29 de setembro de 2015

Capítulo 39 - Felizes para sempre

— Então, no fim, foi uma combinação de fatores, mas o que realmente resume tudo é... Bella — explicava Edward.
Nossa família e os dois hóspedes restantes encontravam-se sentados na sala dos Cullen enquanto a floresta escurecia do lado de fora das vidraças.
Vladimir e Stefan haviam desaparecido antes que parássemos de comemorar. Eles estavam extremamente decepcionados com o desfecho do confronto, mas Edward disse que eles se deleitaram com a covardia dos Volturi quase o suficiente para compensar sua frustração.
Benjamin e Tia partiram rapidamente atrás de Amun e Kebi, ansiosos para contar a eles o resultado do conflito; eu tinha certeza de que os veríamos de novo – Benjamin e Tia, pelo menos. Nenhum dos nômades se demorou. Peter e Charlotte tiveram uma breve conversa com Jasper, depois se foram também.
As Amazonas reunidas estavam ansiosas para voltar para casa – era difícil para elas ficar longe de sua amada floresta – embora relutassem mais do que alguns outros em partir.
— Você precisa levar a criança para me ver — insistira Zafrina. — Prometa-me, jovem.
Nessie havia pressionado a mão em meu pescoço, pedindo também.
— É claro, Zafrina — concordei.
— Seremos grandes amigas, minha Nessie — declarara a mulher selvagem antes de partir com as irmãs.
O clã irlandês continuou o êxodo.
— Muito bem, Siobhan — Carlisle a cumprimentou ao se despedirem.
— Ah, o poder da vontade — respondeu ela com sarcasmo, revirando os olhos. E então ela falou seriamente — Naturalmente, ainda não acabou. Os Volturi não perdoarão o que aconteceu aqui.
Foi Edward quem respondeu.
— Eles ficaram seriamente abalados; sua confiança foi abalada. Mas, sim, sei que um dia eles se recuperarão do golpe. E então... — Seus olhos se estreitaram. — Imagino que tentarão nos pegar separadamente.
— Alice nos alertará quando eles pretenderem atacar — disse Siobhan com a voz segura. — E vamos nos reunir novamente. Talvez um dia nosso mundo esteja pronto para se libertar dos Volturi para sempre.
— Esse dia pode mesmo chegar — respondeu Carlisle. — Se isso acontecer, estaremos unidos.
— Sim, meu amigo, estaremos — concordou Siobhan. — E como poderemos falhar, se eu desejar o contrário? — Ela soltou uma gargalhada ruidosa.
— Exatamente — disse Carlisle. Ele e Siobhan se abraçaram, depois ele apertou a mão de Liam. — Procure Alistair e conte-lhe o que aconteceu. Odeio pensar nele se escondendo debaixo de uma pedra por uma década.
Siobhan riu de novo. Maggie abraçou a mim e a Nessie, e então o clã irlandês se foi. Os Denali foram os últimos a partir. Garrett com eles – como seria a partir de agora, eu tinha certeza absoluta. O clima de comemoração era muito para Tanya e Kate. Elas precisavam de tempo para prantear a irmã.
Huilen e Nahuel foram os que ficaram, embora eu tivesse esperado que os dois voltassem com as Amazonas. Carlisle estava mergulhado em uma fascinante conversa com Huilen; Nahuel estava sentado junto dela, ouvindo Edward nos contar a história do conflito que só ele conhecia.
— Alice deu a Aro a desculpa de que ele precisava para sair da luta. Se não tivesse ficado tão apavorado com Bella, provavelmente teria ido em frente com seu plano original.
— Apavorado? — eu disse ceticamente. — Comigo?
Ele sorriu para mim com uma expressão que não reconheci inteiramente – era terna, mas também pasma e até exasperada.
— Quando é que vai ver a si mesma com clareza? — perguntou ele suavemente. Depois falou mais alto, tanto para os outros quanto para mim: — Os Volturi não têm uma luta justa há cerca de dois mil e quinhentos anos. E eles nunca, jamais lutaram em desvantagem. Especialmente desde que conquistaram Jane e Alec, eles só se envolveram em carnificinas sem oposição. Deviam ter visto como eles nos enxergaram! Em geral, Alec elimina todos os sentidos e sensações de suas vítimas enquanto eles fazem o teatro do conselho. Assim, ninguém pode fugir quando o veredito é dado. Mas lá estávamos nós, preparados, esperando, em maior número do que eles, com nossos dons enquanto os deles eram anulados por Bella. Aro sabia que, com Zafrina do nosso lado, eles seriam os cegos quando a batalha começasse. Sei que nosso grupo teria sido severamente reduzido, mas eles tinham certeza de que o deles também. Havia até uma boa possibilidade de que perdessem. Eles nunca antes enfrentaram essa possibilidade. E não lidaram bem com ela hoje.
— É difícil se sentir confiante quando se está cercado de lobos do tamanho de cavalos — Emmett riu, cutucando o braço de Jacob.
Jacob abriu um sorriso para ele.
— Foram os lobos que os refrearam de início — eu disse.
— Claro que foram — concordou Jacob.
— Certamente — concordou Edward. — Essa foi outra visão que eles nunca tiveram. Os verdadeiros Filhos da Lua raras vezes andam em matilhas, e nunca têm muito controle sobre si mesmos. Dezesseis lobos imensos em regimento foram uma surpresa para a qual eles não estavam preparados. Caius na verdade tem pavor de lobisomens. Ele quase perdeu uma luta com um deles há alguns milhares de anos e nunca se recuperou totalmente.
— Então existem lobisomens de verdade? — perguntei. — Com lua cheia, balas de prata e tudo isso?
Jacob bufou.
— De verdade. Isso me torna imaginário?
— Sabe o que eu quis dizer.
— Lua cheia, sim — disse Edward. — Balas de prata, não... Esse foi mais um mito criado para que os humanos sentissem que tinham uma chance. Não restam muitos deles. Caius os caçou até quase a extinção.
— E você nunca falou nisso porque...?
— O assunto nunca surgiu.
Revirei os olhos e Alice riu, inclinando-se para a frente – ela estava enfiada debaixo do outro braço de Edward – e piscou para mim. Eu a fuzilei com os olhos.
Eu a amava loucamente, é claro. Mas agora que tivera tempo de me conscientizar de que ela na verdade estava em casa, que sua fuga fora somente um ardil para fazer Edward acreditar que ela nos abandonara, começava a ficar muito irritada. Alice tinha algumas explicações a dar.
Ela suspirou.
— Fale logo, Bella.
— Como pôde fazer isso comigo, Alice?
— Era necessário.
— Necessário! — explodi. — Você me deixou totalmente convencida de que todos íamos morrer! Eu fiquei um caco por semanas.
— Podia ter sido assim — disse ela calmamente. — E, nesse caso, você precisava estar preparada para salvar Nessie.
Por instinto, abracei Nessie – agora dormindo em meu colo com mais força.
— Mas você sabia que havia outros caminhos — eu a acusei. — Sabia que havia esperança. Não lhe ocorreu que podia ter me contado tudo? Eu sei que Edward tinha de pensar que íamos morrer, por causa de Aro, mas você podia ter contado a mim.
Ela me olhou especulativamente por um momento.
— Não creio — disse ela. — Você não é uma atriz muito boa.
— Mas então foi tudo por causa de meu talento como atriz?
— Ah, menos, Bella. Tem alguma ideia de como isso foi complicado de articular? Eu nem tinha certeza de que existia alguém como Nahuel... Tudo o que eu sabia era que ia procurar algo que eu não podia ver! Tente imaginar a busca de um ponto cego... Não é a coisa mais fácil que fiz na vida. Além disso, tínhamos de mandar as testemunhas, como se tivéssemos tempo de sobra... E ainda manter os olhos abertos o tempo todo para o caso de você decidir me dar mais instruções. Alguma hora você vai ter de me dizer exatamente o que está no Rio. E, antes de tudo isso, tinha de tentar ver cada truque que os Volturi pudessem estar preparando e dar a vocês as poucas dicas que podia, de modo que estivessem prontos para a estratégia deles, e eu só tinha algumas horas para identificar todas as possibilidades. Acima de tudo, eu tinha de me certificar de que vocês todos acreditassem plenamente que eu os estava abandonando, porque Aro tinha de ter certeza de que vocês não tinham nada guardado na manga ou ele nunca teria se comprometido com uma saída daquela. E se acha que não me senti desprezível...
— Tudo bem, tudo bem! — interrompi. — Desculpe-me! Sei que foi duro para você também. É só que... bom, eu senti uma saudade louca de você, Alice. Não faça isso comigo de novo.
O riso melodioso de Alice ressoou pela sala, e todos sorrimos ao ouvir aquela música mais uma vez.
— Também senti saudades suas, Bella. Então me perdoe, e procure se contentar em ser a super-heroína do dia.
Todos os outros riram, e eu escondi o rosto no cabelo de Nessie, constrangida.
Edward voltou a analisar cada mudança de intenção e controle que ocorrera na campina, declarando que fora meu escudo que fizera os Volturi fugir com o rabo entre as pernas. O modo como todos me olhavam me deixou pouco à vontade. Até Edward. Era como se eu tivesse crescido uns trinta metros naquela manhã. Tentei ignorar os olhares impressionados, mantendo os meus olhos no rosto adormecido de Nessie e na expressão inalterada de Jacob. Eu sempre seria simplesmente Bella para ele, e isso era um alívio.
O olhar mais difícil de ignorar era também o mais perturbador.
Não que aquele Nahuel parte humano, parte vampiro estivesse acostumado a me ver de determinada maneira. Pelo que ele sabia, eu podia sair por aí derrotando vampiros todos os dias, e a cena na campina não tivera nada de incomum. Mas o rapaz não tirava os olhos de mim. Ou talvez ele estivesse olhando para Nessie. O que também me deixava pouco à vontade.
Ele não podia ficar alheio ao fato de que Nessie era a única fêmea de sua espécie que não era meia-irmã dele.
Eu não achava que a ideia já tivesse ocorrido a Jacob. E esperava que demorasse a ocorrer. Já tivera brigas suficientes por um bom tempo.
Por fim, os outros pararam de fazer perguntas a Edward e a discussão se dissolveu em um monte de conversas menores.
Eu me sentia estranhamente cansada. Não sonolenta, é claro, mas como se o dia tivesse sido longo demais. Eu queria alguma paz, alguma normalidade. Queria Nessie em sua cama; queria as paredes de minha pequena casa à minha volta.
Olhei para Edward e senti por um momento que podia ler a mente dele. Eu podia ver que ele sentia exatamente o mesmo. Pronto para um pouco de paz.
— Devemos levar Nessie...
— É uma boa ideia — concordou ele rapidamente. — Sei que ela não dormiu muito na noite passada, com todos aqueles roncos.
Ele sorriu para Jacob. Jacob revirou os olhos e bocejou.
— Já faz algum tempo que não durmo em uma cama. Aposto que meu pai ficará feliz por me ter sob o teto dele de novo.
Eu toquei seu rosto.
— Obrigada, Jacob.
— Disponha, Bella. Mas você já sabe disso.
Ele se levantou, espreguiçou-se, beijou o alto da cabeça de Nessie e então o alto da minha. Por fim, deu um soco no ombro de Edward.
— Vejo vocês amanhã. Acho que as coisas vão ficar meio chatas agora, não é?
— Espero fervorosamente que sim — disse Edward.
Nós nos levantamos quando ele foi embora; eu me movia com cuidado para que Nessie não tivesse nenhum sobressalto. Eu me sentia profundamente grata por vê-la em sono profundo. Seus pequenos ombros haviam suportado tanto peso! Estava na hora de ela voltar a ser criança – protegida e segura. Mais alguns anos de infância.
A ideia de paz e segurança me lembrou de alguém que não tinha essas sensações o tempo todo.
— Ah, Jasper? — perguntei quando nos viramos para a porta.
Jasper estava espremido entre Alice e Esme, de certo modo parecendo mais central ao quadro da família do que o normal.
— Sim, Bella?
— Estou curiosa... Por que J. Jenks morre de medo só de ouvir o seu nome?
Jasper riu.
— Segundo minha experiência, alguns relacionamentos profissionais funcionam melhor motivados pelo medo do que pela recompensa financeira.
Franzi a testa, prometendo a mim mesma que, a partir dali, assumiria aquele relacionamento profissional, e pouparia J do ataque cardíaco que certamente estava a caminho.
Fomos beijados e abraçados e desejamos boa-noite à nossa família. O único que destoava era ainda Nahuel, que nos olhava intensamente, como se desejasse nos seguir.
Depois que estávamos do outro lado do rio, andamos pouco mais rápido do que a velocidade humana, sem pressa, de mãos dadas. Eu estava cansada de viver sob o peso de um prazo, e só queria agir sem pressa. Edward devia estar sentindo o mesmo.
— Tenho de dizer que estou impressionadíssimo com Jacob — disse Edward.
— Os lobos causam um impacto e tanto, não é?
— Não é a isso que me refiro. Nem uma vez hoje ele pensou no fato de que, segundo Nahuel, Nessie estará plenamente amadurecida daqui a apenas seis anos e meio.
Pensei nisso por um minuto.
— Ele não a vê dessa forma. Ele não tem pressa de que ela cresça. Só quer que ela seja feliz.
— Eu sei. Como eu disse, é impressionante. É estranho dizer isso, mas ela poderia fazer uma escolha pior.
Eu franzi a testa.
— Não vou pensar nisso por mais uns seis anos e meio.
Edward riu e suspirou.
— É claro que parece que ele vai ter de se preocupar com a competição quando chegar a hora.
Minha testa franziu ainda mais.
— Eu percebi. Estou grata a Nahuel por hoje, mas aqueles olhares o tempo todo foram meio esquisitos. Não me importo se ela é a única quase vampira que não é parente dele.
— Ah, ele não estava olhando para ela... Era para você.
Foi o que me pareceu... Mas não fazia sentido.
— Por que ele faria isso?
— Porque você está viva — disse ele baixinho.
— Estou boiando.
— Toda a vida dele — explicou Edward — ... e ele é cinquenta anos mais velho do que eu...
— Decrépito — comentei.
Ele me ignorou.
— Ele sempre pensou em si como uma criação do mal, um assassino por natureza. As irmãs mataram as mães também, mas elas não deram importância a isso. Joham as criou para pensar nos humanos como animais, enquanto eles eram deuses. Mas Nahuel foi educado por Huilen, e Huilen amava a irmã mais do que qualquer outra pessoa. Isso moldou toda a perspectiva mental dele. E, de certa maneira, ele se odiava verdadeiramente.
— Isso é muito triste — murmurei.
— E então ele nos viu, os três... e pela primeira vez percebeu que só porque é meio imortal não é inerentemente mau. Ele olha para mim e vê... o que o pai devia ter sido.
— Você é mesmo ideal em todos os aspectos — concordei.
Ele bufou e ficou sério de novo.
— Ele olha para você e vê a vida que a mãe devia ter tido.
— Pobre Nahuel — murmurei, e então suspirei porque eu sabia que nunca seria capaz de pensar mal dele depois disso, por mais desconfortável que seu olhar me deixasse.
— Não fique triste por ele. Ele está feliz agora. Hoje ele finalmente começou a se perdoar.
Eu sorri com a felicidade de Nahuel e então pensei que aquele dia fora mesmo de felicidade. Embora o sacrifício de Irina fosse uma sombra escura contra a luz branca, evitando a perfeição do momento, era impossível negar a alegria. A vida por que eu havia lutado estava segura de novo. Minha família estava reunida. Mina filha tinha um lindo futuro que se estendia interminavelmente à sua frente. No dia seguinte, eu iria ver meu pai; ele veria que o medo em meus olhos fora substituído pela alegria, e também ficaria feliz. De repente, eu tinha certeza de que não o encontraria sozinho. Eu não fora muito observadora nas últimas semanas, mas nesse momento foi como se eu soubesse o tempo todo. Sue estaria com Charlie – a mãe dos lobisomens com o pai da vampira – e ele não ficaria mais sozinho. Abri um sorriso largo com esse novo insight.
Mas o mais significativo nessa maré de felicidade era o fato mais certo de todos: eu estava com Edward. Para sempre. Não que eu quisesse repetir as últimas semanas, mas eu precisava admitir que elas me fizeram apreciar mais ainda o que eu tinha.
O chalé era um lugar de absoluta paz na noite azul-prateada. Levamos Nessie até sua cama e a aconchegamos ali delicadamente. Ela sorria dormindo.
Tirei o presente de Aro do pescoço e o joguei no canto do quarto dela. Ela podia brincar com ele, se quisesse; ela gostava de coisas cintilantes.
Edward e eu caminhamos lentamente para nosso quarto, balançando os braços entre nós.
— Uma noite para comemorações — murmurou ele, e pôs a mão sob meu queixo para levantar meus lábios para os dele.
— Espere — hesitei, afastando-me.
Ele me olhou, confuso. Como regra geral, eu não me afastava. Tudo bem, era mais do que uma regra geral. Era a maior de todas.
— Quero experimentar algo — disse a ele, sorrindo de leve de sua expressão estupefata.
Pus as mãos dos dois lados de seu rosto e fechei os olhos, concentrada.
Eu não me saíra muito bem quando Zafrina tentara me ensinar, mas agora eu conhecia melhor meu escudo. Entendia a parte que combatia a separação de mim, o instinto automático para a autopreservação acima de qualquer coisa.
Ainda não era nem de longe tão fácil quanto proteger outras pessoas junto comigo. Senti o puxão elástico de novo enquanto meu escudo lutava para me proteger. Tive de lutar para empurrado inteiramente para fora de mim; precisei de toda minha concentração.
— Bella! — Edward sussurrou, em choque.
Eu soube então que estava funcionando, e me concentrei ainda mais, trazendo as lembranças específicas que eu havia poupado para esse momento, deixando que inundassem minha mente e, com sorte, a dele também.
Parte das lembranças não era clara – lembranças humanas indistintas, vistas através de olhos fracos e ouvidas por ouvidos fracos: a primeira vez em que vira o rosto dele... o que senti quando ele me segurou na campina... o som de sua voz na escuridão de minha consciência vacilante, quando ele me salvara de James... seu rosto enquanto me esperava sob o dossel de flores no dia do nosso casamento... cada momento precioso na ilha... suas mãos frias tocando nosso bebê através da minha pele...
E as lembranças agudas, perfeitamente recordadas: seu rosto quando eu abrira os olhos para minha nova vida, para o interminável amanhecer da imortalidade... aquele primeiro beijo... aquela primeira noite...
Os lábios de Edward, de repente ferozes nos meus, romperam minha concentração.
Com um arquejo, deixei escapar o peso vibrante que tentava manter afastado de mim. Ele voltou como um elástico esticado, protegendo meus pensamentos de novo.
— Epa, perdi! — suspirei.
— Eu ouvi você — sussurrou ele. — Como? Como fez isso?
— Ideia de Zafrina. Treinamos algumas vezes.
Ele estava atordoado. Piscou duas vezes e sacudiu a cabeça.
— Agora você sabe — eu disse baixinho e dei de ombros. — Ninguém jamais amou alguém como eu amo você.
— Você quase tem razão. — Ele sorriu, os olhos ainda um pouco maiores do que o normal. — Só sei de uma exceção.
— Mentiroso.
Ele começou a me beijar de novo, mas parou de repente.
— Pode fazer isso outra vez? — perguntou.
Fiz uma careta.
— É muito difícil.
Ele esperou, a expressão ansiosa.
— Não consigo me fixar se tiver a mais leve distração — alertei-o.
— Vou me comportar — ele prometeu.
Franzi os lábios, meus olhos se estreitando. Depois sorri.
Coloquei as mãos em seu rosto de novo, lançando o escudo para fora de minha mente, e então comecei onde eu havia parado – com a lembrança clara como cristal da primeira noite de minha nova vida... demorando-me nos detalhes.
Eu ri sem fôlego quando seu beijo ansioso interrompeu meus esforços de novo.
— Droga — grunhiu ele, beijando faminto a linha do meu maxilar.
— Temos muito tempo para trabalhar nisso — lembrei a ele.
— Para sempre, para sempre e para sempre — ele murmurou.
— Isso soa perfeito para mim.
E assim, alegremente, continuamos aquela parte pequena e perfeita de nossa eternidade.

31 comentários:

  1. A Stephanie Meyer é fantástica mas esse final ficaria mais interessante se o Aro Volturi tivesse uma filha híbrida cujo dom seria a telecinesia. Ela seria criada pela tia Didyme a qual possui o dom de controlar as mentes fazendo com que Aro pensasse que a tinha matado. Acho que ficaria legal, poderia desenvolver um livro a partir da criação dos Volturi e como essa criança veio ao mundo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. CA-RA-CA, que viagem! Hahahah!!

      Excluir
    2. Neh?! kkkkkkkkk Amei! Você daria uma boa autora de histórias de fantasia! Meu Deus! Nunca tinha pensado nisso kkkk

      Excluir
    3. Nossa!! eu que pensei que era a única que viajava na maionese na minha imaginação, Kkkkkk
      olha só uns trechinhos que eu já imaginei

      Bella, se tornando a vampira mais poderosa, podendo ter todos os poderes mentais possíveis, pois cá entre nós todos concordamos que Bella tem a mente um tanto... desnorteada.
      Reneesme crescer e se apaixonar por um cara vampiro também, Jacob se sentir com ciúmes, e matando o vampiro, que roubou o coração de Nessie, Nessie ama Jacob, mas começa a querer não falar com ele pois matou o outro que dividira o coração dela ao dele. Jake estremamente culpado.
      Os vampiros criando uma richa, novamente com os lobos.
      Nisso os Volturi voltam e atormentam os Cullen(como sempre)
      Aro cai na fogueira que jacob jogou o vampiro que Nessie se apaixonou e morre, fazendo assim Carlisce assumir o comando.
      Mas ai eles descobrem que o vampiro que Nessie se apaixonou era do mau, só querendo mata-la quando tivesse a oportunidade, pois abomina essa história de humana-vampira, e fora enviada pelos Volturi
      Somente Bella, podendo acabar com toda briga, e para isso fazendo um sacrifico enorme tendo que voltar a sua indecisão a anos atrás como humana, vampiros, ou lobizomens???



      CARA é tantas coisas que eu imagino!!!!
      vou começar a investir em fanfics kkkkk



      Ps: E sim, meu nome é Isabella e sou apelidada de Bellla kkkkk

      Excluir
  2. Ainda é spoiler se eu contar o final nos comentários deste capítulo??? Porque... né? -_-

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkk não, pode comentar o capítulo aqui!

      Excluir
    2. Está história marcou para sempre está geração...

      Excluir
  3. Q final incrível ! Não acredito q acabou ! Queia tanto mais uma continuação!!! Bella e Edward eu amo vocês ! Não !! Eu amo todos vocês !!

    Assi: Apaixonada por livros.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. né, eu queria q tivesse um final em q os Volturi fossem massacrados e q os germânicos voltassem a governar a bagaça toda n sei pq mas eu gostei dos germânicos será q fui o único??
      Gu-filho de Hades

      Excluir
  4. MEU DEUS o que foi essa quase"luta"meu deus eu vi o filme se fosse igual a Bells teria matado o aro com a ajuda do Edward

    ResponderExcluir
  5. amoooooooooooooooooooooooooooooooooooo <3 *-*

    ResponderExcluir
  6. Que triste acabou...parabéns por copiar a história!!

    ResponderExcluir
  7. Caramba acabou ! Saga fantastica ..parabens e muito obrigado por transcrevelo !!

    ResponderExcluir
  8. So eu que queria q o final fosse menos vago? Fiquei triste

    ResponderExcluir
  9. eu queria mais (detalhes), mas no geral gostei da historia,(pena que acabou).

    ResponderExcluir
  10. Apaixonada por Edward Cullen2 de maio de 2016 23:23

    Não a palavras para descrever o que eu estou sentindo.
    Quando eu tinha doze anos comecei a ler a saga, e desde o primeiro livro(Crepusculo)eu me envolvi por completo na historia, eu comecei a ter uma obseção por ler.
    Eu lembro que tive que ficar sem ler o primeiro livro por um final de semana.Eu quase enlouqueci,passei a sexta-feira e o sábado sem comer nada, eu so queria chorar cada vez mais por estar sem eles.
    Foi nesse fim de semana que eu descobri que a razão pela qual eu queria ler sem parar o livro e que EU ME APAIXONEI PELO EDWARD CULLEN INCONDICIONALMENTE.
    Conesso que ainda o amo e fico triste por ter acabado.
    Mais fico imensamente grata por Stephanie Meyer ter nós relatado esse mais perfeito conto de fadas.
    Estou chorando de emoção pois pela quarta vez seguida leio toda a saga, e lhes digo o MEU AMOR pelo EDWARD CULLEN so continua a se intensificar,eu o amo loucamente.
    Se um dia me perguntarem se eu acho que essa saga e verdadeira, não a duvidas que eu direi sempre SIM.
    Ninguem poderia inventar ssa historia perfeita,isso não e um conto e um documentário se me declararem louca por essas palavras EU NÃO LIGO.
    Podem me condenar a morte, e dizerem que minha única maneira de sobreviver e dizer que essa historia(que para mim) e a mais pura das verdades e falsa, EU MORRO DIZENDO QUE E VERDADE.
    EU MORRO POR ELES TODOS OS CULLEN E TODOS DAS MATILHAS,MAS PELO MEU AMADO EDWARD EU MORRO NO SEU LUGAR INFINITAS VEZES A PERMITIR QUE TOQUEM EU UM UNICO FIO DE CABELO DELE.
    Minha obseção por VAMPIROS(especialmente os Cullen)e fascinante, e apesar da minha vida como humana ter acabado eu sinto que posso ser feliz com uma única coisa, e que sem ela fico infeliz para sempre o AMOR DELE.
    Mesmo sem se passar comigo eu sintia(e ainda sinto)as mesmas coisas que a Bella, eu penso como ela,e sem duvidas o amo mais que ela.
    Doi em pensar que a saga acabou...mais eu sei que não e o fim dele, so eu e Deus sabemos como eu sofro em pensar nisso,a historia continua.
    Obrigada por acolherem ao meu desabafo emocional.
    Desculpe se por acasso ofendi alguém.
    Essa historia despertou o amor dentro de mim,e de muitos e muitas além de mim.
    Mais saibam:
    Edward Cullen é,e sempre sera SÓ MEU.
    FOREVER
    FOREVER
    FOREVER
    FOREVER

    Ass:
    Apoixonada por ELE!

    ResponderExcluir
  11. O filme é melhor, nunca pensei q diria isso um dia, mas fala sério, cadê a batalha? cadê a ação? E me desculpem aí, mas vampiro q não faz mal a ninguém não é vampiro! Prefiro Nosferatu rsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sério? Achei o filme tãaao ruim... aquela luta impossível. Alice nunca enxergaria aquele futuro, lobos e Renesmee são pontos cegos.

      Excluir
    2. Ai k! Crepúsculo não é meu estilo de leitura. Eu já tinha visto o filme e achei ruim muito "mela cueca kkk" só q o último filme achei interessante a batalha e sinceramente li a saga inteira esperando uma batalha super, mega incrível! Me decepcionei :(. Mas o livro não é ruim só não faz meu estilo eu gosto de ação, drama e terror! Como q a autora usa o sobrenatural achei q deveria ter mais ação. Meu escritor favorito é Stephen King, então acho q dá para entender pq não gostei neh! *-*

      Excluir
  12. Essa história com certeza ganhou. um espaço ainda maior em meu CORAÇAO. O amor de Bella por Edward,Renesmee e Jacob prova q a força de um amor é
    INESPLIVAVEL. ÚNICA . PRA SEMPRE. VERDADEIRA . A doçura e fofura de Renesmee. A amizade inpenetravel e rara de Jacob. O amor incondicional e puro de Edward...Me retrata o mundo literário que nos prende neles.EU NUNCA ESQUECEREI ESSE TRIO..ESSA CLÃ ..ESSA MATILHA..ESSA FAMILIA..E ESSES NOVOS AMIGOS ... E PRINCIPALMENTE ESSA HISTORIA.. CONSERTEZA ELA GANHOU UM ENORME ESPAÇO NO MEU CORACION...

    ResponderExcluir
  13. Ai.Meu.DEUS !!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  14. Emocionadissima aqui!!!!!!
    Já é a segunda vez que eu leio a saga completa! Obrigada por disponibilizar a possibilidade de leitura de livros tão bons e que com certeza marcaram toda uma geração!!! Essa saga fez parte da minha adolecencia e vai continuar fazendo parte de toda a minha vida pq certamente farei a leitura dela mais e mais vezes!!!!
    OBS: adoooooooro ler oscomentarios dos meu amigos leitores no final dos capitulos!!! Vcs são os melhores kkkkkkkkkkkkkkkk
    Bjo
    Amoooooooooo esta saga

    ResponderExcluir
  15. Meu Deus <3 *-------*
    AMEI <3
    Adorei a história *-*

    ResponderExcluir
  16. Esse final ficou tão clichê 😑

    ResponderExcluir
  17. Simplesmente ameeeeiiii!!!! A saga completa é maravilhosa, já tinha assistido a todos os filmes da saga apesar de nunca ter sido fã.
    nunca tinha lido os livros e posso dizer com toda certeza que o livro é muito melhor do que o filme e fez com que eu me apaixonasse pela história e pelos personagens do jeito que o filme não foi capaz de fazer.....
    Amo
    Amo
    Amo
    Completamente apaixonadaaa, obrigada Karina por ter postado!!!����
    Amei do começo ao fim e concerteza vou ler novamente pq já estou com saudades!!!

    ResponderExcluir
  18. Eu amei e gostaria que escrevessem um livro sobre o Aro, apesar de ser vilão tenho uma afeição por ele kkkkk seria legal saber a história dele, como se tornou vampiro e de como se tornou o líder dos Volturi...

    ResponderExcluir
  19. Nossa que escritora fantástica este livro ficou incrível já li e reli centenas de vezes até viajei mais o mais interessante o que deixa o livro interessante diria que seja por que não ficou igual ao filme e que cada vez que lemos da um suspense que faz agente querer ler mais parabéns para quem conseguiu ler esta maravilhosa história de amor e a escritora Stephenie Meyer

    ResponderExcluir
  20. que pena que acabou queria ler mais :'(

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!