14 de outubro de 2015

Fanfic: Broken


Sinopse:
Amor, quando cheio de mágoa vira o oposto de um sentimento. É uma tragédia.
Anna e Barbra são duas irmãs com muitas diferenças em suas personalidades. A primeira está disposta a tudo que a vida tem para oferecer – e ela não em a intenção de esconder seu verdadeiro eu, o que faz com que as pessoas a amem, mesmo com as palavras ácidas. A outra está determinada a ser a melhor pessoa no mundo – então ela age como acredita que as pessoas esperam que ela faça, mesmo que às vezes, no fundo, ela deseje poder ser como a irmã: livre. Essa é uma história sobre inveja, ressentimento, e um então chamado legítimo direito de vingança. Alguns podem dizer que não existe tal coisa como uma pessoa completamente má ou boa, e essas irmãs provarão ser verdade. Como você se sentiria se a aparentemente “vilã” fosse a boa moça, e a boa moça brincasse com seu lado sombrio? Laços de sangue nem sempre contam.

Categorias: romance, mistério, vingança, história original
Autora: Carolina Lobo
__________________________________________


1

Duas irmãs.
Anna é uma garota loura de 21 anos, com a pele caramelo e imponentes olhos castanhos. Seu nariz proeminente e sobrancelhas arqueadas aliados com uma boca saliente, que hospedava um sorriso charmoso, dava a menina um ar arrogante, mas ainda assim agradável. Ela é melhor conhecida pela personalidade egocêntrica, língua afiada e seu humor ácido. Apesar de todas as qualidades para ser uma pessoa intolerável, todos pareciam a amar. Ela não era uma santa, era um fato. Ainda assim, as pessoas talvez apreciassem ela não esconder sua verdadeira personalidade. Melhor ser uma verdadeira problemática do que uma fraude.
Barbra é uma garota com cabelos pretos de 19 anos, com uma pele que era tão branca e pálida, assim como seus olhos. Eram olhos azuis, a propósito. Não que alguém fosse escrever poesia sobre aqueles olhos mortos. Ela era ligeiramente mais alta do que a irmã, tinha um rosto simétrico – nada parecia se destacar. Para ser honesto, era uma menina bonita. No entanto, sua falta de personalidade – sempre trabalhando em ser a melhor amiga, melhor aluna, melhor-tudo-que-você-imagina – resultava numa garota enfadonha, que estava fazendo tanto esforço para ser notada como a melhor em tudo e acabava não desenvolvendo uma habilidade notável para nada. As pessoas até gostavam dela, mas não se lembravam dela.
Elas eram meias-irmãs. O pai de Anna morreu quando ela tinha 5 anos, mas seus pais eram divorciados mesmo antes de que ela nascesse. Sua mãe namorava o pai de Barbra desde que ela podia lembrar, e quando a menina mais nova nasceu eles casaram. Anna tinha um ótimo relacionamento com o seu pai, mas ele se foi muito cedo e Harold sempre tinha sido uma presença constante em sua vida, fazendo com que eles também tivessem uma ótima conexão.
Barbra sempre fora a menina inteligente, que queria as coisas saindo perfeitas e mesmo quando ela tinha vontade de se divertir, aprontando como as crianças geralmente fazem, ela preferia observar à distância numa distância segura, com medo de ser chamada a atenção. Anna sempre a irritava sobre esse assunto. Ela era verdadeira com suas vontades, mesmo que às vezes se arrependesse. As meninas não se davam muito bem, e a mãe delas não podia estar mais confusa sobre o fato.
Jenna era uma pessoa simples. Ou você gostava do dia, ou da noite. Ou você usava preto, ou branco. Ou você dizia a verdade, ou estava mentindo. Não existia meio termo ou pontos de vista diferentes. Então era difícil para ela compreender como ambas as filhas se odiavam, e ainda assim se davam bem algumas vezes. Quanto à aparência, a mulher tinha a altura e os olhos da mais nova, e a cor da pele e o cabelo da mais velha.
Anna estava no último ano da faculdade, ela estava prestes a se formar em engenharia de produção, enquanto Barbra estava no segundo ano de arquitetura. Ambas frequentavam a mesma faculdade, mas não fazia com que fosse constante as vezes que se encontravam por lá. Elas apenas estavam juntas em casa, quando elas chegavam, quando estavam prestes a sair, ou nos fins de semana.
Era um sábado de manhã de fevereiro, e elas ainda tinham duas semanas de férias pela frente. Estar cara a cara uma com a outra frequentemente não estava fazendo favores para ninguém naquela casa.
– Quantas vezes eu vou ter que dizer pra você não pegar as minhas roupas sem pedir primeiro?
Barbra tinha entrado no quarto de Anna sem um traço de compaixão por ainda ser muito cedo. Ela bateu a porta com raiva enquanto sua irmã acordava assustada.
– Wow! Que horas são de novo? Qual é a droga do seu problema? Volta a dormir e para de reclamar sobre bobagens.
A menina deitou novamente na cama e colocou o travesseiro sobre a sua cabeça, tentando dormir novamente. Barbra pegou sua blusa, que estava jogada no chão perto da cama de Anna, e retornou para o seu quarto revirando os olhos.
Mais tarde naquele dia, todos tinham o mesmo compromisso: um casamento para ir. Era o casamento do sobrinho mais velho de Harold, e ele era a pessoa favorita de Barbra. Ela tolerava o fato de que a irmã podia conseguir a atenção e o afeto de qualquer um apenas ao sorrir, mas ela se recusava a deixar que ela ganhasse a preferência de Daniel sobre ela. Sabendo disso, Anna adorava provocar a irmã.
– Não demorem muito se arrumando, ok moças? Ou eu vou deixar vocês aqui e ir sozinho, afinal hoje é um grande dia. Quem poderia imaginar que Daniel iria se casar?
Harold estava servindo o almoço. Barbra riu com alegria, enquanto Jenna adicionava:
– De fato. Eu preciso admitir que fiquei chocada, ele é tão…
– Idiota? Cafajeste? Babaca?
Anna disse com um sorriso cínico e uma sobrancelha erguida. Jenna parecia surpresa, enquanto Harold estava envergonhado e Barbra furiosa.
– Eu ia dizer jovem…
– Bem, aparentemente você não tem uma idade específica pra ser um safado. E de qualquer forma, se ele vai se casar com alguém que conheceu mês passado é provavelmente porque ela pode dar alguma coisa que...
Barbra a interrompeu.
– Chega! Quem você pensa que é pra dizer essas coisas? Você é uma hipócrita, sua...
 Anna sorria divertidamente para Barbra. Harold, que normalmente era quieto e paciente, estava incomodado com a confusão.
– Wow!  – Ele disse – nós sabemos que ele não é o melhor exemplo para os rapazes por aí, mas hoje é um dia importante e nós somos sua família. Vamos apoiar ele, entendido?
– Claro, Harold. Como você quiser. E quanto a você, senhorita B... Estou chocada. Quem diria que você podia perder a compostura? Pena seu pai ter impedido que você me entretesse. Acho que vou ter que esperar até o casamento.
Anna sorria para a irmã e levantava da cadeira, enquanto Harold e Jenna já estavam quase for a da cozinha.
– Você é tão cheia de si, eu não suporto! Está só dizendo essas coisas porque ele não é um dos idiotas que ficam te perseguindo! Você não aguenta o fato de que ele se dá melhor comigo!
Era verdade, eles não eram melhores amigos. Anna sempre pareceu achar nojento o modo como ele tratava as meninas que namorava, e quão patético era para ela um homem de 26 anos agindo como um garoto de 16. Fora a isso, ele podia ser divertido de estar por perto às vezes.
– Ah, eu não iria tão longe… Eu tenho bastante certeza que nós nos demos muito bem há uns três natais atrás, enquanto abríamos nossos presentes no quarto dele...
Anna estava fazendo uma cara exagerada de surpresa enquanto Barbra se recusava a acreditar. Ela disse sem convicção:
– Você queria!
– Isso era o que eu continuava dizendo para ele todos esses anos... Mas você sabe como eu fico entediada fácil, então… Não foi tão ruim pra uma coisa de momento.
Ela podia dizer e pensar muitas coisas sobre a irmã, mas Barbra sabia que ela não era do tipo que se vangloriava por algo que não tinha feito. Com os sentimentos feridos, Barbra disse com um pouco de veneno:
– Você me dá nojo. Ele é seu primo.
 Anna sorriu com sinceridade.
– Não, querida, ele é seu primo! Eu não tenho nenhuma ligação de sangue com ele. Você queria não ter, né? Então talvez sua quedinha por ele se concretizasse? Se bem… Eu não tenho certeza que você faz o tipo dele... Você é um pouquinho…
Ela olhou com um misto de simpatia e veneno para Barbra e sorriu, e então deu de ombros, indo embora e deixando a irmã com um gosto amargo na boca.
_____________________________________

Deixe sua opinião nos comentários!

3 comentários:

  1. Ameii!! Coitada da Barbra à Ana é mto má.
    Cadê os outros episódios mulhê? Eu preciso,necessito de uma continuação.

    ResponderExcluir
  2. Aaaaaaaaah, cadê a continuação ? Preciso disso, curiosidade me matando haha ;D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em "Saiba Mais" há um link, é só clicar nele para continuar a ler (tem que ter uma conta no Wattpad, porém)

      Excluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!