30 de setembro de 2015

Capítulo 24

— Esse foi realmente o mais prodigioso círculo que eu já experimentei! — Damien falou emocionado depois que o círculo foi fechado e estávamos juntando as velas e o galho de reza.
— Eu achei que “prodigioso” significasse “grande” — Shaunee declarou.
— Também pode mostrar excitação e se referenciar para algo estupendo e monumental — explicou Damien.
— Pela primeira vez não vou discutir com você — Shaunee disse, surpreendendo todos menos Erin.
— Yeah, o círculo foi prodigioso — concordou Erin.
— Sabe que eu realmente consegui sentir a terra quando Zoey a chamou? — Stevie Rae comentou. — Foi como se de repente eu estivesse cercada por um campo de trigo. Não, foi mais que ser cercada por isso. Era como se de repente eu fosse parte disso.
— Eu sei exatamente o que você quer dizer. Quando ela chamou a chama foi como se fogo explodisse dentro de mim — Shaunee declarou.
Eu tentei entender o que eu estava sentindo enquanto os quatro conversam juntos alegremente. Eu estava definitivamente feliz, mas sobrepujada e um pouco mais do que um pouco confusa. Então era verdade, eu tinha algum tipo de afinidade com os cinco elementos. Por quê?
Só pra derrubar Aphrodite? (O que, por sinal, eu ainda não fazia ideia de como fazer). Não, eu acho que não. Porque Nyx iria me conceder um poder tão raro, só para poder chutar a bunda da mimada líder de um grupo?
Ok, as Filhas das Trevas eram mais do que um conselho estudantil ou tanto faz, mas ainda sim.
— Zoey, você está bem?
A voz preocupada de Damien me tirar os olhos de Nala, e eu percebi que estava sentada no meio do que costumava ser o círculo, com meu gato no colo, completamente envolta e meus próprios pensamentos enquanto acariciava a cabeça dela.
— Oh, sim. Desculpe. Estou bem, só um pouco distraída.
— Deveríamos voltar. Está ficando tarde — Stevie Rae disse.
— Ok. Você está certa — eu disse, e levantei, ainda segurando Nala. Mas não consegui fazer meus pés os seguirem quando eles começaram a andar de volta para o dormitório. 
— Zoey?
Damien, o primeiro a notar minha hesitação, parou e me chamou, e então meus outros amigos pararam, e viraram para mim com expressões que variavam de preocupação a confusão.
— Uh, vocês podem ir na frente? Eu vou ficar aqui um pouco mais.
— Poderíamos ficar com você e... — Damien começou, mas Stevie Rae (abençoado seja o coração caipira dela) o interrompeu.
— Zoey precisa pensar sozinha. Você não precisaria se você tivesse acabado de descobrir que você é o único calouro conhecido na história que tem uma afinidade pelos cinco elementos?
— Eu suponho que sim — Damien respondeu relutantemente.
— Mas não esqueça que vai amanhecer logo — observou Erin.
Eu sorri os ressegurando. — Não vou. Vou voltar para o dormitório logo.
— Vou fazer um sanduíche pra você e tentar conseguir umas batatinhas para acompanhar sua coca não dietética. É importante que a Alta Sacerdotisa coma depois que ela faz um ritual — Stevie Rae disse com um sorriso e um aceno enquanto ela levava os outros três com ela.
Eu agradeci a Stevie Rae enquanto eles desapareciam na escuridão. Então andei até a árvore e sentei, colocando minhas costas contra o grosso tronco. Eu fechei os olhos e acariciei Nala. O ronronar dela era normal e familiar e incrivelmente tranquilizador, e pareceu me ajudar a me colocar no chão.
— Ainda sou eu — eu sussurrei para minha gata. — Como vovó disse. Todas as outras coisas podem mudar, mas a Zoey verdadeira - a que eu tenho sido há dezesseis anos - ainda é Zoey.
Talvez se eu repetisse de novo e de novo o suficiente para mim mesma, eu realmente acreditasse. Eu descansei meu rosto em uma mão e acariciei minha gata com a outra, e disse a mim mesma que ainda era eu... Ainda eu... Ainda eu...
— Vê como ela inclina sua bochecha contra a mão dela! Oh, eu uso uma luva nessa mão, para poder tocar essa bochecha!
Nala "me-eeh-uf-owed" reclamando enquanto eu pulei surpresa.
— Parece que eu continuo a te encontrar perto dessa árvore — Erik disse, sorrindo para mim parecendo bem.
Ele me fez sentir uma agitação no meu estomago, mas hoje à noite ele também me fez sentir algo mais. Porque exatamente ele continuava me “achando”? E exatamente há quanto tempo ele estava me vendo?
— O que você está fazendo aqui Erik?
— É bom ver você também. E sim, eu gostaria de sentar, obrigado — ele disse e começou a sentar do meu lado.
Eu levantei, fazendo Nala ronronar de novo.
— Na verdade, eu ia voltar para o meu dormitório.
— Hey, não quis te intrometer nem nada. Eu só não consegui me concentrar no dever de casa então vim dar uma volta. Eu acho que meus pés me trouxeram para cá sem que eu mandasse neles, porque a próxima coisa que eu vi eu estava aqui do seu lado. Eu realmente não estou te perseguindo. Juro.
Ele colocou a mão nos bolsos e parecia totalmente embaraçado. Bem, totalmente fofo e embaraçado, e eu lembrei o quando eu queria dizer sim para ele mais cedo quando ele me convidou para assistir filmes nerds com ele. E agora aqui estava eu, rejeitando ele e o fazendo ficar desconfortável de novo. Era de se admirar que o cara sequer falasse comigo. Claramente, eu estava levando o negócio da Alta Sacerdotisa a sério demais. 
— Então que tal me levar de volta para meu dormitório? De novo — eu perguntei.
— Parece bom.
Dessa vez Nala reclamou quando eu tentei carregar ela. Ao invés disso ela trotou junto conosco, enquanto Erik e eu andávamos juntos tão fácil quanto tinha sido antes. Ele não disse nada por um tempo. Eu queria perguntar a ele sobre Aphrodite, ou pelo menos dizer a ele o que ela me disse sobre ele, mas eu não consegui inventar um bom jeito de dizer algo que eu provavelmente não deveria perguntar para ele.
— Então o que você estava fazendo aqui há essa hora? — ele perguntou.
— Pensando — eu disse o que tecnicamente não era uma mentira. — Eu estava pensando. Muito. — Antes, durante, e depois do círculo que eu convincentemente não iria mencionar.
— Oh. Você está preocupada com aquele cara Heath?
Na verdade, eu não pensei muito em Heath e Kayla desde que falei com Neferet, mas eu dei nos ombros, sem querer especificar sobre o que eu estava pensando.
— Eu quero dizer, eu acho que é provavelmente difícil terminar com alguém só porque você foi Marcada — ele disse.
— Eu não terminei com ele porque fui Marcada. Ele e eu basicamente terminamos antes disso. A Marca só fez ser uma decisão mais final. — Eu olhei para Erik e respirei fundo. — E quanto a você e Aphrodite?
Ele piscou surpreso. — Como assim?
— Hoje ela me disse que você nunca será o ex dela porque você sempre será dela.
Os olhos dele se estreitaram e ele parecia realmente fulo. — Aphrodite tem um sério problema para dizer a verdade.
— Bem, não que seja da minha conta, mas...
— É da sua conta — ele disse rapidamente. E então, me chocando totalmente, ele pegou minha mão. — Pelo menos eu gostaria que fosse da sua conta.
— Oh — eu disse. — Ok, bem, ok. — De novo, eu estava certa que eu o estava impressionando com minha habilidade de conversação.
— Então você não estava só me evitando hoje à noite; você realmente tinha algo para fazer?
Ele perguntou devagar.
— Eu não estava evitando você. Só tem... — eu hesitei, sem ter certeza de como diabos explicar algo que eu tinha certeza que não deveria explicar para ele. — Tem muita coisa acontecendo comigo agora. Essa Mudança e bem confusa às vezes.
— Melhora — ele disse, apertando minha mão.
— De alguma forma, para mim, eu duvido — eu murmurei.
Ele riu e bateu na minha Marca com seu dedo. — Você está na frente do resto de nós. Isso é difícil no começo, mas, acredite em mim, vai ficar mais fácil - mesmo para você.
Eu suspirei. — Eu espero que sim. — Mas eu duvidava.
Paramos na frente do dormitório, e ele se virou para mim, a voz dele de repente baixa e séria.
— Z, não acredite na merda que a Aphrodite diz. Ela e eu não ficamos juntos há meses.
— Mas vocês costumavam ficar — eu disse.
Ele acenou e o rosto dele parecia cansado.
— Ela não é uma pessoa muito legal, Erik.
— Eu sei disso.
E então eu percebi o que realmente estava me incomodando e decidi, oh, bem, que diabos, eu só vou dizer.
— Eu não gosto que você tenha ficado com alguém maldoso. Me faz sentir estranha sobre querer ficar com você. — Ele abriu a boca para dizer algo e eu continuei falando, sem querer ouvir uma desculpa que eu não tinha certeza se devia ou não acreditar. — Obrigado por me trazer para casa. Fico feliz que você tenha me encontrado de novo.
— Estou feliz por ter te encontrado também — ele disse. — Eu gostaria de te ver de novo Z, e não só por acidente.
Eu hesitei. E me perguntei do porque eu estava hesitando. Eu queria ver ele de novo. Eu precisava esquecer Aphrodite. Sério, ela é realmente bonita e ele é um cara. Ele provavelmente caiu nas feias (e quentes) garras delas antes de saber o que estava acontecendo. Eu quero dizer, ela realmente meio que me lembrava uma aranha. Eu deveria ficar feliz por ela não ter arrancado a cabeça dela, a dar ao cara uma chance.
— Ok, que tal eu assistir aqueles DVDs nerds com você no sábado? — Eu falei depois de conseguir me convencer a não sair com o cara mais lindo dessa escola.
— É um encontro — ele disse.
Obviamente me dando tempo para me afastar se eu quisesse Erik devagar se curvou para me beijar. Os lábios dele eram quentes e ele cheirava muito bem. O beijo foi suave e bom.
Honestamente, me fez querer beijar ele mais. Acabou muito rápido, mas ele não se afastou de mim. Estávamos parados bem perto um do outro, e eu percebi que tinha posto minha mão no peito dele. A mão dele estava descansando nos meu ombro. Eu sorri para ele.
— Estou feliz que você tenha me convidado para sair de novo — eu falei.
— Estou feliz por você finalmente ter dito sim — ele respondeu.
Então ele me beijou de novo, só que dessa vez ele não hesitou. O beijo se aprofundou, e meus braços passaram ao redor dos ombros dele. Eu senti, mais do que ouvi, ele gemeu e enquanto nos beijávamos longamente e com força foi como se ligou um botão dentro de mim, e um quente e elétrico desejo passou por mim. Era louco e incrível, e mais do que o beijo de qualquer outro já me fez sentir.
Eu adorava o jeito que meu corpo se encaixava no dele, duro e suave, e eu me pressionei contra ele, esquecendo sobre Aphrodite e o círculo que tinha acabado de lançar o todo o resto do mundo. Dessa vez quando quebramos o beijo estávamos respirando com força, e nos encaramos. Quando meus sentidos começaram a voltar eu percebi que eu estava totalmente esmagada contra ele e eu estava parada ali na frente do dormitório me agarrando com ele feito uma vadia. Eu comecei a afastar os braços dele.
— Qual o problema? Porque você de repente parece diferente? — ele perguntou, apertando seus braços ao meu redor.
— Erik, não sou como Aphrodite. — Eu me afastei com mais força e ele me soltou.
— Eu sei que você não é. Eu não gostaria de você se fosse igual a ela.
— Não estou falando da minha personalidade. Eu quero dizer ficar parada aqui me agarrando com você não é um comportamento normal para mim.
— Ok. — Ele colocou uma mão em minha direção como se ele quisesse me puxar de volta para os braços dele, mas então ele pareceu mudar de ideia e a mão dele caiu no lado dele. — Zoey, você me faz sentir diferente do que qualquer um já tenha feito antes.
Eu senti meu rosto ficar vermelho e eu não soube dizer se era raiva ou embaraçamento. — Não me idealize, Erik. Eu vi você no corredor com Aphrodite. Você claramente sentiu esse tipo de coisa antes, e mais.
Ele balançou a cabeça e eu vi mágoa nos olhos dele. — O que Aphrodite me faz sentir é físico. O que você me faz sentir é tocar meu coração. Eu sei a diferença Zoey, e eu pensei que você também sabia.
Eu olhei para ele - para aqueles lindos olhos azuis que pareceram me tocar da primeira vez que ele me viu. — Eu sinto muito — eu disse suavemente. — Isso foi maldade minha. Eu sei a diferença.
— Prometa que não vai deixar Aphrodite se intrometer entre nós.
— Eu prometo. — Me assustou, mas falei sério.
— Ótimo.
Nala se materializou da escuridão e começou a andar pelas minhas pernas e reclamar. — É melhor levar ela para dentro e colocar ela na cama.
— Ok. — Ele sorriu e me deu um rápido beijo. — Vejo você no sábado, Z.
Meus lábios formigaram o caminho todo para meu quarto.

9 comentários:

  1. Essa pessoa não fara um comentário porque esta totalmente chocadaaaa :-)

    ResponderExcluir
  2. Até que enfim uma heroina que não é idiota e só faz merda.

    ResponderExcluir
  3. Simplesmente amando esse livro!! Erik e zoey
    💗💗

    ResponderExcluir
  4. O livro é legal eu adoro a parte do sobrenatural e tb do romance , mas a heroína não podia ser um pouco mais difícil não ? Fala sério , ela já agarra o cara antes do encontro deles , eu queria mais drama nisso aí , ia deixar a história mais viciante ......por isso que a seleção foi um sucesso internacional

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, A Seleção foi uma trilogia muito boa, mas a America fez muuuuito cú doce, se vc está afim, vc pega o cara/garota, não tem essa de ficar se fazendo de difícil.

      Excluir
  5. gente os dois sao fofos mas nao perfeitos juntos1!1

    ResponderExcluir
  6. A Zoey bem que podia parar com essa de achar que tudo é coisa de vadia. Fala sério, desde quando beijar um cara no corredor do colégio é condenável, você está atraída por ele, e ele por você, qual o sentido de refrear o desejo? Nenhum, você quer, você pega, não é vulgar, não é errado, é como as coisas são. Agora ficar se refreando com medo do que os outros vão pensar é meio ridículo.

    Mas mudando de assunto, já começou a melação teen de: "Eu nunca me senti assim com mais ninguém" *revirando os olhos*

    Eu realmente tenho uma aversão à romance mal introduzido, desse tipo de nem bem conhecer a pessoa e já estar sentindo essa espécie de amor à primeira vista, ODEIO, mas a história tá boa, então vou engolir né. Só espero que apareçam mais machos, pq romance teen de verdade precisa ter triângulo amoroso, ou quadrado amoroso, quanto mais macho melhor.

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!