaylin desapareceu.
— Você contou para ela?
— Eu acho que não devo contar. Pelo menos por enquanto.
— Você fez uma oração para Nyx e realmente escutou uma resposta?
— É claro, retardada. Por causa da resposta que eu tive, estou aqui falando com você e não com Zoey.
— Não me chame de retardada — Shaylin disse.
— Então não pareça uma. Você já sabe que está rolando algo com Z.
Shaylin mordeu o lábio.
— E então? — Aphrodite a pressionou.
— Eu não me sinto confortável de falar sobre isso com você.
— Esqueça que está falando comigo. Finja que você é uma Profetisa falando com outra Profetisa sobre a nossa Alta Sacerdotisa, porque é isso que nós somos de fato — Aphrodite encontrou o olhar dela. — Isto aqui não é fofocar. Não é nada maldoso. Só estamos fazendo o nosso trabalho.
— As cores dela estão ficando cada vez mais estranhas — Shaylin falou em voz baixa.
— Cada vez mais estranhas? Então isso já está acontecendo há algum tempo?
— Sim, eu falei com ela sobre isso nos túneis. Eu reparei que as cores dela estavam ficando mais escuras e misturadas, e eu disse a ela que parecia que ela estava confusa em relação a alguma coisa.
— E então?
— Ela disse que eu estava certa, e basicamente que eu não deveria sair falando dos assuntos dela por aí.
— É, eu posso entender por que ela disse isso — Aphrodite comentou.
— Só que agora eu te contei e me sinto péssima por isso.
— Eu não vou falar nada para ninguém, nem para Zoey. Shaylin, as cores de Zoey ainda estão turvas?
— Muito, e elas estão rodopiando, quase como o começo de um redemoinho ou a ponta de um tornado.
— Que diabo isso significa?
— Raiva. Confusão. Frustração. Basicamente, nenhuma coisa boa. Ok, aí vem um exemplo: as cores de Dallas estão sempre rodopiando.
— Merda! As de Zoey também estão sempre rodopiando?
— Não, elas começam e param. Elas estavam assim quando Zoey chegou no círculo hoje, mas, enquanto Thanatos falava e orava, elas foram clareando e ficando mais estáveis. Na hora em que Shaunee acendeu a pira, a cor dela já tinha voltado ao normal, um roxo salpicado de prateado. Sinto muito, eu sei que isso é superconfuso — Shaylin balançou a cabeça.
— Na verdade, acho que você está fazendo um bom trabalho ao descrever isso — Aphrodite falou e Shaylin olhou para ela, surpresa. Então Aphrodite acrescentou: — Eu avisei que quem está aqui agora é Aphrodite, Profetisa de Nyx.
— Terceira pessoa... assustador.
— Pode se acostumar. O que a Profetisa quer é que você continue observando Zoey e me avise sempre que as cores dela começarem a girar.
— Tipo, na hora?
— Sim, retardada. Na hora.
— Agora você está soando muito mais como Aphrodite do que como a Profetisa — Shaylin disse.
— Isso é porque a mente dela e a minha se fundiram. Então faça o que nós duas estamos dizendo e ninguém vai se machucar — Aphrodite respondeu.
— Você é tão estranha — Shaylin falou.
— O normal é supervalorizado injustamente. A gente tem um trato?
— Você promete não contar a ninguém, exceto a Zoey e Nyx, o que eu contei a você?
Aphrodite hesitou e então assentiu.
— Prometo. Você tem a minha palavra. Eu não irei fofocar sobre Zoey.
Shaylin a observou.
— Eu acredito em você. Em vocês duas.

4 comentários:

  1. A sintuação de Zoey é compreensível, mas isso não explica as suas ações. - Se bem que a Magia Antiga... Hummm... Bem, de certa forma... Enfim.

    ResponderExcluir
  2. Todo mundo já se sentiu a Zoey como se o mundo estivesse caindo na sua cabeça

    ResponderExcluir
  3. Tomara q kalona destrua neferet , e que zoey volte a ser quwm ela era antes... "Ai inferno" muito confuso

    Aphodite

    ResponderExcluir
  4. Zoey está ficando cada vez mais pirada, ainda mais por causa de Stark

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!