14 de junho de 2015

A última batalha do Instituto de Nova York


Cidade de Nova York, 1989


O homem estava muito perto. Ele permaneceu ao lado da caixa de correio a cerca de seis metros de distância de Magnus enquanto comia um cachorro quente do Gray’s Papaya coberto de molho picante. Quando terminou, ele amassou a embalagem manchada de molho e jogou-a no chão, na direção de Magnus. Em seguida, endireitou-se em sua jaqueta Denim e não desviou o olhar. Era o olhar que alguns animais lançam à sua presa.
Magnus atraía a atenção. Até mesmo suas roupas eram chamativas. Usava Doc Martens prata, um jeans estilosamente rasgado e um pouco largo que só não caía por causa do brilhante cinto prateado e uma camiseta rosa tão grande que expunha a clavícula e parte do peito – o tipo de roupa que faz as pessoas pensarem em nudez. Na orelha balançavam pequenos aros de prata que terminavam em um aro maior, suportando o brinco no formato de um grande e sorridente gato usando uma coroa. Um colar ankh também prata descansava sobre o peito. Ele encolheu os ombros em sua jaqueta preta que servia mais para completar o conjunto do que para se proteger do ar da noite. O visual era complementado por um moicano com uma faixa em um tom de rosa muito denso.
Estava encostado na parede externa de uma clínica em West Village, muito depois do anoitecer. Isso foi o suficiente para despertar o pior de algumas pessoas. Era uma clínica para pacientes com AIDS. A moderna casa de pragas. Em vez de demonstrar bom senso, bondade, compaixão ou mesmo cuidado, muitas pessoas a olhavam com ódio e nojo. Com o passar do tempo, as pessoas se tornavam mais esclarecidas e, no entanto, continuavam cegas pela ignorância e pelo medo.
Esquisito — o homem disse finalmente.
Magnus o ignorou e continuou a ler seu livro, Tem sempre alguma coisa, de Gilda Radner – sob a fraca luz fluorescente da entrada da clínica. Irritado com a falta de resposta, o outro homem começou a murmurar coisas. Magnus não podia entender o que ele dizia, mas podia dar um palpite. Injúrias a respeito da sexualidade dele, sem dúvida.
— Por que você não continua andando? — Magnus perguntou calmamente, virando a página. — Conheço um salão de beleza que funciona à noite toda. Eles podem consertar a sua monocelha em um instante.
Não era a coisa certa a se dizer, mas às vezes essas coisas saem. Ignorância estúpida pode tornar as coisas piores.
O que você disse?
 Dois policiais passavam por eles naquele momento. Eles lançaram olhares na direção de Magnus e do estranho. Havia advertência em seus olhares para o outro rapaz e nojo quando olharam para Magnus. A expressão em seus rostos o magoaria se ele já não estivesse lamentavelmente acostumado a receber esse tipo de tratamento. Ele jurara a si mesmo que não deixaria ninguém mudá-lo – não os mundanos que o odiavam por uma razão, nem os Caçadores das Sombras, que o caçavam por outra.
O homem se afastou e não olhou para trás.
Magnus enfiou o livro no bolso. Eram quase oito horas e já estava realmente muito escuro para ler, e agora ele estava distraído. Ele olhou em volta. Apenas alguns anos antes, este tinha sido um dos lugares mais badalados, divertidos e interessantes da cidade. Bons restaurantes em cada esquina e casais passeando de mãos dadas. Agora, os cafés pareciam vazios e as pessoas caminhavam depressa. Tantos já morreram, tantas pessoas maravilhosas.
De onde de estava, Magnus podia ver três apartamentos anteriormente ocupados por amigos e amantes. Se ele virasse a esquina e caminhasse por cinco minutos, passaria por dúzias de janelas escuras.
Mundanos morrem tão facilmente. Não importa quantas vezes ele já a tenha visto, a morte jamais se aproximava. Vivera durante séculos esperando que ela se aproximasse. Normalmente ele evitava esta rua, mas esta noite estava esperando por Catarina, que estava prestes a encerrar seu turno de trabalho na clínica.
Ele trocou o peso de pé enquanto estava escorado na parede e puxou a jaqueta apertada em torno do peito, lamentando por um momento que a tivesse escolhido mais por razões estéticas do que realmente para se proteger do frio da noite. O verão foi longo e então, as árvores estavam cheias de folhas vibrantes. Mas as folhas caíram rapidamente e as ruas estavam frias e invernosas. O único ponto positivo eram os murais com os desenhos vibrantes de Keith Haring em cores primárias dançando juntos lado a lado com um grande coração brilhando sobre eles.
Os pensamentos de Magnus foram interrompidos pelo súbito reaparecimento do homem, que evidentemente havia apenas dado uma volta. Ele caminhou até Magnus e ficou exatamente à sua frente, quase de igual para igual.
— Sério? — perguntou Maguns. — Vá embora. Eu não estou no clima.
Em resposta, o homem sacou um canivete, próximo a Magnus para que ninguém mais pudesse vê-lo.
— Você sabe — Magnus começou, olhando para a ponta brilhante da lâmina próxima do queixo — que por estar assim tão perto, vão pensar que estamos nos beijando. E isso é realmente embaraçoso para mim porque eu tenho um gosto muito melhor para homens.
— Acha que eu não usarei isso, esquisito? Você...
A mão de Magnus ergueu-se. Um flash quente de brilho azul surgiu entre seus dedos e no instante seguinte o homem estava voando para trás, caindo e batendo com a cabeça num hidrante.
Por um momento, quando o homem estava imóvel e estirado no chão, Magnus preocupou-se se não o tinha matado por acidente. Então sua cabeça se moveu na direção dele e Magnus viu horror e fúria em seu olhar. O homem ainda estava um pouco atordoado com o que acabara de acontecer e um fio de sangue corria pela sua testa.
Naquele momento, Catarina apareceu. Ela olhou de Magnus para o homem, foi até o desconhecido e passou a mão sobre sua testa, freando o fluxo de sangue.
— Saia de perto de mim! — berrou ele. — Você vem daquele lugar! Fiquem longe de mim! Você tem aquela coisa em você!
— Seu idiota — respondeu Catarina. — Não é como se você fosse contrair HIV. Sou uma enfermeira. Deixe-me...
O homem afastou-a com um empurrão. Do outro lado da rua, pessoas que passavam por ali assistiam o alvoroço com certa curiosidade. Mas quando o homem se afastou, eles perderam o interesse.
— De nada... — ela resmungou quando ele se levantou e saiu. — Bundão. — E em seguida virou-se para Magnus. — Você está bem?
— Estou — respondeu ele. — Ele foi o único que sangrou por aqui.
— Às vezes apenas eu gostaria de deixar alguém assim sangrar. E então? Por que está aqui?
— Vou te acompanhar até em casa.
— Ah, você não precisa fazer isso — suspirou Catarina.
— Não é seguro deixar você andando por aí sozinha. E você está exausta.
Catarina estava evidentemente cansada. Magnus agarrou a mão dela. Ela estava tão exausta que até mesmo o feitiço para esconder sua aparência desapareceu por um momento. Ele continuou a pressionar a mão dela entre os dedos.
— Eu estou bem — repetiu ela num tom pouco convincente.
— Ah, sim. Obviamente. Você sabe, se não começar a cuidar de si mesma, me forçará a acompanhá-la todos os dias até sua casa e fazer minha repugnante sopa mágica de atum até você se sentir melhor.
Catarina riu.
— Qualquer coisa, menos aquela sopa.
— Então vamos comer alguma coisa. Vamos. Eu vou te levar ao Veselka. Você precisa de um bom guisado e um grande pedaço de bolo.
Eles caminharam em silêncio, esmagando folhas úmidas a cada passo.
O Veselka estava quieto e havia uma mesa próxima da janela. As únicas pessoas em torno deles falavam calmamente em russo e fumavam, enquanto comiam charutos de repolho. Magnus pediu um café e biscoitos rugelach. Catarina pediu uma tigela grande de borscht, um grande prato de pierogi frito com cebola e molho de maçã, acompanhado de almôndegas ucranianas e uma bebida mista de cereja e limão. Quando terminou, ela pediu um prato de queijo blintzes, e foi só então que encontrou um pouco mais de vigor para conversar.
— Lá dentro é terrível — disse. — É difícil.
Não havia muito o que dizer, então Maguns apenas a ouviu em silêncio.
— Os pacientes precisam de mim — continuou ela, espetando o gelo no fundo do copo com o canudo. — Alguns médicos sequer querem tocar os pacientes. Os médicos. Essa doença é tão horrível. A forma como as pessoas simplesmente definham. Ninguém deveria morrer assim.
— Não mesmo — concordou Magnus.
Ela continuou a espetar o que restara do gelo no copo por mais um momento e depois recostou-se e suspirou profundamente.
— Eu não posso acreditar que os Nephilim estão causando tantos problemas agora, depois de todo esse tempo — Catarina esfregou o rosto com uma das mãos. — As crianças Nephilim não menos. Como é que isso está acontecendo?
Esta era a razão pela qual Magnus havia esperado em frente à clínica para acompanhar Catarina. Não porque o bairro era perigoso – o lugar não era ruim. Ele esperou por ela por que já não era mais seguro para os Seres do Submundo ficarem sozinhos. Ele mesmo mal podia acreditar que o Submundo estava em um estado de caos e medo a respeito das ações de uma gangue de estúpidos Caçadores de Sombras.
Quando ouviu os rumores pela primeira vez, apenas alguns meses antes, ele não tinha acreditado. Um bando de Caçadores de Sombras que mal tinham vinte anos, mal saíram das fraldas, apenas crianças, se rebelando contra as leis de seus pais. Grande coisa. A Clave, o Pacto e seus respeitados anciões sempre pareceram a Magnus a receita ideal para uma revolta da juventude.
Este grupo chamou-se de Círculo, segundo o Ser do Submundo que contara a história, e eles eram liderados por um jovem carismático chamado Valentim. O grupo era composto por alguns dos mais brilhantes e os melhores de sua geração.
E os membros do Círculo diziam que a Clave não tratava os Seres do Submundo tão duramente. Era assim que a roda girava, Magnus supôs, a próxima geração contra a anterior – de Aloysius Starkweather, que queria cabeças de lobisomem na parede, para Will Herondale, que havia experimentado e não foi bem-sucedido em esconder seu coração aberto. Os jovens de hoje pensavam que a política de tolerância da Clave era generosa demais, aparentemente.
Os jovens de hoje queriam lutar contra monstros, e decidiram convenientemente que o povo de Magnus era os monstros, cada um deles.
Magnus suspirou. Esta parecia ser uma temporada de ódio por todo o mundo.
O Círculo de Valentim não tinha feito muito ainda. Talvez nunca fizessem. Mas tinham feito o suficiente. Eles percorriam Idris, passavam por Portais e visitavam outras cidades em missões para ajudar os Institutos de lá, e em todas as cidades que tinham visitado, Seres do Submundo tinham morrido.
Havia sempre Seres do Submundo que quebraram os Acordos e Caçadores de Sombras fizeram-lhes pagar por isso. Mas Magnus não nascera ontem, ou até mesmo neste século. Ele não achava que era coincidência que onde Valentim e seus amigos fossem, deixavam um rastro de morte. Eles encontravam qualquer desculpa para livrar o mundo de Seres do Submundo.
— O que esse garoto Valentim ainda quer? — Perguntou Catarina. — Qual é o seu plano?
— Ele quer que morte e destruição para todos os Seres do Submundo — Magnus respondeu. — Seu plano é, possivelmente, ser um grande idiota.
— E se eles vierem para cá? — Catarina perguntou. — O que os Whitelaw fariam?
Magnus vivia em Nova York por décadas agora, e conhecera os Caçadores de Sombras do Instituto de Nova York durante todo esse tempo. Nas últimas décadas, o Instituto foi liderado pelos Whitelaw. Eles sempre foram obedientes e distante. Magnus nunca tinha gostado qualquer um deles, e nenhum deles jamais havia gostado Magnus. O feiticeiro não tinha provas de que eles trairiam um Ser do Submundo inocente, mas Caçadores de Sombras pensavam muito de sua própria espécie e seu próprio sangue, assim Magnus não tinha certeza do que os Whitelaw fariam.
Magnus tivera um encontro com Marian Whitelaw, a diretora do Instituto, e disse-lhe num dos relatórios do Submundo que Valentim e seus ajudantes estavam matando Seres do Submundo que não estavam quebrando os Acordos e depois os membros do Círculo mentiam sobre isso para a Clave.
— Vá para a Clave — Magnus tinha dito a ela. — Diga-lhes para controlar seus pirralhos indisciplinados.
— Controle a sua língua indisciplinada — Marian Whitelaw respondeu friamente — quando fala de seus superiores, bruxo. Valentim Morgenstern é considerado um Caçador de Sombras bastante promissor, assim como seus jovens amigos. Conheci sua esposa, Jocelyn, quando ela era uma criança; ela é uma menina doce e encantadora. Não duvido sua bondade. Certamente não sem alguma prova e com base apenas na maledicência do Submundo.
— Eles estão matando meu povo!
— Eles estão matando Seres do Submundo criminosos, em plena conformidade com os Acordos. Estão mostrando zelo na busca do mal. Nada ruim pode vir a partir daí. Eu não esperaria que você entendesse.
É claro que os Caçadores de Sombras não acreditariam que sua criança mais promissora tinha se tornado demasiadamente sanguinária. É claro que aceitariam as desculpas que Valentim e os outros lhes dessem, e acreditariam que Magnus e qualquer outro que se queixasse simplesmente queriam que criminosos escapassem da justiça.
Sabendo que não poderia voltar-se para os Caçadores de Sombras, Seres do Submundo tinham tentado criar suas próprias proteções. Um armazém fora construído em Chinatown, através de uma anistia entre as constantes brigas de vampiros e lobisomens, e todos estavam dentro.
Os Seres do Submundo estavam por conta própria. Mas então, não estiveram sempre por conta própria?
Magnus suspirou e olhou para Catarina sobre seu prato.
— Coma — disse ele. — Nada está acontecendo direito agora. É possível que nada  acontecer.
— Eles mataram um “vampiro desonestos” em Chicago na semana passada — disse ela, espetando uma panqueca com um garfo. — Você sabe que eles vão querer vir para cá.
Comeram em silêncio, um Magnus pensativo de um lado e uma Catarina esgotada do outro. A conta veio, e Magnus pagou. Catarina não pensava muito sobre coisas como dinheiro. Ela era uma enfermeira numa clínica com poucos recursos, e ele tinha dinheiro suficiente na mão.
— Tenho que voltar — ela falou.
Ela esfregou uma mão sobre o rosto cansado, e Magnus avistou listras azuis em seus dedos, seu feitiço de aparência vacilando enquanto falava.
— Você está indo para casa dormir — Magnus corrigiu. — Sou seu amigo. Eu te conheço. Você merece uma noite de folga. Deve gastá-la entregando-se a luxúrias devassas como dormir.
— E se acontecer alguma coisa? E se eles vierem?
— Posso chamar Ragnor para me ajudar.
— Ragnor está no Peru — Catarina respondeu. — Ele diz que acha um lugar muito tranquilo sem a sua maldita presença, e isso é uma citação direta. Tessa poderia vir?
Magnus balançou a cabeça.
— Tessa está em Los Angeles. Os Blackthorn, descendentes da filha Tessa, dirigem o Instituto de lá. Tessa quer manter um olho neles.
Magnus estava preocupado com Tessa, também, escondendo-se tão perto do Instituto de Los Angeles, que era uma casa nas montanhas à beira-mar. Ela era a feiticeira mais jovem a quem Magnus foi próximo o suficiente para chamá-la de amiga, e ela tinha vivido durante anos com os Caçadores de Sombras, onde não podia praticar magia na mesma medida em que Magnus, Ragnor ou Catarina poderiam. Magnus tinha visões horríveis de Tessa lançando-se em uma luta entre Caçadores de Sombras. Tessa nunca permitiria que alguém se machucasse se ela poderia se sacrificar em seu lugar.
Mas Magnus conhecia e gostava do Alto Bruxo de Los Angeles. Ele não deixaria Tessa se ferir. E Ragnor era astuto o suficiente, Magnus não se preocuparia muito com ele também. Ele nunca baixava a guarda em qualquer lugar em que não se sentisse completamente seguro.
— Então somos só nós — disse Catarina.
Magnus sabia que o coração de Catarina estava com os mortais, que estava envolvida mais pela amizade do que a vontade de lutar contra os Caçadores de Sombras. Catarina tinha suas próprias batalhas para lutar, seu próprio chão para sustentar. Ela era mais heroína do que qualquer Caçador de Sombras que Magnus já conhecera.
Os Caçadores de Sombras tinham sido escolhidos por um Anjo. Catarina havia escolhido a si mesma para lutar.
— Está parecendo uma noite tranquila — ele comentou. — Vamos. Termine e deixe-me levá-la para casa.
— É este o cavalheirismo? — ela perguntou com um sorriso. — Pensei que estivesse morto.
— Como nós, ele nunca morre.
Eles caminharam de volta pelo caminho que tinham vindo. Estava completamente escuro agora, e a noite tinha ficado decididamente fria. Havia uma sugestão de chuva.
Catarina vivia de forma simples, num prédio um pouco acima da Vigésima Primeira Rua à oeste, não muito longe da clínica. O fogão nunca funcionou e as latas de lixo na frente da casa estavam sempre transbordando, mas ela nunca parecia se importar. Tinha uma cama e um lugar para suas roupas. Isso era tudo o que ela precisava. Levava uma vida mais simples do que Magnus.
Magnus fez o seu caminho para casa, para o seu apartamento no Village, depois da Christopher Street. Seu apartamento era também nos andares superiores, e ele subiu dois degraus de cada vez.
Ao contrário de Catarina, seu lar era extremamente habitável. As paredes eram de brilhantes e alegres tons de rosa e amarelo, e o apartamento era decorado com alguns dos itens que ele havia coletado ao longo dos anos – uma maravilhosa mesinha francesa, alguns sofás vitorianos, e uma incrível arte deco no quarto cobria todo seu vidro espelhado.
Normalmente, em uma fria noite de início do outono como esta, Magnus iria servir-se de um copo de vinho, colocaria um álbum do Cure em seu CD player, aumentaria o volume e esperaria que os negócios começassem. A noite foi muitas vezes era o seu tempo de trabalho; ele tinha muitos clientes de horário irregular, e havia sempre livros para ler ou informações a coletar.
Esta noite ele fez um bule de café forte, sentou-se no assento da janela e olhou para a rua abaixo. Esta noite, como todas as outras desde que os murmúrios obscuros dos sanguinários jovens Caçadores de Sombras tinham começado, ele sentaria, vigiaria e pensaria.
Se o Círculo viesse aqui, como parecia que viriam eventualmente, o que aconteceria? Valentim tinha um ódio especial por lobisomens, contaram, mas ele tinha matado um bruxo em Berlim por invocar demônios. Magnus era conhecido por invocar demônios de vez em quando.
Era muito provável que, se eles viessem para Nova York, viriam atrás de Magnus. A medida mais sensata provavelmente seria sair, desaparecer no país. Mantinha uma pequena casa na Flórida para fugir dos invernos brutais de Nova York. A casa ficava em uma das ilhas menores e menos habitadas, e ele tinha um bom barco lá. Se acontecesse alguma coisa, poderia entrar nele e partir velozmente para o mar, seguindo para o Caribe ou a América do Sul. Ele arrumou as malas várias vezes, e as desfez logo depois.
Não havia nenhum ponto em fugir. Se o Círculo continuasse sua campanha autoproclamada justiça, iriam deixar o mundo inteiro inseguro para Seres do Submundo. E não havia nenhuma maneira de Magnus poder viver consigo mesmo se corresse para longe e seus amigos, como Catarina, ficassem firmes para tentarem se defender. Ele não ficava feliz com a ideia de Raphael Santiago ou um dos seus vampiros sendo mortos também, ou qualquer uma das fadas que conhecia e trabalhava na Broadway, ou as sereias que nadavam no East River.
Magnus sempre pensou em si mesmo como um nômade, mas viveu em Nova York por um longo tempo agora. Encontrou-se querendo defender não só os seus amigos, mas a sua cidade.
Então ele estava parado, esperando e tentando estar pronto para o Círculo quando eles chegassem.
A espera era o mais difícil. Talvez tenha sido por isso que se envolvera numa briga com o homem na clínica. Algo em Magnus queria que a luta viesse.
Ele mexeu e flexionou os dedos, luz azul surgindo entre eles. Abriu a janela e aspirou um pouco do ar da noite, que cheirava a uma mistura de chuva, folhas, e uma leve pitada de pizza.
— Apenas venha logo — ele falou para o ar.

***

O garoto apareceu sob sua janela em torno da uma da manhã, justamente quando Magnus tinha finalmente sido capaz de se distrair e começar a traduzir um texto do grego antigo que esteve em sua mesa por semanas. Magnus olhou para cima e notou o ritmo confuso do garoto ali fora. Ele devia ter nove, talvez dez anos de idade vindo de uma pequena rua no East Village, vestia uma camiseta do Sex Pistols que provavelmente pertencia a um irmão mais velho, e um par folgado de calças de moletom cinza. Possuía um corte de cabelo maltrapilho. Ele não usava casaco.
Todas essas coisas somadas numa criança significavam problemas, e a aparência geral de um garoto de rua, além de uma certa fluidez no andar, sugeria lobisomem. Magnus abriu a janela.
— Você está procurando alguém? — perguntou.
— Você é Magnífico Bane?
— Claro — disse Magnus. — Vamos com isso. Fique aí. Abra a porta quando eu a destrancar.
Ele distanciou-se da janela e foi para o interfone. Ouviu passos rápidos na escada. O garoto estava com pressa. Magnus mal tinha aberto a porta e a criança estava lá dentro. Uma vez no interior e na luz, a verdadeira extensão da aflição do menino estava clara. Suas bochechas estavam coradas e com trilhas de lágrimas já secas. Ele estava suando apesar do frio, sua voz trêmula e urgente.
— Você tem que vir — disse ele enquanto tropeçava para dentro. — Eles têm a minha família. Eles estão aqui.
— Quem está aqui?
— Os Caçadores de Sombras loucos sobre quem todos estão pirando. Eles estão aqui. Eles têm a minha família. Você tem que vir agora.
— O Círculo?
O garoto balançou a cabeça, não discordando, mas confuso. Magnus podia ver que ele não sabia o que o Círculo era, mas a descrição batia. O garoto estava falando sobre o Círculo.
— Onde eles estão? — perguntou Magnus.
— Em Chinatown. O armazém — o garoto quase sacudiu-se com impaciência. — Minha mãe ouviu que essas aberrações estavam aqui. Eles já mataram clãs inteiros de vampiros do Harlem Espanhol mais cedo esta noite, acusando-os de terem assassinado mundanos, mas ninguém ouviu falar de qualquer mundano morto, e uma fada disse que eles estavam descendo para Chinatown para nos pegar. Assim, a minha mãe levou todos nós para o armazém, mas em seguida, eles invadiram. Saí por uma janela. Minha mãe disse para vir até você.
Toda a história foi entregue em tal corrida frenética e confusa que Magnus não teve tempo de desfiá-la.
— Quantos são vocês? — Questionou.
— Minha mãe, meu irmão e irmã e outros seis da nossa matilha.
Assim, nove lobisomens em perigo. O teste havia chegado, e tão rapidamente que Magnus não teve tempo realmente para pesar seus sentimentos ou pensar num plano.
— Você ouviu alguma coisa do Círculo disse? — Magnus perguntou. — Do que o Círculo acusou sua família?
— Eles disseram que nossa antiga matilha fez alguma coisa, mas não sabemos nada sobre isso. Não importa, não é? Eles matá-los de qualquer maneira, isso é o que todo mundo está dizendo! Você tem que vir.
Ele agarrou a mão de Magnus pronto para puxá-lo. Magnus soltou-se do menino e pegou um bloco de papel.
— Você — ele disse, rabiscando o endereço de Catarina — você vai para cá. Não vai para nenhum outro lugar. Fique lá. Há uma simpática senhora azul. Eu vou para o armazém.
— Eu vou com você.
— Ou você faz como digo ou eu não vou — Magnus estalou. — Não há tempo para discutir. Você decide.
O garoto balançou à beira das lágrimas. Ele enxugou os olhos mais ou menos com a parte traseira de seu mão.
— Você irá buscá-los? — ele perguntou. — Promete?
— Eu prometo — disse Magnus.
Como é que ia fazer isso, ele não tinha ideia. Mas a luta havia chegado. Finalmente, a luta havia chegado.
A última coisa que Magnus fez antes de sair foi anotar os detalhes: onde o armazém – a casa de proteção – ficava, o que ele temia que o Círculo planejasse fazer com os lobisomens em seu interior. Ele dobrou o pedaço de papel na forma de um pássaro e enviou-o, com um movimento de seus dedos e uma explosão de faíscas azuis. O pequeno e frágil pássaro de papel planou ao vento como uma folha pálida, voando para fora na noite e para as torres de Manhattan, que cortavam a escuridão como facas brilhantes.
Ele não sabia por que tinha se dado ao trabalho de enviar uma mensagem para os Whitelaw. Não acreditava que eles viriam.

***

Magnus percorreu Chinatown sob placas de neon que piscavam e chiavam, através da fumaça amarela da cidade, que se agarrava aos transeuntes como fantasmas implorando. Ele passou por um amontoado de pessoas usando drogas na esquina de uma rua, e então, finalmente, chegou à rua onde o armazém ficava, seu telhado de metal chocalhando no vento da noite. Mundanos o veriam menor do que realmente era, gasto e escuro, com janelas vedadas com tábuas. Magnus viu as luzes; viu as janelas quebradas.
Havia uma pequena voz na cabeça de Magnus pedindo cautela, mas ele tinha ouvido com riqueza de detalhes o que o Círculo de Valentim fazia com Seres do Submundo quando os encontrava vulneráveis.
Magnus correu para o armazém, quase tropeçando em seus Doc Martens no pavimento rachado. Ele alcançou as portas duplas, grafitadas com auréolas, coroas e espinhos, e arremessando-se contra elas, abriu-as.
Na sala principal da casa, de costas para a parede, estava um grupo de lobisomens, a maior parte deles ainda na forma humana – embora Magnus pudesse ver garras e dentes afiados em alguns que estavam agachados em posições defensivas.
Ao redor deles havia uma multidão de jovens Caçadores de Sombras.
Todos se viraram e olharam para Magnus.
Mesmo que os Caçadores de Sombras estivessem esperando uma interrupção, e os lobisomens esperassem por um salvador, aparentemente ninguém estava esperando todo aquele rosa.
Os relatórios sobre o Círculo eram verdade. Muitos deles eram dolorosamente jovens, uma geração totalmente nova de Caçadores de Sombras, novos guerreiros brilhantes que acabavam de chegar à idade adulta. Magnus não estava surpreso, mas achou triste e irritante jogarem fora suas brilhantes vidas iniciantes por esse ódio sem sentido.
Na frente da multidão de Caçadores de Sombras havia um pequeno grupo de pessoas que, apesar de jovens, tinham um ar de autoridade: o círculo interno do Círculo de Valentim. Magnus não reconheceu ninguém que correspondesse à descrição que tinha ouvido falar do líder.
Magnus não tinha certeza, mas imaginou que o atual líder do grupo era o lindo garoto de cabelos dourados e profundos olhos azuis doces, ou o jovem ao seu lado, magro com cabelo escuro, de rosto inteligente. Magnus vivera um longo tempo, e podia dizer que membros de um grupo eram os líderes. Nenhum destes dois parecia imponente, mas a linguagem corporal dos Caçadores de Sombras era diferente para com eles. Estes dois eram ladeados por um jovem rapaz e uma mulher, ambos com cabelos pretos e rostos ferozes como o de um falcão, e atrás do homem de cabelos negros estava um jovem bonito de cabelos encaracolados. Atrás deles havia cerca de mais seis. Na outra extremidade da sala havia uma porta, uma porta única em vez de duplas como as que Magnus tinha estourado ao meio, uma passagem para o interior que levava a outro cômodo. Um jovem e atarracado Caçador de Sombras bloqueava a passagem.
Havia muitos deles para lutar, e todos eram tão jovens e recém-saídos das salas de aula de Idris que Magnus não reconheceu nenhum. Magnus não ensinava na academia dos Caçadores de Sombras há décadas, mas lembrava-se dos quartos, das lições do Anjo, os rostos erguidos dos jovens, bebendo cada palavra sobre o seu dever sagrado.
E estes novos Nephilim saíram de suas salas de aula para fazerem isso.
— Círculo de Valentim, presumo? — Magnus perguntou, e os viu sobressaltarem-se com as palavras, como se pensassem que o Submundo não tivesse suas próprias maneiras de transmitir informações quando estavam sendo caçados. — Mas não acredito que Valentim Morgenstern esteja aqui. Ouvi que ele tem carisma suficiente para atrair os pássaros das árvores e convencê-los a viver sob a água do mar, que é alto, devastadoramente bonito e tem o cabelo loiro-branco. Nenhum de vocês se encaixa nessa descrição — Magnus parou. — E vocês não tem o cabelo loiro-branco também.
Todos olharam chocados ao serem dirigidos desta forma. Eles eram de Idris, e não havia dúvida de que conheciam bruxos no geral, conheciam feiticeiros como Ragnor, que era profissional e civilizado em todas as suas relações com os Nephilim. Marian Whitelaw pode ter dito a Magnus para controlar sua língua indisciplinável, mas ela não ficara chocada com suas palavras. Estas estúpidas crianças tinham satisfação em odiar à distância, sem nunca lutar ou falar com Seres do Submundo, nunca arriscando ver como pessoas seus inimigos designados.
Eles acreditavam saber de tudo, e sabiam tão pouco.
— Eu sou Lucian Graymark — disse o jovem rapaz magro de rosto inteligente na frente do grupo.
Magnus ouvira o nome antes – parabatai de Valentim, seu segundo em comando, mais caro do que um irmão. Magnus não gostou dele assim que ele falou:
— Quem é você para vir aqui e interferir em nossa busca do dever jurado?
Graymark ergueu sua cabeça e falou em uma voz clara e autoritária que desmentia sua idade. Magnus observou cada centímetro da criança perfeita do Anjo, austero e impiedoso. Olhou por cima de seu ombro para os lobisomens, amontoados bem no fundo da sala.
Magnus levantou a mão e fez uma linha de magia, uma barreira cintilante azul e dourada. Fez a luz brilhar tão ferozmente quanto a espada qualquer anjo pudesse ter, barrando desta forma os Caçadores de Sombras.
— Eu sou Magnus Bane. E você está invadindo a minha cidade.
Isso gerou uma pequena risada.
— A sua cidade? — Lucian repetiu.
— Você precisa deixar essas pessoas irem.
— Essas criaturas — disse Lucian — são parte de uma matilha de lobos que matou os pais do meu parabatai. Os seguimos até aqui. Podemos exigir agora a justiça dos Caçador de Sombras, como é o nosso direito.
— Nós não matamos nenhum Caçador de Sombras! — a única mulher entre os lobisomens disse. — E meus filhos são inocentes. Matar minhas crianças seria assassinato. Bane, você tem que fazê-lo soltar o meu filho. Eles têm meu...
— Eu preferiria não ouvir mais o choramingar de uma vira-lata — disse o jovem de rosto aquilino, ao lado da mulher de cabelos negros. Pareciam peças de um quebra cabeça, as expressões em seus rostos identicamente ferozes.
Valentim não era famoso por sua misericórdia, e Magnus não confiava em seu Círculo para poupar as crianças.
Os lobisomens podiam ter mudado parcialmente de forma humana para lobo, mas não pareciam prontos para lutar, e Magnus não sabia porquê. Havia muitos Caçadores de Sombras para que Magnus tivesse a certeza de que poderia combatê-los com sucesso por conta própria. O melhor que poderia esperar era atrasá-los com conversa, e a esperança de que inspirasse dúvida em alguns membros do Círculo, ou que Catarina viesse ou fizesse os Whitelaw virem, e que eles ficassem com os Seres do Submundo e não com sua própria espécie.
Parecia uma esperança muito pequena, mas era tudo o que ele tinha.
Magnus não pôde deixar de olhar novamente para o jovem de cabelos dourados na frente do grupo. Havia algo terrivelmente familiar sobre ele, bem como uma sugestão de ternura em sua boca, e mágoa nos profundos poços azuis de seus olhos. Houve algo que fez Magnus olhar para ele como a única chance de fazer o Círculo mudar sua proposta.
— Qual o seu nome? — Magnus perguntou.
Aqueles olhos azuis estreitaram.
— Stephen Herondale.
— Conheci os Herondale muito bem, uma vez — Magnus falou, e viu que foi um erro quando Stephen Herondale se encolheu.
O Caçador de Sombras sabia alguma coisa, tinha ouvido alguns sussurros escuros sobre sua árvore genealógica, e estava desesperado para provar que não era verdade. Magnus não sabia o quão desesperado Stephen Herondale podia estar, e não tinha vontade de descobrir.
Magnus continuou, dirigindo-se a todos:
— Eu sempre fui um amigo dos Caçadores de Sombras. Conheço muitos de seus familiares, de centenas de anos atrás.
— Não há nada que possamos fazer para corrigir os julgamentos questionáveis ​​de nossos antepassados ​​— Lucian disse.
Magnus odiava esse cara.
— Além disso — Magnus continuou, ignorando Lucian Graymark incisivamente — acho sua história suspeita. Valentim está pronto para caçar qualquer Ser do Submundo sob vagos pretextos. O que os vampiros que ele matou no Harlem lhe fizeram?
Stephen Herondale franziu a testa e olhou para Lucian, que parecia perturbado por sua vez, mas respondeu:
— Valentim me disse que foi caçar alguns vampiros que quebraram os Acordos.
— Oh, os Seres do Submundo são todos tão culpados. E isso é muito conveniente para vocês, não é? E quanto a seus filhos? O menino que veio me chamar tinha uns nove anos. Será que ele foi jantar a carne de um Caçador de Sombras?
— Os filhotes roem qualquer osso que os mais velhos largarem — murmurou a mulher de cabelos negros, e o homem ao lado dela assentiu.
— Maryse, Robert, por favor. Valentim é um homem nobre! — Lucian disse, elevando a voz quando virou-se para enfrentar Magnus. — Ele não feriria uma criança. Valentim é o meu parabatai, meu mais amado irmão de armas. Sua luta é minha. Sua família foi destruída, os Acordos foram quebrados, e ele merece e vai ter sua vingança. Afaste-se, bruxo.
Lucian Graymark não tinha a mão em sua arma, mas Magnus viu que a mulher de cabelos pretos atrás dele, Maryse, segurava uma lâmina entre os dedos. O feiticeiro olhou novamente para Stephen e percebeu exatamente por que seu rosto era tão familiar. Cabelos dourados e olhos azuis, ele era uma versão mais etérea e delgada de um jovem Edmund Herondale, como se Edmund tivesse voltado do céu duas vezes mais angelical. Magnus não conhecera Edmund por muito tempo, mas Edmund fora o pai de Will Herondale, que tinha sido um dos poucos Caçadores de Sombras que Magnus pensava como um amigo.
Stephen viu Magnus olhando-o. Seus olhos se estreitaram tanto que agora a doçura azul deles se perdeu, eles pareciam pretos.
— Chega dessa conversa-mole! — disse Stephen.
Ele soou como se estivesse citando alguém, e Magnus apostou que sabia quem.
— Stephen, não... — Lucian ordenou, mas o Stephen de cabelos dourados já tinha arremessado uma faca na direção de um lobisomem.
Magnus balançou a mão e mandou a faca para o chão. Ele olhou para os lobisomens. A mulher que tinha falado antes encarou-o intensamente, como se tentasse transmitir uma mensagem.
— Isto é o que os modernos jovens Caçadores de Sombras tornaram-se, não é? — perguntou Magnus. — Deixe-me ver, como é sua pequena fábula para dormir sobre quão super-hiper-mega todos vocês são...? Ah, sim. Através das eras seu mandato tem sido o de proteger a humanidade, lutar contra as forças do mal até que elas sejam finalmente vencidas e o mundo possa viver em paz. Vocês não parecem interessados em trazer paz ou proteger ninguém. Pelo o que vocês estão lutando, exatamente?
— Eu estou lutando por um mundo melhor para mim e meu filho — disse a mulher chamada Maryse.
— Não tenho nenhum interesse no mundo que você quer — Magnus respondeu. — Ou no seu pirralho, sem dúvida repugnante, eu poderia acrescentar.
Robert tirou um punhal de sua manga.
Magnus não estava preparado para perder toda a sua magia desviando adagas. Ele ergueu uma mão no ar e toda a luz na sala foi apagada. Havia apenas a iluminação do néon da cidade lá fora, não fornecendo iluminação suficiente para se poder enxergar, mas Robert jogou o punhal da mesma forma. Foi quando os vidros das janelas quebraram e formas escuras entraram ali: a jovem Rachel Whitelaw pousou rolando no chão a frente de Magnus, a lâmina dirigida para ele fincando-se no ombro dela.

***

Magnus podia ver melhor no escuro do que a maioria. Ele viu que, passada toda a esperança, os Whitelaw haviam chegado. Marian Whitelaw, a chefe do Instituto; seu marido, Adam; o irmão de Adam; e um jovem primo Whitelaw que Marian e Adam acolheram depois da morte de seus pais.
Os Whitelaw já vieram lutando esta noite. Suas roupas de combate estavam manchadas de sangue e rasgadas, e Rachel Whitelaw estava claramente ferida. Havia sangue no cabelo grisalho de Marian, mas Magnus não achava que era dela. Marian e Adam Whitelaw, Magnus sabia, não foram capazes de ter suas próprias crianças. A história era que eles adoravam os jovens primos que viviam com eles, que sempre faziam festa sobre quaisquer Caçadores de Sombras jovens que viessem para o seu Instituto. Os membros do Círculo devem ter sido colegas dos primos de Whitelaw, criados juntos em Idris. O Círculo foi projetado exatamente para ganhar a simpatia dos Whitelaws.
O Círculo estava, no entanto, em pânico. Eles não podia enxergar como Magnus. Não sabiam quem os estava atacando, só que alguém tinha vindo em socorro de Magnus. Magnus viu o giro e ouviu o choque de lâminas se encontrando, tão alto que foi quase impossível ouvir Marian Whitelaw gritando comandos para que o Círculo parasse e soltasse suas armas. Ele imaginou se os membros do Círculo sequer percebiam contra quem estavam lutando.
Ele conjurou uma pequena luz na palma da mão e procurou a mulher lobisomem. Tinha que saber por que os lobisomens não atacavam.
Alguém bateu nele. Magnus focou nos olhos de Stephen Herondale.
— Você nunca tem dúvidas sobre tudo isso? — Magnus sussurrou.
— Não — Stephen arquejou. — Eu perdi muito muito... sacrifiquei muito por esta grande causa para virar as costas para ela agora.
Enquanto falava, ele balançou a adaga na direção da garganta de Magnus. Magnus virou o punho do jovem até que ele deixou a lâmina cair.
Magnus repente não ligava para o que Stephen tinha sacrificado, ou para a dor em seus olhos azuis. Queria que Stephen se fosse desta terra. Magnus queria esquecer que vira o rosto de Stephen Herondale, tão cheio de ódio e tão parecido com rostos Magnus tinha amado. O bruxo convocou uma nova magia e estava prestes a atirá-la em Stephen, quando um pensamento o atingiu. Ele não sabia como poderia encarar Tessa novamente se matasse um de seus descendentes.
Então Marian Whitelaw entrou no raio de iluminação do feitiço de Magnus em sua palma e o rosto de Stephen ficou branco com a surpresa.
— Madame, é você! Nós não sabíamos... nós somos Caçadores de Sombras. Não deveríamos estar lutando sobre eles. Eles são Seres do Submundo — Stephen assobiou. — Irão se transformar sobre você como os cães traiçoeiros que são. Essa é a natureza deles. Não são algo pelo o que vale a pena lutar. O que você diz?
— Não tenho nenhuma prova de que esses lobisomens quebraram os Acordos.
— Valentim disse... — Stephen começou, mas Magnus ouviu a incerteza em sua voz.
Lucian Graymark podia acreditar que eles só caçavam Seres do Submundo que tinha quebrado os Acordos, mas Stephen, pelo menos, sabia que eles estavam agindo como justiceiros em vez de cumpridores da Lei dos Caçadores de Sombras. Stephen estava fazendo isso da mesma forma.
— Eu não me importo com o que Valentim Morgenstern diz. Eu digo que a Lei é dura — Marian Whitelaw respondeu.
Ela desceu sua lâmina, girou-a e foi de encontro com a de Stephen. Seus olhos se encontraram, reluzentes, sobre as lâminas.
Marian continuou em voz baixa:
— Mas é a Lei. Você não vai tocar esses Seres do Submundo enquanto eu ou qualquer outro de meu sangue viver.
Caos irrompeu, e as fantasias mais escuras de Magnus se provaram erradas. Quando a luta começara, havia Caçadores de Sombras ao seu lado, lutando com ele contra outros Caçadores de Sombras, lutando por Seres do Submundo e Acordos de paz que todos tinham concordado.
A primeira vítima fatal foi a Whitelaw mais jovem. Rachel Whitelaw investiu contra a mulher chamada Maryse, e a pura ferocidade do ataque pegou Maryse tão de surpresa que Rachel quase a atingiu. Maryse tropeçou e se equilibrou, buscando desajeitadamente uma lâmina nova. Então o homem de cabelos negros, Robert, que Magnus imaginava ser seu marido, investiu contra Rachel, que por sua vez, começou a andar para trás.
Rachel caiu, e foi quando a lâmina do homem a trespassou, como se ela fosse uma borboleta.
— Robert! — Maryse exclamou suavemente, como se não pudesse acreditar que aquilo estava acontecendo.
Robert puxou sua espada do peito de Rachel, e Rachel caiu no chão.
— Rachel Whitelaw acabou de ser morta por um Caçador de Sombras — Magnus gritou, e até mesmo então pensou que Robert poderia clamar que tinha vindo defender sua esposa. Magnus imaginou que os Whitelaw poderiam parar as lâminas em vez de derramar mais sangue Nephilim.
Mas Rachel fora o bebê da família, a alegria especial de todos. Os Whitelaw como um rugiram um desafio e lançaram-se para a briga com ferocidade redobrada.
Adam Whitelaw, um velho impassível de cabelos brancos, homem que sempre parecia simplesmente seguir a liderança de sua esposa, investiu contra o Círculo de Valentim, girando um machado reluzente sobre a cabeça, cortando todos os que estavam diante dele.
Magnus seguiu para os lobisomens, a mulher que era a única que permaneceu humana, embora os dentes e garras fossem crescendo em ritmo acelerado.
— Por que você não está lutando? — Ele exigiu.
A mulher lobisomem olhou para ele como se ele fosse incrivelmente estúpido.
— Por que as pessoas de Valentim estão aqui — ela retrucou. — Porque ele tem a minha filha. Ele a levou por lá, e disseram que se nós nos transformássemos para segui-la, iriam matá-la.
Magnus não parou um instante para refletir sobre o que Valentim poderia fazer a uma criança do Submundo desamparada. Ele ergueu a mão e explodiu o chão aos pés do Caçador de Sombras atarracado, o que guardava a única porta na extremidade do cômodo, e então correu naquela direção.
Ele ouviu os gritos atrás dele, os Whitelaw exigindo:
— Bane, onde você está...
E um grito, Magnus imaginou vindo de Stephen, dizendo:
— Ele está indo atrás de Valentim! Matem-no!
Depois da porta, Magnus ouviu um som baixo e horrível. Ele empurrou a porta aberta.
Do outro lado havia um pequeno cômodo comum, do tamanho de um quarto – embora não houvesse cama, eram apenas duas pessoas e uma única cadeira. Havia um homem alto, com cabelos loiro-branco cobrindo a cabeça, vestindo as roupas pretas de Caçadores de Sombras. Estava curvado sobre uma menina que parecia ter doze anos. Ela estava presa na cadeira com uma corrente de prata, e fazia um terrível som, um cruzamento entre um ganir e um choramingo.
Seus olhos estavam brilhantes, Magnus pensou por um momento na luz da lua transformando-os em espelhos.
O seu erro durou o mais breve dos instantes. Valentim moveu-se ligeiramente e o brilho dos olhos da menina mudaram na visão de Magnus. O brilho não estava nos olhos. O brilho do luar vinha moedas de prata pressionadas nos olhos da menina, pequenos fios de fumaça escapando sob os discos brilhantes como os pequenos sons escapando por entre os lábios. Ela estava tentando suprimir o som de sua dor de tanto medo que tinha do que Valentim faria com ela em seguida.
— Onde é que seu irmão foi? — Valentim exigiu, e os soluços da menina continuaram, mas ela não disse nada.
Magnus sentiu por um momento como se tivesse se tornado uma tempestade, nuvens negras ondulando, a explosão do trovão e o golpe de relâmpago, e tudo o que a tempestade queria era saltar na garganta de Valentim. A magia de Magnus atacou quase por vontade própria, saltou de suas as mãos. Parecia um relâmpago, queimando num azul tão intenso que era quase branco. A magia atingiu Valentim e o derrubou contra a parede. Ele bateu com tanta força que uma rachadura formou-se ali, e ele deslizou para o chão.
Esse ato utilizou demasiado poder de Magnus, porém ele não conseguia pensar nisso agora. Ele correu para a cadeira onde estava a menina e tirou a corrente de cima dela, em seguida, tocou-lhe o rosto com dolorosa gentileza.
Ela estava chorando mais livremente agora, estremecendo e soluçando sob suas mãos.
— Silêncio, silêncio. Seu irmão me enviou. Eu sou um feiticeiro; você está segura — ele murmurou, e abraçou-a pela nuca.
As moedas estavam machucando. Teriam que ser removidas. Mas será que removê-las não faria mais estragos? Magnus poderia curar, mas esta nunca fora sua especialidade como era a de Catarina, e ele não curava lobisomens frequentemente. Eles eram tão resistentes. Ele só podia esperar que ela fosse resistente também.
Magnus puxou as moedas tão suavemente quanto pôde, e as jogou contra a parede.
Era tarde demais. Era tarde demais antes de ele ter entrado no quarto. Ela estava cega.
Os lábios dela se separaram. Ela disse:
— Meu irmão está seguro?
— O mais seguro que possa estar, querida — Magnus respondeu. — Vou levá-la até ele.
Assim que Magnus falou a palavra “ele”, sentiu uma lâmina fria afundar em suas costas e sua boca se encher de sangue quente.
— Oh, você vai? — Perguntou a voz de Valentim em seu ouvido.
A lâmina deslizou para fora, machucando bastante na saída uma vez que estava dentro de seu corpo. Magnus rangeu os dentes e agarrou o encosto da cadeira com mais força, mantendo-se arqueado de modo a proteger a criança, e virou o rosto para enfrentar Valentim.
O homem de cabelos esbranquiçados parecia mais velho do que os outros garotos, mas Magnus não tinha certeza se ele era mesmo mais velho ou se seu frio propósito simplesmente fez o seu rosto parecer esculpido em mármore. Magnus queria esmagá-lo.
A mão de Valentim se moveu, e Magnus conseguiu apenas segurar o pulso de Valentim antes que ele afundasse a lâmina em seu coração. Magnus concentrou-se e fez o aperto de sua mão queimar, eletricidade azul circulando em seus dedos. Fez o contato queimar como o toque da prata tinha queimado a menina, e sorriu ao ouvir o silvo de dor de Valentim.
Valentim não perguntara o nome dele como os outros, não tratara Magnus exatamente como uma pessoa. Valentim simplesmente encarou Magnus com olhos frios da mesma forma que alguém olharia um animal repugnante em seu caminho impedindo seu progresso.
— Você está interferindo em meus negócios, bruxo.
Magnus cuspiu sangue em seu rosto.
— Você está torturando uma criança em minha cidade. Caçador de Sombras.
Valentim usou a mão livre para aplicar um golpe que enviou Magnus cambaleando para trás. Valentim girou e o seguiu, e Magnus pensou: bom. Isso significava que ele estava se movendo para longe da garota.
Ela estava cega, mas era uma licantropo, o olfato e som eram tão importantes quanto a visão. Ela podia correr e encontrar seu caminho de volta para sua família.
— Pensei que estivéssemos jogando um jogo onde dizemos ao outro o que estávamos fazendo — Magnus comentou. — Será que entendi errado? Posso tentar de novo? Você está quebrando suas próprias Leis sagradas, imbecil?
Ele olhou para a menina, esperando que ela corresse, mas ela parecia congelada no lugar com terror. Magnus não se atreveu a chamá-la, atrairia a atenção de Valentim.
Magnus ergueu uma mão, esboçando um feitiço no ar, mas Valentim viu o ataque chegando e se esquivou. Ele saltou no ar e, em seguida, percorreu a parede – os Nephilim eram rápidos – para estocar Magnus. Ele atacou as pernas de Magnus, e quando o feiticeiro caiu, Valentim o chutou brutalmente. Girou a espada e baixou-a. Magnus rolou de modo que a arma resvalou ao longo das costelas, cortando camisa e pele, mas sem atingir os órgãos vitais. Não desta vez.
Magnus ternamente esperava que não morresse aqui, neste armazém frio, longe de alguém que amava. Tentou levantar-se do chão, porém estava escorregadio com seu próprio sangue, e a reserva de magia que possuía não era suficiente para curar ou lutar, muito menos dois juntos.
Marian Whitelaw surgiu em sua frente, as espadas sacadas e novas runas brilhando em seus braços. O cabelo dela reluzia prateado em sua visão turva.
Valentim balançou a espada e cortou a Caçadora de Sombras ao meio.
Magnus suspirou, a salvação estava se perdendo mais rápido do que tinha sido encontrada. Em seguida, virou a cabeça em direção ao som de mais passos na pedra.
Foi um idiota por ter esperado mais um salvador. Viu um dos integrantes do Círculo de Valentim de pé na porta com os olhos fixos na menina lobisomem.

***

— Valentim! — Lucian Graymark gritou.
Ele correu para a garota, e Magnus ficou tenso, pronto para um salto, e então congelou quando viu Lucian pegar a menina e girá-la para seu mestre.
— Como você pôde fazer isso? Ela é uma criança!
— Não, Lucian. Ela é um monstro em forma de criança.
Lucian estava segurando a garota, a mão em seu cabelo, calmante e acariciando. Magnus estava começando a pensar que poderia ter interpretado mal Lucian Graymark. O rosto de Valentim estava branco como osso. Ele parecia uma estátua mais do que nunca.
Valentim disse lentamente:
— Será que você não me jurou obediência incondicional? Diga-me, que uso tenho para um segundo em comando que me enfraquece assim?
— Valentim, eu o adoro e compartilho sua dor — Lucian falou. — Sei que você é um bom homem. Sei que se você parar e pensar, verá que isso é loucura.
Quando Valentim deu um passo em sua direção, Lucian deu um passo para trás. Ele curvou uma mão protetoramente na cabeça da menina lobisomem – enquanto ela se agarrou a ele com suas pequenas pernas prendendo-se em torno da cintura dele – e a outra mão vacilou como se pudesse ir para a arma.
— Muito bem — Valentim disse calmamente, por fim. — Faça à sua maneira.
Ele ficou de lado para deixar Lucian Graymark passar pela porta e ir para o corredor, seguindo de volta para a sala onde os lobisomens poderiam estar a salvo. Deixou Lucian levar a filha dos lobisomens de volta para eles, e seguiu-o à distância.
Magnus não confiou em Valentim por um instante. Não acredita que a menina estaria segura até que estivesse nos braços da mãe.
Lucian Graymark tinha comprado para Magnus tempo suficiente para o feiticeiro reunir sua magia. Magnus se concentrou e sentiu sua pele se unir, enquanto sua energia era drenada.
Ele se levantou do chão e correu atrás deles.

***

A luta no cômodo para onde voltaram estava mais silenciosa, porque havia muitos mortos. Alguém conseguiu acender as luzes novamente. Havia um lobo morto no chão, transformando-se centímetro por centímetro em um jovem pálido. Outro garoto estava morto ao seu lado, um do Círculo, e na morte eles não pareciam tão diferentes.
Muitos dos Caçadores de Sombras do Círculo de Valentim ainda estavam de pé. Nenhum dos Whitelaw estava. Maryse Lightwood estava com o rosto nas mãos. Alguns dos outros estavam visivelmente abalados. Agora que as sombras e o frenesi de batalha haviam diminuído, era possível olhar para o que eles tinham feito.
— Valentim — Maryse chamou, sua voz implorando quando seu líder se aproximou. — Valentim, o que fizemos? Os Whitelaw estão mortos... Valentim...
Todos olharam para Valentim quando ele se aproximou, agrupando-se em torno dele como crianças com medo de adultos. Valentim deve ter se apossado deles muito jovens, Magnus pensou, mas encontrou-se incapaz de se importar se eles tiveram uma lavagem cerebral ou foram iludidos, não depois do que eles tinham feito. Parecia que toda a piedade o deixou.
— Vocês não fizeram nada, apenas tentaram defender a Lei — Valentim respondeu. — Sabe que todos os traidores de nossa espécie devem pagar um dia. Se eles preferiram mudar de lado a confiar em nós, seus companheiros filhos do Anjo, todos foram muito bem.
— E a Clave? — perguntou o homem de cabelos encaracolados, uma nota de desafio em sua voz.
— Michael — murmurou o marido de Maryse.
— O que têm eles, Wayland? — Valentim perguntou, sua voz cortante. — Os Whitelaw morreram por culpa de lobisomens fora-da-lei. É a verdade, e é o que vamos dizer a Clave.
O único do Círculo de Valentim que não ouvia desesperadamente era Lucian Graymark. Ele fez o seu caminho até a mulher lobisomem e colocou a menina em seus braços. Magnus ouviu a respiração travada da mulher enquanto ela via os olhos da filha. Ouviu-a começar a chorar baixinho. Lucian estava ao lado da mãe e da filha, parecendo profundamente angustiado. Em seguida, atravessou o cômodo com um repentino passo determinado.
— Vamos, Valentim — disse ele. — Tudo isso com os Whitelaw foi... Foi um terrível acidente. Não queremos nosso Círculo penalizado por isso. Devemos ir agora. Estas criaturas não valem seu tempo, qualquer uma delas. Estes lobisomens desertores apenas separaram-se de sua matilha. Você e eu vamos caçar o acampamento lobisomem onde a verdadeira ameaça reside hoje. Vamos derrubar o líder juntos.
— Juntos. Mas amanhã à noite. Gostaria de voltar para a casa hoje à noite? — perguntou Valentim em voz baixa. — Jocelyn tem algo a lhe dizer.
Lucian apertou o braço de Valentim, claramente aliviado.
— É claro. Tudo por Jocelyn. Qualquer coisa por vocês. Você sabe disso.
— Meu amigo — disse Valentim — eu sei.
Valentim apertou o braço do outro em troca, mas Magnus viu o olhar que Valentim deu a Lucian.
Havia amor no olhar, bem quanto ódio, e o ódio estava ganhando. Era tão claro quanto uma barbatana de tubarão prateada nas águas escuras dos olhos negros de Valentim. Havia morte em seus olhos.
Magnus não se surpreendeu. Ele tinha visto muitos monstros que podiam amar, mas apenas poucos deixavam o amor alterá-los, poucos eram capazes de transformar o amor por uma pessoa em bondade para muitos.
Lembrou-se do rosto de Valentim enquanto o líder do Círculo tinha cortado Marian Whitelaw em metades sangrentas, e Magnus se perguntou como seria viver com alguém como Valentim, perguntou o que era para a sua esposa, que Marian descrevera como encantadora. Você podia compartilhar a cama com um monstro, colocar a cabeça no mesmo travesseiro que uma cabeça cheia de assassinatos e loucura. O próprio Magnus fizera isso.
Mas o amor que cega não dura muito. Um dia você levanta a cabeça do travesseiro e descobre que estava vivendo em um pesadelo.
Lucian Graymark talvez fosse o único do grupo com a qual valia a pena se preocupar, e Magnus apostaria que ele era tão bom quanto morto.
Magnus esteve tão terrivelmente errado em deixar o passado enganá-lo;  errado achando que o único com bondade no fundo era Stephen Herondale. Magnus olhou para Stephen, seu belo rosto e a boca débil. Magnus teve um súbito impulso de dizer ao Caçador de Sombras que Magnus conhecia e adorava sua antepassada, que Tessa ficaria tão decepcionada com ele. Mas não queria que o Círculo de Valentim lembrasse ou fosse atrás de Tessa.
Magnus não disse nada. Stephen Herondale tinha escolhido seu lado, e Magnus tinha escolhido o dele.
O Círculo de Valentim retirou-se do armazém, marchando como um pequeno exército.
Magnus correu para onde o velho Adam Whitelaw estava em uma poça de sangue, seu machado brilhante caído, sujo e imóvel, na mesma piscina escura.
— Marian? — perguntou Adam.
Magnus ficou de joelhos no sangue, as mãos encontrando e fechando as piores feridas. Haviam tantas ali, demais.
Magnus olhou para os olhos de Adam, onde a luz estava indo embora, e Adam soube ler a resposta em seu rosto antes que Magnus pudesse descobrir um modo de mentir para ele.
— Meu irmão? — perguntou Adam. — A-as crianças?
Magnus olhou ao redor do cômodo cheio de mortes. Quando voltou-se para o Caçador de Sombras, Adam Whitelaw tinha virado o rosto e fechado a boca para que ela não traísse sua dor ou pesar. Magnus usou toda a magia que possuía para aliviar a dor do homem, e no fim Adam ergueu a mão e acalmou Magnus, descansou a cabeça contra o braço de Magnus.
— Chega, feiticeiro — ele disse, sua voz rouca. — Eu não... eu não viveria, mesmo que pudesse.
Ele tossiu, um terrível som molhado, e fechou os olhos.
— Ave atque vale, Caçador de Sombras — Magnus sussurrou. — Seu Anjo ficaria orgulhoso.
Adam Whitelaw não pareceu ouvir. Pouco tempo depois, o último dos Whitelaw morreu nos braços de Magnus.

***

A Clave acreditava que os Whitelaw foram mortos por lobisomens fora-da-lei, e nada do que Magnus depôs fez diferença. Ele não esperava que acreditassem nele. Nem sabia por que discutiu, provavelmente só por que os Nephilim preferiam claramente que ele ficasse em silêncio.
Magnus esperou que o Círculo voltasse.
O Círculo não veio para Nova York novamente, mas Magnus os viu mais uma vez. Viu-os no Uprising.
Não muito tempo depois da noite no armazém, Lucian Graymark desapareceu como se tivesse morrido, e Magnus assumiu que ele tivesse. Mais tarde, um ano depois, Magnus teve notícias de Lucian novamente. Ragnor Fell contou a Magnus sobre um lobisomem que tinha sido um Caçador de Sombras, e que ele estava se espalhando o rumos de que a hora havia chegado, que o Submundo tinha que estar pronto para lutar contra o Círculo. Valentim revelaria seu plano e armaria seu Círculo no momento em que os Acordos de paz entre os Nephilim e os Seres do Submundo fossem ser assinados novamente. O Círculo atacaria tanto Seres do Submundo quanto Caçadores de Sombras no Grande Salão do Anjo.
Graças ao aviso do Lucian Graymark, Seres do Submundo foram capazes de correr para o Grande Salão e surpreender o Círculo de Valentim. Também foram fortemente armados.
Os Caçadores de Sombras surpreenderam Magnus então, assim como os Whitelaw o surpreenderam antes. A Clave não abandonou os Seres do Submundo e se juntou ao Círculo. A grande maioria deles, a Clave e os líderes dos Institutos, fizeram a escolha que os Whitelaws tinham feito antes deles. Eles lutaram por seus aliados jurados e pela paz, e Círculo de Valentim foi derrotado.
Mas uma vez que a batalha estava terminada, os Caçadores de Sombras responsabilizaram os Seres do Submundo pela morte de muitos de seu povo, como se a batalha tivesse sido ideia do Submundo. Os Caçadores de Sombras se orgulhavam de sua justiça, mas a sua justiça para o povo de Magnus era sempre amarga.
As relações entre os Nephilim e o Submundo não melhoraram. Magnus imaginou que nunca melhorariam.
Especialmente quando a Clave enviou os últimos membros remanescentes do Círculo – os Lightwood e outro antigo membro chamado Hodge Starkweather – para a cidade de Magnus para expiar seus crimes, dirigindo o Instituto de Nova York como exilados da Cidade de Vidro.
Os Caçadores de Sombras ficaram escassos o suficiente após o massacre, e não podiam ser aumentados sem a Taça Mortal, que parecia ter-se perdido com Valentim. Os Lightwood sabiam que foram tratados misericordiosamente devido às suas conexões elevadas na Clave, e que se escorregassem uma vez, a Clave iria esmagá-los.
Raphael Santiago dos vampiros, que devia um ou talvez centenas de favores a Magnus, relatou que os Lightwood eram distantes, mas escrupulosamente justos com cada Ser do Submundo com quem entravam em contato. Magnus sabia que, mais cedo ou mais tarde, teria que trabalhar com eles, teria que aprender a ser civilizado com eles, mas preferia que fosse mais tarde. A tragédia sangrenta do Círculo de Valentim se acabara, e Magnus preferia não olhar de volta na escuridão, apenas para a frente e esperar pela luz.
Por mais de dois anos após a Revolta, Magnus não viu nenhum dos integrantes do Círculo de Valentim novamente. Até que aconteceu.


Cidade de Nova York, 1993

A vida dos feiticeiros era algo de imortalidade, encanto, magia e emoção através das eras.
Às vezes, porém, Magnus queria ficar em casa e assistir televisão no sofá como todos. Ele estava enrolado no sofá com Tessa, e eles estavam assistindo a um vídeo de Orgulho e preconceito. Tessa estava reclamando por algum tempo sobre como o livro era melhor.
— Não é assim que Jane Austen teria esperado — Tessa disse. — Se ela pudesse ver isso, estou certa de que ela ficaria horrorizada.
Magnus desenrolou-se do sofá e foi para ficar perto da janela. Estava esperando a entrega da comida chinesa, e morria de fome depois de um longo dia de ociosidade e devassidão. Ele não enxergava um entregador, no entanto. A única pessoa na rua era uma jovem mulher carregando um bebê embrulhado apertado contra o frio. Ela estava andando rápido, sem dúvida, a caminho de casa.
— Se Jane Austen pudesse ver isso — Magnus falou — suponho que ela estaria gritando, “Há pequenos demônios nesta pequena caixa! Busque um clérigo!” e bateria na televisão com a sombrinha.
A campainha tocou, e Magnus fez seu caminho a partir da janela.
— Finalmente — disse Magnus, pegando dez dólares de uma mesa perto da porta, e permitiu que o entregador entrasse no prédio. — Eu preciso de alguma carne e brócolis antes de enfrentar mais do Sr. Darcy. É uma verdade universalmente reconhecida que se você assistir muita televisão de estômago vazio, a cabeça cai.
— Se sua cabeça caísse — Tessa apontou — a indústria de cabeleireiros iria entrar em uma crise econômica.
Magnus assentiu e tocou o cabelo, que agora caía na altura do queixo. Ele abriu a porta, ainda em sua pose, e encontrou-se olhando para uma mulher com uma coroa de cachos vermelhos. Ela estava segurando uma criança. Era a mulher que ele tinha visto momentos atrás na rua. Magnus ficou surpreso ao ver alguém em sua porta que parecia tão... mundano.
A jovem estava vestindo um jeans desleixado e uma camiseta tie-dye. Ela abaixou a mão, que tinha erguido como se para bater na porta, e Magnus viu o brilho de desbotadas cicatrizes prateadas em seu braço. Magnus vira muito daquelas para estar enganado.
Ela possuía Marcas do Pacto, carregava remanescentes de runas antigas em sua pele como lembranças. Logo, ela não era mundana. Era uma Caçadora de Sombras, mas uma Caçadora de Sombras sem nenhuma Marca recente, sem sua roupa específica.
Ela não estava aqui para um negócio oficial de Caçador de Sombras. Ela significava problemas.
— Quem é você? — Magnus exigiu.
Ela engoliu em seco e respondeu:
— Eu sou... eu era Jocelyn Morgenstern.
O nome evocava lembranças de anos atrás. Magnus se lembrou da lâmina entrando em suas costas e do gosto de sangue. O fez querer cuspir.
A noiva do monstro em sua porta. Magnus não conseguia parar de encarar.
Ela estava olhando também. Parecia paralisada por seu pijama. Magnus estava francamente ofendido. Ele não tinha convidado as esposas de líderes loucos e odiados para virem ao redor e dar seu julgamento sobre o seu guarda-roupa. Se ele quisesse renunciar a uma camisa e vestir pijama de cordão escarlate moldado no formato de ursos polares pretos e uma jaqueta de seda preta, ele poderia fazê-lo. Ninguém que teve a sorte de ver Magnus em seu traje de dormir reclamara.
— Eu não me lembro de ter pedido a noiva de um maníaco do mal — Magnus comentou. — Foi definitivamente carne e brócolis. E você, Tessa? Será que você pediu a noiva de um maníaco do mal?
Ele abriu mais a porta para que Tessa pudesse ver quem estava lá. Mas foi apenas por um momento. Então Magnus viu a protuberância protegida por um cobertor nos braços de Jocelyn se mexer. Foi nesse momento que ele se lembrou que havia uma criança.
— Eu vim aqui, Magnus Bane — Jocelyn falou — para implorar a sua ajuda.
Magnus apertou a borda da porta até os nós dos dedos ficarem brancos.
— Deixe-me pensar — disse ele. — Não.
Ele foi parado pela voz de Tessa, macia:
— Vamos lá, Magnus.
Magnus virou para olhar para Tessa.
— Sério?
— Eu quero falar com ela.
A voz de Tessa havia assumido um tom estranho. Além disso, o rapaz da entrega acabara de aparecer na porta carregando sua sacola de comida. Magnus assentiu para Jocelyn entrar, entregou os dez dólares, e fechou a porta na cara do confuso rapaz antes que ele tivesse a chance de entregar a comida.
Agora Jocelyn ficou sem jeito ao lado da porta. A pequena pessoa em seus braços chutou o ar e esticou as pernas.
— Você tem um bebê — Magnus observou, apontando o que agora era óbvio.
Jocelyn se mexeu desconfortavelmente e segurou o bebê contra o peito.
Tessa aproximou-se deles em silêncio e parou ao lado de Jocelyn. Mesmo que ela usasse leggings pretas e uma camiseta cinza larga que dizia WILLIAM QUER UMA BONECA, ela sempre carregava um ar de formalidade e autoridade. A camisa, como o acontecimento, era uma afirmação feminista que garotos gostavam de brincar com bonecas e garotas com caminhões, mas Magnus suspeitava que ela a tivesse escolhido, em parte, por causa do nome. O marido de Tessa estava morto há tempo suficiente para que o seu nome trouxesse de volta memórias felizes e desbotados, em vez do sentimento de agonia que sentira por anos após o seu falecimento.
Outros bruxos tinham amado e perdido, mas poucos eram tão desesperadamente féis quanto Tessa. Décadas mais tarde, ela não havia permitido que ninguém mais chegasse perto de ganhar seu coração.
— Jocelyn Fairchild — disse Tessa. — Descendente de Henry Branwell e Charlotte Fairchild.
Jocelyn piscou como se não esperasse uma palestra sobre a sua própria genealogia.
— É isso mesmo — ela confirmou com cautela.
— Eu os conheci, entende — explicou Tessa. — Você se parece muito com Henry.
— Você os conheceu? Então você deve ser...
Henry estava morto a quase um século, e Tessa não parecia ter mais que vinte e cinco anos.
— Você é uma feiticeira também, então? — Jocelyn perguntou, desconfiada.
Magnus viu seus olhos irem do topo da cabeça de Tessa a seus pés, buscando a marca de um demônio, o sinal que indicaria a um Caçador de Sombras que ela era imunda, desumana e deveria ser desprezada. Alguns bruxos poderiam esconder suas marcas sob as roupas, mas Jocelyn poderia olhar Tessa o quanto desejasse e nunca encontraria uma marca.
Tessa não se imaginava como indiscreta, mas de repente ficou claro que Tessa era mais alta do que Jocelyn, e seus olhos cinzentos poderiam ser muito frios.
— Eu sou — disse Tessa. — Sou Theresa Gray, filha de um Grande Demônio e Elizabeth Gray, que nasceu de Adele Starkweather, uma de sua espécie. Fui a esposa de William Herondale, que era o líder do Instituto de Londres, e fui a mãe de James Herondale e Lucie Blackthorn. Will e eu criamos nossos filhos Caçadores de Sombras para proteger mundanos, para viver de acordo com as Leis da Clave e do Pacto, e para manter os Acordos.
Ela falou da maneira que ela sabia muito bem, na forma dos Nephilim.
— Uma vez, eu vivi entre os Caçadores de Sombras — Tessa falou suavemente. — Uma vez eu quase poderia ter parecido uma pessoa para você.
Jocelyn parecia perdida, da mesma forma que as pessoas parecem quando aprendem algo tão estranho que o mundo inteiro de repente parece diferente.
— Entendo se você considerar meus crimes contra os Seres do Submundo imperdoáveis — Jocelyn disse — mas eu... eu não tenho outro lugar para ir. E preciso de ajuda. Minha filha precisa de sua ajuda. Ela é uma Caçadora de Sombras e filha de Valentim. Não pode viver entre sua própria espécie. Nós nunca poderemos voltar atrás. Preciso de um feitiço para proteger seus olhos de tudo, como o mundo mundano. Ela pode crescer segura e feliz no mundo mundano. Ela nunca precisa saber que seu pai foi — Jocelyn quase engasgou, mas ela ergueu o queixo e acrescentou: — Ou o que sua mãe fez.
— Então você vem implorando para nós — Magnus comentou. — Os monstros.
— Não tenho nenhuma desavença com Seres do Submundo — Jocelyn disse por fim. — Eu... meu melhor amigo é um Ser do Submundo, e não acredito que ele seja tão diferente da pessoa que sempre amei. Eu estava errada. Terei que viver para sempre com o que fiz. Mas, por favor, minha filha não fez nada.
Seu melhor amigo, um Ser do Submundo. Magnus supôs que Lucian Graymark ainda estivesse vivo, então, embora ninguém o tivesse visto desde a Revolta. Magnus pensou um pouco melhor de Jocelyn por reivindicá-lo como seu melhor amigo. As pessoas que diziam que ela e Lucian planejaram derrotar Valentim juntos, embora Jocelyn não estivesse ali para confirmar o rumor após a batalha. Magnus não tinha visto Jocelyn durante a Revolta. Não sabia se acreditava nos rumores ou não.
Magnus tinha muitas vezes considerado que a justiça dos Caçadores de Sombras era muito parecida com crueldade, e ele não queria ser cruel. Olhou para a expressão desesperada e cansada da mulher e para o embrulho em seus braços, e não podia ser cruel. Ele acreditava na redenção, a incipiente graça em todas as pessoas que encontrava. Era uma das poucas coisas que ele tinha que acreditar, a possibilidade de beleza, quando confrontado com a realidade de tanta feiura.
— Você disse que era casada com um Herondale — Jocelyn apelou para Tessa, a voz fraquejando, como se já pudesse ver a fraqueza deste argumento, mas não tinha nenhum outro para dar. — Stephen Herondale era meu amigo...
— Stephen Herondale teria me matado se tivesse me encontrado — Tessa cortou-a. — Eu não teria uma vida segura entre as pessoas como você, ou como ele. Eu sou a esposa e a mãe de guerreiros que lutaram e morreram, e nunca se desonraram como vocês. Eu usei a roupa de combate, manipulei lâminas e matei demônios, e tudo o que eu queria era superar o mal para que eu pudesse viver e ser feliz com aqueles que eu amava. Eu esperava ter feito um mundo melhor, mais seguro para os meus filhos. Por causa do Círculo de Valentim, a linhagem Herondale, a linhagem que foi dos filhos dos filhos do meu filho, está terminada. Algo que aconteceu através de você, seu Círculo e seu marido. Stephen Herondale morreu com ódio em seu coração e o sangue do meu povo nas mãos. Não posso imaginar fim mais terrível para a minha linhagem e a de Will. Terei que levar para o resto da minha vida a ferida que o Círculo de Valentim me causou, e eu vou viver para sempre.
Tessa fez uma pausa e olhou para o rosto pálido e desesperado de Jocelyn, e então disse, mais suavemente:
— Mas Stephen Herondale fez sua próprias escolhas, e você tomou outras decisões além de somente odiar. Eu sei que Valentim não poderia ter sido derrotado sem sua ajuda. E sua criança não fez mal a ninguém.
— Isso não significa que ela tem direito à nossa ajuda — interrompeu Magnus. Ele não queria rejeitar Jocelyn, mas ainda havia uma irritante voz dentro dele que dizia que ela era uma inimiga. — Além do que, não faço caridades para Caçadores de Sombras, e duvido que ela tenha dinheiro para pagar por minha ajuda. Fugitivos são tão raramente bem financiados.
— Eu vou arrumar o dinheiro —disse Jocelyn. — Não sou não um caso de caridade, e não sou mais uma Caçadora de Sombras. Não quero ter nada que me ligue aos Caçadores de Sombras. Quero ser alguém diferente. Quero criar minha filha para ser outra pessoa, não ligada à Clave ou influenciada por ninguém. Quero que ela seja mais corajoso do que eu, mais forte do que fui, para não deixar que ninguém decida o seu destino além de si mesma.
— Ninguém poderia pedir mais do que isso para seu filho — disse Tessa, e se aproximou. — Posso segurá-la?
Jocelyn hesitou por um momento, segurando a criança mais próxima de si. Então, lentamente, com relutância, seus movimentos quase secos, ela se inclinou para frente e colocou seu bebê com enorme cuidado nos braços de uma mulher que acabara de conhecer.
— Ela é linda — Tessa murmurou.
Magnus não sabia se Tessa tinha pegado um bebê nas últimas décadas, mas puxou a criança para si, mantendo-a firme no círculo de seus braços, com o instinto de amor e o ar casual de uma mãe.
Magnus a tinha visto uma vez, segurando um de seus netos dessa mesma forma.
— Qual o nome dela?
— Clarissa — Jocelyn respondeu, olhando para Tessa atentamente, e então, como se estivesse revelando um segredo a eles, ela completou: — Eu a chamo de Clary.
Magnus olhou sobre o ombro de Tessa para o rosto da criança. A menina era mais velha do que Magnus tinha pensado, pequena para a idade, mas seu rosto tinha perdido o as curvinhas da infância: ela devia ter quase dois anos, e já parecia com sua mãe. Ela parecia uma Fairchild. Tinha cachos vermelhos, da mesma cor que Henry tivera, cobrindo sua pequena cabeça, e olhos verdes e límpidos como uma joia brilhante, que piscavam com curiosidade para seus arredores.
Ela não pareceu se opor a ser entregue a um estranho. Tessa colocou o cobertor do bebê de forma mais segura ao seu redor, e a pequena mão gordinha de Clary fechou-se com determinação em torno do dedo de Tessa. A criança balançou o dedo de Tessa para frente e para trás, como se para exibir sua nova posse.
Tessa sorriu para o bebê, um sorriso lento e brilhante, e sussurrou:
— Olá, Clary.
Ficou claro que Tessa a considerava mais em sua mente. Magnus se inclinou, seu ombro descansando levemente contra Tessa, e olhou para o rosto da criança. Ele acenou para chamar sua atenção, movendo os dedos de modo que todos os seus anéis brilhavam na luz. Clary riu, os dentes perolados surgindo ao som da mais pura alegria, e Magnus sentiu o nó de ressentimento soltar-se em seu peito.
Clary se contorceu de forma clara e imperiosa sinalizando que queria ser descida até o chão, mas Tessa entregou-a a Jocelyn, de modo que a mãe de Clary decidiria se ela ficaria no chão ou não. Jocelyn poderia não querer sua criança correndo pela casa de um bruxo.
Jocelyn olhou ao redor, apreensiva, mas ou decidiu que era seguro ou que era pequeno, enquanto Clary se contorcia – era teimosa, e sua mãe sabia que teria que deixá-la ir livremente. Ela colocou Clary no chão, e Clary foi cambaleando determinadamente em sua busca.
Eles ficaram parados, observando o brilho de sua pequena cabeça balançando de um lado ao outro enquanto ela agarrava o livro de Tessa, uma das velas de Magnus (que Clary mordeu pensativamente por um momento), e uma bandeja de prata que Magnus tinha deixado sob o sofá.
— Coisinha curiosa, não é? — Magnus perguntou.
Jocelyn olhou para Magnus. Seu olhos estiveram ansiosamente presas em sua criança.
Magnus se viu sorrindo para ela.
— Não é uma má qualidade — ele assegurou. — Ela poderia crescer para ser uma aventureira.
— Eu quero que ela cresça para ser segura e feliz — disse Jocelyn. — Não quero que ela tenha aventuras. Aventuras acontecem quando a vida é cruel. Quero que ela tenha uma vida mundana, calma e doce, e eu esperava que ela fosse nascer sem ser capaz de ver o Mundo das Sombras. Não é um mundo para uma criança. Mas nunca tive muita sorte com esperança. Eu a vi tentando brincar com uma fada em um arbusto esta manhã. Preciso que você me ajude. Preciso que a ajude. Poderia protegê-la contra isso?
— Se eu posso arrancar uma parte essencial de sua natureza de criança, e torcê-la de uma forma que poderia servi-la melhor? — Magnus perguntou a ela. — Se você quiser que ela fique louca.
Ele lamentou as palavras logo que falou. Jocelyn olhou-o com o rosto pálido, como se tivesse acabado de ser atingida. Mas Jocelyn Morgenstern não era do tipo de mulher que chorava, que quebrava, ou Valentim a teria quebrado.
Ela se manteve ereta e perguntou, sua voz nivelada:
— Existe alguma coisa que você possa fazer?
— Há... outra coisa que eu poderia tentar — Magnus respondeu.
Ele não disse que faria. Manteve seus olhos sobre a menina, o pensamento na jovem licantropa que Valentim tinha cegado, de Edmund Herondale sendo despojado de suas Marcas séculos atrás, e de Jamie e Lucie de Tessa e de todos eles. Ele não deixaria uma criança para os Caçadores de Sombras, para quem a Lei viria antes de misericórdia.
Clary avistou pobre gato de Magnus. O Grande Catsby, que estava ficando velho, deitava-se sobre uma almofada de veludo, sua cauda cinza e fofa derramando sobre ele.
Os adultos todos viram que o desastre era iminente. Eles deram um passo para a frente, como um, mas Clary já tinha puxado com força a cauda do Grande Catsby, com o ar real de uma condessa alcançando o cordão da campainha para chamar sua empregada.
O Grande Catsby deu um miado lastimoso para protestar contra a indignidade, virou-se e arranhou Clary, que começou a gritar. Jocelyn estava de joelhos ao lado de Clary no próximo instante, seu cabelo vermelho como um véu sobre a filha, como se pudesse de alguma forma, proteger Clary de todo o mundo.
— Será que ela é parte alma penada? — perguntou Magnus sobre o lamento penetrante.
Clary soou como uma sirene de polícia. Magnus sentiu como se estivesse indo ser preso pela vigésima sétima vez. Jocelyn olhou para ele através de seu cabelo, e Magnus levantou as mãos em sinal de rendição simulada.
— Oh, perdão. A mim o que implica é que as linhagens da criança de Valentim sejam menos que puros.
— Vamos lá, Magnus — Tessa falou em voz baixa.
Ela amou muito mais Caçadores de Sombras que Magnus gostou um dia. Ela andou e ficou ao lado de Jocelyn. Colocou a mão no ombro de Jocelyn, e Jocelyn não se esquivou do aperto.
— Se você quer que a criança fique segura — disse Magnus — ela não precisa só de um feitiço para esconder sua própria Visão. Precisa ser protegida do sobrenatural, bem como de quaisquer demônios que possam vir rastejando para ela.
— E que Irmã de Ferro e Irmão do Silêncio fará essa cerimônia para mim sem levar Clary e a mim para a Clave? — Jocelyn exigiu. — Não. Eu não posso arriscar. Se ela não souber nada do Mundo das Sombras, estará segura.
— Minha mãe era uma Caçadora de Sombras que não sabia nada do Mundo das Sombras — Tessa apontou. — Isso não a manteve segura.
Jocelyn encarou Tessa em horror aberto, obviamente capaz de inferir a história do que tinha acontecido: um demônio que teve acesso a uma mulher Caçadora de Sombras desprotegida, e Tessa tinha sido o resultado.
Houve um silêncio. Clary virou curiosamente para Tessa enquanto Tessa se aproximou, seus gritos esquecidos. Agora ela erguia os pequenos braços gordinhos para a feiticeira. Jocelyn deixar Tessa pegar Clary novamente, e desta vez Clary não tentou se esquivar dela. Clary limpou o rostinho sujo de lágrimas contra a camiseta de Tessa.
Parecia ser um gesto de carinho.
Magnus esperava ninguém fosse oferecer Clary para ele em sua atual condição pegajosa.
Jocelyn piscou e começou, lentamente, um sorriso. Magnus notou pela primeira vez que ela era linda.
— Clary nunca vai com estranhos. Talvez... talvez ela saiba que você não é uma estranha para os Fairchild.
Tessa olhou para Jocelyn, seus olhos cinzentos limpos.
Magnus imaginou, neste caso, se Tessa estava vendo mais do que ele.
— Talvez. Vou ajudá-la com a cerimônia — ela prometeu. — Eu conheço um Irmão do Silêncio que irá manter qualquer segredo, se eu pedir-lhe.
Jocelyn inclinou a cabeça.
— Obrigada, Theresa Gray.
Ocorreu a Magnus quão ultrajado Valentim teria ficado, ao ver sua esposa implorando a Seres do Submundo, imaginando sua criança nos braços de uma feiticeira. O pensamento de Magnus de responder ao apelo de Jocelyn com crueldade recuou ainda mais. Parecia o tipo de vingança que valia a pena provar, provar mesmo após a sua morte, o quão errado Valentim tinha sido.
Ele foi até as duas mulheres e a criança, olhou para Tessa, e viu seu assentimento.
— Bem, então — Magnus disse — parece que vamos ajudá-la, Jocelyn Morgenstern.
Jocelyn se encolheu.
— Não me chame assim. Eu sou... eu sou Jocelyn Fairchild.
— Pensei que você não fosse mais uma Caçadora de Sombras — Magnus apontou. — Se não quer que a encontrem, mudar seu sobrenome parece um primeiro passo bastante elementar. Confie em mim, eu sou um especialista. Assisti a um monte de filmes de espião.
Jocelyn parecia cética, e Magnus revirou os olhos.
— Eu também não nasci com o nome “Magnus Bane” — disse ele. — O escolhi por conta própria.
— Eu, na verdade, nasci Tessa Gray — Tessa falou. — Mas você deve escolher um nome que pareça certo para você. Eu sempre disse que há uma grande quantidade de energia nas palavras, e isso se refere a nomes também. Um nome que você escolhe para si poderia contar-lhe a história do seu destino, e quem você pretende se tornar.
— Me chame de Fray. Unirei os nomes de Fairchild, minha família perdida, e Gray. Porque você é... uma família amiga — disse Jocelyn, falando com súbita firmeza.
Tessa sorriu para Jocelyn, parecendo surpresa mas feliz, e Jocelyn sorriu para a filha. Magnus viu a determinação em seu rosto. Valentim queria esmagar a mundo como Magnus conhecia. Mas esta mulher ajudou a esmagá-lo em vez disso, e agora ela estava olhando para a filha como se ela fosse fazer um outro mundo, brilhante e novo, apenas para Clary, assim Clary nunca seria tocada por qualquer das trevas do passado.
Magnus sabia o que era querer esquecer tanto mal como Jocelyn queria, sabia do apaixonado desejo de proteger que vinha com o amor.
Talvez nenhuma das crianças da nova geração – não esta pequena ruiva teimosa, ou a meia-fada Helen e Marcos Blackthorn do Instituto Los Angeles, ou mesmo as crianças de Maryse Lightwood crescendo em Nova York, longe da Cidade de Vidro – jamais tivesse que aprender a verdade plena sobre a feiura do passado.
Jocelyn acariciou o rosto de sua menina, e quando eles viram o bebê sorrir, as coisas acenderam-se com a alegria de viver. Ela era uma história em si mesma, doce e cheia de esperança, apenas começando.
— Jocelyn e Clary Fray — Magnus falou. — É um prazer conhecê-las.


11 comentários:

  1. Eu adoro essa cena! É minha segunda cena favorita de todos os livros que li da Cassandra, precedida apenas pela cena de Cidade dos Anjos Caídos em que Clary, Jace e Sebastian estão na boate.

    ResponderExcluir
  2. Sério que foi traduzido pra "Tiago Herondale"? Que horror.
    Eca, já é horrível em HP, que colocaram "Tiago".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hum, não era pra estar Tiago, é James mesmo. Acho que o Google Tradutor deve ter mudado o nome e não percebemos o.o

      Excluir
  3. Ele estava enrolado no sofá com Tessa, e eles estavam assistindo a um vídeo de Orgulho e preconceito. Tessa estava reclamando por algum tempo sobre como o livro era melhor.
    — Não é assim que Jane Austen teria esperado — Tessa disse. — Se ela pudesse ver isso, estou certa de que ela ficaria horrorizada. Kkkkkk O livro <3 Mas eu gosto do filme também, minha mãe adora. O gato o Grande Catsby kkkk morri aqui. Eu entendi a referência. E oh dios, Clary era tão fofa! E Magnus parece tão distante no começo, mas nesses contos ele é sempre tão bom, generoso, convencido e engraçado! E um verdadeiro herói, salvando aquela pequena menina licantrope, e lutando contra Valentim! Bane, Bane, maravilhoso!

    ResponderExcluir
  4. Tessa <3
    Ver essa batalha do Magnus contra os Lightwoods e depois ver o ep 12 "Malec" de Shadowhunters é um tapa na cara da Maryse, ahsuah. É estranho pensar em como tudo deu voltar, e é incrível ver essas ligações que a Cassie Clare fez...
    Muito obrigada por postarem!

    ResponderExcluir
  5. MAGNUS BANE SENDO MAGNUS BANE "Mesmo que os Caçadores de Sombras estivessem esperando uma interrupção, e os lobisomens esperassem por um salvador, aparentemente ninguém estava esperando TODO AQUELE ROSA AHHAAHHAHA"

    ResponderExcluir
  6. MAGNUS BANE SENDO MAGNUS BANE PARTE 2: AHAHHAHA "Ninguém que teve a sorte de ver Magnus em seu traje de dormir reclamara."

    ResponderExcluir
  7. ''— Não tenho nenhum interesse no mundo que você quer — Magnus respondeu. — Ou no seu pirralho, sem dúvida repugnante, eu poderia acrescentar.''
    Aiai Magnus, se você soubesse o quanto interessado você ficaria, no futuro, pelo ''pirralho repugnante'' deles... u_u

    ResponderExcluir
  8. Não tenho nenhum interesse no mundo que você quer — Magnus respondeu. — Ou no seu pirralho, sem dúvida repugnante, eu poderia acrescentar.
    Eita pirralho repugnante neh magnos e gato diga-se de passagem ��
    Ele estava enrolado no sofá com Tessa, e eles estavam assistindo a um vídeo de Orgulho e preconceito. Tessa estava reclamando por algum tempo sobre como o livro era melhor.
    Eu amo a amizade desses dois pq todo mundo morre mais no final sempre sobram os dois ��
    — Eu não me lembro de ter pedido a noiva de um maníaco do mal — Magnus comentou. — Foi definitivamente carne e brócolis. E você, Tessa? Será que você pediu a noiva de um maníaco do mal?
    Magnos sempre tem que falar alguma coisa que só ele falaria numa situação dessas mesmo kkkkk
    Tessa aproximou-se deles em silêncio e parou ao lado de Jocelyn. Mesmo que ela usasse leggings pretas e uma camiseta cinza larga que dizia WILLIAM QUER UMA BONECA, ela sempre carregava um ar de formalidade e autoridade. A camisa, como o acontecimento, era uma afirmação feminista que garotos gostavam de brincar com bonecas e garotas com caminhões.
    Eu amo de paixão a Tess , sempre avançada pro tempo que ela vive ������ além de ter a história de amor mais bonita que eu já li.

    ResponderExcluir
  9. Simplesmente perfeito!! Eu entendo a relutância do Magnus pois a Josselyn e o Valentim assassinaram vários feiticeiros, mas sei que como ele disse na série instrumentos mortais ele vai amar a Clary

    ResponderExcluir

• Não dê SPOILER!
• Para comentar sem conta, escolha a opção Nome/URL. Escreva seu nome/apelido e deixe URL em branco

Boa leitura :)