14 de junho de 2015

Os rumos do amor verdadeiro (e os primeiros encontros)


Era uma noite de sexta-feira no Brooklyn, e as luzes da cidade refletiam-se no céu: nuvens alaranjadas pressionavam o calor do verão contra as calçadas como uma flor entre as páginas de um livro.
Magnus encarou o chão de seu apartamento, solitário, e perguntou-se, com apenas um leve interesse, se estava prestes a se levantar.
Ser convidado para sair por um Caçador de Sombras estava entre as dez melhores coisas estranhas e inesperadas que já tinham acontecido a Magnus, e Magnus sempre se esforçou para viver uma vida bastante inesperada.
Ele tinha se surpreendido ao concordar.
A última terça-feira foi um dia chato em casa com o gato e um inventário que incluía sapos espinhosos. Então Alec Lightwood, o filho mais velho dos Caçadores de Sombras que dirigiam o Instituto de Nova York, aparecera na porta de Magnus, agradecendo-o por salvar sua vida, e convidou-o para sair, enquanto ficava de quinze tons diferentes entre vermelho e malva. Em resposta, Magnus tinha prontamente perdido a cabeça, beijando-o, e marcando o encontro para a sexta-feira.
A coisa toda tinha sido extremamente estranha. Primeiro, Alec tinha chegado e agradecido Magnus por salvar sua vida. Bem poucos Caçadores de Sombras teriam pensado em fazer uma coisa dessas. Eles pensavam na magia como seu direito, uma vez que sempre necessitavam dela, e feiticeiros eram considerados tanto conveniências quanto perturbações. A maioria dos Nephilim que pensasse em agradecer faria isso num elevador, a caminho de seu andar.
Depois, havia o fato de que nenhum Caçador de Sombras jamais convidara Magnus para um encontro antes. Eles queriam favores de vários tipos, mágicos, sexuais e estranhos. Nenhum queria passar tempo com ele, sair para ver um filme e compartilhar a pipoca. Ele não tinha certeza se Caçadores de Sombras assistiam filmes.
Era uma coisa tão simples, um pedido sincero – como se nenhum Caçador de Sombras já houvesse quebrado um prato porque Magnus tinha tocado, ou dito “bruxo”, como se fosse uma maldição. Como se todas as velhas feridas pudessem ser curadas como se nunca tivessem existido, e o mundo poderia se tornar-se da maneira que parecia através dos olhos azuis claros de Alec Lightwood.
Na época, Magnus tinha dito sim porque ele queria dizer sim. Era bem possível, no entanto, que tivesse dito sim porque era um idiota.
Afinal, Magnus tinha que continuar se lembrando que Alec não sentia o mesmo que Magnus. Ele estava simplesmente respondendo à única atenção masculina que já teve. Alec era fechado, tímido, obviamente inseguro e, mais obviamente ainda, gamado em seu amigo loiro Trace Wayland. Magnus estava certo de que esse era o nome, mas Wayland inexplicavelmente lembrava Magnus de Will Herondale, e Magnus não queria pensar em Will. Ele sabia que a melhor maneira para se poupar do desgosto era não pensar sobre amigos perdidos e não se meter com os Caçadores de Sombras novamente.
Ele disse a si mesmo que este encontro seria apenas um pouco de emoção, um incidente isolado em uma vida que tinha se tornado uma rotina, nada mais.
Tentou não pensar em como daria um fora em Alec, e a expressão de Alec quando ele lhe falou, com simplicidade devastadora, eu gosto de você. Magnus sempre pensou em si como alguém que envolvia as pessoas com palavras, ajudando-as ou jogando areia em seus olhos quando era necessário. Era incrível como Alec podia simplesmente acabar com tudo. Mais incrível ainda era que ele nem sequer parecia estar tentando.
Assim que Alec saíra, Magnus tinha ligado para Catarina, fazendo-a jurar seu sigilo, e, em seguida, contou-lhe tudo sobre ele.
— Você concordou em sair com ele porque acha que os Lightwood são uns idiotas e quer mostrar a eles que pode corromper seu menino? — perguntou Catarina.
Magnus balançou os pés para Presidente Miau.
— Eu acho que os Lightwood são uns idiotas — admitiu. — E isso soa como algo que eu faria. Droga.
— Não, na verdade não — Catarina respondeu. — Você é sarcástico na metade do dia, mas quase nunca é rancoroso. Você tem um bom coração debaixo de todo esse glitter.
Catarina era alguém de bom coração. Magnus sabia exatamente de quem era filho, e de onde vinha.
— Mesmo que fosse maldade, ninguém poderia culpá-lo, não depois do Círculo, depois de tudo o que aconteceu.
Magnus olhou para fora da janela. Havia um restaurante polonês do outro lado da rua, as luzes piscando mostrando as palavras borscht e café vinte e quatro horas (esperemos que não misturados). Pensou na maneira que as mãos de Alec tremiam quando ele perguntou a Magnus se ele queria sair, quão contente e surpreso pareceu quando Magnus respondeu que sim.
— Não — disse ele. — É provavelmente uma má ideia – minha pior ideia desta década – mas não tem nada a ver com os pais dele. Eu disse sim por causa dele.
Catarina ficou em silêncio por alguns momentos. Se Ragnor estivesse perto, teria rido, mas Ragnor tinha desaparecido para um spa na Suíça para uma série de complicados tratamentos faciais destinados a retirar o verde de sua pele. Catarina tinha o instinto de uma curadora: ela sabia quando ser gentil.
— Boa sorte em seu encontro, então — ela disse por fim.
— Aprecio, mas não preciso de boa sorte; preciso de ajuda — Magnus respondeu. — Só porque vou neste encontro, não significa que vai terminar bem. Sou muito charmoso, mas são precisos dois para dançar o tango.
— Magnus, lembre-se do que aconteceu na última vez que você tentou o tango. Seu sapato voou e quase matou alguém.
— Foi uma metáfora. Ele é um Caçador de Sombras, é um Lightwood, e é jovem. Ele é um perigo para o encontro. Preciso de uma fuga estratégica. Se o encontro for um desastre completo, vou te enviar uma mensagem. Direi “Esquilo Azul, aqui é Raposa Quente. Missão abortada com extremas perdas.” Então você me liga e me diz que há uma terrível emergência que requer minha assistência especialista de feiticeiro.
— Isto parece desnecessariamente complicado. É o seu telefone, Magnus; não há necessidade de codinomes.
— Tudo bem. apenas vou digitar “Abortar” — Magnus estendeu a mão e acariciou Presidente Miau da cabeça até a cauda. O gato esticou-se e ronronou entusiasticamente sua aprovação pelo gosto por homens de Magnus. — Você vai me ajudar?
Catarina respirou longa e aborrecidamente.
— Irei ajudá-lo — ela prometeu. — Mas você me ligou em todos os seus encontros deste século, e você me deve.
— É um bom negócio — disse Magnus.
— E se tudo der certo — disse Catarina, gargalhando — quero ser a madrinha do seu casamento.
— Vou desligar agora — Magnus informou.
Ele tinha feito um acordo com Catarina. Tinha feito mais do que isso: ligara e fizera reservas em um restaurante. Escolhera as roupas para o encontro: calças Ferragamo vermelhas, sapatos combinando e um colete de seda preto que Magnus usava sem camisa porque fazia coisas incríveis para seus braços e ombros.
E tudo foi em vão.
Alec estava meia hora atrasado. Era provável que a coragem de Alec tivesse quebrado – que ele tivesse pesado sua vida, seu precioso dever de Caçador de Sombras, contra um encontro com um cara que ele nem gostava tanto assim – e ele não viesse mais,
Magnus deu de ombros filosoficamente, e com uma naturalidade que ele não chegou a sentir, caminhou até seu pequeno bar e fez uma mistura emocionante de lágrimas unicórnio, poções energizantes, suco de oxicoco e um toque de limão. Ele olharia para trás e riria um dia. Provavelmente no dia seguinte. Bem, talvez no dia depois. No dia seguinte ele estaria de ressaca.
Ele poderia ter pulado quando a campainha soou através do apartamento, mas não havia ninguém além de Presidente Miau lá para ver. Magnus estava perfeitamente composto no tempo que Alec levou para subir as escadas e bater em sua porta.

***

Alec não poderia ter sido descrito como perfeitamente composto. Seu cabelo preto estava virado em todas as direções, como um polvo que tivesse caído na fuligem; seu peito subia e descia rápido sob sua camiseta azul-claro; e havia um brilho de transpiração em seu rosto. Demorava muito para fazer Caçadores de Sombras suarem. Magnus quis saber exatamente quão rápido ele havia corrido.
— Bem, isso é inesperado — disse Magnus, erguendo as sobrancelhas.
Ainda segurando seu gato, ele se atirou de leve no sofá, com as pernas sobre um dos braços de madeira entalhada.
Presidente Mieu estendeu-se sobre sua barriga e miava em perplexidade sobre a súbita mudança de sua situação. Magnus podia tentar parecer um pouco mais duro ou despreocupado, mas a julgar pela expressão abatida de Alec, ele estava realmente conseguindo.
— Me desculpe, eu estou atrasado — Alec arquejou. — Jace queria treinar com armas, e eu não sabia como fugir, quero dizer, eu não podia contar a ele...
— Oh, Jace, é isso — disse Magnus.
— O quê?
— Eu esqueci brevemente o nome do loiro — explicou Magnus, com um movimento desdenhoso dos dedos.
Alec pareceu desconcertado.
— Oh. Eu sou... sou Alec.
A mão de Magnus parou com seu movimento-de-desprezo-ensaiado. O brilho das luzes da cidade vindo da janela refletia nas joias azuis de seus dedos, lançando faíscas azuis brilhantes que pegavam fogo e, em seguida, caíam e se afogavam no profundo azul dos olhos de Alec.
Alec tinha feito um esforço, Magnus pensou, embora tivesse sido necessário um olho treinado para detectar. A camisa azul-claro cabia-lhe consideravelmente melhor do que o horrível moletom cinza que Alec usava na terça-feira. Ele cheirava vagamente a colônia. Magnus sentiu-se inesperadamente tocado.
— Sim — Magnus falou lentamente, e então sorriu lentamente. — Do seu nome eu me lembro.
Alec sorriu. Talvez isso importasse se Alec tivesse uma quedinha por Aparentemente-Jace. Aparentemente-Jace era bonito, mas era o tipo de pessoa que sabia disso, e eles muitas vezes davam mais problemas do que valiam. Se Jace era ouro, refletindo luz e tendo atenção, Alec era prata: tão acostumado com todos os outros olhando para Jace, que era para lá que olhava também, tão acostumados a viver na sombra de Jace que não esperava para ser visto. Talvez fosse o suficiente ser a primeira pessoa a dizer a Alec que ele valia o primeiro olhar num cômodo, e um olhar mais longo depois disso.
E prata, embora poucas pessoas soubessem, era um metal mais raro que o ouro.
— Não se preocupe com isso — disse Magnus, balançando-se facilmente para fora do sofá e empurrando Presidente Miau suavemente para as almofadas do sofá, para desgosto melancolicamente miado do Presidente. — Tenho algumas bebidas.
Ele empurrou sua própria bebida hospitaleiramente na mão de Alec; ainda não tinha tomado um gole, poderia pegar um novo drink.
Alec parecia assustado. Ele estava, obviamente, muito mais nervoso do que Magnus tinha pensado, porque se atrapalhou e deixou cair a taça, derramando o líquido vermelho em cima dele e do chão. Houve um crash quando o vidro atingiu a madeira e se estilhaçou.
Alec parecia ter sido acertado e ficou extremamente envergonhado sobre isso.
— Uau — disse Magnus. — Seu povo realmente exagera sobre os reflexos de sua elite Nephilim.
— Oh, pelo Anjo. Eu sin... sinto muito.
Magnus balançou a cabeça e fez um gesto, deixando um rastro de faíscas azuis no ar, e a poça de líquido vermelho e o vidro quebrado desapareceu.
— Não sinta — disse ele. — Eu sou um bruxo. Não há bagunça que eu não possa limpar. Porque você acha que faço tantas festas? Deixe-me dizer-lhe, eu não faria isso se tivesse que esfregar banheiros. Já viu um vampiro vomitar? É nojento.
— Eu realmente não, uh, encontro vampiros socialmente.
Os olhos de Alec estavam arregalados e horrorizados, como se ele estivesse imaginando vampiros devassos vomitando o sangue dos inocentes. Magnus estava preparado para apostar que ele não conhecia nenhum Ser do Submundo socialmente. Os Filhos do Anjo mantinham-se com sua própria espécie.
Magnus perguntou-se o que exatamente Alec estava fazendo em seu apartamento. Apostou que Alec estava imaginando a mesma coisa.
Seria uma longa noite, mas pelo menos eles poderiam estar bem-vestidos. A camiseta mostrava que Alec estava tentando, mas Magnus podia fazer muito melhor.
— Eu vou te dar uma camisa nova — Magnus ofereceu, e fez o caminho para o seu quarto, enquanto Alec ainda protestava levemente.
O armário de Magnus ocupava metade de seu quarto. Ele estava sempre ampliando-o. Havia um monte de roupas que Magnus imaginava que ficaria excelente em Alec, mas enquanto as olhava, percebeu que Alec poderia não apreciar Magnus impondo seu senso de moda único nele.
Decidiu por uma seleção mais sóbria e escolheu a camiseta preta que estava usando na terça-feira. Isto talvez fosse o pequeno lado sentimental de Magnus.
A camisa reconhecidamente piscava como se tivesse sido confeccionada com lantejoulas, mas que era a mais sóbria que Magnus tinha. Puxou a camiseta do cabide e caminhou de volta para a sala principal, onde encontrou Alec já sem sua própria camisa, de pé ao redor um pouco impotente, a camisa manchada apertada nas mãos.
Magnus parou.
O cômodo era iluminado apenas por uma lâmpada de leitura; o restante da iluminação vinha de fora das janelas. Alec foi pintado com luzes dos postes e da lua, sombras enrolando em torno de seu bíceps e nos recortes finos de sua clavícula, seu elegante torso de pele lisa, nu até a linha escura de sua calça jeans. Havia runas na superfície plana de sua barriga e cicatrizes prateadas de Marcas antigas serpenteavam em torno de suas costelas, uma bem na ponta de seu quadril. Sua cabeça estava inclinada, os cabelos negros escorridos como tinta, a pele pálida luminosamente branca como papel. Ele parecia uma obra de arte, claro e escuro, linda e maravilhosamente bem feita.
Magnus tinha ouvido muitas vezes a história de como os Nephilim foram criados. Eles devem ter esquecido de colocar o trecho que dizia: E o anjo desceu do alto e deu aos seus escolhidos abdomens fantásticos.
Alec olhou para Magnus e seus lábios se separaram, como se estivesse prestes a falar. Ele observou Magnus com os olhos arregalados, imaginando estar sendo observado.
Magnus exerceu um heroico autocontrole, sorriu e ofereceu a camisa.
— Me... desculpe pelo péssimo encontro — Alec murmurou.
— Do que você está falando? — Magnus perguntou. — Este encontro está sendo fantástico. Você só está aqui há dez minutos, e já tenho metade das suas roupas.
Alec pareceu igualmente constrangido e satisfeito. Ele disse a Magnus que era novo em tudo isso, então qualquer coisa mais do que um flerte leve poderia assustá-lo. Magnus tinha um encontro bastante calmo e normal planejado: sem surpresas, nada inesperado.
— Vamos lá — disse Magnus, e pegou um casaco de couro vermelho. — Vamos jantar.

***

A primeira parte do plano de Magnus, pegar o metrô, parecia tão simples. Tão infalível.
Não lhe ocorrera que um garoto Caçador de Sombras não estava acostumado a ser visível e ter de interagir com os mundanos.
O metrô estava lotado numa sexta à noite, o que não era surpreendente, mas parecia ser alarmante para Alec. Ele estava olhando em volta para os mundanos como se tivesse se encontrado em uma selva cercado por macacos ameaçadores, e ainda parecia traumatizado com a camisa de Magnus.
— Não posso usar uma runa para invisibilidade? — ele perguntou assim que entraram no trem F.
— Não. Não quero parecer estar sozinho numa sexta à noite só porque você não quer que os mundanos te olhando.
Eles conseguiram dois lugares, mas isso não melhorou sensivelmente a situação. Sentaram-se lado a lado, sem jeito, as conversas das pessoas correndo normalmente ao redor deles. Alec estava completamente em silêncio. Magnus tinha quase certeza de que ele não queria nada mais do que ir para casa.
Havia cartazes roxos e azuis nas paredes, mostrando casais de idosos olhando com tristeza um para o outro. Eles traziam as palavras “com o passar dos anos vem... a impotência!” Magnus encontrou-se encarando os cartazes com uma espécie de horror ausente. Ele espiou Alec, e descobriu que Alec não conseguia tirar os olhos também. Se perguntou se Alec estava ciente de que Magnus tinha trezentos anos de idade e se pensava exatamente quão impotente poderia ter-se tornado após esse tempo.
Dois rapazes entraram no trem na próxima parada e abriram um espaço na frente de Magnus e Alec. Um deles começou a dançar, balançando-se de forma dramática em torno da barra de ferro. O outro sentou-se de pernas cruzadas e começou a bater ritmicamente em um tambor que carregava.
— Olá, senhoras e senhores, e seja lá o que vocês sejam! — o cara com o tambor clamou. — Faremos uma performance agora para seu entretenimento. Espero que gostem. Chamamos de... Canção do Traseiro.
Juntos, eles começaram a batida. Era obviamente uma canção que eles mesmos haviam escrito.

“As rosas são vermelhas, e dizem que o amor não dura o ano inteiro,
Mas sei que nunca terei o suficiente desse seu doce, doce traseiro.
Toda a geleia em seu jeans, todo esse tronco despercebido,
Eu só tenho que ter – uma visão e eu estou distraído.
Se já se perguntou por que eu quis fazê-la minha,
É porque nenhuma outra tinha tamanha bundinha.
Dizem que você não é de se olhar, mas eu já não me importo mais.
O que olho é o ponto de vista por trás.
Nunca fui romântico, não sei o que significa amar,
Mas se você estiver vestindo seus jeans posso encontrar.
Odeio te ver sair, mas adoro te ver ir.
Volte, em seguida, vá de novo – baby, devagar.
Estou logo atrás, vou passar uma cantada ligeiro,
Nunca terei o suficiente desse seu doce, doce traseiro.

A maioria dos passageiros parecia atordoada. Magnus não tinha certeza se Alec apenas estava atordoado ou se também estava profundamente escandalizado e rezava pela alma deles para Deus. Tinha uma expressão extremamente peculiar no rosto e seus lábios estavam muito bem fechados.
Em circunstâncias normais, Magnus teria rido e daria aos artistas de rua um monte de dinheiro. Hoje, ele ficou profundamente grato quando o trem parou na estação. Jogou alguns dólares para os cantores enquanto ele e Alec deixavam o trem.
Magnus foi lembrado novamente das extremas desvantagens em serem visíveis ao mundo mundano quando um cara sardento e magro passou por eles. Magnus estava pensando que poderia ter sentido uma mão serpenteando em seu bolso quando o cara deu uma combinação de grito e guinchar.
Enquanto Magnus tinha os braços cruzados e se perguntava se estava sendo assaltado, Alec reagira como um Caçador de Sombras treinado: agarrou o braço do cara e atirou-o no ar. O ladrão voou como uma boneca de pano, os braços abanando molemente. Ele caiu com um crack na plataforma, a bota de Alec em sua garganta. Outro trem passou, fazendo muitas luzes e ruídos; os passageiros da sexta-feira à noite o ignoraram, formando um círculo de corpos em apertadas roupas brilhantes e cabelos arrumados em torno de Magnus e Alec.
Os olhos de Alec estavam um pouco arregalados. Magnus suspeitava que ele tivesse agido em reflexo e não tinha realmente a intenção de usar a força destinada aos inimigos demoníacos contra um mundano.
O rapaz ruivo gritou, erguendo e agitando as mãos no que parecia ser uma rendição urgente ou uma imitação muito boa de um pato em pânico.
— Cara! — Disse. — Eu sinto muito! Sério! Eu não sabia que você era um ninja!
Alec tirou a bota, e lançou um olhar ao redor para os fascinados espectadores.
— Eu não sou um ninja — murmurou.
Uma garota bonita com presilhas de borboleta em seus dreadlocks colocou a mão no braço do Caçador de Sombras.
— Você foi incrível — falou para ele, sua voz doce. — Você tem os reflexos de uma cobra! Deve ser um dublê. Na verdade, com suas maçãs do rosto, você deve ser um ator. Um monte de gente está procurando por alguém tão bonito quanto você que faça suas próprias cenas de ação.
Alec enviou a Magnus um olhar aterrorizado e suplicante. Magnus teve pena dele, colocou a mão na parte inferior das costas de Alec e inclinou-se contra ele. Sua atitude e o olhar que ele atirou para a garota claramente comunicavam meu encontro.
— Sem ofensa — ela falou, rapidamente retirando a mão de modo que pudesse procurar algo em sua bolsa. — Deixe-me dar-lhe o meu cartão. Eu trabalho em uma agência de talentos. Você poderia ser uma estrela.
— Ele é estrangeiro — Magnus explicou. — Ele não tem número de seguro social. Você não pode contratá-lo.
A menina considerou cabeça curvada de Alec melancolicamente.
— Que pena. Ele poderia ser grande. Aqueles olhos!
— Percebo que ele é extraordinário — disse Magnus. — Mas temo que tenho que levá-lo embora. Ele é procurado pela Interpol.
Alec lançou-lhe um olhar estranho.
— Interpol?
Magnus deu de ombros.
— Extraordinário? — Alec repetiu.
Magnus levantou uma sobrancelha para ele.
— Você deveria saber que eu pensava assim. Por que mais eu concordaria em ir a um encontro com você?
Aparentemente, Alec não sabia ao certo, mesmo que tenha dito que Isabelle e Jace já comentaram sobre isso com ele. Magnus possivelmente precisava aprender a ser sutil, e o acesso aos espelhos a Alec provavelmente era vetado no Instituto. Ele parecia assustado e satisfeito.
— Eu pensei que talvez... você sabe, quando disse que não era antipático...
— Eu não faço caridade — disse Magnus. — Em qualquer área da minha vida.
— Devolverei sua carteira — surgiu uma voz prestativa.
O assaltante ruivo a seus pés interrompeu o que poderia ter se tornado um bom momento embaraçoso, procurando a carteira de Magnus, e, em seguida, deixando-a cair no chão, com um grito de dor.
— Essa carteira me mordeu!
Isso irá lhe mostrar que não se deve roubar carteiras de feiticeiros, Magnus pensou, curvando-se para recuperar a carteira em meio a uma floresta de saltos altos no concreto.
Em voz alta, disse:
— Esta não é mesmo a sua noite de sorte, é?
— Sua carteira morde as pessoas? — Alec perguntou.
— Esta carteira morde as pessoas — Magnus respondeu, embolsando-a. ficou feliz em tê-la de volta, não só porque gostava de dinheiro, mas porque a carteira combinava com suas calças vermelhas de pele de crocodilo. — A John Varvatos explode em chamas.
— Quem? — Alec disse.
Magnus olhou para Alec tristemente.
— O designer totalmente incrível — a menina de presilhas em formato de borboleta explicou. — Você sabe, eles te dão coisas de graça de designers quando se é uma estrela de cinema.
— Eu sempre quis bater uma carteira Varvatos — concordou o ruivo ladrão. — Não que eu roube e venda pertences de qualquer um desta plataforma. Especialmente não de vocês — ele atirou a Alec um olhar que beirava a adoração ao herói. — Eu não sabia que caras gays podiam lutar assim. Sem ofensas. Foi mal.
— Você teve duas lições importantes sobre tolerância e honestidade — Magnus informou-o severamente. — E ainda tem todos os dedos depois de tentar me assaltar, de modo que isto é o melhor resultado que você poderia esperar.
Houve um murmúrio de simpatia. Magnus olhou em volta e viu Alec observando a todos de olhos arregalados, e todos parecendo interessados. Aparentemente, a multidão que se reuniu acreditava verdadeiramente em seu amor.
— Ah, cara, eu realmente sinto muito — disse o assaltante. — Eu não queria estragar o primeiro encontro de ninguém com um ninja.
— ESTAMOS SAINDO AGORA — disse Magnus, em sua melhor voz de Alto Feiticeiro.
Ele estava preocupado que Alexander estivesse planejando atirar-se na frente de um trem.
— Divirtam-se em seu encontro, meninos — desejou a garota de presilhas de borboleta, guardando seu cartão no bolso das calças de brim de Alec. Alec saltou como um lebre assustada. — Me ligue se mudar de ideia sobre querer fama e fortuna!
— Desculpa de novo! — Disse o ex-ladrão, acenando um alegre adeus.
Eles deixaram a plataforma no meio de um coro de pessoas bem-intencionadas. Alec pareceu como se quisesse apenas a doce libertação da morte.

***

O restaurante era na Rua 13 leste com a Terceira Avenida, perto de uma loja American Apparel e entre uma fileira de prédios de tijolos vermelhos de aparência antiga. Era um restaurante de fusão etíope e italiana dirigido por Seres do Submundo. Ficava no lado pobre e sombrio, então Caçadores de Sombras não o frequentavam. Magnus tinha fortes suspeitas de que Alec não gostaria de arriscar que qualquer Nephilim os visse juntos.
Ele também tivera muitos encontros com mundanas lá, como uma forma de trazê-los facilmente ao seu mundo. O restaurante atendia clientes mundanos, mas como a principal clientela era membro do Submundo, os encantamentos para esconder o sobrenatural dos olhos mundanos eram poucos.
Havia um grande dinossauro grafitado obscurecendo a placa do restaurante. Alec olhou para ela rapidamente, mas seguiu Magnus para dentro do restaurante rapidamente.
No momento em que Magnus entrou no restaurante, ele percebeu que havia cometido um erro terrível. No momento em que a porta se fechou atrás deles, um silencio terrível caiu sobre o salão grande e mal iluminado. Houve um estrondo no restaurante quando um Ifrit com sobrancelhas flamejantes mergulhou atrás da mesa.
Magnus olhou para Alec e percebeu o que ele viu. Mesmo sem os trajes de Caçador de Sombras, seus braços tinham runas, e suas roupas mostravam sinais de que ele estava carregando armas. Nephilim.
Magnus poderia muito bem ter entrado num bar clandestino na época de Lei Seca ladeado por policiais armados.
Deus, encontro arruinado.
— Magnus Bane! — Assobiou Luigi, o proprietário, quando ele entrou. — Você trouxe um Caçador de Sombras para cá! Isso é um ataque? Magnus, pensei que nós fôssemos amigos! Você podia pelo menos ter me dado um aviso!
— Nós estamos aqui socialmente — Magnus disse. Ele levantou as mãos, com as palmas para frente. — Eu juro, só para comer e conversar.
Luigi concordou com a cabeça.
— Por você Magnus. Mas se ele fizer qualquer movimento na direção dos meus outros clientes... — ele gesticulou na direção de Alec.
— Eu não vou — Alec respondeu, e limpou a garganta. — Eu... estou de folga.
— Caçadores de Sombras nunca estão de folga — Luigi replicou sombriamente, e guiou-os até uma mesa na parte mais distante do restaurante, o canto próximo às portas duplas que levavam à cozinha.
Um garçom lobisomem com uma expressão fixa que indicava tédio ou constipação se aproximou.
— Olá, meu nome é Erick e eu vou estar a seu serviço esta noit... Oh meu Deus, você é um Caçador de Sombras!
Magnus fechou seus olhos por um doloroso momento.
— Nós podemos ir embora — ele disse a Alec. — Isto pode ter sido um erro.
Mas uma luz de teimosia surgiu nos olhos de Alec. Apesar de sua aparência de porcelana, Magnus podia ver o aço por baixo.
— Não, está tudo bem, aqui parece... bom.
— Você está me fazendo sentir bastante ameaçado — disse Erick, o garçom.
— Ele não está fazendo nada — Magnus retrucou.
— Não é sobre o que ele está fazendo, é sobre como ele está fazendo eu me sentir — fungou Erick. Ele bateu com os menus na mesa, como se as opções de comida o tivessem ofendido pessoalmente. — Eu vou ter úlceras de estresse.
— O mito de que estresse gera úlceras foi detonado anos atrás — Magnus apontou. — Na verdade é algum tipo de bactéria.
— Hum, quais são os especiais? — Alec perguntou.
— Eu não consigo lembrar enquanto minhas emoções estiverem sob esse tipo de tensão — Erick respondeu. — Um Caçador de Sombras matou meu tio.
— Eu nunca matei o tio de ninguém — disse Alec.
— Como você poderia saber? — Erick questionou. — Quando você está para matar alguém, você para e pergunta a eles se eles têm sobrinhos?
— Eu mato demônios. Demônios não têm sobrinhos.
Magnus sabia que essa era uma verdade apenas técnica. Ele limpou a garganta ruidosamente.
— Talvez eu possa pedir por nós dois, e nós possamos dividir?
— Claro — Alec concordou, abaixando seu menu.
— Você quer uma bebida? — o garçom perguntou a Alec severamente, adicionando suavemente: — Ou quer esfaquear alguém? Se precisar absolutamente disso, talvez você possa esfaquear o cara de camisa vermelha que está lá no canto. As gorjetas dele são horríveis.
Alec abriu e fechou a boca, e então a abriu de novo.
— Essa é uma pegadinha?
— Por favor vá embora — disse Magnus.
Alec estava bem quieto, mesmo depois que Erick, o garçom irritante, se fora. Magnus estava quase certo de que ele estava tendo um momento horrível, e não podia culpá-lo. Muitos dos outros clientes tinham ido embora, lançando olhares de pânico sobre seus ombros enquanto pagavam apressadamente.
Quando a comida chegou, os olhos de Alec se alargaram quando ele viu que Magnus tinha pedido o kitfo cru. Luigi tinha caprichado: também haviam suculentos tibs, doro wat, um prato de guisado de cebola vermelha picante, purê de lentilhas e couve, e tudo isso colocado sobre um pão etíope esponjoso e espesso conhecido como injera. A parte italiana da herança de Luigi estava representada por uma porção de penne. Alec fez um bom trabalho com a comida, e parecia saber que deveria comer com as mãos mesmo sem terem dito a ele. Ele é um nova-iorquino, Magnus pensou, mesmo que seja um Caçador de Sombras também.
— Esta foi a melhor comida etíope que já provei. Você conhece muito sobre comida? — Alec perguntou. — Quer dizer, é óbvio que você sabe. Deixa pra lá. Esta foi uma coisa estúpida para se dizer.
— Não, não foi — Magnus disse, franzindo as sobrancelhas.
Alec comeu um pouco de penne arrabiata. Ele imediatamente se afogou com o penne. Lagrimas começaram se formar em seus olhos.
— Alexander!
— Estou bem! — Alec engasgou, parecendo horrorizado.
Ele agarrou seu pedaço de pão e percebeu que era um pão apenas quando tentou secar suas lágrimas com ele. Ele derrubou o pão apressadamente e agarrou seu guardanapo no lugar, escondendo seus olhos úmidos e o rosto vermelho.
— Você obviamente não está bem! — Magnus disse a ele, e experimentou uma porção bem pequena do penne.
Ele queimou como fogo: Alec ainda estava arquejando em seu guardanapo. Magnus fez um gesto autoritário para o garçom que pode ter incluído alguns brilhos azuis estalando e se agitando sobre a superfície das mesas de outras pessoas. As pessoas próximas dele começaram a fugir de suas mesas subitamente.
— Este penne está muito arrabiata, e você fez isso de propósito — Magnus falou quando o lobisomem mal-humorado apareceu em seu campo de visão.
— Direito dos lobisomens — Erick resmungou. — Esmagar os opressores vis.
— Ninguém nunca ganhou uma revolução com massa, Erick — disse Magnus. — Agora vá pegar um novo prato, ou vou falar com Luigi sobre você.
— Eu... — Erick começou desafiadoramente. Magnus estreitou seus olhos de gato. Erick encontrou o olhar de Magnus e resolveu não ser um garçom herói. — Claro. Minhas desculpas.
— Que idiota — Magnus comentou em voz alta.
— É — disse Alec, retirando outro pedaço do injera. — O que os Caçadores de Sombras fizeram a ele de qualquer forma?
Magnus levantou uma sobrancelha.
— Bom, ele mencionou um tio morto.
— Ah. Certo.
Ele voltou a encarar o tampo da mesa.
— Ele ainda é um total idiota — Magnus comentou.
Alec murmurou algo que Magnus não conseguiu entender.
E então a porta se abriu e um belo homem humano com profundos olhos verdes entrou. Suas mãos estavam nos bolsos de seu caro terno, e ele estava cercado por um grupo de jovens fadas bonitas, tanto fêmeas quanto machos.
Magnus deslizou para baixo em sua cadeira. Richard. Richard era um mortal que havia sido adotado pelas fadas como elas às vezes faziam, especialmente quando os mortais tinham dons musicais. Ele também era algo mais.
Magnus limpou a garganta.
— Um pequeno aviso. O rapaz que acabou de entrar é um ex — ele disse. — Bem, quase um ex. Isso foi algo casual. E nos separamos amigavelmente.
Naquele momento, Richard percebeu que Magnus estava lá. Todo o rosto de Richard se contorceu num espasmo, e então ele atravessou o salão em dois passos.
— Você é desprezível — Richard sibilou, e então pegou a taça de vinho de Magnus e jogou o conteúdo no rosto dele. — Dê o fora enquanto pode — ele continuou para Alec. — Nunca confie em um bruxo. Eles vão enfeitiçar os anos de sua vida e o amor em seu coração!
— Anos? — Magnus explodiu. — Mal foram vinte minutos!
— O tempo é diferente para aqueles que são das fadas — disse Richard, o idiota pretensioso. — Você desperdiçou os melhores vinte minutos da minha vida!
Magnus pegou seu guardanapo e começou a limpar o rosto. Ele piscou e viu através do borrão vermelho Richard recuando e o rosto assustado de Alec.
— Tudo bem — ele disse. — É possível que eu esteja errado sobre a parte “amigável”. — Ele tentou sorrir suavemente, o que foi difícil de fazer com vinho em seu cabelo. — Oh, bem. Você sabe como são os ex.
Alec estudou a superfície da mesa. Havia obras de arte em museus que receberam menos atenção que este tampo de mesa.
— Não, na verdade — ele disse. — Este é o meu primeiro encontro.
Isso não estava funcionando. Magnus não sabia o porquê de ele pensar que poderia funcionar. Ele tinha que se livrar desse encontro sem machucar muito o orgulho de Alec Lightwood. Desejava poder se sentir orgulhoso de ter um plano pronto para isso, mas enquanto enviava uma mensagem para Catarina por baixo da mesa, o que ele sentia era um sentimento de melancolia o envolvendo.
Magnus ficou sentado em silêncio, esperando que Catarina ligasse, e tentando encontrar uma maneira de dizer “Sem ressentimentos. Eu gosto de você mais do que de qualquer outro Caçador de Sombras que já conheci em mais de um século, e espero que você encontre um Caçador de Sombras legal... se tiver algum outro legal além de você.
O telefone tocou enquanto Magnus ainda estava escrevendo mentalmente seu discurso, o som alto se infiltrou entre o silêncio duro deles. Suas mãos ainda não estavam inteiramente estáveis, e ele temeu que fosse derrubar o telefone como Alec tinha derrubado seu copo, mas conseguiu atendê-lo. A voz de Catarina soou na linha, clara e inesperadamente urgente. Catarina era claramente uma atriz metódica.
— Magnus, temos uma...
— Uma emergência, Catarina? — Magnus perguntou. — Isso é terrível! O que aconteceu?
— Uma emergência de verdade aconteceu Magnus!
Magnus apreciava o comprometimento de Catarina com o papel, mas desejava que ela não estivesse gritando tão alto em sua orelha.
— Isso é terrível Catarina. Quer dizer, estou terrivelmente ocupado, mas suponho que se vidas estão em risco eu não posso dizer n...
— Há vidas em risco, seu falador idiota! — Catarina gritou. — Traga o Caçador de Sombras!
Magnus fez uma pausa.
— Catarina, não acho que você tenha entendido completamente o que você deve fazer aqui.
— Você já está bêbado Magnus? — Catarina perguntou. — Você está depravando e desmoralizando um Nephilim – e um Nephilim com menos de 21 anos – e o deixando bêbado?
— Todo o álcool que passou por meus lábios foi um vinho atirado em meu rosto — Magnus respondeu. — E fui totalmente inocente nesse fato.
Houve uma pausa.
— Richard? — perguntou Catarina.
— Richard — Magnus confirmou.
— Olha, ignore-o. Preste atenção, Magnus, porque estou trabalhando e uma de minhas mãos está coberta de fluidos, e eu só vou dizer isso uma vez.
— Fluidos — disse Magnus. — Que tipo de fluidos?
Alec arregalou os olhos para ele.
— Só vou dizer isso uma vez, Magnus — Catarina repetiu firmemente. — Tem uma jovem lobisomem no Bar Beauty no cento da cidade. Ela saiu numa noite de lua cheia porque queria provar a si mesma que ainda podia ter uma vida normal. Um vampiro avisou sobre isso e os vampiros não vão oferecer nenhuma ajuda porque vampiros nunca ajudam. A lobisomem está mudando, e ela está num local desconhecido e lotado, e provavelmente vai matar alguém. Eu não posso deixar o hospital. Lucian Graymark está com seu telefone desligado e seu bando diz que ele está no hospital com alguém querido. Você não está no hospital: você está num estúpido encontro. Se foi ao restaurante sobre o qual me falou, você é a pessoa mais próxima que conheço que pode ajudar. Você vai ajudar, ou vai continuar a desperdiçar o meu tempo?
— Eu vou desperdiçar o seu tempo em outro momento, querida — disse Magnus.
Catarina respondeu, e ele ouviu o humor em sua voz:
— Aposto que sim.
Ela desligou. Catarina estava sempre muito ocupada para dizer tchau.
Magnus percebeu que ele também não tinha muito tempo, mas gastou um momento olhando para Alec. Catarina tinha dito para levar o Caçador de Sombras, mas Catarina não tinha muito a ver com o Nephilim. Magnus não queria ver Alec cortando fora a cabeça de uma pobre garota por ela ter quebrado a Lei: ele não queria que alguém sofresse se cometesse um erro de julgamento, e não queria acabar odiando Alec como odiou muitos Nephilim. Ele também não queria que mundanos acabassem mortos.
— Sinto muito sobre isso — ele disse. — É uma emergência.
— Hum — disse Alec, levantando os ombros. — Está tudo bem, eu entendo.
— Há uma licantropo fora de controle em um bar aqui perto.
— Oh.
Algo dentro de Magnus se quebrou.
— Eu preciso ir e tentar controlá-la. Você poderia vir e me ajudar?
— Oh, esta é uma emergência real? — Alec exclamou, e se animou imensuravelmente. Por um momento, Magnus se sentiu agradecido por um lobisomem enlouquecido estar devastando Manhattan, se isso fez Alec parecer assim. — Imaginei que fosse um daqueles momentos onde você combina com um amigo para ele te ligar e você escapar de um encontro terrível.
— Há-há — disse Magnus. — Eu não sabia que as pessoas faziam coisas assim.
— Uhum — Alec já estava de pé, colocando a jaqueta. — Vamos, Magnus.
Magnus sentiu uma chama de afeto em seu peito: pareceu com uma pequena explosão, agradável e chocante ao mesmo tempo. Ele gostou de como Alexander disse as coisas que outras pessoas pensavam, mas nunca falavam. Gostou de como Alec chamou-o de Magnus, e não de feiticeiro. Gostou de como os ombros de Alec se moveram sob sua jaqueta (às vezes ele era superficial).
E estava feliz que Alec quisesse vir. Ele assumiu que Alec poderia estar encantado pelo pretexto para sair do encontro desconfortável, mas talvez ele tenha lido a situação de maneira errada.
Magnus deixou dinheiro na mesa; quando Alec fez objeção, ele sorriu ironicamente.
— Por favor — ele disse. — Você não tem ideia de quanto eu superfaturei meus serviços aos Nephilim. Isso é justo. Vamos embora.
Enquanto eles saíam pela porta da frente, ouviram o garçom gritar em suas costas:
— Direitos dos lobisomens!

***

O Bar Beauty normalmente estava lotado a essa hora numa sexta à noite, mas as pessoas saindo de lá não estavam com aquele ar descontraído de quem vai para fora fumar ou ligar para alguém. Elas se demoravam sob a fachada brilhante que tinha “Beauty” escrito em letras vermelhas e brilhantes em cima do que parecia ser a pintura da cabeça de uma Medusa dourada.
A multidão tinha o ar de pessoas que estavam desesperadas para escapar, mas que hesitavam, presas no lugar por uma incomum e terrível fascinação.
 Uma menina agarrou a manga de Magnus e olhou para ele, seus cílios postiços brilhando com glitter preateado.
— Não entre lá — ela sussurrou. — Tem um monstro lá dentro.
Eu sou um monstro, Magnus pensou. E monstros eram sua especialidade.
Ele não disse isso. Em vez disso, falou:
— Eu não acredito em você.
E entrou. Ele falara também por outro motivo: os Caçadores das Sombras, até mesmo Alec, podiam acreditar que Magnus era um monstro, mas Magnus não. Ele se ensinou não acreditar nisso, apesar de sua mãe e o homem que ele tinha chamado de pai, além de outras mil pessoas, tenham lhe dito que essa era a verdade.
Magnus não acreditaria que a garota era um monstro também, não importa o que ela parecesse ser para os mundanos ou para os Nephilim.
Ela tinha uma alma, e isso significava que ela poderia ser salva.
Estava escuro no bar, e contrário às expectativas de Magnus, ainda havia lá pessoas dentro. Em uma noite normal, o Bar Beauty era um pequeno lugar cafona cheio de pessoas felizes recebendo manicures da equipe, empoleiradas em assentos que pareciam cadeiras antiquadas de cabeleireiro com secadores enormes encaixados no encosto e gente dançando pelo chão de azulejos preto e branco alternados, como um grande tabuleiro de xadrez.
Esta noite ninguém estava dançando, e as cadeiras estavam abandonadas.
Magnus olhou para uma mancha no chão de tabuleiro de xadrez e viu que os azulejos pretos e brancos estavam manchados com sangue vermelho brilhante.
Ele olhou para ver se Alec tinha notado isso também e encontrou-o mudando de um pé para outro, obviamente nervoso.
— Você está bem?
— Eu sempre faço isso com Isabelle e Jace — Alec disse. — E eles não estão aqui. E não posso chamá-los.
— Por que não? — Perguntou Magnus.
Alec corou assim que Magnus percebeu o que ele quis dizer. Alec não podia chamar seus amigos porque não queria que eles soubessem que ele estava em um encontro com Magnus. Não queria especialmente que Jace soubesse. Não foi uma coisa legal de se pensar, mas isso era da conta de Alec.
Também não era mentira que Magnus não queria mais Caçadores de Sombras junto com eles para resolver os problemas com sua “Lei dura”, mas ele via o problema de Alec. Pelo o que tinha visto da irmã de Alexander e Jace, tinha certeza de que Alec estava acostumado a protegê-los, protegendo-os de suas próprias ações precipitadas, e isso significava que Alec estava acostumado a defender, e não atacar.
— Você vai se sair bem sem eles — Magnus incentivou. — Eu posso te ajudar.
Alec não parecia confiante nessa proposta, o que era ridículo, porque Magnus podia fazer mágica de verdade, algo que os Caçadores de Sombras gostavam de esquecer quando estavam ocupados demais pensando em quão superior eles eram. Entretanto, para crédito de Alec, ele balançou a cabeça e seguiu em frente. Magnus notou, com ligeira perplexidade, que sempre que Magnus tentava ir para frente, Alec estendia um braço ou se movia um pouco mais rápido, ficando a sua frente em uma postura protetora.
As pessoas que ainda estavam no bar estavam grudadas contra as paredes, imóveis com o terror. Alguém estava soluçando.
Houve um rosnado baixo vindo de trás do bar.
Alec seguiu em direção ao som, com o andar calmo e silencioso de um Caçador de Sombras, e Magnus o seguiu.
O salão era decorado com fotos em preto e branco de mulheres da década de 1950 e uma bola de discoteca que obviamente não emitia nenhuma luz útil. Havia um palco vazio feito de caixas e uma lâmpada de leitura que fornecia a única iluminação de verdade. Havia sofás no centro da sala, cadeiras na parte de trás, e as sombras ao redor.
Uma sombra se movia e rosnava entre todas as outras silhuetas. Alec rondava a frente, caçando, e a lobisomem deu um grunhido de desafio.
E de repente havia uma menina magra, seus longos cabelos escuros enrolados, com filetes de sangue correndo diretamente para eles.
Magnus saltou para a frente e pegou-a nos braços antes que ela pudesse distrair ou ser atacado por Alec.
— Não deixe que ele a machuque! — Ela gritou, ao mesmo tempo em que Magnus perguntou:
— O quanto ela te machucou? — Magnus fez uma pausa e disse: — Acho que não estamos na mesma sintonia. Agora, só perguntas de sim ou não: você está gravemente machucada?
Ele segurou seus ombros gentilmente e a olhou.
Ela tinha um longo arranhão profundo em seu braço bronzeado. Sangue jorrava do arranhão, caindo em gotas gordas no chão enquanto eles conversavam, ela era a fonte do sangue no chão lá fora.
Ela olhou para Magnus e mentiu:
— Não.
— Você é mundana, não é?
— Sim... eu não sou uma lobisomem ou qualquer outra coisa, se é isso o que você quis dizer.
— Mas você sabe que ela é um lobisomem.
— Claro que sim, imbecil! — A menina respondeu. — Ela me contou. Eu sei tudo sobre isso. E não me importo. A culpa é minha. Eu a incentivei a sair.
— Não fui eu quem incentivou lobisomens a saírem em uma lua cheia para atacar pessoas em uma pista de dança lotada — disse Magnus. — Mas talvez nós possamos decidir quem aqui é o imbecil em uma hora melhor, em que não haja vidas em jogo.
A menina agarrou o braço dele. Alec estava visível para ela, como Caçadores de Sombras raramente eram para mundanos. Ela podia ver as suas armas. Estava sangrando muito e mesmo assim seu medo era por outra pessoa.
Magnus segurou o braço da menina. Ele teria feito melhor com ingredientes e poções, mas enviou um poder azul brilhante em torno do braço dela para aliviar a dor e parar o sangramento.
Quando abriu os olhos, viu o olhar da garota fixo nele, seus lábios se separaram e o rosto possuía um ar de dúvida. Magnus se perguntou se ela sabia que havia no mundo pessoas que podiam fazer mágica, além dos lobisomens que existiam no mundo.
Por cima do ombro, viu Alec correr e se juntar a batalha com o lobo.
— Uma última pergunta — Magnus falou, suave e rapidamente. — Pode confiar em mim para salvar sua amigo?
A menina hesitou, e então respondeu:
— Sim.
— Então vá esperar lá fora. Fora do bar, não nesta sala. Vá esperar lá fora e acalme e disperse a todos que conseguir.  Diga às pessoas que é apenas um cão raivoso que vagou para dentro do bar, todos vão aceitar. Diga a eles que você não está gravemente ferida. Qual é o nome da sua amiga?
Ela engoliu em seco.
— Marcy.
— Marcy vai querer saber que você está segura quando conseguirmos pará-la — disse Magnus. — Vá, para o bem dela.
A menina balançou a cabeça em um movimento rápido, e depois fugiu do aperto de Magnus. Ele ouviu seus saltos plataforma baterem nos azulejos enquanto ela saía. Ele podia, finalmente, voltar para Alec.
Ele viu um flash de dentes no escuro e não enxergou Alec, porque ele era um borrão de movimento, rolando para longe, em seguida, voltando para o lobo. Para Marcy, Magnus se corrigiu, e ao mesmo tempo viu que Alec não tinha esquecido que Marcy era uma pessoa, ou pelo menos, que Magnus lhe pediu para ajudá-la. Ele não estava usando suas lâminas serafim. Estava tentando não ferir alguém que tinha presas e garras. Magnus não queria que Alec fosse arranhado, e definitivamente não queria que Alec corresse o risco de ser mordido.
— Alexander — Magnus chamou, e percebeu seu erro quando Alec virou a cabeça e, em seguida, teve que recuar às pressas para fora do caminho da investida da furiosa lobisomem.
Ele caiu e rolou, parando agachado na frente de Magnus.
— Você tem que ficar para trás — ele disse, sem fôlego.
A lobisomem, aproveitando-se da distração de Alec, rosnou e saltou. Magnus jogou uma bola de fogo azul nela, que acertou em suas costas e a fez girar. Alguns gritos vieram das poucas pessoas que ainda restavam no bar, todas elas correndo em direção à saída. Magnus não se importava. Caçadores de Sombras, ele sabia, eram feitos para proteger os civis, mas Magnus não era um.
— Você tem que lembrar que eu sou um feiticeiro.
— Eu sei — disse Alec, esquadrinhando as sombras. — Eu só queria... — Ele não conseguiu encontrar as palavras, mas o resto da frase, infelizmente, fez todo o sentido: — Penso — ele disse claramente — penso que você a fez ficar com raiva.
Magnus seguiu o olhar de Alec. A lobisomem estava de pé novamente e os observava, seus olhos brilhando com um fogo ímpio.
— Que habilidades de percepção excelentes você tem, Alexander.
Alec tentou empurrar Magnus para trás. Magnus agarrou sua camiseta preta e puxou-o para trás junto com ele. Eles se moveram juntos, lentamente, para fora do salão.
A amiga da lobisomem tinha sido fiel à sua palavra: o bar estava vazio, um playground brilhante e sombrio para a licantropo brincar.
Alec surpreendeu tanto Magnus quanto a lobisomem ao se lançar em direção a Marcy. Seja o que for que ele tivesse planejado não deu certo: desta vez as garras da lobisomem acertaram seu peito em cheio. Alec saiu voando em direção a uma parede rosa decorada com glitter dourado. Ele acertou um espelho que estava na parede com força suficiente para quebrá-lo.
— Ah, estúpidos Caçadores das Sombras— Magnus gemeu baixinho.
Mas Alec usou seu próprio corpo batendo na parede como alavanca, se movendo ao longo da parede e para cima, agarrando um lustre reluzente e se balançando, depois descendo suavemente, como um gato, saltando e agachando-se para atacar novamente em um movimento suave.
— Estúpidos e sexys Caçadores de Sombras. Alec! — Magnus chamou.
Alec tinha aprendido a lição: ele não olhou ao redor, ou arriscou ficar distraído. Magnus estalou os dedos e uma chama azul apareceu dançando entre eles como se ele tivesse acendido um isqueiro. Isso chamou a atenção de Alec.
— Alexander, vamos fazer isso juntos.
Magnus levantou as mãos e lançou uma teia de linhas azuis de seus dedos, que confundiu o lobo e protegeria os mundanos. Cada um dos fios brilhantes emitiu luz suficiente para fazer o lobo hesitar. Alec andou torno deles, e Magnus teceu a luz à sua volta ao mesmo tempo. Ficou surpreso com a facilidade com que Alec se mesclou com sua magia. A maior parte dos Caçadores das Sombras que ele conhecia ficaria meio desconfiado.
Talvez fosse o fato de que Magnus nunca tivesse desejado ajudar e proteger dessa forma antes, mas a combinação da magia de Magnus e a força de Alec deu certo, de alguma forma.
O lobo rosnou, gemeu e se abaixou, seu mundo cheio de luz ofuscante, e em todos os lugares que ela ia, Alec estava lá. Magnus sabia como a lobisomem se sentia. Ela gemeu, uma linha de luz azul em volta de seu pelo, e Alec estava sobre a licantropo. Seu joelho pressionava-se no flanco do lobo, e sua mão foi para o cinto. Apesar de tudo, o medo brilhou frio pela espinha de Magnus. Ele podia imaginar a faca, Alec cortando a garganta da lobisomem.
Mas o que Alec tirou do cinto foi uma corda. Envolveu-a em torno do pescoço dela enquanto Magnus a mantinha presa. Ela lutou, resistiu e rosnou. Magnus deixou as linhas mágicas caírem e murmurou, as palavras mágicas saíam de seus lábios em baforadas de fumaça azul, palavras mágicas de cura, ilusões de segurança e calma.
— Vamos lá, Marcy — Magnus falou com clareza. — Vamos!
A lobisomem estremeceu e mudou, ossos aparecendo e pelos indo embora, e depois de longos momentos de agonia, Alec viu-se com os braços ao redor de uma garota vestida com apenas tiras rasgadas de um vestido. Ela estava quase nua.
Alec pareceu mais desconfortável do que estava quando ela era um lobo. Rapidamente a soltou, e Marcy se sentou, com os braços apertados em torno de si. Ela estava gemendo baixinho. Magnus tirou o longo casaco de couro vermelho e ajoelhou-se para envolvê-lo em torno dela. Marcy agarrou as lapelas.
— Muito obrigada — Marcy agradeceu, olhando para Magnus com os olhos suplicantes grandes. Ela era uma loira atraente em sua forma humana, o que fez sua forma de lobo gigante irritado parecer mais engraçado em retrospecto. Em seguida, seu rosto apertou-se em angústia, e nada parecia engraçado. — Eu... Por favor, eu machuquei alguém?
— Não — Alec respondeu, sua voz forte e confiante, o que acontecia muito raramente. — Não, você não feriu ninguém.
— Tinha alguém comigo... — Marcy começou a falar.
— Ela foi arranhada — Magnus revelou, mantendo a voz firme e reconfortante. — Ela está bem. Eu a curei.
— Mas eu a machuquei — disse Marcy, e colocou seu rosto entre as mãos manchadas de sangue.
Alec estendeu a mão e tocou as costas de Marcy, acariciando-a suavemente como se ela fosse sua própria irmã.
— Ela está bem. Você não... Eu sei que não queria machucá-la, que não queria machucar ninguém. Você não pode deixar de ser o que você é. Vai entender tudo isso.
— Ela te perdoa — Magnus disse para Marcy, mas Marcy estava olhando para Alec.
— Oh meu Deus, você é um Caçador de Sombras — ela sussurrou, assim como o garçom lobisomem Erik fez, mas com medo em sua voz, em vez de desprezo. — O que você vai fazer comigo? — Ela fechou os olhos. — Não. Desculpe. Você me parou. Se você não estivesse aqui... O que quiser fazer comigo, eu mereço.
— Eu não vou fazer nada com você — Alec respondeu, e Marcy abriu os olhos e olhou para o rosto de Alec. — Vou manter minha palavra. Não contarei a ninguém. Prometo.
Alec tinha o mesmo ar de quando Magnus falara de sua infância na festa em que eles se conheceram. Era algo que Magnus quase nunca fazia, mas tinha se sentido com vontade de fazer isso, uma vez que todas essas crianças Caçadores de Sombras estavam em sua casa – a filha de Jocelyn Fray, Clary, apresentando-se sem a mãe e com tantas perguntas sem respostas que ela merecia ter. Ele não esperava olhar nos olhos de um Caçador das Sombras e ver simpatia.
Marcy sentou-se, recolhendo o casaco a sua volta. De repente ela parecia digna, como se percebesse que tinha direito de estar nesta situação. Que ela era uma pessoa. Que ela era uma alma, e a alma fora respeitada como deveria ter sido.
— Obrigada — ela falou, calmamente. — Obrigada a vocês dois.
— Marcy? — chamou a voz da amiga da porta.
Marcy olhou na direção da voz.
— Adrienne!
Adrienne correu para dentro, quase derrapando no chão de azulejos, atirou-se ao chão e envolveu Marcy em seus braços.
— Você se machucou? Me mostre — Marcy sussurrou em seu ombro.
— Está tudo bem, não é nada, está tudo absolutamente bem — disse Adrienne, acariciando os cabelos de Marcy.
— Eu sinto muito — Marcy falou, segurando o rosto de Adrienne.
Beijaram-se, sem se importar com o fato de Alec e Magnus estarem bem ali.
Quando elas se separaram, Marcy balançou Adrienne em seus braços e sussurrou:
— Nós nunca mais vamos deixar isso acontecer. Nunca mais.
Outras pessoas seguiram o exemplo de Adrienne e chegavam em pares e trios.
— Você está muito bem vestido para um dono de carrocinha — comentou um homem que Magnus pensou ser o barman.
Magnus inclinou a cabeça.
— Muito obrigado.
Mais pessoas voltaram, com cautela, em seguida, em número muito maior. Ninguém perguntava exatamente para onde o cão tinha ido. Um grande número delas parecia apenas querer drinks. Talvez alguns fizessem perguntas mais tarde, quando o choque tivesse passado, e o trabalho desta noite se tornaria uma situação que precisaria ser esclarecida. Mas Magnus decidiu que era um problema para mais tarde.
— Foi bom, o que você disse para ela — Magnus comentou, quando a multidão escondeu completamente Marcy e Adrienne de seus olhos.
— Ahn... não foi nada — Alec respondeu, parecendo envergonhado. Os Caçadores de Sombras não pareciam ser daqueles que gostam de gentilezas, Magnus supôs. — Quero dizer, é o motivo de estamos aqui, não é? Os Caçadores de Sombras, quero dizer. Temos que ajudar quem precisa de ajuda. Temos que proteger as pessoas.
Os Nephilim que Magnus conhecera pareciam acreditar que os Seres do Submundo tinham sido criados para ajudá-los, e ser eliminados se não ajudassem o suficiente.
Magnus olhou para Alec. Ele estava suado e ainda respirava com dificuldade, os arranhões em seus braços e rosto curados graças às iratzes em sua pele.
— Não acho que vamos conseguir uma bebida aqui; há muita fila — Magnus falou lentamente. — Vamos ter a saideira em meu apartamento.
Eles caminharam para casa. Apesar de ter sido um longo caminho, foi um agradável passeio em uma noite de verão, o ar quente nos braços nus de Magnus e a lua contornando a Ponte do Brooklyn, transformando-a numa estrada reluzindo branco.
— Estou agradecido por sua amiga ter te chamado para salvar aquela garota — confessou Alec. — E estou muito feliz por você ter me chamado para ir junto. Eu fiquei... Fiquei surpreso que tenha me chamado, depois da forma como as coisas estavam indo.
— Fiquei preocupado que você estivesse tendo uma noite horrível — Magnus respondeu.
Parecia que ele estava colocando muito poder nas mãos de Alec, mas Alec foi honesto com ele e Magnus se viu possuído pelo estranho impulso de ser honesto também.
— Não — disse Alec, e ficou vermelho. — Não, não é nada disso. Eu não quis... me desculpe.
— Não se desculpe — Magnus pediu a ele em voz baixa.
As palavras pareceu explodir de Alec em uma corrida, embora a julgar por sua expressão, ele desejava poder ter ficado calado.
— Foi minha culpa. Eu fiz tudo errado antes mesmo de chegar, e você sabia o que pedir no restaurante e eu tive que me controlar para não rir daquela música no metrô. Eu não tenho ideia do que estou fazendo e você é, hum, glamoroso.
— O quê?
Alec olhou para Magnus, aflito, como se pensasse que tinha feito tudo errado de novo.
Magnus queria dizer: Não, fui eu que te levei para um restaurante horrível e te tratei como um mundano porque eu não sabia como namorar um Caçador de Sombras e quase te dispensei mesmo que você tenha sido corajoso o suficiente para me convidar para sair primeiro.
 O que realmente acabou saindo da boca de Magnus foi:
— Eu achei aquela música horrível hilária — e jogou a cabeça para trás e riu.
Olhou para Alec e viu que ele ria também. Todo o seu rosto muda quando ele ri, Magnus pensou. Ninguém tinha nada do que se desculpar, não esta noite.

***

Quando chegaram à casa de Magnus, Magnus pôs a mão na porta da frente e ela se abriu.
— Eu perdi minhas chaves, talvez 15 anos atrás — Magnus explicou.
Ele realmente não precisava delas, e fazia um longo tempo desde que alguém quisesse ter as chaves, ou seja, ter pronto acesso a sua casa. Não houve ninguém desde Etta, meio século atrás.
Magnus deu a Alec um olhar de soslaio enquanto subiam a escada. Alec virou-se para ele e sua respiração acelerou; seus olhos azuis estavam brilhando. Alec mordeu o lábio inferior, e Magnus parou de andar.
Era apenas uma hesitação momentânea. Mas então Alec estendeu a mão e pegou seu braço, os dedos apertados acima do cotovelo.
— Magnus — ele disse em voz baixa.
Magnus percebeu que Alec estava imitando a maneira como ele mesmo tinha tomado seus braços na terça-feira: no dia do primeiro beijo de Alec.
A respiração de Magnus ficou presa na garganta.
Aparentemente, esse era todo o incentivo que Alec precisava. Ele se inclinou. Sua boca encontrou a de Magnus, macia e suavemente. Tomar fôlego era uma impossibilidade, e não mais uma prioridade.
Magnus fechou os olhos e imagens espontâneas vieram a ele: Alec tentando não rir no metrô, a apreciação assustada de Alec à comida nova, Alec feliz por não ser abandonado, Alec sentado no chão com uma lobisomem e dizendo que ela não podia mudar o que era. Magnus encontrou-se quase com medo do pensamento que quase o tinha feito deixar Alec antes de a noite acabar. Deixar Alec era a última coisa que ele queria fazer agora. Ele puxou Alec pelo cós de sua calça jeans, não deixando nenhuma distância entre seus corpos e sentindo o suspiro de Alec em sua boca.
O beijo incendiou-se e tudo o que ele podia ver por trás de suas pálpebras eram faíscas douradas; tudo o que ele sentia era a boca de Alec, suas fortes mãos suaves, que seguraram uma menina lobisomem com força e ao mesmo tempo tentando não machucá-la. Alec pressionou-o contra o corrimão, ao que a madeira podre rangeu, mas Magnus nem se importou. Alec estava aqui, agora, o gosto de Alec estava em sua boca, suas mãos empurrando o tecido desgastado da camisa dele para sentir a pele nua de Alec por baixo.
Demorou um tempo embaraçosamente longo antes que ambos lembrassem que Magnus tinha um apartamento, e entraram nele sem se desgrudarem um do outro. Magnus abriu a porta sem olhar para ela: a porta bateu contra a parede com tanta força que Magnus arriscou abrir um olho para verificar se não tinha distraidamente explodido sua porta da frente.
Alec beijou o pescoço de Magnus cuidadosamente, partindo da parte inferior de sua orelha até a base da garganta.
A porta estava bem. Tudo estava ótimo.
Magnus puxou Alec para o sofá, ficando por baixo dele. Prendeu os lábios no pescoço de Alec. Sentiu gosto de suor, sabão e pele, e Magnus mordeu, na esperança de deixar uma marca na pele pálida de Alec. Alec deu um gemido ofegante e empurrou seu corpo. As mãos de Magnus deslizaram sob a camisa amarrotada de Alec, aprendendo a forma de seu corpo. O feiticeiro correu os dedos sobre os ombros dele e deslizou para a curva longa de suas costas, sentindo as cicatrizes de sua profissão e a selvageria de seus beijos. Timidamente, Alec soltou os botões do colete de seu parceiro, encontrando sua pele nua e escorregando as mãos para dentro para tocar o peito de Magnus, sua barriga, e ao invés de seda fria, o Magnus sentiu mãos quentes e curiosas o acariciando.
Ele sentiu os dedos trêmulos do Caçador de Sombras contra sua pele.
Magnus estendeu a mão e apertou-a contra o rosto dele, seus dedos bronzeados em contraste com a pele pálida de luar de Alec. Alec virou o rosto na curva da palma e beijou-a, e o coração do bruxo derreteu.
— Alexander — murmurou, querendo dizer mais do que apenas “Alec”, para chamá-lo por um nome que fosse mais longo e diferente do que todo mundo usava, um nome com peso e valor. Ele sussurrou o nome como se fosse uma promessa. — Talvez devêssemos esperar um segundo.
Ele empurrou Alec, só um pouco, mas Alec entendeu o recado. Ele entendeu muito mais do que Magnus tinha a intenção. Saiu do sofá e foi para longe.
— Eu fiz alguma coisa errada? — Alec perguntou, sua voz tremendo.
— Não — disse Magnus. — Longe disso.
— Você está me mandando para casa?
Magnus ergueu as mãos.
— Não tenho nenhum interesse em lhe dizer o que fazer, Alexander. Eu não quero persuadi-lo a fazer algo ou convencê-lo a não fazer qualquer coisa. Só estou dizendo que você pode querer parar e pensar por um momento. E então pode escolher o que quiser, você decide.
Alec parecia frustrado. Magnus podia sentir.
Então ele passou as mãos pelos cabelos – que já estavam bagunçados graças à Magnus – e andou pela sala. Ele estava pensando, Magnus viu, e tentou não se perguntar em que estava pensando: Jace, Magnus, sua família ou seu dever, como ser gentil consigo mesmo.
Ele parou de andar quando chegou na porta de Magnus.
— Eu provavelmente deveria ir para casa — Alec falou eventualmente.
— Provavelmente — Magnus concordou, com grande pesar.
— Eu não quero.
— Eu não quero que você vá — disse Magnus. — Mas se você não fizer isso...
Alec assentiu, rapidamente.
— Adeus, então — ele falou, e se inclinou para um beijo rápido.
Pelo menos era o que Magnus suspeitava. Ele não estava inteiramente certo do que aconteceu depois, mas de alguma forma, estava inteiramente enrolado com Alec e eles estavam no chão. Alec estava ofegante e agarrando-se a ele, e as mãos de alguém estavam na fivela do cinto de outro alguém e Alec beijou Magnus tão forte que ele sentiu gosto de sangue, e Magnus disse:
— Oh, Deus!
E então...
E então Alec estava de pé de novo e segurava o batente da porta, como se o ar fosse uma maré que o empurraria de volta para Magnus se ele não se segurasse em algo. Ele parecia estar lutando com alguma coisa, e Magnus se perguntou se ele ia pedir para ficar depois de tudo ou dizer que toda a noite tinha sido um erro. Magnus sentiu mais medo e mais ansiedade do que era capaz, e percebeu que se importava mais do que deveria.
Ele esperou, tenso, e Alec perguntou:
— Eu posso te ver de novo?
As palavras saíram com pressa, ansiosas e tímidas, ele estava incerto do que Magnus responderia, e Magnus sentiu a corrida desenfreada de adrenalina e emoção que antecipa o início de uma nova aventura.
— Sim — Magnus confirmou, ainda deitado no chão. — Eu ia gostar disso.
— Hum, então... Na próxima sexta-feira à noite?
— Bem...
Alec pareceu imediatamente preocupado, como se pensasse que Magnus iria voltar atrás e dizer que tinha realmente mudado de ideia. Ele ficava lindo cheio de expectativa e hesitante, um destruidor de corações, que tinha seu coração exposto. Magnus se viu querendo mostrar o seu próprio, correr o risco e ficar vulnerável. Ele reconheceu e aceitou este novo sentimento estranho: que preferiria ser ferido a machucar Alec.
— Sexta à noite seria ótimo — Magnus concordou, e Alec sorriu seu sorriso brilhante que ilumina o mundo e saiu do apartamento, ainda olhando para Magnus, descendo a escada de costas.
Houve um grito, mas Magnus já tinha se levantado e fechado a porta antes que pudesse ver Alec cair da escada, pois esse era o tipo de coisa que um homem tinha que fazer em privado.
Ele se inclinou no parapeito e viu o Caçador de Sombras emergir da porta da frente de seu prédio, alto, pálido e com o cabelo bagunçado, descendo a Avenida Greenpoint assobiando.
E Magnus se encontrou tendo esperança.
Foi-lhe tantas vezes ensinado que a esperança era tolice, mas era mais forte do que ele, como uma criança desatenta perto do fogo recusando teimosamente a se afastar, recusando-se a aprender com a experiência. Talvez desta vez fosse diferente, talvez esse amor fosse diferente. Parecia tão diferente; isso certamente tinha que significar alguma coisa. Talvez o ano que vem fosse um bom ano para os dois. Talvez desta vez as coisas funcionassem do jeito Magnus queria.
Talvez Alexander Lightwood não quebrasse seu coração.



45 comentários:

  1. Respostas
    1. Aninha das kebradas25 de junho de 2017 10:04

      Eu só a única que acha casal de gay incrivelmente fofos??
      Como é que pode ter gente que sente embrulho no estomago com uma cena dessa???
      Magnus e Alec, melhor casal de homossexuais!

      Excluir
    2. Aninha das kebradas25 de junho de 2017 10:05

      acho que eles são melhores que os casais heteros (Tessa e Will, Clay e Jace).

      Excluir
    3. — Bem, isso é inesperado — disse Magnus, erguendo as sobrancelhas.
      Magnus Bane, até quando vai esquecer aquele MAL ENTENDIDO em princesa mecanica?www

      Excluir
    4. MEU DEUUUUUUUUUUUUUUUUUUUS, PARA UM ENCONTRO QUE DEU ERRADO, ESSE PEGAS NO FINAL DO CAP FOI COMPENSADOR!!!
      #MALEC

      Excluir
  2. Oookk eu tenho um novo casal preferido!! Esses dois sao mt fofos!! E pelo menos apareceu eles interagindo.. coisa q nao acontece nos livros da saga!!

    ResponderExcluir
  3. <3 Amo o Magnus, e ele com o Alec amo mais ainda! <3

    ResponderExcluir
  4. Respostas
    1. Jesus oq eu acabei de ler!!!
      PUT@ QUE PARIU MELHOR CAP.

      Excluir
    2. Ele parecia estar lutando com alguma coisa, e Magnus se perguntou se ele ia pedir para ficar depois de tudo ou dizer que toda a noite tinha sido um erro.
      PUTS GRILA MAGNUS!!! Seja mais confiante.

      Excluir
  5. Malec, amei essa combinação que fofo!
    Ass: Bina.

    ResponderExcluir
  6. Malec <3
    O Alec é tão desastrado pra um caçador de sombras e.e mas é fofo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Magnus puxou Alec para o sofá, ficando por baixo dele. Prendeu os lábios no pescoço de Alec. Sentiu gosto de suor, sabão e pele, e Magnus mordeu, na esperança de deixar uma marca na pele pálida de Alec. Alec deu um gemido ofegante e empurrou seu corpo.
      ...SEM PALAVRAS...MELHOR CENA DE PEGAÇÃO EVER!

      Excluir
  7. ana julia ''filha de jupter'' e isis,caçadora de som bras,tributo,divergente,uma olimpiana e maga12 de setembro de 2015 21:10

    ah,perfeito

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O beijo incendiou-se e tudo o que ele podia ver por trás de suas pálpebras eram faíscas douradas; tudo o que ele sentia era a boca de Alec, suas fortes mãos suaves, que seguraram uma menina lobisomem com força e ao mesmo tempo tentando não machucá-la. Alec pressionou-o contra o corrimão, ao que a madeira podre rangeu, mas Magnus nem se importou. Alec estava aqui, agora, o gosto de Alec estava em sua boca, suas mãos empurrando o tecido desgastado da camisa dele para sentir a pele nua de Alec por baixo.
      ...como as coisas ficaram quentes por aqui...hehehe

      Excluir
  8. "obviamente ainda, gamado em seu amigo loiro Trace Wayland"
    Karinaaaaaaaaaaaaaa ta pavoroso o nome do Jace nessa frase... ;) beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Elisa, é assim mesmo. Magnus confunde o nome de todo mundo :P

      Excluir
    2. Aninha das kebradas21 de março de 2017 11:27

      Puts grila! Isso sim é primeiro encontro!
      GEEEEEEENTE DO CÉU!!!COM BEIJO DESENTUPIDOR DE PIA E TUDO!
      MELHOR CAP.

      Excluir
  9. Trace Wayland. Magnus estava certo de que esse era o nome, mas Wayland inexplicavelmente lembrava Magnus de Will Herondale, e Magnus não queria pensar em Will. Kkkkk Trace Wayland! E pq será que lembra o Will? e.e ai dios, eles podem ter achado o encontro constrangedor a maior parte do tempo, mais achei hilariante! Alec dando golpe de judô no ladrão, o ladrão olhando pra ele como se ele fosse um herói, ou ninja ahsubshs o lobisomem fresco fazendo drama sobre um caçador de sombras no restaurante, Magnus e Alec no apartamento, um tímido e outro esperançoso. Que shipp maravilhoso! Ah, e a menina querendo contratar o Alec por ele parecer um ator-duble, imaginem o Jace no lugar dele? Teria se impertigado todo como se a mulher tivesse toda razão em achar isso, que ele era lindo de todas as formas possíveis kkkk Pobre Alec, tão envergonhado ;--;

    ResponderExcluir
  10. "Imaginei que fosse um daqueles momentos onde você combina com um amigo para ele te ligar e você escapar de um encontro terrível.
    — Há-há — disse Magnus. — Eu não sabia que as pessoas faziam coisas assim".
    Sério ri muito!!! Magnus é demais Kkkk
    E eles juntos são tão fofos! Apaixonante

    ResponderExcluir
  11. Nossa amei o Alec desastrado kkkkkk... muito fofo os dois *-*

    ResponderExcluir
  12. Esse é o meu casal favorito de todos os tempos <3 MUITO FOFOS, CÉUS!

    ResponderExcluir
  13. Fofos o krl!!!! Dessa vez a cassandra se superou! Melhor cena :0 <3

    ResponderExcluir
  14. Amei acabo de me tornar fã do casal Malec

    ResponderExcluir
  15. Eu queria ler mais encontro desses dois!:)

    ResponderExcluir
  16. Caçadora de Sombras16 de fevereiro de 2017 14:31

    AAAAAAAAAAAAAAAA MALEC OTP SUPREMO ❤❤❤❤

    ResponderExcluir
  17. Acabou o livro </3
    Mas tava mt boom

    ResponderExcluir
  18. Jesus, eles foram rápidos né??? HAHAHAHAHAHAHAHAHAHA
    Alec, eu to aponto de te contratar pra cair de escadas pra mim.
    #CospeNaBocaDeleLogo

    ResponderExcluir
  19. Eles deixaram a plataforma no meio de um coro de pessoas bem-intencionadas. Alec pareceu como se quisesse apenas a doce libertação da morte. 😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂 quase cai da cama de tanto rir kkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  20. Ai senhor Deus pai santo ameeeeeeei Malec é vidaaaa amo vcs aí cm eu amo eles OTP supremooo da vidaaa😍😍😍😍🤗😍🤗😍😍🤗🤗😍😍🤗

    ResponderExcluir
  21. Melhor sentimento. O mais puro e extremo doar. Esse Magnos Bane me surpreendendo a cada linha de leitura. Sim, duas pessoas trocando a incerteza inocente depravada da adolescência com a eterna experiência. Bravo!!!!

    ResponderExcluir
  22. Aninha das kebradas1 de julho de 2017 18:09

    Temos que concordar:
    Esses 2 são mt melhores que todos os casais heteros dos caçadores de sombras.

    ResponderExcluir
  23. Rosana Shcreave Fprever 7330 de agosto de 2017 16:38

    #MALEC.#MALEC,#MALEC!!

    ResponderExcluir
  24. Pelo anjo melhor casal ever!! OTP SUPREMO <3 morta estou. QUERO MUITO DESSES DOIS
    Podiam fazer uma série só de Malec <3

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Boa leitura :)