23 de setembro de 2015

Capítulo 21 - Telefonema

Eu podia sentir que era cedo demais quando eu acordei de novo, e sabia que os meus horários do dia e da noite estavam mudando lentamente. Fiquei deitada na minha cama ouvindo as vozes baixinhas de Alice e Jasper na outra sala.
Era muito estranho que elas fossem altas o suficiente pra eu ouvir. Eu rolei até que meus pés tocassem o chão e então me arrastei até a sala.
O relógio da TV dizia que havia acabado de passar das duas da manhã. Alice e Jasper ainda estavam sentados no sofá, Alice rabiscando de novo enquanto Jasper olhava por cima do ombro dela. Eles não olharam pra cima quando eu entrei, de tão concentrados que estavam no trabalho de Alice.
Eu engatinhei até o lado de Jasper pra espionar.
— Ela viu mais alguma coisa? — Perguntei baixinho pra ela.
— Sim. Alguma coisa o trouxe de volta á sala de videocassete, agora está claro.
Observei enquanto Alice desenhava uma sala quadrada com vigas escuras que atravessavam o teto. As paredes eram cobertas de madeiras, um pouco escuras demais, fora de moda. Um dos lados da entrada era de pedra, uma lareira de pedra cor de bronze que ficava entre a entrada de duas salas. Havia uma grande janela na parede que dava para o Sul, e uma abertura na parede do lado oeste que dava uma visão para a sala de estar.
O foco da sala por essa perspectiva, a TV e o videocassete, que ficavam equilibrados numa mesa pequena demais, estava no lado do corredor que ficava mais próximo do lado sul. Um sofá antigo ficava no lado contrário ao da TV, uma mesa de café redonda ficava na frente dele.
— O telefone fica aqui. — Sussurrei, apontando.
Os dois pares de olhos me encararam.
— É a casa da minha mãe.
Alice já estava fora do sofá, com o telefone na mão, discando.
Eu olhei para a precisa descrição da sala familiar da minha mãe. Como não era do seu costume, Jasper escorregou pra perto de mim. Ele colocou levemente sua mão no meu ombro, e o seu contato físico pareceu fazer sua influência calmante ser ainda mais forte.
O pânico ficou nublado, desfocado.
Os lábios de Alice estavam tremendo com a rapidez de suas palavras, o ruído baixo era impossível de decifrar. Eu não conseguia me concentrar.
— Bella. — Alice disse, eu olhei pra ela entorpecida. — Bella, Edward está vindo te buscar. Ele e Emmett e Carlisle vão te levar para algum lugar, pra te esconder por algum tempo.
— Edward está vindo? — As três palavras eram como um manto de vida, que segurava minha cabeça pra cima durante um dilúvio.
— Sim, ele está pegando o primeiro voo para Seattle. Nós vamos encontrá-lo no aeroporto e você irá com ele.
— Mas, minha mãe... Ele veio aqui pra pegar minha mãe, Alice!
Mesmo com Jasper, a histeria estava borbulhando nas minhas palavras.
— Jasper e eu ficaremos até que ela esteja a salvo.
— Eu não vou conseguir Alice. Vocês não podem cuidar de todas as pessoas que eu conheço pra sempre. Ele vai achar alguém, ele vai machucar alguém que eu amo... Alice, eu não consigo.
— Nós vamos pegá-lo, Bella. — Ela me assegurou.
— E se você se machucar? Você acha que vai ficar tudo bem pra mim? Você acha que ele só pode me machucar com a minha família humana?
Alice deu um olhar cheio de significado pra Jasper. Uma pesada e profunda nuvem de letargia passou por mim e os meus olhos fecharam sem minha permissão. Minha mente lutou contra a nuvem, se dando conta do que estava acontecendo. Forcei meus olhos a se abrirem e me levantei, me distanciando das mãos de Jasper.
— Eu não quero voltar a dormir. — Falei.
Andei para o quarto e fechei a porta, a bati na verdade, assim eu estaria livre para ficar despedaçada em privacidade. Dessa vez Alice não me seguiu. Por três horas e meia eu olhei para a parede, curvada como uma bola, me balançando. Minha mente estava dando voltas, tentando encontrar uma forma de sair desse pesadelo. Não havia escapatória, não havia como adiar. Eu só podia ver um final aparecendo sombriamente no meu futuro. A única pergunta era quantas pessoas se machucariam até que eu chegasse lá.
O único consolo, a única esperança que eu tinha, era que eu veria Edward em breve. Talvez, se eu pudesse apenas ver o rosto dele de novo, eu também poderia ver a solução que me iludia agora.
Quando o telefone tocou, eu voltei para a sala, um pouco envergonhada pelo meu comportamento. Esperava não ter ofendido nenhum dos dois, que eles soubessem o quanto eu estava grata pelos sacrifícios que eles estavam fazendo por minha culpa.
Alice estava atendendo ele tão rapidamente como sempre, mas o que chamou minha atenção foi que, pela primeira vez, Jasper não estava no quarto. Eu olhei para o relógio, eram cinco e meia da manhã.
— Eles estão entrando no avião. — Alice me disse. — Vão aterrissar as nove e quarenta e cinco.
Só mais algumas horas para respirar até que ele estivesse ali.
— Onde está Jasper?
— Ele foi fazer o check-out.
— Vocês não vão ficar aqui?
— Não, nós vamos nos relocar para algum lugar mais próximo da casa da sua mãe.
Meu estômago revirou desconfortavelmente com as palavras dela.
Mas o telefone tocou de novo, me distraindo. Ela pareceu surpresa, mas eu já estava me aproximando, pegando esperançosamente o telefone.
— Alô? — Alice perguntou. — Não, ela está bem aqui. — Ela me passou o telefone. — Sua mãe, ela murmurou.
— Alô?
— Bella, Bella... — A voz da minha mãe, num tom familiar que eu já havia ouvido milhares de vezes na minha infância, toda vez que ficava na beira da calçada ou desaparecia de vista num lugar lotado.
Era o som do pânico.
Eu suspirei. Eu já estava esperando isso, apesar de ter tentado passar a mensagem da forma mais calma possível, levando em consideração a emergência da situação.
— Mãe, fique calma. — Disse na minha voz mais tranquilizadora, caminhando vagarosamente pra longe de Alice. Não tinha certeza de que conseguiria mentir convenientemente com os olhos dela grudados em mim.
— Está tudo bem, tá legal? Só me dê um minuto e eu vou explicar tudo, eu prometo.
Eu pausei, surpresa por ela ainda não ter me interrompido.
— Mãe?
— Tome muito cuidado pra não falar nada até que eu diga.
A voz que eu ouvi agora não era familiar e era inesperada. Era uma voz masculina baixa, uma voz muito agradável, genérica, o tipo de voz que você ouve no fundo de um comercial de carros luxuosos. Ele falava muito rapidamente.
— Agora, eu não preciso machucar sua mãe, então por favor, faça exatamente o que eu disser e ela vai ficar bem. — Ele pausou por uma minuto enquanto eu só ouvia, muda de horror. — Isso é muito bom. — Ele parabenizou. — Agora repita depois de mim, e tente parecer natural. Por favor diga, “Não, mãe, fique onde você está”.
— Não, mãe, fique onde você está. — Minha voz mal passava de um sussurro.
— Eu vejo que isso vai ser bem difícil. — A voz estava divertida, ainda leve e amigável. — Porque você não vai para outro lugar pra que o seu rosto não arruíne tudo? Não há nenhuma razão pra sua mãe sofrer. Enquanto você está andando, por favor diga “Mãe, por favor, me ouça”. Diga isso agora.
— Mãe, por favor, me ouça. — Minha voz implorou.
Eu andei bem devagar para o quarto, sentindo os olhos preocupados de Alice na minhas costas. Eu fechei a porta atrás de mim, tentando pensar claramente apesar do terror que prendia meu cérebro.
— Agora, você está sozinha? Só responda sim ou não.
— Sim.
— Mas eles ainda podem te ouvir, eu tenho certeza.
— Sim.
—Tudo bem então. — A voz continuou. — Diga, “Mãe, confie em mim”.
— Mãe, confie em mim.
— Isso está funcionando melhor do que eu esperava. Eu estava preparado para esperar, mas a sua mãe chegou antes do horário. É mais fácil assim, não é? Menos suspense, menos ansiedade pra você.
Eu esperei.
— Agora eu quero que você me ouça muito cuidadosamente. Vou precisar que você se afaste dos seus amigos, você acha que consegue fazer isso? Responda sim ou não.
— Não.
— Eu lamento ouvir isso. Eu esperava que você fosse um pouco mais criativa que isso. Você acha que poderia se afastar deles se a vida da sua mãe dependesse disso? Responda sim ou não.
De alguma forma, tinha que haver um jeito. Eu me lembrei que estávamos indo ao aeroporto. Aeroporto Sky Harbor Internacional: lotado, pessoas atrasadas...
— Sim.
— Isso é melhor. Eu tenho certeza que não será fácil, mais se eu tiver a mínima impressão de que você tem companhia, bem, isso vai ser muito ruim para a sua mãe. — A voz amigável prometeu. — Você já deve me conhecer suficientemente bem pra saber o quão rapidamente eu vou saber se você tentar trazer alguém com você. E como eu poderia lidar rapidinho com a sua mãe se esse fosse o caso. Você está me entendendo? Responda sim ou não.
— Sim. — Minha voz quebrou.
— Muito bom, Bella. Agora aqui está o que você precisa fazer. Eu quero que você vá para a casa da sua mãe. Perto do telefone haverá um número. Ligue pra ele e eu te direi pra onde ir a partir daí.
Eu já sabia pra onde iria, e onde isso iria acabar. Mas eu seguiria exatamente as instruções dele.
— Você pode fazer isso? Responda sim ou não.
— Sim.
— Antes do meio dia, por favor, Bella. Eu não tenho o dia inteiro. — Ele disse educadamente.
— Onde está Phil? — Perguntei.
— Tome cuidado, Bella. Espere até que eu te peça pra falar, por favor.
Eu esperei.
— Agora, isso é importante, não deixe os seus amigos suspeitarem quando você voltar pra eles. Diga pra eles que sua mãe ligou, e que você conseguiu convencê-la a ficar longe de casa por mais algum tempo. Agora repita depois de mim “Obrigada, mãe”. Diga agora.
— Obrigada, mãe. — As lágrimas estavam chegando.
Tentei afastá-las.
— Diga “Eu te amo, mãe, a gente se vê logo”. Diga agora.
— Eu te amo, mãe. — Minha voz estava grossa. — A gente se vê logo. — Prometi.
— Adeus, Bella. Eu estou ansioso pra vê-la de novo. — Ele desligou.
Segurei o telefone no meu ouvido. Meu corpo estava congelado de terror, eu não conseguia fazer meus dedos solta-lo.
Sabia que tinha que pensar, mas minha cabeça estava cheia com o som de pânico da voz da minha mãe. Os segundos foram se passando enquanto eu lutava pra me controlar.
Lentamente, lentamente, meus pensamentos começaram a transpor a parede de tijolos que a dor havia construído para planejar.
Eu não tinha escolhas, a não ser uma: ir para a sala espelhada e morrer. Eu não tinha garantias, nada pra dar que pudesse manter minha mãe viva. Eu só podia esperar que James se desse por satisfeito depois que ganhasse o jogo, que derrotar Edward fosse o suficiente.
O desespero tomou conta de mim, não tinha como barganhar, não havia nada que eu pudesse oferecer ou recusar que o influenciasse. Mas eu ainda não tinha escolha. Tinha que tentar.
Afastei o terror tão bem quanto pude. Minha decisão estava tomada. Eu não ganhava nada perdendo meu tempo agonizando por causa do desfecho. Eu tinha que pensar com clareza, porque Alice e Jasper estavam esperando por mim, e despistá-los era absolutamente essencial, e absolutamente impossível.
Estava subitamente aliviada por Jasper não estar lá. Se ele estivesse aqui pra sentir a minha angústia nos últimos cinco minutos, como era que eu ia evitar as suspeitas deles? Eu afastei o medo, a ansiedade, tentei sufocá-los. Eu não podia me dar ao luxo de senti-los. Não sabia quando ele voltaria.
Concentrei-me na minha fuga. Eu tinha que rezar pra que a familiaridade com o aeroporto funcionasse a meu favor. De alguma forma, eu tinha que manter Alice longe...
Sabia que Alice estaria na outra sala esperando por mim, curiosa. Mas eu tinha que lidar com mais uma coisa em particular, antes que Jasper voltasse. Tinha que aceitar o fato de que não veria Edward novamente, nem uma imagem do seu rosto pra levar comigo para a sala dos espelhos. Eu ai magoá-lo, e não podia dizer adeus. Eu deixei as ondas de tortura me levar por algum tempo, seguir seu caminho por um tempo.
Então eu as afastei também, e fui enfrentar Alice.
A única expressão que eu consegui controlar foi um olhar bobo, morto. Eu vi o alarme dela e não esperei que ela perguntasse. Eu só tinha um script, e agora não consegui improvisar.
— Minha mãe estava preocupada, ela queria voltar pra casa. Mas está tudo bem, eu a convenci a ficar longe. — Minha voz estava sem vida.
— Nós vamos cuidar pra que ela fique bem, Bella, não se preocupe.
Virei-me, não podia permitir que ela visse meu rosto agora.
Meu olho caiu sobre uma folha vazia com o emblema do hotel em cima da mesa. Eu fui até ela, um plano se formando. Havia um envelope lá, também. Isso era bom.
— Alice? — Perguntei lentamente, sem me virar, mantendo o nível da minha voz. — Se eu escrever uma carta para a minha mãe, você entregaria pra ela? Deixar na casa, eu quero dizer.
— Claro, Bella. — A voz dela era cuidadosa.
Ela podia me ver perdendo o controle. Tinha que controlar melhor as minhas emoções.
Fui para o meu quarto de novo, e me ajoelhei na mesinha de cabeceira para escrever.
EDWARD — Escrevi.
Minha mão estava tremendo, a letra quase não era legível.
EU TE AMO.
LAMENTO MUITO, ELE ESTÁ COM A MINHA MÃE... EU SEI QUE ISSO PODE NÃO FUNCIONAR, LAMENTO MUITO, MUITO MESMO.
NÃO FIQUE COM RAIVA DE ALICE E JASPER, SE EU CONSEGUIR ME AFASTAR DELES VAI SER UM MILAGRE.
AGRADEÇA A ELES POR MIM, ESPECIALMENTE ALICE, POR FAVOR.
E POR FAVOR, POR FAVOR, NÃO VÁ ATRÁS DELE. É ISSO QUE ELE QUER, EU ACHO. EU NÃO VOU CONSEGUIR AGUENTAR SE ALGUÉM SE MACHUCAR POR MINHA CAUSA, ESPECIALMENTE VOCÊ.
POR FAVOR, ISSO É A ÚNICA COISA QUE EU POSSO TE PEDIR AGORA.
POR MIM.
EU TE AMO E ME PERDOE.
BELLA.

Dobrei a carta cuidadosamente, e a coloquei no envelope. Eventualmente ele iria encontrá-la. Esperava que ele pudesse entender, e me escutar, só dessa vez.
Então eu cuidadosamente fechei meu coração.

8 comentários:

  1. Eu não entendi uma coisa: se as visões da Alice mudam a partir da decisão que a pessoa toma como ela não viu quando a Bella decidiu encontrar o James?

    Estou amando o livro obrigada Karina por postar!😘😘😘

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, mudam, mas no momento Alice está concentrada em James... não está prestando atenção em Bella. Além do que, Alice já viu a sala dos espelhos, que é para onde Bella sabe que vai.
      De nada, espero que curta a saga Crepúsculo!

      Excluir
    2. E pq a bella eh escudo ela nao pode ver o futuro dela

      Excluir
    3. Ahn... Alice enxerga o futuro de Bella normalmente, então não pode ser isso

      Excluir
  2. Eu nunca entendi pq Alice enxerga o futuro de Bella se Bella é um escudo. Eu adoro a história é estou adorando ler os livros mas acho que tem muitas falhas. A autora pecou ao deixar tantas brechas... A não ser que tudo se expliquei mais tarde...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bella defende sua mente... Por isso Edward não consegue ler o que ela pensa. Mas James consegue caçá-la, Alice pode ver seu futuro,pois isso não influencia na mente dela. Se bem que Jasper consegue acalmá-la, o que me soa um poder mental, então não sei...

      Excluir
  3. O futuro que a Alice estava vendo era a morte da Bella no estúdio de dança. E o fato da Bella decidir ir atrás do James não fez mudar o futuro só confirmar. Ela devia pensar que era só o plano do James, porém era o plano da Bella tb.

    ResponderExcluir
  4. Bom, uma coisa que eu não entendo é a audição dos vampiros... Eles escutavam o que os humanos cochichavam do outro lado da escola, em Amanhecer, Bella consegue ouvir o que falam no telefone e até mesmo os insetos andando... Ja a Alice, ela não consegue fazer isso. Bella atendeu e falou com James na frente dela, e ela não ouviu. Pode ser que não estivesse prestando atenção em Bella, o que eu acho difícil porque ela relata que Alice está prestando atenção nela... Por mais que Alice estivesse prestando atenção em suas visões ela teria ouvido, com certeza, James falando... E Alice deveria ter tido uma visão de James ligando pra Bella, pois ele tomou a decisão de ligar... Alice também não viu eles chegando antes de convidar a Bella para o jogo... Não sei, mas Alice pra mim é o personagem mais falho que tem, ela tem o melhor talento mas é falho de mais pros momentos necessários... Talvez eu esteja falando besteira, mas não não gosto das visões de Alice, sempre dá uma merda com essas visões dela... Os sonhos da Bella são mais certeiros SHAIAHUAHA

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Os comentários estão demorando alguns dias para serem aprovados... a situação será normalizada assim que possível. Boa leitura!