30 de setembro de 2015

Capítulo 22

— Ela tem razão — Damien admitiu.
— Ela se juntou as Filhas das Trevas — comentou Shaunee.
— O que!? — Damien gritou a voz dele aumentando vinte oitavas.
— Deixe ela em paz — Stevie Rae falou, instantaneamente vindo em minha defesa. — Ela está fazendo reconhecimento.
— Reconhecimento, o inferno! Se ela se juntar as Filhas das Trevas ela está batalhando com o inimigo a toda — reclamou Damien.
— Bem, ela se juntou — falou Shaunee.
— Ouvimos ela — continuou Erin.
— Olá! Ainda estou aqui — reclamei.
— Então o que você vai fazer? — Damien me perguntou.
— Eu realmente não sei — admiti.
— É melhor você ter um plano e arranjar um rápido ou aquelas bruxas vou te comer no almoço — ameaçou Erin.
— Sim — Shaunee disse, comendo sua salada viciosamente para dar efeito.
— Hey! Ela não tem que descobrir sozinha. Ela tem a nós. — Stevie Rae cruzou os braços por cima do peito e olhou para as Gêmeas.
Eu sorri agradecida a Stevie Rae. — Bem, eu meio que tenho uma ideia.
— Ótimo. Nos diga e vamos trabalhar em cima dela — disse Stevie Rae.
Todos olharam com expectativa para mim. Eu suspirei. — Bem. Hum...
Eu comecei hesitante, com medo de soar como uma idiota, e então decidi que era melhor falar o que estava na minha cabeça desde que falei com vovó, então terminei apressadamente. — Eu pensei em fazer uma antiga purificação baseado no ritual Cherokee e pedir a Nyx me ajudar com um plano.
O silêncio na mesa pareceu durar para sempre. Então Damien finalmente falou — pedir ajuda para Nyx não é uma má ideia.
— Você é Cherokee? — Shaunee perguntou.
— Você parece Cherokee — observou Erin.
— Olá! O sobrenome dela é Redbird. Ela é Cherokee — Stevie Rae comentou com afinidade.
— Bem, isso é bom — Shaunee falou, mas ela parecia com dúvidas.
— Eu apenas acho que Nyx pode realmente me ouvir e - talvez - me dar alguma dica sobre o que eu deveria fazer sobre a horrível Aphrodite. — Eu olhei para cada um dos meus amigos. — Algo dentro de mim diz que é errado deixar ela escapar de toda essa merda que ela está fazendo.
— Me deixe contar a eles! — Stevie Rae pediu de repente. — Eles não vão contar a ninguém. Verdade. E eles vão ajudar se souberem.
— O que diabos? — perguntou Erin.
— Ok, agora você não tem escolha — pressionou Shaunee, apontando para Stevie Rae com seu garfo.
— Ela sabia que se dissesse isso iríamos te incomodar até você nos dizer do que diabos ela está falando.
Eu franzi a testa para Stevie Rae, que deu nos ombros e disse: — Desculpe.
Relutantemente, eu baixei a voz e me inclinei para frente. — Prometam que não vão contar a ninguém.
— Prometemos — eles responderam.
— Eu acho que eu posso sentir os cinco elementos quando o círculo é lançado. — Silêncio. Eles apenas ficaram encarando. Três deles chocados, Stevie Rae presumida.
— Então, vocês ainda acham que ela não pode derrubar Aphrodite? — Stevie Rae perguntou.
— Eu sabia que tinha mais sobre a sua Marca do que cair e bater a cabeça! — Shaunee exclamou.
— Wow — Erin comentou. — Em falar em fofoca.
— Ninguém pode saber! — falei rapidamente.
— Por favor — Shaunee disse. — Só estamos dizendo que algum dia será fofoca.
Damien ignorou as duas. — Eu não acho que existem registros de nenhuma Alta Sacerdotisa que tenha afinidade com os cinco elementos. — A voz de Damien ficou mais excitada quando ele falou. — Você sabe o que isso significa? — Ele não me deu chance de responder. — Significa que você potencialmente pode ser a mais possante Alta Sacerdotisa dos vampiros já conheceram.
— Huh? — eu disse. — Possante?
— Forte - poderosa — ele disse impacientemente. — Você pode ser capaz de derrubar Aphrodite!
— Agora, essa é uma notícia seriamente boa — Erin falou, enquanto Shaunee acenava entusiasmadamente em concordância.
— Então quando nós vamos fazer o negócio da purificação? — Stevie Rae perguntou.
— Nós? — eu perguntei.
— Você não vai fazer isso sozinha Zoey — ela respondeu.
Eu abri minha boca para protestar – eu quero dizer, eu nem tinha certeza do que eu iria fazer.
Eu não queria ver meus amigos misturados com algo que poderia ser - na verdade, provavelmente seria - uma bagunça total. Mas Damien não me deu tempo de dizer não a eles.
— Você precisa de nós — ele falou simplesmente. — Até a mais possante Alta Sacerdotisa precisa do seu círculo.
— Bem, eu na verdade não pensei sobre fazer um círculo. Eu só vou fazer uma coisa de reza purificadora.
— Você não pode fazer um círculo e então rezar pela ajuda de Nyx? — Stevie Rae perguntou.
— Parece lógico — Shaunee concluiu.
— Além do mais, se você realmente tem uma afinidade para os cinco elementos, você será capaz de sentir quando lançar seu próprio círculo. Certo, Damien? — Stevie Rae perguntou. Todos olharam para o gay sábio do nosso grupo.
— Parece lógico para mim — ele respondeu.
Eu ainda ia discutir, embora tudo dentro de mim se sentisse feliz e aliviado e agradecido por meus amigos estarem lá por mim, que eles não iriam me deixar enfrentar essa incerteza sozinha.
Os valorize, eles são pérolas de um grande preço.
A voz familiar flutuou pela minha mente, e eu percebi que não deveria questionar o novo instinto dentro de mim que pareceu ter nascido quando Nyx beijou minha testa e mudou permanentemente minha Marca e minha vida.
— Ok, eu vou precisar de um galho de reza. — Eles olharam em branco para mim, e eu expliquei.
— É para a parte de purificação do ritual, porque não tem água corrente por aqui. Ou tem?
— Você quer dizer um rio ou uma corrente ou algo assim? — Stevie Rae perguntou.
— Sim.
— Bem, tem um pequeno rio que passa pelo jardim fora do salão de jantar e desaparece em algum lugar debaixo da escola — Damien disse.
— Isso não é bom, é muito público. Vamos precisar de um galho de reza. O que funciona melhor é lavanda seca e sálvia misturados juntos, mas se não tiver podemos usar pinho.
— Eu posso conseguir a sálvia e a lavanda — Damien disse. — Eles têm esse tipo de coisa no suplemento da escola para os quintanistas e os sextanistas para a aula de Feitiços e Rituais. Vou apenas dizer que estou ajudando um estudante mais adiantado pegando um pouco para ele. O que mais você precisa?
— Bem, no ritual de purificação vovó sempre agradece as sete sagradas direções que povo Cherokee honra: norte, sul, leste, oeste, sol, terra, e a si próprio. Mas eu acho que quero fazer a reza mais especifica para Nyx. — Eu mordi o lábio, pensando.
— Eu acho que isso é inteligente — Shaunee disse.
— Sim — Erin acrescentou. — Quero dizer, Nyx não é aliada do sol. Ela é a Noite.
— Eu acho que você deve seguir seu instinto — falou Stevie Rae.
— Confiar em si mesma é uma das primeiras coisas que uma Alta Sacerdotisa aprende a fazer — comentou Damien.
— Ok, então também vou precisar de uma vela para cada elemento — eu decidi.
— Fácil-fácil — Shaunee disse.
— Sim, o templo nunca está fechado e tem um zilhão de velas do círculo lá.
— Está tudo bem em pegar elas? — Roubar do templo de Nyx definitivamente não parecia uma boa ideia.
— Está tudo bem desde que você devolva — Damien respondeu. — O que mais?
— Só isso. — Eu acho. Diabos, eu não tenho certeza. Não é como se eu realmente soubesse o que estava fazendo.
— Quando e onde? — Damien perguntou.
— Depois do jantar. Cinco horas. E não podemos ir juntos. A última coisa que precisamos é que Aphrodite ou qualquer uma das Filhas das Trevas pensem que estamos indo em algum tipo de reunião e ficar curiosa sobre nós. Então vamos nos encontrar no enorme carvalho no muro oriental. — Eu dei um sorriso torto para eles. — É fácil encontrar se você fingir que você saiu correndo da sala onde as Filhas das Trevas fazem seu ritual, e você quer se afastar das bruxas.
— Isso não é necessário fingir muito — brincou Shaunee.
Erin bufou.
— Ok, vamos trazer as coisas — Damien disse.
— Sim, vamos trazer as coisas, você traz a potência — Shaunee disse, dando um sorriso de espertinha para Damien.
— Essa não é a correta forma da palavra, você realmente deveria ler mais. Talvez o seu vocabulário melhorasse. — Damien disse.
— Sua mãe precisa ler mais. — Shaunne disse, e então ela e Erin deram risadinhas por causa da péssima piada “sua mãe.”
Eu estava feliz por eles mudarem de assunto e pude comer minha salada e pensar com relativa privacidade brigavam. Eu estava mastigando e tentando lembrar as palavras da reza de purificação quando Nala pulou no banco ao meu lado. Ela olhou para mim com seus olhos grandes se inclinou na minha direção e começou a ronronar como o motor de um jato. Eu não sei por que, mas ela me fez sentir melhor. E quando o sino tocou e todos nos apressamos para aula, cada um dos meus quatro amigos sorriram para mim, me dando uma secreta piscada, e disseram: — Até mais, Z.
Eles também me fizeram sentir melhor, embora a fácil adoção do apelido que Erik me deu fez meu coração doer.
A aula de espanhol voou: uma lição toda de como aprender a dizer que gostamos ou não de uma coisa. Prof. Garmy estava me quebrando. Ela disse que mudaria nossas vidas. Me gusta gatos. (Eu gosto de gatos.) Me gusta it de compras. (eu gosto de fazer compras.) No me gusta cocinar. (Eu não gosto de cozinhar.) No me gusta levantar el gato. (Eu não gosto de lavar o gato.) Essas eram as frases favoritas da Prof. Garmy, e passamos a aula inventando as nossas.
Eu tentei não escrever coisas como me gusta Erik... E no me gusta el bruxa Aphrodite. Ok, El bruxa não é como se diz “bruxa” em espanhol, mas ainda sim. De qualquer forma, a aula foi divertida e eu na verdade entendi o que estávamos dizendo. A aula de equitação não passou tão rápido. Estábulos sujos eram bons para pensar - eu repassei de novo e novo a reza de purificação - mas a hora definitivamente pareceu levar uma hora. Dessa vez Stevie Rae não precisou ir me pegar. Eu estava muito ansiosa para perder a noção do tempo. Quando o sino tocou eu estava rapidamente arrumando as coisas, feliz por Lenobia ter me deixado escovar Persephone de novo, e preocupada porque ela também que disse que semana que vem eu realmente poderia montar nela. Eu me apressei para sair do estábulo, desejando que não fosse tão tarde no mundo “real.” Eu teria amado ligar para vovó e contar a ela o quão bem estava me saindo com os cavalos.
— Eu sei o que está acontecendo.
Eu juro que quase me engasguei.
— Deus, Aphrodite! Você não podia dar um avisou ou algo assim! O que você é, parte aranha? Você quase me mata de susto.
— Qual o problema? — ela disse. — Consciência culpada?
— Uh, quando você passa de fininho por trás das pessoas, você as assusta. Culpa não tem nada a ver.
— Então você não está se sentindo culpada?
— Aphrodite, eu não sei do que você está falando.
— Eu sei o que você está planejando para hoje à noite.
— E ainda assim não sei do que você está falando. — Ah, merda! Como ela descobriu?
— Todos acham que você é tão fofa e tão inocente e estão tão impressionados pela sua bizarra Marca. Todos menos eu. — Ela virou para me encarar, e paramos no meio da calçada. Os olhos dela se estreitaram e seu rosto virou até ser assustadoramente feio. Huh. Eu me perguntei (brevemente) se as Gêmeas perceberam o quão preciso era o apelido que elas deram para ela.
— Não importa que merda você ouviu, ele ainda é meu. Ele sempre será meu.
Meus olhos se alargaram e eu senti uma onda de alívio tão intenso que me fez rir. Ela estava falando sobre Erik, não sobre a reza de purificação!
— Wow, você parece a mãe do Erik. Ele sabe que você está cuidando dele?
— Eu parecia com a mãe de Erik quando você me viu chupar o pau dele no corredor?
Então ela sabia. Tanto faz. Eu suponho que essa conversa fosse inevitável.
— Não, você não parecia a mãe de Erik. Você parecia o que você é - desesperada - com sua patética tentativa de se jogar para um cara que claramente estava dizendo a você que não te queria mais.
— Vadia fudida! Ninguém fala comigo assim!
Ela levantou sua mão e, como uma garra, a mexeu para cortar meu rosto. Então eu senti que o mundo parou, deixando nós duas em um movimento lento. Eu peguei o pulso dela, a parando com facilidade - com muita facilidade. Era como se ela fosse uma pequena, e doente criança que tinha ficado irritada, mas que era muito fraca para me machucar. Eu a segurei por um momento, encarando os olhos odiosos dela.
— Nunca mais tente me bater. Eu não sou um daqueles garotos que você pode brincar. Entenda isso, e entenda isso agora. Eu não tenho medo de você. —Então joguei o pulso dela para longe de mim, e fiquei totalmente chocada por ver que ela deu vários passos para trás.
Esfregando o pulso, ela olhou para mim. — Não se incomode em aparecer amanhã. Se considere desconvidada e não mais uma Filha da Treva.
— Verdade? — Eu me senti incrivelmente calma. Eu sabia que a carta estava na minha mão e a puxei. — Então você quer explicar a minha mentora, Alta Sacerdotisa Neferet, a vampira que teve a ideia que eu me juntasse as Filhas das Trevas para começo de conversa, que você está me expulsando porque você está com inveja que seu ex-namorado gosta de mim?
O rosto dela empalideceu.
— Oh, e você pode ter certeza que eu vou estar totalmente e complemente arrasada quando Neferet me perguntar. — Eu funguei e choraminguei como um pequeno choro falso.
— Você sabe como é querer fazer parte de algo e mais ninguém no grupo quer você ali? — ela resmungou com seus dentes cerrados.
Eu senti meu estomago se contorcer e tive que me forçar a não deixar ela ver que me atingiu.
Sim, eu sabia exatamente como era fazer parte de algo - uma suposta família - e sentir que ninguém me queria ali, mas Aphrodite não ia saber disso. Ao invés eu sorri, e com uma voz doce disse: — Por que, o que você quer dizer, Aphrodite? Erik é parte dos Filhos das Trevas e hoje mesmo no almoço ele me disse o quão feliz estava por eu ter me juntado as Filhas das Trevas.
— Vá ao ritual. Finja que você é parte das Filhas das Trevas. Mas é melhor você se lembrar de algo. Elas são minhas Filhas das Trevas. Você é a forasteira, a que não é querida. E lembre-se disso também, Erik Night e eu temos uma ligação que você nunca vai entender. Ele não é meu ex nada. Você não ficou para ver o fim do nosso pequeno jogo no corredor. Ele estava lá como é agora, exatamente onde eu quero que ele esteja. Meu. — Então ela jogou seu enorme e cabelo loiro e se afastou.
Cerca de duas respirações depois Stevie Rae colocou a cabeça para fora de um enorme carvalho que não era longe da calçada e disse, — Ela foi embora?
— Graças a Deus. — Eu balancei minha cabeça para Stevie Rae. — O que você estava fazendo ali?
— Você está brincando? Eu me escondi. Ela me assusta para caramba. Eu estava vindo me encontrar com você quando vi vocês discutindo. Cara, ela realmente tentou bater em você!
— Aphrodite tem um sério problema para controlar a raiva. — Stevie Rae riu.
— Uh, Stevie Rae, você pode sair ai de atrás agora. — Ainda rindo, Stevie Rae praticamente pulou para o meu lado e ligou seu braço com o meu. — Você realmente a enfrentou!
— Eu realmente a enfrentei.
— Ela realmente, realmente odeia você.
— Ela realmente, realmente odeia.
— Você sabe o que isso significa? — Stevie Rae disse.
— Sim. Eu não tenho escolha agora. Eu vou ter que derrubar ela.
— Sim.
Mas eu sabia que eu não tinha escolha mesmo antes de Aphrodite tentar arrancar meu olho fora. Eu não tinha escolha desde que Nyx me Marcou.
Enquanto Stevie Rae e eu andávamos juntas na noite iluminada pelas luzes, as palavras da deusa se repetiram de novo e de novo na minha cabeça: Você é velha além da sua idade Zoey Passarinha. Acredite em você mesma e você encontrará um jeito. Mas lembre-se, a escuridão nem sempre equivale ao mal, assim como a luz nem sempre traz o bem.

5 comentários:

  1. s.o.s acho q meu coração bateu tão rapido q devo ter tido um mine enfarto... ou ele pesou q tava n uma escola de samba.
    #zoey sambando na cara das inimigas🎉🎆🎊

    ResponderExcluir
  2. Hum essa ultima frase da deusa me faz pensar q talvez os papeis mudem... P.S. isso ai enfrenta ela Zoey

    ResponderExcluir
  3. Estou até vendo a Aphrodite tentando fazer um lance tipo "Carrie, a estranha" com a Zoey nesse grupinho das Filhas das Trevas, ela vai tentar excluir a Z de tudo quanto é jeito.

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!