8 de outubro de 2015

Capítulo 1 - Aurox

A carne do homem era macia, suculenta.
Foi uma surpresa o fato de ter sido tão fácil destruí-lo e fazer o seu fraco coração parar de bater.
— Leve-me para o norte de Tulsa. Eu quero sair à noite  ela disse.
Foi com essa ordem que a noite deles começou.
 Sim, Deusa — ele respondera instantaneamente, saindo cheio de vida das sombras da varanda no topo do prédio onde ele tinha sido feito.
 Não me chame de Deusa. Me chame de...  ela parecia contemplativa. — Sacerdotisa — seus lábios carnudos, rubros e brilhantes se curvaram em um sorriso. — Acho que é melhor todo mundo me chamar simplesmente de Sacerdotisa, pelo menos por um breve período.
Aurox cruzou sua mão em punho sobre o peito, fazendo um gesto que ele instintivamente sabia ser de um tempo antigo, embora, de algum modo, achasse aquilo estranho e forçado.
 Sim, Sacerdotisa.
A Sacerdotisa passara rápido por ele, gesticulando imperiosamente para que ele a seguisse.
E ele a seguira.
Ele havia sido criado para segui-la. Para receber suas ordens. Para obedecer aos seus comandos.
Então, entraram em uma coisa que a Sacerdotisa chamara de carro, e o mundo voara. A Sacerdotisa ordenou que ele entendesse o funcionamento daquilo.
Ele observara e aprendera como ela tinha mandado.
Pararam e saíram do carro.
A rua tinha um cheiro de morte, podridão, depravação e imundice.
— Sacerdotisa, este lugar não...
 Proteja-me!  ela respondeu rispidamente. — Mas não seja protetor! Eu sempre vou onde quero, quando quero e faço exatamente o que quero. É o seu trabalho, ou melhor, o seu propósito, derrotar os meus inimigos. E criar inimigos é o meu destino. Observe. Reaja quando eu ordenar que você me proteja. Isso é tudo o que eu exijo de você.
 Sim, Sacerdotisa  ele disse.
O mundo moderno era um lugar confuso. Tantos sons inconstantes. Tanta coisa que ele não conhecia. Ele faria como a Sacerdotisa ordenara. Ele iria cumprir o propósito para o qual fora criado...
Um homem deu um passo para frente, bloqueando o caminho da Sacerdotisa.
— Você é bonita demais para estar aqui neste beco tão tarde só com um garoto para te acompanhar — os olhos dele se arregalaram quando ele viu as tatuagens da Sacerdotisa. — Então, vampira, você deu uma parada aqui para usar esse garoto como um lanchinho, é? Que tal você me dar essa bolsa e então eu e você vamos falar como é estar com um homem de verdade, hein?
A Sacerdotisa suspirou e pareceu entediada.
 Você está errado em ambas as suposições: eu não sou simplesmente uma vampira e ele não é um garoto.
— Ei, o que você quer dizer com isso?
A Sacerdotisa ignorou o homem e olhou por sobre o ombro para Aurox.
 Agora você deve me proteger. Mostre-me que tipo de arma eu comando.
Ele a obedeceu sem pestanejar. Aurox se aproximou do homem sem hesitar. Com um movimento rápido, Aurox cravou seus polegares nos olhos arregalados do homem, o que fez a gritaria começar.
O pavor do homem o inundou, alimentando-o. Tão simplesmente quanto respirar, Aurox inalou a dor que ele estava causando. O poder do medo do homem se dilatou dentro dele, latejando quente e frio. Aurox sentiu suas mãos se endurecendo, mudando, tornando-se algo mais. O que eram dedos normais viraram garras. Ele as puxou dos olhos do homem quando o sangue começou a vazar dos ouvidos dele. Com o poder emprestado da dor e do medo, Aurox levantou o homem, e o arremessou com força contra o muro do prédio mais próximo.
O homem berrou de novo.
Que excitação maravilhosa, e terrível! Aurox sentiu mais ondulações de transformação pelo seu corpo. Meros pés humanos tornaram-se patas de diabo. Os músculos de suas pernas engrossaram. Seu peito inchou e rasgou a camiseta que ele estava usando. E o melhor de tudo, Aurox sentiu chifres grossos e mortais que cresceram na sua testa.
No momento em que três amigos do homem correram para o beco para ajudá-lo, ele tinha parado de gritar.
Aurox deixou o homem na sujeira e se virou para se colocar entre a Sacerdotisa e aqueles que acreditava que poderiam causar algum mal a ela.
— Que merda é essa? — o primeiro homem chegou correndo e parou de repente.
 Nunca vi nada parecido com isso — disse o segundo homem.
Aurox já estava absorvendo o medo que começava a irradiar deles. Sua pele pulsava com aquele fogo frio.
 Aquilo são chifres? Ah, merda, não! Tô fora!  o terceiro homem se virou e correu por onde tinha vindo. Os outros dois começaram a se afastar devagar, com os olhos arregalados, em choque e olhando fixamente.
Aurox se virou para a Sacerdotisa.
— Qual é a ordem?  em alguma parte distante de sua mente, ele ficou surpreso com o som da sua voz, em como ela tinha ficado tão gutural, tão bestial.
 A dor deixa você mais forte  a Sacerdotisa pareceu satisfeita.  E diferente, mais feroz — ela olhou para os dois homens em retirada e o seu carnudo lábio superior se levantou em um riso de escárnio. — Não é interessante? Mate-os.
Aurox se moveu tão rapidamente que o homem mais próximo não teve nenhuma chance de escapar. Ele espetou o peito do homem com seus chifres e o levantou, fazendo ele se debater, berrar e sujar as próprias calças de medo.
Isso deixou Aurox ainda mais poderoso.
Com uma forte sacudida de cabeça, o homem espetado voou para a parede e depois para o chão, encolhido e silencioso, ao lado do primeiro homem.
O outro homem não fugiu. Em vez disso, ele pegou uma faca longa e de aparência perigosa e arremeteu contra Aurox.
Aurox fez uma finta para o lado e então, quando o homem se desequilibrou, pisou com força com sua pata sobre o pé dele, rasgando o seu rosto enquanto o homem caía para frente.
Com a respiração ofegante, Aurox olhou os corpos dos seus inimigos derrotados. Ele se voltou para a Sacerdotisa.
 Muito bem  ela disse sem emoção na voz.  Vamos sair deste lugar antes que as autoridades apareçam.
Aurox a seguiu. Ele andou pesarosamente, suas patas deixavam sulcos no beco sujo. Fechou suas garras em punho ao seu lado, enquanto tentava compreender a tempestade emocional que fluía pelo seu corpo, levando com ela o poder que havia alimentado o seu frenesi de combate.
Fraco. Ele se sentia fraco. E mais. Havia algo mais.
 O que é?  ela perguntou de modo ríspido quando ele hesitou antes de entrar no carro de novo.
Ele balançou a cabeça.
 Não sei. Eu me sinto...
Ela gargalhou.
 Você não sente absolutamente nada. Você obviamente está pensando demais nisso. Minha faca não sente. Meu revólver não sente. Você é minha arma; você mata. Lide com isso.
 Sim, Sacerdotisa — Aurox entrou no carro e deixou o mundo ficar para trás em ritmo acelerado. Eu não penso. Eu não sinto. Eu sou uma arma.
 Por que você está parado aqui olhando para mim? – a Sacerdotisa perguntou a ele, encarando-o com seus gélidos olhos verdes.
 Eu aguardo as suas ordens, Sacerdotisa  ele respondeu automaticamente, pensando em como era possível que ele a tivesse desagradado.
Eles tinham acabado de voltar para a cobertura no alto do majestoso edifício chamado Mayo. Aurox havia andado até a varanda e simplesmente ficara ali parado, em silêncio, olhando para a Sacerdotisa.
Ela expirou o ar com força.
 Eu não tenho nenhuma ordem para você neste momento. E você precisa ficar sempre me encarando?
Aurox olhou para longe, focando nas luzes da cidade e em como elas brilhavam de modo atraente contra o céu da noite.
 Eu aguardo suas ordens Sacerdotisa  ele repetiu.
 Ah, por todos os deuses! Quem iria imaginar que o Receptáculo criado para mim seria tão idiota quanto bonito?
Aurox sentiu a mudança na atmosfera antes que as Trevas se materializassem da fumaça, da sombra e da noite.
 Idiota bonito e mortal...
A voz ressoou na sua cabeça. O enorme touro branco tomou forma diante dele. Seu hálito era fétido, ainda que doce. Seu olhar era horrível e maravilhoso ao mesmo tempo. Ele era mistério, magia e caos juntos. Aurox se ajoelhou na frente da criatura.
 Levante-se e vá para trás... — ela balançou a mão, dispensando-o com um gesto em direção às sombras do canto mais distante da varanda.
 Não, prefiro que ele fique. Eu tenho prazer em observar minhas criações.
Aurox não sabia o que dizer. Essa criatura comandava a sua atenção, mas a Sacerdotisa comandava o seu corpo.
 Criações?  a Sacerdotisa colocou uma ênfase especial no final da palavra enquanto ela se movia languidamente em direção ao touro corpulento.  Você sempre cria presentes como esses para seus seguidores?
A risada do touro foi horrível, mas Aurox percebeu que a Sacerdotisa não se sobressaltou nem um pouco – em vez disso, ela parecia ser atraída cada vez mais para perto do animal gigantesco enquanto ele falava.
 Que interessante! Você está mesmo me questionando! Você está com ciúmes, minha cara impetuosa?
A Sacerdotisa acariciou os chifres do touro.
 Tenho motivos para estar?
O touro a acariciou com seu focinho. Onde ele tocou a Sacerdotisa, a seda do vestido dela se enrugou, expondo a carne macia e nua que estava por baixo.
— Diga-me, qual você acha que é o propósito do meu presente a você? — o touro respondeu à pergunta da Sacerdotisa com outra pergunta.
A Sacerdotisa piscou e balançou a cabeça, como se estivesse confusa. Então o olhar dela encontrou Aurox, ainda ajoelhado.
 Meu mestre, o propósito dele é proteção, e eu estou pronta para o que você ordenar para agradecer.
 Eu vou aceitar suas deliciosas oferendas, mas devo explicar que Aurox não é só arma de proteção. Aurox tem um propósito, que é criar o caos.
A Sacerdotisa inspirou profundamente, em choque.
 Verdade?  ela perguntou com uma voz suave e reverente.  Através dessa única criatura eu posso comandar o caos?
Os olhos brancos do touro pareciam à lua se pondo.
 Verdade. Ele é, de fato, uma única criatura, mas seu poder é vasto. Ele tem a capacidade de deixar o desastre no seu rastro. Ele é o Receptáculo, que é a manifestação dos seus sonhos mais profundos, e eles não são o mais completo e absoluto caos?
 Sim, ah, sim  a Sacerdotisa suspirou as palavras. Ela se inclinou contra o pescoço do touro, acariciando seu dorso.
 Ah, e o que você vai fazer com o caos agora que ele está sob seu comando? Você vai botar abaixo as cidades dos humanos e governar como minha rainha?
O sorriso da Sacerdotisa era bonito e horrível.
 Rainha não. Deusa.
— Deusa? Mas já há uma Deusa dos vampiros. Você sabe muito bem disso. Você já esteve a serviço dela.
 Você quer dizer Nyx? A Deusa que permite que seus subordinados façam escolhas e tenham vontade própria? A Deusa que não interfere porque acredita com tanta força no livre-arbítrio?
Aurox achou que podia ouvir um sorriso na voz da besta e ficou imaginado como isso era possível.
 Sim, eu me refiro a Nyx, Deusa dos vampiros e da noite. Você usaria o caos para desafiá-la?
 Não. Eu usaria o caos para derrotá-la. E se o caos ameaçar a estrutura do mundo? Nyx não iria intervir e desafiar suas próprias regras para salvar seus filhos? E fazendo isso a Deusa não iria rescindir a sua lei que concede o livre-arbítrio aos humanos e trair a si mesma? O que acontecerá então ao seu divino reinado se Nyx mudar o que ele está destinado a ser?
 Eu não posso dizer, já que isso nunca aconteceu antes  o touro bufou como se tivesse se divertindo.  Mas é uma questão surpreendentemente interessante, e você sabe o quanto eu gosto de ser surpreendido.
 Eu apenas espero poder continuar a surpreendê-lo muitas e muitas vezes, meu mestre.
 Apenas é uma palavra tão pequena...  o touro disse.
Aurox continuou ajoelhado na varanda muito tempo depois de a Sacerdotisa e o touro terem partido, deixando-o de lado e esquecido. Ele ficou onde havia sido deixado, encarando o céu.

3 comentários:

  1. CALMA ELE VAI SE LEMBRAR...
    LANNY

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom uma hora ele vai ter que lembrar mais isso não quer dizer que nós não vamos sofrer ate lá

      Excluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!