24 de setembro de 2015

Epílogo - Pacto

Quase tudo estava de volta ao normal - ao bom, normal pré-zumbi - em menos tempo do que eu teria julgado possível. O hospital recebeu Carlisle de volta com braços ansiosos, sem nem se preocupar em esconder sua felicidade por Esme ter desgostado tanto da vida em Los Angeles. Graças ao teste de Cálculo que eu perdi enquanto estive no estrangeiro, Alice e Edward estavam em melhores condições de se formarem do que eu estava no momento. De repente, a faculdade era uma prioridade (a faculdade ainda era o plano B, na chance mínima de que a proposta de Edward superasse a proposta de pós formatura de Carlisle). Muitos prazos haviam passado por mim, mas Edward tinha uma nova pilha de pedidos de aceitação pra eu preencher todos os dias. Ele já havia frequentado Harvard, então ele não se incomodava que, graças à minha procrastinação, nós dois acabaríamos na Faculdade Comunitária de Península no ano que vem.
Charlie não estava feliz comigo, e nem falando com Edward. Mas pelo menos Edward tinha permissão - nos meus horários que foram designados para as visitas - pra entrar na casa de novo. Só que eu não tinha permissão pra sair dela.
Escola e o trabalho eram as únicas exceções, e o amarelo fatigante, chato das paredes das minhas salas de aula, haviam ficado estranhamente convidativos pra mim ultimamente. Isso tinha muito a ver com a pessoa que se sentava à mesa ao lado da minha.
Edward havia reassumido o seu mesmo horário do início do ano passado, o que o colocou na maioria das minhas aulas de novo. O meu comportamento foi tão ruim no outono passado, depois que os Cullen supostamente se mudaram pra Los Angeles, que a cadeira ao meu lado nunca foi reocupada. Mesmo Mike, que estava sempre ansioso pra tirar alguma vantagem, manteve uma distância segura.
Com Edward de volta ao seu lugar, era quase como se os últimos oito meses tivessem sido um pesadelo perturbador.
Quase, mas não exatamente. Eu estava presa em casa, pra começar. E pra terminar, no outono passado,eu ainda não tinha virado a melhor amiga de Jacob Black.
Então, é claro, eu não tinha sentido a falta dele.
Eu não estava em liberdade pra ir até La Push, e Jacob não estava vindo até mim. Ele nem atendia as minhas ligações.
Eu fazia essa ligações na maioria das vezes à noite, depois que Edward havia sido botado pra fora - exatamente às nove, por um Charlie severo e alegre - e antes que Edward entrasse pela minha janela depois que Charlie estivesse dormindo. Eu escolhi essa hora para fazer as minhas ligações infrutíferas porque eu havia notado que Edward fazia uma certa cara toda vez que eu mencionava o nome de Jacob. Meio desaprovador e cauteloso... talvez até com raiva. Eu me perguntei se ele sentia o mesmo preconceito recíproco pelos lobisomens, apesar dele não ser tão vocal quanto Jacob havia sido sobre os “sugadores de sangue”.
Então, eu não mencionava muito Jacob.
Com Edward perto de mim, era difícil pensar em coisas infelizes - mesmo no meu ex-melhor amigo, que provavelmente estava muito infeliz agora, por minha causa.
Quando eu pensava em Jake, eu sempre me sentia culpada por não pensar mais nele.
O conto de fadas estava de volta. O príncipe havia retornado, o feitiço ruim foi quebrado. Eu não tinha certeza do que fazer com o personagem que sobrou, sem ser resolvido. Onde estava o feliz pra sempre dele?
As semanas se passaram, e Jacob ainda não atendia os meus telefonemas. Isso começou a se transformar numa preocupação constante. Como uma torneira pingando na minha cabeça que eu não podia desligar ou ignorar. Drip, drip, drip. Jacob, Jacob, Jacob.
Então, apesar de eu não mencionar Jacob muito, às vezes, a minha ansiedade e a minha frustração transbordavam.
— Isso é muito rude! — eu soltei num sábado à tarde quando Edward foi me buscar no trabalho. Ficar brava com as coisas era mais fácil que me sentir culpada. — Absolutamente insultante!
Eu variava o meu padrão, na esperança de ter respostas diferentes. Dessa vez eu liguei pra Jacob do trabalho, só pra ser atendida por um inútil Billy. De novo.
— Billy disse que ele não queria falar comigo — eu fumacei, olhando a chuva cair pela janela do passageiro.— Que ele estava lá, e que não ia caminhar três passos pra pegar o telefone! Geralmente Billy simplesmente disse que ele está ocupado ou dormindo ou alguma coisa assim. Quer dizer, não é como se eu não soubesse que ele está mentindo pra mim, mas pelo menos era uma forma educada de lidar com isso. Eu acho que agora Billy me odeia também. Isso não é justo!
— Não é você, Bella — Edward disse baixinho. — Ninguém odeia você.
— Dá pra sentir — eu murmurei, cruzando meus braços no peito. Isso não era mais que um gesto de teimosia. Agora não havia mais buraco - eu mal podia me lembrar de como era me sentir vazia.
— Jacob sabe que estamos de volta, e eu tenho certeza de que ele já foi informado de que eu estou com você — Edward disse. — Ele não vai chegar perto de mim. A inimizade tem raízes muito profundas.
— Isso é estúpido. Ele sabe que você não é... como os outros vampiros.
— Ainda existem boas razões pra manter uma distância segura.
Eu olhei cegamente pelo pára-brisa, vendo apenas o rosto de Jacob, com aquela máscara azeda que eu odiava.
— Bella, nós somos o que nós somos — Edward disse baixo. — Eu posso me controlar, mas eu duvido que ele possa. Ele é muito jovem. Isso teria grandes probabilidades de se transformar numa briga, e eu não sei se conseguiria parar antes de m... — ele parou, e então continuou rapidamente. — Antes de machucá-lo. Você ficaria infeliz. Eu não quero que isso aconteça.
Eu me lembrei o que Jacob havia dito na cozinha, ouvindo as palavras numa perfeita lembrança da voz rouca dele. Eu não tenho certeza de que sou controlado o suficiente pra lidar com isso... Você provavelmente não ia gostar muito de mim se eu matasse a sua amiga. Mas ele foi capaz de lidar com isso, daquela vez...
— Edward Cullen — eu sussurrei. —Você estava prestes a dizer 'matar ele? Estava?
Ele desviou o olhar de mim, olhando para a chuva.
Na nossa frente, o sinal vermelho que eu não havia reparado ficou verde de novo ele ele seguiu em frente de novo, dirigindo muito lentamente. Não era o seu normal de dirigir.
— Eu tentaria... muito... não fazer isso — Edward disse finalmente.
Eu o encarei com a minha boca aberta, mas ele continuava olhando diretamente para a frente. Nós estávamos parados no sinal de pare da esquina.
Abruptamente, eu me lembrei do que aconteceu com Paris quando Romeu voltou. Os scripts eram bem simples: Eles lutam, Páris cai.Mas isso era ridículo. Impossível.
— Bem — eu disse, e respirei fundo, balançando a minha cabeça para dissipar as palavras da minha cabeça. — Nada assim vai acontecer nunca, então não há razão para se preocupar com isso. E você sabe que Charlie está olhando para o relógio nesse instante. É melhor você me levar pra casa antes que eu me meta em mais problemas por estar atrasada.
Eu virei o meu rosto pra ele, pra sorrir meio sem vontade.
Toda vez que eu olhava para o rosto dele, aquele rosto impossivelmente perfeito, meu coração batia muito forte e saudável, muito  no meu peito. Dessa vez, o batimento passou do seu próprio ritmo alucinado. Eu reconhecia aquela expressão no seu rosto de estátua.
— Você já se meteu em mais problemas, Bella — ele sussurrou por lábios que não se moviam.
Eu escorreguei mais pra perto, agarrando o braço dele enquanto seguia o seu olhar pra ver o que ele estava vendo. Eu não sei o que eu estava esperando - talvez Victória de pé no meio da rua, com o seu cabelo vermelho voando ao vento, ou uma fila de mantas pretas... ou um bando de lobisomens raivosos. Mas eu não estava vendo absolutamente nada.
— O que? O que é?
Ele respirou fundo.
— Charlie...
— Meu pai? — eu arranhei.
Ele olhou pra mim nessa hora, e a expressão estava calma o suficiente pra acalmar um pouco do meu pânico.
— Charlie provavelmente não vai matar você, mas ele está pensando nisso — ele me disse.
Ele começou a dirigir em frente de novo, rua abaixo, mas ele passou da casa e estacionou perto de onde as árvores começavam.
— O que foi que eu fiz? — eu asfixiei.
Edward olhou de volta para a casa de Charlie. Eu segui o seu olhar, e reparei pela primeira vez no que estava estacionado na garagem ao lado da viatura. Cintilante, vermelha brilhante, impossível de não ver. Minha moto, ostentando a si mesma na garagem.
Edward disse que Charlie estava pronto pra me matar, então ele devia saber que - que ela era minha. Só havia uma pessoa que podia estar por trás dessa traição.
— Não! — eu asfixiei. — Por quê? Porque Jacob faria isso comigo? — a dor dessa traição me lavou por dentro. Eu havia confiado em Jacob implicitamente - confiei a ele os mínimos segredos que eu tinha. Era pra ele ser o meu porto seguro - a pessoa com a qual eu sempre podia contar. É claro que as coisas estavam acertadas no momento, mas eu não achava que nenhuma das linhas desses fundamentos haviam sido mudadas. Eu não achava que isso fosse mutável!
O que eu tinha feito pra merecer isso? Charlie ia ficar muito bravo - e pior que isso, ele ia ficar machucado e preocupado. Será que ele já não tinha coisas suficientes com as quais lidar? Eu nunca havia imaginado que Jake podia ser tão mesquinho e tão simplesmente mau. As lágrimas saltaram, astutas, nos meus olhos, mas elas não eram lágrimas de tristeza. Eu havia sido traída. Eu estava repentinamente com tanta raiva que minha cabeça latejava como se fosse explodir.
— Ele ainda está aqui? — eu assobiei.
— Sim. Ele está esperando por nós — Edward me disse, acenando com a cabeça em direção à fina passagem que dividia a floresta escura em duas.
Eu pulei pra fora do carro, me lançando na direção das árvores com as mãos já curvadas nos punhos preparadas para o primeiro soco.
Por que Edward tinha que ser tão mais rápido que eu?
Ele me agarrou pela cintura antes que eu chegasse na passagem.
— Me deixe ir! Eu vou matar ele! Traidor! — eu gritei esse epíteto na direção das árvores.
— Charlie vai escutar você — Edward me avisou. — E assim que ele te colocar pra dentro, ele pode até colocar tijolos nas portas.
Eu olhei de volta para a casa instintivamente, e parecia que a moto vermelha chamativa era tudo o que eu podia ver. Eu estava enxergando vermelho. Minha cabeça latejou de novo.
— Só me dê um round com Jacob, e depois eu me viro com Charlie — eu lutei futilmente pra me libertar.
— Jacob Black quer ver a mim. É por isso que ele ainda está aqui.
Isso me congelou - mandou a luta pra fora de mim. Minhas mãos ficaram flácidas.
Eles lutam; Páris cai.
Eu estava furiosa, mas não tão furiosa.
— Conversar?—eu perguntei.
— Mais ou menos.
— Quanto mais? — minha voz tremeu.
Edward alisou meu cabelo pra tirá-lo do meu rosto.
— Não se preocupe, ele não está aqui pra brigar comigo. Ele está agindo como... porta voz do bando.
— Oh .
Edward olhou para a casa de novo, então apertou o braço na minha cintura e me puxou em direção à floresta.
— Nós temos que nos apressar. Charlie está ficando impaciente.
Nós não tivemos que ir muito longe; Jacob estava nos esperando só um pouco acima de onde a trilha começava. Ele estava encostado num tronco de árvore cheia de musgos enquanto esperava, seu rosto estava duro e amargo, exatamente do jeito que eu sabia que estaria. Ele olhou pra mim, e depois pra Edward. A boca de Jacob se transformou num sorriso sem humor de desprezo, e ele se afastou da árvore. Ele ficou de pé sobre os pés descalços, se inclinando levemente para frente, suas mãos tremendo estavam cravadas nos punhos. Ele parecia ainda maior do que da última vez que eu o havia visto. De alguma forma, impossivelmente, ele ainda estava crescendo. Ele ia parecer uma torre ao lado de Edward, se eles ficassem lado a lado.
Mas Edward parou assim que nós o vimos deixando um grande espaço entre nós e Jacob. Edward virou seu corpo, se movendo de forma que eu fiquei atrás dele.
Eu me inclinei ao redor dele pra encarar Jacob - pra acusá-lo com os meus olhos.
Eu pensei que ver a expressão ressentida, cínica dele, só me deixaria com ainda mais raiva.
Ao invés disso, ela me lembrou da última vez que eu havia visto ele, com lágrimas nos olhos. Minha fúria enfraqueceu, falhou, quando eu olhei pra Jacob. Já fazia tanto tempo desde que eu havia o visto - eu odiava que essa reunião tivesse que ser assim.
— Bella — Jacob disse como uma saudação, acenando com a cabeça uma vez mas sem desviar os olhos de Edward.
— Por quê?— eu sussurrei, tentando esconder o som do caroço na minha garganta. — Como é que você pode fazer isso comigo, Jacob?
O desprezo sumiu, mas o rosto dele continuou duro e rígido.
— Foi para o melhor.
— O que deveria significar? Você quer que Charlie me estrangule? Ou você queria que ele tivesse um ataque cardíaco, como Harry? Não importa o quanto você esteja bravo comigo, como é que você pôde fazer isso com ele?
Jacob estremeceu, as sobrancelhas juntas, mas ele não respondeu.
— Ele não queria machucar ninguém - ele só queria que você ficasse de castigo, pra que você não tivesse permissão de passar o tempo comigo — Edward disse, explicando os pensamentos que Jacob não diria.
Os olhos de Jacob brilhavam de ódio quando ele encarou Edward de novo.
— Aw, Jake! — eu gemi. — Eu  estou de castigo! Porque você acha que eu ainda não tinha ido à La Push pra chutar o seu traseiro por não atender minhas ligações?
Os olhos de Jacob voltaram pra mim, confusos pela primeira vez.
— Foi por isso? — ele perguntou, e depois travou a mandíbula, como se ele estivesse arrependido por ter dito alguma coisa.
— Ele pensou que era eu que não estava deixando, e não Charlie — Edward explicou de novo.
— Pare com isso — Jacob disparou.
Edward não respondeu.
Jacob levantou os ombros uma vez, e depois travou os dentes com tanta força quanto os punhos.
— Bella não estava exagerando sobre as suas... habilidades — ele disse através dos dentes.
— Então você já deve saber porque eu estou aqui.
— Sim — Edward concordou com uma voz suave. — Mas antes de você começar, eu preciso dizer uma coisa.
Jacob esperou, travando e destravando as mãos enquanto continuava tentando controlar os arrepios que desciam pelos seus braços.
— Obrigado — Edward disse, e a voz dele palpitava de sinceridade. — Eu nunca vou ser capaz de te dizer o quanto estou agradecido. Eu estou te devendo para o resto da minha... existência.
Jacob olhou pra ele branco, seus tremores pararam com a surpresa. Ele trocou um rápido olhar comigo, mas o meu rosto estava igualmente mistificado.
— Por manter Bella viva — Edward esclareceu a voz dele áspera e fervente. — Quando eu... não o fiz.
— Edward — eu comecei a dizer, mas ele levantou uma mão, seus olhos estavam em Jacob.
A compreensão lavou o rosto de Jacob antes que a máscara voltasse para o lugar.
— Eu não fiz isso por você.
— Eu sei. Mas isso não apaga a gratidão que eu sinto. Eu achei que você devia saber. Se houver qualquer coisa no meu poder que eu possa fazer por você...
Jacob ergueu uma sobrancelha preta.
Edward balançou a cabeça.
— Isso não é do meu poder.
— Do de quem, então? — Jacob rosnou.
Edward olhou pra mim.
— Dela. Eu aprendo rápido, Jacob Black, e eu não cometo o mesmo erro duas vezes. Eu vou ficar aqui até que ela ordene que eu vá embora.
Eu fiquei momentaneamente imersa no seu olhar dourado. Não foi difícil compreender o que eu havia perdido da conversa. A única coisa que Jacob podia querer de Edward era a sua ausência.
— Nunca — eu sussurrei ainda presa no olhar de Edward.
Jacob fez um som de quem estava amordaçado.
Eu me libertei sem vontade do olhar de Edward pra fazer uma carranca pra Jacob.
— Havia algo mais que você queria Jacob? Você queria me meter em problemas - missão cumprida. Charlie deve me mandar para a Escola Militar. Mas isso não vai me afastar de Edward. Não há nada que possa fazer isso. O que mais você quer?
Jacob manteve os olhos em Edward.
— Eu só preciso lembrar os seus amigos sugadores de sangue de alguns pontos importantes do acordo com o qual eles concordaram. Essa conversa sobre o acordo é a única coisa me impedindo de rasgar a garganta dele nesse minuto.
— Nós não esquecemos — Edward disse ao mesmo tempo em que eu perguntava “Que pontos importantes?”
Jacob ainda encarava Edward, mas ele me respondeu.
— O acordo é bastante específico. Se algum deles morder um humano, a trégua está acabada. Morder, não matar — ele enfatizou. Finalmente, ele olhou pra mim. Seus olhos estavam frios.
Só me levou um segundo pra compreender a distinção, e isso deixou o meu rosto tão frio quanto o dele.
— Isso não é da sua conta.
— Não é? — foi tudo o que ele conseguiu falar.
Eu não esperava que as minhas palavras precipitadas trouxessem uma resposta tão forte. Apesar do aviso que tinha vindo pra dar, ele não devia saber. Ele deve ter pensado que o aviso era só uma precaução. Ele não havia se dado conta - ou não queria acreditar - que eu já havia feito a minha escolha. Que eu realmente já tinha a intenção de me tornar um membro da família Cullen.
Minha resposta fez Jacob chegar a quase ter convulsões. Ele pressionou os pulsos com força nas têmporas, fechando os olhos bem apertados e se curvando sobre si mesmo enquanto tentava controlar os espasmos. O rosto dele ficou de um verde doentio por baixo da pele ruiva.
— Jake? Você tá bem? — eu perguntei ansiosamente.
Eu dei meio passo na direção dele, e então Edward me agarrou e me puxou de novo pra trás do seu próprio corpo.
— Cuidado! Ele não está sob controle — ele me avisou.
Mas Jacob já era algo de si mesmo novamente; só os braços dele estavam tremendo agora. Ele olhou pra Edward com puro ódio.
— Ugh. Eu nunca machucaria ela.
Nem Edward e nem eu perdemos a inflexão, ou a acusação que isso significava. Um assobio baixo escapou pelos lábios de Edward. Jacob curvou os punhos reflexivamente.
— BELLA! — o rugido de Charlie ecoou vindo da direção da casa.
— ENTRE EM CASA NESSE INSTANTE!
Todos nós congelamos, escutando o silêncio que se seguiu.
Eu fui a primeira a falar; minha voz tremia.
— Droga.
A expressão furiosa de Jacob falhou.
— Eu sinto muito por isso — ele murmurou. — Eu tinha que fazer o que podia - eu tinha que tentar.
— Obrigada — O tremor da minha voz arruinou o sarcasmo. Eu olhei para a trilha, meio que esperando que Charlie aparecesse marchando pelas avencas molhadas como um touro enraivecido. Eu seria a bandeira vermelha na cena.
— Só mais uma coisa — Edward disse pra mim, e depois olhou pra Jacob. — Nós não encontramos nenhuma pista de Victória do nosso lado da linha - e vocês?
Ele já sabia da resposta assim que Jacob pensou nela, mas Jacob falou a resposta, do mesmo jeito.
— A última vez foi quando Bella estava... fora. Nós deixamos ela pensar que estava escapando - nós estávamos apertando o cerco, nos preparando pra emboscá-la.
Desceu gelo pela minha espinha.
— Mas depois ela desapareceu como um morcego do inferno. Pelo que podemos dizer, ela sentiu o cheiro da sua pequena fêmea e fugiu. Ela não se aproximou da nossa terra desde então.
Edward balançou a cabeça.
— Quando ela voltar, ela não é mais problema de vocês. Nós...
— Ela matou no nosso território — Jacob assobiou. — Ela é nossa!
— Não — eu comecei a protestar contra as duas declarações.
— BELLA! EU VEJO O CARRO DELE E EU SEI QUE VOCÊ ESTÁ AÍ! SE VOCÊ NÃO ENTRAR EM CASA EM UM MINUTO...!— Charlie não se incomodou em terminar a sua ameaça.
— Vamos — Edward disse.
Eu olhei de volta para Jacob, dividida. Será que eu o veria novamente?
— Desculpa — ele sussurrou tão baixo que eu tive que ler os lábios dele pra entender.
— Adeus, Bells.
— Você prometeu — eu o lembrei desesperadamente. —Ainda amigos, certo?
Jacob balançou a cabeça lentamente, e o caroço na minha garganta praticamente me estrangulou.
— Você sabe o quanto eu dei duro pra manter essa promessa, mas... Eu não consigo ver como poderei continuar tentando. Não agora...
Ele lutou pra manter sua máscara dura no lugar, mas ela vacilou, e depois desapareceu.
— Sinto sua falta — ele falou com os lábios. Uma das mãos dele avançou em minha direção, seus longos dedos esticados, como se ele desejasse que eles fossem longos o suficiente pra cruzar a distância entre nós.
— Eu também — eu botei pra fora. Minha mão se inclinou na direção dele no espaço largo.
Como se estivéssemos conectados, o eco da dor dele se contorceu dentro de mim. A dor dele, a minha dor.
— Jake...— eu dei um passo na direção dele. Eu queria passar os meus braços na cintura dele e apagar a expressão de miséria do rosto dele.
Edward me puxou de novo, seus braços restringiam ao invés de defender.
— Está tudo bem — eu prometi pra ele, olhando pra ver seu rosto com confiança em meus olhos. Ele entenderia.
Seus olhos eram ilegíveis, o rosto dele estava sem expressão. Frio.
— Não, não está.
— Solte ela — Jacob rosnou, furioso de novo. — É o que ela quer!— ele deu dois longos passos à frente. Um brilho de antecipação brilhou nos olhos dele. O peito dele parecia inchar enquanto se tremia.
Edward me puxou pra trás dele, se virando pra enfrentar Jacob.
— Não! Edward!
— ISABELLA SWAN!
— Vamos! Charlie está com raiva!— minha voz estava cheia de pânico, mas agora não era por causa de Charlie. — Rápido!
Eu puxei ele e ele relaxou um pouco. Ele me empurrou pra trás lentamente, sempre mantendo os olhos em Jacob enquanto nos afastávamos.
Jacob nos encarou com um olhar negro de escárnio em seu rosto ácido. A antecipação havia fugido do seu rosto, e então, pouco antes da floresta estar entre nós, o rosto dele de repente se contorceu de dor.
Eu sabia que esse olhar breve para o rosto dele ia me perseguir até que eu visse ele sorrir de novo.
E bem ali eu jurei que o veria sorrir de novo, e em breve. Eu ia dar um jeito de manter o meu amigo.
Edward manteve seu braço apertado na minha cintura, me segurando perto. Essa foi a única coisa que segurou as lágrimas dentro dos meus olhos.
Eu tinha sérios problemas.
Meu melhor amigo me contava como os seus inimigos.
Victória ainda estava à solta, colocando todos a quem eu amava em perigo.
Se eu não me tornasse uma vampira em breve, os Volturi me matariam.
E agora, parecia que se eu fizesse isso, os lobisomens Quileute fariam eles mesmos o trabalho - além de tentar matar a minha futura família. Eu não achava que eles realmente tivessem alguma chance, mas será que o meu melhor amigo podia ser morto na tentativa?
Problemas muito sérios. Então porque eles pareciam tão insignificantes quando nós saímos das árvores eu vi a expressão no rosto roxo de Charlie?
Edward me apertou gentilmente.
— Eu estou aqui.
Eu respirei profundamente.
Isso era verdade. Edward estava aqui, com os seus braços ao meu redor.
Eu podia enfrentar qualquer coisa contanto que isso fosse verdade.
Eu enquadrei meus ombros e caminhei em frente para encontrar com meu fado, com o meu destino solidamente ao meu lado.

8 comentários:

  1. GEnte acho que já li pelo menos 7 vezes a saga , é impossível ama-lá menos . <3

    ResponderExcluir
  2. Adorei o livro, mas, apesar dele ser mais completo, eu prefiro o filme! Erika

    ResponderExcluir
  3. Amoooo a saga! Melhor ñ tem. Obrigada por postar Ka

    ResponderExcluir
  4. Adoro a saga também verdade melhor não tem e o mesmo digo do filme .

    ResponderExcluir
  5. queria q a bella tivesse mandado o jacob pra tantos lugares... o gurizinho irritante! será q não percebe q a bella é do edward e vice-versa? ui...
    eu devo ser unica pessoa q n gost do jacob; mas faze oq, né?...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jacob foi o que impediu Bella de cair numa profunda depressão quando Edward a deixou. Então ele merece toda a consideração. Porem obviamente Bella não pode escolher ele. A única opção dela sempre foi Edward.

      Excluir
  6. Eu tb nn gosto nd do jacob, ele eh o que fica atrapalhando a bella e o edward

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!